segunda-feira, 25 de março de 2019

Escrita Lição 13 - Orando sem Cessar, 1Tr19, Pr. Henrique, EBD NA TV

Lição 13 - Orando sem Cessar
1º Trimestre de 2019 - Batalha Espiritual: O povo de DEUS e a guerra contra as potestades do mal. - Comentário: Esequias Soares
Complementos, Ilustrações e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152-0454. - henriquelhas@hotmail.com
Para nos ajudar - conta Bradesco - 7074-2 agência 2365-5
 
Slides - https://ebdnatv.blogspot.com/2019/03/slides-licao-13-orando-sem-cessar-1tr19.html
Vídeo - https://www.youtube.com/watch?v=hduyKB36OiE
SlideShere https://www.slideshare.net/henriqueebdnatv/slides-da-lio-13-orando-sem-cessar-1tr19-pr-henrique-ebd-na-tv/henriqueebdnatv/slides-da-lio-13-orando-sem-cessar-1tr19-pr-henrique-ebd-na-tv
Veja ajuda escrita em:
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/oracao.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/orarnoespiritosanto.htm
 
Ajuda em Vídeos em: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv4trim2010.htm
 
 
 
 
 
TEXTO ÁUREO
"Orai sem cessar." (1 Ts 5.17)
 
VERDADE PRÁTICA
O Novo Testamento nos ensina que a oração deve ser uma prática contínua dos cristãos, desde a primeira até a segunda vinda de CRISTO.
 
LEITURA DIÁRIA
SEG. Sl 55.17: Era prática no período do Antigo Testamento orar três vezes ao dia
TER.   Ef 6.18: O Novo Testamento nos ensina a orar continuamente
QUA. Lc 5.16: JESUS vivia em constante oração, um exemplo a ser imitado
QUI. Lc 18.1: A parábola de juiz iníquo é um exemplo para nunca desistirmos da oração
SEX. Lc 21.36: JESUS espera nos encontrar em oração na sua vinda
SÁB. Ap 5.8: A oração dos crentes é como o incenso aromático que sobe às narinas de DEUS
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Mateus 6.5-13
5- E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. 6- Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará. 7- E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos. 8- Não vos assemelheis, pois, a eles, porque vosso Pai sabe o que vos é necessário antes de vós Iho pedirdes. 9- Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.
10- Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu.11- O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. 12- Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores.13- E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém!
 
OBJETIVO GERAL - Mostrar que a oração deve ser uma prática contínua dos cristãos.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Apresentar o conceito de oração;
Refletir a respeito da oração no Sermão do Monte;
Compreender o significado da oração modelo do Pai-Nosso.
 
INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado (a) professor (a), chegamos ao final de mais um trimestre com os nossos corações gratos ao Senhor pelo aprendizado de cada lição e com a certeza de que precisamos estar fortalecidos no Senhor para resistirmos às astutas ciladas do Diabo. E uma das maneiras de nos fortalecermos é mediante a oração. Por isso, na última lição estudaremos a respeito da oração, uma das nossas "armas espirituais" contra os ataques e ciladas do Inimigo. A oração não é somente uma fermenta na batalha contra o mal; ela é indispensável para uma vida cristã saudável e revela a nossa dependência de DEUS, fortalecendo a nossa comunhão com Ele.
Veremos no estudo dessa lição que JESUS, o Filho de DEUS, não somente nos deixou uma oração modelo, a oração do Pai-Nosso, mas Ele orou nos momentos mais marcantes do seu ministério terreno. JESUS orou antes da escolha dos discípulos, nos momentos que antecederam sua crucificação e orou até mesmo na cruz. Ele se dedicou à oração secreta e particular a fim de nos deixar o exemplo.
 
PONTO CENTRAL - Necessitamos orar sem cessar.
 
RESUMO DA LIÇÃO 13 - Lição 13 - Orando sem Cessar
I - A ORAÇÃO
1. Definição.
2. Exemplos bíblicos.
3. JESUS e a prática da oração.
II - A ORAÇÃO NO SERMÃO DO MONTE
1. Oração nas praças e nas sinagogas (v.5).
2. Oração em secreto (v.6).
3. As vãs repetições (v.7).
4. Entendendo o ensino de JESUS.
III - O PAI NOSSO
1. O nosso DEUS.
2. As nossas necessidades.
3. O livramento dos perigos.
 
SÍNTESE DO TÓPICO I- A oração é indispensável para uma vida de comunhão com DEUS.
SÍNTESE DO TÓPICO II - JESUS não somente orou, mas falou a respeito da oração no Sermão do Monte.
SÍNTESE DO TÓPICO III - O Pai-Nosso é a oração modelo ensinada por JESUS.
 
PARA REFLETIR - A respeito de "Orando sem Cessar", responda:
Como a Declaração de Fé das Assembléias de DEUS define a oração? A Declaração de Fé das Assembléias de DEUS define oração como "o ato consciente, pelo qual a pessoa dirige-se a DEUS para se comunicar com Ele e buscar a sua ajuda por meio de palavra ou pensamento".
Quem é o nosso maior exemplo de oração? O Senhor JESUS CRISTO.
Qual o modo de orar que JESUS condenou? JESUS condenou as vãs repetições.
Qual a importância da oração do Pai Nosso? Sua importância está no fato de ser uma oração modelo.
Quantas e quais são as partes do Pai Nosso em nossa lição? Podemos dividi-la em três partes, sobre o DEUS que adoramos, sobre as nossas necessidades e sobre os nossos perigos
 
Resumo rápido do Pr.Henrique
INTRODUÇÃO
A oração denominada pelos católicos apostólicos romanos como "Oração do Pai Nosso" que também é conhecida como a Oração Dominical, do latim Dominus, "Senhor", portanto a oração do Senhor, ou "a orientação na oração feita a DEUS que o Senhor JESUS ensinou aos apóstolos (esta a melhor forma de entender pelos evangélicos); é um dos textos mais conhecidos da Bíblia. No ecumenismo, ou festas ecumênicas, é com certeza a oração mais repetida como se fosse para ser assim usada em forma de reza. Antes de a ensinar, porém, JESUS disse: "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos". Mateus 6:7. JESUS não ensinou o que orar, mas como orar. Portanto rezar o pai nosso não é orar. Veremos mais nesta lição a respeito da oração e seus tipos e locais e posições, bem como aprenderemos com os principais homens de DEUS a orar de maneira que agrade a DEUS. Nosso exemplo maior é JESUS.
I - A ORAÇÃO
Todo cristão ora. Somos como peixes que nascem sabendo nadar. Assim o crente já nasce de novo sabendo orar. Desde o primeiro homem Adão até o último que existir na Terra, sempre a oração será feita entre os homens e DEUS. Até mesmo DEUS ora, pois JESUS orou enquanto estava aqui na Terra e ainda ora, bem como o ESPÍRITO SANTO.
Quem é que condena? Pois é CRISTO quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de DEUS, e também intercede por nós. Romanos 8:34
E da mesma maneira também o ESPÍRITO ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo ESPÍRITO intercede por nós com gemidos inexprimíveis. Romanos 8:26
Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a DEUS, vivendo sempre para interceder por eles. Hebreus 7:25
E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do ESPÍRITO; e é ele que segundo DEUS intercede pelos santos. Romanos 8:27
Adão quando falava e ouvia DEUS falar com ele estava orando, pois oração é um diálogo do homem com DEUS e de DEUS com o homem. Gn 2:16; 3:8-24.
1. Definição.
ORAÇÃO - Strong Português -  προσευχη proseuche - Lê-se prosefchie
προσευχομαι proseuchomai - oferecer orações, orar
 
A Declaração de Fé das Assembléias de DEUS define oração como "o ato consciente, pelo qual a pessoa dirige-se a DEUS para se comunicar com Ele e buscar a sua ajuda por meio de palavra ou pensamento".
A oração é uma necessidade de todo cristão. Não importa a posição do corpo ao orar, mas, o íntimo da mente e do coração, nossa intenção espiritual. DEUS conhece nossos pensamentos e intenção. Vamos a DEUS por vários motivos, Arrependimento, agradecimento, louvor, adoração, petição, intercessão, consagração, entrega, conheciemnto, sabedoria, amor, etc...
“Orai sem cessar" (1 Ts 5.17). Isso implica em ser dependente de DEUS em todo tempo e sempre que necessário orarmos, consultarmos a DEUS em tudo epara tudo.
 
POSTURA OU POSIÇÃO NA ORAÇÃO                                      
EM PÉ: 1 RS 8:22; Lc 18:11
ASSENTADO: At 2:2
AJOELHADO: Dn 6:10; Lc 22:41; Ef 3:14
DEITADO: Is 38:2; Sl 4:4; Sl 6:6
PROSTRADO: Mt 26:39; Js 5:14
INCLINADO: Ex 4:31; Ex 12:27; Ex 34:8;1 Rs 18:42
E Acabe subiu a comer e a beber; mas Elias subiu ao cume do Carmelo, e se inclinou por terra, e pôs o seu rosto entre os seus joelhos. 1 Reis 18:42
Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor JESUS CRISTO, Efésios 3:14
 
ORAÇÃO DE JESUS É SIMPLES, OBJETIVA, SUBMISSA, DE ENTREGA TOTAL A DEUS PAI.
E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e, pondo-se de joelhos, orava, Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua. Lucas 22:41,42
 
FORMAS DE ORAÇÃO:
COLETIVA OU PÚBLICA OU EM FAMÍLIA (ORAÇÃO PÚBLICA DE JESUS: Lc 3:21 )
ORAÇÃO DE CONCORDÂNCIA: Mt 18:19; At 1:14; At 4:24,37
SECRETA: Mt 6:6
ORAÇÃO PERDOADORA: Mt 6: 14,15
 
QUE HORA DEVEMOS ORAR?
ORAÇÃO PELA MANHÃ: Mc 1:35; Dn 6:10; Sl 55:17
ORAÇÃO À TARDE: Dn 6:10; At 3:1; Sl 55:17
ORAÇÃO À NOITE: Lc 6:12; Dn 6:10; Sl 55:17
 
DEUS OUVE NOSSAS ORAÇÕES?
DEUS OUVE AS ORAÇÕES: Sl 65:2
AS NOSSAS ORAÇÕES CHEGAM AO CÉU: Ap 5:8
ORAR PELA MADRUGADA
Começar o dia em oração é muito importante e DEUS se agrada daquele que lhe dá o mais importante momento de sua vida para ELE.
Mas, se tu de madrugada buscares a DEUS, e ao Todo-Poderoso pedires misericórdia;

Jó 8:5
Mas, se tu de madrugada buscares a DEUS, e ao Todo-Poderoso pedires misericórdia; Jó 8:5
Eu amo aos que me amam, e os que cedo me buscarem, me acharão. Provérbios 8:17
 
Mas, se tu de madrugada buscares a DEUS, e ao Todo-Poderoso pedires misericórdia;

Jó 8:5
 
ORAÇÃO
Diálogo com DEUS, tendo como intercessores o ESPÍRITO SANTO e JESUS.
A base da batalha espiritual é a oração.
O diabo só fugirá de nós se estivermos em total submissão a DEUS.
Is 10:27 E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo, do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção

ORAÇÃO É A BASE DA ARMADURA.
VEJA QUE A ORAÇÃO É NO ESPÍRITO SANTO.
ESPÍRITO está em letra maiúscula.
Ef 6:18 Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no ESPÍRITO, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos.

TODA ORAÇÃO DEVE CONTER PELO MENOS:
1- Arrependimento.
2- Agradecimento (ação de graças).
3- Louvor (pelo que DEUS fez, faz ou fará).
4- Adoração (pelo que DEUS é).
5- Petição (pedir para mim mesmo).
6- Intercessão (Orar por outrem, por nações, por autoridades, por família, etc...).
7- Consagração (ou entrega de si mesmo e se tudo o que tem a DEUS, em total submissão).
8- Transferência (Confiar em DEUS na solução se todos nossos problemas).
9- Certeza de ser ouvido e atendido.
10- Comunhão (Desejo de ser mais íntimo, de conhecer mais de DEUS, de ter um encontro com DEUS).
Efésios 6.18 ORANDO... NO ESPÍRITO. A guerra do cristão contra as forças espirituais de Satanás exige dedicação a oração, i.e., orando "no ESPÍRITO", "em todo tempo", "com toda oração e súplica", "por todos os santos", "com toda perseverança". A oração não deve ser considerada apenas mais uma arma, mas parte do conflito propriamente dito, onde a vitória é alcançada, mediante a cooperação com o próprio DEUS. Deixar de orar diligentemente, sob todas as formas de oração, em todas as situações, é render-se ao inimigo e deixar de lutar (Lc 18.1; Rm 12.12; Fp 4.6; Cl 4.2; 1 Ts 5.17).
QUEM SÃO OS SANTOS PELOS QUAIS DEVEMOS ORAR?
Ef 6:18 Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos.
Súplicas significa δεησις deesis = necessidade, indigência, falta, privação penúria; o ato de pedir, petição, súplica, pedido a Deus.
Quem são os Santos?
At 9:13 Respondeu Ananias: Senhor, a muitos ouvi acerca desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; 
At 9:32 E aconteceu que, passando Pedro por toda parte, veio também aos santos que habitavam em Lida.
Rm 12:13 acudi aos santos nas suas necessidades, exercei a hospitalidade; 
Rm 15:25 Mas agora vou a Jerusalém para ministrar aos santos.
Rm 15:31 para que eu seja livre dos rebeldes que estão na Judeia, e que este meu ministério em Jerusalém seja aceitável aos santos; 
1Co 1:2 à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para serem santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: 
Ef 1:1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus:

1 Coríntios 1:2 esclarece bem quem são os santos. Ou seja, a igreja.
OU SEJA, OS QUE ESTÃO VIVOS E FORMAM A IGREJA DE CRISTO NA TERRA. O CORPO DE CRISTO, A IGREJA.
 Jd 1.20 = Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no ESPÍRITO SANTO.
 
    1- Falar Em Línguas:
    É realmente complicado convencer alguém que orar no ESPÍRITO SANTO significa orar em línguas, pois temos que "respeitar" ou talvez o termo seja "temer" os que não são batizados no ESPÍRITO SANTO, apesar de pertencerem a uma Igreja Evangélica, tradicionalmente pentecostal.
    Vemos a respeito da necessidade de ser batizado no ESPÍRITO SANTO quando os Apóstolos  enviaram uma comitiva de irmãos a Samaria, onde Filipe pregava o evangelho e multidões se convertiam pelo poder dos sinais que fazia, porém ainda não eram batizados no ESPÍRITO SANTO. (At 8.13-17)
    Como uma Igreja pode crescer qualitativamente e não só quantitativamente, se seus membros não vêm a necessidade de serem cheios do ESPÍRITO SANTO e conseqüentemente do poder para testemunharem? (Lc 24.9; At 1.8)
 
  1.1- Língua para oração: 
    "Porque se eu orar em língua, o meu espírito ORA BEM, mas o meu entendimento fica infrutífero."(I Co 14:14). Você quer orar bem? Veja também em Rm 8.26 que não sabemos pedir como convém, mas o ESPÍRITO SANTO sabe o que precisamos e ELE sabe pedir.  
 
    1.2- Fala com DEUS:
     "Porque o que fala em língua não fala aos homens, mas a DEUS; pois ninguém o entende; porque em espírito fala mistérios."(I Co 14:2). Por isso é tão combatido o falar em línguas, pois nem Satanás entende.  
 
    1.3- Edificação própria:
     "O que fala em língua edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja."(I Co 14:4)
    Você quer ser edificado? "Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé,  orando no ESPÍRITO SANTO," Jd.20 (orar no ESPÍRITO, não quer dizer orar em pensamento e sim falando em línguas.
 
    1.4- Falar muito em línguas, muitas horas de edificação: 
    1 Co 14.18 Dou graças a DEUS, que falo em línguas mais do que vós todos.
Porque, se eu orar em língua desconhecida, o meu espírito ora bem, mas o meu entendimento fica sem fruto.
Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento. 1 Coríntios 14:14,15
Interceder:
O ESPÍRITO SANTO É NOSSO INTERCESSOR NA TERRA: (Rm 8.26,27)
E da mesma maneira também o ESPÍRITO ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo ESPÍRITO intercede por nós com gemidos
inexprimíveis. E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do ESPÍRITO; e é ele que segundo DEUS intercede pelos santos.
 
 
Definição de Intercessão:
Interceder é colocar-se no lugar de outro e pleitear a sua causa, como se fora sua própria. É estar entre DEUS e os homens, a favor destes, tomando seu lugar e sentindo sua necessidade de tal maneira que luta em oração até a vitória na vida daquele por quem intercede.
Há muitas definições que nós poderíamos dar sobre intercessão. A mais simples está na Bíblia: "Orai uns pelos outros" (Tg. 5:16). Ela está cheia de exemplos: Abraão suplicou por Ló e este foi liberto da destruição de Sodoma e Gomorra; Moisés intercedeu por Israel apóstata e foi ouvido; Samuel orou constantemente pela nação; Daniel orou pela libertação do seu povo do cativeiro; Davi suplicou pelo povo; CRISTO rogou por Seus discípulos e fez especial intercessão por Pedro; Paulo é exemplo de constante intercessão. Toda a Igreja é chamada ao fascinante ministério da intercessão.
O intercessor é o que vai a DEUS não por causa de si mesmo, mas por causa dos outros. Ele se coloca numa posição de sacerdote, entre DEUS e o homem, para pleitear a causa.
Intercessão é dar à luz no reino do espírito às promessas e propósitos de DEUS. É uma oração para que a vontade de DEUS seja feita na vida de outros; é descobrir o que está no coração de DEUS e orar para que isso se manifeste.
DEUS levanta hoje um verdadeiro exército de intercessores.  Ele está para trazer à Terra o maior derramamento do ESPÍRITO já testemunhado. Para tanto, Seu ESPÍRITO traz ao Corpo de CRISTO um peso de intercessão, pois a oração intercessória é a ferramenta usada por Ele para manifestar na vida dos homens Seus poderosos feitos.
Interceder é ver a necessidade da intervenção de DEUS nas mais diversas situações. É captar a mente de CRISTO, de modo a ver as circunstâncias como CRISTO as vê, e unir-se a Ele em súplica para que DEUS se mova de tal maneira que sua vontade e propósito Divinos sejam cumpridos nas vidas dos homens e das nações.
 
 
Etimologia da Palavra
Etimologicamente, podemos considerar a palavra no hebraico, grego e português. É interessante estudarmos o significado das palavras nas línguas originais, porque em assim fazendo temos um entendimento melhor do que elas significam.
 
Interceder - hebraico -  palal - Strong Português -  פלל palal
1) intervir, interpor-se, orar
1a) (Piel) mediar, julgar
1b) (Hitpael)
1b1) interceder
1b2) orar
Vem da raiz de uma palavra que significa "colidir pela violência". Palal segundo a Concordância de Strong, quer dizer: "colidir, encontrar, por acidente ou violência, ou (figuradamente) pela importunação. Vir (entre), suplicar, cair (sobre), fazer intercessão, interceder, pleitear, prostrar, encontrar com (juntos), suplicar, orar, alcançar, correr". É esta a palavra usada em Is. 55:12; Jr. 7:16; 27:18; 36:25.
O Léxico Hebraico-Caldeu do Velho Testamento, de H.W.F. Gesenius, ressalta vários significados existentes na raiz da palavra. Destacamos: "Vir sobre ou contra, quer de propósito ou acidentalmente, quer violenta ou levemente; num bom sentido, assaltar alguém com petições, orações; instá-lo; encontrar-se com; alcançar alguém; fazer uma aliança com alguém..."
Interessantes são também as expressões: "colocar-se na brecha", para defender alguém (Ez. 13:5; 22:30; SI. 106:23) e "erguer um muro em torno de alguém" (Ez. 13:6; 22:30).
Ënteuxis (grego) - (substantivo) De acordo com W. E. Vine, em seu Expository Dictionary of the New Testament Words, "primariamente denota encontrar-se com; então, uma conversação; uma petição; é um termo técnico de aproximação de um rei, bem como para a aproximação de DEUS em intercessão; é traduzido para oração em 
I Tm. 4:5 e no plural em I Tm. 2:1 (isto é, procurando a presença e ouvindo de DEUS a favor de outros).
Entugchano (grego) - (verbo) Segundo W. E. Vine, "primariamente harmonizar-se com, encontrar-se com o fim de conversar; então, fazer petição, especialmente intercessão, pleitear com uma pessoa, tanto a favor quanto contra outros;  
(a) contra: At. 25:24; Rm. 11:2; 
(b) a favor: Rm. 8:27,34; Hb. 7:25.
Huperentugcha no grego) - Interceder a favor de; fazer intercessão por. 
Interceder, segundo o Dicionário de Aurélio, é "pedir, rogar, suplicar (por outrem); intervir (a favor de alguém ou de algo)"
O Dicionário da Bíblia, de Nelson, declara: "O ato de peticionar a DEUS ou orar a favor de outra pessoa ou grupo." 
 
A natureza pecaminosa deste mundo separa os seres humanos de DEUS. Tem sido necessário, portanto, que pessoas justas vão a DEUS buscar reconciliação entre Ele e Sua criação caída."
 
Encontro e Confronto
A palavra hebraica, paga, para intercessão, tem dois aspectos: O primeiro é de luta, violência, choque e denota confronto. O outro, de encontro, colocar-se entre, orar, suplicar. Concluímos, pois, que a intercessão tem duas facetas: Uma de confronto com o inimigo e outra de encontro com o Rei.
O homem não tem autoridade para confrontar o seu Criador. Vamos a DEUS com uma atitude de quebrantamento e submissão. Contra quem, pois, se colide na intercessão? Contra o que se opõe aos planos de DEUS na vida dos filhos dos homens.
No sentido lato da palavra, interceder é enfrentar as forças opostas de Satanás, colidindo contra elas, pela batalha espiritual, e colocar-se diante de DEUS, firmado em Suas promessas, a fim de pleitear a causa de outros; é um  encontro com DEUS e um confronto com Satanás, a favor dos homens.
 
Filipenses 4:6-7
"Não andeis ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e pela súplica, com ações de graças, sejam as vossas petições conhecidas diante de DEUS; e a paz de DEUS, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e mentes em CRISTO JESUS"
Saúda-vos Epafras, que é dos vossos, servo de CRISTO, combatendo sempre por vós em orações, para que vos conserveis firmes, perfeitos e consumados em toda a vontade de DEUS. Colossenses 4:12
Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; 1 Timóteo 2:1
Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.

Tiago 5:13
Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.

Tiago 5:13
Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.

Tiago 5:13
Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.

Tiago 5:13
Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.

Tiago 5:13
Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores. Tiago 5:13
Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos. Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra.E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto. Tiago 5:16-18
2. Exemplos bíblicos.
Adão quando falava e ouvia DEUS falar com ele estava orando, pois oração é um diálogo do homem com DEUS e de DEUS com o homem. Gn 2:16; 3:8-24. Portanto Adão fez a primeira oração e ensinou seus filhos a orar.
Sete, filho de Adão e Eva, nasceu: "Então, se começou a invocar o nome do SENHOR" (Gn 4.26).
A partir desta época, DEUS ouve as orações, mas não fala diretamente com o homem como falou com Adão, Caim e Abel. Somente homens especiais como Enoque, Noé, Abraão, Isaque e Jacó (Gn 20.17; 25.21; 32.9-12), Moisés (Êx 33:11; Nm 12:8), Samuel e Elias, Davi, Salomão e Ezequias (Êx 8.30; 1 Sm 8.6; 1 Rs 17.19-22; 2 Rs 19.15) etc... puderam falar diretamente com DEUS e O ouvir falar com ele.
No Novo Testamento JESUS falou diretamente e pessoalmente com os homens e depois de sua morte e ressurreição continuou falando em aparições a Maria Madalena, mais de 500 irmãos e a alguns outros como Pedro, Tiago e Paulo.
E andou Enoque com DEUS, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com DEUS; e não apareceu mais, porquanto DEUS para si o tomou. Gênesis 5:22-24.
Haveria coisa alguma difícil ao Senhor? Ao tempo determinado tornarei a ti por este tempo da vida, e Sara terá um filho. Gênesis 18:14
E apareceu-lhe o Senhor, e disse: Não desças ao Egito; habita na terra que eu te disser; Gênesis 26:2
Lutou com o anjo, e prevaleceu; chorou, e lhe suplicou; em Betel o achou, e ali falou conosco (sobre Jacó), Oséias 12:4
E falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo; depois tornava-se ao arraial; mas o seu servidor, o jovem Josué, filho de Num, nunca se apartava do meio da tenda. Êxodo 33:11
E sucedeu que, ouvindo-a Elias, envolveu o seu rosto na sua capa, e saiu para fora, e pôs-se à entrada da caverna; e eis que veio a ele uma voz, que dizia: Que fazes aqui, Elias? 1 Reis 19:13
E orou Eliseu, e disse: Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu. 2 Reis 6:17.
Então DEUS disse a Salomão: Porquanto houve isto no teu coração, e não pediste riquezas, bens, ou honra, nem a morte dos que te odeiam, nem tampouco pediste muitos dias de vida, mas pediste para ti sabedoria e conhecimento, para poderes julgar a meu povo, sobre o qual te constituí rei, 2 Crônicas 1:11.
Então virou o rosto para a parede, e orou ao Senhor, dizendo: Ah, Senhor! Suplico-te lembrar de que andei diante de ti em verdade, com o coração perfeito, e fiz o que era bom aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo. 2 Reis 20:2,3.
Então disse eu: Senhor, que farei? E o Senhor disse-me: Levanta-te, e vai a Damasco, e ali se te dirá tudo o que te é ordenado fazer. Atos 22:10
E disse o Senhor em visão a Paulo: Não temas, mas fala, e não te cales; Atos 18:9
3. JESUS e a prática da oração.
JESUS sentia a comunhão com o PAI na oração. Orava por prazer de conversar com o PAI. Gostava de passar tempo com DEUS em oração. Orava também para tomar decisões, para fazer milagres, para agradecer.
Ele, porém, retirava-se para os desertos, e ali orava. Lucas 5:16
Tiraram, pois, a pedra de onde o defunto jazia. E JESUS, levantando os olhos para cima, disse: Pai, graças te dou, por me haveres ouvido. João 11:41
Naquele tempo, respondendo JESUS, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Mateus 11:25
E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade. Mateus 26:42
E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e, pondo-se de joelhos, orava, Lucas 22:41
E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se como grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão. Lucas 22:44
“Eu e o Pai somos um”, disse JESUS aos judeus no Pórtico de Salomão (Jo 10.30). Apesar da completa intimidade com o Pai, JESUS era um homem de oração? A resposta, a mais explícita possível, é da lavra daquele que escreveu a Epístola aos Hebreus: “Durante a sua vida aqui na terra, CRISTO, em alta voz e com lágrimas, fez orações e súplicas a DEUS, que o podia salvar da morte. E as suas orações foram atendidas porque ele era dedicado a DEUS” (Hb 5.7).
Só no último dia de vida (a sexta-feira começava na noite de quinta-feira), JESUS orou três vezes: no Cenáculo, no Getsêmani e no Calvário. Na sala ampla e mobiliada, ele orou pelos discípulos e por aqueles que creriam nele (Jo 17.20). No Getsêmani, JESUS orou por ele mesmo: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice” (Mt 26.39). Na cruz, das sete palavras ali proferidas, três foram orações: a primeira, em favor daqueles que o crucificavam (“Pai, perdoa-lhes”); as outras duas, em favor dele mesmo (“DEUS meu, DEUS meu, por que me abandonaste?” e “Pai, nas tuas mãos entrego meu ESPÍRITO!”).
 
Além das orações feitas na cruz, o Evangelho de Lucas menciona a vida de oração de JESUS em cinco passagens:
 
5.16 -- Mas JESUS retirava-se para lugares solitários e orava.
6.12 -- Num daqueles dias, JESUS saiu para o monte a fim de orar, e passou a noite orando a DEUS.
9.18 -- Certa vez JESUS estava orando em particular, e com ele estavam os seus discípulos.
9.28 -- Aproximadamente oito dias depois de dizer essas coisas, JESUS tomou consigo a Pedro, João e Tiago e subiu a um monte para orar.
11.1 -- Certo dia JESUS estava orando em um determinado lugar.
 
A esta lista, deve-se acrescentar a passagem de Marcos 1.35: “De madrugada, quando ainda estava escuro, JESUS levantou-se, saiu de casa e foi para um lugar deserto, onde ficou orando”.
 
Não se diz que JESUS orava naqueles horários rígidos de oração, pela manhã, ao meio-dia e à tarde (Sl 55.17; Dn 6.10). Ele orava mais durante a noite do que durante o dia, mais nas montanhas do que em outro lugar. Uma coisa é certa: as orações do Senhor não eram rotineiras e cheias de vãs repetições.
 
Influenciado pela vida de oração de JESUS, um dos discípulos lhe disse: “Senhor, ensina-nos a orar, como João ensinou os discípulos dele” (Lc 11.1). Foi nessa ocasião que JESUS ofereceu o modelo universal da oração dominical e discorreu sobre a perseverança na oração e sobre a boa vontade de DEUS em nos ouvir e responder (Lc 11.2-13).
 
Há uma relação das orações de JESUS com os acontecimentos anteriores ou posteriores que o envolviam, como se pode ver nos textos que as seguem ou antecedem.
Marcos 1:35
”Agora pela manhã, tendo levantado muito antes da luz do dia, ele se foi e partiu para um lugar solitário; e lá ele orou.”
Mateus 14:23
“E quando Ele despediu as multidões, Ele subiu a montanha sozinho a fim de orar. Agora quando a tardinha veio, ele estava lá só.”
Lucas 6:12 -13
“Agora aconteceu naqueles dias que Ele subiu a montanha para orar, e orou continuamente durante toda a noite a DEUS. E quando se fez dia ele chamou os seus discípulos para junto de si; e deles ele escolheu doze a quem ele chamou de apóstolos.”
 
JESUS é o maior exemplo de oração para os cristãos.
 
II - A ORAÇÃO NO SERMÃO DO MONTE
1. Oração nas praças e nas sinagogas (v.5).
Não é a oração em si, mas a motivação em si. Para ser considerado santo mais do que os outros e para ganhar dinheiro. JESUS não proibiu orara nas ruas e sinagogas, já que Ele mesmo fazia isto.
2. Oração em secreto (v.6).
A mais importante oração. Só eu e DEUS. Prometida recompensa pública. JESUS não disse que só essa era importante. Existem outras e devem ser feitas. Exemplo: Em família, Casas, Hospitais, Colégios, Prisões, Igreja, etc...
3. As vãs repetições (v.7).
JESUS repetiu três vezes a mesma oração no Getsêmani, mas isso não é vã repetição. Vã repetição é repetir sempre uma oração decorada. Se decorarmos o Pai Nosso e o repetirmos todos os dias será uma vã repetição. Exemplo: Terço católico; A Salá, Salat ou Salah (em árabe: صلاة) refere-se às cinco orações públicas que cada muçulmano deve realizar diariamente, voltado para Meca; Hindus em seus mantras; Budistas e seus terços e várias outras religiões com suas vãs repetições.
4. Entendendo o ensino de JESUS.
 
ORAÇÃO
O Vocabulário Bíblico - Wycliffe Bible Dictionary
A terminologia da oração é rica e variada na Bíblia Sagrada. O termo geral hebraico é tepilla, de uma forma do verbo palal - o termo grego é proseuche, onde o passivo médio é proseuchomai. A idéia básica da palavra hebraica é a intercessão, e da palavra grega é o voto, mas essa etimologia não é mais o determinante de seu significado. As duas palavras podem ser usadas de forma abrangente para qualquer tipo de solicitação, intercessão ou ação de graças (veja Súplica). A oração é descrita como o ato de “invocar o nome do Senhor" desde os dias de Sete (Gn 4.26) até a época em que o “Senhor” se revelou como o Salvador, JESUS CRISTO (cf. Jl 2.32, com Rm 10.9,12,13). Os cristãos identificam- se com aqueles que invocam seu nome (1 Co 1.2). Outras expressões do AT são 1'suplicar” ou “procurai o favor” de Jeová (pi‘d de hala, literalmente “tornar-se agradável à sua face”), “curvar-se em adoração’’ (shaha), “aproximar-se” (nagash), “ver” ou “encontrar” para suplicar (paga), “implorar” (sa‘aq) para reparar uma falta, “pedir” (sha’al), “suplicar” Çathar) ou “comparecer perante a face do Senhor”. Além de proseuckomoai,, os autores do NT usam os termos “implorar” (deomai), “solicitar” (aiteo) ou simplesmente “pedir” (erotao) quando se referem à oração. Ao contrário de proseiíe/tomaí, essas palavras não são caracteristicamente “religiosas” e podem denotar pedidos dirigidos tanto aos homens quanto a DEUS. Entre as palavras mais específicas para oração estão entygkano (“interceder"), proskyneo (“adorar”), e eucharisteo (dar graças).
Antigo Testamento
Não havia a exigência de uma postura para o exercício da oração e, na maioria das vezes, as orações eram feitas em pé (por exemplo, 1 Sm 1.26); a grande oração da sinagoga hebraica deveria ser chamada de “oração em pé” ÍAmidah). Entretanto, em certas ocasiões, as pessoas podiam orar ajoelhadas (1 Rs 8.54) ou prostradas (1 Rs 18.42) com as mãos estendidas (1 Rs 8.22,54; Is 1.15) ou levantadas (Sl 63.4; cf. 1 Tm 2.8). Essas orações eram sempre feitas de frente para o Templo porque era o lugar onde DEUS navia dito que o seu nome estaria (1 Rs 8.29,30). Após a destruição do Templo, às vezes as orações eram feitas em direção a Jerusalém (Dn 6.10). Entretanto, Salomão reconheceu inicialmente, “Eis que os céus e até o céu dos céus te não poderiam conter, quanto menos esta casa que eu tenho edificado” (1 Rs 8,27 ). A postura, o local onde a oração era feita, e as necessidades pelas quais se faziam as súplicas, não representavam a principal preocupação dos autores hebreus.
No AT, a oração pode ser adequadamente descrita em termos dos grandes homens de IsTael que aparecem muitas vezes como grandes intercessores perante DEUS em nome do povo. Nessa função, eles manifestaram uma incrível coragem e persistência. Abraão implora a DEUS pela pecadora Sodoma, insistindo de forma obstinada no número de justos pelos quais a cidade poderia ser poupada (Gn 18.22-33).
Jacó luta com o anjo (Gn 32.24-32), uma experiência que foi interpretada no próprio AT em termos de oração (Os 12.4).
Moisés pede para seu nome ser apagado do livro da vida, se DEUS não perdoar aqueles qne adoraram o bezerro de ouro (Ex 32.31ss.; cf. Nm 14.13-19). As orações relativas à experiência do exílio são feitas com o mesmo espírito de intercessão, mas com uma ênfase maior na humildade, na confissão e no arrependimento; por exemplo, as orações de Daniel (Dn 9.3-19), Esdras (Ed 9.5-15) e Neemias (Ne 1.5-11), A grande oração da aliança expressa em Neemias 9.10 representa toda a história sagrada desde Abraão até Esdras com suas características de pecado, confissão, perdão, renovação, e votos de fidelidade à lei de DEUS.
Nesse último período, a oração também assumiu aspectos comunitários. O livro dos Salmos é o livro de orações do AT, abrangendo todo tipo imaginável de oração - louvor, súplica, intercessão e ação de graças. Provavelmente, a maioria dos Salmos era originalmente composta como expressões de piedade individual, porém eles logo foram adotados pelo culto conjunto da comunidade israelita. Seu título genérico é Fhillim, ou “louvores” (q.v.), em um sentido mais amplo, embora alguns Salmos sejam chamados de “orações” (Ppülim como, por exemplo, o Salmo 72.20 no final do Livro 2 dos Salmos). Muitos outros salmos também poderiam, de uma forma geral, receber essa classificação. Merecedores de particular atenção são os chamados Salmos imprecatórios, nos quais o justo sofredor identifica de tal forma os seus interesses com os interesses de DEUS, que sua súplica por vingança é acompanhada por um corolário, uma oração pela derrota de seus inimigos. Essa “intercessão ao reverso” pode ser vista em vários Salmos, como por exemplo nos de número 109, 137 e 140, que são simplesmente um exemplo especial de súplicas queixosas pela libertação das condições de tribulação daqueles que sofrem injustamente em toda a Bíblia (cf, as frases ^Espe- ra no Senhor”, 27.14; “Até quando... Senhor... até quando?”, 13.1; e “Desperta, por que dormes, Senhor?”, 44.23). É esse tipo de oração que forma a base da oração escatológica do NT (cf. Lc 18.7; Ap 6.10).
Na outra extremidade do espectro estão as orações penitenciais nas quais o justo torna- se mais consciente de seus pecados do que de seus inimigos externos, e suplica o perdão divino, muitas vezes com uma urgência idêntica e quase escatológica (por exemplo, Sl 32, 38. 51). Tem sido afirmado, com muita veracidade, que quando os homens sofrem ofensas, eles clamam por justiça; mas quando pecam, oram pedindo misericórdia. Entretanto, a resposta do AT a essas duas orações é a mesma; a “justiça” (sedeq), o “amor constante” (hesed), a “fidelidade” ( emano) e a “verdade” Ceniet) de Jeová.
Novo Testamento
1. JESUS nos Sinóticos. A vida sinótica de JESUS é uma vida de oração, especialmente em Lucas. JESUS tinha o hábito de se retirar para um lugar isolado a fim de orar, muitas vezes antes do nascer do sol e até mesmo durante toda a noite (Mc 1.35; Lc 5,16; 6.12). Lucas menciona a oração nas ocasiões das grandes crises do ministério do Senhor JESUS: no batismo (3.21,22), na escolha dos doze apóstolos (6,12ss,), na confissão de Pedro (9.18ss.) e na transfiguração (9,28ss.). Os últimos dias de JESUS em Jerusalém, antes de sua paixão, foram divididos entre o ensino diário no Templo e a oração noturna no monte das Oliveiras (Lc 21.37ssj. Em Lucas, o discurso escatológico é dado como exemplo do primeiro (21.20-33) e a agonia no jardim como exemplo da última (cf. 22.39ss.).
Esse comportamento tornou-se um modelo para a comunidade cristã primitiva (cf. Act 1.14,24; 2.42,46; 5.20,21,42; 6.4,6; 10.9; 12.5ss.;16.25; 20.7ss.), e o próprio Senhor JESUS tomou-se, para o crente, o grande exemplo da oração vigilante e sincera (cf. “Vigiai e orai”, Mc 14.38; Lc 21.36). Segundo Lucas, até mesmo duas de suas palavras na cruz são orações - palavras de intercessão (23.34) e de confiança (23.46). A última, baseada no Salmo 31.5, equivale a uma oração que o Talmude recomenda que os judeus fiéis Façam todas as noites antes de dormir (“Nas tuas mãos, entrego o meu espírito", Berakoth 5b).
Inicialmente, parece que o Senhor JESUS não havia ensinado sens discípulos a participarem de sua vida de oração, ao contrário de João Batista e outros mestres religiosos (Lc 5.33). Mas quando pediram (Lc 11.1), Ele ensinou-lhes a oração do “Pai Nosso”, que veio a ser chamada de “Oração do Senhor” (Mt 6.9- 13; Lc 11.2-4). Embora a maior parte dessa oração possa ser considerada um paralelo com a adoração judaica na sinagoga (por exemplo, o Kaddish das lamentações: “Santificado e exaltado seja o sen grande nome, no mundo que Ele criou, de acordo com a sua vontade. Que Ele estabeleça seu reino durante a nossa vida... rapidamente e em um futuro próximo..,״). A menção direta do “Pai” (Lc 11.2) torna toda essa oração especiahnente cristã. Não se trata de uma oração que une os homens de todas as crenças, mas ela é distintamente a oração daqueles que são “filhos de DEUS” através e JESUS CRISTO (cf, a forma aramaica do verbo “Aba” que aparece em duas grandes passagens relacionadas à “adoção”, a saber, Romanos 8.15 e Gálatas 4.6). Dessa forma, o Senhor JESUS transferiu aos discípulos a especial consciência de DEUS como “Pai”, o que para eles se tornou a base de toda a súplica (cf. Jo 20.17). Sua própria oração no Getsêmani é um eco da oração ao “Pai” em diversos pontos (por exemplo, “Aba”, “tentação”, “Seja feita a tua vontade”).
O Senhor JESUS advertiu contra a hipocrisia, a incoerência e a monotonia das ovações (Mt 6.5-8), mas não contra a ousadia ou a persistência. Embora Ele insista que o “Pai sabe o que vos é necessário antes de vós lho pedirdes” (Mt 6.8; cf. v. 32), JESUS recomendou a insistência em duas de suas parábolas (Lc 11.5-13; 18.1-8), especialmente em relação às realidades do ESPÍRITO SANTO (11.13), e à vindicação fina! (18.7ss.). A determinada expectativa da consumação, enunciada por JESUS em “Venha o teu reino” tem o seu eco no termo “maranata” de 1 Coríntios 16.22 e na expressão equivalente “Ora, vem, Senhor JESUS”, de Apocalipse 22.20. Veja Oração do Senhor.
Outras ênfases memoráveis no ensino de JESUS sobre a oração são; (a) Sua exclusão de toda ansiedade quanto às coisas materiais (Mt 6.11,19-34); Ib) Sua radical garantia de que a oração do crente será atendida (Mt 7.7; 18.19; Mc 11.23ss.); e (c) Sua inseparável ligação entre a oração e o perdão (Mt 6.12,14; 7.1-12; 18,15-22; Mc 11.25; cf. Mt 5.23ss.). No homem, a relação entre a oração e DEUS depende de sua relação com os outros homens; o perdão vem pela oração, e se não houver um perdão mútuo, a própria oração será ineficaz.
2. Atos. Se Lucas é o evangelho da oração, o livro que o acompanha, Atos, mostra a igreja primitiva como uma comunidade de oração. Os discípulos oram enquanto esperam pelo ESPÍRITO SANTO (Lc 24.53; Act 1.14) e depois de sua vinda as principais práticas da jovem igTeja podem ser resumidas entre “ensinar”, “dividir os bens”, “distribuir o pão” e “orar” (2.42-45). Lucas descreve essa vida inicial de oração como perseverante e dotada de uma concordância (por exemplo, 1.14; 2.42,46). Como no evangelho de Lucas, a oração acompanha as crises de decisão (Act 1.24), de libertação (4.24ss.; 12.5; 16.25) ou de confiança (7.60). Ela também está permanentemente associada à prática da imposição de mãos, e à vinda do ESPÍRITO SANTO sobre indivíduos ou grupos (6.6; 8.14-17).
3. Paulo. A contribuição paulina à teologia da oração do NT é a sua grande ênfase na ação de graças. O fato de todas as suas epístolas, exceto Gálatas e Tito, terem uma expressão de ação de graças ou bênção de DEUS logo de início, ou pouco depois da saudação, não pode ser explicada apenas como nma mera forma epistolar, pois está enraizada na teologia paulina. Paulo acreditava que toda oração deve incluir a ação de graças (Fp 4.6; Cl 4.2), pois as ações de graças (eucharistia) faziam com que a glória ascendesse a DEUS pela graça (charis) que havia descido sobre nós em JESUS CRISTO (cf. 2 Co 1.11; 4.15; 9.11ss.).
A ação de graças era a resposta, plantada pelo ESPÍRITO SANTO no coração dos homens, pelos grandes atos redentores de DEUS (por exemplo, o nosso “Amém”, 2 Co 1.20-22). Junto com ela, Paulo fala sobre aquela inspiração pela qual o crente, que vive entre as primícias e a colheita, espera a completa redenção concedida por CRISTO (Rm 8,15-25). As vezes, essas orações não eram expressas por palavras, porém formadas dentro do coração pelo ESPÍRITO de DEUS (Rm 8.26,27), e às vezes eram feitas em “línguas”, inteligíveis somente por DEUS ou por aqueles que tinham o dom da interpretação (1 Co 14, especialmente os versículos 2,14,15).
A extensão do interesse de Paulo pela oração pode ser vista na forma como ela serve para uni-lo espiritualmente às igrejas (mesmo no assunto da disciplina, 1 Co 5.3ss.). A inais generalizada de suas epístolas, Efésios, está inserida em uma estrutura de oração e louvor (cf. Ef 1.3-14,15-23; 3.1,14-19,20,21) que se tornou o veículo de suas mais profundas declarações sobre a Igreja. O ensino geral de Paulo sobre a oração foi muito bem resumido em 1 Timóteo 2.1-9.
4. Hebreus é importante não pelo seu ensino direto sobre a oração, mas por causa de sua doutrina a respeito do Senhor JESUS CRISTO como o Grande Sumo Sacerdote que, por sua intercessão junto ao Pai, torna possível a oração cristã.
5. Tiago está preocupado com o uso correto e errado da língua (3.1 ss.). O errado inclui o falso ensino (3.1), a blasfêmia (3.9), as queixas (4.11; 5.9) e os juramentos (5.12); o uso correto inclui a oração pela sabedoria (1.5ss.), pela justiça (5.4-8), pela cura e pelo perdão (5.13-20). Tiago reconhece que existe algo chamado “pedido impróprio” (4.3) quando diz “pedis mal”, e previne contra a inconstância ae alguém que pretende se submeter a DEUS enquanto está, na verdade, procurando os seus próprios objetivos (1.7ss.; 3.8ss.; 4;4,8ss.). Ele ensina que a oração, oferecida com fé, é “eficaz” (em grego energoumene), quando trabalhada e reforçada pelo ESPÍRITO SANTO, e assim alcançará muitas coisas (5.15,16).
6. João. O Senhor JESUS viveu em uma comunhão tão íntima com DEUS Pai, que a primeira de suas orações, que João teve a inspiração de registrar, foi uma ação de graças que o Pai já tinha ouvido dele (Jo 11.41ss.). Quando Ele diz “Pai, glorifica o teu nome”, vem a resposta “Já o tenho glorificado, e outra vez o glorificarei" (12,28), A oração junto ao túmulo de Lázaro no capítulo 11, e a voz do céu no capítulo 12, não foram registradas para exaltar o próprio Senhor JESUS, mas para mostrar que o seu poder e glória não são somente seus; eles pertencem Aquele que o enviou (11.42; 12.30) e devem ser invocados através da oração. Aqueles que acusam João de negar a humildade e a humanidade do Senhor JESUS, desconhecem João 12.27 (“E que direi eu?”), onde JESUS exibe toda a fraqueza da natureza humana que Ele assumiu em si (cf. Rm 8.26).
Em seu discurso de despedida, JESUS deu aos discípulos várias garantias de resposta à oração (14.13ss.; 15.7,16; 16.23ss.). Essa oração é feita “em nome de JESUS" (cf. “segundo sua vontade”, 1 Jo 5.14) e representa uma das bênçãos que se tornou possível pelo fato de JESUS ir “para o Pai” (14.125; 16.24-28). Essa promessa não é uma forma de mágica pela qual o homem manipula DEUS de acordo com seus próprios desejos, mas é sempre qualificada pela vontade de DEUS ou pelo nome de Jesns CRISTO. Paulo e Judas teriam acrescentado que ela diz respeito à oiaçâo que está sendo elaborada dentro do crente pelo ESPÍRITO (Ef 6.18; Jd 20).
A oração mais longa do NT se encontra em João 17. JESUS ora novamente por aquela glorificação que vem com a cruz (vv. 1-5), pelos seus discípulos (vv. 6-19) e pela Igreja Cristã que viria a existir (vv. 20-25).
É uma oração pela unidade, porém o objetivo dessa unidade é a missão mundial da Igreja que é “enviada” e reunida em um só corpo, “para que o mundo creia que tu me enviaste" (veja os versículos 17ss.,21,23). Dessa forma, foram estabelecidas a vida e a obra da Igreja em todas as épocas, envolvida pela oração de seu Senhor e Sumo Sacerdote, que se santificou por ela, entregando-se à morte para benefício dela.
Bibliografia. William E. Biederwolf, How Can God Answer Prayer? Nova York. Revell, 1910. Heinrich Greeven, “Euchomai etc.״, TDNT, II, 775-808. O. Hallesby, Prayer, Minneapolis. Augsburg, 1931. James Hastings, The Christian Doctrine of Prayer, Nova York. Scribner’s, 1915. Friedrich Heiler, Prayer, Londres. Oxford Univ. Press, 1932. A. Maillot, “Prayer”, A Companion to the Bible, ed. por J. J. von Allmen, Nova York. Oxford Univ. Press, 1958, pp. 329-334.
J. G. S. S. Thomson, The Praying Ckrist, Grand Rapids. Eerdmans, 1959; “Prayer״, NBD, pp. 1019-1023. J. R. M.
 
 
III - O PAI NOSSO
1. O nosso DEUS.
2. As nossas necessidades.
3. O livramento dos perigos.
 
Oração Pai-Nosso (Lc 11.1-4  E  Mt 6.7-15 )  
NA VERDADE JESUS NÃO NOS ENSINOU “O QUE ORAR”, E SIM “COMO ORAR”; PROIBINDO-NOS DE FICAR REPETINDO SEMPRE A MESMA ORAÇÃO. (NOS EVANGELHOS AS ORAÇÕES PAI-NOSSO SÃO DIFERENTES, MATEUS E LUCAS).
 
LUCAS 11.1-4
1 Estava Jesus em certo lugar orando e, quando acabou, disse-lhe um dos seus discípulos: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou aos seus discípulos. 2 Ao que ele lhes disse: Quando orardes, dizei: Pai, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; 3 dá-nos cada dia o nosso pão cotidiano;
4 e perdoa-nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos a todo aquele que nos deve; e não nos deixes entrar em tentação, (mas livra-nos do mal.)
 
MATEUS 6.7-15
7 E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos.8 Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes. 9 Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; 11 o pão nosso de cada dia nos dá hoje; 12 e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores; 13 e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém. 14 Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; 15 se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas.
 
PODEMOS PEGAR CADA TRECHO DA ORAÇÃO E FAZERMOS UMA ORAÇÃO:
 
Filiação Divina -  Pai nosso que estás nos céus
Ó Deus, eu Te chamo Pai, Tu és meu pai. Mas agora, ó Senhor, Tu és meu Pai; eu sou o barro, e Tu o meu oleiro; O Espírito mesmo testifica com meu espírito que sou Teu filho, ó Deus; Recebi a Jesus, crendo no seu nome, pelo que me foi dado o poder de ser chamado filho de Deus; Graças Te dou, ó pai, porque enviaste Jesus para me resgatar a fim de que eu recebesse a adoção de filho. Pai justo, Pai santo, meu pai, dirijo-me a ti que estás nos céus, em teu trono de glória, entronizado entre os querubins.
Referências bíblicas: Is. 63:16; 64:8; Gl 4:4-7; Hb. 12:8,10; Dt. 32:6; Jo. 16:27; Tg. 1:17; Rm. 8:15-17,14; 2 Co 1:3,4; Ef. 1:3; 1 Jo 3:1,2; 2 Co 11:31; Fp 4:20

Exaltação ao nome de Deus - Santificado seja o Teu nome
                Bendito seja o Teu glorioso nome, que está exaltado sobre toda bênção e louvor. Bendito seja o Teu Nome, desde agora e para sempre. Desde o teu nascimento de sol até a seu ocaso, há de ser louvado o Teu Nome.                 Seja Bendito o Teu Nome, ó Deus, para todo o sempre, porque são tuas a sabedoria e a força. Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e a tua verdade. O teu nome, ó senhor, subsiste para sempre; e a tua memória, ó Senhor por todas as gerações. E tudo o que há em mim, bendiz o teu santo nome.
Referências Bíblicas Ne 9:5b; Gn 1:1,26; Sl 71:22; Sl 113:2,3; Rm 8:29; Ex 3:14; Pv 18:10; Gn 49:24,25; Jr 3:10 ; Dt 28:58; Gn 15:1,2,8; Dt 10:17; Dn 2:2; Hb 13:8; 1 Cr 29:10; Sl 8:1; 72:17; Lv 20:7,8; Sl 138:2; Sl 75:1; 115:1; Sl 91:1; Jo 1:14; Sl 103:2; Dt 33:27.

Estabelecimento do Reino de Deus - Venha o Teu Reino
                Venha o Teu reino, Tua soberania domínio e senhorio em todas as áreas da minha vida. Venha o Teu reino sobre minha família, minha cidade, meu Estado, meu País. Venha hoje o Teu reino na igreja e na vida de todos os homens. Porque o domínio pertence a Ti e reinas sobre as nações.
                Teu Reino, Senhor, não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo. Não consiste em palavras, mas em poder e este é o caminho que quero seguir. Pai, aguardo o dia quando unirei minha voz à de miríades, proclamando: O reino do mundo passou a ser do Senhor nosso e do Seu Cristo, e Ele reinará pelos séculos dos séculos.
Referências Bíblicas Sl 145:11-13; Mt 6:33; Hb 12:28; Mt 6:10; Lc 17:21,22; 1 Jo 3:2,3 Amp.; Sl 22:28; Mt 5:3-11; Tt 2:11-13; Sl 103:19; Rm 14:17; Zc 14:5,9 ;Is 9:6,7; 1 Co 4:20; Ap. 11:16,17; Mt 4:17; Cl 1:12-14; 1 Cr 29:11.              
Submissão -  Seja feita a Tua vontade, assim na terra como é no céu.
Pai, oro para que Tua vontade seja feita na minha vida, de um modo tão perfeito como ela é feita no Céu. Deleito-me em fazer tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração. Ensina-me a fazer a tua vontade, pois tu és o meu Deus; guie-me o Teu bom Espírito por terreno plano.
                Oro como Jesus: “Não se faça a minha vontade, mas a tua”, não importa qual seja, pois ela é sempre o melhor para minha vida. A minha comida é fazer a Tua vontade e realizar a obra que me confiaste. Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma; porque não procuro a minha vontade, mas a Tua.
                Pois esta é a Tua vontade, que eu seja consagrado (separado e colocado á parte para uma vida pura e santa): que eu me abstenha de todo vicio sexual; que eu saiba como possuir (controlar dirigir) meu próprio corpo em consagração (pureza, separado das coisas profanas) e honra, não (para ser usado) em paixão e lascívia como os pagãos, que são ignorantes do verdadeiro Deus e não têm conhecimento da Sua Vontade.
Referências Bíblicas Mt 6:10; At 13:22; 1 Jo 2:17; Ef 1:4,5 Amp.; Sl 40:8; 143:10; Rm 8:26,27; 12:2; Cl 1:9 Amp; Lc 22:42; 1 Ts 4:3-5 Amp.; Fp 2:13; Jo 4:34; 5:30; Sl 1:3,4 Amp.; Hb 13:20,21.

Provisão “O pão nosso de cada dia nos dá hoje”
Pai, tu és meu Deus Provedor, Jeová Jiré, pelo que supres liberalmente cada uma das minhas necessidades, de acordo com Tuas riquezas em glória em Cristo Jesus. Sou Teu amado e me dás o pão enquanto durmo. Dás mantimento aos que Te temem; Confesso que não ando ansioso quanto à minha vida, pelo que hei de comer, ou pelo que hei de beber; nem quanto ao meu corpo, pelo que hei de vestir. Olho para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajudam em celeiros; e Tu, meu Pai celeste, as alimenta. Não valho eu muito mais do que elas? Portanto não me inquieto, dizendo: Que hei de comer? Ou: Que hei de Beber? Ou: Com que hei de vestir? Porque Tu, meu pai celeste, sabes que preciso de Tudo isso. Meu Pão de cada dia me dás hoje.
Referências Bíblicas Fp 4:19; Ex 23:25; Mt 6:25,26,31,32; Sl 127:2; 111:5; 2 Co 9:10; Sl 34:10; Sl 145:15,16; Sl 146:5,7; Dt 28:1,4,8,12; Sl 37:25; Pv 10:3; Dt 8:3.

Perdão Pessoal - “E perdoa-nos as nossas dívidas”
                Pai, tenho experimentado Teu perdão em minha vida.Confesso-te meus pecados e Tu és fiel e justo para me perdoares os pecados e me purificares de toda a injustiça.                 Tu, Senhor, perdoas todas as minhas iniquidades e saras todas as minhas enfermidades. Pois me perdoaste a iniquidades e não Te lembraras mais dos meus pecados.
Referências Bíblicas Mt 6:12; Sl 139:23,24; Rm 4:7,8; 1 Jo 1:9; Sl 86:4,5; 103:1,3; 1 Jo 2:12; Sl 32:5; 19:12;      Jr 31:34; Cl 1:14
Perdão a Outros (geral)      “Assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores”
                Pai de amor, tenho provado o Teu ilimitado perdão. Lançaste meus pecados nas profundezas do mar e deles não Te lembras mais. Tratas-me como se eu nunca tivesse pecado. De Ti recebo o espírito perdoador e libero o meu perdão a todos quanto me ofendem. De todo o coração perdoo o que peca contra mim. Recebo Tua palavra: “Antes sede bondosos para com os outros, compassivos, perdoando-vos uns aos outros (pronta e livremente), como também Deus vos perdoou em Cristo. “ Suporto o meu irmão e o perdoo, assim como Jesus me perdoou.                 Amo meu próximo como a mim mesmo, e porque o amo, o perdoo, sabendo que o amor cobre uma multidão de pecados.
Referências Bíblicas Mt 6:12; Cl 3:13; Mc 12:31; Is 43:25; Mt 6:14,15 Amp.; 1 P 4:8; Mt 18:35; Mc 11:25,26; Mt 5:44,45,48; Ef 4:32; Mt 18:22; Nm 6:24-26.

Proteção - “Não nos deixes cair em tentação”
                Pai reconheço que não me sobrevêm nenhum tentação, que não seja humana, mas Tu és fiel, e não deixarás que eu seja tentado acima do que possa resistir, antes com a tentação darme-ás também o escape, para que a possa suportar.  Tu me sustentas, meu Deus. Andarei seguro pelo meu caminho, e não tropeçará o meu pé. Quando me deitar, não temerei: sim, deitar-me-ei e o meu sono será suave. Não temo o pavor repentino, nem a assolação dos ímpios quando vier. Porque Tu, Senhor, serás a minha confiança, e guardarás os meus pés de serem presos. Não me deixarás cair em tentação.
Referências Bíblicas 1 Co 10:13; Tg. 1:12 Amp.;  1 Sm 2:9; Pv 4:11,12; Mt 26:41 Amp.; Pv 3:23-26; Tg 1:2-4,13; Sl 116:8; Ap. 3:10;

Libertação - “Livra-nos do mal”
Nenhum mal; me sucederá, nem praga alguma chegará à minha tenda, porque aos Teus anjos darás ordem a meu respeito, para me guardarem em todos os meus caminhos. Eles me sustentarão nas suas mãos, para que eu não tropece em alguma pedra. Teu anjo, Senhor, acampa-se ao redor, pois temo a Ti, e me livras. Senhor, Tu me Livrarás também de toda a obra maligna, e me levarás salvo para o Teu reino celestial. A ti, glória pelos séculos dos séculos. Amém.
Referências Bíblicas Gl 1:4,5; Sl 18:2; 2 Tm 4:18; Sl 91:3,10,12; Sl 34:7,17; 1 Ts 1:10; Sl 91:14,15; Sl 56:13.
                                     
Exaltação - “Porque Teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre. Amem”
                Sê exaltado, ó Deus, acima dos céus; e em toda a terra esplenda a Tua glória.      A ti, o único Deus, nosso Salvador, por Jesus Cristo Nosso Senhor, glória, majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, e agora, e para todo o sempre . Amem.
Referências Bíblicas Sl 57:5; 34:3; Sl 63:2; Sl 113:4; Sl 148:13; 1 Cr 29:10-13; 1 Cr 16:36; Sl 29:9; Is 25:1; Sl 72:18,19; Sl 92:2; Dn 2:20-22; Jd 25

"ORAÇÃO DO PAI NOSSO" - Wycliffe Bible Dictionary
No NT, essa expressão ocorre em uma forma mais longa (Mt 6.9-13) e outra mais curta (Lc 11.2-4), pois cada evangelista registrou a forma que, naquela época, estava sendo usada na adoração da igreja para onde estava escrevendo. Òs elementos essenciais da oração ocorrem nas duas formas, e as diferenças entre elas podem ser explicadas em termos da tradição litúrgica (por exemplo, o estilo mais longo de Mateus é semelhante a muitas orações judaicas, e o mais curto de Lucas é mais característico da piedade helenista), e da tradução de uma oração originalmente semítica (por exemplo, a concepção do pecado como uma dívida reflete uma variação da tradução da palavra aramaica hoba’).
O contexto no qual a oração foi introduzida, também é diferente. Mateus introduz essa oração, como um padrão para a verdadeira oração, em um contexto que fala sobre os três pilares da piedade judaica: dar esmolas (Mt 6.2-4), oração (6.5-15) e jejum (6.16-18). Lucas parece ter preservado a ocasião original para a oração, registrando o pedido de um discípulo que queria aprender a orar, assim como João Batista havia ensinado os seus discípulos (Lc 11.1). É possível que o próprio Senhor JESUS tenha ensinado diferentes orações, ao ensinar em ocasiões distintas.
Tanto Mateus quanto Lucas consideram a oração do Senhor como o padrão de todas as orações, assim como uma peça devocional específica dos cristãos para o uso individual ou em grupo. Ao enfocarem primeiramente sua atenção em DEUS e em seu reino, e depois nas preocupações humanas, os apóstolos estão fornecendo um resumo dos temas da oração. Essa oração é melhor interpretada dentro de um sentido escatológico, pois existe em seu todo uma tensão entre o cumprimento futuro e as experiências presentes que estão prevendo este cumprimento. Na petição inicial da oração existe uma súplica para a soberana afirmação da dignidade de DEUS, cuja resposta só virá em sua plenitude na consumação de todas as coisas. Antes dessa consumação, a oração é uma solicitação missionária para a extensão da soberania de DEUS sobre a vida dos homens. Essa tensão não deverá ser resolvida, mas conscientemente mantida. Nas petições posteriores também podemos ouvir um tom escatológico. Observe o pedido pelo “pão de cada dia” que será plenamente respondido no reino de DEUS, assim como a oração para ser libertado da prova final e irresistível e do poder do maligno que servem como um arauto da volta do Senhor
Embora a doxologia encontrada em muitos manuscritos posteriores de Mateus (6.13) seja um complemento padronizado que acompanha 1 Crônicas 19.11, e ocorra sob mais de uma forma (cf. Didache 8.2), ela fornece uma resposta apropriada às petições da oração. DEUS estabelecerá a sua soberania e preservará o seu povo intacto, pois somente a Ele pertence o reino, o poder e a glória. É possível que quando Paulo resume a oração dizendo “Aba, Pai” (Rm 8.15; Gl 4.6), e quando Pedro fala de invocar a DEUS como Pai (1 Pe 1.17), os dois apóstolos estejam fazendo uma alusão à oração do Senhor.
Bibliografia. J. Jeremias, The Lord's Prayer, Filadélfia. Fortress Press, 1964. J. Lowe, The Interpretation ofthe Lords Prayer, Evanston. Seabnry-Western, 1955. W. L. L.
 
ORAÇÃO - BEP - CPAD
Uma aproximação da pessoa a DEUS por meio de palavras ou do pensamento, em particular ou em público. Inclui confissão (Sl 51), adoração (Sl 95.6-9; Ap 11.17), comunhão (Sl 103.1-8), gratidão (1Tm 2.1), petição pessoal (2Co 12.8) e intercessão pelos outros (Rm 10.1). Para ser atendida, a oração requer purificação (Sl 66.18), fé (Hb 11.6), vida em união com CRISTO (Jo 15.7), submissão à vontade de DEUS (1Jo 5.14-15; Mc 14.32-36), direção do ESPÍRITO SANTO (Jd 20), espírito de perdão (Mt 6.12) e relacionamento correto com as pessoas (1Pe 3.7).
ORAÇÃO - Tesouro de Conhecimentos Bíblicos - Emílio Conde - CPAD- O termo grego que significa orar é “proseucho-mai”. Denota a oração em geral, e pode ser empregado sem mais qualificação.
A oração deve ser espontânea, deve vir do âmago do coração, mas JESUS nos ensinou como orar: “Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; uenha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; e não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre, Amém” (Mt 6.9-13).
Esta oração se compõe de seis petições, sendo três para a honra de DEUS e três para as nossas necessidades. A primeira petição é a reformulação do Terceiro Mandamento; declara de modo positivo o que aquele mandamento afirmava de modo negativo. Ao assim fazer, não somente exclui o tomar o nome do Senhor em vão, mas garante aquilo que se subentende no Primeiro e no Segundo Mandamentos, a respeito de outros deuses e de imagens de escultura (Êx 20.3-6). A quarta petição relembra a descida do maná, fornecido por DEUS (Êx 16.15). O pão é “e-piousios”, cotidiano. Indica a provisão para as necessidades imediatas, bem como a no reino vindouro, simbolizado pelo banquete messiânico. Do mesmo modo, a quinta e a sexta petições pelo perdão e pela libertação da tentação aplicam-se também aos Dez Mandamentos.
O exemplo de JESUS a respeito da oração é decisivo. Ele nos indicou o fundamento da oração e o cuidado providencial de DEUS. Ele ensinou os discípulos como deviam orar, e como não deviam orar. Assegurou-lhes a certeza da resposta de DEUS a uma oração reta. Associou a oração a uma vida de obediência. Também nos anima a sermos persistentes e mesmo importunos na oração. Procurou os lugares retirados para orar, e fez uso da oração intercessória na súplica, conhecida pela designação de Oração Sacerdotal (Jo 17.1-26).
A oração é a chave da vitória. Consiste na manutenção do contato com o Criador. Isto significa que DEUS existe, que pode ouvir-nos, que criou todas as coisas, que preserva e governa todas as suas criaturas e dirige as ações delas. Ele não se escraviza às leis que ordena; pode produzir resultados suspendendo as leis da natureza ou operando por meio delas; pode dirigir os corações e as mentes mais eficientemente do que possamos fazer. DEUS estabeleceu tanto a oração como a sua resposta, pois tem um plano traçado desde a criação, pela sua constante presença no universo mantendo-o e dirigindo-o.
A oração é a principal fonte de socorro do homem que em suas aflições clama por DEUS. Por isso, Ele exige que o ser humano ore, para ter direito ao suprimento de suas necessidades. A oração bem aceita é a dirigida pelos justos, mas a dos ímpios lhe é abominável (Pv 15.29). Somente os que têm os pecados apagados podem se aproximar de DEUS em oração. Aqueles que se revelam contra a autoridade divina não são aceitos antes de renunciarem a seus pecados e receberem o perdão. A oração é a comunhão dos filhos com o Pai que está nos céus, e consiste em adoração, ação de graças, confissão de pecados e petições (Ne 1.4-11).
DEUS responde a qualquer tipo de oração que lhe é feita de conformidade com as diretrizes por Ele estabelecidas; compreende os pássaros quando a Ele se dirigem pedindo alimento, e atende também as orações dos seus eleitos (Sl 65.2). Tiago afirma que “a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos” (Tg 5.16). CRISTO também declara: ‘‘Tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, isso vos farei” (Jo 14.13). O povo de DEUS sabe que Ele responderá de acordo com o bem de seus filhos. O apóstolo João confirma esta assertiva: “Esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve” (1 Jo 5.14).
A oração deve ser feita em nome de JESUS, porque o pecador não pode se aproximar de DEUS em seu próprio nome. Reconheçamos que não temos merecimentos para irmos à presença do Criador, a não ser somente em nome do que nos lavou e purificou em seu sangue. A oração é dirigida à Trindade em sua plenitude, pois a bênção apostólica assim determina: “A graça do Senhor JESUS CRISTO, e o amor de DEUS, e a comunhão do ESPÍRITO SANTO seja com vós todos. Amém” (2 Co 13.13).
O segredo da vitória está numa vida de íntima comunhão com DEUS através da oração
A oração é a principal fonte de socorro do homem que em suas aflições clama por DEUS. A oração feita por um justo pode muito em seu efeito
Mas, se tu de madrugada buscares a DEUS, e ao Todo-Poderoso pedires misericórdia;

Jó 8:5
SUBSÍDIO TEOLÓGICO TOP1
"A oração é a expressão mais íntima da vida cristã, o ponto alto de toda experiência religiosa genuinamente espiritual. Por que, então, permanece tão negligenciada?
Vivemos numa época em que os indivíduos evitam a intimidade e os relacionamentos pessoais. O receio de expor seus sentimentos e desenvolver amizades profundas afeta tanto as relações espirituais como as sociais, erguendo barreiras dentro da própria família e dividindo comunidades. Inconscientes de que esse modismo entrou na igreja e por ele influenciados, alguns cristãos sentem-se nada confortáveis quando se chegam próximos demais a DEUS. 0 resultado imediato é a falta de oração —- não querem intimidade. Além disso, também estamos muito ocupados. Vivemos para realizar, e não para ser. Admiramos a vida ativa mais do que o caráter e os relacionamentos. O sucesso é medido por nossas realizações; portanto, corremos, corremos — tentando fazer tudo quanto podemos em nossas horas ativas. Mais preocupados em fazer do que em ser, recusamo-nos a aceitar a realidade bíblica de que as realizações humanas são temporárias e fugazes. Somente a obra do ESPÍRITO SANTO é permanente e eterna. A falta de oração nos impede de alcançar aquilo que tão desesperadamente ansiamos. A falta de oração, na verdade, é impiedade" (BRANDI, Robert L. Teologia Bíblica da Oração: 0 ESPÍRITO nos Ajuda a Orar. 6.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, p. 17).
 
SUBSÍDIO TEOLÓGICO TOP2
Embora seja DEUS, enquanto esteve aqui na Terra JESUS não era somente DEUS — era o DEUS-Homem. Na posição de DEUS, Ele não precisava orar (exceto para manter aquela comunhão e companheirismo próprio da Deidade). Mas, na qualidade de homem, estando revestido de um corpo humano, sendo descendente legítimo de Abraão, a oração era tão essencial a Ele como o fora a Abraão e seus descendentes.
A oração destacou-se em cada aspecto e fase de sua vida e ministério. A Bíblia cita numerosos exemplos de oração durante o curto período de três anos e meio do ministério de JESUS. Há evidências de que a oração era a própria respiração da vida de JESUS, tal como acontecia com Moisés. JESUS vivia uma vida disciplinada. Os Evangelhos registraram determinados hábitos que Ele fazia questão de cultivar. Um deles era frequentar regularmente a sinagoga aos sábados, o que, naturalmente, incluía um período de oração (Mt 21.13). Não é errado pensar que JESUS tinha ido diariamente à sinagoga ou ao Templo — dependendo do lugar onde Ele estivesse — para dedicar-se à oração" (BRANDT, Robert L. Teologia Bíblica da Oração: O ESPÍRITO nos Ajuda a Orar. 6.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 166,167).
 
AJUDA BIBLIOGRÁFICA
ALLMEN, J. J. V. VocabulárioBíblico,2ª Edição. Asso­ciação de Seminários Teológicos Evangélicos, São Pau­lo, SP,1972
APPUI, BLOOMFIELD, A. E. Apocalipse- O Futuro glo­rioso do Planeta Terra, Editora Betânia, Belo Horizon­te, MG, 1980
BROWN, C. O Novo Dicionário Internacional deTeologia, 4º Volumes. Edições Vida Nova, São Paulo, SP, 1981 A 1985
BUBECK, M. I. O Adversário. Edições Vida Nova, São Paulo, SP,1985
CHAFER, L. S. TeologiaSistemática,1ª Edição. Impren­sa Batista Regular, São Paulo, SP,1986
CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento Interpretado VersículoporVersículo.6 volumes, 1ª Edição, 3ªIm­pressão. Distribuidora Cultura Ltda. (MILENIUM); São Paulo, SP,1982
COOKE, W. TeologiaCrista,5ª Edição, op. cit. em1947
CORSINI, E. Apocalipse - O Apocalipse de São João, Edi­ções Paulinas, São Paulo, SP,1984
DAVIS, J. D. DicionáriodaBíblia,11ª Edição. Editora JUERP, Rio de Janeiro, RJ. 1985
DURRANT, H. Les Dossiers desovini (Os Estranhos Ca­sos dos OVNI). Éditions Robert Laffont, S. A., Paris, França, 1973
FHILLIPS, Mc. C. O Mundo Espiritual, Wheaton, 1970 GAEBELEIN, A. C.Os Anjos de DEUS. op. cit.1947
Angelogia — a Doutrina dos anjos - Wagner Caby - Teologia Sistemática Pentecostal - CPAD
BERGSTÉN, Eurico. Introdução à Teologia Sistemática. Rio de Janeiro: CPAD, 1999.
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueir, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.
Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
CHOWN, Gordon. Os dons do ESPÍRITO SANTO. São Paulo: Vida, 2002.
Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - Warren W. Wiersbe
Comentário Bíblico TT W. W. Wiersbe
CONDE, Emílio. Pentecoste para todos. 6ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1985.
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia - Myer Pearman - Editora Vida
Corrigida, 4ª ed., 2009. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
CRISTOLOGIA - A doutrina de JESUS CRISTO - Esequias Soares - CPAD
DAVIDSON. F. Novo Comentário da Bíblia. Êxodo. pag. 2.
Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, João Rea - CPAD.
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD.
Donald S. Metz. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 267.
Eberhard Hahn. Comentário Esperança Efésios. Editora Evangélica Esperança.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 30-31.
Ênio R. Mueller. I Pedro. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 238-243.
Francis Foulkes. Efésios. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 72-73.
GARNER, Paul. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
GEE, Donald. Acerca dos dons espirituais. 5ª ed. Pindamonhangaba, SP: IBAD, 1985.
GILBERTO, Antonio. Verdades pentecostais. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.
GRAHAM, B. Anjos:Os Agentes Secretos de DEUS,1ª Edição. Editora Record, Rio de Janeiro, RJ. 1975
Guia Básico de Interpretação da Bíblia - CPAD
HALLEY, H. H. Manual Bíblico de Halley, 5 ª Edição. Edições Vida Nova, São Paulo, SP, 1983
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 585.
HORTON, Stanley M. A Doutrina do ESPÍRITO SANTO no Antigo e Novo Testamento. 12. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
HOUAISS, Antônio. Dicionário da Língua Portuguesa. OBJETIVA.
http://estudaalicaoebd.blogspot.com.br/;http://www.gospelbook.net, www.ebdweb.com.br, http://www.escoladominical.net, http://www.portalebd.org.br/, Bíblia The Word.
J KOEHLER, Edward W. A., Sumário da Doutrina Cristã, Concórdia.
James, por Hendrickson Publishers - Edição Contemporânea, da Editora Vida, Traduzido pelo Rev. Oswaldo Ramos.
KRETZMANN. Paul E. Comentário Popular da Bíblia Novo Testamento Editora Concordia Publishing House.
LADD, G. E. Apocalipse - Introdução e Comentário. Edições Vida Nova, São Paulo, SP,1980
LARKIN, C. O Mundo dos Espíritos, op. cit.1947
LOCKYER, H. Apocalipse - O Drama dos Séculos. Editora Vida, Miami, Flórida,1982
MILLER, C. L. Tudo sobre Anjos: O outro lado do mundo e dos espíritos, V Edição. Editora Vida, São Paulo, SP, 1978
NEVIUS, J. L. Possessão Demoníacae Tema sConexos. Nova Iorque, Revell,1893
RIDEERBOS, J. Isaías, Introdução e Comentário,1ª Edição. Editora Mundo Cristão, São Paulo, SP, 1986
SCOFIELD, C. I. Bíblia anotada por Scofield. Imprensa Batista Regular, São Paulo, SP
SEISS, J. A. O Apocalipse,3 Volumes, Filadélfia, 1865
SHEDD, R. P. O Novo Comentário da Bíblia,3ª volumes, 1ª Edição, 3ª Reimpressão. Edições Vida Nova, São Paulo, SP,1979
SILVA, S. P. Daniel:VersículoporVersículo,2ª Edição. Casa Publicadora das Assembleias de DEUS, Rio de Ja­neiro, RJ,1986
SUMMERS, R. Apocalipse - A MensagemdoApocalipse. Editora JUERP, Rio de Janeiro, RJ,1978
TAYLOR, J. B. Ezequiel, Introdução e Comentário,1ªEdição. Editora Mundo Cristão, São Paulo, SP, 1984
VANNI, H. Apocalipse - Uma Assembléia Litúrgica Inter­pretaa História. Edições Paulinas, São Paulo, SP,1984
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 141.
Livro Batalha Espiritual - Livro de Apoio Adulto 1º Trimestre -  2019 - Pr. EsequiasSoares
Novo Testamento Interlinear grego-português. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004.
O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA – Edições Vida Nova – J. D. Douglas
Pequena Enciclopédia Bíblica - Orlando Boyer - CPAD
Pequeno Atlas Bíblico - CPAD Hermenêutica Fácil e Descomplicada - CPAD
Primeira tradução do Antigo Testamento do hebraico para o grego, em Alexandria, no Egito, feita em cerca de 285 a.C., conhecida como a tradução dos setenta — LXX.
MARTENSEN, Christian Dogmatics, 133.
O Novo Testamento Versículo por Versículo, Candeia. Champlm comenta sobre Efésios 1.21.
O Novo Testamento Versículo por Versículo, Candeia. Champlin comenta sobre Colossenses I.16.
SILVA, Severmo Pedro da, A Doutrina Bíblica dos Anjos, CPAD.
PERLMAN, Mver, Conhecendo as Doutrinas da Bíblia, Editora Vida.
Teologia Sistemática Atual e Exaustiva, Edições Vida Nova.
PERLMAN, Myer, Conhecendo as Doutrinas da Bíblia, Editora Vida.
Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento, CPAD.
HORTON, Stanley M., A Vitória Final, CPAD.
ARCHER, Gleason L., Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas, Editora Vida. Archer
é professor de Antigo Testamento e Estudos Semíticos naTrinity Divinitv School — em Deerfield, Illinois, Estados Unidos — e deão no Fuller Theological Seminary.
GRAHAM, Billy. Anjos, os Agentes Secretos de DEUS. Record, pp.79-89.
Bíblia de Estudo de Genebra.
Homília de Centum Ovibus (Homílias sobre os Evangelhos), citado porTomás de Aquino.
OLSON, N. Lawrence, Plano Divino através dos Séculos, CPAD.
GILBERTO, Antomo, Manual da Escola Dominical, CPAD.
JOSEFO, Flávio, de Bello Judaico, VII. 6:3.
OLSON, N. Lawrence, Plano Divino através dos Séculos, CPAD.
BOYER, Orlando, Espada Cortante, Vol. I, CPAD.
COSTA, Samuel, Psicoteologia Geral, Vol I, Editora Silvacosta.
Revista Ensinador Cristão - CPAD.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
SILVA, Severino Pedro. A Existência e a pessoa do ESPÍRITO SANTO. Rio de Janeiro: CPAD, 1996.
SOUZA, Estevam Ângelo de. Nos domínios do ESPÍRITO. 4ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1998.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
Teologia Sistemática - Conhecendo as Doutrinas da Bíblia - A Salvação - Myer Pearman - Editora Vida
Teologia Sistemática de Charles Finney
Teologia Sistemática Pentecostal - A Doutrina da Salvação - Antonio Gilberto - CPAD
Uwe Holmer. Comentário Esperança Cartas aos I Pedro. Editora Evangélica Esperança.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
www.ebdweb.com.br