quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Lição 2 - Um Libertador Para Israel 3- parte com vídeo




Questionário da Lição 2 - Um Libertador Para Israel
Responda conforme a revista da CPAD do 1º Trimestre de 2014 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: Uma Jornada de Fé - A Formação do povo de Israel e sua herança espiritual
Complete os espaços vazios e marque com"V "as respostas verdadeiras e com"F "as falsas

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
“E disse DEUS a Moisés: EU __SOU__ o QUE __SOU__. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU __SOU__ me enviou a vós” (Êx 3.14).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
Assim como Moisés, usado por DEUS, __libertou__ Israel do __cativeiro__, CRISTO nos liberta da __escravidão__ do pecado e do mundo.

COMENTÁRIO/INTRODUÇÃO
3- Como é feito um líder cristão e como é sua liderança?
(    ) Um líder cristão não é feito da noite para o dia.
(    ) É preciso que sua liderança seja amadurecida pelo tempo.
(    ) Moisés foi preparado lentamente pelo Senhor ao longo dos anos até que se tornasse o libertador do seu povo.
(    ) Moisés era um homem manso e ao que parece não era muito eloqüente
(    ) DEUS viu que ele seria obediente e capaz de libertar o seu povo da escravidão egípcia.

I - MOISÉS - SUA CHAMADA E SEU PREPARO (ÊX 3.1-17)
4- Por que o Senhor escolheu e chamou Moisés para libertar seu povo, quando ele estava pastoreando ovelhas?
(    ) Porque era um excelente aprendizado para quem mais tarde iria ser o pastor do povo de DEUS, Israel (SI 77.20).
(    ) É DEUS que chama e separa aqueles que vão dirigir seu rebanho, e Ele continua vocacionando e capacitando para o santo ministério.
(    ) O Senhor chama, mas cabe ao homem cuidar do seu preparo para ser útil a DEUS.
(    ) O que muito nos edifica no versículo seis é DEUS identificar-se não somente como “o DEUS de Abraão e o DEUS de Isaque”, mas igualmente como “o DEUS de Jacó”.
(    ) Ele é, portanto, o DEUS de toda graça, compaixão e paciência, uma vez que Jacó teve sérios incidentes negativos na sua vida em geral (1 Pe 5.10; Jo 1.14,16).

5- Como foi o preparo de Moisés (Êx 3.10-15)?
(    ) Moisés foi chamado e recebeu treinamento da parte de DEUS para que cumprisse sua missão com êxito.
(    ) Moisés experimentou o silêncio e a solidão do deserto em Midiã (Êx 3.1).
(    ) Em sua primeira etapa de 40 anos de vida viveu no palácio real e freqüentou as mais renomadas universidades.
(    ) O conhecimento adquirido por Moisés, e empregado com sabedoria, foi-lhe muito útil em sua missão de libertador, condutor, escritor e legislador na longa jornada conduzindo Israel no deserto.

6- DEUS ainda chama e prepara seus servos. Talvez Ele o esteja chamando para a realização de uma obra. Qual será sua resposta? (pessoal)
(    ) Eis-me aqui, envia-me a mim.
(    ) Um dia, quem sabe?
(    ) Estou muito ocupado, Senhor.

7- Qual o objetivo da chamada divina para Moisés (Êx 3.10)?
(    ) O propósito divino era a saída do povo de Israel do Egito liderada por Moisés.
(    ) DEUS pode, segundo o seu querer, agir diretamente.
(    ) O seu método é usar homens e mulheres junto aos seus semelhantes.
(    ) “Certamente eu serei contigo” (v. 12).
(    ) Isso era tudo o que Moisés precisava como líder espiritual do povo de DEUS.

8- Hoje, em relação a muitas igrejas, o que DEUS está dizendo à seus dirigentes? Por que?
(    ) “Tira o ‘Egito’ de dentro do meu povo”.
(    ) É o mundanismo entre os crentes, na teoria e na prática; no viver e no agir, enfraquecendo e contaminando a igreja.
(    ) É Israel querendo voltar para o Egito (Êx 16.3; 17.3).
(    ) DEUS com mão poderosa tirou Israel do Egito, mas não tirou o ‘Egito’ de dentro deles, porque isso é um ato voluntário de cada crente que, quebrantado e consagrado, recorre ao ESPÍRITO SANTO.
(    ) Hoje, muitos já perderam essa divina presença em sua vida e em seu ministério, por acharem que são alguma coisa em si mesmos, daí, a operação do ESPÍRITO SANTO cessar em sua vida.
(    ) Paulo exclamou: “Nada sou” (2 Co 12.11).
(    ) Tudo que temos ou somos na obra de DEUS vem dEle (1 Co 3.7).

II - AS DESCULPAS DE MOISÉS E A SUA VOLTA PARA O EGITO
9- Qual o receio de Moisés e quais foram suas desculpas? E quanto a nós?
(    ) O Moisés impulsivo que matou o egípcio e o enterrou na areia já não existia mais.
(    ) Ele havia sido mudado e moldado pelo Senhor, e agora precisava crer não no seu potencial, mas no Senhor que o chamara.
(    ) Ao ser chamado pelo Senhor para ser o libertador dos hebreus, Moisés apresentou algumas desculpas.
(    ) “eles não vão crer que o Senhor me enviou”;
(    ) “não sou eloqüente”.
(    ) As escusas de Moisés, assim como as nossas, nunca são aceitas pelo Senhor, pois Ele conhece o mais profundo do nosso ser.
(    ) Se o Senhor está chamando você para uma obra, não tema e não perca tempo com desculpas.
(    ) Confie no Senhor e não queira acender a ira divina como fez Moisés, que tentou protelar sua chamada dando uma série de desculpas a DEUS (Êx 4.14).

10- A fim de encorajar Moisés e confirmar o seu chamado, o que faz o Senhor?
(    ) O Senhor realiza alguns sinais (Êx 4.1-9).
(    ) Da mesma forma DEUS ainda demonstra sinais para nos mostrar o seu poder e a sua vontade.

11- Como foi o retorno de Moisés para junto de seu povo?
(    ) Moisés não revelou ao seu sogro Jetro o que ele faria no Egito. Ainda não era a hora certa para isso.
(    ) O líder precisa saber o momento adequado para revelar seus projetos.
(    ) Moisés não poderia partir sem o consentimento de sua família, assim ele disse a Jetro que iria ao Egito rever seus irmãos: “Eu irei agora e tornarei a meus irmãos que estão no Egito, para ver se ainda vivem” (Êx 4.18).
(    ) Jetro prontamente liberou Moisés dizendo: “Vai em paz”.
(    ) Moisés não saiu sem a bênção dos seus parentes.
(    ) Para realizar a obra de DEUS o líder precisa ter o apoio e cooperação da sua família.
(    ) Se você ainda não o tem, ore a DEUS nesse sentido.

III - MOISÉS SE APRESENTA A FARAÓ (ÊX 5.1-5)
12- Como foi a apresentação de Moisés diante de Faraó? Como devemos nos comportar na obra do Senhor?
(    ) Chegando ao Egito, Moisés e seu irmão Arão procuraram Faraó para comunicar-lhe a vontade de DEUS para o povo de Israel.
(    ) Quão difícil e arriscada era a tarefa de Moisés.
(    ) Após o encontro que já tivera com DEUS, ele estava preparado para apresentar-se ao rei do Egito.
(    ) Faraó recusou de imediato o pedido de Moisés.
(    ) Além de recusar deixar o povo ir embora, Faraó agora aumenta o volume de trabalho do povo (Êx 5.8,9).
(    ) Moisés fez tudo como DEUS lhe ordenara, porém, sua obediência não impediu que ele e seu povo sofressem.
(    ) Talvez você esteja realizando alguma obra em obediência ao Senhor, mas isto não vai impedir que surjam dificuldades, problemas e aflições.
(    ) Esteja preparado.
(    ) Não podemos nos esquecer de que por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de DEUS” (At 14.22).
(    ) Enquanto estivermos neste mundo, estamos sujeitos às dificuldades (Jo 16.33).

13- Qual a queixa dos israelitas (Êx 5.20,21), como Moisés reagiu a essa situação?
(    ) O povo hebreu fica descontente com Moisés e Arão e logo começam a murmurar.
(    ) Certamente todos esperavam que a saída do Egito fosse imediata. Mas este não era o plano de DEUS.
(    ) Moisés, aflito com a piora da situação, busca o Senhor e faz várias indagações.
(    ) Moisés não conseguia entender tudo o que estava ocorrendo, mas DEUS estava no controle.
(    ) Quem de nós em semelhantes situações, estando em obediência a DEUS, na vida cristã e no trabalho, já não indagou: “Por que Senhor?”
(    ) Às vezes não conseguimos entender o motivo de certas dificuldades, mas não podemos deixar de crer que DEUS está no comando de tudo.

14- DEUS promete livrar seu povo (Êx 6-1), como isso se cumpriu?
(    ) A saída de Israel do Egito seria algo sobrenatural e esta promessa foi totalmente cumprida quando Israel, finalmente, saiu do Egito.
(    ) DEUS, nos seus atributos e prerrogativas, ia agora redimir o povo de Israel (v. 6), adotá-lo como seu povo (v.7), e introduzi-lo na Terra Prometida.
(    ) Todo o Israel, assim como os egípcios, teriam a oportunidade de ver o poder de DEUS.

CONCLUSÃO
15- Complete:
Na lição de hoje aprendemos como o grande “Eu __Sou__” escolheu e preparou __Moisés__ para que ele libertasse seu povo da __escravidão__ egípcia. DEUS continua a levantar e preparar homens para a sua __obra__. Você está disposto a ser __usado__ pelo Senhor? Moisés apresentou algumas __desculpas__, mas não foram aceitas. Não perca tempo com justificativas, mas diga “__sim__” ao chamado de DEUS.


AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
GARNER, Paulo . Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo. (CPAD)
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA – Edições Vida Nova – J. D. Douglas
Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, João Rea - CPAD.
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD.
Teologia do Antigo Testamento - Walter C. Kaiser Jr. - Vida Nova
James, por Hendrickson Publishers - Edição Contemporânea, da Editora Vida, Traduzido pelo Rev. Oswaldo Ramos.
ÊXODO Introdução e Comentário - Por R. Alan Cole, Ph. D. Menzies College, da Universidade Macquarie - Sociedade Religiosa Vida Nova - Associação Religiosa Editora Mundo Cristão
C. H. MACKINTOSH. Estudos Sobre O Livro De Êxodo. Editora Associação Religiosa Imprensa da Fé.
WIERSBE. Warren W. Comentário Bíblico Expositivo. A.T. Vol. I. Editora Central Gospel. pag. 236-237.
Flávio Josefo. HISTÓRIA dos HEBREUS De Abraão à queda de Jerusalém. Editora CPAD.
COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 7-8.
DAVIDSON. F. Novo Comentário da Bíblia. Êxodo. pag. 2.
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 141.
MERRILL. Eugene H. Historia de Israel no Antigo Testamento. Editora CPAD. pag. 50-52, 54-56.


Lição 2 - Um Libertador Para Israel 2-Parte



A história claramente enfatiza a importância da circuncisão como um sinal da aliança. Não se trata de um ritual a ser realizado conforme a conveniência do momento. Não se pergunta ao adorador se ele acha isso apropriado e importante. A circuncisão é uma ordenança divina. O ministério junto à família tem precedência sobre o ministério para com a congregação. A respeito desse incidente, C. H. Gordon comenta: “Ele tem o objetivo de alertar os judeus de todas as gerações: ‘Não deixem de circuncidar seus filhos! Se nem Moisés conseguiu fugir disso, como poderiam vocês?’”
A utilidade da narrativa, contudo, vai além de uma lição com fins práticos para as gerações vindouras. Já vimos que interiormente que a circuncisão era o sinal da aliança especial com Abraão e sua semente (Gn 17). Como mediador da aliança, Moisés precisa cumprir em si o sinal da aliança. Além do mais, a circuncisão feita por Zípora identifica Moisés e seu filho como pertencentes à descendência de Abraão. A aliança de DEUS com Abraão incluiu Moisés na qualidade de filho de Abraão. Toda tentativa de se traçar distinções rígidas entre a aliança com os patriarcas e a aliança firmada no Sinai acaba neutralizada pela correspondência entre as obrigações de Moisés e Abraão.
Greenberg relaciona as temáticas desse relato e da experiência de Jacó em Peniel. Um agressor divino, encoberto pela escuridão, ataca alguém que está desprevenido. Jacó estava na expectativa de se reconciliar com Esaú. Moisés estava voltando ao Egito para reunir-se com seus compatriotas e enfrentar Faraó. O sangue ali derramado, que resultou no livramento de Moisés, prenuncia a libertação de Israel do Egito, também com derramamento de sangue. As correspondências entre esse incidente, em Êxodo 4. e a Páscoa, em Êxodo 12, são por demais interessantes. Ambos acontecem à noite (4.24; 12.8,12,29). Em ambos, a circuncisão tem um papel fundamental (4.25,26; 12.43-49). Ambas utilizam o verbo “lançar” (nãga")\ em 4.25, Zípora “lançou” o prepúcio aos pés de Moisés ou de seu filho; enquanto, em 12.22, as pessoas devem “lançar” um pouco de sangue nas vergas e ombreiras das portas de suas casas. E, acima de tudo, em ambos os casos o sangue derramado protege alguém da ira de DEUS. Para esse episódio, existem outros temas análogos em Gênesis e Êxodo. O Senhor, por exemplo, livra, comissiona e, então, procura matar Moisés. De forma semelhante, o Senhor livra, comissiona e procura, logo em seguida, exterminar seu povo (Ex 32.10). Em ambos os casos, o juízo é causado por uma violação dessa aliança. A presteza de Zípora salvou Moisés e a intercessão de Moisés salvou os israelitas.
Assim como a atitude astuta de Raquel salvou Jacó de Labão a agilidade de Zípora salvou Moisés de DEUS. Knight levanta algumas questões interessantes: “Será que Zípora compreendia esse aspecto da aliança melhor que seu marido? Cria ela que a união de um homem e uma mulher em aliança refletia a importância da própria aliança divina, de modo que seu marido havia desonrado tanto ela como a DEUS? Seria possível que ela, intuitivamente, tivesse compreendido a gravidade da revelação de que não há redenção sem o derramamento de sangue?”
Pelo menos no curto prazo, a vida de Moisés não se tornou nem um pouco mais agradável. Após um difícil diálogo com DEUS (3.1—4.17), ele se acha à beira da morte (4.18-26). Ele já havia conhecido a DEUS em meio a um debate; agora, conhecia-o como um divino agressor. Em seguida, há um momento de alívio (4.27-31), quando Moisés é recebido de volta e se reúne com todo o povo em um culto de adoração e louvor.
O Faraó, no entanto, é obstinado. Ele é totalmente indiferente aos apelos de Moisés (5.3). Ao afirmar: “Não conheço o Senhor”.
Faraó quer dizer que não reconhece sua autoridade. Sua declaração parece ser uma combinação de desafio e ignorância. Um Faraó anterior não “conhecera” José (1.8) e aquele Faraó não “conhecia" Jeová como Jeová, tal qual os patriarcas que, conforme 6.3, são impedidos de “conhecer” Jeová como Jeová.
Para piorar tudo, a carga de trabalho exigida dos hebreus foi aumentada de maneira absurda (5.4-18). Como seria de se esperar, os hebreus ficam profundamente ressentidos com seu suposto libertador (5.19-21). Que mudança de ânimo! Num dia, lisonja no outro, repúdio. Diante de um outro libertador, um dia o povo diria: “Hosana”; e então, no dia seguinte: “Crucifica-o!” Observe a aspereza das palavras de Moisés para DEUS nos versículos 22,23. Em sua raiva e perplexidade, ele dá início a uma tradição de dizer a verdade em oração, novamente verificada em alguns salmos de lamento (SI 73, por exemplo) e nas “confissões” de Jeremias (Jr 12.1-6; 15.16-18; 20.7).
VICTOR P. HAMILTON. Manual do Pentateuco. Editora CPAD. pag. 162-169.
2. DEUS concede poderes a Moisés.
DEUS não apenas convocou Moisés para aquela empreitada, mas deu- lhe poderes específicos para que o representasse. Os sinais que Moisés presenciou eram um prenúncio do que DEUS haveria de fazer no Egito. Ele deveria contar aos hebreus o que presenciara e, mais que isso, deveria, por recomendação divina, pegar a água do rio e lançá-la na terra, para que se tornasse em sangue. Moisés, portanto, tinha não apenas os sinais para contar aos hebreus, mas tinha também outro para fazer na frente deles, caso não acreditassem na sua palavra.
COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 21.
DEUS Concede Poderes a Moisés (4.1-17)
Os críticos atribuem esta seção a uma combinação das fontes J, E e P(S).  Moisés tinha recebido o informe de que era participante do Pacto Abraâmico (Êxo. 2.24). Tinha recebido o Novo Nome de DEUS que impressionaria Israel com sua autoridade (Êxo. 3.14). Tinha recebido muitas promessas de sucesso (Êxo. 3.16 ss.), a começar pelos anciãos de Israel, o que culminaria com o resgate de Israel da servidão no Egito. Agora, porém, ele precisava receber poderes divinos, sendo esse o tema da seção à nossa frente. Esses poderes seriam miraculosos, porquanto somente milagres de DEUS poderiam conseguir o livramento de Israel. Ver as notas sobre o Pacto Abraâmico em Gên. 15.18, como também os vss. 13 e 16 daquele capítulo.
O texto que se segue destaca mais duas objeções feitas por Moisés. Ver Êxo. 3.11 quanto às três objeções de Moisés, com suas respectivas referências. Agora, era mister que Moisés autenticasse sua autoridade diante dos anciãos de Israel (Êxo. 4.1); e também deveria haver alguma provisão para que ele se comunicasse bem, pois não era homem eloquente (Êxo. 4.10). DEUS cuidou paciente e eficazmente dos temores de Moisés. Mas quem não teria tais temores se tivesse de enfrentar ao Faraó e a uma tarefa aparente- mente impossível? DEUS deu a Moisés poderes miraculosos (vss. 3,5-9) a fim de mostrar-lhe que o projeto divino contaria com o poder de DEUS, que se manifestaria através dele.
No Egito florescia uma mágica supersticiosa. Mas não devemos supor que Moisés participasse dessas artes mágicas. Foi-lhe dado o poder divino, e não um poder mágico. Alguns estudiosos liberais atribuem esse relato a meras noções supersticiosas. O homem espiritual, porém, sabe que existem milagres.
Êx 4.1 Eis que não crerão. Moisés referia-se aos anciãos de Israel (ver os vss. 5 e 21). Além disso, o Faraó também não daria crédito à simples palavra de Moisés. Era mister que ele se tornasse um Moisés dotado de poderes miraculosos, para que seu testemunho fosse eficaz. Os milagres sempre foram úteis para efeito de autenticação. Mas também servem de veículos da misericórdia divina. Cf. Atos 7.22. Moisés possuía toda a sabedoria do Egito, mas agora estava munido de muito mais do que isso. Agora também fora divinamente dotado, o que o distinguia dos mágicos do Egito.
Os milagres cristalizam-se em torno de certas crises do trato de DEUS com o homem” (Ellicott, in loc).
As palavras têm grande valor. Algumas vezes, porém, é mister adicionar obras. E mais ocasionalmente ainda, deve haver obras miraculosas se os propósitos de DEUS tiverem de cumprir-se.
Êx 4.2,3 Uma vara. Provavelmente era um cajado comum. Mas logo a vara seria transformada em uma serpente. A habilidade dos mágicos egípcios aparentemente incluía a capacidade de hipnotizar uma serpente, fazendo-a tornar-se rígida. E assim os mágicos eram capazes de segurar na mão uma serpente hipnotizada, para admiração dos circunstantes. Era um truque de mágico. Mas fazer um pedaço de madeira transformar-se realmente em uma serpente era coisa totalmente diversa.
Os céticos pensam que temos aqui uma exibição de antigas artes mágicas, aprendidas no Egito por Moisés. Os mágicos são capazes de fazer coisas deveras admiráveis, embora tudo não passe de ilusão. Mas quando Moisés fugiu da serpente, não havia nela nenhuma ilusão! Os egípcios usavam de ilusão e imitação. Moisés, porém, realizava feitos reais extraordinários. Essa era a diferença vital entre o antigo Moisés e 0 novo Moisés. Se os críticos veem apenas um elemento supersticioso nessa questão da “vara”, podemos estar certos de que havia ali poder, por causa do poder que Yahweh tinha atribuído a Moisés. Assim também a coroa de um rei não tem, em si mesma, nenhuma autoridade. Trata-se apenas de um símbolo dessa autoridade. A vara de Moisés era apenas um objeto de madeira. Mas pareceu bem a Yahweh agir quando Moisés brandia aquela vara. Esta tornara-se emblema do poder divino nele investido, que funcionava sempre que isso se tomava necessário. Ver Êxo. 4.17 quanto a notas adicionais sobre a vara.
O Primeiro Milagre. Temos aqui o primeiro milagre a ser registrado na Bíblia. Os intérpretes judeus ornavam o texto com toda espécie de descrição pavorosa sobre as serpentes venenosas. Filo, porém, realmente exagerou nos comentários, ao dizer que a serpente era, de fato, um enorme dragão (De Vita Mosis, 1.1 614).
Êx 4.4 Pega-lhe pela cauda. Moisés fugiu de medo, mas a voz de DEUS ordenou- lhe que não tivesse medo e segurasse a serpente pela cauda, 0 que não exigia pequena coragem! Moisés obedeceu e, para seu espanto, a serpente transformou-se de novo em uma simples vara. Esse ato final foi necessário para mostrar a Moisés que aquilo que tinha acontecido não era apenas uma ilusão. Moisés tinha que ver, antes de tudo, a autenticidade do poder divino, antes que pudesse convencer os outros a esse respeito.
Metáforas. O que os intérpretes judeus dizem aqui, embora interessante, é totalmente inútil. A serpente é concebida como 0 diabo, ao qual Moisés aprendeu a controlar. Além disso, seus três estados ilustrariam a vida de Israel: primeiro Israel floresceria no Egito, sob José (a serpente como uma vara); então Israel seria escravizado (a serpente adquire vida e torna-se perigosa); e, então, Israel seria libertado (a serpente volta a ser uma vara, sem nenhum dano).
Os intérpretes cristãos veem CRISTO aqui: a vara, Sua força; Ele foi lançado por terra em Sua humilhação; finalmente, foi-Lhe restaurado o poder. Mas outros eruditos pensam mais no ministério de Moisés: a principio, em conforto e em paz; então, em perigo; finalmente, foi-lhe devolvida a paz e a vitória.
A fé triunfou sobre o mero instinto. O instinto de Moisés consistiu em fugir da serpente. Mediante a fé, porém, foi capaz de vencer isso e segurar a serpente pela cauda. Por igual modo, ele seria capaz de domar a serpente, ou seja, o Faraó.
Êx 4.5 Para que creiam. Os milagres autenticam a fé, e esse tem sido sempre o uso da fé. Este versículo faz-nos voltar aos nomes divinos que figuram com tanta importância neste texto.
Em seguida, Moisés levou a Israel os nomes tradicionais de Yahweh e Elohim, associando-se ao propósito que tinha operado através dos patriarcas (Êxo. 3.15). E isso é repetido neste versículo. Ver Êxo. 3.13 quanto ao poder existente no nome de uma pessoa, de acordo com uma antiga crença.
Para que [eles] creiam. Esse “eles” (oculto em nossa versão portuguesa) refere-se aos anciãos de Israel, cuja cooperação com Moisés seria um sine qua non (sem a qual não) do projeto divino. O vs. 21, porém, aplica a questão aos egípcios.
“Sem o dom de milagres, nem Moisés teria persuadido os israelitas, nem os apóstolos teriam convertido o mundo” (Ellicott, in loc.).
Êx 4.6,7 O Segundo Milagre Autenticador. O primeiro milagre, Moisés exibiu diante dos egípcios (Exo. 7.10 ss.). Mas este segundo milagre não foi efetuado diante do Faraó, pelo menos até onde vai o registro sagrado. Mas talvez o vs. 30 tencione dizer que assim aconteceu.
A mão estava leprosa. No Oriente, essa era uma doença comum, ainda que outras enfermidades, e não somente a doença de Hansen, fossem chamadas por esse nome. Ver uma de suas mãos leprosa deve ter assustado Moisés mais ainda do que a serpente. Um mágico poderia fingir tal acontecimento, escondendo algo em sua capa que se apegasse à sua mão como se fosse pele leprosa. Mas um homem que realmente ficasse com uma mão leprosa, mesmo que por alguns segundos apenas, certamente teria consciência do fato. DEUS é aqui visto como aquele que pode curar doenças incuráveis. Moisés deve ter passado do horror para o alívio. Essa foi outra lição objetiva de poder. Esse poder foi posto à sua disposição. O primeiro sinal talvez não fosse convincente; mas 0 segundo sem dúvida convenceria (vs. 8).
Josefo, ao que parece, pensava que Moisés também tinha usado esse segundo sinal, embora isso não seja registrado na Bíblia. Os egípcios chamavam os hebreus de leprosos”, talvez porque Moisés lhes tinha mostrado esse sinal. Ver Contra Ap. 1.26.
A modalidade esbranquiçada de lepra era considerada a pior, incurável. Ver Lev. 13.3,4; Num. 12.10. Alguns antigos escritores registraram que 0 povo de Israel foi expulso do Egito porque entre eles havia tão grande número de leprosos que os egípcios não queriam contato com eles. Assim disseram Tácito (Hist. 1.5 c.3) e Trogo (Justino e Trogo, 1.36 c.2).
Êx 4.8 O Segundo Sinal. O sinal da mão leprosa, que era curada, foi 0 mais estonteante, garantindo que a Moisés dar-se-ia crédito. Ver no Dicionário 0 artigo Sinal (Milagre). Diz literalmente o hebraico, “a voz do sinal”. Tal sinal daria uma mensagem clara e convincente. Naturalmente, há milagres falsos, ou seja, milagres por trás dos quais falam vozes malignas. As pessoas também dão ouvidos a esses “falsos sinais”. Um milagre não serve de prova indiscutível de correção. No caso de Moisés, entretanto, eram esperados resultados positivos.
Êx 4.9 O Terceiro Sinal. JESUS transformou água em vinho (João 2). Esse foi 0 Seu primeiro milagre. Moisés transformou água em sangue. Potencialmente, esse foi o seu terceiro milagre. Uma vez mais, não há registro bíblico de que ele tenha usado esse “milagre-sinal”, tal como no caso do segundo (vss. 6,7). “O DEUS da fé bíblica é senhor do mundo que Ele mesmo criou. O DEUS que controla até os demônios não é alguém que possa ser lisonjeado pelos homens; antes, Ele impõe ao homem a responsabilidade e chama-o para que entre em compromisso sério” (J. Coert Rylaarsdam, in loc.). Visto que os egípcios consideravam o rio Nilo como uma fonte de vida, e alguns chegavam mesmo a pensar que esse rio era divino, Moisés, ao transformar suas águas em sangue, mostraria ser controlador até mesmo daquilo que era tão reverenciado pelos egípcios. O vs. 30 deste capítulo pode significar que os vários sinais (todos eles) foram realizados, embora nada de específico seja dito a respeito. Seja como for, o resultado foi a crença, conforme fora prometido a Moisés. Mais tarde, quando Arão feriu as águas do Nilo com sua vara, estas se transformaram em sangue (Êxo. 7.17-21). Milagres com sangue aparecem entre os milagres e os juízos apocalípticos (Apo. 8.7; 11.6; 16.4).
O rio Nilo era considerado sagrado e vital para a vida humana no Egito. Se Moisés foi capaz de poluir ou causar dano às suas águas, então é que os egípcios tinham encontrado nele um respeitável adversário. A libertação de Israel seria o resultado final do dramático conflito.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 316-317.
Os sinais divinos (4.1-9). Moisés era muito humano, e sua fé ainda estava fraca. Ele disse acerca dos hebreus: Eis que me não crerão (1). DEUS então pacientemente lhe deu mais garantias. Usando o cajado comum de pastor, DEUS deu provas do seu poder sobrenatural (2,3) transformando a vara em cobra.
O segundo sinal para Moisés foi a mão que ficou leprosa (6,7). Se as pessoas não cressem no primeiro nem no segundo sinal, creriam no terceiro: a transformação das águas do rio em sangue quando fossem despejadas em terra seca (9). Além do caráter miraculoso, estes sinais ensinavam lições importantes. Avara, símbolo do pastor ou trabalhador comum, quando entregue a DEUS se torna maravilha e poder. A lepra, símbolo do pecado e corrupção no Egito, pode ser curada imediatamente pelo poder de DEUS. O sangue, sinal de guerra e julgamento, garantia vingança pela maldade dos egípcios.
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 147.
Os três sinais.
1. YHWH não te apareceu. Moisés aceitou a realidade da revelação de DEUS, mas será que seu povo faria o mesmo? O prometido sinal de que iriam sacrificar a DEUS em Seu monte não seria suficiente para eles, pois já exigia a presença de fé (como o sinal da ressurreição de CRISTO, Mt 12:39) e nem isso eles possuíam. Moisés solicita sinais de nível inferior, sinais que possam conduzir à fé ou até mesmo criá-la, e assim validar sua vocação aos olhos do povo de Israel. João Batista jamais recebeu poder para realizar “ sinais” desta natureza (Jo 10:41); CRISTO se recusou a realizá-los (Mt 12:39), mas alguns personagens do Velho Testamento receberam sinais confirmatórios (por exemplo Acaz, em Isaías 7:11). A passagem em discussão não implica necessariamente em que Israel já conhecesse o nome YHWH. O narrador ou Moisés pode estar simplesmente usando o novo nome para indicar o conhecido DEUS patriarcal (6:3). Já que a frase é uma negativa enfática, podemos parafraseá-la “ o DEUS de nossos ancestrais não te apareceu” . Moisés está pensando ainda na amarga experiência de 2:14, “ Quem te pôs por príncipe e juiz sobre nós?”
2. Uma vara. Provavelmente o tradicional cajado curvo do pastor mencionado no Salmo 23:4. No versículo 20 ela é chamada “ a vara de DEUS” , por ser usada nos milagres e em 7:9 é usada por Arão. Comentaristas que procuram determinar fontes salientam o fato de que na tradição J, ela aparece como um cajado nas mãos de Moisés; na fonte E, ela aparece como uma miraculosa “ vara de DEUS” (4:20), ao passo que em material sacerdotal (fonte P) aparece como a vara de Arão (7:9). Essas “ contradições” aparentes são apenas verbais, normais em tradição oral e apenas confirmam a existência de testemunhas independentes de uma tradição fidedigna.
3. Cobra, nãfyãsé a palavra hebraica comum para cobra. Números 21:9 usa esta palavra como explicação para o termo “ seraph” , as serpentes que atacaram Israel no deserto, das quais uma imagem foi colocada num mastro, mas os dois incidentes não são paralelos. Êxodo 4:30 menciona a realização deste (v. 3) e dos outros sinais na presença dos israelitas (aparentemente por Arão e não por Moisés). Em 7:9-10 Arão realiza o mesmo sinal mais uma vez, perante o incrédulo Faraó. Nessa referência, entretanto, a palavra usada para cobra é tannin, que bem pode significar um lagarto ou até mesmo um pequeno crocodilo (Driver), bem apropriado para as margens do Nilo.
9. Se nem ainda crerem mediante estes dois sinais. Um terceiro sinal ainda mais impressionante deveria ser dado. Estes três podem ser considerados juntamente, como sendo do mesmo tipo. São os três de natureza mais superficial, com o objetivo de promover fé. Eles convencem a Israel (4:31) mas não convencem a Faraó (7:13,23). Não há referência direta ao uso do sinal da lepra perante Faraó, mas é interessante comparar a narrativa da lepra e cura de Miriã em Números 12. Não podemos agora precisar a natureza exata destes sinais. Podemos afirmar a sua descrição nas Escrituras, tal como devem ter parecido aos olhos de quem os presenciou: uma vara transformada em cobra, uma mão leprosa curada e água transformada em sangue. Alguns aceitam a narrativa literalmente, como o que chamaríamos de manifestações sobrenaturais do poder de DEUS. Outros procuram encontrar DEUS, o Senhor da natureza, operando pelo que chamaríamos de meios naturais. Outros os consideram metáforas espirituais. Podemos rejeitar esta última hipótese de imediato; metáforas jamais convenceriam escravos oprimidos, muito menos a Faraó. É imperioso que tenham ocorrido sinais externos, qualquer que seja a explicação correta entre as duas primeiras hipóteses, ou ainda que a verdade esteja numa combinação de ambas. Provavelmente incorremos em erro ao estabelecer tais distinções entre as duas; certamente isso jamais ocorreria à mente de um israelita. Seja qual for a maneira em que DEUS escolhe agir, através do mundo que criou ou independente dele, a obra é Sua e, tal como Israel, devemos curvar nossas cabeças perante Ele e adorá-lo (4:31).
R. Alan Cole, Ph. D. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 70-72. 
3. O retorno de Moisés.
Moisés recebe a ordem para retornar ao Egito e falar com Faraó com uma certeza: DEUS estaria com ele. Ele já tinha a chamada, e também os sinais. Faltava agora obedecer. E ele o fez. E evidente que Moisés não saiu de Midiã sem a anuência de seu sogro. Jetro recebeu Moisés de bom grado, e deu-lhe sua filha em casamento. Moisés tinha laços afetivos com a família de Jetro, e antes de ir ao Egito, deveria dizer ao sogro para onde iria e o que faria. É evidente que Moisés não disse tudo, mas o que disse foi suficiente para obter a permissão para se ausentar daquela região e dar prosseguimento ao plano de DEUS.
Porém Moisés ainda tinha uma pendência a resolver. Ele tinha um crime em sua “ficha”, quando pertencia à corte egípcia e matou um egípcio quando este açoitava um hebreu. Por esse crime, Moisés teve de fugir, e certamente seu coração não estava esquecido desse detalhe. Como DEUS não faz nada de forma incompleta, disse a Moisés: “Vai, volta para o Egito; porque todos os que buscavam a tua alma morreram” (Ex 4.19). Moisés poderia levar a cabo sua missão sem se preocupar com aquela mácula.
COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 21-22.
          Moisés Regressa ao Egito (4.18-31)
Moisés foi chamado, instruído e dotado de poder para a sua missão. E agora voltou o rosto na direção do temível Faraó, e, com firme propósito no coração e confiança na missão que DEUS lhe dera, partiu para a cena onde se mostraria ativo. Deixando sua “terra", naturalmente ele precisou despedir-se daqueles que deixava para trás, principalmente seu sogro, Jetro, e outros parentes por casa- mento. Ele tinha morado em Midiã pelo espaço de quarenta anos — 0 segundo dos três ciclos de sua vida. Esse número, “quarenta”, simboliza os “testes” pelos quais passamos. Ver no Dicionário os artigos intitulados Quarenta e Numerologia. Os últimos quarenta anos de vida de Moisés seriam passados no cumprimento da missão para a qual ele tinha sido cuidadosamente preparado. Ver Êxo. 2.11 e suas notas quanto aos três ciclos de quarenta anos cada, na vida de Moisés.
Êx 4.18 Jetro. Tanto Reuel quanto Jetro são chamados de sogro de Moisés. Ver Êxo. 2.16,18 e os artigos sobre ambos quanto a completas explicações sobre essa questão, até onde ela pode ser explicada. Moisés despediu-se de seu sogro, embora sem revelar, na oportunidade, qual a verdadeira razão de sua viagem, dizendo apenas que tinha de ver novamente os seus irmãos, ou seja, os hebreus. A vontade de DEUS, antes de sua execução, fora revelada ao profeta e libertador Moisés. Haveria tempo para explicações e comunicações posteriores. Moisés tinha servido corretamente Jetro, e não houve objeção ante a sua partida. De fato, Jetro abençoou Moisés. Ele bem que precisava de toda a bênção que pudesse receber, visto que, segundo os padrões humanos, estava ocupado em uma missão impossível. Para DEUS, todavia, os impossíveis são possíveis (Mat. 17.20).
“Os laços tribais eram apertados, e exigiam que se pedisse permissão para viajar, pois mesmo uma ausência temporária, requeria o curso de ação apropria- do, mesmo que não fosse necessário” (Ellicott, in loc.).
Êx 4.19 Ver Mateus 2.19,20 quanto a um paralelo na vida de JESUS. Ver em Êxo. 2.2 quanto a Moisés como um tipo de CRISTO. Todos, embora esteja no plural, tem em mente principalmente a pessoa de Faraó. Ver na Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, o artigo intitulado Faraó, em sua terceira seção, onde se tenta identificar os faraós mencionados na Bíblia. Moisés era um “fugitivo da justiça”, porquanto havia matado um egípcio quando defendia outro hebreu (Êxo. 2.15 ss.). Mas mortas agora as principais autoridades do Egito, Moisés podia reiniciar sua tarefa de libertador. Mas a sua missão em breve haveria de identificá-lo como um revolucionário radical, e sua vida também se tornaria muito miserável. Moisés, todavia, estava pronto para o que viesse, e desceu ao Egito com bom ânimo e cheio de esperança.
O Faraó tinha falecido; os homens de seu governo, também; e outro tanto sucedia a todos quanto poderiam lembrar-se de Moisés. Moisés, pois, teve um novo começo, iniciando-se assim 0 terceiro de seus três ciclos de quarenta anos cada. Ver as notas introdutórias ao vs. 18.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 319.
A prestação de contas (4.18-20). Moisés, agora submisso ao plano de DEUS, primeiramente foi obter permissão de Jetro para ir embora e voltar ao Egito (18). Não lhe apresentou todas as razões para a mudança, mas o motivo que deu foi suficiente para obter aprovação. Seus irmãos eram as pessoas de sua nação, os israelitas. Jetro disse: Vai em paz. Deu liberdade a Moisés e, assim, não pôs impedimento ao plano de DEUS.
DEUS garantiu que as pessoas que procuravam a vida de Moisés estavam mortas (19). Moisés começou a viagem com sua mulher e dois filhos (20; cf. 18.3,4), embora pareça que depois do episódio da circuncisão (24-26), ele os tenha mandado de volta a Jetro (18.2) e prosseguido sozinho com Arão (29). E lógico que as palavras tornou à terra do Egito (20) é uma declaração geral que teve cumprimento no versículo 29. Pode ser traduzida por: “Pôs-se a voltar para a terra do Egito”.
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 148.
Êx 5.18. Moisés precisava antes de tudo levar os rebanhos de volta a Jetro, onde quer que ficasse a povoação dos midianitas (seria apenas um acampamento temporário?). Depois, ao contrário de Jacó, obteve de seu sogro a permissão de partir com a esposa e a família que, ao que parece, no tempo dos patriarcas, permaneciam sob a autoridade do sogro (compare a posição da esposa do escravo que deseja deixar o serviço de seu senhor, 21:4).
R. Alan Cole, Ph. D. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 74.
III - MOISÉS SE APRESENTA A FARAÓ (ÊX 5.1-5)
1. Moisés diante de Faraó.
Como era de se esperar, o encontro de Moisés com Faraó não foi nada promissor. Isso vemos da resposta que o rei deu a Moisés: “Quem é o Senhor, cuja voz eu ouvirei, para deixar ir Israel? Não conheço o Senhor, nem tampouco deixarei ir Israel” (Êx 5.2). A lógica de Faraó era a seguinte: Há vários deuses no Egito. Por que obedecer a um que não conheço, e que acha que pode me ordenar a libertar minha mão de obra escrava? Esse DEUS do deserto não tem uma forma definida, e ainda me manda um representante pastor...
DEUS já avisara a Moisés que os diálogos com Faraó mostrariam o quanto o coração do rei era duro, e que apenas pela forte mão de DEUS os hebreus sairiam daquela nação.
COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 22.
Moisés e Arão Falam ao Faraó (5.1-5)
O Faraó era um homem idólatra e despótico. Reagiu às demandas de Moisés exibindo ambos esses defeitos. De imediato ficou claro que a tarefa consumiria muito tempo e muita luta. Duas qualidades são necessárias para alguém realizar um grande projeto: entusiasmo e persistência. O Faraó haveria de testar Moisés quanto a esses dois pontos. Seria necessário muito sacrifício pessoal. Para obterem livramento, os escravos sacrificam tudo mais (cf. Fil. 3.8). Os escravos do pecado, por igual modo, enfrentam o sacrifício de seus antigos caminhos, tendo de adotar um caminho total- mente novo. O mesmo se dá com a dedicação do crente ao Senhor (Rom. 12.1,2).
Moisés teria de enfrentar a cólera do Faraó, bem como a insatisfação de sua própria gente. Coisa alguma funcionaria com suavidade.
Êx 5.1 Uma Petição Humilde. Moisés estava sondando a situação, como um lutador de boxe que não mostra o seu jogo logo no primeiro round. E fez uma petição humilde: queria apenas licença para uma breve jornada deserto adentro, a fim de realizar um ato religioso. Não disse claramente, mas deixou implícito, que traria 0 povo de Israel de volta depois de três dias (vs. 3). Talvez, porém, estivesse planejando continuar caminhando, efetuando assim um êxodo rápido, o que solucionaria a escravidão com um golpe simples e astucioso.
Faraó. Alegadamente filho de uma divindade, versado no folclore politeísta, era profundo conhecedor de verdades religiosas. Mas nunca tinha ouvido falar em Yahweh, o DEUS dos hebreus, e não se dispunha a fazer nenhuma concessão a uma divindade estrangeira (e, para ele, falsa).
“Era absurdo que ele entregasse Israel a uma divindade que nem ao menos conhecia. A ironia do drama que se segue é que esse foi o próprio DEUS que, progressiva- mente, despiu o Faraó de todas as coisas” (J. Coert Rylaarsdam, in loc.). O homem deificado seria derrotado miseravelmente no seu conflito contra o verdadeiro DEUS. E assim sucedeu.
O Targum de Jonathan diz: “Não encontrei o nome de Yahweh escrito no livro dos anjos. Não tenho medo dele”.
O Senhor DEUS. No hebraico, Yahweh Elohim, dois nomes tradicionais do DEUS dos hebreus. 
Deixa ir o meu povo. Esse é o tema central bem como o grito de guerra do livro de Êxodo. Cf. Êxo. 4.22,23. O povo de Israel era o filho primogênito de Yahweh, o filho privilegiado. Se não fossem libertados, pereceriam todos os filhos primogênitos do Egito.
Uma festa no deserto. Não foi especificada a natureza dessa festa. Os israelitas cumpririam seus deveres religiosos diante de seu DEUS. E então, presumivelmente, voltariam ao Egito. A viagem ao deserto talvez tivesse sido planejada para impedir a indignação dos egípcios que seriam testemunhas do sacrifício de animais que eles reputavam sagrados. Pelo menos, Moisés pode ter apresentado essa desculpa como razão pela qual ele queria uma saída até algum deserto.
Êx 5.2 Não conheço 0 Senhor. Faraó não poderia mesmo ter respondido de outra maneira. Primeiramente, porque nenhum perdido conhece o Senhor DEUS, como uma experiência pessoal. Porquanto está morto em seus pecados. E, em segundo lugar, porque DEUS estava endurecendo o coração do Faraó, ao passo que o Faraó também endurecia, por sua vez, o seu próprio coração, conforme por tantas vezes se lê a respeito de todo este incidente longamente historiado. Por conseguinte, o Faraó falou de tal modo que exprimiu o seu caráter distorcido e a realidade de seu estado espiritual.
Êx 5.3 0 DEUS dos hebreus. No hebraico, Elohim. Também chamado Yahweh (vs. 2). DEUS é quem havia baixado a ordem. Moisés afirmava ter tido um encontro pessoal com Yahweh, de acordo com o incidente registrado em Êxo. 3.2 ss., bem como boa parte do quarto capítulo deste livro. Tinha havido uma longa entrevista, que incluíra muitas instruções. Moisés reivindicava ter conhecimento em primeira mão de seu DEUS. Não havia apenas lido sobre Ele em algum livro, nem ouvira 0 Seu nome ser louvado por homens sábios e piedosos. Outro tanto tem acontecido a muitos homens espirituais. Se quisermos poder espiritual, teremos de receber o toque místico em nossa vida. Além disso, esse poder é transformador, tal como Moisés, o humilde pastor de Midiã, agora era o líder de Israel, a proferir palavras exigentes diante do monarca do Egito.
Ver Êxo. 3.18; 7.16; 9.1,13 e 10.3 quanto a esse título, “o DEUS dos hebreus”. O DEUS único e verdadeiro foi posto em confronto com os muitos deuses e espíritos venerados no antigo Egito.
Caminho de três dias. Ou seja, do Egito ao Sinai (ou Horebe), o monte de DEUS (Êxo. 3.1; 4.27), onde seriam efetuadas a festividade e a adoração.
E não venha ele sobre nós. Se o DEUS de Israel fosse desobedecido, haveria punição. Para o Faraó, porém, isso pareceu apenas como outro aspecto da mitologia de Moisés.
Êx 5.4 Ide às vossas tarefas. O Faraó percebeu que o problema envolvia apenas o relacionamento senhor-escravos. Hoje em dia a luta se dá entre o capital e 0 trabalho, e há muitos empregados que são virtuais escravos. Os oficiais dos governos vivem em escandalosa luxúria, com contas polpudas nos bancos nacionais e estrangeiros, ao passo que metade da população do país nem tem o suficiente para alimentar-se.
No versículo anterior, o Faraó tentou descartar DEUS tão voluvelmente, e, agora, fazia-o com Moisés. O porta-voz de Moisés recebeu um tratamento similar. Provável- mente, o Faraó supôs que Moisés tinha sido enviado como representante dos escravos. A parte divina da história seria uma fábula. Os escravos estariam tentando escapar de seus superintendentes, os quais desde há muito tinham provado ser homens sem razão e sem misericórdia. Devem ter pensado que um apelo feito diretamente ao Faraó lograria resultados. O Faraó deve ter pensado que estava sendo promovida alguma agitação, e quis cortá-la pelas raízes. E assim, respondeu com severidade, não cedendo um milímetro. Sua resposta para o problema foi mais trabalho. Não foram reconhecidos direitos dos trabalhadores, uma provocação que, finalmente, haveria de devastar o país inteiro.
Êx 5.5 ׳ A greve havia deixado ociosa praticamente toda a população. A produtividade estancara, a um custo incalculável! As palavras do Faraó foram um reca- do indireto a seus oficiais, salientando o dano causado por aquele atrevido Moisés.
O povo da terra já é muito. Em algumas traduções lemos aqui: “O povo da terra está preguiçoso”. Mas isso requer leve emenda textual, a qual, contudo, pode estar com a razão.
Se os escravos descansassem de seus labores, isso significaria “torná-los mais numerosos ainda” (John Gill, in loc.). O outro decreto do Faraó, ordenando que os meninos hebreus fossem afogados no rio Nilo, falhara miseravelmente, e 0 problema tinha apenas aumentado. Ver Êxo. 1.22.
O Faraó Intensifica a Opressão (5.6-14)
Êx 5.6,7 Naquele mesmo dia. Cargas de Israel Foram Aumentadas. Se, anterior- mente, os capatazes, para facilitar as coisas, forneciam palha para o fabrico de tijolos, agora foi descontinuada essa pequena ajuda, aumentando mais ainda 0 trabalho dos escravos israelitas. E embora agora tivessem de trabalhar extra para conseguir a palha, a quantidade de tijolos não foi diminuída (vs. 8). “A palha era misturada com a argila e a areia, não tanto como agente cimentador, mas para fazer a argila tornar-se mais duradoura” (John D. Hannah, in loc.).
As pessoas que têm conhecimento das coisas dizem que essa exigência deve ter dobrado o labor dos escravos. Usualmente, no Oriente, os tijolos eram secos ao sol, embora também haja provas de que alguns coziam seus tijolos ao forno. Filo (Oper. edit. vol. íi. par. 86) refere-se ao processo e diz que a palha servia de liga. Ver no Dicionário 0 artigo chamado Tijolo, quanto a informações sobre 0 fabrico de tijolos no mundo antigo.
Obter palha requeria dos escravos ir aos campos, cortar certas plantas, transportar o material a depósitos, e, finalmente, trazê-lo até onde os tijolos estavam sendo feitos. No Egito, tijolos crus eram feitos do lodo do Nilo misturado com palha cortada, que eram então secos ao sol. E os tijolos eram usados na construção de casas, túmulos, muros, fortificações, recintos sagrados, edifícios e toda espécie de construção. E, em casos raros, eram usados até na construção de pirâmides. Ver Heródoto (Hist. vol. 2, par. 213).
Êx 5.8 Exigireis deles a mesma conta de tijolos. O ócio dos israelitas seria curado mediante maior carga de trabalho, 0 que os forçaria a desistir da ideia de perder tempo com inúteis cerimônias religiosas. Embora agora tivessem de trabalhar o dobro, porque tinham de conseguir a palha que antes lhes era fornecida, continuavam tendo de produzir a mesma quantidade de tijolos.
O fervor religioso dos israelitas seria abafado com grande excesso de trabalho. Se o Faraó mostrou-se tão severo diante do pedido dos escravos de se afastarem por três dias, qual não seria sua severidade se eles quisessem deixar o país de forma permanente? A ira provocada pelas circunstâncias forma o ambiente em volta do qual foi escrito o livro de Êxodo.
Êx 5.9 Agrave-se 0 serviço. Uma conversa tola seria descontinuada por um trabalho físico redobrado. Moisés teria despertado esperanças de libertação no coração dos israelitas, mediante “palavras mentirosas” (ver Êxo. 4.30). Também é possível que o Faraó tenha percebido que a jornada de três dias, deserto adentro, fosse apenas um ardil para que partissem do Egito de forma permanente.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 320, 322-323.
a) A recusa do rei (5.1-5). Ao homem que mantinha Israel em seu poder, Moisés e Arão proferiram a palavra de DEUS: Deixa ir o meu povo (1). Não há que duvidar que Faraó ficou surpreso, porque ele considerava que Israel era seu povo. Fazia mais de quatro séculos que os hebreus estavam no Egito. Como alguém poderia pedir a lealdade destes escravos e exigir que fizessem uma festa de sacrifício?
Além disso, Faraó não reconhecia autoridade senão a si próprio. Ele perguntou: Quem é o SENHOR, cuja voz eu ouvirei, para deixar ir Israel? (2). Havia muitos deuses no Egito, e este rei conhecia todos. Para ele, as pessoas tinham de manipular os deuses e não lhes obedecer. Seu ultimato foi: Não conheço o SENHOR, nem tampouco deixarei ir Israel.
Moisés e Arão mantiveram-se firmes na petição. Disseram ao rei: O DEUS dos hebreus nos encontrou (3). Pediram permissão para fazer uma viagem de três dias a fim de sacrificar ao DEUS que serviam. No único tipo de linguagem que Faraó entendia, avisaram que, caso o pedido fosse negado, o Senhor o julgaria: E ele não venha sobre nós com pestilência ou com espada. Mas o rei recusou assim mesmo.
Faraó os acusou de preguiçosos, indivíduos que procuram fugir da responsabilidade apelando para a religião. Por que fazeis cessar o povo das suas obras? (4). Para ele, tratava-se de preguiça e afronta. Em outras palavras: “Por que afastar as pessoas do trabalho?” Os déspotas sempre acham difícil acreditar que os súditos tenham uma causa justa. b) O aumento de trabalho (5.6-14). O rei, furioso, ordenou imediatamente que os exatores do povo e os oficiais (6)25 israelitas aumentassem o trabalho dos escravos. Em vez de fornecer a palha dos campos já cortadas e prontas para uso, os exatores do povo exigiram que as pessoas mesmas colhessem palha para si (7). A palha era misturada com barro para deixar mais forte os tijolos secos ao sol. O restolho era a parte inferior do talo das gramíneas. Embora houvesse o trabalho extra de juntar a palha, a conta (o número) dos tijolos fabricados devia permanecer a mesma (8). Este tirano, insensível ao bom senso, estava determinado a minar a vontade do povo. Nem se dava conta de que não podia ir contra DEUS. Ele poderia ser cruel com o povo de DEUS, mas as palavras que ouvira não eram palavras de mentira (9).
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 149-150.
2. A queixa dos israelitas (Êx 5.20,21).
O povo de Israel sentiu-se prejudicado pela intervenção de Moisés junto a Faraó. Na verdade, eles não sabiam que Moisés estava ali obedecendo a DEUS, e que ele não tinha o desejo de fazer com que o sofrimento dos seus irmãos fosse aumentado.
Esta deve ter sido uma prova dura para Moisés. Ele estava no Egito obedecendo à voz de DEUS, falando com Faraó para que o povo fosse liberto, e como consequência o rei ordena que os hebreus trabalhem mais. Não é incomum que líderes se vejam nessa mesma situação: obedecem a DEUS, mas não veem de imediato um fruto positivo de sua obediência.
O que devemos saber é que obedecer a DEUS não é uma garantia de que as coisas que se seguirão não serão alvo de investidas de Satanás. Além disso, os líderes devem entender que nem sempre o povo vai entender determinadas atitudes, mas que se estamos agindo de forma correta e dentro da vontade de DEUS, Ele vai se responsabilizar por nos honrar no devido tempo.
COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 22.
Êx 5.20 Moisés e Arão estavam esperando pelos representantes do povo de Israel, os capatazes que estavam tendo uma audiência com 0 Faraó, para ouvirem 0 relatório que trariam. Havia uma expectação doentia, doentia porque era inútil dialogar com 0 tresloucado Faraó, conforme Moisés e Arão já tinham descoberto quando tentavam dialogar com ele.
Êx 5.21 Olhe o Senhor... e vos julgue. Assim disseram os capatazes israelitas, Chegaram a invocar a DEUS como juiz. A sentença divina (conforme estavam certos os capatazes) seria que Moisés e Arão tinham produzido toda a miséria que tanto os afligia. O Faraó teria ficado indignado por causa da sugestão tola de Moisés e de Arão que os israelitas se internassem no deserto caminho de três dias. E apesar de os capatazes não terem sido encarcerados, a vida dos escravos tinha sido reduzida a frangalhos. A violência poderia irromper a qualquer instante. Os superintendentes egípcios tinham espadas nas mãos; o Faraó poderia apelar para a execução em massa. “Temor e desespero” eram as palavras que descreveriam bem a sorte dos israelitas. Moisés e Arão tinham posto a espada nas mãos de seus inimigos.
... nos fizestes odiosos. Ou “mal cheirosos”, conforme a palavra hebraica também pode ser traduzida. Aos olhos do Faraó, agora eles eram vis e repelentes. Cf. a ideia de “mau cheiro" com os trechos de Gên. 34.30; I Sam. 13.4; II Sam. 10.6.0 Papyr. Anastas, (i.27,7) diz algo semelhante. Agora as espadas poderiam aparecer na cena, a fim de manter a ordem. E provavelmente não temos aí mera metáfora, mas uma negra realidade.
Êx 5.22 Então Moisés, tornando-se ao Senhor. Moisés apresentou diante de DEUS a sua queixa. Diz um antigo hino: “Leva tua carga ao Senhor, e deixa-a com Ele”. Tão amarga foi a queixa de Moisés que ele reconheceu a alegada verdade daquilo que o povo tinha dito, e passou a lançar a culpa sobre DEUS. É muito fácil lançarmos a culpa sobre DEUS. Clamamos procurando saber “a razão” de nosso sofrimento, e as respostas que obtemos não são satisfatórias. E, então, a culpa pelo sofrimento humano é lançada sobre DEUS. É verdade que Moisés aprendeu que aquela derrota inicial era, na verdade, uma primeira vitória disfarçada. DEUS castigaria Faraó por causa do que ele estava fazendo. Em outras palavras, as maldades do Faraó provocariam a ira divina, e esse seria, afinal, 0 poder que libertaria o povo de Israel, e não os pobres discursos que Moisés e os capatazes israelitas poderiam fazer. Naquela conjuntura, meras palavras nada resolviam. A mão divina feriria os ofensores.
Moisés estava à cata de uma solução rápida para um problema dificílimo. Ele tinha esperado fazer Israel sair do Egito com o simples ardil de levar 0 povo ao deserto num caminho de três dias (Êxo. 5.3), e, então, simplesmente desaparecer. Mas o truque não deu certo. O Faraó percebeu a artimanha. Moisés estava agora sem novas ideias. Mas o plano divino tinha muitas outras provisões guardadas na algibeira.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 323-324.
Êx 5.20. Encontraram Moisés e Arão. Este é o mesmo verbo significativo que Moisés e Arão usaram para descrever perante Faraó o encontro com YHWH no monte Sinai (5:3).
Que estavam à espera deles. O verbo hebraico usado aqui sugere mais do que simplesmente “ estar em pé à espera de alguém” ; a palavra (sãbah) tem a conotação militar de “ estar postado” . Estariam os dois líderes cheios de esperança ou estariam determinados a enfrentar as conseqüências do fracasso?
Êx 5.21. Olhe YH W H para vos outros e vos julgue. Esta é a costumeira alegação de inocência de quem sofre injustamente (cf Gn 16:5). Moisés deve ter ficado muito sentido com a observação, como se vê no v. 22. Nos fizestes odiosos aos olhos de Faraó. Literalmente ‘ ‘nos fizestes cheirar mal” . Os anciãos de Israel podem ser diretos e rudes, mas comunicaram muito bem o que estavam pensando. Claramente eles pressentiam que o pior ainda estava para vir.
R. Alan Cole, Ph. D. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 80.
3. DEUS promete livrar seu povo (Êx 6-1).
A promessa divina para com Israel não foi esquecida por DEUS. Depois do encontro com Faraó e das reclamações dos hebreus, DEUS diz a Moisés: “Agora verás o que hei de fazer a Faraó; porque, por mão poderosa, os deixará ir, sim, por mão poderosa, os lançará de sua terra” (Ex 6.1). Uma palavra de DEUS em meio às adversidades e correntes contrárias é suficiente para que tenhamos a certeza de que Ele está conosco, e que se aguardarmos nEle, no devido tempo ele cumprirá o que prometeu.
E evidente que levou um tempo até que o que DEUS falou se cumprisse. As dez pragas enviadas contra o Egito mostraram o quanto DEUS é poderoso, e o quanto Ele deu oportunidade para que Faraó voltasse atrás e libertasse o povo de Israel sem que a nação egípcia sofresse tantos danos e mortes. Entretanto, DEUS cumpriu o que prometeu, e no devido tempo trouxe a libertação tão esperada àquela nação e honrou seu servo, Moisés, diante de seus inimigos e diante do seu próprio povo.
Lembremo-nos de que a chamada que DEUS tem para cada um deve ser obedecida, e que no devido tempo, DEUS cumpre suas promessas e honra a fé daqueles que confiaram nEle.
COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 23.
Agora verás. DEUS repassava agora as promessas que tinha feito ao povo de Israel, além de ameaçar Faraó. Ambos esses fatores eram necessários para o divino projeto de redenção de Seu povo.
“Agora precisamos continuar a confiar no Senhor. A religião consiste em continuar a confiar em DEUS, depois de termos envidado nossos esforços ao máximo... Moisés tinha feito o melhor ao seu alcance e estava desencorajado diante dos resultados; mas fizera 0 máximo que podia. DEUS disse que, para ele, isso poderia parecer um adiamento desnecessário, mas ele precisaria somente confiar em DEUS, o qual entraria em ação quando chegas- se o momento oportuno (J. Edgar Partt, in loc).
Por mão poderosa. Haveria a intervenção divina, sem a qual Israel simples- mente nunca seria posta em liberdade. “A mão poderosa... o poder soberano, aplicado de maneira súbita e com força” (Adam Clarke, in loc). A mão de DEUS mostrar-se-ia tão poderosa que o Faraó em breve haveria de “deixá-los ir-se”. Seria alto demais o preço a ser pago, se ele quisesse reter o trabalho escravo.
Êx 6.2 Eu sou o Senhor. A Presença de DEUS continuava com Moisés. Por muitas vezes, vemos a presença divina, nos primeiros livros da Bíblia. Toda decisão e mudança importante que os homens de DEUS precisam enfrentar são acompanha- das pela presença de DEUS: ou sob a forma do Anjo do Senhor; ou sob a forma de uma teofania (ver sobre isso no Dicionário); ou sob a forma de um sonho (ver as notas sobre Gên. 28.12; 31.10). Não basta tomarmos conhecimento acadêmico das realidades espirituais, ler a Bíblia, orar e meditar. Precisamos do toque místico em nossas vidas.
Êx 6,3 Apareci a Abraão. Conforme se vê em Gên. 17.1, onde aparece pela primeira vez na Bíblia 0 nome El Shaddai (ver abaixo). A comissão dada a Moisés estava ligada à história dos patriarcas de Israel. Cabia a Moisés dar continuidade ao plano divino, à história sagrada que tinha começado com aqueles. Este trecho do versículo tem paralelo em Êxo. 3.15. A comissão outorgada a Moisés estava vinculada à missão dos patriarcas. No caso presente, são nomeados Abraão, Isaque e Jacó, e não meramente Abraão.
O DEUS Todo-poderoso. No hebraico, El Shaddai. Esse era um antigo nome de DEUS, que significa “o todo-suficiente”, embora outras ideias existam sobre o seu significado. Esse nome não era usado exclusivamente pelo povo de Israel. Ver Joel 1.15 e Deu. 32.17. Deuses estrangeiros e poderes destrutivos também podiam ser chamados assim. Jó usou esse nome por trinta e uma vezes (Jó 5.17 e outros trechos).
O Senhor. No hebraico, Yahweh. De acordo com este versículo, um nome mediante o qual DEUS não se manifestara aos patriarcas. Essa declaração tem deixado os estudiosos perplexos. Os trechos de Êxo. 13.3; 17.2 e outros contêm esse nome. Os críticos supõem que essa declaração é oriunda da fonte informativa P(S), ao passo que, em outras fontes, o nome Yahweh era conhecido entre os patriarcas como um nome divino. Os críticos veem nisso apoio para sua teoria de fontes múltiplas, supondo que o nome Yahweh (J seria a fonte do nome) seria um nome divino usado por outra fonte informativa, mais tardia. Nesse caso, o aparecimento do nome Yahweh, nos relatos sobre os patriarcas, deveria ser visto como inserções feitas por algum editor, em narrativas antigas, e não algo nativo a essas narrativas. Para Adão, o nome de DEUS era Elohim; para Abraão, era Adonai; para Moisés, era Yahweh. Mas o culto a Yahweh foi estabelecido muito antes de Moisés, assim a confusão permanece de pé. Seja como for, o autor sacro diz-nos aqui que podemos chamar DEUS de El-Shaddai ou de Yahweh, pois, em ambos os casos, nos estaremos referindo ao mesmo único DEUS. Esse DEUS único guiara a Abraão; e agora estava guiando a Moisés.
Os eruditos conservadores opinam que o próprio Moisés inseriu o nome Yahweh nos relatos anteriores (ver Gên. 2.4; 3.14; 9.1-9 etc.). Adam Clarke escreveu toda uma página de duas colunas tentando explicar como Yahweh já era um nome divino nos dias dos patriarcas, tendo achado esse nome até mesmo em outras culturas semíticas do mundo antigo. Mas lemos aqui que não foi assim que as coisas sucederam. Clarke não chegou a nenhum resultado definitivo, e é precisamente ai que nos encontramos, fazendo-lhe companhia.
Observou John Gill (in loc.): “Isso não deve ser entendido em um sentido absoluto; pois é certo que Ele se fizera conhecer por Abraão, Isaque e Jacó por esse nome: Gên. 15.6-8; 26.2,24; 28.13. Mas comparativamente... Ele não era tão bem conhecido por aqueles, por esse nome, do que era conhecido pelo outro nome [El Shaddai]”. Uma boa tentativa, mas não o suficiente.
Este versículo tem sido alistado em favor da chamada hipótese quenita, ou seja, de que Moisés aprendeu esse nome divino, Yahweh, bem como as práticas religiosas ligadas a esse nome, da parte dos midianitas, entre os quais permaneceu, com seu sogro, durante quarenta anos, na terra de Midiã. Ver Êxo. 18.1 e suas notas introdutórias, bem como as notas em Êxo. 18.12 onde a questão é mais amplamente ventilada.
Êx 6.4 Estabeleci a minha aliança. O Pacto Abraâmico (ver as notas a respeito em Gên. 15.18) reunia em um bloco toda a nação de Israel, a começar por Abraão, estendendo-se aos demais patriarcas, até Moisés, e, finalmente, a todo o povo de Israel. No livro de Gênesis, esse pacto é reiterado por dezesseis vezes, em várias conexões e graus de plenitude. Uma das principais provisões dessa aliança era que Israel teria um território pátrio. Mas antes que esse território lhes pudesse ser dado, deveria haver um período de exílio no Egito, ao mesmo tempo em que os habitantes originais da terra de Canaã teriam de preencher a sua taça de iniquidade. Quando essa taça estivesse cheia, então DEUS os julgaria, e um dos resultados desse juízo é que os cananeus perderiam seus territórios. E, então, o povo de Israel apossar-se-ia deles. Ver Gên. 15.13,16. Ver Êxo. 2.24 quanto a como DEUS lembrou o Seu pacto com Abraão, e, por essa razão, tinha levantado Moisés para ser o libertador.
A terra em que habitaram como peregrinos. Ver Gên. 17.8 e 23.4. “Abraão, Isaque e Jacó ocupavam a terra de Canaã por mera concessão; tinham permissão de ocupá-la, porque ela não lhes pertencia, mas foi-lhes dado esse direito por aqueles que realmente a possuíam. Esse território pertencia às nações cananéias, aos hititas, e outros (Gên. 20.15; 23.3-20)” (Ellicott, in loc).
Êx 6.6 Reiteração da Mensagem Divina. Moisés deveria anunciar ao povo a mesma mensagem anterior. Agora Yahweh a tinha reiterado. Um grande livra- mento estava surgindo no horizonte, e esse livramento contava com o poder de DEUS.
... vos resgatarei com braço estendido. O poder de DEUS haveria de manifestar-se, e a tarefa da libertação seria cumprida. Ver em Êxo. 3.20 as notas sobre a poderosa mão de DEUS. Ver Êxo. 3.10 quanto à declaração do propósito divino de libertação.
Com grandes manifestações de julgamento. Esses juízos seriam dois: 1. Me- diante uma longa série de prodígios que produziriam confusão e destruição, culminando na décima praga mediante a qual pereceriam todos os primogênitos do Egito. Ver Êxo. 12.28 ss. Assim teria cumprimento o que fora dito em Êxo. 4.22,23. Ou 0 filho primogênito (Israel) de Yahweh seria libertado, ou teriam de morrer todos os primogênitos do Egito. 2. Haveria 0 grande milagre de destruição na travessia do mar Morto (Êxo. 14).
Êx 6.7 Compare as declarações deste versículo com Êxo. 19.5,6 e Deu. 7.6. Uma nação havia sido escolhida para tornar-se o veículo da mensagem espiritual e para produzir 0 Messias. Mas o mundo é o objeto dessa mensagem (João 3.16; I João 2.2). DEUS era e sempre será o DEUS de todas as nações (Sal. 67.4). Todos os povos são aceitos por Ele (Atos 10.35; ver também Mat. 8.5-13; Luc. 7.2-10; Atos 10.1-33). Confronte a escolha de Abraão, em Gên. 17.7,8, onde as notas expositivas se aplicam a este versículo. A providência de DEUS (ver sobre esse assunto no Dicionário) é multifacetada. Ela opera através de Israel e beneficia a todas as demais nações, e não somente a nação de Israel.
Demonstrando a Natureza de DEUS. Esse é um dos propósitos do livramento de Israel da servidão no Egito. DEUS seria exaltado; Seu poder seria exibido; Sua justiça comprovada; Sua misericórdia mostrada; e Sua vingança seria provada contra os injustos, especialmente contra Faraó. Uma pessoa é conhecida por meio de seus atos.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 324, 326.
A Renovação da Promessa e da Ordem (6.1-13)
DEUS não deixou Moisés na mão. A demora na libertação não significava renúncia da promessa. DEUS estava trabalhando em seus propósitos. Smith-Goodspeed traduz o versículo 1 assim: “Agora verás o que farei a Faraó; forçado por um grandioso poder ele não só os deixará ir, mas os expulsará da terra”. Outras dificuldades tinham de vir sobre Israel (5.19), mas a promessa de DEUS ainda era certa.
O valor da promessa estava no fato de DEUS endossá-la: Eu sou o SENHOR (2). Os antepassados de Israel conheciam o DEUS Todo-poderoso (3), o DEUS de poder e “força dominante”. “Aqui a ideia primária de Jeová concentra-se, pelo contrário, em sua existência absoluta, eterna, incondicional e independente.”26 Ambos os nomes eram muito antigos e amplamente conhecidos (Gn 4.26; 12.8; 17.1; 28.3), mas DEUS se manifestou principalmente pelo nome de El Shaddai, DEUS Todo-poderoso. Para este grande livramento, o próprio DEUS revelou o pleno significado de Yahweh, “o Senhor”. Esta não é outra narrativa do chamado de Moisés, diferente da anterior, como advogam muitos estudiosos liberais, mas trata-se de uma renovação das promessas a Moisés com maior destaque a um povo desanimado.
A nova revelação neste nome retratava que DEUS se ligara com seu povo por concerto (4). Este concerto começou com os patriarcas e incluía a promessa da terra de Canaã, por onde, durante muitos anos, vaguearam como peregrinos e estrangeiros (Gn 15.18).
DEUS se lembrou do concerto quando ouviu o gemido dos filhos de Israel por causa da escravidão (5). Ele não esqueceu; somente esperara até que os filhos estivessem prontos para cumprir sua parte no concerto.
DEUS ordenou que Moisés renovasse a confiança dos israelitas. Ele tinha de lhes dizer que seriam libertos da servidão egípcia, que DEUS os resgataria com braço estendido (“ação especial e vigorosa”, ATA) e com juízos grandes (6) sobre os opressores. Israel seria o povo especial de DEUS e lhe daria a terra da promessa por herança (7,8).
Estas palavras tranquilizadoras foram apoiadas pela declaração: Eu, o SENHOR. Embora a promessa fosse feita com firmeza, os líderes de Israel não ouviram a Moisés, por causa da ânsia do espírito e da dura servidão (9). Embora tivessem crido antes (4.31), o aumento da crueldade os abatera tanto que meras palavras de promessa não bastariam. As vezes DEUS tem de operar para que creiamos em suas promessas. Mais tarde, nos lembraremos das palavras da promessa. Quando Moisés (10) não pôde convencer Israel, duvidou que pudesse convencer Faraó (11), a quem agora DEUS o dirigia. Se Israel não lhe dava ouvidos, por que Faraó escutaria? Incircunciso de lábios (12), de acordo com a expressão idiomática em hebraico, seria um defeito que interfere com a eficiência. O ouvido incircunciso era um ouvido que não ouvia (Jr 6.10), e o coração incircunciso era um coração que não entendia.
A boca de Moisés não podia falar com clareza. Mas a despeito da debilidade humana, DEUS falaria. Ele daria mandamento para os filhos de Israel e para Faraó, e o assunto seria resolvido (13).
Encontramos em 5.22 a 6.13, certos “Problemas para a Fé”: 1) A demora de DEUS em agir, 22,23; 2) Espíritos desanimados e abatidos, 9; 3) Pessoas indiferentes, 12; 4) Enfermidades físicas, 9.
Nos versículos 1 a 8, temos estas “Garantias para a Fé”: 1) O poder de DEUS, 1; 2) O nome de DEUS, 3; 3) A resposta de DEUS, 5; 4) O relacionamento de DEUS, 7; 5) A promessa de DEUS, 8.
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 150-151.
Êx 6:1. Agora verás o que hei de fazer. Eis aqui uma promessa divina renovada, uma promessa que vai além da anterior. Faraó não irá apenas permitir que os israelitas saiam de sua terra, o que até aqui recusou fazer; na verdade, o monarca os “ lançará fora” . O verbo usado parece ser uma reminiscência clara da “ expulsão” de Moisés para Midiã e provavelmente contém um trocadilho com o nome de Gérson, filho de Moisés (2:22).
6. E vos resgatarei com braço estendido. Literalmente “ farei o papel do parente resgatador” ou gõ ’êl. A melhor ilustração deste costume é a atividade de Boaz em relação a Rute (Rt 4). A legislação aparece em Lv 25:25. Driver sugere “ reivindicar como direito” ou “ vindicar” como traduções possíveis com base nesse costume. Ao contrário do verbo pãdâh, gã’al sugere um relacionamento pessoal íntimo entre o redentor e o redimido e assim o termo é apropriado para descrever o DEUS da aliança.
7. Tomar-vos-ei por meu povo. Esta é uma das mais límpidas declarações causadas pela aliança. O pensamento é ampliado em 19:5,6, por ocasião da ratificação da aliança entre DEUS e Israel. Que vos tiro de debaixo das cargas do Egito. Este é o começo do grande credo da fé israelita, e aparece de forma mais distinta na introdução aos dez mandamentos (20:2). À medida que crescia a experiência de Israel com DEUS, novos “ artigos” eram acrescentados ao credo, mas este “ artigo” fundamental permaneceu o mesmo em toda a história da nação.
R. Alan Cole, Ph. D. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 80-81; 83.
ELABORADO: Pb Alessandro Silva.
Colaboração: Escriba Digital, Gospel books.