quinta-feira, 17 de julho de 2014

Lição 3 - A Importância da Sabedoria Humilde 1 parte

Lição 3 - A Importância da Sabedoria Humilde
LIÇÕES BÍBLICAS - 3º Trimestre de 2014 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: FÉ E OBRAS - Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica
Comentário: Pr. Eliezer de Lira e Silva
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
Questionário
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
 
 
TEXTO ÁUREO
"Não desampares a sabedoria, e ela te guardará; ama-a e ela  te conservará" (Pv 4.6).
 
 
VERDADE PRÁTICA
A sabedoria que procede de DEUS é humilde, por isso, equilibra o crente em todas as circunstâncias da vida.
 
 
LEITURA DIÁRIA                              
Segunda - Tg 4.3 Oração com propósito sábio
Terça - Pv 3.35  A sabedoria resulta em honra
Quarta - Pv 16.16 A sabedoria é a maior riqueza
Quinta - Cl 4.5 A sabedoria com os não-crentes
Sexta - Pv 3.21b A sabedoria inclui a prudência
Sábado - 2 Cr 1.10 DEUS dá sabedoria a quem o pede
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE- Tiago 1.5; 3.13-18
1.5 E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a DEUS, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada.
3.13-18 -13 Quem dentre vós é sábio e inteligente? Mostre, pelo seu bom trato, as suas obras em mansidão de sabedoria. 14 Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. 15 Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. 16 Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa. 17 Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia. 18 Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.
 
INTERAÇÃO
A sabedoria do alto gera amor, bondade, benignidade e humildade. Ela não estimula o crente a tornar-se soberbo ou arrogante em relação ao próximo, mas nos dá limites. Faz-nos saber até onde podemos ir. Ainda que elevemos a nossa cultura, a língua e tantos outros conhecimentos, nós não temos o direito de nos mostrarmos altivos, os donos da verdade, pois de fato não o somos. A sabedoria do alto nos dá bom senso! Quantos cheios de sabedoria não mais a demonstram no relacionamento com o outro? Teoricamente são sábios, mas relacionalmente imaturos. A sabedoria do alto não gera coração soberbo, mas um coração humilde!
 
OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Descrever a sabedoria que vem de DEUS.
Demonstrar na prática a sabedoria humilde.
Compreender a distinção entre a verdadeira sabedoria e a arrogante.
 
ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Prezado professor, reproduza o quadro abaixo conforme as suas possibilidades. Para iniciar o primeiro tópico da lição, juntamente com os seus alunos, complete as duas colunas do esquema sugerido pedindo-lhes que citem as características de cada coluna respectivamente. Em seguida, discuta com eles as consequências destas sabedorias no ambiente da igreja local, da família, da escola, da empresa onde trabalham etc. Conclua a lição desta semana dizendo que DEUS é bom e dá a sua sabedoria a quem lhe pede.
 
SABEDORIA DO ALTO
SABEDORIA TERRENA
1. Humildade
1. Arrogância
2. Bondade
2. Amarga inveja
3. Mansidão
3. Sentimento faccioso
4. Verdade
4. Mentira
5. Benignidade
5. Soberba
6. Bom Senso
6. Imaturidade
7. Altruísta
7. Egoísta
8. Divina
8. Diabólica
   
   
 
Resumo da Lição 3 - A Importância da Sabedoria Humilde
I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIA A DEUS (Tg 1.5)
1. A sabedoria que vem de DEUS.
2. DEUS é o doador da sabedoria. a) O Senhor é que dá sabedoria.
b) O Senhor dá todas as coisas. c) O Senhor dá a todos os homens.
d) O Senhor dá liberalmente. e) O Senhor dá sem lançar em rosto.
3. Peça a DEUS sabedoria.
II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13)
1. A sabedoria colocada em prática.
2. A humildade como prática cristã.
3. Obras em mansidão de sabedoria.
III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A
ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18)
1. Administrando a sabedoria.
2. Sabedoria verdadeira e a arrogância do saber.    
3. Atitudes a serem evitadas.
 
SINOPSE DO TÓPICO (1) - A sabedoria vem de DEUS. Nós temos a necessidade de pedirmos a Ele, pois o Altíssimo é o doador
SINOPSE DO TÓPICO (2) - A sabedoria deve ser colocada em prática como uma ação concreta através da humildade.
SINOPSE DO TÓPICO (3) - O valor da verdadeira sabedoria reflete a humildade; a arrogância, o orgulho, a soberba e a altivez à sabedoria terrena e diabólica
 
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
SWINDOOL, Charles R. Vivendo Provérbios: Sabedoria divina para os desafios da vida moderna. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013.
STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
SAIBA MAIS pela Revista Ensinador Cristão - CPAD nº 59, p.37.
 
COMENTÁRIOS DE DIVERSOS LIVROS E REVISTAS
Revista Ensinador Cristão CPAD, n° 59, p.37.
Nesta lição, o professor deve estabelecer o objetivo geral para ser atingido na aula: o de demonstrar que a verdadeira sabedoria, da qual trata o meio-irmão do Senhor, é humilde e faz parte da nova natureza do crente. Só pode tê-la quem é nascido da água e do ESPÍRITO. Não se trata de uma sabedoria do banco escolar. Tiago refere-se à sabedoria das Escrituras, que é ESPÍRITO e Vida. Resultado de uma íntima relação com DEUS, por meio do Seu filho JESUS e pela força do ESPÍRITO SANTO. Por isso, então, esta sabedoria não pode ser negociada. Ela vem exclusivamente de DEUS, por meio do estudo e da exposição das Sagradas Escrituras.
A sabedoria de DEUS é humilde porque ela não se revela unívoca, arrogante e individual. Ela nos traz a consciência de que não sabemos tudo e que, por isso, temos de estar dispostos a aprender com os outros. Há quem saiba mais do que nós, e precisamos aprender com eles, pois DEUS usa as pessoas para nos ensinar e cultivar a verdadeira sabedoria em nós. Portanto, professor, trabalhe estas questões com a classe e incentive-a a leitura e a meditação da Palavra.
 
Observação minha - Ev. Luiz Henrique - A Bíblia é a melhor conselheira. é DEUS mesmo nos aconselhando.
 
COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO - Diversos Livros
A palavra “sabedoria” tem uma importância especial para o cristão. Como servos de DEUS, somos chamados por Ele para uma vida que espelhe decisões e práticas advindas de uma sabedoria espelhada na sabedoria divina.
Alexandre Coelho e Silas Daniel. Fé e Obras, Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica. Editora CPAD. pag. 35.
 
O que significa aqui a palavra “sabedoria”, em grego sophia?
Aqui a Escritura sentencia que, em decorrência da rebelião do ser humano contra DEUS, o pensamento humano está “obscurecido” (Rm 1.21; Ef 4.18), porque o pecado se coloca como uma parede de nuvens entre nós e DEUS. De qualquer modo, nesse aspecto o pensamento desvinculado de DEUS, autocrático e arbitrário do ser humano encontra-se no caminho falso (Rm 1.22; 1Co 1.19,27; 1Co 2.14). Não somente o querer da pessoa natural, mas igualmente seu pensar foi condenado e “cruzado” pela cruz de JESUS, que na realidade representa o juízo de DEUS sobre nós.
Por nova sabedoria “espiritual”, no entanto, a Bíblia compreende o reconhecimento concedido e produzido por meio do ESPÍRITO de DEUS: o reconhecimento daquilo que DEUS faz e do que ele espera que o ser humano faça (1Co 1.24; 2.6s; 12.8; Ef 1.17; Cl 1.9; Tg 3.13,17).
a) A percepção, a compreensão para aquilo que DEUS faz. Por meio de JESUS CRISTO, seu Filho, DEUS nos confidenciou informações acerca de seu plano, seus caminhos e seus alvos (Jo 15.15). Especialmente 1Co 2 mostra o sublime alvo da sabedoria divina, a nossa glória (1Co 2.7).
“Glória é divindade revelada” (F. Oetinger). A Escritura não apenas afirma que um dia estaremos na glória, mas que nós mesmos seremos glória (como também consta textualmente em Cl 3.4). É para nós uma “sabedoria na poeira”, como disseram os pais do Pietismo suábio, pela qual o ser humano se torna pequeno e DEUS, grande. Isso é teologia em sentido genuíno, à qual todo cristão pensante é convocado: acompanhar pela reflexão, em admiração e gratidão, os grandes pensamentos que nos foram revelados por DEUS em JESUS CRISTO, e deixar que nos levem aos alvos de DEUS. Conversão a JESUS CRISTO não exige renúncia à razão. PeIo contrário, agora o ser humano foi liberto e iluminado para um novo pensar. Nosso pensar foi “batizado” na morte de CRISTO e vivificado com ele, situando-se na obediência a ele (2Co 10.5). Nosso Senhor JESUS CRISTO nos foi dado precisamente para que sejamos libertos de nosso pensar (e logo também do viver) errado para o pensar (e viver) correto. “JESUS CRISTO foi feito por DEUS para nós sabedoria” (1Co 1.30). Sim, em nosso Senhor JESUS CRISTO, no evangelho a seu respeito, foram-nos franqueados a inesgotável fonte da sabedoria de DEUS, o caminho e o alvo: o reconhecimento daquilo que DEUS faz e fará com cada ser humano, com sua igreja e com todo o seu mundo. Da mesma forma o reconhecimento do que ele espera de nós em uma vida condizente com JESUS – de nós como pessoas que por meio do seu ESPÍRITO são igualadas com a figura do Primogênito. “Em CRISTO estão ocultos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento” (Cl 2.3).
b) Em segundo lugar, na acepção da Escritura sabedoria significa – algo já assinalado acima – a compreensão daquilo que DEUS deseja que seja feito por nós, os seus. Por isso, para Tiago importa principalmente a pergunta: como nós nos comportamos em nosso dia-a-dia, na colorida mudança da realidade, particularmente nas adversidades, nos contratempos, nas provas – será de forma agradável a DEUS e de modo a representar um testemunho de CRISTO também perante nosso entorno, com palavra, ação e ser?
Fritz Grünzweig. Comentário Esperança Carta De Tiago. Editora Evangélica Esperança.
 
I - A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIA A DEUS (Tg 1.5)
1. A sabedoria que vem de DEUS.
Tiago enxerga a sabedoria como sendo uma necessidade para as pessoas, mas faz questão de mostrar os tipos de sabedoria que podemos encontrar à nossa volta. E para o apóstolo, mais do que ter, ou não, sabedoria, é imprescindível saber a quem pedir, é preciso utilizá-la.
Tipos de Sabedoria identificados por Tiago - maligna, humana e divina.
Quando tratamos da expressão “sabedoria” e de suas implicações, devemos reconhecer que há pelo menos três tipos de sabedoria: a maligna, a humana e a divina.
Comecemos pela sabedoria humana, partindo do pressuposto de que sabedoria pode ser considerada como a capacidade de tomar decisões de forma correta. O ser humano foi dotado de uma capacidade própria de demonstrar sabedoria em diversas esferas. Somos capazes de trabalhar e aprender a guardar recursos financeiros a fim de serem utilizados em ocasiões propícias, para realizar um sonho, estudar ou fazer uma viagem, mas também podemos trabalhar e esgotar esses mesmos recursos sem nos preocuparmos de forma responsável com nosso futuro, mas uma pessoa sábia entende que não conseguirá formar um patrimônio com aquilo que gasta, e sim com aquilo que consegue guardar. Uma pessoa pode escolher que tipo de roupa deve usar para uma determinada ocasião, ou mesmo que caminho usará para chegar a determinado destino. Esses traços envolvem a capacidade de raciocinar e tomar decisões, o que sem dúvida requer discernimento. Essas são características da sabedoria humana.
Satanás tem sua própria sabedoria? Se observarmos o que Tiago diz quando qualifica a sabedoria que não vem de DEUS, podemos entender que sim, Satanás tem sua própria sabedoria. É preciso acrescentar que a expressão sabedoria deve ser entendida como sendo capacidade de pensar, tomar decisões, influenciar pessoas e agir de acordo com um padrão conhecido. Satanás pensa sempre em destruir os cristãos e dificultar o trabalho dos que servem a DEUS? Sim. Ele toma decisões com base nos seus intentos? Sim. Ele pode influenciar pessoas no mundo todo e agir de uma forma já conhecida? Sim. Portanto, Tiago não erra quando comenta que a sabedoria que se contrapõe à sabedoria divina é diabólica. E evidente que Satanás, como criatura, está muito bem limitado dentro de seus intentos, e que não pode impedir o que DEUS deseja fazer. Ele não pode exercer sua autoridade sobre qualquer coisa, pois está limitado pelo poder de DEUS. Apenas DEUS é todo poderoso, e Isaías 43.13 diz: “Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá?”. Apesar de Satanás estar limitado por DEUS, é astucioso para levar a cabo seus intentos, e que não podemos permitir que tal influência seja a força motriz da nossa forma de pensar e agir.
Alexandre Coelho e Silas Daniel. Fé e Obras, Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica. Editora CPAD. pag. 35-37.
 
Sabedoria Carnal, Tg 3.14-16.
A transição para o versículo 14 pode ser encontrada na ideia da “mansidão” (v. 13). Aqueles que têm amarga inveja e sentimento faccioso no coração (v. 14) não são humildes. Essa falha indica que eles não têm a sabedoria de DEUS da qual brota a mansidão. Essa “inveja amarga e ambição egoísta” (NVI) está em vosso coração — o âmago da pessoa, de onde se originam as ações (cf. Mt 15.19). Tiago diz: Se você encontrar esse tipo de espírito, “não se glorie disso e dessa forma esteja em rebeldia e contrário à Verdade” (NT AmpL). O apóstolo pode estar usando a verdade no seu sentido costumeiro. No entanto, em vista do significado específico que ele dá a esse termo em 1.18 e 5.19, ele pode ser entendido como sendo sinônimo da palavra evangelho. Assim “as pessoas são advertidas contra expressões e ações que contradizem ‘a fé do nosso Senhor JESUS CRISTO’” (2.1).
Essa [...] sabedoria (v. 15) — o espírito errado que Tiago descreve no versículo 14 — não vem do alto. Inveja e ambição egoísta não são os frutos de uma vida cheia de DEUS. Há uma progressão decrescente na descrição do apóstolo acerca da origem dessas atitudes. Essa sabedoria é terrena em contraste com a celestial. Ela reflete uma preocupação com os valores passageiros em vez da preocupação com as coisas de DEUS (cf. Jo 8.23; Fp 3.19). Esse espírito é animal. A KJV traz “sensual” e a ASV traz “natural” na margem. “O grego é psychikos, que descreve o homem como ele é em Adão (i.e., ‘natural’) em contraste com pneumatikos (‘espiritual’)”. O termo é, às vezes, entendido como quase equivalente a “carnal” ou “mundano”.
Tiago alcança o grau máximo na descrição das atitudes más de egoísmo e discórdia quando as chama de diabólica[s] (daimoniodes), i.e., procedendo de Satanás e assemelhando-se ao espírito de demônios.
Paulo declara que “DEUS não é DEUS de confusão” (1 Co 14.33). Tiago confirma essa verdade ao destacar que onde as forças satânicas estão agindo, aí há perturbação (v. 16). Inveja e espírito faccioso confundem o homem que os abriga, até que não consegue mais pensar claramente, nem agir com inteligência. Esses dois males também corrompem e confundem todos os relacionamentos, as atitudes e ações dos homens. Phillips traduz esse versículo da seguinte maneira: “Porque onde você encontrar inveja e rivalidade, também encontrará desarmonia e todo tipo de mal”.
A. F. Harper. Comentário Bíblico Beacon. Tiago. Editora CPAD. Vol. 10. pag. 179.
 
1. Sabedoria terrena Tg 3.13-16
O cristão não vive isolado, mas na companhia de outros, na comunidade em que DEUS o colocou. Essa comunidade é, em primeiro lugar, a igreja de JESUS CRISTO. Conforme sua vocação, a igreja está no mundo para fazer brilhar a luz do evangelho.
Para atuar de modo correto em seus respectivos lugares, o cristão e a igreja precisam de sabedoria e entendimento. Na parte introdutória de sua epístola, Tiago diz ao leitor como obter sabedoria: “deve pedir a DEUS, que dá generosamente a todos sem encontrar culpa, e lhe será dada” (1.5).
Ninguém pode viver sem sabedoria, pois ninguém deseja ser tolo. Assim, a sabedoria é muito bem guardada por aqueles que a têm procurado, por aqueles que dela são desprovidos. Tiago, portanto, faz uma pergunta um tanto direta:
Tg 1.13 Quem de vocês é sábio e tem entendimento? Que mostre-o através de sua boa vida, de obras realizadas na humildade que vem da sabedoria.
Tiago se dirige aos membros da igreja. Ele parte do pressuposto de que eles oram a DEUS pedindo sabedoria, de que possuem essa virtude e de que o mundo procura neles a liderança. Sabendo, porém, que esse nem sempre é o caso para os cristãos, Tiago quer que seus leitores examinem a si mesmos.
a. Exame. “Quem de vocês é sábio e tem entendimento?” Uma pessoa sábia e entendida demonstra, naquilo que diz e faz, que possui sabedoria. Não está claro se Tiago deseja considerar sábios os mestres de sua época. Se é esse o caso, vemos uma ligação direta entre o começo do capítulo (“não suponham muitos de vocês serem mestres”, v. 1) e a pergunta retórica apresentada aqui (v. 13).
Ao termo sábio Tiago acrescenta a palavra entendido. Isso significa que uma pessoa sábia também tem experiência, conhecimento e habilidade. A sabedoria consiste em se ter visão interior e capacidade de tirar conclusões corretas. Um antigo provérbio resume esse fato: “Uma visão do futuro é melhor que uma visão do passado, mas a melhor visão é a interior”.
Diversas situações provam que pessoas com conhecimento não são necessariamente sábias, mas quando uma pessoa com conhecimento tem uma visão interior, ela é, de fato, sábia. Se há entre vocês alguém sábio e entendido, diz Tiago, que demonstre isso com sua vida.
b. Demonstração. Tiago incentiva o homem sábio a mostrar, por meio de sua conduta, que recebeu o dom da sabedoria. “Mostre-o através de sua boa vida”. Tiago parece indicar que, entre os homens cristãos, sábios e entendidos são uma minoria, pois nem todos que pertencem à comunidade cristã adquirem sabedoria. Mas os que a têm são exortados a mostrar, nas palavras e obras, que são, de fato, sábios. Tiago usa o verbo mostrar com o sentido de “provar”. Que o homem ofereça provas verdadeiras de que possui sabedoria e entendimento, que confirme esse fato por meio de sua conduta diária.
O que Tiago quer dizer com a expressão “condigno proceder”?
Ele se refere a um comportamento nobre e louvável. É verdade que Tiago enfatiza obras realizadas em mansidão. Contudo, um homem sábio afirma sua nobre conduta por palavras e obras.
c. Afirmação. “Gestos falam mais alto do que palavras”. Essa verdade proverbial ressalta a necessidade de se olhar para as obras de uma pessoa a fim de constatar se elas condizem com suas palavras.
O que são essas obras? Elas são realizadas num espírito humilde e amável, controlado por um espírito de misericórdia celestial?
A ênfase desse versículo está na característica da sabedoria descrita como humildade. Essa qualidade também pode ser descrita como mansidão ou amabilidade. A amabilidade se expressa na pessoa que é dotada de sabedoria e que a demonstra em todas as suas obras.
Em Eclesiástico, também conhecido como Sabedoria de JESUS, Filho de Siraque, o autor relaciona alguns preceitos de humildade e diz: “Filho, age com mansidão em tudo o que fazes, e serás amado pelo homem que agrada a DEUS” (Sir. 3.17, RSY).
Tg 1.14 Porém, se vocês acolhem em seu coração a inveja amargurada e a ambição egoísta, não se vangloriem disso nem neguem a verdade.
O oposto de um espírito amável controlado pela sabedoria é um coração repleto de “inveja amargurada e ambição egoísta”. O contraste entre esse versículo e o anterior tem um paralelo direto na epístola de Paulo aos Gálatas, onde ele menciona, entre as qualidades do fruto do ESPÍRITO, “mansidão e domínio próprio” (5.23). Entre as obras da natureza pecaminosa estão “invejas... discórdias, dissensões, facções” (5.20,21).
Como pastor experiente, Tiago sabe que, entre os membros da igreja, há algumas pessoas cujo espírito é caracterizado pela inveja amargurada e por egoísmo (sentimento faccioso). Ele usa o plural vocês e indica, com uma oração condicional, que as evidências apontam para um fato. Em outras palavras, ele está ciente da condição espiritual de seus leitores. Se continuarem a dar lugar à inveja e ao egoísmo, serão consumidos por eles.
Tiago descreve a inveja com o adjetivo amargurada. Ele não explica a causa dessa inveja amargurada. Sua descrição, porém, aponta para uma transgressão do décimo mandamento: “Não cobiçarás”. Dar lugar à inveja amargurada é pecado, e estar cheio de ambição egoísta vai contra o ensinamento da lei régia: “amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Tg 2.8).
“... não se vangloriem disso [da inveja amargurada e sentimento faccioso], nem neguem a verdade”. As pessoas cheias de inveja e egoísmo normalmente falam sobre isso para qualquer um que esteja disposto a ouvir. Elas deveriam perceber, entretanto, que tudo o que dizem é contrariado pela verdade. Cada vez que abrem a boca para expressar seus sentimentos, estão enganando a si mesmas.. Quando Paulo admoesta os efésios para que não entristeçam o ESPÍRITO SANTO, ele lhes diz: “Longe de vós toda a amargura” (4.31). Um coração que nutre “inveja amargurada e ambição egoísta” é desprovido de sabedoria lá do alto.
Tg 1.15 Tal “sabedoria” não desce do céu, mas é terrena, não é espiritual, é do diabo, 16 pois onde há inveja e ambição egoísta, lá se encontra a desordem e toda prática perversa.
A New International Version apresenta, corretamente, a palavra sabedoria entre aspas para indicar que essa sabedoria não é autêntica.
O próprio texto explica de onde vem essa tal sabedoria e quais são suas características. Sua origem não é celestial, mas terrena; suas peculiaridades não são espirituais; mas, demoníacas. Tiago usa uma linguagem forte para retratar o contraste absoluto entre a sabedoria que se origina no homem e aquela que vem de DEUS.
O crente que é verdadeiramente sábio ora continuamente a DEUS em nome de JESUS. Na oração, ele está em comunhão com a fonte de sabedoria, pois o próprio DEUS a dará liberalmente a qualquer um que lhe pedir (Tg 1.5).
O oposto também é verdade. Sem fé e oração, uma pessoa jamais pode obter verdadeira sabedoria. Suas palavras, movidas pela inveja e ambição egoísta, mostram uma espécie de pseudo-sabedoria que se origina no homem, e não em DEUS. Esse tipo de sabedoria não “desce do céu, mas é terrena”.
Nesse versículo, Tiago relaciona uma série de três adjetivos em ordem descendente: Terrena não é espiritual é do diabo.
a. “Terrena”. O autor deseja mostrar como aquilo que é terreno está em contraste com o que DEUS faz originar no céu. A besta que emerge da terra (Ap 13.11), por exemplo, desafia tudo o que é sagrado e celestial, e se o ESPÍRITO de DEUS não está presente nas coisas terrenas, então ali há pecado.
b. “Não é espiritual”. Em sua primeira epístola à igreja de Corinto, Paulo discute a sabedoria que é ensinada pelo ESPÍRITO de DEUS. Porém, Paulo escreve que “o homem natural não aceita as coisas do ESPÍRITO de DEUS, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Co 2.14; comparar também com Jd 19). Não se deve, porém, entender o termo “não-espiritual” como desprovido de espírito. Além do mais, alguém que abandona a fé segue “a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (l Tm 4.1).
c. “É do diabo”. No versículo anterior (v. 14), Tiago diz à pessoa cujo coração está repleto de “inveja amargurada e ambição egoísta” para não negar a verdade. Se negar a verdade, porém, essa pessoa vive uma mentira que tem como origem o pai da mentira, o diabo.
Tiago dá às coisas os seus devidos nomes: “Tal sabedoria não desce do céu, mas é... do diabo”.
Quando o diabo profere a mentira, é ruim. Quando usa o mundo para colocá-la em prática, é ainda pior, mas quando os membros da igreja tomam-se seus instrumentos para propagar a sabedoria diabólica, é a pior de todas as situações. A carta de Tiago deixa a impressão de que o diabo usou alguns membros da igreja.
Tiago prova seu argumento ao observar o seguinte fato: “Pois onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de coisas ruins”. Note a correlação distinta que, se colocada de maneira gráfica, apresenta-se assim:
 
Onde
 Ai.
 Há.
Inveja
 Confusão.
Sentimento faccioso   
 toda espécie de coisas ruins.
   
Uma coisa leva inevitavelmente à outra numa sequência de causa e efeito. Se há inveja, então há confusão. O que é inveja? Eis uma explicação: “Inveja é o desgostar-se com ressentimento e ódio da boa fortuna ou bênção de outra pessoa”. Tiago chama a inveja de “amargurada” (3.14). A inveja destrói a confiança mútua, desintegra a unidade e é de criação demoníaca. Como Tiago indica, a inveja transforma-se em confusão. A expressão confusão “parece ter algo da conotação negativa associada à palavra anarquia”.
Além disso, o sentimento faccioso, ou ambição egoísta, invariavelmente leva a toda espécie de coisas ruins, porque seus motivos egoístas se sobrepõem e eliminam o amor a DEUS e ao próximo. A ambição em si é uma força benéfica, que busca promover o bem-estar dos outros. Quando toma-se egoísta, a ambição leva à prática de coisas ruins. Ao observar a inveja e as brigas entre os coríntios, Paulo os admoesta por serem carnais (I Co 3.3). Os crentes, pelo contrário, devem ser companheiros de trabalho de DEUS.
Simom J. Kistemaker. Comentário do Novo Testamento Tiago e Epistola de João. Editora Cultura Cristã. pag. 162-167.
 
Tg 3. 13-17. Tiago fala sobre a sabedoria para lidar com as circunstâncias e com as pessoas. Assim como o rei Salomão pediu sabedoria para DEUS, nós também podemos pedir. O que é sabedoria? Sabedoria é o uso correto do conhecimento. Uma pessoa pode ser culta e tola. Hoje se dá mais valor à inteligência emocional do que à inteligência intelectual. Uma pessoa pode ter muito conhecimento e não saber se relacionar com as pessoas. Ela pode ter muito conhecimento e não saber viver consigo e com os outros.
Sabedoria é também olhar para a vida com os olhos de DEUS. A pergunta do sábio é; em meus passos, o que faria JESUS? Como ele falaria, como agiria, como reagiria? CRISTO não foi um mestre da escola clássica. Ele ensinou os seus discípulos na escola da vida. Ensinar a sabedoria é mais importante do que apenas transmitir conhecimento. Tiago está contrastando dois diferentes tipos de sabedoria: a sabedoria da terra e a sabedoria do céu. Qual sabedoria governa a sua vida? Por qual caminho você está trilhando? Que tipo de vida você está vivendo? Que frutos esse estilo de vida está produzindo? A sua fonte é doce ou salgada (3.12)?
Tiago mostra, também, que essa sabedoria se reflete nos relacionamentos (3.13.14). Sábio é aquele que é santo em caráter, profundo em discernimento e útil nos conselhos. Você conhece o sábio e o inteligente pela mansidão da sua sabedoria e pelas suas obras, ou seja, imitando a JESUS, que foi manso e humilde de coração (Mt 11.29). Warren Wiersbe, comparando a sabedoria de DEUS com a sabedoria do mundo, faz três contrastes: quanto à sua origem, quanto às suas características e quanto aos resultados.
LOPES. Hernandes Dias. TIAGO Transformando provas em triunfo. Editora Hagnos. pag. 71-72.
 
2. DEUS é o doador da sabedoria.
Uma das características de DEUS apresentadas por Tiago é inerente à sua bondade. DEUS dá generosamente a sabedoria necessária para que possamos viver neste mundo de forma que o agrademos e sejamos também referenciais para as pessoas que nos cercam.
Uma das partes mais interessantes em relação a DEUS dar sabedoria aos homens está no fato de que Tiago diz que DEUS dá a todos a sua sabedoria. Aqui entra uma questão: essa expressão “todos” se refere apenas aos que o servem, ou a todas as pessoas que de alguma forma buscam a sabedoria, independente de suas crenças? O texto não é claro nesse aspecto, mas se tomarmos como referência o fato de que esses escritos estão relacionados a pessoas que, como se entende, conheciam a JESUS CRISTO, é possível fechar o círculo de abrangência dentro da esfera cristã.
“E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a DEUS, que a todos dá liberalmente...” (Tg 1.5)
Tiago nos apresenta outro fator que deve ser aqui colocado: a busca da sabedoria por meio da oração. Devemos rogar ao Senhor a sabedoria de que precisamos, e Ele certamente a dará como um presente divino. Não somos orientados por Tiago a buscar a sabedoria em outros lugares, mas pura e simplesmente em DEUS. Ele é o detentor da sabedoria que nos é necessária em todos os momentos, e Ele faz questão de que a tenhamos.
Além de bondoso, DEUS não é inconveniente. Ele não nos dá a sabedoria e depois “joga na nossa cara”, como diz a expressão popular, a sabedoria que nos deu. Como qualquer dos dons que recebemos do Senhor, a sabedoria deve ser de fato bem utilizada, e que tenhamos a consciência de que daremos contas a DEUS daquilo que dEle recebemos. Portanto, usemos a sabedoria recebida de acordo com os padrões de DEUS.
Alexandre Coelho e Silas Daniel. Fé e Obras, Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica. Editora CPAD. pag. 37-38.
 
“Peça a DEUS”: Tiago estava aprendendo com seu Senhor e Mestre. Ele mostrou-nos a grande e maravilhosa possibilidade, a saída para toda a perplexidade: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt 7.7). A prece pela sabedoria divina é a prece pelo ESPÍRITO de DEUS, porque a sabedoria é um dos efeitos do ESPÍRITO (Ef 1.17). Nosso Senhor reservou uma promessa especial à prece pelo ESPÍRITO (Lc 11.13). Os dons exteriores também são concedidos por DEUS a quem não os pede a ele (Mt 5.45). Contudo, ele não despeja simplesmente seu ESPÍRITO, a si mesmo, sua salvação sobre as cabeças das pessoas. Não impõe a ninguém os dons interiores. Nesse aspecto ele requer ser rogado. “Quer que estendamos as mãos em direção de seu agir misericordioso” (J. C. Blumhardt). – Como devemos imaginar o atendimento da prece por sabedoria? O ESPÍRITO de DEUS vincula-se à palavra de DEUS. JESUS declara acerca do ESPÍRITO: “Há de receber do que é meu” (da palavra dada de uma vez por todas) “e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito” (Jo 14.26; 16.14). Por isso, ao darmos ouvidos à palavra de DEUS e lidarmos com ela em oração, o ESPÍRITO de DEUS fará incidir luz sobre nossa situação e questionamento. Propicia-se a noção do que é imperioso no momento, bem como a dádiva de dizer aos outros uma palavra de esclarecimento, orientação e auxílio (cf. 1Co 12.8).
“DEUS concede a cada um”, traduz Lutero conforme o sentido geral: a sabedoria divina de forma alguma é propriedade particular de alguns teólogos, “homens de DEUS”, encarregados de tempo integral, dirigentes na igreja, especialmente dotados. Cada um tem a promessa.
“DEUS dá de bom grado.” A palavra grega para o modo como DEUS dá significa “simplesmente”, “despretensiosamente”, “sem segundas intenções”. Lutero traduz “singelamente”. Ao dar, DEUS não faz ressalvas e é cheio de bondade. Não se comporta como as pessoas, nem como os gentios pensavam a respeito de seus deuses. –“Ele dá sem repreender”: estamos acostumados à versão alemã de Lutero - “Ele não pressiona ninguém.” Não priva ninguém. Não coloca a cesta do pão fora de alcance (p. ex., para mostrar quem é chefe na casa). Literalmente o sentido é: “Ele não critica.”
Nós também damos, mas não raro criticamos ao mesmo tempo, a começar por nossos próprios filhos. Por exemplo: “Você vem pedir ajuda depois que arrumou encrenca. Deveria ter pensado melhor antes.” Ou: “Depois de todas as suas atitudes para comigo, eu não deveria lhe dar mais nada!” DEUS não faz sermões nem críticas. Não nos prende ao que passou. “Sua misericórdia é nova a cada manhã” sobre nós “e sua fidelidade é grande” (Lm 3.22s).
Fritz Grünzweig. Comentário Esperança Carta De Tiago. Editora Evangélica Esperança.
 
Tiago compartilha essa percepção. Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a DEUS. Tiago pode fazer isso com confiança total em que DEUS a todos dá liberalmente. Aqui, Tiago apela à tradição a respeito de JESUS (os ensinos de JESUS ainda não escritos que, mais tarde, formariam os evangelhos), pois o Senhor prometera que DEUS concederia a seus filhos o que lhe pedissem (Mateus 7:7-11; Marcos 11:24; Lucas 11:9-13; João 15:7). Que dádiva melhor poderiam pedir do que a sabedoria de que necessitassem a fim de resistir às provações que estavam enfrentando? DEUS... dá porque ele é doador; DEUS dá liberalmente, o que significa que dá sem reservas mentais, dá com simplicidade, com um coração singelo.
Não está procurando um lucro escondido da parte dos crentes; o Senhor não abriga motivos desprezíveis, tampouco sentimentos mesquinhos. Na verdade, não só o Senhor dá generosamente, mas não censura. Isso significa que DEUS não se queixa do dom concedido, nem de seu custo. Não é “um tolo”, que “tem muitos olhos, em vez de um. Dá pouco e repreende muito, abre a boca como um arauto; hoje empresta e amanhã toma de volta” (Siraque 20:14-15). Não, DEUS dá verdadeiras dádivas; nenhuma queixa, nenhuma crítica (Como? Você precisa de ajuda outra vez?), nenhum motivo escuso, nenhuma relutância. O DEUS dos cristãos é caracterizado pelo hábito de dar livre e generosamente, até o ponto da prodigalidade.
E que dádivas concede o Senhor! Dá sabedoria, que nesta carta é equivalente ao ESPÍRITO SANTO, dádiva que os leitores de Tiago, sendo ex-Judeus, reconheceriam como um dos dons da era vindoura (como o fizeram as pessoas dos rolos do mar Morto). A sabedoria vem ao crente mediante CRISTO (1 Coríntios 1:24; 2:4-6).
Certamente, é disso que precisamos a fim de resistir às provações e chegar à perfeição.
Peter H. Davids. Comentário Bíblico Contemporâneo. Editora Vida. pag. 45.
 
3. Peça a DEUS sabedoria.
Não é incomum nos aproximarmos de DEUS para pedir dEle bênçãos. Não é errado desejar ser abençoado por DEUS, pois mesmo as pessoas que não tem em JESUS o seu Senhor desejam igualmente receber bênçãos dos céus. Pois bem, se cremos que DEUS pode nos abençoar, porque não pedimos a DEUS sabedoria?
Tiago nos deixa evidente duas coisas: A sabedoria é uma bênção, e ela deve ser pedida a DEUS. E DEUS se importa com esse tipo de pedido? Sim, pois o apóstolo mostra o motivo máximo pelo qual devemos pedir a sabedoria a DEUS: “... e ser-lhe-á dada”. DEUS tem prazer em oferecer aos seus filhos a sabedoria, e Tiago deixa claro que Ele nos dará a sabedoria que pedimos. A sabedoria que DEUS tem para dar não é custosa. Quando oramos de acordo com a vontade de DEUS, temos a certeza de que receberemos respostas de nossas orações e uma dessas respostas sem dúvida é a sabedoria como um presente divino.
Alexandre Coelho e Silas Daniel. Fé e Obras, Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica. Editora CPAD. pag. 38.
 
Quando somos provados precisamos pedir sabedoria (1.5-8). Quando estamos sendo provados, precisamos de discernimento e sabedoria (1.5; 3.13-18). O que é sabedoria? E mais que conhecimento. Sabedoria é o uso correto do conhecimento. Conhecimento pode ser definido, nesse contexto, como conhecer bem a Bíblia. Sabedoria é usar bem a Bíblia. Sabedoria é olhar para a vida com os olhos de DEUS. O sábio busca maturidade e não prazer.
Há pessoas cultas e tolas. Há pessoas que têm erudição, mas não sabem viver a vida nem fazer escolhas certas. Quando estamos sendo provados, precisamos de sabedoria para não desperdiçar as oportunidades que DEUS está nos dando para chegarmos à maturidade. A sabedoria nos ajuda a entender como usar as provas para nosso bem e para a glória de DEUS.
LOPES. Hernandes Dias. TIAGO Transformando provas em triunfo. Editora Hagnos. pag. 20-21.
 
Observe os seguintes pontos:
a. Necessidade. A oração “se algum de vocês necessita de sabedoria” é a primeira parte de uma declaração fatual numa frase condicional. O autor está dizendo ao leitor: “Sei que você não vai admitir, mas você necessita de sabedoria”. Tiago trata de um problema delicado, pois ninguém quer ouvir que é tolo, que comete erros e precisa de ajuda. O ser humano é, por natureza, independente. Quer resolver seus próprios problemas e tomar suas próprias decisões. O teólogo do século 18, John Albert Bengel, colocou de modo um tanto sucinto: “A paciência está mais no poder de um homem bom do que a sabedoria; a primeira deve ser exercitada, e esta última deve ser pedida”. E preciso que o ser humano supere o orgulho para admitir que precisa de sabedoria. Mas a sabedoria não é algo que ele possui. Ela pertence a DEUS, pois é sua divina virtude. Qualquer um que admita a necessidade de sabedoria deve ir até DEUS e pedir-lhe. Tiago apela para o leitor e ouvinte individualmente. Escreve: “algum de vocês”. Tiago dá ao leitor a chance de se examinar, de chegar à conclusão de que precisa de sabedoria e de seguir o seu conselho para que a peça a DEUS.
b. Pedido. O crente deve pedir sabedoria a DEUS. Tiago deixa implícito que DEUS é a fonte de sabedoria. Ela lhe pertence.
O que é sabedoria? Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento procuram explicar esse termo. Salomão o expressa num paralelismo tipicamente hebraico: “Porque o Senhor dá a sabedoria, da sua boca vem a inteligência e o entendimento” (Pv 2.6). Salomão equaliza a sabedoria com a inteligência e o entendimento.
Além disso, o Novo Testamento afirma que o cristão recebe sabedoria e conhecimento de DEUS (ver, por exemplo, I Co 1.30). É verdade que fazemos uma distinção entre sabedoria e conhecimento quando dizemos que o conhecimento sem sabedoria é de pouco valor.
Donald Guthrie observa que “se a sabedoria é o uso correto do conhecimento, a sabedoria perfeita pressupõe conhecimento perfeito”. Para tomar-se maduro e íntegro, o crente deve pedir a DEUS sabedoria. DEUS deseja oferecer sabedoria a qualquer um que pedir com humildade.
O reservatório de sabedoria de DEUS é infinito e ele a “dá generosamente a todos sem encontrar culpa”.
c. Dádiva. DEUS não faz acepção. Ele dá a todos, não importa quem seja, pois DEUS deseja dar. É uma característica de DEUS. Ele dá continuamente. Toda vez que alguém chega até ele com um pedido, ele abre seu reservatório e distribui sabedoria gratuitamente. Assim como o sol continua a dar sua luz, DEUS continua dando sabedoria. Não podemos imaginar um sol que deixe de dar luz, muito menos pensar em DEUS deixando de dar sabedoria. A dádiva de DEUS é gratuita, sem juros, sem o pedido de que se pague de volta. Ela é grátis. Além disso, DEUS dá “sem encontrar culpa”. Quando pedimos a DEUS por sabedoria, não devemos temer que ele expresse desprazer ou nos reprove. Quando chegamos até ele com a fé como a de uma criança, ele jamais nos manda de volta vazios. Temos a segurança de que, quando pedimos por sabedoria, ela nos “será dada”. DEUS não decepciona aquele que pede com fé.
Simom J. Kistemaker. Comentário do Novo Testamento Tiago e Epistola de João. Editora Cultura Cristã. pag. 52-54.

Nenhum comentário: