quinta-feira, 26 de maio de 2011

LIÇÃO 9 - A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL

LIÇÃO 9 - A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
Lições Bíblicas do 2º Trimestre de 2011 - CPAD - Jovens e Adultos
MOVIMENTO PENTECOSTAL - As doutrinas de nossa fé
Comentários da revista da CPAD: Pr. Elienai Cabral
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva






TEXTO ÁUREO
"Mas recebereis a virtude do ESPÍRITO SANTO, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra" (At 1.8).

VERDADE PRÁTICA
O Movimento pentecostal é a maior demonstração de que a igreja de CRISTO não é uma mera organização, mas um organismo vivo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - At 2.1.4 - O nascimento do Pentecostalismo
Terça - At 2.4 - O sinal mais evidente do Pentecostalismo
Quarta - At 8.16,1 7; 9.1 7; 19.2,5,6 - A atualidade do batismo com o ESPÍRITO SANTO
Quinta - At 10.44,45 - O ESPÍRITO SANTO é derramado entre os gentios
Sexta - 1 Co 14.22 - Um sinal para os infiéis
Sábado - 1 Co 14.5 - Línguas estranhas

LEITURA BÍBLlCA EM CLASSE - Atos 2.1-4,14-17
1 - Cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; 2 - e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. 3 - E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. 4 - E todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e começaram a falar em outras línguas, conforme o ESPÍRITO SANTO Ihes concedia que falassem.

14 - Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a voz e disse-Ihes: Varões judeus e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras. 15 - Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo esta a terceira hora do dia. 16 - Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: 17 - E nos últimos dias acontecerá, diz DEUS, que do meu ESPÍRITO derramarei sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, e os vossos velhos sonharão sonhos;

PALAVRA-CHAVE - Pureza: Estado ou qualidade de puro.

SEMANAS = SHAVUOT (Pentecostes)
Em Levítico 23:16 encontramos a expressão hebraica hamishshïm yom (LXX = pentêkonta hêmeras) que significa cinqüenta dias. Era comemorada cinqüenta dias depois da festa das primícias quando era ofertado o primeiro molho de trigo da colheita (Lv.23:11,12,15,16; Dt.16:9), aos 6 do mês de Sivan, que corresponde ao mês de junho em nosso calendário. Comemorada após cinqüenta dias ou sete semanas, recebeu também o nome de festa das semanas = hagh shabhu'ôth (Ex.34:22; Dt.16:10), ou dia das primícias = yôm habbikkürïm (Ex.23:16; Nm.28:26). Comemorava a entrega da lei que foi dada no monte Sinai durante este período (Compare Ex.19:1,11 com Ex.12:6,12). Enquanto os pães asmos eram sem fermento, os pães desta oferta continham fermento (Lv.23:16-18), e deveriam ser movidos com os pães das primícias perante o Senhor (Lv.23:20).

Evento Correspondente no Novo Testamento: Pentecostes (At.2:1; At.20:16; I Co.16:8)
Assim como os pães das primícias eram movidos (Lv.23:9-14), também os pães levedados deveriam ser movidos juntamente com eles (Lv.23:20; Rm.6:5). O Pentecoste tipifica a descida do ESPÍRITO SANTO para formar a Igreja. Por causa disto está presente o fermento porque o mal está presente na Igreja (Mt.13:33; At.5:1-10; 15:1). Assim como CRISTO foi removido da sepultura; os cristãos também foram simbolicamente movidos (At.4:31). Nas primícias eram oferecidos molhos de hastes separadas frouxamente reunidas, mas no Pentecoste há uma verdadeira união de partes formando uma única massa. A descida do ESPÍRITO SANTO uniu os discípulos, antes separados, em um só corpo (I Co.10:16,17; I Co.12:12,13,20).
Pentecoste comemora então a vinda do ESPÍRITO SANTO, que foi dado cinqüenta dias após a ressurreição de CRISTO. Assim como a lei foi dada nesse período, no tempo do Antigo Testamento, para o povo de Israel, o ESPÍRITO SANTO foi dado, também nesse período, para a Igreja (II Co.3:3-11). Os 120 discípulos (At.1:15) reunidos no dia de Pentecoste, sobre os quais caiu o ESPÍRITO SANTO, representavam a colheita dos primeiros frutos (Rm.8:23; Tg.1:18; Ap.14:4; Mt.13:30; 21:34). A Igreja tem a Primícia do ESPÍRITO.

Comentários da BEP - CPAD
2.1 PENTECOSTE. Pentecoste era a segunda grande festa sagrada do ano judaico. A primeira grande festa era a Páscoa. Cinqüenta dias após esta, vinha a festa de Pentecoste, nome este derivado do gr. penteekostos (=qüinquagésimo). Era também chamada Festas das Colheitas, porque nela as primícias da sega de grãos eram oferecidas a DEUS (cf. Lv 23.17). Da mesma forma, o dia de Pentecoste simboliza, para a igreja, o início da colheita de almas para DEUS neste mundo.
2.2,3 UM VENTO... IMPETUOSO, E... LÍNGUAS REPARTIDAS, COMO QUE DE FOGO. As manifestações externas de um som como de um vento poderoso e das línguas de fogo (vv. 2,3) demonstram que DEUS estava ali presente e ativo, de modo poderoso (cf. Êx 3.1-6; 1 Rs 18.38,39). O fogo talvez simbolize a consagração e a separação dos crentes para DEUS, visando a obra de glorificar a CRISTO (Jo 16.13,14) e de testemunhar dEle (1.8). Estas duas manifestações antecederam o batismo no ESPÍRITO SANTO, e não foram repetidas noutros relatos similares do livro de Atos.
2.4 CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO. Qual é o significado da plenitude do ESPÍRITO SANTO recebida no dia de Pentecoste?
(1) Significou o início do cumprimento da promessa de DEUS em Jl 2.28,29, de derramar seu ESPÍRITO sobre todo o seu povo nos tempos do fim (cf. 1.4,5; Mt 3.11; Lc 24.49; Jo 1.33; ver Jl 2.28,29).
(2) Posto que os últimos dias desta era já começaram (v. 17; cf. Hb 1.2; 1 Pe 1.20), todos agora se vêem ante a decisão de se arrependerem e de crerem em CRISTO (3.19; Mt 3.2; Lc 13.3; ver At 2.17).
(3) Os discípulos foram do alto... revestidos de poder (Lc 24.49; cf. At 1.8), que os capacitou a testemunhar de CRISTO, a produzir nos perdidos grande convicção no tocante ao pecado, à justiça, e ao julgamento divino, e a desviá-los do pecado para a salvação em CRISTO (cf. 1.8 notas; 4.13,33; 6.8; Rm 15.19; ver Jo 16.8).
(4) O ESPÍRITO SANTO já revelou sua natureza como aquele que anseia e pugna pela salvação de pessoas de todas as nações e aqueles que receberam o batismo no ESPÍRITO SANTO ficaram cheios do mesmo anseio pela salvação da raça humana (vv. 38-40; 4.12,33; Rm 9.1-3; 10.1). O Pentecoste é o início das missões mundiais (1.8; 2.6-11,39).
(5) Os discípulos se tornaram ministros do ESPÍRITO. Não somente pregavam JESUS crucificado e ressuscitado, levando outras pessoas ao arrependimento e à fé em CRISTO, como também influenciavam essas pessoas a receber o dom do ESPÍRITO SANTO (vv. 38,39) que eles mesmos tinham recebido no Pentecoste (v. 4). Levar outros ao batismo no ESPÍRITO SANTO é a chave da obra apostólica no NT (ver 8.17; 9.17,18; 10.44-46; 19.6).
(6) Mediante este batismo no ESPÍRITO, os seguidores de CRISTO tornaram-se continuadores do seu ministério terreno. Continuaram a fazer e a ensinar, no poder do ESPÍRITO SANTO, as mesmas coisas que JESUS começou, não só a fazer, mas a ensinar (1.1; Jo 14.12).
2.4 COMEÇARAM A FALAR EM OUTRAS LÍNGUAS. Para um exame do significado do falar em línguas ocorrido no dia de Pentecoste e noutras ocasiões, na igreja do NT, e da possibilidade de falsas línguas estranhas, ver o estudo O FALAR EM LÍNGUAS.

2.14-40 O DISCURSO DE PEDRO NO DIA DE PENTECOSTE. O discurso de Pedro no dia de Pentecoste, juntamente com sua mensagem em 3.12-26, contém um padrão para a proclamação do evangelho.
(1) JESUS é o Senhor e CRISTO crucificado, ressurreto e exaltado (vv. 22-36; 3.13-15).
(2) Estando agora à destra do Pai, JESUS CRISTO recebeu autoridade para derramar o ESPÍRITO SANTO sobre todos os crentes (vv. 16-18,32,33; 3.19).
(3) Todos devem colocar sua fé em JESUS como Senhor, arrepender-se dos seus pecados e ser batizados, demonstrando o perdão dos pecados (vv. 36-38; 3.19).
(4) Os crentes devem esperar o prometido dom do ESPÍRITO SANTO, ou o batismo nEle, uma vez tendo crido e se arrependido (vv. 38,39).
(5) Aqueles que atenderem com fé, devem separar-se do mundo e salvar-se dessa geração perversa (v. 40; 3.26).
(6) JESUS CRISTO voltará para restaurar completamente o reino de DEUS (3.20,21).
2.16 DITO PELO PROFETA JOEL. O batismo no ESPÍRITO SANTO e as manifestações espirituais acompanhantes são cumprimentos de Jl 2.28,29. Joel, no século VIII a.C., profetizou um grande derramamento do ESPÍRITO SANTO sobre todo o povo de DEUS (ver Jl 2.28,29).
2.17 NOS ÚLTIMOS DIAS.
(1) No AT os últimos dias eram tidos como o tempo em que o Senhor agiria poderosamente, julgando o mal e concedendo salvação ao seu povo (cf. Is 2.2-21; 3.18 4.6; 10.20-23; Os 1.2; Jl 1.3; Am 8.9-11; 9.9-12). (2) O NT revela que os últimos dias começaram com a primeira vinda de CRISTO e o derramamento inicial do ESPÍRITO sobre o povo de DEUS, e que terminarão com a segunda vinda do Senhor (Mc 1.15; Lc 4.18-21; Hb 1.1,2). Este período específico é caracterizado como a era do juízo contra o mal, da autoridade sobre os demônios, da salvação da raça humana e da presença aqui do reino de DEUS.
(a) Estes últimos dias serão assinalados pelo poder do ESPÍRITO SANTO (Mt 12.28).
(b) Os últimos dias abrangem a investida do poder de DEUS, através de CRISTO, contra o domínio de Satanás e do pecado. Mesmo assim, a guerra apenas começou; não chegou ao fim, pois o mal e a atividade satânica ainda estão fortemente presentes (Ef 6.10-18). Por isso, somente a segunda vinda de JESUS aniquilará a atividade do poder maligno e encerrará os últimos dias (cf. 1 Pe 1.3-5; Ap 19).
(c) Os últimos dias serão um período de testemunho profético, conclamando todos a se arrependerem, crerem em CRISTO e experimentarem o derramamento do ESPÍRITO SANTO (1.8; 2.4,38-40; Jl 2.28-32). Devemos proclamar a obra salvífica de CRISTO, no poder do ESPÍRITO, mesmo enquanto antevemos o dia final da ira (Rm 2.5), i.e.: o grande e glorioso Dia do Senhor (2.20b). Devemos viver todos os dias em vigilância, esperando o dia da redenção e a volta de CRISTO para buscar o seu povo (Jo 14.3; 1 Ts 4.15-17).
(d) Os últimos dias introduzem o reino de DEUS com sua demonstração de pleno poder (ver Lc 11.20). Devemos ter a plenitude desse poder no conflito contra as forças espirituais do mal (2 Co 10.3-5; Ef 6.11,12) e no sofrimento por causa da justiça (Mt 5.10-12; 1 Pe 1.6,7)
2.17 VOSSOS FILHOS E AS VOSSAS FILHAS PROFETIZARÃO. Aqui o falar noutras línguas (vv. 4,11) está relacionado à profecia (vv. 17,18). Deste modo, falar em línguas é uma forma de profetizar. O significado básico aqui, de profecia, é o uso da nossa voz para o serviço e a glória de DEUS sob o impulso direto do ESPÍRITO SANTO. No livro de Atos:
(1) os 120 todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e começaram a falar em outras línguas, conforme o ESPÍRITO SANTO lhes concedia que falassem (2.4); (
2) o ESPÍRITO SANTO desceu sobre Cornélio e sua casa. Todos, entre eles Pedro, os ouviam falar em línguas e magnificar a DEUS (10.44-47); e
(3) os discípulos em Éfeso, quando veio sobre eles o ESPÍRITO SANTO; e falavam línguas e profetizavam (19.6).



Para estudarmos essa lição vamos utilizar
Lição 1 - O Derramamento do ESPÍRITO SANTO prometido
Terceiro Trimestre de 2006
TEMA – Doutrinas bíblicas pentecostais – Centenário do Movimento Pentecostal Mundial (1906-2006)
COMENTARISTA da revista: Pr. Antonio Gilberto

TEXTO ÁUREO :
De sorte que, exaltado pela destra de DEUS e tendo recebido do Pai a promessa do ESPÍRITO SANTO, derramou isto que vós agora vedes e ouvis"
(At 2.33).
JESUS recebeu o ESPÍRITO SANTO, não foi batizado como nós somos, pois ELE é o batizador e não o que recebe o batismo, mas o que dá. De maneira especial o ESPÍRITO SANTO veio sobre JESUS que como homem precisava recebê-LO e como DEUS precisava doá-lo.

VERDADE PRÁTICA:
DEUS é infinitamente poderoso para hoje derramar sobre nós o seu ESPÍRITO como um rio transbordante, assim como fez no passado.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Atos 2.14-21
14. Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a voz e disse-Ihes: Varões judeus e todos os que habitais em Jerusalém, seja.vos isto notório, e escutai as minhas palavras. 15. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo esta a terceira hora do dia. 16. Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: 17. E nos últimos dias acontecerá, diz DEUS, que do meu ESPÍRITO derra­marei sobre toda a carne; e os vossos. filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, e os vossos velhos sonharão sonhos; 18. e também do meu ESPÍRITO der­ramarei sobre os meus servos e mi­nhas servas, naqueles dias, e profetizarão; 19 - e farei aparecer prodígios em cima no céu e sinais em baixo na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça. 20. O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes de chegar o grande e glorioso Dia do Senhor; 21. e acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

O derramamento do ESPÍRITO SANTO (2:1-13).
Depois de terminarem os dias de espera, o ESPÍRITO SANTO veio sobre o grupo reunido dos discípulos de modo inédito, acompanhado de sinais sobrenaturais e fazendo com que irrompessem em louvores a DEUS em línguas diferentes das suas próprias. Na medida em que os discípulos saíam para as ruas, a sua atividade estranha atraía a atenção das pessoas que ficaram atônitas com aquilo que ouviram. Muitas ficaram assombradas, mas algumas estavam dispostas a buscar uma explicação racionalística e algo desonrosa daquilo que acontecia.
Somente Lucas se refere à história de como o ESPÍRITO veio sobre a igreja pela primeira vez, mas está firmemente assegurada a historicidade essencial do incidente. A Sua colocação em Atos corresponde à posição do nascimento de JESUS no Evangelho, e o seu significado é que a igreja agora está equipada com a tarefa do testemunho e da missão, e imediatamente passa a empreendê-Ia. A história contém o cumprimento da profecia em 1 :4-5 e, assim, descreve como os discípulos foram batizados com o ESPÍRITO SANTO; mais corretamente, é a primeira ocorrência desta experiência. Ao mesmo tempo, o evento cumpre as profecias de Isaías 32:15 e Jo 2:28-32, indicando, assim, que chegaram os últimos dias. Alguns estudiosos detectaram na história um contraste deliberado com a história de BabeI (Gn capo 11) e o equivalente cristão à outorga da Lei no Sinai. A primeira destas possibilidades não tem base no texto, ao passo que a evidência em prol da última é mais sólida, mas não convence totalmente.
1. Pentecoste é o nome dado no Novo Testamento à Festa das Semanas, quando a ceifa do trigo era celebrada por uma festa de um dia, durante a qual se oferecia sacrifícios especiais (~x 23 :16; Lv 23 :15 :21 ; Dt 16:9-12). Assim como outras festas se associavam com eventos na história de Israel (e.g. a Páscoa com o êxodo do Egito), assim também no judaísmo a festa se associava com a renovação da aliança feita com Noé e depois com Moisés (Jubileus 6); no judaísmo do século 11, o Pentecoste foi considerado como sendo o dia em ,que a Lei foi outorgada no Sinai. É interessante que havia uma tradição rabínica que dizia que a Lei foi promulgada por DEUS nas línguas das setenta nações do mundo, mas não podemos ter a certeza de que esta tradição fosse corrente no século I. Os discípulos ainda estavam em Jerusalém, alguns estudiosos pensam que estavam no templo, tendo em vista a palavra "casa" no v. 2, mas "casa", empregada assim em isolamento, não pode significar o templo. Sem dúvida, há referência à companhia de 120 pessoas, e não apenas os doze apóstolos, reconstituídos.
2-3. Visto que, noutros lugares, o ESPÍRITO é assemelhado ao vento, e que a palavra aqui empregada (Grego pneuma), pode ter ambos os sentidos, não é de se estranhar que o primeiro dos dois símbolos que acompanhavam a Sua chegada era um som como de um vento; Lucas o descreveu como sendo quase palpável quando disse que encheu toda a casa. A linguagem, conforme devemos notar, é aquela da analogia - um som como o do vento - e indica que tratamos com uma ocorrência sobrenatural. O simbolismo relembra as teofanias do Antigo Testamento (2 Sm 22:16; Jó 37: 10; Ez 13:13): o vento é um sinal da presença de DEUS como ESPÍRITO. O segundo símbolo foi o fogo. Uma chama se dividiu em várias línguas, de modo que cada urna delas pousou sobre urna das pessoas presentes. Outra vez, a descrição é analógica - como de fogo. E, mais urna vez, relembramos as teofanias do Antigo Testamento, especialmente aquela no Sinai Êx 19:18).
4. Com estes sinais externos, veio o ESPÍRITO SANTO como realidade interna e invisível que demonstrou a Sua presença mediante os efeitos sobre os discípulos. Lucas emprega a expressão ficaram cheios para descrever a experiência. Esta palavra se emprega quando as pessoas recebem o revestimento inicial do ESPÍRITO para capacitá-las para o serviço de DEUS (9:17; Lc 1 :15), e também quando ficam inspiradas para fazerem declarações importantes (4:8, 31; 13:9); palavras assim se empregam para descrever o processo contínuo de ser cheio com o ESPÍRITO (13:52, Ef 5:18) ou o estado correspondente de estar cheio (6:3; 5; 7:55; 11 :24; Lc 4:1). Estas referências indicam que se urna pessoa já está cheia do ESPÍRITO, pode receber um novo revestimento para urna tarefa específica, ou um enchimento contínuo. É importante observar, também, que aquilo que aqui se chama. "ficar cheio", também é chamado "batismo" (1:5 e 11 :16), um "derramamento" (2:17-18; 10:45), e um "recebimento" (10:47). O ato básico de receber o ESPÍRITO pode ser descrito como ser "batizado" ou "cheio'; mas o verbo "batizar" não se emprega para experiências subseqüentes.
Boa parte da confusão teológica seria evitada se tomássemos o cuidado de empregar estes termos conforme a maneira bíblica. Devemos notar, outrossim, que aquilo que mais tarde aconteceu a Cornélio e à sua família foi o mesmo que aconteceu no Pentecoste (11:15); na ocasião da conversão, o crente experimenta o seu próprio "Pentecoste". É provável que Lucas tenha empregado o termo "cheios" pelo contexto, porque o ESPÍRITO inspirou aqueles que O receberam a falar em outras línguas. Vv 6, 8 e 11 demonstram que se trata de línguas humanas. Surgem, assim, duas dificuldades.
ATOS 2:4-6
Em primeiro lugar, a maioria dos comentaristas pensa que o dom de línguas descrito em 1 Coríntios caps. 12 e 14 fosse a capacidade de falar em línguas não humanas (as "línguas dos anjos", 1 Co 13:1). Supondo-se que é improvável que tenha havido dois tipos diferentes de fenômenos, alega-se freqüentemente que Lucas ou entendeu erroneamente ou deliberadamente reinterpretou uma tradição anterior que descrevia o tipo de línguas aludidas por Paulo. Em segundo lugar, sustenta-se que esta conclusão é confirmada pelas análises lingüísticas modernas das línguas faladas nos movimentos pentecostais atuais, como sendo línguas não-humanas. É difícil, no entanto, deixar de lado a evidência de pessoas da atualidade que declaram que ouviram suas próprias línguas faladas por aqueles que têm o dom de línguas. Além disto, não é totalmente impossível que Paulo se referisse a línguas humanas, 1 2 ou que houvesse emprego de línguas humanas e celestiais ao mesmo tempo (1 Co 13:1 - "as línguas dos homens e dos anjos"). Dwm (JESUS , págs. 151-2) sugere que o que aconteceu foi que os ouvintes pensavam escutar e reconhecer, nas suas próprias línguas, palavras e frases de louvor a DEUS.
5. Devemos supor que, em dado momento, os discípulos deixaram o cenáculo e entraram em contato com as multidões reunidas em Jerusalém para a festa; habitando não precisa necessariamente subentender a residência permanente, embora, na realidade, muitos judeus voltaram da Dispersão para Jerusalém, para ali findar os seus dias. A presença e participação deles naquilo que aconteceu constituiu-se em indício da significância do evento para o mundo inteiro. Sem embargo, todos eram judeus ou prosélitos, e não eram pagãos; mesmo assim, serviam de símbolo da necessidade que a humanidade tem de receber o evangelho, e da conseqüente responsabilidade da igreja para cumprir a sua missão.
6.8. A voz dos discípulos que clamavam alto lançou perplexidade sobre a multidão, porque não podia compreender como Galileus conseguiram falar as várias línguas dela. A objeção já foi levantada que a maioria daqueles que estavam na multidão deviam falar Aramaico ou Grego, as duas línguas que os discípulos também decerto falavam, e que o milagre das línguas era, portanto, desnecessário. Esta dificuldade, porém, certamente era óbvia para Lucas também. O que era importante é que se falavam as várias línguas maternas, vernaculares, destes povos. Talvez estranhemos como as multidões sabiam que os discípulos eram galileus. Um simples relance nas palavras atribuídas às multidões nos vv 7-11 indicará que não passam de resumo das várias coisas que estavam sendo ditas, combinadas, por razões literárias, numa só declaração coral, e, portanto, não precisamos supor que mais do que uns poucos da multidão sabiam reconhecer que os discípulos eram galileus.
9-11. Lucas, ainda continuando sua versão global daquilo que os vários membros da multidão devem ter dito, passa a nos dar uma lista das nacionalidades representadas. Começa com três países ao leste do Império Romano, na área conhecida como Pérsia ou Irã, e depois (com uma mudança de construção), continua para o oeste, para a Mesopotâmia, o Iraque moderno, e a Judéia. Seguem-se, então, várias províncias e áreas na Ásia Menor (a moderna Turquia), e, depois, o Egito e área imediatamente para o oeste, seguida por Roma. Depois, há uma declaração geral que se aplica a todos os povos em epígrafe: havia uma população judaica considerável em cada uma destas áreas, e a presença dos judeus freqüentemente levava ã conversão dos gentios para se tomarem prosélitos. Finalmente, e de modo algo surpreendente, a lista inclui pessoas da Creta e da Arábia. É uma lista surpreendente, e ninguém tem conseguido dar uma explicação satisfatória de por que inclui aquela seleção específica de países, nem porque aparecem nesta ordem estranha. Certamente não foi inventada pelo próprio Lucas. Basta, então, observar que a lista claramente visa ser uma indicação de que estavam presentes pessoas de todas as partes do mundo conhecido, e talvez que haveriam de voltar aos seus próprios países como testemunhas daquilo que acontecia. Todas elas, como adoradores de Javé, podiam perceber que os cristãos estavam celebrando as obras poderosas de DEUS.
12-13. A reação primária era de incompreensão. As multidões naturalmente estavam sem saber o que estava acontecendo, e esta situação criou a oportunidade para Pedro dirigir-se a elas, explicando do que se tratava. Mais especificamente, recebeu uma razão para começar seu discurso, no fato de algumas pessoas estarem dispostas a explicar o falar em línguas como resultado de bebidas fortes; esta seria a explicação que alguém naturalmente daria se ouvisse pessoas fazendo sons ininteligíveis, que seria a impressão que algum ouvinte receberia, se não reconhecesse a língua específica que estava sendo empregada.

Pedro prega o evangelho (2:14-42).
A presença da multidão que acorrera deu a Pedro a sua oportunidade para explicar o significado daquilo que ocorria. Seu discurso ou sermão começa com uma alusão ao derramamento do ESPÍRITO como cumprimento da profecia, e termina com outra referência ao mesmo evento (2:33). Entre estas referências, porém, Pedro explora mais profundamente o significado do evento. Faz remontar até JESUS este dom do ESPÍRITO. Os judeus tinham rejeitado este Homem de DEUS, mas foi ressuscitado dentre os mortos, pelo próprio DEUS, conforme podiam testificar os apóstolos. A ressurreição dEle, no entanto, devia também ser vista à luz da profecia. Pedro disse que um Salmo de Davi que falava da libertação da morte devia ser entendido na sua aplicação ao Messias, sendo que claramente não podia ser aplicado ao próprio Davi. Visto que DEUS ressuscitara JESUS da morte, segue-se que era Este o Messias, e foi como conseqüência disto que derramou o ESPÍRITO (Lc 24:49; Jo 20:22). Assim, a ressurreição de JESUS , bem como o derramamento do ESPÍRITO testificavam que JESUS era o Senhor e o Messias. Quando os ouvintes quiseram saber o que isto subentendia, Pedro insistiu com eles que deviam ser batizados em nome de JESUS , para o perdão dos pecados e participação do dom do ESPÍRITO que lhes era livremente prometido. Muitos responderam ao seu apelo, e começaram a compartilhar de um novo modo de vida.
14. O retrato de Pedro mostra-o em pé para falar ao ar livre, com o assentimento dos demais apóstolos, dos quais ele fica como porta-voz. O verbo que aqui se traduz disse pode empregar-se para declarações inspiradas. O sermão de Pedro é considerado obra de um homem cheio do ESPÍRITO. Para começar, pede a atenção dos seus ouvintes, sejam judeus residentes em Jerusalém, sejam visitantes.
15. Como noutras ocasiões (3:12; 14:15), a primeira tarefa do pregador é corrigir um falso conceito do seu auditório; neste caso, demonstra que é absurdo pensar na probabilidade de homens estarem bêbados antes das nove da manhã. A razão de ser deste argumento é que os judeus normalmente não comiam tão cedo no dia, e muito menos bebiam vinho.
16-21. A explicação correta achava-se num nível diferente de entendimento. Aquilo que acontecia devia ser encarado como cumprimento de uma profecia de Joel, e aqui Pedro passou a citar a relevante passagem, Joel 2:28-32. Mais uma frase da mesma passagem se acha no v. 39, e a mesma passagem é citada também em Rm 10:13 e Ap. 6:12.15 A citação segue a LXX, mas com certo número de pequenas alterações para adaptar a profecia ao seu contexto. Uma das mais importantes entre estas alterações é o modo de "E acontecerá depois destes dias", em Joel, ser alterado para "E acontecerá nos últimos dias". Pedro considera que a profecia de Joel se aplica aos últimos dias, e declara que seus ouvintes agora estão vivendo nos últimos dias. Já começou o ato final da salvação divina.
O primeiro tema da profecia, e o principal, é que DEUS está para derramar o Seu ESPÍRITO sobre todos os povos, i.é, sobre todos os tipos de pessoas, e não apenas sobre os profetas, reis e sacerdotes, como tinha sido o caso nos tempos do Antigo Testamento. A evidência será vista na forma de profecias e visões. Visto que as línguas podiam ser descritas, de modo lato, como tipo de profecia, esta passagem oferecia o equivalente mais aproximado às línguas na fraseologia veterotestamentária: é verdade que Paulo distingue as línguas das profecias (1 Co 12:10), mas ele não estava sujeito à limitação de procurar uma frase veterotestamentária para se expressar. Um segundo elemento da profecia é a ocorrência de sinais cósmicos do tipo que se associa com os quadros apocalípticos do fim do mundo; a mesma linguagem se emprega em Apocalipse 6:12. Aqui, podemos notar que Pedro alterou a expressão de Joel: "prodígios no céu e na terra", para prodígios em cima no céu e sinais em baixo na terra. Os sinais são provavelmente o dom de línguas e os vários milagres de cura que logo passariam a ser narrados. O que se diz, porém dos prodígios? Se não aceitarmos que a referência diz respeito aos sinais cósmicos que acompanharam a crucificação (Lc 23:4445), então teremos que entender que Pedro antevê os sinais que anunciarão o fim do mundo; estes ainda são futuros, e pertencem ao "fim" dos últimos dias, e não ao "começo" deles, que estava se realizando. O terceiro elemento na profecia de Joel é o evento do qual estes sinais são a prefiguração: o dia do Senhor, i.é, o dia do julgamento. Para Joel, é claro, o Senhor era o próprio Javé. Para Pedro e Lucas, surge a pergunta: Senhor, aqui, não significa implicitamente JESUS ? Isto porque no v. 36 JESUS será declarado Senhor. De qualquer maneira, a profecia termina, em quarto lugar, com uma promessa no sentido de que aquele que invocar o nome deste Senhor, i. é, apelar a Ele, pedindo socorro, será salvo; para os cristãos, certamente se tratava de procurar em JESUS a salvação (Rm 10:13-14; 1 Co 1 :2). Reconhece-se que, se Pedro citou o texto em Hebraico, haveria clara referência a Javé, e, portanto, a aplicação a JESUS ficaria clara somente àqueles que ouviam ou liam o texto em Grego.
É difícil saber de que maneira Joel encarava o cumprimento do seu oráculo, que foi pronunciado no contexto de uma praga de gafanhotos em Israel, a qual o profeta via como julgamento de advertência. Quando o povo correspondeu, arrependendo-se, o Senhor o atendeu, e transformou a sua sorte, e prometeu-lhe ceifas abundantes. Depois, segue-se esta profecia daquilo que aconteceria "depois", na medida em que o profeta olha para os eventos futuros ainda mais distantes, e descortina a vindicação final de Israel e a derrota dos seus inimigos. Destarte, a perspectiva parece ser distante, associada com o dia do Senhor, e, portanto, não se faz injustiça para com o verdadeiro sentido da passagem quando Pedro enxerga nos eventos do Pentecoste o começo do cumprimento dela.
22. Mais uma vez, Pedro pede a atenção dos seus ouvintes; o que tem para dizer se dirige ao povo de Israel, que alega ser o povo de DEUS. Um pouco repentinamente, volta a dirigir a atenção deles a JESUS , o Homem de Nazaré, que DEUS destacou diante deles através dos vários milagres e sinais que DEUS operara publicamente através dEle. Pedro torna por certa a realidade destes sinais, e diz que os seus ouvintes já têm clara consciência deles, e declara que foram operados por DEUS. Está disposto a argumentar a partir dos milagres para chegar à mão de DEUS. JESUS , portanto, já durante a Sua vida terrestre, foi destacado corno pessoa incomum, embora Pedro ainda não passe a dizer qual era o papel ou posição específica dEle. Num mundo que aceitava a possibilidade e a realidade do milagroso, o argumento de Pedro teria peso considerável. A polêmica judaica posterior contra JESUS não negou que Ele tenha operado milagres, mas alegava que Ele era um feiticeiro, e já durante a vida dEle, Seus oponentes atribuíam a Belzebu os exorcismos que Ele operava (Le 11 :15). Era necessário alguma coisa mais para convencer os judeus de que DEUS estava operando na vida de JESUS .

O batismo era realizado em nome de JESUS , frase esta que talvez represente na expressão comercial, "à conta de JESUS ", ou na expressão idiomática judaica, "com referência a JESUS '. Por mais precisamente que a frase seja entendida, de uma maneira ou de outra, transmite o pensamento de que a pessoa que está sendo batizada entra num relacionamento de lealdade para com JESUS , fato este que está em harmonia com a evidência que indica que, no batismo, contrariamente se fazia confissão de JESUS como Senhor (Rm 109, 1 Co 12:3). Destarte, o batismo cristão era na expressão de fé e de dedicação a JESUS como Senhor. Assim como o batismo de João transmitia a dádiva divina do perdão, simbolizada no ato da lavagem, assim também o batismo cristão era considerado um sinal do perdão (5:31; 10:43; 13:38; 26:18; cf. 3:19). O batismo cristão, porém, transmitia uma bênção adicional. João dissera que batizava (somente) com água, ao passo que o Messias batizaria com o ESPÍRITO SANTO, e que esta dádiva acompanhava o batismo na água, realizado na igreja em nome de JESUS . As duas dádivas se vinculam estreitamente, pois é o ESPÍRITO que leva a efeito a purificação no íntimo, da qual o batismo é o símbolo externo.
39. Pedro afirmou com insistência que seus ouvintes descobririam que era real esta promessa do perdão e do dom do ESPÍRITO, porque fora DEUS que a pronunciara, a eles e aos seus descendentes (cf. 13 :33). Esta frase às vezes tem sido interpretada como justificativa para o batismo das crianças, mas trata-se de uma sobrecarga sobre o texto. Colocando-a no seu contexto, notamos que a profecia no v. 17 contempla filhos que têm idade suficiente para profetizar, e que o v. 38 fala do recebimento do perdão e do ESPÍRITO; em nenhum destes casos fica óbvio que se trata de crianças pequenas. A lição da frase, pelo contrário, é expressar a misericórdia ilimitada de DEUS, que abrange os ouvintes e as gerações subseqüentes dos seus descendentes e, além disto, todos os que ainda estão longe (Is 57: 19; Ef. 2:13, 17), frase esta que certamente inclui todos os judeus espalhados em todo o mundo e (aos olhos de Lucas, mesmo se Pedro não chegara a este entendimento) os gentios também; numa referência aos gentios é altamente provável, tendo em vista a maneira rabínica de entender a frase em Isaías 57 :19, da qual Paulo participa (Ef 2:13, 17). Em todos estes casos, porém, a promessa é mediada pela chamada divina - e com estas palavras, Pedro completa a citação de Joel 2:32 com a qual começara o seu discurso. Ressalta-se a primazia da chamada divina e da graciosidade do Seu convite à toda humanidade.


COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO
Neste ano de 2006 comemora­sse em todo o mundo o Centenário do Movimento Pentecostal, no qual situa-se a Assembléia de DEUS. A comemoração presta justa homenagem aos pioneiros do Movimento Pentecostal que deixaram suas indeléveis marcas espirituais nos trabalhos que levantaram em meio a muito sofrimento e necessidades.
Que esta comemoração centenária seja uma ocasião para que a igreja, numa firme determinação diante de DEUS, mantenha a pureza doutrinária, os princípios e as verdades bíblicas que norteiam o seu caminhar, inclusive, no que concerne à Pessoa, às operações e ministrações do ESPÍRITO SANTO, segundo as Escrituras.

I. A PROMESSA DO PENTECOSTES E SUA GRANDEZA (vv.I6-18).
Foi o profeta Joel, no Antigo Testamento, a quem DEUS revelou com mais detalhes o derramamen­to do ESPÍRITO nos últimos tempos (Jl 2.23-32).
Também Isaías escreve a respeito do avivamento, principalmente do autor do avivamento e o resultado do avivamento na vida de alguém:
Is 61.1 O ESPÍRITO do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; 2 A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso DEUS; a consolar todos os tristes; 3 A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado.

Como se vê a função primária da pessoa do ESPÍRITO SANTO é capacitar, dar poder na pregação do evangelho, com sinais e prodígios para que haja uma colheita abundante de almas.

Vamos estudar o que o profeta Joel profetizou do derramamento do ESPÍRITO SANTO:
PROMESSA DA EFUSÃO DO ESPÍRITO
Jo 2.28 E há de ser que, depois derramarei o meu ESPÍRITO sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. 29 E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu ESPÍRITO. 30 E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça. 31 O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR. 32 E há de ser que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o SENHOR, e entre os sobreviventes, aqueles que o SENHOR chamar.

1. "Derramarei o meu ESPÍRITO" (v.17). Assim diz DEUS neste versículo.
Sobre todos os que desejarem virá o derramamento do ESPÍRITO SANTO, sendo que este derramar está subdividido em duas partes:
a- O derramamento sobre a Igreja (início no dia do Pentecostes em Jerusalém e em nossa época, num segundo mover, na rua Azuza) ;
b- O derramamento sobre todos os participantes do milênio (derramamento sobre toda carne, sobre todos os que escaparem da grande Tribulação e que escaparem da separação entre bodes e ovelhas).

Observação: Veja que o ESPÍRITO SANTO é derramado, Ele vem de cima, do céu, de DEUS e não como alguns pensam, buscando em pessoas o batismo. Eu, por exemplo, recebi sozinho em um quarto de minha casa, outros recebem por imposição, ou seja, por intercessão de alguém, outros, como Cornélio e seus parentes e amigos, ouvindo uma pregação, etc...; o importante é que recebam de DEUS e não de homens.
Outro fator importante é que não se deve buscar o falar em línguas, mas o batismo, que é a posse total do ESPÍRITO SANTO sobre nós, para evangelização dos povos, o revestimento de poder.

Os discípulos passaram de homens ignorantes antes do pentecostes, para sábios e entendidos logo após receberem o batismo.
A verdadeira sabedoria é a sabedoria espiritual.
At 4.13 Então eles, vendo a ousadia de Pedro e João, e informados de que eram homens sem letras e indoutos, maravilharam-se e reconheceram que eles haviam estado com JESUS .

2. A profecia de Joel (11 2.28-32). Os versículos 28 a 32 de Joel, no texto hebraico, perfazem um capítulo à parte.
Notemos que os capítulos do livro de Joel falam principalmente sobre Israel e o juízo de DEUS sobre eles e os povos à sua volta, enquanto que neste capítulo 2 e versículos 28 - 31 á traz a promessa de uma grande bênção sobre os povos, tanto israelitas quanto todos os que se converterem ao Senhor JESUS.
cap. 1 - A TERRÍVEL CARESTIA CAUSADA PELA LOCUSTA E PELA SECA.
cap. 2 - Início de Juízo.
cap. 3 - ·OS JUÍZOS DE DEUS SOBRE AS NAÇÕES INIMIGAS
Na verdade DEUS está sempre na expectativa de abençoar a todos, só esperando para isto a conversão legítima, de coração.

II. A PROMESSA DO PENTECOSTES E SUA UNIVERSALIDADE (vv.17.18).
Nos tempos do Antigo Testamento, o ESPÍRITO SANTO, por via de regra, permanecia entre os fiéis (Ag 2.5; Is 63.11).
As pessoas do AT não eram templo do ESPÍRITO SANTO, pois JESUS ainda não havia derramado de seus ESPÍRITO SANTO, mas, viviam em comunhão com o mesmo, alguns poucos escolhidos por DEUS para grandes tarefas até mesmo eram cheios como João Batista, desde o ventre.
1. Habitação do ESPÍRITO. Nesta dispensação da igreja, isto é, do corpo místico dos salvos em CRISTO, o ESPÍRITO habita em toda pessoa por Ele regenerada e salva por JESUS (Jo 14.16,17; 1 Jo 4.13; Rm 8.9).
A diferença primordial é que somos nascidos de novo para templo, morada de DEUS na Terra, enquanto aqueles (AT) eram usados pelo ESPÍRITO SANTO sem nem mesmo O conhecerem, sem nem mesmo dialogarem com ELE como pessoa, pois a revelação da trindade lhes estava oculta e a revelação da igreja, ainda mais.
Ef 3.9 E demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em DEUS, que tudo criou por meio de JESUS CRISTO; 1Co 6.19 Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do ESPÍRITO SANTO, que habita em vós, proveniente de DEUS, e que não sois de vós mesmos?
2Co 6.16 E que consenso tem o templo de DEUS com os ídolos? Porque vós sois o templo do DEUS vivente, como DEUS disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu DEUS e eles serão o meu povo.

2. "Sobre toda a carne" (v.l 7). Isso fala de algo da parte de DEUS para todos, em todos os países, povos e raças do mundo.
Também de imparcialidade.
a) "Vossos filhos e vossas filhas":
Parentes, como Cornélio e os seus. At 10.24 E no dia imediato chegaram a Cesaréia. E Cornélio os estava esperando, tendo já convidado os seus parentes e amigos mais íntimos.
At 10.O ESPÍRITO SANTO DESCE SOBRE OS GENTIOS
44 E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o ESPÍRITO SANTO sobre todos os que ouviam a palavra. 45 E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os gentios. 46 Porque os ouviam falar línguas, e magnificar a DEUS.
b) "Vossos jovens e vossos velhos":
Idade não é problema para se receber.
Is 40.31 Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão.
Sl 51.10 Cria em mim, ó DEUS, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.
Sl 103.5 Que farta a tua boca de bens, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia.
c) "Servos e servas":
Todos são iguais, não há distinção por parte de DEUS, o que interessa é a fé.
At 10.34 E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que DEUS não faz acepção de pessoas;
Rm 2.11 Porque, para com DEUS, não há acepção de pessoas.
1Pe 117 E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação.

Nações Presentes No Dia Do Pentecostes
Demonstração de que o batismo é para todos, indistintamente e para evangelização, ou seja, para se ganhar almas.

III. A PROMESSA DO PENTECOSTES E SUA RIQUEZA (vv. 17,18).
1. Os dons espirituais. Juntamente com a promessa divina está escrito: "e profetizarão" (vv. 17,18).
Os dons são manifestações sobrenaturais do ESPÍRITO SANTO, são capacitações ou equipamentos, ou ainda armas para o soldado que entra na guerra espiritual travada contra Satanás e seus demônios. Os dons são vistos em operação na palavra de DEUS sempre após o batismo com o ESPÍRITO SANTO, como no dia de pentecostes, onde os discípulos primeiro receberam o batismo, depois receberam o dom de línguas para falarem nas línguas dos visitantes em Jerusalém e depois saíram a pregar o evangelho sendo seguidos por sinais e prodígios.
Ef 6.12 Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.
O Dom mais desejado, segundo Paulo ensina, deve ser o dom de profetizar, para que possa edificar a igreja; também é chamado de dom superior ao de línguas por Paulo em 1 Co 14.
1Co 14.5 E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.
2. Os sinais sobrenaturais (Marcos 16.17, 18): Milagres, cura divina, línguas estranhas, expulsão de demônios (At 2.43b).
É interessante notar que os sinais acompanham os crêem, os que vão fazer a obra de DEUS e não se recebe primeiro, antes de se entrar na obra, antes de se entregar ao serviço de CRISTO.
Veremos durante o trimestre mais detalhadamente sobre os dons e sua manifestação na igreja. (1Co 12)

IV. A PROMESSA DO PENTECOSTES E SUA FUTURIDADE (vv.19, 20).
1. Futuro profético. A vinda do ESPÍRITO SANTO no Dia de Pentecostes para dotar os crentes de poder, não se limita aos tempos atuais, mas adentra o futuro profético.
2. A promessa divina do Pentecostes em Joel 2.28. Esta promessa diz "derramarei o meu ESPÍRITO"; ao passo que no cumprimento em Atos 2.17, a Palavra diz "do meu ESPÍRITO derramarei", denotando um derramamento parcial.
3. A profecia pentecostal de Joel 2.23. Esta profecia prediz a chuva "temporã" e a "serôdia".
a) Chuva temporã. Na Bíblia, "chuva temporã" é uma referência ao Oriente Médio, em se tratando de agricultura, às primeiras chuvas de outono (fins de outubro), logo após a semeadura, para a germinação das sementes e crescimento das plantinhas.
b) Chuva serôdia. São as últimas chuvas que precedem a colheita(fins de março), quando os grãos já estão amadurecidos.

V. A PROMESSA DO PENTECOSTES ABARCA A SALVAÇÃO (v. 21).
1. "E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo". Em o nome do Senhor há poder para salvar em todo e qualquer sentido.
2. Fonte de Vida. Em João 7.38, 39, JESUS falou do ESPÍRITO SANTO sobre o crente, como um rio caudaloso e transbordante, o que fala de vida, subsistência, movimento, ruído, energia, destinação e renovação.
3. Trajetória de poder. Na história da igreja no livro de Atos, ela inicia sua trajetória com "grande poder" (4.33), e, encerra com "grande contenda" (28.29).

CONCLUSÃO
Como é notório, muitas inovações, modismos e práticas descabidas e antibíblicas vêm afetando o genuíno Movimento Pentecostal, inclusive a Assembléia de DEUS. Precisamos voltar sempre ao cenáculo para receber mais poder (Ef 5.18), mas igualmente, manter a "sã doutrina" do Senhor (Tt 2.1,7; 1 Tm 4.16). Busquemos um maior e contínuo avivamento espiritual, segundo a doutrina bíblica, como fez o salmista: "Vivifica-me segun­do a tua Palavra" (SI 119.25, 154).

RESUMO HISTÓRICO DAS ASSEMBLÉIAS DE DEUS
O nome Assembléia de DEUS é visto como designação de local de cultos a DEUS, nos mais variados formatos e estilos de templos. A igreja é encontrada em grandes cidades e pequenas vilas, nas favelas e nas grandes florestas amazônicas. A Assembléia de DEUS representa um movimento pentecostal, que iniciou espontaneamente por cristãos evangélicos nos Estados Unidos, a partir da metade do século XIX, quando passaram a se reunir para estudos bíblicos buscando algo que faltava em suas igrejas tradicionais (batistas, presbiterianas, congregacionais e outras). Em 1820 os irmãos Plymouth, John Nelson Darby, pastor irlandês Anglicano, que deixou sua igreja e passou a se identificar com o movimento dos Irmãos Plymouth estabeleceu e proclamou o "Premilenialismo", doutrina escatológica, que foi incorporada pelo Pentecostalismo. Em 1864 na congregação dos discípulos de CRISTO, Maria Woodworth Ester, começou a realizar cruzadas de salvação e cura divina. Ela testemunhava: "fui batizada com ESPÍRITO SANTO e fogo, com poder que jamais deixou". Muitos aceitaram a fé Pentecostal através do intenso e poderoso ministério desta pastora. Em 1867 na Igreja Metodista, George Watson, já pregava o batismo com ESPÍRITO SANTO, fonte do poder santificador. Em 1876, G . Campbel Morgan, começou um movimento de vida profunda baseado na plenitude do ESPÍRITO, na santidade, na salvação e no poder de DEUS. Adoniram Judson Gordon, pastor batista, procurou despertar através de seus escritos a importância do ministério e operação do ESPÍRITO SANTO. Charles G. Finney, no mesmo período, em sua autobiografia, testifica de sua experiência, quando recebeu o revestimento do ESPÍRITO SANTO. Em 1880 Dwight L Moody, fundador do Moody’s Chicago Bible Training Institute, antes de morrer, deixou escrito, sobre sua experiência de ser cheio do ESPÍRITO SANTO, razão de sua intensa atividade evangelística e poder para curar os enfermos. Em 1883 John Alexander Dowie, pastor congregacional, fundou o Tabernáculo de Zion em Chicago, templo para 8.000 lugares. Sua pregação era específica sobre salvação, vida nova no ESPÍRITO, cura divina e o batismo com ESPÍRITO SANTO. Em 1897 Charles Price Jones, pastor batista, liderou as primeiras convenções de santidade interdenominacional realizadas em Selma, Alabama. Compareceram representantes de 8 Estados e várias igrejas, com um número acentuado de líderes negros. Em 1900 Charles F Parham, pastor metodista, procurando estabelecer uma comparação entre a igreja do 1º Século e a igreja de seu tempo, fundou o Instituto Bíblico (Bethel College em Topeca, Kansas, USA). Juntamente com os primeiros 40 alunos chegaram a uma conclusão, após cuidadoso estudo do Livro de Atos dos Apóstolos, que a manifestação das línguas estranhas era o real e verdadeiro sinal do batismo do ESPÍRITO SANTO. Assim, passaram a buscar através da oração, e no dia 30 de Dezembro de 1900, às 19:00 horas, uma moça por nome de Agnez Ozman, lembrou o Dr. Parham dos vários casos no Livro de Atos acerca da recepção do ESPÍRITO SANTO. Ela pediu que o pastor Parham impusesse as mãos sobre sua cabeça. Então, fazendo isto, enquanto oravam juntos, de repente essa moça começou a falar em outras línguas. Essa é a data oficial do início do movimento Pentecostal moderno, conhecido por todos. Em 1905 Thomas B. Barrat, pastor metodista, norueguês de Oslo, visitou o movimento de Los Angeles, onde foi batizado com ESPÍRITO SANTO. Voltando, levou a mensagem aos países escandinavos e Norte da Europa. A partir destas últimas datas o Senhor JESUS começou a derramar profundamente, como nunca antes aconteceu, o poder do ESPÍRITO, batizando os crentes, como prova clara, os que recebiam o batismo, falavam em outras línguas, em idiomas que nunca haviam falado antes, glorificando a DEUS. Esse movimento alastrou-se por vários Estados americanos e até outros países. Destacando-se o que ocorria na Rua Azuza, 312, A Apostolic Faith Gospel Mission, liderada pelo Pastor William J. Seymour, um negro a quem DEUS distinguiu de forma especial, atraindo pessoas de várias partes do país e do exterior, para observar como era uma comunidade Pentecostal e, os que buscavam, recebiam o avivamento, levando as chamas para os pontos mais distantes da terra.

Pentecostalismo - Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Grupos religiosos cristãos, originário no seio do protestantismo baseando na crença na presença do ESPÍRITO SANTO na vida do crente através de sinais, denominados por estes como dons do ESPÍRITO SANTO, tais como falar em línguas estranhas (glossolalia), curas, milagres, visões etc.
Origem
Herdeiro do protestantismo, distingue-se dele em alguns pontos. Um dos principais é a questão da contemporaneidade dos dons do ESPÍRITO SANTO. Os integrantes do movimento pentecostal, que nasceu nos Estados Unidos em 1901, crêem que o ESPÍRITO SANTO continua a se manifestar nos dias de hoje, da mesma forma que em Pentecostes (na Bíblia Sagrada, no livro de Atos, capítulo 2). Nessa passagem bíblica, o ESPÍRITO SANTO manifestou-se aos apóstolos por meio de línguas de fogo, que fez com que eles pudessem falar em outros idiomas para serem entendidos pela multidão que os ouvia. Segundo a Bíblia, isso ocorreu no 50º dia após a ressurreição de JESUS CRISTO. Para eles, sobressaem os dons de glossolalia (o de falar línguas desconhecidas), de cura e de profecia, entre outros.
Tradicionalmente reconhece-se o começo do movimento pentecostal como tendo início no ano 1906 em Los Angeles nos Estados Unidos na Rua Azuza, onde houve um grande avivamento caracterizado principalmente pelo "batismo com o ESPÍRITO SANTO" evidenciado pelos dons do ESPÍRITO (glossolalia, curas milagrosas, profecias, interpretação de línguas e discernimento de espíritos).
No entanto o batismo com dons do ESPÍRITO SANTO não era totalmente novo no cenário protestante. Existem inúmeros relatos de pessoas que clamam ter manifestado dons do ESPÍRITO em muitos lugares, desde Martin Lutero (apesar de controversos quanto a veracidade) no século XVI até de alguns protestantes a Rússia no século XIX.
Devido à projeção que ganhou na mídia, o avivamento na Rua Azuza rapidamente cresceu e, subitamente, pessoas de todos os lugares do mundo estavam indo conhecer o movimento. No começo, as reuniões na Rua Azuza Aconteciam informalmente, eram apenas alguns fiéis que se reuniam em um velho galpão para orar e compartilhar suas experiências, eram liderados por William Seymour (1870-1922).
Rapidamente, grupos semelhantes foram formados em muitos lugares dos EUA, mas com o rápido crescimento do movimento o nível de organização também cresceu até o grupo se denominar Missão da Fé Apostólica da Rua Azuza. Alguns fies não concordaram com a denominacionalização do grupo.
Em março de 1907, Young C. H. Mason, pastor da Igreja de DEUS em CRISTO (formada por um grupo de pregadores que se separaram da Igreja Batista Missionária em razão de pregarem a santificação), dirigiu-se até a Rua Azuza para ouvir uma série de conferências ministradas por Seymour. Na segunda noite, recebeu a experiência do batismo com o ESPÍRITO SANTO. Em Assembléia Geral convocada por ele, a maioria dos ministros concordaram em aderir à doutrina do batismo com e ESPÍRITO SANTO tendo como evidência inicial o falar em novas línguas. Hoje, a Igreja de DEUS em CRISTO, composta predominantemente de negros, é a maior denominação pentecostal dos Estados Unidos.
Mais tarde, alguns grupos ligados ao movimento pentecostal começaram a crer no unicismo invés da triunidade (trindade). Com o crescimento da rivalidade entre os que criam no unicismo e os que criam na trindade geram um cisma e novas denominações nasceriam como a Igreja Pentecostal Unida (unicista) e as Assembléias de DEUS (trinitária).
Pentecostalismo Brasileiro
No Brasil o Pentecostalismo chegou em 1910-1911 com a vinda de missionários originários da América do Norte: Louis Francescon, que dedicou seu trabalho entre as colônias italianas no Sul e Sudeste do Brasil, originando a Congregação Cristã no Brasil; Daniel Berg e Gunnar Vingren inciaram suas missões na Amazônia e Nordeste, conseqüentemente nascendo as Assembléias de DEUS.
O movimento pentecostal pode ser dividido em três correntes. A primeira, chamada pentecostalismo clássico, abrange o período de 1910 a 1950 e vai de sua implantação no país, com a fundação da Congregação Cristã no Brasil e da Assembléia de DEUS, até sua difusão pelo território nacional. Desde o início, ambas as igrejas caracterizam-se pelo anticatolicismo, pela ênfase na crença no ESPÍRITO SANTO, por um sectarismo radical e por um ascetismo que rejeita os valores do mundo e defende a plenitude da vida moral. Paralelamente várias denominações protestantes tradicionais experimentaram movimentos internos, com manifestações pentecostais, assim foram denominados "Renovados", como a Igreja Presbiteriana Renovada, Convenção Batista Nacional, Igreja do Avivamento Bíblico e Igreja Cristã Maranata.
A segunda corrente começa a surgir na década de 50, quando chegam a São Paulo dois missionários norte-americanos da Internacional Church of The Foursquare Gospel. Na capital paulista, eles criam a Cruzada Nacional de Evangelização e, centrados na cura divina, iniciam a evangelização das massas, principalmente pelo rádio, contribuindo bastante para a expansão do pentecostalismo no Brasil. Em seguida, fundam a Igreja do Evangelho Quadrangular. No seu rastro, surgem O Brasil para CRISTO, Igreja Pentecostal DEUS é Amor, Casa da Bênção e diversas outras menores.
A terceira corrente, a neopentecostal (Neo-Pentecostalismo), tem início na segunda metade dos anos 70. Fundadas por brasileiros, a Igreja Universal do Reino de DEUS (Rio de Janeiro, 1977), a Igreja Universal do Reino de DEUS (Rio de Janeiro, 1980), a Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra (Brasília, 1992) e a Renascer em CRISTO (São Paulo, 1986) estão entre as principais. Todas utilizam intensamente a mídia eletrônica e funcionam como empresas. Pregam a Teologia da Prosperidade, pela qual o cristão está destinado à prosperidade terrena, e rejeitam os tradicionais usos e costumes pentecostais. O neopentecostalismo constitui a vertente pentecostal mais influente e a que mais cresce. Também são mais liberais em questões morais.
A doutrina de renovação do Pentecostalismo passou até mesmo as fronteiras do Protestantismo, surgindo movimentos de renovação pentecostal Católica Romana e Ortodoxa Oriental, como a Renovação Carismática Católica, mas infelizmente imitam o falar em línguas e continuam adorando a Maria..

INTERAÇÃO
Prezado professor, nesta lição procure dar ênfase às principais características de uma igreja legitimamente pentecostal. Explique que esta igreja tem por certo: a soberania da Bíblia, como a inspirada e inerrante Palavra de DEUS; a atualidade do batismo com o ESPÍRITO SANTO e dos dons espirituais; I a pureza da doutrina bíblica cristã e: o cumprimento integral da Grande Comissão. ·
Diante do surgimento de muitos movimentos "pseudopentecostais" que vêm semeando confusão doutrinária e heresias, precisamos aprender a separar o falso do verdadeiro, o precioso do vil. Que venhamos conservar o legítimo pentecostalismo, conforme encontramos na Palavra de DEUS.

OBJETIVOS- Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conhecer a origem do pentecoste cristão.
Descrever a trajetória histórica do pentecostalismo.
Saber distinguir o verdadeiro do falso pentecostalismo.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, sugerimos que você inicie a aula com a seguinte pergunta: "Como distinguir o verdadeiro do falso pentecostalismo?" Ouça com atenção as respostas e incentive a participação de todos. Depois, escreva no quadro-de-giz as principais características do genuíno Movimento Pentecostal apresentadas no tópico III da revista. Em seguida, relacione no quadro-de-giz, algumas práticas místicas e antibíblicas que os pseudo-pentecostais fazem uso (culto aos anjos, sal grosso, rosa ungida). Discuta, tendo como referência a Palavra de DEUS, tais práticas. Conclua lendo com os alunos Colossenses 2.18.

RESUMO DA LIÇÃO 9 - A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
I. A ORIGEM DO PENTECOSTES CRISTÃO
1. O ponto de partida.
2. Como surgiu o termo pentecostalismo.
3. Do Pentecostes judaico ao cristão.
II- A TRAJETÓRIA DO PENTECOSTALlSMO
1. A promessa da efusão do ESPÍRITO.
2. O Movimento Pentecostal tem o testemunho dos séculos.
3. O genuíno Pentecostalismo.
III- O VERDADEIRO PENTECOSTALlSMO
1. Características das igrejas pentecostais.
2. Novos movimentos.

SINOPSE DO TÓPICO (1)
O verdadeiro Movimento Pentecostal teve sua origem no Dia de Pentecostes.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
Podemos afirmar que Pentecostalismo é um movimento legitimamente bíblico e que, historicamente, não se restringiu à Igreja Primitiva.
SINOPSE DO TÓPICO (3)
O verdadeiro pentecostalismo caracteriza-se pela aceitação das Escrituras como a inspirada e inerrante Palavra de DEUS, manutenção da sã doutrina, atualidade dos dons espirituais, cumprimento integral da grande comissão e compromisso com a santidade.

REFLEXÃO
"O verdadeiro avivamento leva o crente a destruir os ídolos do coração. Sem uma vida avivada no ESPÍRITO, as coisas naturais desta vida logo se tornam 'deuses' dentro de nós". Antonio Gilberto

VOCABULÁRIO
Ortodoxo: O que se acha de acordo com a Palavra de DEUS.
Místico: Misterioso espiritualmente e ligado ao sobrenatural.
Sincrético: Unificação de idéias ou doutrinas diversificadas.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ARAUJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de janeiro: CPAD, 2007.
MENZIES, William W. Doutrinas Bíblicas: Os Fundamentos da Nossa Fé. 5. ed. Rio de janeiro: CPAD, 2005.
Revista Ensinador Cristão CPAD, nº 46, p. 40.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Bibliológico
Pentecostes
"Pentecostes era a segunda das três grandes festas de Israel (01 16.16). Suas principais passagens estão em Êxodo 23.16, Levítico 23.15-22, Números 28.26-31 e Deuteronômio 16.9-12. A palavra grega Pentecostes (pentekosté) significa "qüinquagésimo", referindo-se ao qüinquagésimo dia depois da oferta de manjares durante a Festa dos Pães Asmos (At 2.1; 20.16; 1 Co 16.8).
Outro título pelo qual esta festa é conhecida é a Festa das Semanas (Êx 34.22; Dt 16.10,16; 2 Cr 8.13), que se refere a sete semanas após a oferta das primícias; a Festa da Colheita (Êx 23.16), referindo-se à conclusão das colheitas de grãos; o dia das primícias (Nm 28.26), falando das primícias de uma colheita terminada, e mais tarde os judeus a chamaram solenemente de assembléia, que foi aplicado ao encerramento da festa da estação da colheita. Embora as Escrituras não afirmem especificamente seu significado histórico, elas parecem indicar basicamente uma festa da colheita.
[...] Em Números 28.26 o Pentecostes é chamado tanto de Festa das Semanas como de Festa das Primícias. Esta Festa das Primícias não deve ser confundida com as primícias oferecidas durante os dias dos pães asmos.
No NT, o Pentecostes está relacionado ao dom do ESPÍRITO SANTO (At.12.1-4). CRISTO ascendeu como as primícias da ressurreição (l Co 15.23), e 50 dias depois deste evento veio o derramamento do ESPÍRITO SANTO, dando início ao cumprimento da profecia deJoel (JI 2.28-32)" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, pp. 1500-01).

Subsídio Histórico
"Os historiadores que se ocupam do Avivamento Pentecostal no século 20 são unânimes em mencionar a Rua Azuza, em Los Angeles, Califórnia, em 1906, como o centro irradiador de onde o avivamento se espalhou para outras cidades e nações.
A Rua Azuza transformou-se em poderosa fogueira divina, onde centenas e milhares de pessoas de todos os pontos da América, ao chegarem atraídas pelos acontecimentos e para ver o que estava se passando ali, eram batizadas com o ESPÍRITO SANTO, e ao retornarem para suas cidades levavam essa chama viva que alcançava também outras pessoas.
Porém, quem havia trazido a mensagem pentecostal a Los Angeles fora uma senhora metodista, que, por sua vez, a recebera na cidade de Houston, quando tinha ido visitar seus parentes. Antes dessa data (19060), podemos citar também os avivamentos ocorridos na Suécia em 1858, e na Inglaterra em 1740. Na América do Norte, podem-se mencionar os avivamentos nos Estados de Nova Inglaterra em 1854, e na cidade de Moorehead, em 1892, seguidos dos de Galena, Kansas, em 1903, e Orchard e Houston, em 1904 e 1905, respectivamente.
Os membros das várias igrejas, uns por curiosidade, outros por desejo de receber mais graça do céu, chegavam para ver com os próprios olhos aquele fenômeno. Muitos deles traziam consigo a opinião de que tudo aquilo não passava de obra de fanáticos. Porém, todos saíam dali convencidos de que era um movimento divino, e transformavam-se em testemunhas e propagandistas do Movimento Pentecostal que se iniciara naquela ruazinha em Los Angeles.
[...] Dentro em pouco os grandes centros urbanos norte-americanos foram alcançados pelo avivamento. Uma das cidades que mais se destacaram e se projetaram no Movimento Pentecostal foi Chicago. As boas-novas do avivamento alcançaram, praticamente, todas as igrejas evangélicas da cidade. Em algumas, houve oposição da parte de uns poucos crentes, porém o avivamento triunfou, pois, além de outras características que o recomendavam, ele se destacava pelo espírito evangelístico e pelo interesse que despertava pelo evangelismo dos outros povos. Ou seja: cada um que se convertia, transformava-se também em missionário" (CONDE, Emílio. História das Assembléias de DEUS no Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, pp.23-4).

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 2 - NOMES E SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2011
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Mas recebereis a __________________________ do ESPÍRITO SANTO, que há de vir ________________________ vós; e ser-me-eis _________________________________ tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra" (At 1.8).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
O Movimento _________________________ é a maior demonstração de que a igreja de CRISTO não é uma mera ________________________, mas um ____________________________ vivo.

INTRODUÇÃO
3- Por que o Movimento Pentecostal, embora comprovadamente bíblico e ortodoxamente teológico, vem sofrendo, desde o seu nascedouro, injustificados ataques?
( ) Por se tratar de um movimento reconhecido por todos os religiosos do mundo como sendo bíblico e atual.
( ) Falta de conhecimento bíblico-teológico acerca da doutrina do ESPÍRITO SANTO
( ) Ignorância sobre a origem do maior avivamento já registrado pela história.

I. A ORIGEM DO PENTECOSTES CRISTÃO
4- Qual o ponto de partida do Pentecostes?
( ) No Dia de Pentecostes, em Roma, cumpriu-se a promessa que o Senhor JESUS fizera aos seus discípulos: a vinda do ESPÍRITO SANTO.
( ) No Dia de Pentecostes, em Jerusalém, cumpriu-se a promessa que o Senhor JESUS fizera aos seus discípulos: a vinda do Consolador.
( ) Inaugurou-se, assim, um novo tempo para o povo de DEUS que passou a usufruir de um abundante derramamento do ESPÍRITO SANTO, conforme havia profetizado Joel.( ) O que JESUS prometera tornou-se realidade.

5- Mas qual a origem do Pentecostes? Por que as igrejas que crêem na atualidade do batismo com o ESPÍRITO SANTO e dos dons espirituais são denominadas pentecostais? Como surgiu o termo pentecostalismo?
( ) A expressão "pentecostalismo" procede do substantivo hebraico "pentekosté" que significa qüinquagésimo.
( ) A expressão "pentecostalismo" procede do vocábulo grego pentekosté que significa qüinquagésimo.
( ) O Pentecostes era a segunda das três principais festas judaicas.
( ) O Pentecostes recebe esse nome por ser comemorado cinqüenta dias após a Páscoa.
( ) O Pentecostes era também conhecido como a Festa das Semanas, Festa das Primícias e Festa da Colheita.
( ) Foi durante o Pentecostes que os quase 120 que oravam no cenáculo receberam o batismo com o ESPÍRITO SANTO.

6- Como se deu a história do Pentecostes judaico ao cristão?
( ) Devido à destruição do SANTO Templo em 70 d.C., os judeus ficaram impossibilitados de praticar muitos de seus rituais e liturgias.
( ) Mas para os cristãos, o Pentecostes, em virtude do derramamento do ESPÍRITO SANTO, adquiriu um novo sentido.
( ) Pentecostes tornou-se uma festa evangélica comemorada todos os anos em Jerusalém, com batismos no ESPÍRITO SANTO.
( ) Pentecostes tornou-se sinônimo do ministério, operações, atos poderosos e manifestações sobrenaturais do ESPÍRITO SANTO na Igreja e através da Igreja.

II- A TRAJETÓRIA DO PENTECOSTALlSMO
7- Como era a promessa da efusão do ESPÍRITO?
( ) DEUS revelou ao profeta Joel que, nos últimos dias, haveria uma efusão do ESPÍRITO SANTO sobre os fiéis.
( ) DEUS revelou ao profeta Joel que, nos últimos dias, haveria um derramamento do ESPÍRITO SANTO sobre todos religiosos que se denominam cristãos.
( ) A promessa do derramamento do ESPÍRITO SANTO não se destinava apenas aos crentes que se achavam reunidos no cenáculo, mas diz respeito a todos os servos de DEUS em todos os lugares e épocas.

8- Em que o Movimento Pentecostal implica?
( ) Numa ação contínua e renovadora do ESPÍRITO SANTO na vida da comunidade cristã, fazendo com que esta cumpra cabalmente as demandas da Grande Salvação.
( ) Numa ação contínua e renovadora do ESPÍRITO SANTO na vida da Igreja, fazendo com que esta cumpra cabalmente as demandas da Grande Comissão.
( ) Numa ação contínua e renovadora do ESPÍRITO SANTO na vida dos cristãos, fazendo com que esta cumpra cabalmente as demandas da Grande Reunião Santa.

9- Como o Movimento Pentecostal tem o testemunho dos séculos, segundo o escritor e jornalista Emílio Conde?
( ) Declara que esse movimento iniciou-se nos Estados Unidos, tendo alcançado o mundo inteiro.
( ) Em seu livro "Testemunho dos Séculos", através de inúmeras provas, ele mostra que o Pentecostalismo é um movimento legitimamente bíblico e que, historicamente, não se restringiu à Igreja Primitiva.
( ) Não é, portanto, um modismo sueco ou norte-americano.

10- O que afirma o historiador Isael de Araujo em seu livro "Dicionário do Movimento Pentecostal", após três anos de pesquisas?
( ) No verbete "cronologia do pentecostalismo mundial", o autor mostra um panorama das manifestações históricas do pentecostalismo do Terceiro até ao século Vinte.
( ) Afirma que o "pentecostalismo, em suas diferentes formas, tem existido por toda a história cristã, tanto do Ocidente como no Oriente, desde o Dia de Pentecostes, em Jerusalém".
( ) No verbete "cronologia do pentecostalismo mundial", o autor mostra um panorama das manifestações históricas do pentecostalismo do primeiro até ao século vinte.

11- Como distinguir o verdadeiro do falso pentecostalismo?
( ) O genuíno pentecostalismo é baseado nas experiências espirituais dos cristãos, durante todos esses séculos.
( ) O genuíno pentecostalismo não admite qualquer outra revelação além das Escrituras Sagradas, pois prima pela ortodoxia bíblica e pela sã doutrina.
( ) Nossa única regra de fé e conduta é a Bíblia Sagrada, a inspirada, inerrante, absoluta e completa Palavra de DEUS.

III- O VERDADEIRO PENTECOSTALISMO
12- Quais as principais características das igrejas legitimamente pentecostais?
( ) A maneira mais fácil é ver o crescimento de tal Igreja, a verdadeira sempre cresce mais do que as outras.
( ) Aceitam a soberania da Bíblia Sagrada, como a inspirada e inerrante Palavra de DEUS, elegendo-a como infalível regra de avaliação de toda e qualquer manifestação espiritual.
( ) Mantém a pureza da sã doutrina, conforme a encontramos na Bíblia Sagrada.
( ) Acreditam na atualidade do batismo com o ESPÍRITO SANTO e dos dons espirituais.
( ) Cumprem integralmente as demandas da Grande Comissão que nos deixou o Senhor JESUS.
( ) Têm compromisso com a santidade, defendem o aperfeiçoamento da vida cristã através da leitura da Bíblia, da oração e do exercício da piedade na consolação do ESPÍRITO SANTO.

13- Vários movimentos, incorretamente intitulados de pentecostais, têm surgido ao longo dos anos. Como se comportam eles?
( ) Tais dissidências acabaram criando um segmento esotérico, místico e sincrético que em nada lembra o verdadeiro cristianismo.
( ) Tais são os desvios doutrinários desses movimentos que eles, sequer, podem ser considerados cristãos, pois Incorporaram às suas liturgias, práticas místicas e antibíblicas, fazendo uso de sal grosso, rosa ungida, óleo e água "santificados", culto aos anjos, etc.
( ) Muitas delas se comportam de maneira santa e irrepreensível.
( ) Tais práticas são heréticas e inadmissíveis, não tendo nenhum respaldo na Palavra de DEUS.
( ) Não podemos nos esquecer, também, de extravagâncias doutrinárias como, por exemplo, a teologia da prosperidade, confissão positiva, quebra de maldição, triunfalismo e outros aleijões teológicos e heresias.

CONCLUSÃO
14- Complete:
O verdadeiro Movimento Pentecostal teve sua origem no Dia de ______________________________. Os anos se passaram, mas a chama pentecostal continua a arder, pois a promessa do batismo com o ESPÍRITO SANTO e dos dons espirituais é para nós também. Conservemos, pois, o legítimo pentecostalismo, conforme o encontramos nas _______________________________Escrituras. Neste Centenário das Assembléias de DEUS no Brasil, preservemos e vivamos com ________________________ o avivamento que nos legaram Daniel Berg e Gunnar Vingren.

RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

O FALAR EM LÍNGUAS
At 2.4 “E todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e começaram a falar em outras línguas, conforme o ESPÍRITO SANTO lhes concedia que falassem.”

O falar noutras línguas, ou a glossolália (gr. glossais lalo), era entre os crentes do NT, um sinal da parte de DEUS para evidenciar o batismo no ESPÍRITO SANTO (ver 2.4; 10.45-47; 19.6). Esse padrão bíblico para o viver na plenitude do ESPÍRITO continua o mesmo para os dias de hoje.

O VERDADEIRO FALAR EM LÍNGUAS.
(1) As línguas como manifestação do ESPÍRITO. Falar noutras línguas é uma manifestação sobrenatural do ESPÍRITO SANTO, i.e., uma expressão vocal inspirada pelo ESPÍRITO, mediante a qual o crente fala numa língua (gr. glossa) que nunca aprendeu (2.4; 1Co 14.14,15). Estas línguas podem ser humanas, i.e., atualmente faladas (2.6), ou desconhecidas na terra (cf. 1Co 13.1). Não é “fala extática”, como algumas traduções afirmam, pois a Bíblia nunca se refere à “expressão vocal extática” para referir-se ao falar noutras línguas pelo ESPÍRITO.
(2) Línguas como sinal externo inicial do batismo no ESPÍRITO SANTO. Falar noutras línguas é uma expressão verbal inspirada, mediante a qual o espírito do crente e o ESPÍRITO SANTO se unem no louvor e/ou profecia. Desde o início, DEUS vinculou o falar noutras línguas ao batismo no ESPÍRITO SANTO (2.4), de modo que os primeiros 120 crentes no dia do Pentecoste, e os demais batizados a partir de então, tivessem uma confirmação física de que realmente receberam o batismo no ESPÍRITO SANTO (cf. 10.45,46). Desse modo, essa experiência podia ser comprovada quanto a tempo e local de recebimento. No decurso da história da igreja, sempre que as línguas como sinal foram rejeitadas, ou ignoradas, a verdade e a experiência do Pentecoste foram distorcidas, ou totalmente suprimidas.
(3) As línguas como dom. Falar noutras línguas também é descrito como um dos dons concedidos ao crente pelo ESPÍRITO SANTO (1Co 12.4-10). Este dom tem dois propósitos principais:
(a) O falar noutras línguas seguido de interpretação, também pelo ESPÍRITO, em culto público, como mensagem verbal à congregação para sua edificação espiritual (1Co 14.5,6,13-17). (
b) O falar noutras línguas pelo crente para dirigir-se a DEUS nas suas devoções particulares e, deste modo, edificar sua vida espiritual (1Co 14.4). Significa falar ao nível do espírito (14.2,14), com o propósito de orar (14.2,14,15,28), dar graças (14.16,17) ou cantar (14.15; ver 1Co 14).

OUTRAS LÍNGUAS, PORÉM FALSAS. O simples fato de alguém falar “noutras línguas”, ou exercitar outra manifestação sobrenatural não é evidência irrefutável da obra e da presença do ESPÍRITO SANTO. O ser humano pode imitar as línguas estranhas como o fazem os demônios. A Bíblia nos adverte a não crermos em todo espírito, e averiguarmos se nossas experiências espirituais procedem realmente de DEUS (ver 1Jo 4.1).
(1) Somente devemos aceitar as línguas se elas procederem do ESPÍRITO SANTO, como em 2.4. Esse fenômeno, segundo o livro de Atos, deve ser espontâneo e resultado do derramamento inicial do ESPÍRITO SANTO. Não é algo aprendido, nem ensinado, como por exemplo instruir crentes a pronunciar sílabas sem nexo.
(2) O ESPÍRITO SANTO nos adverte claramente que nestes últimos dias surgirá apostasia dentro da igreja (1Tm 4.1,2); sinais e maravilhas operados por Satanás (Mt 7.22,23; cf. 2Ts 2.9) e obreiros fraudulentos que fingem ser servos de DEUS (2Pe 2.1,2).
(3) Se alguém afirma que fala noutras línguas, mas não é dedicado a JESUS CRISTO, nem aceita a autoridade das Escrituras, nem obedece à Palavra de DEUS, qualquer manifestação sobrenatural que nele ocorra não provém do ESPÍRITO SANTO (1 Jo 3.6-10; 4.1-3; cf. Gl 1.9; Mt 24.11-24, Jo8.31).

AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.
www.portalebd.org.br (Pr. Caramurú)
BANCROFT, E. H. Teologia Elementar. São Paulo, IBR, 1975.
SILVA, S. P. da. Quem É DEUS. Rio de Janeiro, CPAD, 1991.
CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1977.
RIGGS, R. M. O ESPÍRITO SANTO. São Paulo, Vida. 1981.
DUEWELL, W. L. Deixe DEUS Guiá-lo Diariamente. São Paulo, Candeia, 1993.
GEE, D. A Respeito do Dons Espirituais. São Paulo, Vida, 1977.
BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Edição contemporânea. São Paulo, Vida, 1994.
SILVA, S. P. da. Apocalipse Versículo por Versículo. Rio de Janeiro, CPAD, 1995.
McNAIR, S. E. A Bíblia Explicada. Rio de Janeiro, CPAD, 1994.
CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento Interpretado. Milenium, 1982.
SILVA, S. P. da. A Existência e a Pessoa do ESPÍRITO SANTO. Rio de Janeiro, CPAD
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao4-espiritosanto-odiadepentecostes.htm
http://pt.wikipedia.org
Livro Editora Novo Mundo - Atos

quinta-feira, 19 de maio de 2011

LIÇÃO 8 - O GENUÍNO CULTO PENTECOSTAL








LIÇÃO 8 - O GENUÍNO CULTO PENTECOSTAL
Lições Bíblicas do 2º Trimestre de 2011 - CPAD - Jovens e Adultos
MOVIMENTO PENTECOSTAL - As doutrinas de nossa fé
Comentários da revista da CPAD: Pr. Elienai Cabral
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva


TEXTO ÁUREO
"Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação" (1 Co 14.26).

VERDADE PRÁTICA
O genuíno culto pentecostal é marcado pela reverência, ordem e profundo temor a DEUS, propiciando, assim, o contínuo derramamento do ESPÍRITO SANTO sobre a Igreja de CRISTO.



LEITURA DIÁRIA
Segunda - Mt 4.10 - Adorar somente ao Senhor
Terça - SI 95.1,2 - Apresentemo-nos com júbilo ao Senhor
Quarta - SI 96.7,8 - Dai a glória devida ao Senhor
Quinta - 1 Co 14.26 - A necessidade de ordem no culto
Sexta - Jo 4.23 - Adorar a DEUS em ESPÍRITO e em verdade
Sábado - SI 128 - A família que teme e adora ao Senhor

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Coríntios 14.26-33,39,40
26 - Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. 27 - E, se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois ou, quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. 28 - Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja e fale consigo mesmo e com DEUS. 29 - E falem dois ou três profetas, e os outros julguem. 30 - Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. 31 - Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados. 32 - E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. 33 - Porque DEUS não é DEUS de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos. 39 - Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar e não proibais falar línguas. 40 - Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.

14.26 TUDO PARA EDIFICAÇÃO. O propósito principal de todos os dons espirituais é edificar a igreja e o indivíduo (vv. 3,4,12,17,26). "Edificar" (gr. oikodomeo) significa fortalecer e promover a vida espiritual, a maturidade e o caráter santo dos crentes. Essa edificação é uma obra do ESPÍRITO SANTO através dos dons espirituais, pelos quais os crentes são espiritualmente transformados mais e mais para que não se conformem com este mundo (Rm 12.2-8), sejam edificados na santificação, no amor a DEUS, no bem-estar do próximo, na pureza de coração, numa boa consciência e numa fé sincera (ver cap. 13; Rm 8.13; 14.1-4,26; Gl 5.16-26; Ef 2.19-22; 4.11-16; Cl 3.16; 1 Ts 5.11; Jd 20; ver 1 Tm 1.5).
14.27 DOIS, OU... TRÊS... E HAJA INTÉRPRETE. No uso dos dons espirituais, deve haver ordem e equilíbrio. As diretrizes bíblicas para falar em línguas em voz alta na igreja são:
(1) Numa só reunião não deve haver mais do que dois ou três que falem, orem, ou louvem em línguas em voz alta, e isto somente com interpretação (vv. 27,28).
(2) Falar em línguas deve ser feito por uma pessoa de cada vez (v. 27).
(3) Toda enunciação em línguas deve ser julgada pela igreja, quanto à sua autenticidade (vv. 29,32).
(4) Não havendo ninguém presente com o dom de interpretar, o crente pode, bem baixinho, falar em línguas em oração pessoal dirigida a DEUS (v. 28).
Fica evidente que em alguns momentos do culto todos se alegram no ESPÍRITO e nesses momentos todos devem e podem falar em línguas e glorificar a DEUS.
14.29 E OS OUTROS JULGUEM. Toda profecia deve ser avaliada quanto ao seu conteúdo. Isso demonstra que a profecia nos tempos do NT não era infalível, sendo passível de correção.
(1) Às vezes, a profecia e o falar em línguas não procediam de DEUS (cf. 1 Jo 4.1). Até mesmo os espíritos malignos conseguem agir na congregação através de falsos mestres ou falsos profetas aí presentes. O profetizar, o falar em línguas estranhas ou a possessão dalgum dom sobrenatural não é garantia de que alguém é um genuíno profeta ou crente, pois os dons espirituais podem ser falsificados por Satanás (Mt 24.24; 2 Ts 2.9-12; Ap 13.13,14).
(2) Se a igreja não julga com decência e ordem (v.40) as profecias, ela deixou de seguir as diretrizes bíblicas. Note, também, que a profecia não era algo como um impulso incontrolável do ESPÍRITO, pois apenas um profeta podia falar de cada vez (vv. 30-32).
(3) Qual deve ser a atitude da igreja para com as mensagens proféticas?
(a) Todas as profecias devem ser testadas segundo o padrão da doutrina bíblica (cf. Dt 13.1-3). Isso significa que os crentes devem ficar atentos ao seu cumprimento (cf. Dt 18.22), e atentos também no caso dela não se cumprir ou se levar o crente a distanciar-se de CRISTO (pois, ai, ela será falsa).
(b) Se a palavra profética é uma exortação, a congregação precisa perguntar: "O que devemos fazer para obedecermos à vontade do ESPÍRITO"
14.31 PROFETIZAR, UNS DEPOIS DOS OUTROS. A distinção entre a profecia como dom espiritual e a profecia como parte das Sagradas Escrituras (2 Pe 1.20), deve ser conhecida com clareza, embora se trate, nos dois casos, de uma mensagem recebida de DEUS.
(1) Os escritores da Bíblia recebiam suas mensagens mediante a inspiração direta e única da parte do ESPÍRITO SANTO, e a comunicavam sem erro. O resultado foi uma mensagem infalível.
(2) A profecia do tipo descrito nos caps. 12 e 14, porém, não tem inerente em si a mesma autoridade ou infalibilidade que a inspirada Palavra de DEUS (2 Tm 3.16). Embora provenha do impulso do ESPÍRITO SANTO, esse tipo de profecia nunca poderá ser considerado inerrante. Sua mensagem sempre estará sujeita à mistura e erros humanos. Por isso a profecia da igreja nunca poderá ser equiparada com as Sagradas Escrituras. Além disso, a profecia em nossos dias não poderá ser aceita pela igreja local até que seus membros julguem o seu conteúdo, para averiguar a sua autenticidade (ver v. 29; 12.10). A base fundamental desse julgamento é a Palavra de DEUS escrita: i.e., a profecia está de conformidade com a doutrina apostólica? Toda experiência e mensagem na igreja devem passar pelo crivo da Palavra de DEUS escrita.
14.39 PROFETIZAR E NÃO PROIBAIS... LÍNGUAS. Esse duplo preceito encerra o ensino bíblico sobre a profecia e as línguas. Se os coríntios não reconhecem que os ensinos de Paulo são "mandamentos do Senhor", provam que não são profetas, nem povo de DEUS (vv. 37,38). As igrejas atuais que afirmam seguir a Palavra de DEUS, mas que proíbem o falar em línguas e não desejam com zelo que seus membros profetizem, devem verificar como estão aplicando a si os versículos 37,38.


REFLEXÃO
"O culto cristão, por conseguinte, faz-nos lembrar daquela salvação que, sendo anunciada no Éden, foi plenamente consumada no Calvário." Claudionor de Andrade

Qual o resultado da verdadeira adoração a DEUS?
Qual deve ser o resultado de nosso culto a DEUS?

Elementos do verdadeiro culto bíblico:
1- Salmo (Leitura da Bíblia)
2- Doutrina (Explanação da Bíblia por ensino e por pregação - para que todos aprendam e todos sejam consolados)
3- Revelação (falem dois ou três profetas, e os outros julguem - todos podereis profetizar, uns depois dos outros - procurai, com zelo, profetizar )
4- Língua (se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois ou, quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete - não proibais falar línguas)
5- Interpretação (é a manifestação de um dom do ESPÍRITO SANTO - equivale à profecia).

Há grande diferença entre Dom ministerial de Profeta (Ef 4.11) e Dom de Profecia (1 Co 12)
DONS DE INSPIRAÇÃO OU DA FALA (DIZEM ALGO DE SOBRENATURAL).

PROFETAS (Dom Ministerial de CRISTO - pessoa dada por JESUS à Igreja).
No AT os profetas eram homens que falavam sob o impulso direto do ESPÍRITO SANTO, e cuja motivação e interesse principais eram a vida espiritual e pureza da igreja.
Sob o novo concerto, ou seja, no Novo Testamento, foram escolhidos por CRISTO (Ef 4.11) e levantados pelo ESPÍRITO SANTO e revestidos pelo seu poder para trazerem uma mensagem da parte de DEUS ao seu povo (At 2.17; 4.8; 21.4).
(1) O ministério profético do AT ajuda-nos a compreender o do NT. A missão principal dos profetas do AT era transmitir a mensagem divina através do ESPÍRITO, para encorajar o povo de DEUS a permanecer fiel, conforme os preceitos da antiga aliança. Às vezes eles também prediziam o futuro conforme o ESPÍRITO lhes revelava. CRISTO e os apóstolos são um exemplo do ideal do AT (At 3.22,23; 13.1,2).
(2) A função do profeta na igreja incluía o seguinte:
(a) Proclamava e interpretava, cheio do ESPÍRITO SANTO, a Palavra de DEUS, por chamada divina. Sua mensagem visava admoestar, exortar, animar, consolar e edificar (At 2.14-36; 3.12-26; 1Co 12.10; 14.3).
(b) Devia exercer o dom de profecia.
(c) Às vezes, ele era vidente (cf. 1Cr 29.29), predizendo o futuro (At 11.28; 21.10,11).
(d) Era dever do profeta do NT, assim como para o do AT, desmascarar o pecado, proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro e combater o mundanismo e frieza espiritual entre o povo de DEUS (Lc 1.14-17). Por causa da sua mensagem de justiça, o profeta pode esperar ser rejeitado por muitos nas igrejas, em tempos de mornidão e apostasia.
(3) O caráter, a solicitude espiritual, o desejo e a capacidade do profeta incluem:
(a) zelo pela pureza da igreja (Jo 17.15-17; 1Co 6.9-11; Gl 5.22-25);
(b) profunda sensibilidade diante do mal e a capacidade de identificar e detestar a iniqüidade (Rm 12.9; Hb 1.9);
(c) profunda compreensão do perigo dos falsos ensinos (Mt 7.15; 24.11,24; Gl 1.9; 2Co 11.12-15);
(d) dependência contínua da Palavra de DEUS para validar sua mensagem (Lc 4.17-19; 1Co 15.3,4; 2Tm 3.16; 1Pe 4.11);
(e) interesse pelo sucesso espiritual do reino de DEUS e identificação com os sentimentos de DEUS (cf. Mt 21.11-13; 23.37; Lc 13.34; Jo 2.14-17; At 20.27-31).
(4) A mensagem do profeta atual não deve ser considerada infalível. Ela está sujeita ao julgamento da igreja, doutros profetas e da Palavra de DEUS. A congregação tem o dever de discernir e julgar o conteúdo da mensagem profética, se ela é de DEUS (1Co 14.29-33; 1Jo 4.1).
(5) Os profetas continuam sendo imprescindíveis ao propósito de DEUS para a igreja. A igreja que rejeitar os profetas de DEUS caminhará para a decadência, desviando-se para o mundanismo e o liberalismo quanto aos ensinos da Bíblia (1Co 14.3; cf. Mt 23.31-38; Lc 11.49; At 7.51,52). Se ao profeta não for permitido trazer a mensagem de repreensão e de advertência denunciando o pecado e a injustiça (Jo 16.8-11), então a igreja já não será o lugar onde se possa ouvir a voz do ESPÍRITO. A política eclesiástica e a direção humana tomarão o lugar do ESPÍRITO (2Tm 3.1-9; 4.3-5; 2Pe 2.1-3,12-22). Por outro lado, a igreja com os seus dirigentes, tendo a mensagem dos profetas de DEUS, será impulsionada à renovação espiritual. O pecado será abandonado, a presença e a santidade do ESPÍRITO serão evidentes entre os fiéis (1Co 14.3; 1Ts 5.19-21; Ap 3.20-22)

DONS DE INSPIRAÇÃO OU DA FALA (DIZEM ALGO DE SOBRENATURAL).

I- PROFECIA:
Onde vemos no Antigo testamento a promessa do dom de profecia e quando foi iniciado no Novo testamento?
O Senhor DEUS, através do profeta Joel, prometeu derramar abundantemente do seu ESPÍRITO sobre os seus servos (Jl 2.28-32).
Tal promessa, que iniciou o seu cumprimento a partir do Dia de Pentecostes e inclui especificamente o dom de profecia (Jl 2.28-32; At 2.16-21).

Quem pode ter o Dom de Profecia, na Igreja?
Qualquer crente salvo pode ter o dom de profecia na nova dispensação (1 Co 14.24).
Independe de idade, sexo, status social e posição na igreja (At 2.17,18), tal como vemos nas quatro filhas de Filipe "que profetizavam" (At 21.9).

Definição de Dom de Profecia:
O dom de profecia, aqui abordado, é uma manifestação momentânea e sobrenatural do ESPÍRITO SANTO, como um dos dons espirituais prometidos, e não um ministério.
O maior valor da profecia é que ela, sendo de DEUS, ao contrário das línguas estranhas (quando não têem a interpretação), uma vez proferida, exorta, edifica e consola a coletividade e não unicamente o que profetiza (1 Co 14.3-5).

Características do Dom de Profecia:
A Bíblia ensina que a profecia deve ser julgada na igreja e que o profeta deve obedecer ao ensino bíblico (1 Co 14.29-33).
Não podemos esquecer que a profecia, nesse contexto, não se reveste da mesma autoridade da dos profetas e apóstolos das Sagradas Escrituras.
O dom de profecia, na presente era, não é infalível e, portanto, é passível de correção.
Pode acontecer de o profeta receber a revelação do ESPÍRITO SANTO e, por fraqueza, imaturidade e falta de temor de DEUS, falar além do que devia.
Quem profetiza, portanto, deve ter o cuidado de falar apenas o que o ESPÍRITO SANTO mandar, não alegando estar "fora de si" ou "descontrolado", pois "os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas" (1 Co 14.32).

O nosso DEUS nunca deixou de se comunicar com o seu povo. Ele continua a falar conosco, inclusive por meio do dom de profecia. O Senhor sempre cuida do progresso e edificação de sua Igreja. Por essa razão, JESUS deu à sua Noiva, apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores.

A profecia, como dom, pode vir de 3 fontes: De DEUS, do homem e de satanás.
Devem ser julgadas (1 Ts 5:21,22) e controladas para haver ordem no culto; um depois do outro e no máximo três em cada reunião (1 Co 14.31).
Não devem ser desprezadas(1 Ts 5:20).
Vêm para edificação, exortação e consolação(1 Co 14:3).
Línguas + Interpretação = Profecia (1 Co 14:27,13).
Diferente de profeta, todo profeta profetiza, nem todo que profetiza é profeta (1Co 14:31) e (Ef 4:11)
Profeta é ministério dado por CRISTO, profecia é manifestação do ESPÍRITO SANTO.
Profeta prediz alguma coisa que ainda vai acontecer, profecia não prediz nada.
Todos podem profetizar (1 Co 14.31), mas poucos são chamados para serem profetas.

Exemplos de profecias:
JESUS: "Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas eu vos tornarei a ver, e alegrar-se-á o vosso coração, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará."(Jo 16:22).
Paulo: "disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos. Então os soldados cortaram os cabos do batel e o deixaram cair. Enquanto amanhecia, Paulo rogava a todos que comessem alguma coisa, dizendo: É já hoje o décimo quarto dia que esperais e permaneceis em jejum, não havendo provado coisa alguma. Rogo-vos, portanto, que comais alguma coisa, porque disso depende a vossa segurança; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós."(At 27:31-34).



PROFETAS:
Ez 33.7 Quanto a ti, pois, ó filho do homem, eu te constituí por atalaia sobre a casa de Israel; portanto ouve da minha boca a palavra, e da minha parte dá-lhes aviso.
Profecia de Oséias a respeito de JESUS CRISTO que se cumpriu cabalmente:
Os 11.1 Quando Israel era menino, eu o amei, e do Egito chamei a meu filho.
Cumprimento em Mt 2.14,15

Será que ainda hoje temos o ministério profético operando em nosso meio?
E evidente que sim, o que acabou, segundo o próprio JESUS é o ministério profético que predizia sua vinda e sacrifício.
Infelizmente devido ao brilho excessivo dado pela Igreja a alguns ministérios como o de Pastores e Evangelistas, como também aos cantores e músicos (que não é ministério dado por CRISTO); estamos assistindo ao progressivo sufocamento de outros ministérios essenciais ao crescimento qualitativo da Igreja de JESUS CRISTO, nesses últimos momentos da mesma aqui na terra. Ainda se considera, embora dando pouco valor e ainda menos tempo, o ministério de Mestre; quase não se fala em Apóstolos e sufocaram quase que totalmente o ministério de profeta. Estamos confundindo profecia (Dom do ESPÍRITO SANTO) com o ministério de profeta (Pessoa escolhida e separada por CRISTO para exercer o ministério profético na Igreja, sendo usado para predizer o futuro).

Diferença:
A profecia pode vir de 3 fontes: DEUS, homem e satanás.
As profecias devem ser julgadas (1 Ts 5:21,22) e controladas para haver ordem no culto; um depois do outro e no máximo três em cada reunião (1 Co 14.31).
As profecias não devem ser desprezadas(1 Ts 5:20).
As profecias vêm para edificação, exortação e consolação(1 Co 14:3). Línguas + Interpretação = Profecia (1 Co 14:27,13).

Diferente de profeta, todo profeta profetiza, mas nem todo que profetiza é profeta (1Co 14:31) e (Ef 4:11).
"Todos podeis profetizar, uns depois dos outros", mas nem todos são profetas (Ofício, ministério).

Profeta é ministério dado por CRISTO (Dons que operam mais nesse ministério são Palavra de Sabedoria e de Conhecimento), profecia é manifestação do ESPÍRITO SANTO (Para edificar, consolar e exortar).
Profeta prediz alguma coisa que ainda vai acontecer, profecia não prediz nada. Todos podem profetizar (1 Co 14.31), mas poucos são chamados para serem profetas.
Ex: JESUS : "Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas eu vos tornarei a ver, e alegrar-se-á o vosso coração, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará."(Jo 16:22)

Profeta Ágabo: At 21 8 Partindo no dia seguinte, fomos a Cesaréia; e entrando em casa de Felipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele. 9 Tinha este quatro filhas virgens que profetizavam (Dom do ESPÍRITO SANTO). 10 Demorando-nos ali por muitos dias, desceu da Judéia um profeta, de nome Ágabo (Ministério dado por CRISTO a Igreja); 11 e vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo e, ligando os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o ESPÍRITO SANTO: Assim os judeus ligarão em Jerusalém o homem a quem pertence esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios.

Paulo: "disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos. Então os soldados cortaram os cabos do batel e o deixaram cair. Enquanto amanhecia, Paulo rogava a todos que comessem alguma coisa, dizendo: É já hoje o décimo quarto dia que esperais e permaneceis em jejum, não havendo provado coisa alguma. Rogo-vos, portanto, que comais alguma coisa, porque disso depende a vossa segurança; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós."(At 27:31-34).



Acesse http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao11-3t10-mpb-domministerialdeprofetaeprofecia.htm

Antioquia Da Síria (Conhecida Na Síria Como Antakya):
Havia Ali Profetas E Doutores (Será Que Temos Hoje?) - O Corpo Humano Para Funcionar Bem Tem Que Funcionar Bem Todos Os Sentidos, Ou Seja:

1- Olfato 2- Paladar 3- Audição 4- Visão 5- Tato

A Igreja, Como Corpo De CRISTO Na Terra, Para Funcionar Bem Tem Que Ter Também Cinco Ministérios Funcionando Bem:

1- Apóstolos 2- Profetas 3- Evangelistas 4- Pastores 5- Mestres Ef 4.11


II- Dom de Variedade de línguas:
4 tipos de línguas: Não proibais falar em línguas; é ordem de DEUS (1 Co 14.39).

1. Língua para oração:
"Porque se eu orar em língua, o meu espírito ORA BEM, mas o meu entendimento fica infrutífero."(I Co 14:14). Você quer orar bem? Veja também em Rm 8.26 que não sabemos pedir como convém, mas o ESPÍRITO SANTO sabe o que precisamos e ELE sabe pedir.
Fala com DEUS: "Porque o que fala em língua não fala aos homens, mas a DEUS; pois ninguém o entende; porque em espírito fala mistérios."(I Co 14:2). Por isso é tão combatido o falar em línguas, pois nem Satanás entende.
Edificação própria: "O que fala em língua edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja."(I Co 14:4)
Você quer ser edificado? "Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no ESPÍRITO SANTO," Jd.20 (orar no ESPÍRITO, não quer dizer orar em pensamento).

2. Língua para interpretação:
"Todos têm dons de curar? falam todos em línguas? interpretam todos?"(I Co 12:30), nem todos recebem; "Que fazer, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento."(I Co 14:15). Falam em línguas todos? Quer dizer em línguas para interpretação, ou seja, nem todos têm o dom de línguas, mesmo sendo batizados. Essa linguagem pode ser interpretada pelo que fala ou por outrem.

3. Língua como sinal para incrédulo:
"De modo que as línguas são um sinal, não para os crentes, mas para os incrédulos; a profecia, porém, não é sinal para os incrédulos, mas para os crentes."(I Co 14:22); estrangeiros ouvem em sua própria língua, ex: "Ouvindo-se, pois, aquele ruído, ajuntou-se a multidão; e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua."(At 2:6). Pode alguém ser usado para falar, por exemplo em alemão em algum lugar e uma pessoa presente ali, que fala alemão entenderá tudo o que DEUS quer falar-lhe.

4. Língua para Intercessão - Gemidos inexprimíveis:
"Do mesmo modo também o ESPÍRITO nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o ESPÍRITO mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis."(Rm 8:26), oração intercessora. O ESPÍRITO SANTO é nosso intercessor aqui na terra. ELE leva nossa oração a JESUS CRISTO que está assentado à direita de DEUS PAI, intercedendo por nós lá no céu. O pai recebe a oração e responde de acordo com sua vontade.

III- Interpretação de Línguas:
"Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. Se alguém falar em língua, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e cada um por sua vez, e haja um que interprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado (ore tão baixinho que ninguém o note) na igreja, e fale consigo mesmo, e com DEUS."(I Co 14:26-28); "Por isso, o que fala em língua, ore para que a possa interpretar."(I Co 14:13) JESUS não falava porque tudo que falava era o que DEUS queria falar e as línguas são sinais da presença de DEUS em nosso meio, JESUS é DEUS.
Paulo: "Dou graças a DEUS, que falo em línguas mais do que vós todos."(I Co 14:18).Não quis dizer latim, grego e hebraico, pois são línguas aprendidas e faladas no tempo de Paulo por quase todos; o que Paulo quis dizer é que orava muito em línguas e também que tinha dom de línguas.
Nós falamos sem aprender, vem de cima, vem de DEUS, não necessitamos que alguém nos ensine, podemos receber na igreja, na rua, no campo, em casa (como aconteceu comigo) ou outro qualquer lugar sem interferência de outrem ou por imposição de mãos de alguém.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
1- Dons, só depois do batismo com o ESPÍRITO SANTO.(vaso vazio não transborda)
2- O senhorio é de CRISTO.(o cabeça do corpo)
3- Para glorificação de DEUS.(o ESPÍRITO SANTO glorifica a DEUS)
4- Vaso deve estar limpo sempre para o uso constante.(santificação)
5- Nada é de nós mesmos, tudo vem de DEUS(nada de orgulho).
6- Todos os dons são para os outros só um para nós linguagem de oração para edificação própria. (língua que foi batizado)

Quanto à música na Igreja:
Hinos da harpa são hinos de adoração?
São mais mantidos como parte comercial da igreja do que usados como adoração.
Na maioria das vezes são cantados como uma repetição - formalismo.
São cantados sem o devido entendimento do que se está cantando.
Paulo orienta a cantar com o espírito e com entendimento, isso significa cantar em línguas e em nossa própria língua (dois tipos de cânticos).
O mais importante é a presença de DEUS.
A presença de DEUS nos alegra, nos transforma, nos faz desejar estar onde DEUS está.

Existem muitas diferenças entre adorar e louvar:

Devemos lembrar-nos de que DEUS é ESPÍRITO e aqueles que desejam adorá-lo devem fazê-lo em espírito e em verdade, ou seja, dispensando os estímulos externos; com um coração sincero e temente a DEUS (A adoração é a expressão máxima da oração). Jamais devemos confundir a adoração com o louvor, pois:
1. - Louva-se a DEUS pelo que ELE fez ou faz, mas adora-se a ELE pelo que ELE é;
2. - O louvor é um agradecimento a DEUS, a adoração é um engrandecimento de DEUS;
3. - No louvor precisa-se da participação de outras pessoas e às vezes de instrumentos musicais, a adoração é individual e nasce dentro de nós, em nosso espírito;
4.- O louvor chega aos átrios, a adoração chega ao santo dos santos (presença de DEUS);
5. - No louvor são usados o corpo e a alma; na adoração são usados o corpo (mortificado), a alma (lavada no sangue de JESUS) e o espírito (“recriado”);
6.- Para louvar a DEUS não é preciso comunhão com o ESPÍRITO SANTO, pois até os animais o louvam (Sl 148, 149, 150); para se adorar a DEUS é preciso uma estreita comunhão com o ESPÍRITO SANTO, pois é ELE que nos transporta ao trono.
7.- O louvor é um aceno e cumprimento, a adoração é um abraço e um beijo cheio de amor.
8.- Tomemos como exemplo um marido que dá um fogão de presente à sua esposa e manda entregar em sua casa. A esposa louva ao marido pelo seu ato de amor, mas quando o mesmo chega em casa ela o abraça e beija agradecida e cheia de amor (isso é adoração).
9.- Para louvar não é preciso nascer de novo, para adorar só com espírito “recriado” (ligado a DEUS pelo novo nascimento, através do ESPÍRITO SANTO).
10. - Observação: Por isso se vê tão poucos adoradores e tantos que louvam.
11.- Aos homens se aplaude (manifestação externa), a DEUS se adora (manifestação interna).

Note que JESUS está dizendo para a mulher que os judeus adoravam a DEUS com a palavra de DEUS (em verdade, pois possuíam todos os escritos do Pentateuco até os profetas) mas suas bocas diziam uma coisa e o coração outra. Não adoravam em ESPÍRITO, só com a verdade.
· Os samaritanos adoravam em ESPÍRITO, pois não tinham nem o templo legítimo e nem a palavra (só adotavam o Pentateuco), faltava-lhes portanto a verdade.
· JESUS está dizendo que chegou o tempo de adorar em ESPÍRITO e em Verdade, pois ele envia o ESPÍRITO SANTO àqueles que lhe aceitarem como senhor e salvador e estes aprenderão o real sentido da adoração.
· Veja que é DEUS que procura aos verdadeiros adoradores que o adoram em ESPÍRITO e em verdade.
· Não é nem no Monte Gerizim em Samaria (templo já destruído) e nem no Monte Moriá em Jerusalém (onde estava erigido um suntuoso templo construído por Herodes) - mas a verdadeira adoração a DEUS é feita onde você estiver, bastando para isso erguer o pensamento a DEUS e adorá-lo, entregando-se totalmente ao ESPÍRITO SANTO.

Para ajuda adotaremos os estudos da:
LIÇÃO 5- A SUBLIMIDADE DO CULTO CRISTÃO - CPAD - 2008 - AS DISCIPLINAS DA VIDA CRISTÃ - Comentarista: Pr. Claudionor de Andrade
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao5-dvc-asublimidadedocultocristao.htm

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Colossenses 3.12-17
12 Revesti-vos, pois, como eleitos de DEUS, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade, 13 suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro; assim como CRISTO vos perdoou, assim fazei vós também. 14 E, sobre tudo isto, revesti-vos de caridade, que é o vínculo da perfeição. 15 E a paz de DEUS, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos. 16 A palavra de CRISTO habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais; cantando ao Senhor com graça em vosso coração. 17 E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor JESUS , dando por ele graças a DEUS Pai.

3.16 A PALAVRA DE CRISTO HABITE EM VÓS. A palavra de CRISTO (i.e., as Escrituras, a Palavra de DEUS) deve ser continuamente lida, estudada, meditada e assunto de oração, até que ela habite ricamente dentro de nós. Quando isto acontecer, nossos pensamentos, palavras, ações e motivação serão influenciados e controlados por CRISTO (Sl 119.11; Jo 15.7; ver 1 Co 15.2). Salmos, hinos e cânticos espirituais devem ser usados para ensinar a Palavra e admoestar os crentes a viver uma vida de obediência a CRISTO (ver Ef 5.19).
3.17 TUDO O QUE FIZERDES POR PALAVRAS OU POR OBRAS. A Bíblia apresenta princípios gerais que capacitam o crente orientado pelo ESPÍRITO SANTO a determinar se as práticas não expressamente mencionadas na Palavra de DEUS são certas ou erradas. Em tudo quanto dizemos, fazemos, pensamos ou desfrutamos, devemos fazer as seguintes perguntas:
(1) Isso pode ser feito para a glória de DEUS (1 Co 10.31)?
(2) Pode ser feito "em nome do Senhor JESUS ", com sua bênção (3.17; ver Jo 14.13)?
(3) Pode ser feito com sincera gratidão a DEUS (3.17)?
(4) É uma ação digna de CRISTO (1 Jo 2.6)?
(5) Enfraquecerá as convicções sinceras de outros cristãos (ver 1 Co 8.1)?
(6) Enfraquecerá meu desejo pelas coisas espirituais, pela Palavra de DEUS e pela oração (Lc 8.14; ver Mt 5.6)?
(7) Enfraquecerá ou prejudicará meu testemunho de CRISTO (Mt 5.13-16)?

A SUBLIMIDADE DO CULTO CRISTÃO
Sublimidade - qualidade do que é sublime; elevação; grande altura; perfeição; excelência.
Culto - Tem a ver com Adoração e homenagem reverente a DEUS.




A ADORAÇÃO A DEUS
Ne 8.5,6 “E Esdras abriu o livro perante os olhos de todo o povo; porque estava acima de todo o povo; e, abrindo-o ele, todo o povo se pôs em pé. E Esdras louvou o SENHOR, o grande DEUS; e todo o povo respondeu: Amém! Amém!, levantando as mãos; e inclinaram-se e adoraram o SENHOR, com o rosto em terra.”

A adoração consiste nos atos e atitudes que reverenciam e honram à majestade do grande DEUS do céu e da terra. Sendo assim, a adoração concentra-se em DEUS, e não no ser humano. No culto cristão, nós nos acercamos de DEUS em gratidão por aquilo que Ele tem feito por nós em CRISTO e através do ESPÍRITO SANTO. A adoração requer o exercício da fé e o reconhecimento de que Ele é nosso DEUS e Senhor.




BREVE HISTÓRIA DA ADORAÇÃO AO VERDADEIRO DEUS.
O ser humano adora a DEUS desde o início da história. Adão e Eva tinham comunhão regular com DEUS no jardim do Éden (cf. Gn 3.8). Caim e Abel trouxeram a DEUS oferendas (hb. minhah, termo também traduzido por “tributo” ou dádiva”) de vegetais e de animais (Gn 4.3,4). Os descendentes de Sete invocavam “o nome do SENHOR” (Gn 4.26). Noé construiu um altar ao Senhor para oferecer holocaustos depois do dilúvio (Gn 8.20). Abraão assinalou a paisagem da terra prometida com altares para oferecer holocaustos ao Senhor (Gn 12.7,8; 13.4, 18; 22.9) e falou intimamente com Ele (Gn 18.23-33; 22.11-18).




Somente depois do êxodo, quando o Tabernáculo foi construído, é que a adoração pública tornou-se formal. A partir de então, sacrifícios regulares passaram a ser oferecidos diariamente, e especialmente no sábado, e DEUS estabeleceu várias festas sagradas anuais como ocasiões de culto público dos israelitas (Êx 23.14-17; Lv 1—7; Dt 12; 16). O culto a DEUS foi posteriormente centralizado no templo de Jerusalém (cf. os planos de Davi, segundo relata 1Cr 22—26). Quando o templo foi destruído, em 586 a.C., os judeus construíram sinagogas como locais de ensino da lei e adoração a DEUS enquanto no exílio, e aonde quer que viessem a morar. As sinagogas continuaram em uso para o culto, mesmo depois de construído o segundo templo por Zorobabel (Ed 3—6). Nos tempos do NT havia sinagogas na Palestina e em todas as partes do mundo romano (e.g. Lc 4.16; Jo 6.59; At 6.9; 13.14; 14.1; 17.1, 10; 18.4; 19.8; 22.19).A adoração na igreja primitiva era prestada tanto no templo de Jerusalém quanto em casas particulares (At 2.46,47). Fora de Jerusalém, os cristãos prestavam culto a DEUS nas sinagogas, enquanto isso lhes foi permitido. Quando lhes foi proibido utilizá-las, passaram a cultuar a DEUS noutros lugares, geralmente em casas particulares (cf. At 18.7; Rm 16.5; Cl 4.15; Fm v. 2), mas, às vezes, em salões públicos (At 19.9,10).

MANIFESTAÇÕES DA ADORAÇÃO CRISTÃ.
(1) Dois princípios-chaves norteiam a adoração cristã.
(a) A verdadeira adoração é a que é prestada em espírito e verdade (ver Jo 4.23), i.e., a adoração deve ser oferecida à altura da revelação que DEUS fez de si mesmo no Filho (ver Jo 14.6). Por sua vez, ela envolve o espírito humano, e não apenas a mente, e também como as manifestações do ESPÍRITO SANTO (1Co 12.7-12).
(b) A prática da adoração cristã deve corresponder ao padrão do NT para a igreja (ver At 7.44). Os crentes atuais devem desejar, buscar e esperar, como norma para a igreja, todos os elementos constantes da prática da adoração vista no NT (cf. o princípio hermenêutico estudado na introdução a Atos).
(2) O fato marcante da adoração no AT era o sistema sacrificial (ver Nm 28, 29). Uma vez que o sacrifício de CRISTO na cruz cumpriu esse sistema, já não há mais qualquer necessidade de derramamento de sangue como parte do culto cristão (ver Hb 9.1—10.18). Através da ordenança da Ceia do Senhor, a igreja do NT comemorava continuamente o sacrifício de CRISTO, efetuado de uma vez por todas (1Co 11.23-26). Além disso, a exortação que tem a igreja é oferecer “sempre, por ele, a DEUS sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome” (Hb 13.15), e a oferecer nossos corpos como “sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS” (Rm 12.1).





(3) Louvar a DEUS é essencial à adoração cristã. O louvor era um elemento-chave na adoração de Israel a DEUS (e.g., Sl 100.4; 106.1; 111.1; 113.1; 117), bem como na adoração cristã primitiva (At 2.46,47; 16.25; Rm 15.10,11; Hb 2.12).
(4) Uma maneira autêntica de louvar a DEUS é cantar salmos, hinos e cânticos espirituais. O AT está repleto de exortações sobre como cantar ao Senhor (e.g., 1Cr 16.23; Sl 95.1; 96.1,2; 98.1,5,6; 100.1,2). Na ocasião do nascimento de JESUS , a totalidade das hostes celestiais irrompeu num cântico de louvor (Lc 2.13,14), e a igreja do NT era um povo que cantava (1Co 14.15; Ef 5.19; Cl 3.16; Tg 5.13). Os cânticos dos cristãos eram cantados, ou com a mente (i.e. num idioma humano conhecido) ou com o espírito (i.e., em línguas; ver 1Co 14.15). Em nenhuma circunstância os cânticos eram executados como passatempo.





(5) Outro elemento importante na adoração é buscar a face de DEUS em oração. Os santos do AT comunicavam-se constantemente com DEUS através da oração (e.g. Gn 20.17; Nm 11.2; 1Sm 8.6; 2 Sm 7.27; Dn 9.3-19; cf. Tg 5.17,18). Os apóstolos oravam constantemente depois de JESUS subir ao céu (At 1.14), e a oração tornou-se parte regular da adoração cristã coletiva (At 2.42; 20.36; 1Ts 5.17). Essas orações eram, às vezes, por eles mesmos (At 4.24-30); outras vezes eram orações intercessórias por outras pessoas (e.g. At 12.5; Rm 15.30-32; Ef 6.18). Em todo tempo a oração do crente deve ser acompanhada de ações de graças a DEUS (Ef 5.20; Fp 4.6; Cl 3.15,17; 1Ts 5.17,18). Como o cântico, o orar podia ser feito em idioma humano conhecido, ou em línguas (1Co 14.13-15).





(6) A confissão de pecados era sabidamente parte importante da adoração no AT. DEUS estabelecera o Dia da Expiação para os israelitas como uma ocasião para a confissão nacional de pecados (Lv 16). Salomão, na sua oração de dedicação do templo, reconheceu a importância da confissão (1Rs 8.30-36). Quando Esdras e Neemias verificaram até que ponto o povo de DEUS se afastara da sua lei, dirigiram toda a nação de Judá numa contrita oração pública de confissão (cap. 9). Assim, também, na oração do Pai nosso, JESUS ensina os crentes a pedirem perdão dos pecados (Mt 6.12). Tiago ensina os crentes a confessar seus pecados uns aos outros (Tg 5.16); através da confissão sincera, recebemos a certeza do gracioso perdão divino (1Jo 1.9).
(7) A adoração deve também incluir a leitura em conjunto das Escrituras e a sua fiel exposição. Nos tempos do AT, DEUS ordenou que, cada sétimo ano, na festa dos Tabernáculos, todos os israelitas se reunissem para a leitura pública da lei de Moisés (Dt 31.9-13). O exemplo mais patente desse elemento do culto no AT, surgiu no tempo de Esdras e Neemias (8.1-12). A leitura das Escrituras passou a ser uma parte regular do culto da sinagoga no sábado (ver Lc 4.16-19; At 13.15). Semelhantemente, quando os crentes do NT reuniam-se para o culto, também ouviam a leitura da Palavra de DEUS (1Tm 4.13; cf. Cl 4.16; 1Ts 5.27) juntamente com ensinamento, pregação e exortação baseados nela (1Tm 4.13; 2Tm 4.2; cf. At 19.8-10; 20.7).
(8) Sempre quando o povo de DEUS se reunia na Casa do Senhor, todos deviam trazer seus dízimos e ofertas (Sl 96.8; Ml 3.10). Semelhantemente, Paulo escreveu aos cristãos de Corinto, no tocante à coleta em favor da igreja de Jerusalém: “No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade” (1Co 16.2). A verdadeira adoração a DEUS deve, portanto ensejar uma oportunidade para apresentarmos ao Senhor os nossos dízimos e ofertas.
(9) Algo singular no culto da igreja do NT era a atuação do ESPÍRITO SANTO e das suas manifestações. Entre essas manifestações do ESPÍRITO na congregação do Senhor havia a palavra da sabedoria, a palavra do conhecimento, manifestações especiais de fé, dons de curas, poderes miraculosos, profecia, discernimento de espíritos, falar em línguas e a interpretação de línguas (1Co 12.7-10). O caráter carismático do culto cristão primitivo vem, também, descrito nas cartas de Paulo: “Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação” (1Co 14.26). Na primeira epístola aos coríntios, Paulo expõe princípios normativos da adoração deles (ver 1Co 14.1-33). O princípio dominante para o exercício de qualquer dom do ESPÍRITO SANTO durante o culto é o fortalecimento e a edificação da congregação inteira (1Co 12.7; 14.26).
(10) O outro elemento excepcional na adoração segundo o NT era a prática das ordenanças — o batismo e a Ceia do Senhor. A Ceia do Senhor (ou o “partir do pão”, ver At 2.42) parece que era observada diariamente entre os crentes logo depois do Pentecostes (At 2.46,47), e, posteriormente, pelo menos uma vez por semana (At 20.7,11). O batismo conforme a ordem de CRISTO (Mt 28.19,20) ocorria sempre que havia conversões e novas pessoas ingressavam na igreja (At 2.41; 8.12; 9.18; 10.48; 16.30-33; 19.1-5).

AS BÊNÇÃOS DE DEUS PARA OS VERDADEIROS ADORADORES. Quando os crentes verdadeiramente adoram a DEUS, muitas bênçãos lhes
estão reservadas por Ele. Por exemplo, Ele promete
(1) que estará com eles (Mt 18.20), e que entrará e ceará com eles (Ap 3.20);
(2) que envolverá o seu povo com a sua glória (cf. Êx 40.35; 2Cr 7.1; 1Pe 4.14);
(3) que abençoará o seu povo com chuvas de bênçãos (Ez 34.26), especialmente com a paz (Sl 29.11);
(4) que concederá fartura de alegria (Sl 122.1,2; Lc 15.7,10; Jo 15.11);
(5) que responderá às orações dos que oram com fé sincera (Mc 11.24; Tg 5.15);
(6) que encherá de novo o seu povo com o ESPÍRITO SANTO e com ousadia (At 4.31);
(7) que enviará manifestações do ESPÍRITO SANTO entre o seu povo (1Co 12.7-13);
(8) que guiará o seu povo em toda a verdade através do ESPÍRITO SANTO (Jo 15.26; 16.13);
(9) que santificará o seu povo pela sua Palavra e pelo seu ESPÍRITO (Jo 17.17-19);
(10) que consolará, animará e fortalecerá seu povo (Is 40.1; 1Co 14.26;2Co 1.3,4; 1Ts 5.11);
(11) que convencerá o povo do pecado, da justiça e do juízo por meio do ESPÍRITO SANTO (ver Jo 16.8); e
(12) que salvará os pecadores presentes no culto de adoração, sob a convicção do ESPÍRITO SANTO (1Co 14.22-25).

EMPECILHOS À VERDADEIRA ADORAÇÃO.
O simples fato de pessoas se dizendo crentes realizarem um culto, não é nenhuma garantia de que haja aí verdadeira adoração, nem que DEUS aceite seu louvor e ouça suas orações.
(1) Se a adoração a DEUS é mera formalidade, somente externa, e se o coração do povo de DEUS está longe dEle, tal adoração não será aceita por Ele. CRISTO repreendeu severamente os fariseus por sua hipocrisia; eles observavam a lei de DEUS por legalismo, enquanto seus corações estavam longe dEle (Mt 15.7-9; 23.23-28; Mc 7.5-7). Note a censura semelhante que Ele dirigiu à igreja de Éfeso, que adorava o Senhor mas já não o amava plenamente (Ap 2.1-5).
(2) Outro impedimento à verdadeira adoração é um modo de vida comprometido com o mundanismo, pecado e imoralidade. DEUS recusou os sacrifícios do rei Saul porque este desobedeceu ao seu mandamento (1Sm 15.1-23). Isaías repreendeu severamente o povo de DEUS como “nação pecadora... povo carregado da iniqüidade da semente de malignos” (Is 1.4); ao mesmo tempo, porém esse mesmo povo oferecia sacrifícios a DEUS e comemorava seus dias santos. Por isso, o Senhor declarou através de Isaías: “As vossas festas da lua nova, e as vossas solenidades, as aborrece a minha alma; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer. Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue” (Is 1.14,15). Semelhantemente, na igreja do NT, JESUS conclamou os adoradores em Sardes a se despertarem, porque “não achei as tuas obras perfeitas diante de DEUS” (Ap 3.2). Da mesma maneira, Tiago indica que DEUS não atenderá as orações egoístas daqueles que não se separam do mundo (Tg 4.1-5). O povo de DEUS só pode ter certeza que DEUS estará presente à sua adoração e a aceitará, quando esse povo tiver mãos limpas e coração puro (Sl 24.3,4; Tg 4.8).

Observações:
- Caim ofereceu sacrifício inferior ao de seu irmão Abel, pois Abel ofereceu sua própria vida a DEUS (verdadeira adoração requerida por DEUS), tipificada no cordeiro que foi imolado e derramado o seu sangue; antítipo de CRISTO.(Gn 4.2-5;Hb 11.4)
- Abraão por já ser velho não poderia oferecer sua vida, pois pouco lhe restava para viver aqui na terra, por isso DEUS lhe pediu uma vida mais preciosa, a de seu filho amado que já estava começando a ocupar o lugar que só era de DEUS, no coração do velho patriarca. Pela fé Abraão ofereceu seu filho.
- Moisés ofereceu sua vida quando deixou os seus 40anos de orgulho de ser filho da filha de um faraó e passar a ser pastor de ovelhas por mais 40 anos e depois passar mais 40 anos dirigindo o povo de DEUS pelo deserto, inclusive passando pelo Mar Vermelho, símbolo de batismo nas águas (morte).
Se tivéssemos espaço e tempo falaríamos de tantos outros que entregaram a DEUS o melhor da adoração, suas próprias vidas.
Hb 11.4 - Pela fé Abel ofereceu a DEUS mais excelente sacrifício que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando DEUS testemunho das suas oferendas, e por meio dela depois de morto, ainda fala.
Hb 11.5- Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte; e não foi achado, porque DEUS o trasladara; pois antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a DEUS.
Hb 11.17- Pela fé Abraão, sendo provado, ofereceu Isaque; sim, ia oferecendo o seu unigênito aquele que recebera as promessas,
Hb 11.24- Pela fé Moisés, sendo já homem, recusou ser chamado filho da filha de Faraó,
Hb 11.35- As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; 36 e outros experimentaram escárnios e açoites, e ainda cadeias e prisões. 37 Foram apedrejados e tentados; foram serrados ao meio; morreram ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados 38 (dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos e montes, e pelas covas e cavernas da terra.
ELES PRESTARAM UM VERDADEIRO E SUBLIME CULTO A DEUS. E NÓS?











Definição etimológica da palavra culto
A palavra culto é originária do vocábulo latino "culto", e significa adoração ou homenagem que se presta ao Supremo Ser.
No grego, duas palavras para culto: "latreia", significando adoração; e: "proskyneo", reverenciar, prestar obediência, render homenagem.

Definição teológica de culto
É o momento da adoração que tributamos a DEUS.
Marca o encontro do Supremo Ser com os seus adoradores.

Objetivos do culto público cristão
Levar-nos a reconhecer a DEUS como o nosso Criador e Mantenedor de tudo quanto existe.
Instigar-nos a agradecer a DEUS como o nosso Salvador através de CRISTO.
Constranger-nos a nos humilhar diante de DEUS como aquEle que, sempre presto, nos perdoa as iniqüidades.
Estimular-nos a nos alegrarmos diante de DEUS como aquEle que nos cura todas as enfermidades e que nos enche de benignidades.

O CULTO PARTICULAR E DOMÉSTICO A DEUS
É o meio de que dispomos para manter a nossa comunhão com o Salvador.
É o meio de que dispomos para vivermos uma existência repleta de regozijo espiritual.

Devemos nos lembrar do culto doméstico - É a reunião da família que, unida, cultua a DEUS, quer seja na bonança ou nos temporais.

Devemos manter em nossas devoções particulares e domésticas
Oração, jejum, cânticos e leitura da Palavra de DEUS com rápidos comentários.

COMPONENTES DO CULTO CRISTÃO - A liturgia da Igreja Primitiva
Os dons espirituais faziam parte dos serviços.
Não se estranhava quando alguém manifestava-se noutras línguas.
Eram as línguas interpretadas, exortando, consolando, edificando os fiéis, e descobrindo os corações aos incrédulos.

Atitudes a serem observadas em um culto a DEUS:
ESPÍRITO de oração e súplicas.Aflita, a mãe do profeta Samuel entrou na casa do Senhor e, ali, derramou a sua alma: "Ela [Ana], pois, com amargura de alma, orou ao Senhor e chorou abundantemente" (1 Sm 1.10).
ESPÍRITO de louvor e cânticos."Entrai por suas portas com ações de graças e nos seus átrios, com hinos de louvor; rendei-lhe graças e bendizei-lhe o nome" (Sl 100.4).
Alegria e regozijo."Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor!" (Sl 122.1).
Reverência e profundo temor. "Guarda o teu pé, quando entrares na Casa de DEUS; e inclina-te mais a ouvir do que a oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal" (Ec 5.1).
Predisposição e discernimento espirituais. Acordado, pois, Jacó do seu sono, disse: Na verdade o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia. E temeu e disse: Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a Casa de DEUS; e esta é a porta dos céus" (Gn 28.16,17).

Tem você cultuado a DEUS na beleza de sua santidade, como a Bíblia o requer?

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Devocional - "O culto em Três Dimensões -
Um adjetivo chave, usado com freqüência no Novo Testamento para descrever os atos apropriados de culto é a palavra aceitável. Todo adorador procura ofertar o que seja aceitável. As Escrituras especificam pelo menos três categorias de culto aceitável.
A dimensão externa. Primeiro, a maneira de nos comportarmos com os outros pode refletir o culto. Romanos 14.18 afirma: 'Porque quem nisto serve [latreuo] a CRISTO agradável [aceitável] é a DEUS'. Qual é a oferta aceitável a DEUS? O contexto revela que é ser sensível ao irmão mais fraco (v.13). Tratar companheiros cristãos com a devida sensibilidade é um culto aceitável.
A dimensão interior. Uma segunda categoria de culto envolve comportamento pessoal. Efésios 5.8-10 afirma: 'Andai como filhos da luz (pois o fruto do ESPÍRITO está em toda bondade, justiça e verdade), aprovando o que é agradável ao Senhor'. A palavra agradável vem de uma palavra grega que significa 'aceitável'. Nesse contexto, Paulo refere-se à bondade, à justiça e à verdade, dizendo claramente que fazer o bem é um ato aceitável de culto a DEUS (1 Tm 2.2,3).
A dimensão superior. O culto afeta todo o relacionamento com DEUS. Hebreus 13.15,16 resume maravilhosamente esta dimensão superior [...]" "Por ele, pois, ofereçamos sempre a DEUS sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. Mas não vos esqueçais de fazer o bem e de repartir com outros, porque com tais sacrifícios DEUS se agrada".
(MACARTHUR JR. J. Ministério pastoral. 4.ed., Rio de Janeiro: CPAD, 2004, pp.254-5.)


O culto, do grego latréia e proskyneo, é o momento através do qual os filhos de DEUS adoram a DEUS em espírito e em verdade. Literalmente quer dizer: adorar e reverenciar a DEUS.
Os principais objetivos do culto público são: reconhecer a DEUS como o Criador e Mantenedor de todas as coisas; instigar à gratidão e à rendição a DEUS; proporcionar alegria espiritual.
O culto particular a DEUS, ou doméstico, é o meio de que o crente dispõe para manter, juntamente com toda a família, comunhão com nosso Senhor JESUS CRISTO.
Os elementos que compõem o culto cristão estão expressos em várias passagens do Novo Testamento, entre os quais se destacam: doutrina, revelação, línguas estranhas e interpretação, salmos, hinos, cânticos espirituais e ações de graças.
As principais atitudes do adorador são: reverência e profundo temor, alegria e regozijo, predisposição e discernimento espiritual, espírito de oração, súplicas e de louvor.

REFLEXÃO: "A disciplina da devoção deve culminar em sublime adoração e louvor. Isto começa com o devido senso de temor na presença do DEUS que conhecemos e servimos." (R. Kent Hughes)




OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conscientizar-se sobre o verdadeiro significado do culto.
Definir os elementos do genuíno culto pentecostal.
Saber que a Casa de DEUS é lugar de adoração.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, reproduza o quadro da página seguinte e utilize-o para explicar aos alunos que nos cultos da Igreja Primitiva, havia uma liturgia a ser seguida. O próprio apóstolo Paulo ensinou às igrejas de Corinto, Colossos e Éfeso a importância dessa liturgia em suas reuniões. Explique que liturgia não significa um culto tradicional ou "engessado", mas que há elementos básicos que devem estar presentes para que se possa prestar um culto racional ao Senhor. Na Casa de DEUS deve haver ordem e decência.




RESUMO DA LIÇÃO 8 - O GENUÍNO CULTO PENTECOSTAL
I. ADORAÇÃO E CULTO
1. O verdadeiro significado de culto. "culto", ou "serviço", adoração "em espírito e em verdade" (SI 15.1-5; Jo 4.23,24).
2. A essência do culto a DEUS é a adoração. ato de rendição, gratidão e exaltação ao DEUS que nos criou (5195.6).
3. Adoração completa e incondicional. A vida do crente deve ser um contínuo ato de adoração e louvor a DEUS (SI 146.1).
II. COMPOSIÇÃO DO CULTO PENTECOSTAL
1. Liturgia do culto pentecostal. salmo, doutrina, revelação, língua, interpretação, poder de DEUS, batismos com o ESPÍRITO SANTO, curas divinas, milagres e, principalmente, salvação de almas.
2. Elementos do genuíno culto pentecostal.
III. MODISMOS LlTÚRGICOS
1. Adoção de movimentos estranhos ao cristianismo do Novo Testamento.
2. Cultos exóticos.
CONCLUSÃO
Adoremos a DEUS, pois, em espírito e em verdade.


SINOPSE DO TÓPICO (1)
O culto, assim como todas s nossas ações, deve ser um ato de adoração sincera a DEUS onde reconhecemos a sua grandeza e magnitude.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
O culto ao Senhor deve ter ordem e decência. A leitura da Palavra, cânticos de adoração ao Senhor, orações e as ofertas voluntárias são elementos indispensáveis para a realização do culto racional a DEUS.
SINOPSE DO TÓPICO (3)
Os modismos e cultos exóticos não podem produzir nada mais que movimentação. pois o avivamento só acontece quando a igreja se volta à Palavra de DEUS.

VOCABULÁRIO
Modismos litúrgicos: Inovações estranhas que são incorporadas à liturgia do culto cristão com a finalidade de transformá-lo em um espetáculo ou show para os presentes.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANDRADE, Claudionor de. As Disciplinas da vida cristã. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
SAIBA mais pela Revista Ensinador Cristão CPAD, nº46, p. 40.


QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 8 - O GENUÍNO CULTO PENTECOSTAL
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2011
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem __________________________, tem ________________________, tem ________________________________. Faça-se tudo para edificação" (1 Co 14.26).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
O genuíno culto ________________________ é marcado pela reverência, ordem e profundo _____________________ a DEUS, propiciando, assim, o contínuo __________________________ do ESPÍRITO SANTO sobre a Igreja de CRISTO.

INTRODUÇÃO
3- O que nos é requerido para adorar e cultuar ao Senhor?
( ) Reverência, perdição e amor, pois o Pai continua a buscar os que o louvam em "espírito e em verdade".
( ) Coerência, rendição e clamor, pois o Pai continua a contemplar os que o adoram em "espírito e em verdade".
( ) Reverência, rendição e amor, pois o Pai continua a buscar os que o adoram em "espírito e em verdade".

I. ADORAÇÃO E CULTO
4- O que significa culto, por definição?
( ) Cultuar a DEUS significa servi-lo, ir à igreja, dedicar-lhe louvor e receber tudo o que pedimos Dele em troca.
( ) O próprio significado da palavra "culto", ou "serviço", já sugere, em si mesmo, o ato de adoração que, por sua vez, implica na reverência que todos devemos prestar ao Todo-Poderoso.
( ) Cultuar a DEUS significa adorá-Io, exaltá-Io, prestar-lhe a devida reverência.
( ) DEUS se compraz naqueles que o buscam com um coração puro e sincero, e alegra-se naqueles que o adoram "em espírito e em verdade".

5- Qual a essência do culto a DEUS?
( ) É a adoração.
( ) É o louvor.
( ) É a palavra.

6- O que é o ato de adorar?
( ) O ato de adorar a DEUS constrange-nos a submetermo-nos incondicionalmente à sua vontade.
( ) O ato de adorar a DEUS constrange-nos a nos humilharmos até ao pó diante de sua presença.
( ) Adorar é um ato de rendição, gratidão e exaltação ao DEUS que nos criou.
( ) Adorar é reconhecer o senhorio de DEUS sobre nossas vidas.
( ) Adorar é um meio para conseguirmos exigir respostas às nossas petições diante de DEUS.

7- O que significa dizer que a adoração deve ser completa e incondicional?
( ) Significa que a vida do crente deve ser um contínuo ato de petição a DEUS.
( ) Significa que a vida do cristão deve ser um contínuo ato de moderação no culto a DEUS.
( ) Significa que a vida do crente deve ser um contínuo ato de adoração e louvor a DEUS.

II. COMPOSIÇÃO DO CULTO PENTECOSTAL
8- O que significa liturgia?
( ) Significa tempo gasto em repetições religiosas.
( ) Não é sinônimo de formalismo.
( ) Liturgia, de acordo com o grego, significa serviço público.

9- Como pode ser definido o culto cristão?
( ) Como um serviço que, em espírito e em verdade, prestamos a DEUS.
( ) Como um louvor que, em espírito e em verdade, prestamos a DEUS.
( ) Como um tempo que, em espírito e em verdade, prestamos a DEUS.

10 - Segundo Paulo, como deve ser a liturgia ideal para o culto cristão?
( ) Deve ter salmo, doutrina, revelação, língua e interpretação.
( ) Tudo deve ser feito para "edificação".
( ) Deve ter uma pequena parte para explanação da Palavra de DEUS e reservar o maior espaço para a música de louvor.
( ) Tudo deve ser feito com "decência e com ordem".
( ) O culto deve ser racional e consciente, conforme exige a Palavra de DEUS.

11- Quais os elementos do genuíno culto pentecostal, segundo Paulo?
( ) Ocupavam quase que todo o tempo do culto louvando a DEUS na beleza de sua santidade.
( ) Leitura da Palavra. Na Igreja Primitiva, quando o Novo Testamento ainda não havia sido escrito, os crentes utilizavam as Escrituras do Antigo Testamento em suas reuniões.
( ) Cânticos na adoração. Uma das formas mais expressivas da adoração cristã é manifestada através de hinos e cânticos.
( ) As orações e as ofertas voluntárias. Os crentes na Igreja Primitiva, por não disporem de templos, oravam nas casas e no Templo em Jerusalém. Além da oração, eles adoravam a DEUS com a entrega voluntária de dízimos e ofertas. A oração e a intercessão jamais devem ausentar-se do culto pentecostal.

III. MODISMOS LlTÚRGICOS
12- No período dos apóstolos como se comportava a igreja para que maravilhas e sinais fossem realizados? Complete:
"E perseveravam na ____________________________ dos apóstolos, e na _____________________________, e no ________________________ do pão, e nas ___________________________. Em cada alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos" (At 2.42.43).

13- Como tem sido a adoção de movimentos estranhos ao cristianismo do Novo Testamento?
( ) Tem havido uma reverência e prática muito grande quanto à Palavra de DEUS.
( ) Tem havido adoção de modismos litúrgicos e criação de gestos e posturas artificiais.
( ) Tem havido um afastamento da Palavra de DEUS.
( ) Tem havido falta de evangelismo, missões, ensino sistemático das Escrituras, assistência social, etc.

14- Como são os Cultos exóticos dos últimos tempos?
( ) Há tantas inovações e exotismos invadindo nossos cultos, que, algumas dessas extravagâncias, em nada diferem do misticismo pagão.
( ) Em sua maioria são até bíblicos, mas não espirituais.
( ) Ao invés de adorar ao Criador, acabam por adorar a criatura, por causa da ênfase que dão aos seres angélicos.

CONCLUSÃO
15- Complete:
Você tem cultuado a DEUS conforme recomenda a Bíblia? Cultuar ao Senhor não é apenas ir à ___________________________ e se reunir com os irmãos, pois muitos vão à casa do Senhor, mas não lhe prestam culto; não passam de meros expectadores. Adoremos a DEUS, pois, em _________________________ e em ______________________.

RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.
www.portalebd.org.br (Pr. Caramurú)
BANCROFT, E. H. Teologia Elementar. São Paulo, IBR, 1975.
SILVA, S. P. da. Quem É DEUS. Rio de Janeiro, CPAD, 1991.
CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1977.
RIGGS, R. M. O ESPÍRITO SANTO. São Paulo, Vida. 1981.
DUEWELL, W. L. Deixe DEUS Guiá-lo Diariamente. São Paulo, Candeia, 1993.
GEE, D. A Respeito do Dons Espirituais. São Paulo, Vida, 1977.
BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Edição contemporânea. São Paulo, Vida, 1994.
SILVA, S. P. da. Apocalipse Versículo por Versículo. Rio de Janeiro, CPAD, 1995.
McNAIR, S. E. A Bíblia Explicada. Rio de Janeiro, CPAD, 1994.
CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento Interpretado. Milenium, 1982.
SILVA, S. P. da. A Existência e a Pessoa do ESPÍRITO SANTO. Rio de Janeiro, CPAD