quarta-feira, 31 de março de 2010

VIDEOS DA LICAO 1, JEREMIAS, O PROFETA DA ESPERANCA

ESTUDOS DA LIÇÃO 1 - JEREMIAS, O PROFETA DA ESPERANÇA

Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 2º Trimestre de 2010

Comentários da revista da CPAD: Pr. Claudionor de Andrade
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
JEREMIAS - Esperança em tempos de crise



LIÇÃO 1 - JEREMIAS, O PROFETA DA ESPERANÇA
Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 2º Trimestre de 2010
Jeremias - Esperança em tempos de crise
Comentários da revista da CPAD: Pr. Claudionor de Andrade
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev.. Luiz Henrique de Almeida Silva



TEXTO ÁUREO:
"Mas o SENHOR me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás" Jr 1.7).

VERDADE PRÁTICA:
A missão do homem de DEUS é inegociável. Ele foi chamado para cuidar dos interesses do Todo-Poderoso, e proclamar com isenção e coragem a sua Palavra.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Jr 1.1 A origem sacerdotal de Jeremias
Terça - Jr 1.5 A vocação profética de Jeremias
Quarta - Jr 16.2 O estado civil de Jeremias
Quinta - Jr 32.9-12 A propriedade comprada por Jeremias
Sexta - Jr 37.15 A prisão de Jeremias
Sábado - Jr 43.1-7 A viagem de Jeremias ao Egito

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Jeremias 1.1-10
1- Palavras de Jeremias, filho de Hilquias, dos sacerdotes que estavam em Anatote, na terra de Benjamim. 2- A ele veio a palavra do SENHOR, nos dias de Josias, filho de Amom, rei de Judá, no décimo terceiro ano do seu reinado. 3- E lhe veio também nos dias de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, até ao fim do ano undécimo de Zedequias, filho de Josias, rei de Judá, até que Jerusalém foi levada em cativeiro no quinto mês. 4- Assim veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: 5- Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta. 6- Então, disse eu: Ah! Senhor JEOVÁ! Eis que não sei falar; porque sou uma criança. 7- Mas o SENHOR me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás. 8- Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o SENHOR. 9- E estendeu o SENHOR a mão, tocou-me na boca e disse-me o SENHOR: Eis que ponho as minhas palavras na tua boca. 10- Olha, ponho-te neste dia sobre as nações e sobre os reinos, para arrancares, e para derribares, e para destruíres, e para arruinares; e também para edificares e para plantares.

1.1 JEREMIAS. Deus chamou Jeremias para ser profeta do Reino Sul, i.e., Judá. Seu ministério abrangeu os últimos quarenta anos da nação, inclusive os dias que precederam a destruição de Jerusalém e a deportação do povo de Deus a Babilônia (627-586 a.C.). Ministrou durante os reinados de Josias, de Joacaz, de Jeoaquim, de Joaquim e de Zedequias. Durante esse período, a nação manteve-se rebelde contra Deus e confiava nas alianças políticas para conseguir livrar-se dos inimigos. Jeremias conclamou o povo a arrepender-se dos seus pecados e os advertiu que não escapariam do castigo por rejeitarem a Deus e à sua lei. Por causa da sua mensagem de julgamento e da sua devoção ao Senhor, Jeremias enfrentou muita oposição e sofrimento.

1.5 ANTES QUE EU TE FORMASSE... TE SANTIFIQUEI. Antes de Jeremias nascer, Deus já havia determinado que ele seria profeta. Assim como Deus tinha um plano para a vida de Jeremias, Ele também tem um para cada pessoa. Seu alvo é que o crente viva segundo a sua vontade e deixe que Ele cumpra seu plano em sua vida. Assim como no caso de Jeremias, viver segundo o plano de Deus pode significar sofrimento; porém Deus sempre opera visando o melhor para nós (ver Rm 8.28).

1.8 NÃO TEMAS. Jeremias, ao iniciar seu ministério profético, era jovem. Ele hesitou e temeu ante a extraordinária missão de falar a Palavra do Senhor aos anciãos de Jerusalém (v. 7). Deus o assistiu com a promessa de que estaria com ele e lhe daria poder para cumprir sua chamada. Não importa qual a tarefa que você esteja executando para Deus, Ele sempre promete sua presença e ajuda constante, se você permanecer firme, com sua fé posta nEle.

1.9 AS MINHAS PALAVRAS NA TUA BOCA. Deus garante a Jeremias que sua mensagem profética seria inspirada por Ele; as palavras do profeta seriam as palavras de Deus (cf. Rm 10.8). Convicto disso, Jeremias nunca usou de subterfúgio com a Palavra de Deus, nem a modificou (ver 37.16,17).

1.10 PARA ARRANCARES, E PARA DERRIBARES. A mensagem de Jeremias continha partes ligadas a juízo e também de restauração, no entanto, por causa do período da história de Israel em que Jeremias profetizou, sua mensagem enfocava, em primeiro plano, o castigo e a condenação. A nação desviada, de Israel, tinha de ser derribada antes de Deus plantá-la e edificá-la de novo.

PALAVRA-CHAVE: Vocação - Do lat. vocatione.Talento, aptidão. Jeremias foi vocacionado pelo Senhor quando ainda estava no ventre de sua mãe.

Perguntas mais Freqüentes sobre o Profeta Jeremias ( http://www.airtonjo.com/faq_jeremias.htm )
Onde nasceu o profeta Jeremias? O que significa o nome Jeremias? O que sabemos da infância e da formação de Jeremias? Qual foi a influência do profeta Oséias sobre Jeremias? Onde Jeremias começou a profetizar? Durante quanto tempo Jeremias atuou como profeta? Que tipo de texto há no livro de Jeremias? Então, nem tudo que está no livro vem do profeta Jeremias? O que fez Jeremias no tempo de Josias? Que texto exemplifica bem a sua pregação neste período? Jeremias responsabiliza alguém pela infidelidade ao Javismo? O que pensava Jeremias da reforma de Josias? O que fez Jeremias no tempo do rei Joaquim? O que fez Jeremias em sua 1a intervenção na época de Joaquim? O que acontece com Jeremias? O que disse Jeremias sobre o governo de Joaquim? O que mais ameaça Judá neste momento? Mas o que motiva tão cruel castigo de Judá? Por que Jeremias foi proibido de entrar no Templo? Sem poder ir até o povo, o que faz Jeremias? O que fez Joaquim ao tomar conhecimento do manuscrito? Todos os profetas da época pensavam como Jeremias? Qual o significado das "confissões" de Jeremias? O que diz Jeremias em cada uma das cinco "confissões"? E o que aconteceu com o rei Joaquim? O que fez Jeremias neste 30 período, sob o governo de Zedequias? Jeremias escreveu uma carta aos exilados? O que pensa Jeremias de uma rebelião contra a Babilônia? O que disse Jeremias a Zedequias quando Jerusalém foi sitiada? Por que Jeremias é preso nesta época? Mas há alguma mensagem de esperança em Jeremias? O que diz Jr 31,31-34? E o 40 período da atuação de Jeremias? E como Jeremias terminou seus dias? Como faço para saber mais sobre Jeremias? Onde nasceu o profeta Jeremias?


RESPOSTAS A ESTAS PERGUNTAS:
Jeremias nasceu no povoado de Anatote, pertinho de Jerusalém, entre 580 e 640 a.C.. Era filho do sacerdote Helcias ou, da casa de Eli. Talvez descendesse de Abiatar, chefe dos levitas em Jerusalém na época do rei Davi, e que foi desterrado para Anatote por Salomão, segundo 1Rs 2,26-27.
O que significa o nome Jeremias?
O significado do nome é incerto. Há duas possibilidades. Yirmeyâhû quer dizer "Iahweh exalta", "Iahweh é sublime" ou "Iahweh abre (=faz nascer)". Este nome era bastante comum nos tempos bíblicos. São conhecidos pelo menos sete personagens, mais ou menos importantes, com este nome.

O que sabemos da infância e da formação de Jeremias?
Quase nada. Parece que ele jamais assumiu qualquer função sacerdotal. Pelo contrário, denunciou duramente o papel exercido pelos sacerdotes de seu tempo. O que, por outro lado, aponta para sua rigorosa visão levítica, e possível formação, de como deveria agir um sacerdote. Consta, nesta linha, que o rei Josias (640-609 a.C.) proibira o exercício do ofício aos sacerdotes não provenientes de Jerusalém, segundo 2Rs 23,8-9.

Qual foi a influência do profeta Oséias sobre Jeremias?
Não existe nenhuma dúvida acerca da influência de Oséias sobre o pensamento de Jeremias. Além dos fatores geográficos - Anatote pertence à tribo de Benjamin - e familiares. - Jeremias descendia, talvez, de Eli, sacerdote de Silo - é possível que a educação de Jeremias tenha incluído os ensinamentos de Oséias.

Entendo que Oséias e Jeremias foram os dois profetas mais radicais de todo o Israel, pois foram os que mais perto chegaram de uma compreensão profunda das causas da opressão que o povo de Israel vivia naquele tempo. Ambos entendem, por exemplo, que onde o Javismo caducou ou se oficializou e foi, por isso, neutralizado por práticas institucionais do aparelho estatal, a corrupção, a opressão e o despotismo generalizado dominaram. O processo (rîbh) que fazem a Israel por não "conhecer a DEUS" é sintomático, como em Os 4,1-3 e Jr 2,8;4,22 e a interessantíssima crítica ao rei Joaquim (609-598 a.C.) em Jr 22,13-19.

Onde Jeremias começou a profetizar ?
É possível que Jeremias tenha começado a profetizar em Anatote. Mas foi perseguido, quiseram matá-lo em sua própria terra, segundo Jr 11,18-12,6. Não conhecemos o motivo desse complô armado contra Jeremias por seus conterrâneos (Jr 11,21) e até por seus familiares (Jr 12,6). Talvez por ter apoiado a reforma do rei Josias, que destruiu os santuários regionais e centralizou as atividades cultuais em Jerusalém, ele tenha prejudicado os interesses de sua família de sacerdotes. Ou, quem sabe, o duro teor de sua crítica social e religiosa tenha provocado tão violenta reação. Durante toda a sua vida Jeremias irá incomodar muita gente, que tentará, a qualquer custo, calar a sua boca.

Durante quanto tempo Jeremias atuou como profeta ?
Jeremias atuou cerca de 50 anos, de 627 a 580 a.C., sob os governos de Josias (629-609 a.C.), Joaquim (609-598 a.C.), Zedequias (597-586 a.C.) e Godolias/exílio (586/ca.580 a.C.). Por isso, costumamos dividir, didaticamente, sua atuação segundo estes quatro períodos.

Que tipo de texto há no livro de Jeremias?
Há quatro tipos de textos no livro de Jeremias:
o Oráculos em forma de poesia, como Jr 4,5-6,30
o Relatos autobiográficos, como Jr 1,4-19
o Relatos biográficos, como Jr 26, 1-24
o Discursos em prosa, como Jr 7,1-8.

Como se convencionou unir em um só os dois primeiros tipos, quase totalmente em forma poética, costuma-se classificar os textos de Jeremias em três tipos:

Palavras de Jeremias em verso e relatos autobiográficos em verso e prosa
Relatos biográficos, na 3a pessoa, sobre Jeremias, atribuídos por muitos a Baruc, seu secretário
Discursos em prosa, em número de 10, de autoria incerta, mas que muitos atribuem aos mesmos autores de Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel e 1 e 2 Reis, a chamada Obra Histórica Deuteronomista (OHDtr), possivelmente composta por levitas.

Então, nem tudo que está no livro vem do profeta Jeremias?
Não. O livro de Jeremias passou por um longo e complicado processo de formação. Oráculos (= palavras proféticas) isolados foram sendo reunidos ao longo dos anos, de modo que temos hoje uma antologia da pregação de Jeremias e não um livro no sentido moderno. Ou melhor: temos uma antologia de antologias, em um processo que começou ainda durante a vida de Jeremias e prosseguiu ao longo da época pós-exílica.

A versão grega da Bíblia chamada Setenta ou Septuaginta (= LXX) tem um texto de Jeremias bem mais curto do que o texto massorético (= TM), o nosso texto hebraico, além de colocar vários oráculos noutra ordem. Isso é explicado, em geral, com a existência de dois textos independentes de Jeremias: um mais antigo e mais curto, que se perdeu, e que serviu de base para a tradução dos LXX; outro, mais recente, que recolheu vários acréscimos, e que nos foi transmitido pelos massoretas (= os rabinos "transmissores" do texto hebraico).

O que fez Jeremias no tempo de Josias?
No tempo de Josias, 1º período de sua atuação, Jeremias proclamou um julgamento contra Israel por causa de sua infidelidade a Iahweh e sua adesão a outros deuses, especialmente os deuses que garantiam a fertilidade da natureza, os chamados baalim.

Os comentaristas reconhecem como sendo deste período Jr 2,1-4,4 e Jr 30,1-31,37, todos textos de tipo A.

Que texto exemplifica bem a sua pregação neste período?
Jr 2,1-37. É um texto escrito em um gênero literário muito usado pelos profetas, o rîbh (= processo). Funciona assim: parte-se do pressuposto de uma aliança entre as duas partes em questão, Iahweh e Israel. Iahweh abre, então, através do profeta, um processo contra Israel, motivado por sua quebra do pacto. Como parte ofendida, Iahweh convoca a natureza como testemunha, questiona o comportamento de Israel, relembra os benefícios passados e ameaça com uma punição.

Neste texto, rico em imagens, à moda de Oséias, Jeremias relembra com nostalgia a fidelidade dos primeiros tempos e a contrapõe à infidelidade atual, pois Israel trocou Iahweh pelos ídolos que nada valem e não podem socorrê-lo na hora do aperto.

Jeremias responsabiliza alguém pela infidelidade ao Javismo?

Sim. Em Jr 2,1-4,4 Jeremias responsabiliza quatro tipos de autoridades pela idolatria e pela desgraça em que caiu o país: são os reis, os príncipes, os sacerdotes e os profetas. A volta ao Javismo é possível se Israel resolver praticar a verdade ('emeth), o direito (mishpât) e a justiça (sedhâqâh), segundo Jr 4,2.

O que pensava Jeremias da reforma de Josias?
sta é a coisa mais estranha desta fase da pregação de Jeremias: ele não faz nenhuma alusão à reforma social e religiosa empreendida pelo rei Josias naqueles anos (sobre a reforma cf. 2Rs 22,1-23,27). É possível que, embora visse com muita expectativa a ação do governo, ele tenha se decepcionado com os escassos resultados de um movimento imposto de cima para baixo, pela força das armas. Assim, teria preferido manter prudente silêncio a respeito.

O que fez Jeremias no tempo do rei Joaquim?
Quando Joaquim, de 25 anos de idade, assumiu a mando do faraó do Egito, o governo de Judá em 609 a.C., Jeremias rompeu, de vez, com as instituições do Estado. Jeremias tornou-se, então, um ferrenho adversário da classe sacerdotal de Jerusalém, já que sob os desmandos do governo de Joaquim a reforma de seu pai Josias se perdeu totalmente, restando um culto superestimado como garantia da nação, conseqüência da centralização de todas as atividades religiosas no Templo de Jerusalém e na mão de seus sacerdotes. Culto agora usado para mascarar os males sociais e os crimes contra o povo.

O que fez Jeremias em sua 1a intervenção na época de Joaquim?
Um violento discurso contra o Templo, que foi conservado em duas versões: Jr 7,1-15 (texto tipo C) e Jr 26,1-24 (texto tipo B). O primeiro destaca o conteúdo, o segundo as circunstâncias do discurso.

Entre setembro de 609 e abril de 608 a.C., talvez durante uma festa, Jeremias coloca-se no pátio do Templo e denuncia a confiança da população judaíta no Templo de Iahweh como falsa e promete a destruição do santuário, tal qual outrora acontecerá com Silo.

A morte de Josias em combate contra o faraó, o curto governo de seu filho Joacaz (3 meses), seu exílio, a dependência do Egito sob Joaquim: tudo isso criara um clima de incerteza e insegurança geral. O que faz o povo? Refugia-se na crença de que a presença de Iahweh no Templo garante a cidade e a sua liberdade.

Jeremias denuncia esta crença porque, segundo ele, só a aliança Iahweh-Israel poderia garantir o povo. Mas esta não funcionava, pois nos tribunais não se praticava o direito, oprimiam-se o estrangeiro residente, o órfão e a viúva, condenava-se o inocente e, além disso, seguiam-se deuses estrangeiros.

O que acontece com Jeremias?
Conta-nos Jr 26,1-24 que Jeremias quase morre por fazer tal denúncia. Aos olhos do pessoal do Templo, como sacerdotes e profetas, Jeremias cometera duas blasfêmias: falara em nome de Iahweh e falara contra a casa de Iahweh. Perante o tribunal a que é levado, ele, porém, confirma suas palavras e só não morre porque alguém se lembrou do profeta Miquéias, que, um século antes, pregara destino parecido para o Templo e para a cidade e nada sofrera.

O que disse Jeremias sobre o governo de Joaquim?
Denuncia o governo de Joaquim como ganancioso, assassino e violento, segundo Jr 22,13-19, um dos mais duros oráculos proféticos já pronunciados contra um rei. Jeremias compara Joaquim ao seu pai Josias e denuncia o rei como antijavista, pois não cumpre sua função real de exercer a justiça e o direito e de proteger os mais fracos.

No começo de seu governo, Joaquim preocupa-se em construir um novo palácio - ou um anexo ao antigo - exatamente no momento em que a crise econômica se agravava. Dependente do Egito, a quem pagava tributo, colocou a população para trabalhar de graça na construção. Jeremias vai dizer ao rei que ele, quando morrer, nem merece ser sepultado, mas como um jumento deverá ser jogado para fora das muralhas de Jerusalém, pois, ao contrário de seu pai, Joaquim "não conhece Iahweh".

O que mais ameaça Judá neste momento?
Jr 4,5-6,30 e Jr 8,13-17 falam de um "inimigo que vem do norte". Embora haja várias possibilidades de identificação desse inimigo, muitos comentaristas pensam que Jeremias está falando de Nabucodonosor, o rei babilônico, que invade regiões da Palestina em 605/604 a.C., trazendo o terror da guerra para as fronteiras de Judá.

Muitos dos versos de Jeremias, nestes poemas, são de uma dramaticidade impressionante, como Jr 5,15-17, sobre a nação que vem de longe para atacar Judá: nação antiga, nação duradoura, cujos homens são heróis. Nação que devorará os filhos, os animais e todo o alimento de Judá, destruindo pela espada suas fortalezas. Segundo Jeremias, é Iahweh quem aplicará a Judá tal castigo.

Mas o que motiva tão cruel castigo de Judá?
A ruptura da aliança. Em Judá, Jeremias só vê rebeldia contra Iahweh, levando o povo a maldades e crimes sem conta. Não há o mínimo "conhecimento de DEUS", que só é possível através da prática do direito, da justiça, da solidariedade. Os poderosos tramam sistematicamente contra o povo, todos buscam desesperadamente a riqueza e não há paz. A mentira domina, desde o ensinamento dos profetas à lei dos sacerdotes, levando o país ao caos. Todos se tornam inimigos de todos. Impera a idolatria. O fim será trágico, segundo os capítulos 8 e 9 de Jeremias.

Percorrendo as ruas de Jerusalém, Jeremias constata a ausência do direito e da verdade entre as pessoas comuns (Jr 5,1), mas maior corrupção encontra entre os grandes e poderosos, que não agem mal por ignorância, senão por determinação consciente e persistente (Jr 5,4-5). Quanto mais a crise nacional se aprofunda, mais os líderes se recusam a encontrar soluções. Só procuram satisfazer seus interesses imediatos e deixam o país afundar: "Eles cuidam da ferida do meu povo superficialmente, dizendo: 'Paz! Paz!', quando não há paz", diz Jr 6,14.

Com extremo realismo - válido para todas as épocas - em Jr 5,26-28 são descritos os poderosos e suas armadilhas de apanhar o povo e escravizá-lo impunemente.

Por que Jeremias foi proibido de entrar no Templo?
Porque, segundo Jr 19,14-20,6, possivelmente por volta de 605 a.C., quando Nabucodonosor venceu o faraó Neco II e ameaçou Judá, o profeta foi ao pátio do Templo e anunciou a destruição de Jerusalém. Acabou preso por Fassur, chefe da guarda do Templo, surrado e colocado no tronco por uma noite. Depois disso, foi-lhe proibida, segundo Jr 36,5, a entrada no Templo.

Sem poder ir até o povo, o que faz Jeremias?
Convoca o escriba Baruc e dita-lhe os oráculos de julgamento contra a nação. Este episódio da primeira escrita do livro, narrado em Jr 36,1-32, aconteceu no quarto ano do governo de Joaquim,em 605 a.C.

No ano seguinte, em dezembro de 604 a.C. Jeremias manda Baruc ler o livro (= rolo) no Templo. O momento é dramático: Nabucodonosor atacava, então, a cidade filistéia de Ascalon, vizinha de Judá. Por isso, talvez, Jeremias, tenha acreditado ter soado a hora da verdade para Judá. O "inimigo do norte" está às portas. Ou conversão ou destruição, alerta o profeta.

O que fez Joaquim ao tomar conhecimento do manuscrito?
Queimou-o e mandou prender Jeremias e Baruc, segundo Jr 36, 21-26. A leitura feita por Baruc no Templo foi ouvida por membros do governo de Joaquim que não apoiavam as suas atitudes. Na esperança de convencer o rei a mudar sua política, levaram o manuscrito até Joaquim, que o ouviu mas não se convenceu. Jeremias e Baruc, bem escondidos, não foram achados. Após algum tempo, Jeremias, que não é de desistir, manda que Baruc escreva tudo de novo e ainda acrescente ao livro outras palavras, diz Jr 36,27-32.

Todos os profetas da época pensavam como Jeremias?
De modo algum. Acreditam alguns especialistas que talvez o fato mais desorientador para Jeremias nesta época era a análise errada da situação feita por pessoas que se apresentavam para falar em nome de Iahweh como seus profetas.

Por isso, em Jr 14,13-16 e Jr 23,13-40 podemos ver como Jeremias luta para desmascarar os falsos profetas que, falando em seu próprio interesse, "fortalecem as mãos dos perversos, para que ninguém se converta de sua maldade", que seduzem o povo com suas mentiras e seus enganos, roubando um do outro a palavra de Iahweh. Jeremias conclui que dos profetas de Jerusalém saiu a impiedade para todo o país.

Qual o significado das "confissões" de Jeremias?
Mais do que "confissões", deveríamos falar aqui de diálogos com Iahweh, lamentos, orações, disputas. Foi durante este período de sua vida, durante o governo de Joaquim, que Jeremias mais sentiu o peso de sua missão. Obrigado a ser do contra, a pregar a desgraça para o seu povo, a remar contra a corrente, ameaçado, rejeitado, caluniado, desprezado, ele se lamenta, amaldiçoando até mesmo o dia em que nasceu.

São textos difíceis de ser datados com precisão. É possível que tenham sido escritos em 605 a.C. como um desabafo, não como oráculos previamente ditos ao povo. Talvez possam ser lidos como uma síntese das crises vividas pelo profeta desde o começo de sua atividade.

São 5 textos:
o 1a confissão: Jr 11,18-12,6
o 2a confissão: Jr 15,10-11.15-21
o 3a confissão: Jr 17,14-18
o 4a confissão: Jr 18,18-23
o 5a confissão: Jr 20,7-10.14-18

O que diz Jeremias em cada uma das cinco "confissões"?
Da primeira "confissão" já falamos na pergunta 5: seus conterrâneos e familiares tentam matá-lo em Anatote,quando jovem. Mas Jeremias amplia o problema, questionando porque persiste a prosperidade dos ímpios e a paz dos apóstatas. Daqueles que vivem falando em Iahweh, mas na verdade estão muito longe dele. Daqueles que têm uma fachada de piedade, mas não estão, de fato, com Iahweh. E Jeremias conclui que este é um problema para o qual ele não tem resposta...

Na segunda confissão a questão colocada por Jeremias é: vale a pena ser profeta? Jeremias confessa estar vivendo a suprema tentação profética, que é a vontade de se acomodar, de desistir, de aceitar a cooptação, de "ser normal", de passar para o lado daqueles a quem ele critica para sair da solidão a que é obrigado a viver.

Na terceira confissão Jeremias apela a Iahweh contra os seus perseguidores que lhe cobram a realização da palavra de Iahweh por ele pregada e o profeta não sabe mais o que fazer. Jeremias se sente desacreditado perante seus ouvintes, porque as desgraças prometidas não acontecem. Vive duramente pressionado.

Na quarta confissão Jeremias denuncia nova trama contra a sua vida. Seus adversários argumentam que podem tranqüilamente eliminá-lo, já que o sacerdote, o sábio e o profeta (ligado aos interesses da corte) não lhes faltarão. Com tristeza o profeta constata: estes que querem eliminá-lo são os mesmos a quem ele tantas vezes defendeu diante de Iahweh...Na quinta confissão, a mais dramática e a mais conhecida de todas, usando fortes imagens, Jeremias chega ao máximo de sua angústia. Acredita que Iahweh o enganou: o seduziu para ser profeta e o dominou, para depois abandoná-lo. Agora todos querem sua queda, inclusive seus amigos. Por isso, ele quer parar de ser profeta, mas o problema é que não consegue, pois as palavras de Iahweh queimam-no como fogo. Fogo que atinge até os ossos. Então, Jeremias amaldiçoa o dia em que nasceu: "Maldito o dia em que eu nasci! (...) Maldito o homem que deu a meu pai a boa nova: 'Nasceu-te um filho homem!' (...) porque ele não me matou desde o seio materno, para que minha mãe fosse para mim o meu sepulcro e suas entranhas estivessem grávidas para sempre. Por que saí do seio materno para ver trabalhos e penas e terminar os meus dias na vergonha?".

E o que aconteceu com o rei Joaquim?
Em 600 a.C. Nabucodonosor tentou invadir o Egito e não conseguiu. Joaquim rebelou-se e morreu em dezembro de 598 a.C., provavelmente assassinado, enquanto os babilônios marchavam para tomar Jerusalém. Seu filho Joaquin, de 18 anos de idade, o substituiu, mas capitulou 3 meses depois, no dia 16 de março de 597 a.C. O rei foi deportado para a Babilônia com a corte e a classe dirigente.

No seu lugar, os babilônios deixaram seu tio, outro filho de Josias, de nome Zedequias, então com 21 anos de idade, para dirigir um Judá todo arruinado. Com várias cidades destruídas e com a economia do país desorganizada, pouco restava ao fraco Zedequias que pudesse ser feito.

O que fez Jeremias neste 3º período, sob o governo de Zedequias?
Jeremias começa criticando as pretensões do novo governo através da visão dos dois cestos de figos de Jr 24,1-10. Segundo o profeta, os exilados correspondem a figos bons, enquanto o atual governo se parece com figos estragados. É possível que o novo governo, instalado no poder sob Zedequias, se afirmasse como a solução para o país, já que os "maus", os governantes anteriores, tinham sido exilados, pagando por seus crimes. Jeremias é de opinião contrária. Para ele o problema continua. Nada fora resolvido e a sombra do Templo não garantirá ninguém.

Jeremias escreveu uma carta aos exilados?
Sim. Ainda nos primeiros anos do governo de Zedequias Jeremias escreveu aos exilados de 597 a.C., segundo Jr 29,1-23. Ele tenta desfazer as ilusões alimentadas por falsos profetas, durante convulsões sociais acontecidas no império babilônico, de que o exílio estava para acabar. Segundo Jeremias, os exilados devem aprender a viver tranqüilamente entre os babilônios, pois o exílio será longo.

O que pensa Jeremias de uma rebelião contra a Babilônia?
Em Jr 27,1-22 e Jr 28,1-17 ele se opõe radicalmente a tal aventura incitada em Jerusalém pelos pequenos reinos da Síria-Palestina que se encontravam na mesma situação de Judá. Colocando um jugo (= haste apoiada no pescoço e ombros para transportar carga) sobre o próprio pescoço, Jeremias simboliza o domínio babilônico a que estavam submetidos (Jr 27,2-3). Confrontando-se com o profeta Hananias, que, ao quebrar o jugo de Jeremias, simbolicamente prega a necessidade da rebelião e a libertação fácil, Jeremias consegue convencer o governo a se manter quieto.

O que disse Jeremias a Zedequias quando Jerusalém foi sitiada?
Quando Jerusalém foi cercada pelas tropas babilônicas em janeiro de 587 a.C., Jeremias disse ao rei Zedequias que a vitória de Nabucodonosor era inevitável, pois Iahweh entregara a cidade nas mãos do inimigo, já que não houve conversão (Jr 34,1-7).

Por que Jeremias é preso nesta época?
Porque, segundo Jr 37,11-16, ele tentou sair da cidade para ir a Anatote tomar posse de um campo que comprara de um primo. Como o Egito enviara um exército para ajudar Jerusalém, os babilônios tinham levantado temporariamente o cerco da cidade para enfrentá-lo. É nesta ocasião que Jeremias é acusado por oficiais do exército de passar para o lado dos babilônios, é preso e jogado numa cisterna de captação de água, onde quase morre.

Já segundo Jr 38,1-13, Jeremias é preso, acusado de traição pelos nobres, ministros de Zedequias, porque estaria exortando o povo à rendição. É provável que temos aqui dois relatos diferentes do mesmo episódio.

Mas há alguma mensagem de esperança em Jeremias?
"Para arrancar e para destruir": esta foi a principal missão de Jeremias. Mas também para "construir e para plantar", como diz Jr 1,10. Na verdade, espalhados pelo livro de Jeremias, encontramos poucos textos que manifestam alguma esperança. Jr 31,31-34, o famoso texto que fala da nova aliança, é um destes.

Em geral, sua autenticidade tem sido contestada. Argumenta-se, por exemplo, que Jeremias nunca chegou a tais alturas teológicas, porque o texto é perfeito, completo e assim por diante. Porém, alguns pensam que Jeremias pode ter tido tal idéia no começo de sua pregação e a aplicado ao reino do norte, tendo depois, nestes últimos dias, adaptado a fala a Judá. Claro que o texto final, redigido em prosa, tem a mão de algum redator posterior, talvez deuteronomista. Mas isto não é suficiente para negar a paternidade da idéia a Jeremias.

O que diz Jr 31,31-34?
Faz uma contraposição entre a antiga aliança, feita após o êxodo, e a nova aliança, a ser feita no futuro. Enquanto a antiga aliança precisava de intermediários, a nova não precisará, pois a lei será colocada no íntimo (= coração, seio) do povo de Israel. Se a antiga aliança foi rompida pelos pais de Israel, a nova não o será jamais, porque haverá perfeita sintonia entre Iahweh e Israel.

O objetivo desta nova aliança: conhecer Iahweh. É o repetido tema do conhecimento de Iahweh que aqui volta. É um tema da maior importância e explica muitas das atitudes e palavras de Jeremias.

Jeremias chegou mais perto do que ninguém da compreensão do verdadeiro problema de Israel de sua época, que era a estrutura tributária do Estado. Sua rejeição de instituições como o Templo e seu aparelho cultual ou a corte e sua administração é, na verdade, a denúncia dos aparelhos do Estado tributário como antijavistas e perniciosos para o povo.

A proclamação de uma nova aliança, onde o Javismo não precisaria de mediações para ser vivido, é a radicalização utópica de sua pregação. É o sonho de Jeremias.

E o 4º período da atuação de Jeremias?
Após a queda de Jerusalém em 19.07.586 a.C., assistimos ao crepúsculo do profeta. Deixado livre pelos babilônios, Jeremias escolheu ficar com o governador Godolias, neto de Safã, escriba chefe da reforma de Josias, membro de uma família que sempre apoiara Jeremias em Jerusalém. Assim, junto ao resto do povo pobre que ficou no país, Jeremias certamente alimenta ainda a esperança de "construir e plantar", como conta o texto que fala de sua vocação em Jr 1,10.

E como Jeremias terminou seus dias?
A situação em Judá se complicou rapidamente, quando um príncipe davídico chamado Ismael, que escapara para Amon, voltou e assassinou Godolias, provavelmente em outubro de 586 a.C., segundo Jr 41,1-18. Os sobreviventes, entre eles Jeremias, fogem para o Egito, temendo uma represália babilônica (Jr 42,1-43,7).

Lá no Egito, em Táfnis, cidade situada a leste do delta do Nilo, o incansável profeta, que já devia ter uns 70 anos de idade, passa a repreender a idolatria que seus conterrâneos ali praticavam, segundo Jr 44,1-30.

Depois disso, nada mais sabemos sobre Jeremias. Diz a lenda que o profeta de Anatote foi apedrejado e morto por seus conterrâneos, lá no Egito. Esta lenda está no apócrifo Vida dos profetas, um texto escrito por um judeu da Palestina no século I d.C.

Como faço para saber mais sobre Jeremias?
Em primeiro lugar, é recomendável ler todo o livro de Jeremias. Depois, livros e artigos podem ser lidos ou consultados. Como os seguintes:
BRUEGGEMANN, W. A Commentary on Jeremiah: Exile and Homecoming. Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 1998, xiv + 502 p. - ISBN 9780802802804.
BRUEGGEMANN, W. Like Fire in the Bones: Listening for the Prophetic Word in Jeremiah. Minneapolis: Fortress, 2006, 272 p. - ISBN 9780800635619.
CARROLL, R. P. Jeremiah. 2 v. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2006, vol. I: 512 p. - ISBN 9781905048632; vol II: 384 p. - ISBN 9781905048649.
DA SILVA, A. J. Arrancar e destruir, construir e plantar. A vocação de Jeremias. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 15, p. 11-22, 1987.
DA SILVA, A. J. Nascido profeta: A vocação de Jeremias. São Paulo: Paulus, 1992, 143 p. - ISBN 8505012660.
DIAMOND, A. R. P.; O'CONNOR, K. M.; STULMAN, L. (eds.) Troubling Jeremiah. Sheffield: Sheffield Academic Press, 2001, 464 p.
EDELMAN, D.; BEN ZVI, E. (eds.) The Production of Prophecy: Constructing Prophecy and Prophets in Yehud. London: Equinox Publishing, 2009, 256 p. - ISBN 9781845535001.
HOLLADAY, W. L. Jeremiah: Reading the Prophet in His Time - and Ours. Minneapolis: Augsburg Fortress, 2006, 180 p. - ISBN 9780800638993.
MESTERS, C. O profeta Jeremias: Boca de DEUS, boca do povo. 3. ed. São Paulo: Paulus, 1998, 152 p. - ISBN 9788534912280.
ROSSI, L. A. S. Como ler o livro de Jeremias: profecia a serviço do povo. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2007, 145 p. - ISBN 853491995X.
SCHÖKEL, L. A. & SICRE DIAZ, J. L. Profetas I: Isaías, Jeremias. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2004, 680 p. - ISBN 8505006992.
SCHWANTES, M. et al. Jeremias 37-45. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 91, 2006 (cf. a bibliografia com 48 livros e artigos no final, nas páginas 103-105. A maioria em português).
SICRE, J. L. Profetismo em Israel: O Profeta, os Profetas, a Mensagem. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008, 540 p. - ISBN 8532615880.
Livros a fins em http://www.cpad.com.br/

OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conhecer a origem sacerdotal do profeta Jeremias.
Explicar como se deu o chamamento do profeta Jeremias.
Conscientizar-se de que somos um povo sacerdotal e profético.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, para esta primeira aula, sugerimos que seja feito um resumo da biografia de Jeremias. Neste resumo, enfatize as dores e os sofrimentos enfrentados pelo profeta. Reproduza o esquema da página abaixo no quadro de giz ou tire cópias para os alunos.

Explique à classe que Jeremias não era nada popular, pois ele exortava Judá a se submeter à dominação do inimigo. Jeremias mostrou ao povo que o ataque por parte do inimigo era um castigo vindo do Senhor. DEUS precisava discipliná-Ios, uma vez que não mais viviam de acordo com os preceitos divinos.

RESUMO DA LIÇÃO 1 - JEREMIAS, O PROFETA DA ESPERANÇA
INTRODUÇÃO - Jeremias - "Vigoroso na batalha, desafiou e contestou a injustiça, a
falsidade e a vilania". O profeta das lágrimas, como Jeremias é conhecido, tudo fez
por reconduzir seus contemporâneos aos caminhos do Senhor.

I. A ORIGEM SACERDOTAL DO PROFETA JEREMIAS
Nascido na cidade sacerdotal de Anatote, que distava uns seis quilômetros a nordeste de
Jerusalém, o profeta Jeremias exerceu o seu ministério entre 626 a 586 a.C.
Contemporâneo dos reis Josias, Jeoaquim e Zedequias Jr 1.31, Jeremias profetizou no
período mais crítico da história de Israel.

II. A VOCAÇÃO DE JEREMIAS
1. O jovem Jeremias.
2. O chamamento de Jeremias. Três coisas fez o Senhor em relação a Jeremias: conheceu-o,
santificou-o e o deu às nações.
3. A incapacidade de Jeremias. "Ah! Senhor JEOVÁ! Eis que não sei falar; porque sou uma
criança" (Jr 1.6). O Senhor toca-lhe os lábios: "Eis que ponho as minhas palavras na tua boca"
(Jr 1.9). "A vida do cristão começa no Calvário, mas o trabalho eficiente, no Pentecostes..

III. O ESTADO CIVIL DE JEREMIAS
Devido às urgências daquele. tempo e das tormentas que se avizinhavam, ordenou-lhe o Senhor:
"Não tomarás para ti mulher, nem terás filhos nem filhas neste lugar. Não são poucos os ministérios
arruinados em conseqüência de casamentos movidos única e exclusivamente pela paixão carnal.

IV. A POSTURA PROFÉTICA DE JEREMIAS
Jeremias não fora chamado para ser homem do povo. Não era populista nem popular; não era
obcecado por índices de aceitação nem estava preocupado com o marketing pessoal.

CONCLUSÃO
Mesmo sob as mais duras e inumanas condições, Jeremias cumpriu fielmente o seu ministério;
Falou a Palavra de DEUS; combateu as iniqüidades e conclamou a nação ao arrependimento.

SINOPSE DO TÓPICO (1 ) - Jeremias exerceu seu ministério profético durante um dos períodos mais críticos da história do povo de DEUS.
SINOPSE DO TÓPICO (2) - Jeremias recebeu da pane do Senhor uma grande missão: profetizar às nações.
SINOPSE DO TÓPICO (3) - Próximo à idade de se casar, DEUS proibiu Jeremias de fazê-Ia (16.1-4).
SINOPSE DO TÓPICO (4) - Jeremias não era populista nem popular; não era obcecado por índices de aceitação. Seu objetivo era agradar ao Senhor.

REFLEXÃO - Como Jeremias, coloque a sua confiança em DEUS para ir adiante de você, sossegue os seus medos e use o poder transformador de DEUS para tornar as suas limitação em possibilidades ilimitadas." Jim George.

Subsídio Bibliológico - Para servir como Porta-voz
Jeremias foi nomeado profeta para Judá, mas também para as nações. A palavra hebraica "nab" é traduzida por 'profeta' cerca de 300 vezes no Antigo Testamento. Pode ser que a palavra originariamente significava 'anunciar' ou 'falar'.

Qual é a mensagem recebida por Jeremias para o seu povo? [...: Todos os homens são culpados e responsáveis diante de DEUS (1.5,10). Judá é responsável porque abandonou o Senhor para servir a falsos deuses (1.10,15,16). As nações estão debaixo do juízo divino porque sua conduta está abaixo da justiça humana comum. Os culpados sofrerão destruição e dificuldade porque DEUS certamente virá para julgar. Quando Ele vier, os reinos e povos serão arrancados e derribados. DEUS não está dormindo como supõem os homens, mas está alerta para cumprir sua palavra (1.11,12). [...] Essa advertência oportuna é seguida por uma palavra de esperança: O castigo e o julgamento de DEUS são redentores; isto é, Ele aflige para curar. Além do julgamento, há esperança de uma restauração um povo redimido e um dia novo" : (Comentário Bíblico Beacon. VOI. 4: Isaías a Daniel. Rio de Janeiro, CPAD, 2005, pp.261-62).



Subsídio Geográfico
Anatote - "Uma pequena aldeia, a cinco quilômetros a nordeste de Jerusalém. Terra de Abiatar, o sacerdote, e de Jeremias, seu descendente (1 Rs 2.26; Jr 1.1). Situada na terra de Benjamim (Js 21.18), foi dada aos filhos de Arão. Por revelação, Jeremias comprou um campo que tinha pertencido aos seus antepassados (Jr 32.7). Após seu retorno do exílio, os benjamitas novamente ocuparam a região (Ne 11.32). Ao norte de Anatote, estava Micmás, e a sudeste estava Jerusalém" (ls 10.28-32) (Dicionário Bíblico Wycliffe. l.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.1 00).

Subsídio Teológico
A Escatologia de Jeremias - "Ao profetizar nos últimos dias antes da queda de Jerusalém em 587 a.C.,Jeremias predisse que DEUS enviaria Judá e Jerusalém para o exílio na Babilônia, em razão de terem violado a aliança mosaica. Entretanto, ele predisse também a época em que DEUS destruiria o poder da Babilônia e de outras nações hostis, restaurando a terra ao seu povo. Naquele tempo, DEUS estabeleceria uma nova aliança com Israel e Judá, reunificando, capacitando o povo a obedecer-lhe perpetuamente. DEUS ainda restabeleceria a dinastia davídica e restauraria um sacerdócio levítico purificado só que isso teria início ao fim dos setenta anos de exílio, caso toda a nação se arrependesse. O reino de Israel/Judá seria completamente restaurado se eles continuassem a obedecer a DEUS após voltarem para a Terra Prometida. As profecias de Jeremias cumpriram-se parcialmente com o retorno dos exilados sob a liderança de Zorobabel em 536 a.C. e com a reconstrução da nação no período pós-exílico. Os eventos dificilmente alcançaram a grandeza das expectativas de Jeremias. O pleno cumprimento das profecias ainda aguarda um cumprimento escatológico" (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p.189).

AJUDA
PAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.

RESUMO DA CPAD DO LIVRO DE JEREMIAS (BÍBLIA BEP)

RESUMO DA CPAD DO LIVRO DE JEREMIAS (BÍBLIA BEP)


Esboço

I. Chamada e Atribuições de Jeremias (1.1-19)

II. Palavra Profética de Jeremias a Judá (2.1—33.26)

A. Profecias de Juízo (2.1—29.32)

1. A Apostasia Deliberada de Judá e Sua Assolação Iminente (2.1—6.30)

2. A Loucura e Hipocrisia Religiosa de Judá (7.1—10.25)

3. A Infidelidade de Judá ao Concerto (11.1—13.27)

4. Predições de Julgamentos, Intercessão, Solidão e Pecados de Judá (14.1—17.27)

5. Duas Parábolas Proféticas e uma Lamentação (18.1—20.18)

6. Condenação dos Reis Ímpios, dos Falsos Profetas e da Decadente Judá (21.1—24.10)

7. O Cativeiro Babilônico Vindouro (25.1—29.32)

B. Profecias Acerca da Restauração (30.1—33.26)

1. Dimensões da Restauração Divina do Povo de DEUS (30.1—31.26)

2. Promessa de um Novo Concerto e uma Ilustração da Fé (31.27—32.44)

3. O Justo Renovo de Davi (33.1-26)

III. O Papel de Jeremias Como Atalaia Profético (34.1—45.5)

A. Declaração a Zedequias do Cativeiro Vindouro (34.1-22)

B. A Lição dos Recabitas (35.1-19)

C. A Queima dos Escritos de Jeremias e Sua Dupla Prisão (36.1—38.28)

D. O Cumprimento da Profecia de Jeremias sobre a Queda de Jerusalém (39.1-18)

E. Ministério de Jeremias Após a Queda de Jerusalém (40.1—45.5)

IV. A Palavra Profética de Jeremias às Nações (46.1—51.64)

A. Egito (46.1-28)

B. Filístia (47.1-7)

C. Moabe (48.1-47)

D. Amom (49.1-6)

E. Edom (49.7-22)

F. Damasco (49.23-27)

G. Arábia (49.28-33)

H. Elão (49.34-39)

I. Babilônia (50.1—51.64)

V. Apêndice Histórico da Queda de Jerusalém (52.1-34)



Autor: Jeremias

Tema: O Juízo Divino e Inevitável de Judá

Data: Cerca de 585—580 a.C.



Considerações Preliminares

O ministério profético de Jeremias foi dirigido ao Reino do Sul, Judá, durante os últimos quarenta anos de sua história (626—586 a.C.). Ele viveu para ser testemunha das invasões babilônicas de Judá, que resultaram na destruição de Jerusalém e do templo. Como o chamado de Jeremias propunha-se a que ele profetizasse à nação durante os últimos anos de seu declínio e queda, é compreensível que o livro do profeta esteja cheio de prenúncios sombrios.

Jeremias, filho de sacerdote, nasceu e cresceu na aldeia sacerdotal de Anatote (mais de 6 km ao nordeste de Jerusalém) durante o reinado do ímpio rei Manassés. Jeremias começou seu ministério profético durante o décimo-terceiro ano do reinado do bom rei Josias, e apoiou seu movimento de reforma. Não demorou para perceber, no entanto, que as mudanças não estavam resultando numa verdadeira transformação de sentimentos do povo. Jeremias advertiu que, a não ser que houvesse verdadeiro arrependimento em escala nacional, a condenação e a destruição viriam de repente.

Em 612 a.C., a Assíria foi conquistada por uma coalizão babilônica. Cerca de quatro anos depois da morte do rei Josias, o Egito foi derrotado por Babilônia na batalha de Carquemis (605 a.C.; ver 46.2). Naquele mesmo ano o exército babilônico de Nabucodonosor invadiu a Palestina, capturou Jerusalém e deportou alguns dos jovens mais seletos de Jerusalém para Babilônia, entre eles Daniel e seus três amigos. Uma segunda campanha contra Jerusalém ocorreu em 597 a.C., ocasião em que foram levados dez mil cativos à Babilônia, entre os quais Ezequiel. Durante todo esse tempo, as advertências proféticas de Jeremias a respeito do juízo divino iminente passaram despercebidas pela nação. A última invasão babilônica tomou Jerusalém, o templo e a totalidade do reino de Judá em 586 a.C.

Este livro profético revela que Jeremias, freqüentemente chamado de “o profeta das lágrimas”, era um homem com uma mensagem severa, mas de coração sensível e quebrantado (e.g., 8.21—9.1). Seu espírito sensível tornou mais intenso o seu sofrimento, à medida que a palavra de DEUS ia sendo repudiada por seus familiares e amigos, pelos sacerdotes e reis, e pela totalidade do povo de Judá. Embora fosse solitário e rejeitado durante toda a sua vida, Jeremias não deixou de ser um dos mais ousados e corajosos profetas. Apesar da grande oposição, cumpriu fielmente sua chamada profética para advertir seus concidadãos de que o juízo divino estava às portas. Resumindo a vida de Jeremias, certo escritor disse: “Nunca foi imposto sobre um homem mortal fardo mais esmagador. Em toda a história da raça judaica, nunca houve semelhante

exemplo de intensa sinceridade, sofrimento sem alívio, proclamação destemida da mensagem de DEUS e intercessão incansável de um profeta em favor do seu povo como se observa no ministério de Jeremias. Mas a tragédia de sua vida foi esta: pregava a ouvidos surdos e só recebia ódio em troca do seu amor aos compatriotas” (Farley).

O autor do livro é indicado com clareza: Jeremias (1.1). Depois de profetizar durante vinte anos a Judá, Jeremias foi ordenado por DEUS a deixar a sua mensagem por escrito. Assim o fez, ao ditar suas profecias a seu fiel secretário, Baruque (36.1-4). Visto que Jeremias estava proibido de comparecer diante do rei, enviou então Baruque para ler as profecias no templo. Depois disso, Jeudi as leu diante do rei Joaquim.

O monarca demonstrou desprezo a Jeremias e à palavra do Senhor ao cortar e queimar o rolo (36.22,23). Jeremias voltou a ditar suas profecias a Baruque, e dessa vez incluiu até mais do que estava no primeiro rolo.



Propósito

O livro foi escrito:

(1) para fornecer um registro permanente do ministério profético de Jeremias e sua mensagem;

(2) para revelar o inevitável juízo divino por ter o povo transgredido o concerto e persistido em sua rebelião contra DEUS e sua palavra; e

(3) para demonstrar a autenticidade e autoridade da palavra profética.

Muitas das profecias de Jeremias foram cumpridas durante a própria vida do profeta (e.g., 16.9; 20.4; 25.1-14; 27.19-22; 28.15-17; 32.10-13; 34.1-5;); outras, que envolviam o futuro distante, foram cumpridas posteriormente, ou ainda estão por se cumprir (e.g., 23.5,6; 30.8,9; 31.31-34; 33.14-16).



Visão Panorâmica

O livro é essencialmente uma coletânea de profecias de Jeremias, dirigidas principalmente a Judá (2—29), mas também a nove nações estrangeiras (46—51); estas profecias focalizam principalmente o juízo, embora haja algumas que dizem respeito à restauração (ver especialmente os caps. 30—33). Essas profecias não estão dispostas numa ordem rigidamente cronológica ou temática, embora o livro de Jeremias tenha a estrutura global indicada no esboço. Parte do livro está escrita em linguagem poética, ao passo que outras têm a forma de prosa ou narrativa. Suas mensagens proféticas estão entrelaçadas com os seguintes aspectos históricos: (1) a vida e ministério do profeta (e.g.,

caps. 1; 34—38; 40—45); (2) a história de Judá, principalmente durante o período dos reis: Josias (caps. 1—6), Joaquim (7—20) e Zedequias (21—25; 34), inclusive a queda de Jerusalém (cap. 39), e (3) eventos internacionais que envolviam Babilônia e outras nações (25—29; 46—52).

Assim como Ezequiel, Jeremias pratica várias ações simbólicas a fim de ilustrar de modo claro a sua mensagem profética: e.g., o cinto podre (13.1-14), a seca (14.1-9), a proibição divina de não se casar ou ter filhos (16.1-9), o oleiro e o barro (18.1-11), o vaso do oleiro, que se fragmentou (19.1-13), os dois cestos de figos (24.1-10), o jugo no seu pescoço (27.1-11), a compra de um terreno na sua cidade natal (32.6-15) e as grandes pedras colocadas no pavimento de tijolos de Faraó (43.8-13). A compreensão clara que Jeremias tinha da sua chamada profética (1.17), juntamente com as freqüentes reafirmações de DEUS (e.g., 3.12; 7.2, 27,28; 11.2, 6; 13.12,13; 17.19,20), capacitaram-no a

proclamar com ousadia e fé a palavra profética a Judá, apesar de esta nação sempre reagir com hostilidade, rejeição e perseguição (e.g., 15.20,21). Após a destruição de Jerusalém, Jeremias foi levado contra sua vontade ao Egito, onde continuou profetizando até a sua morte (caps. 43; 44).



Características Especiais

Sete aspectos principais caracterizam o livro de Jeremias: (1) É o segundo maior livro da Bíblia, pois contém mais palavras (não capítulos) do que qualquer outro livro, exceto Salmos. (2) A vida e as tribulações pessoais de Jeremias como profeta são reveladas com maior profundidade e detalhes do que as de qualquer outro profeta do AT. (3) Está permeado com as tristezas, angústias e prantos do “profeta das lágrimas” por causa da rebeldia de Judá. Apesar de sua mensagem severa, Jeremias sentia tristeza e quebrantamento profundos por causa do povo de DEUS. Mesmo assim, sua maior lealdade era dedicada a DEUS, e sua mais profunda tristeza era a mágoa sofrida por DEUS. (4) Sua palavra-chave é “rebelde” (usada treze vezes), e seu tema perpétuo é o inescapável juízo divino em retribuição à rebeldia e apostasia. (5) Sua maior revelação teológica é o conceito do “novo concerto”, que DEUS estabeleceria com seu povo fiel num tempo futuro de restauração (31.31-34). (6) Sua poesia é tão eloqüente e lírica quanto qualquer outra obra poética da Bíblia, com uso abundante de metáforas excelentes, frases vívidas e passagens memoráveis. (7) Há mais referências à nação de Babilônia nas profecias de Jeremias (16.4) do que em todo o restante da Bíblia.



O Livro de Jeremias ante o N.T.

O emprego principal do livro de Jeremias no NT diz respeito à sua profecia de um “novo concerto” (31.31-34). Embora Israel e Judá tivessem transgredido, repetidas vezes, os concertos com DEUS, sendo, posteriormente, arruinados como castigo por sua rebeldia, Jeremias profetizou a respeito de um dia em que DEUS faria com eles um novo concerto (31.31). O NT deixa claro que esse novo concerto foi instituído com a morte e ressurreição de JESUS CRISTO (Lc 22.20; cf. Mt 26.26-29; Mc 14.22-25), está sendo cumprido agora na igreja, que é o povo de DEUS segundo o novo concerto (Hb 8.8-13), e chegará ao seu clímax na grande salvação de Israel (Rm 11.27). Outras passagens messiânicas

de Jeremias aplicadas a JESUS CRISTO no NT são: (1) o Messias como o Bom Pastor e o Justo Renovo de Davi (Jr 23.1-8; ver Mt 21.8,9; Jo 10.1-18; 1 Co 1.30; 2 Co 5.21); (2) o choro amargo em Ramá (Jr 31.15), cumprido na época em que Herodes procurou matar o menino JESUS (ver Mt 2.17,18), e (3) o zelo messiânico pela pureza da casa de DEUS (Jr 7.11), demonstrado por JESUS quando purificou o templo (ver Mt 21.13; Mc 11.17; Lc 19.4).

QUESTIONARIO DA LICAO 1, JEREMIAS, O PROFETA DA ESPERANCA

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 1 - JEREMIAS, O PROFETA DA ESPERANÇA

RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2010
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.

TEXTO ÁUREO:
- Complete:

"Mas o SENHOR me disse: Não digas: Eu sou uma ________________________; porque, aonde quer que eu te enviar, _____________________; e tudo quanto te mandar ___________________________" Jr 1.7).

VERDADE PRÁTICA:
2- Complete:
A missão do homem de DEUS é _____________________________. Ele foi chamado para cuidar dos interesses do Todo-Poderoso, e proclamar com _____________________ e ___________________________ a sua Palavra.

INTRODUÇÃO
3- Como Eugene H. Peterson busca descrever o caráter do mais sofrido dos mensageiros de JEOVÁ?
( ) Jeremias - "Vigoroso na guerra, desafiou e contestou a realeza, o ministério sacerdotal e a teocracia".
( ) Jeremias - "Vigoroso na batalha, desafiou e contestou a injustiça, a falsidade e a vilania".
( ) Jeremias - "Vigoroso na batalha, serviu fielmente aos reis de judá".

4- Como Jeremias é conhecido?
( ) O profeta preso.
( ) O profeta repudiado.
( ) O profeta das lágrimas.

I. A ORIGEM SACERDOTAL DO PROFETA JEREMIAS
5- Onde nasceu, qual o ministério e em que época atuou Jeremias?
( ) Nasceu na cidade sacerdotal de Anatote, que distava uns seis quilômetros a nordeste de Jerusalém, exerceu o ministério de profeta entre 626 a 586 a.C.
( ) Nasceu na cidade sacerdotal de Anatote, que distava uns sete quilômetros a nordeste de Samaria, exerceu o ministério de profeta entre 626 a 586 a.C.
( ) Nasceu na cidade sacerdotal de Antioquia, que distava uns dez quilômetros a nordeste de Jerusalém, exerceu o ministério de profeta entre 626 a 586 a.C.

6- De quem foi contemporâneo o profeta Jeremias?
( ) Dos reis Acabe, Jeoaquim e Zedequias Cr 1.31, Jeremias profetizou no período mais crítico da história de Israel.
( ) Dos reis Josias, Jeoaquim e Zedequias Cr 1.31, Jeremias profetizou no período mais crítico da história de Israel.
( ) Dos reis Josafá, Jeoaquim e Zedequias Cr 1.31, Jeremias profetizou no período mais crítico da história de Israel.

7- Complete:
Não se deixe abater nem esfriar-se na fé ante a _______________________ moral e espiritual deste século. Cumpra a missão que lhe confiou o Senhor em CRISTO JESUS; porte-se como homem de DEUS ___________________________ e vencedor. Aja com denodo e coragem, buscando sempre agradar, em tudo, aquEle que o salvou e o _______________________ para a peleja. Jamais se furte à verdade do evangelho; aja como ______________________________ testemunha de Nosso Senhor JESUS CRISTO.

II. A VOCAÇÃO DE JEREMIAS
8- O que quer dizer o vocábulo hebraico na'artem?
( ) Ampla conotação; tanto pode significar menino, jovem ou adulto.
( ) Ampla conotação; tanto pode significar adolescente ou jovem ou adulto.
( ) Ampla conotação; tanto pode significar menino, adolescente ou jovem.

9- Complete:
Obreiro de CRISTO, disponha-se. Apresente-se ao Senhor da __________________, e continue em sua presença. Ele precisa de seu ____________________. É o tempo de _____________________!

10- Como o Senhor vocacionou o jovem de Anatote (Jeremias)?
( ) "Antes que tu te formasses no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta"
( ) "Antes que teus pais o formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta"
( ) "Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta"

11- Quais as três coisas que fez o Senhor em relação a Jeremias?
( ) Conheceu-o, santificou-o e o deu às nações.
( ) Conheceu-o, honrou-o e o deu às nações.
( ) Conheceu-o, glorificou-o e o deu às nações.

12- Complete:
O profeta ainda não existia, mas já era ______________________ por DEUS; ainda não estava ciente de sua missão, porém já se achava _____________________ para o ministério; ainda não sabia falar, todavia, o Senhor já o tinha dado aos povos como _____________________. Jeremias _____________________-se; quer recuar. Sobre a reação do profeta, escreve F. B. Meyer: "Jeremias era muito jovem e tentou esquivar-se da grande missão a ele confiada. Os mais _____________________________ sempre agem assim" (cf. Êx 4.10). Mais adiante, conclui o erudito: "Sempre que Ele nos dá uma comissão, assume a responsabilidade da sua _____________________________ em nós, conosco, ou através de nós".

13- Qual era a incapacidade que Jeremias apresentou diante do Senhor para não ser o seu portavoz?
( ) Como ser o seu porta-voz se não tenho ministério? Foi a escusa que Jeremias apresentou ao Senhor: "Ah! Senhor JEOVÁ! Eis que não sei falar; porque sou uma criança"
( ) Como ser o seu porta-voz se não tenho voz? Foi a escusa que Jeremias apresentou ao Senhor: "Ah! Senhor JEOVÁ! Eis que não sei falar; porque sou uma criança"
( ) Como ser o seu porta-voz se não tenho condição financeira? Foi a escusa que Jeremias apresentou ao Senhor: "Ah! Senhor JEOVÁ! Eis que não sei falar; porque sou uma criança"

14- Complete:
Talvez esteja você apresentando as mesmas alegações ao Senhor. Ele o chamou para o ministério; você se acha _________________________. Aliás, diante dos desafios de DEUS, quem se sente apto? Conforte-se nestas palavras do apóstolo Paulo: "E é por CRISTO que temos tal _______________________________ em DEUS; não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa _____________________________ vem de DEUS" (2 Co 3.4,5).

15- Qual a resposta de DEUS ao jovem profeta diante de sua alegação de incapacidade?
( ) "Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás.
( ) Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o SENHOR" (Jr 1.7,8).
( ) Em seguida, o Senhor toca-lhe os lábios: "Eis que ponho as minhas palavras na tua boca" Jr 1.9).
( ) A partir desse momento, estava Jeremias não somente comissionado, mas plenamente capacitado por DEUS a exercer o ministério.
( ) Do Senhor, recebe ele o mandato: "Olha, ponho-te neste dia sobre as nações e sobre os reinos, para arrancares, e para derribares, e para destruíres, e para arruinares; e também para edificares e para plantares" Jr 1.10).
( ) DEUS se impresciona com a humildade de Jeremias.

16- Como um jovem tão gentil e tenro poderia desempenhar semelhante missão?
( ) Não importa; nossa capacidade vem de DEUS!
( ) Não importa; nossa capacidade será vista por DEUS!
( ) Não importa; nossa capacidade glorificará a DEUS!

17- Você já foi batizado no ESPÍRITO SANTO? Já foi revestido do poder de alto? Vive na plenitude do ESPÍRITO? Complete?
É hora de buscar a prometida __________________________. O evangelista Stanley Jones afirmou mui acertadamente: "A vida do cristão começa no ______________________________, mas o trabalho eficiente, no ____________________________________.

III. O ESTADO CIVIL DE JEREMIAS
18- Por que Jeremias permaneceu solteiro?
( ) Jeremias, devido às suas constantes viagens proféticas, não tinha tempo para uma esposa e filhos.
( ) Devido às urgências daquele. tempo e das tormentas que se avizinhavam
( ) Ordenou-lhe o Senhor: "Não tomarás para ti mulher, nem terás filhos nem filhas neste lugar.

19- Complete:
Jovem, você tem realmente uma chamada divina para o santo ministério? Não se case ____________________ da direção de DEUS. Tenha uma vida pura e santa. Que o seu namoro, noivado e casamento _________________________ o nome de Nosso Senhor JESUS CRISTO. Não são poucos os ministérios arruinados em conseqüência de casamentos movidos única e exclusivamente pela _______________________ carnal.

IV. A POSTURA PROFÉTICA DE JEREMIAS
20- Qual era a postura profética de Jeremias?
( ) Jeremias não fora chamado para ser homem do povo.
( ) Jeremias não era populista nem popular; não era obcecado por índices de aceitação nem estava preocupado com o marketing pessoal.
( ) Jeremias não achava que a voz do povo era a voz de DEUS.
( ) Jeremias era o filho de sacerdote mais bem quisto de Judá.
( ) Consciente de sua chamada, Jeremias adotou uma posição que viria a desagradar à nobreza e ao povo.
( ) Naquele momento, não havia alternativas para Jeremias: se agradasse aos poderosos de Judá viria a desagradar ao Todo-Poderoso de Israel.

21- A quem estamos agradando? Complete:
Se nos fizermos amigos do mundo, teremos a DEUS como ______________________________. É chegado o momento de os arautos de CRISTO proclamarmos, com mais intrepidez e perseverança, "todo o conselho de DEUS" (At 20.27). Quer nos ouçam, quer nos deixem de ouvir, saberão todos que neste mundo há um povo sacerdotal e _______________________ - a Igreja de DEUS, cujo único compromisso é pregar o evangelho ____________________________ a toda criatura, em toda a parte (1 Pe 2.9; Mc 16.15).

CONCLUSÃO
22- Complete:
Mesmo sob as mais duras e inumanas condições, Jeremias cumpriu ________________________ o seu ministério; falou a Palavra de DEUS; combateu as iniquidades e ___________________ a nação ao arrependimento. Em nenhum momento, recuou. Mostrou-se, em tudo, um autêntico homem de DEUS. Que o exemplo de Jeremias inspire a presente geração a ter um _____________________________ mais firme com a Palavra de DEUS.

sexta-feira, 26 de março de 2010

LIÇÃO 13 SOLENES ADVERTÊNCIAS PASTORAIS RESUMO DO TRIMESTRE EM FIGURAS

LIÇÃO 13 SoleneS ADVERTENCIAS Pastorais RESUMO DO TRIMESTRE EM FIGURAS ilustrativas

  

                                    


 

 

 







LIÇÃO 13 SOLENES ADVERTÊNCIAS PASTORAIS

LIÇÃO 13 SOLENES ADVERTÊNCIAS PASTORAISLições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 1º Trimestre de 2010
2 Coríntios - "Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas".
Comentários da revista da CPAD: Pr. Elienai Cabral
Consultores Doutrinários e Teológicos da CPAD: Pr. Antonio Gilberto e Claudionor de Andrade
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev.. Luiz Henrique de Almeida Silva

TEXTO ÁUREO
"Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos" (2 Co 13.5a).

VERDADE PRÁTICA
Uma das responsabilidades pastorais é disciplinar a igreja com amor, a fim de que esta desenvolva-se espiritualmente sadia.

LEITURA DIÁRIA
Segunda Rm 12.16 "Sede unânimes"
Terça Rm 15.1 Suportai as fraquezas dos fracos
Quarta Fp 2.3 "Nada façais por contenda"
Quinta Fp 4.4 "Regozijai-vos, sempre, no Senhor"
Sexta Cl 3.1 "Buscai as coisas que são de cima"
Sábado Cl 4.6 "A vossa palavra seja sempre agradável"

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 2 Coríntios 12.19-21; 13.5,8-11
2 Co 12.19-21 - 19 Cuidais que ainda nos desculpamos convosco? Falamos em CRISTO perante DEUS, e tudo isto, ó amados, para vossa edificação. 20 Porque receio que, quando chegar, vos não ache como eu quereria, e eu seja achado de vós como não quereríeis, e que de alguma maneira haja pendências, invejas, iras, porfias, detrações, mexericos, orgulhos, tumultos; 21 que, quando for outra vez, o meu DEUS me humilhe para convosco, e eu chore por muitos daqueles que dantes pecaram e não se arrependeram da imundícia, e prostituição, e desonestidade que cometeram.
reprovados.
2 Co 13.5 Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis, quanto a vós mesmos, que JESUS CRISTO está em vós? Se não é que já estais
2 Co 13.8 Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade.
2 Co 13.11 Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede de um mesmo parecer, vivei em paz; e o DEUS de amor e de paz será convosco.

12.15 GASTAREI E ME DEIXAREI GASTAR PELAS VOSSAS ALMAS. O espírito de Paulo, de amor devotado àqueles a quem ele procura ajudar, é um exemplo para todos os pastores, professores, missionários e obreiros em geral. Suas palavras retratam o seu amor devotado (cf. 6.11-13; 7.1-4), como o de um pai por seus filhos. É um amor que o levava a gastar-se até o fim, para o bem dos outros; um amor que não pensa em si, mas que demonstra genuína solicitude àqueles que estão sob seus cuidados. Paulo não quer nada em troca, contanto que seus corações estejam voltados para CRISTO. Todo fiel ministro do evangelho deve possuir esse tipo de amor.

12.19 NOS DESCULPAMOS CONVOSCO? Paulo não estava se desculpando, pois a tristeza produzida por sua carta era segundo DEUS e serviu para corrigir alguns erros doutrinários e teológicos existentes entre eles.
VOSSA EDIFICAÇÃO. Paulo sempre fazia questão de dizer que estava em CRISTO, posição de quem pode exortar e repreender, na autoridade de DEUS, mas sempre visando a edificação e não a destruição de uma alma que JESUS comprou com seu sangue precioso.
VOS NÃO ACHE COMO EU QUERERIA. Paulo temia achá-los ainda na prática de pecados já revelados e disciplinados por carta, também, se assim fosse, eles não se encontrariam com um Paulo Pai, mas um Paulo irado com a ira de DEUS, para aplicar a correção aos desobedientes.
12.20 DETRAÇÕES, MEXERICOS. A Bíblia condena os pecados da língua que prejudicam o próximo, como sendo ofensas graves contra a lei cristã do amor. Qualquer tipo de conversa que rebaixa o próximo ou que difama seu caráter deve ser reprovada. A conversa ou menção de delitos do próximo devem ser feitos somente com um motivo sincero de ajudar tal pessoa, ou de proteger os outros e o reino de DEUS (Rm 1.29; Ef 4.31; 2 Tm 4.10,14,15; 1 Pe 2.1).
PENDÊNCIAS. Eram pendências na justiça, reclamações feitas entre irmãos e levadas a juízes descrentes que sempre decidiam contrariamente à Bíblia e traziam escândalo entre os gentios.
12.21 CHORE POR MUITOS DAQUELES QUE... PECARAM. Os ministros cristãos devem chorar por aqueles na igreja que se recusam a arrepender-se do seu pecado e abandoná-lo, pois estão espiritualmente mortos. A mensagem trágica para eles é a palavra que Paulo dirige aos coríntios (1 Co 6.9), aos gálatas (Gl 5.21) e aos efésios (Ef 5.5,6); palavra essa que declara a sua exclusão do reino de DEUS.

ME HUMILHE PARA CONVOSCO. Paulo desejava que DEUS o humilhasse perante os Coríntios, que tudo o que escreveu não tivesse motivo real e que eles estivessem inocentes em tudo aquilo. Assim DEUS não teria que usar de juízo, mas de amor para com todos eles.
13.2 NÃO LHES PERDOAREI. O amor do pastor aos membros da sua igreja (ver 12.15) requer austeridade e não somente afeição. Chega a hora em que a paciência termina a sua caminhada e, para o bem da igreja, os transgressores não devem ser mais tolerados. É caso então de santa justiça, e não de indulgência.
13.5 EXAMINAI-VOS... SE PERMANECEIS NA FÉ. Nenhum conhecimento é tão importante para os crentes como a certeza de que têm a vida eterna (ver Jo 17.3). Todos os cristãos professos devem examinar a si mesmos para ver se a sua salvação é uma realidade presente.
13.8 CONTRA A VERDADE. A verdade é luz e afasta as trevas. Não há como enfrentar a verdade, ela não se amedronta diante das dificuldades, não desanima diante de barreiras.
13.11 MESMO PARECER. A Igreja verdadeira é aquela onde todos visam ganhar almas e unidos lutam para que isso seja uma realidade normal no bom andamento da obra de DEUS.
13.13 GRAÇA... AMOR... COMUNHÃO. A bênção impetrada por Paulo dá testemunho da crença na Trindade, mantida pela igreja do NT. Paulo ora para que os coríntios tenham continuamente a experiência
(1) da graça de CRISTO, i.e., da sua presença, poder, misericórdia e consolo;
(2) do amor paternal de DEUS, com todas as suas bênçãos e
(3) da comunhão cada vez mais profunda com o ESPÍRITO SANTO.
Sendo essa tríplice realidade uma bênção sempre presente em nossa vida, nossa salvação está garantida.

Palavra-Chave - Advertência - Ato de admoestar, aviso, conselho.

INTERAÇÃO
Professor, chegamos ao final de mais um trimestre. A conclusão de uma etapa é sempre um bom momento para se fazer uma avaliação. Paulo, ao concluir a Segunda Epístola aos Coríntios também convida os crentes para uma auto-avaliação: "Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos" (13.5). O apóstolo exorta a todos para que façam exames espirituais periódicos a fim de ver se ainda estavam na fé. Havia na igreja um grupo que exigia "provas" de que CRISTO falava por Paulo (2.13.3), agora é Paulo quem exige que eles se examinem e provem se estão vivendo mediante a fé em CRISTO JESUS. Que você possa seguir triunfante o caminho da fé e conduzir seus alunos neste caminho, que levará até o Céu.

OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Refletir a respeito da firmeza e determinação do apóstolo Paulo.
Compreender que o objetivo da disciplina na igreja é edificar moral e espiritualmente as pessoas, e não destruí-las.
Saber que o amor fraternal deve prevalecer na vida do cristão autêntico.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Para a finalização do trimestre, reproduza o quadro abaixo. Utilize-o ao concluir a lição. Mostre aos seus alunos os principais temas encontrados na segunda epístola aos Coríntios. Conclua perguntando à classe o que aprenderam de mais significativo durante o trimestre e que gostariam de relatar à turma.

RESUMO DA LIÇÃO 13 SOLENES ADVERTÊNCIAS PASTORAIS
Paulo esforçava-se para solucionar as dúvidas e consolidar
a fé dos santos que viviam em Corinto.
I. PREOCUPAÇÕES PASTORAIS DE PAULO (12.19-21)
1. Defender seu apostolado em CRISTO (v.19).
2. O temor de Paulo em relação à igreja de corinto (v.20).
3. A situação da igreja de Corinto (v.20,21).
II. O PROPÓSITO DA DISCIPLINA DA IGREJA POR PAULO (12.21; 13.2-4)
1. Promover a paz e o arrependimento dos pecadores (vv.12.21; 13.2).
2. Afirmar o caráter cristão de seu apostolado (13.2,3).
III. ALGUMAS RECOMENDAÇÕES FINAIS (VV.5-11)
1. Paulo encerra sua carta com uma advertência (13.5).
2. Paulo encerra sua carta com um desejo (13.7-9).
CONCLUSÃO
"Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar
pelas vossas almas" (2 Co12.15).

SINOPSE DO TÓPICO (1)A defesa de Paulo tinha por objetivo provar à igreja que DEUS era o seu Juiz, e que a sua comunhão com CRISTO dava-lhe autoridade para falar e representá-lo na terra.
SINOPSE DO TÓPICO (2) Os problemas de ordem moral exigiam uma postura firme. Caso contrário, as ações diabólicas para destruir a igreja não seriam neutralizadas.
SINOPSE DO TÓPICO (3) A disciplina deve ter sempre, como objetivo, edificar moral e espiritualmente as pessoas, e não destruí-las.
REFLEXÃO
"Pouco importando o quão fraco, tímido ou humilde Paulo parecesse ser na presença dos coríntios, ele não teve de enfrentar destemidamente ou usar métodos e armas que o mundo usa. Quando o ESPÍRITO o ungiu, ele tinha armas 'poderosas em DEUS' para destruir as fortalezas inimigas. Estas armas são o ESPÍRITO e a Palavra". Stanley Horton.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I
Subsídio Doutrinário - "A Bênção Apostólica
1.Ele apresenta diversas exortações úteis.
(1) Que fossem perfeitos ou estivessem unidos em amor, o que serviria grandemente para a vantagem deles como igreja ou sociedade cristã.
(2) Que fossem consolados diante de todo sofrimento e perseguição que pudessem enfrentar por amor a CRISTO, ou qualquer calamidade e desapontamento que pudessem encontrar neste mundo.
(3) Que fossem de um mesmo parecer, o que ajudaria grandemente em relação ao consolo deles. Quanto mais afáveis formos com nossos irmãos maior será a tranqüilidade em nossa alma. O apóstolo queria que dentro do possível tivessem a mesma opinião e parecer. No entanto, se isso não pudesse ser alcançado:
(4) Ele os exortava a viverem em paz. A diferença de opinião deveria causar uma alienação de sentimentos? Que vivessem em paz entre eles. Ele desejava que todas as divisões entre eles sejam curadas, que não haja mais contendas e iras entre eles e que evitem pendências, invejas, detrações, mexericos e outros inimigos da paz." (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008, pp. 543-44).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II
Subsídio Teológico - "A Bênção Apostólica
Uma despedida. Ele transmite um adeus e se despede deles naquele momento, com calorosos votos em relação ao bem-estar deles. Para isso:
Ele apresenta diversas exortações úteis.
(1) Que fossem perfeitos ou estivessem unidos em amor, o que serviria grandemente para a vantagem deles como igreja ou sociedade cristã.
(2) Que fossem consolados diante de todo sofrimento e perseguição que pudessem enfrentar por amor a CRISTO, ou qualquer calamidade e desapontamento que pudessem encontrar neste mundo.
(3) Que fossem de um mesmo parecer, o que ajudaria grandemente em relação ao consolo deles. Quanto mais afáveis formos com nossos irmãos maior será a tranqüilidade em nossa alma. O apóstolo queria que dentro do possível tivessem a mesma opinião e parecer. No entanto, se isso não pudesse ser alcançado:
(4) Ele os exortava a viverem em paz. A diferença de opinião deveria causar uma alienação de sentimentos ? que vivessem em paz entre eles. Ele desejava que todas as divisões entre eles sejam curadas, que não haja mais contendas e iras entre eles e que evitem pendências, invejas, detrações, mexericos e outros inimigos da paz.
Ele os anima com a promessa da presença de DEUS entre eles: '... o DEUS de amor e de paz será convosco' (v. 11). DEUS estará com aqueles que vivem em amor e paz.
Ele dá orientações para saudarem-se mutuamente e envia calorosas saudações daqueles que estavam com ele (v. 12). Ele deseja que testifiquem do amor de uns pelos outros pelo rito sagrado de um beijo de caridade, que era usado na época, mas que há muito deixou de ser costume, para evitar toda ocasião de libertinagem e impureza, no estado mais degenerado e decadente da igreja" (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008, pp. 543,544).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
HORTON, Stanley M. I & II Coríntios: Os Problemas da Igreja e suas Soluções. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2003.
HENRY, Matthew. Comentário Bíblico Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2008.

SAIBA MAIS
Revista Ensinador Cristão, CPAD, no 41, p. 42

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 13 - SOLENES ADVERTÊNCIAS PASTORAIS
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 4º TRIMESTRE DE 2009
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Examinai-vos a vós _______________________ se permaneceis na ___________________; ______________________-vos a vós mesmos" (2 Co 13.5a).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
Uma das responsabilidades_______________________ é ________________________ a igreja com amor, a fim de que esta desenvolva-se ___________________________ sadia.

COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO
3- Dê um resumo das visitas de Paulo a Corinto, complete:
Na primeira visitação, ele a _____________________; na segunda, teve uma experiência __________________________ (2.1; 7.12). Agora, porém, apronta-a para uma visita __________________________ e, ao mesmo tempo, __________________________ (13.1,2).

I. PREOCUPAÇÕES PASTORAIS DE PAULO (12.19-21)
4- Qual o objetivo da defesa de Paulo de seu ministério?
( ) Provar à igreja que DEUS era o com ele, e sua comunhão com a igreja de Jerusalém dava-lhe autoridade para pregar e representá-la perante eles..
( ) Revelar à igreja que DEUS era o seu pai, e sua comunhão com o ESPÍRITO SANTO dava-lhe respaldo para representá-Lo em qualquer parte.
( ) Provar à igreja que DEUS era o seu Juiz, e sua comunhão com CRISTO dava-lhe autoridade para pregar e representá-Lo na terra.

5- Por que o apóstolo afirma aos coríntios: "Porque receio que, quando chegar, vos não ache como eu quereria" (v.20)?
( ) A expressão indica sua preocupação com a igreja, pois alguns crentes achavam-se em falta diante da congregação e diante de DEUS.
( ) Paulo estava ciente de que não podia, como pastor, deixar de tratar os pecados que haviam comprometido a qualidade espiritual daquele rebanho.
( ) Paulo sabia que a maioria dos Coríntios não tinham qualquer problema espiritual. Viviam unidos e fortes em DEUS.
( ) Paulo toma atitudes disciplinares severas com relação aos seus membros, a fim de que por ocasião de seu retorno à igreja não encontrasse os mesmos problemas.

6- Quais os pecados que destruíam os alicerces dos coríntios e que tinham de ser eliminados?
( ) Pendências denominacionais, invejas, glutonarias, porfias, difamações, mexericos, orgulhos, tumultos, imundícia, prostituição e desonestidade
( ) Pendências judiciais, invejas, iras, porfias, difamações, mexericos, orgulhos, tumultos, imundícia, prostituição e desonestidade
( ) Pendências conjugais, invejas, iras, porfias, deformações, mexericos, orgulhos, tumultos, imundícia, prostituição e desonestidade

7 - Qual era a situação da igreja de Corinto (v.20,21)?
( ) Eram maduros espiritualmente, pois os nove dons operavam naquela igreja (1 Co 12).
( ) Eles ainda não estavam andando plenamente no ESPÍRITO.
( ) A espiritualidade de uma igreja não pode ser avaliada pela quantidade de dons, mas pelo seu caráter e amor a DEUS e ao próximo.
( ) Os pecados estavam corrompendo os bons costumes, anulando a ética cristã e promovendo dissensões e divisões entre os santos.
( ) A disciplina de Paulo parece dura, no entanto, é amorosa, uma vez que ele menciona sua tristeza e frustração por aqueles que, porventura, não se arrependessem.

II. O PROPÓSITO DA DISCIPLINA DA IGREJA POR PAULO (12.21; 13.2-4)
8- Quais os propósitos da disciplina de Paulo à igreja de Corinto?
( ) Promover a paz e o arrependimento dos pecadores.
( ) Afirmar o caráter cristão de seu apostolado.
( ) Afastar os falsos mestres e os pecadores do convívio da igreja.

9- Como promover a paz e o arrependimento dos pecadores (vv.12.21; 13.2).
( ) Paulo usaria a tática do "fazer vista grossa", assim não haveria mais discussões e desavenças entre ele e os coríntios.
( ) Paulo deseja fortalecer a fé e desenvolver o amadurecimento espiritual da igreja de Corinto.
( ) Para levar os pecadores ao arrependimento, teria de ser rigoroso em sua repreensão.
( ) Os problemas de ordem moral exigiam uma postura firme do apóstolo.
( ) Caso contrário, as ações diabólicas para destruir a igreja não seriam neutralizadas.

10- Como afirmar o caráter cristão de seu apostolado (13.2,3), considerando que seu apostolado tinha sido concedido pelo Senhor JESUS e que este era seu modelo de líder-servidor?
( ) Nada mais coerente do que a postura rígida de Paulo contra os pecadores impenitentes.
( ) Assim como o Senhor JESUS agia com esses (Mt 23.13-33), o apóstolo também deveria agir, a fim de que os crentes em Corinto pudessem constatar o poder de CRISTO em seu ministério.
( ) A Bíblia afirma que o Senhor disciplina aos seus amados filhos, portanto, a correção dos pecados daquela igreja pelo apóstolo revelava o amor que ele, em CRISTO, nutria por aqueles crentes.
( ) Nada mais coerente do que a postura branda de Paulo para com os pecadores impenitentes.

III. ALGUMAS RECOMENDAÇÕES FINAIS (VV.5-11)
11- Paulo encerra sua carta com uma advertência (13.5). Por que o apóstolo recomenda aos crentes que examinem-se e provem-se, a fim de verificarem se JESUS CRISTO, de fato, habita neles?
( ) Paulo tinha certeza de que CRISTO verdadeiramente habitava em todos eles, mas queria testá-los.
( ) Até o momento Paulo vinha defendendo seu ministério e sua fé, no entanto, agora, ele resolve testar os cristãos daquela igreja ao admoestá-los que realizem um auto-exame.
( ) Se CRISTO verdadeiramente habita neles, não correm o risco de serem reprovados
( ) Essa certeza é alimentada pela presença imanente de CRISTO em suas vidas.
( ) Se não estão reprovados perante o Senhor, não há o que se duvidar da autenticidade do ministério apostólico de Paulo.
( ) Paulo sabe que os fiéis não temerão uma auto-avaliação e espera que, assim como reconheceram sua fé em CRISTO, sejam capazes de reconhecer o relacionamento sincero e fiel dele com CRISTO.

12- Paulo encerra sua carta com um desejo (13.7-9), qual é?
( ) Ele deseja que aqueles cristãos sejam aprovados nessa auto-avaliação.
( ) O apóstolo demonstra que não pensava em sua própria aprovação, mas no bem estar espiritual da igreja.
( ) O desejo sincero de Paulo é claro: "e o que desejamos é a vossa afeição"
( ) O desejo sincero de Paulo é evidente: "e o que desejamos é a vossa perfeição"

13- Quais as últimas recomendações de Paulo à igreja coríntia (13.11)?
( ) Parece contraditório regozijar-se após tantas advertências, mas eles deveriam estar felizes por serem disciplinados, porque isso revelava o amor de DEUS Pai (Hb 5-11).
( ) Paulo também recomenda que os coríntios busquem a maturidade cristã, a fim de que não sejam enganados por falsos mestres.
( ) Paulo ainda os adverte a que expulsem os falsos mestres de seu convívio.
( ) O apóstolo desejava que sua carta servisse de motivação para a mudança de comportamento dos crentes daquela igreja.
( ) Ele admoesta-os a serem de um mesmo parecer e a viverem em paz.
( ) Todos deveriam estar comprometidos com a verdade do Evangelho e unidos em prol da manutenção desse compromisso.

14- O que quer dizer a expressão "sede consolados"?
( ) Quer dizer "sede encorajados".
( ) Quer dizer "sede apoiados".
( ) Quer dizer "sede advertidos".

CONCLUSÃO
15- Após tantas defesas, advertências e recomendações severas, Paulo encerra sua carta usando um tom mais ameno e suave. Como o apóstolo Paulo enfatiza a síntese do evangelho mediante a gloriosa bênção trinitariana? Complete:
"A ___________________ do Senhor JESUS CRISTO, e o ___________________ de DEUS, e a _____________________ do ESPÍRITO SANTO sejam com vós todos" (2 Co 13.13).

16- Complete:
Que esta segunda carta aos coríntios possa produzir em cada crente uma reflexão a respeito de seu ___________________, a fim de que possamos declarar como Paulo: "Eu, de muito boa _________________________, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas ____________________" (2 Co12.15).


RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.

RESUMO DO 1 TRIMESTRE DE 2010 EM FIGURAS ILUSTRATIVAS

RESUMO DO 1 TRIMESTRE DE 2010 EM FIGURAS ILUSTRATIVAS

quinta-feira, 18 de março de 2010

VÍDEOS DA LIÇÃO 12 - VISÕES E REVELAÇÕES DO SENHOR

ESTUDOS DA LICAO 12 - VISOES E REVELACOES DO SENHOR

LIÇÃO 12 - VISÕES E REVELAÇÕES DO SENHOR Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 1º Trimestre de 2010 2 Coríntios - "Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas". Comentários da revista da CPAD: Pr. Elienai Cabral Consultores Doutrinários e Teológicos da CPAD: Pr. Antonio Gilberto e Claudionor de Andrade Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev.. Luiz Henrique de Almeida Silva TEXTO ÁUREO "Em verdade que não convém gloriar-me; mas passarei às visões e revelações do Senhor" (2 Co 12.1). VERDADE PRÁTICA As experiências espirituais são importantes, mas não devem ser o principal requisito para o reconhecimento ministerial de um obreiro. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 2 Cor 12.1-4,7-10,12 2 Coríntios 12.1 Em verdade que não convém gloriar-me; mas passarei às visões e revelações do Senhor. 2 Conheço um homem em CRISTO que, há catorze anos (se no corpo, não sei; se fora do corpo, não sei; DEUS o sabe), foi arrebatado até ao terceiro céu. 3 E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; DEUS o sabe) 4 foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, de que ao homem não é lícito falar. 2 Coríntios 12.7 E, para que me não exaltasse pelas excelências das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de não me exaltar. 8 Acerca do qual três vezes orei ao Senhor, para que se desviasse de mim. 9 E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de CRISTO. 10 Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de CRISTO. Porque, quando estou fraco, então, sou forte. 2 Coríntios 12.12 Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 12.2 UM HOMEM EM CRISTO. Paulo se refere a si mesmo como "um homem em CRISTO", que foi levado ao céu, a fim de receber revelações, provavelmente, a respeito do evangelho de CRISTO e das glórias indescritíveis do céu, reservadas aos crentes (v.7; cf. Rm 8.18; 2 Tm 4.8). Esse grande privilégio e revelação concedidos a Paulo, fortaleceram-no e capacitaram-no a suportar os sofrimentos prolongados e severos que lhe sobrevieram durante seu ministério apostólico. 12.2 TERCEIRO CÉU. As Escrituras indicam que há três lugares chamados céu. (1) O primeiro céu é a atmosfera que circunda a Terra (Os 2.18; Dn 7.13). (2) O segundo céu é o das estrelas (Gn 1.14-18). (3) O terceiro céu, também chamado paraíso (vv. 3,4; Lc 23.43; Ap 2.7), é a habitação de DEUS e o lar de todos os salvos que já daqui partiram (5.8; Fp 1.23). Sua localização exata não está revelada. 12.7 UM ESPINHO NA CARNE. A palavra "espinho" comunica a idéia de dor, de aflição, de sofrimentos, de humilhação, ou de enfermidades físicas, mas não a de tentação para pecar (cf. Gl 4.13,14). (1) O espinho de Paulo permanece indefinido, de modo que aqueles que têm qualquer "espinho" na vida podem, assim, aplicar a si mesmos a lição espiritual dessa passagem. (2) O espinho de Paulo pode ter sido uma ação demoníaca contra ele, permitida por DEUS, mas por Ele limitada (v.7; Jó 2.1ss). (3) Ao mesmo tempo, esse espinho de Paulo lhe foi dado para impedir que se orgulhasse a respeito das revelações que recebera. (4) O espinho de Paulo tornou-o mais dependente da graça divina (v. 9; Hb 12.10). O Que Era o Espinho na Carne de Paulo? "E para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo" (2 Coríntios 12:7-9). Há muitas especulações sobre o espinho na carne de Paulo. Alguns pensam que ele estava perdendo sua visão. Outros dizem que ele tinha uma dificuldade de falar, ou alguma forma de paralisia. O fato é que ninguém sabe o que era! Paulo não disse, e todas as nossas especulações nos deixarão ainda sem nenhuma resposta certa. Mas há algumas coisas que podemos aprender aqui: Œ Precisamos admitir quando não sabemos. A arrogância de alguns pastores e professores que parecem pensar que têm todas as respostas, até mesmo as coisas secretas de Deus (veja Deuteronômio 29:29), é assustadora. "Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus" (1 Pedro 4:11). Quando Deus fala, precisa-mos falar com confiança e com audácia. Quando ele se cala, não ousemos ter a presunção de falar. Precisamos entender que Deus pode dizer não. Promessas tais como João 15:7 ("Pedireis o que quiserdes, e vos será feito") são freqüentemente mal entendidas. Muitas pessoas acreditam e pregam que Deus dará tudo que pedimos. Mas outras passagens nos recordam que as orações precisam ser de acordo com a vontade de Deus, não com a nossa (1 João 5:14; Tiago 4:3). O caso de Paulo mostra claramente que Deus pode dizer não ao pedido de um discípulo fiel. Quando não recebemos o que pedimos, isso não é necessariamente evidência de falta de fé. Pode simplesmente sugerir que Deus, em sua infinita sabedoria, decidiu que era melhor não conceder o pedido. O povo de Deus sofre nesta vida. A doutrina popular de que os justos são sempre abençoados e protegidos do sofrimento nesta vida é absurdo e falso. Paulo era dedicado como qualquer cristão e sofreu mais do que a maioria. Jesus nunca pecou, mas sofreu terrivelmente. Os pregadores de hoje que declaram que o sofrimento prova uma falta de fé estão condenando alguns dos maiores homens que viveram, entre eles Jó, Paulo e até mesmo o Filho de Deus! (por Dennis Allan) Eu (Ev. Henrique), particularmente acredito ser um problema de visão, o "espinho na carne" que Paulo cita, devido às seguintes referências bíblicas (Mesmo que não possa afirmar, com certeza, mas posso conjecturar): Gálatas 4:15 "Qual é, logo, a vossa bem-aventurança? Porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os vossos olhos, e mos daríeis". Os gálatas haviam ouvido a mensagem do evangelho pelo apóstolo Paulo. Tinham sido gentios pagãos típicos. Estavam longe de Deus, sem qualquer conhecimento dEle ou do Seu Filho, ou da grande salvação cristã, mas o apóstolo Paulo veio e pregou a eles, e recebe­ram a mensagem do evangelho com grande alegria. Ele descreve, em detalhes mesmo, seu regozijo quando o encontraram pela pri­meira vez, e ouviram sua pregação. Parece claro que quando o apóstolo esteve entre eles, não estava fisicamente bem. É quase certo que ele estava sofrendo de algum problema dos olhos, porque lembra aos gálatas que, quando estivera entre eles, eles teriam arrancado os próprios olhos, dando-os a Paulo, se isso pudesse ter sido de alguma ajuda. Concluímos que essa dolorosa condição inflamatória dos seus olhos era algo ofensivo e desagradável de se ver. Não havia nada atraente na aparência do apóstolo. Como ele lembra a igreja em Corinto, sua presença era "fraca". Ele não tinha o que chamaríamos hoje de presença imponente. Era um homem de aparência muito comum, sem levar em consideração a deforma­ção adicional causada por seu problema nos olhos. Mas, como ele os lembra aqui, eles não o desprezaram nem rejeitaram. Ele diz: "Não rejeitastes nem desprezastes isso que era uma tentação na minha carne", e na verdade o receberam "como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo", e tinham se regozijado nessa maravilhosa salvação. Mas não eram mais assim, tinham se tornado infelizes, e ele se viu forçado a perguntar-lhes: "Qual é, logo, a vossa bem-aventurança?" Eles estavam infelizes consigo mesmos, e quase se voltaram contra o apóstolo. Estavam num, estado de tanta depressão que ele podia até usar este tipo de linguagem: "Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós". Haviam voltado a crer na salvação pelas obras da lei, influenciados pelos falsos mestres, os judaizantes. Romanos 16:22 - Paulo usava um ajudante (Tércio ) para escrever suas cartas... com exceções de algumas Filemom 1:19 - Eu, Paulo, de minha própria mão o escrevi; eu o pagarei, para te não dizer que ainda mesmo a ti próprio a mim te deves. Gálatas 6:11 - Vede com que grandes letras vos escrevi por minha mão. Gálatas 6:11 12.8 TRÊS VEZES OREI AO SENHOR. Muitas vezes, quando DEUS responde a oração sincera com um "não", é porque algo muito melhor Ele vai conceder (ver Ef 3.20). 12.9 A MINHA GRAÇA TE BASTA. A graça é a presença, o favor e o poder de DEUS em nossa vida. É uma força, um poder celestial outorgado àqueles que invocam a DEUS. Essa graça descerá sobre o crente fiel que suportar suas fraquezas e dificuldades, por amor ao evangelho (Fp 4.13). (1) Quanto maior a nossa fraqueza e provações ao servirmos a CRISTO, tanto mais graça DEUS nos dará para cumprir a sua vontade. Aquilo que Ele nos outorga é sempre suficiente para vivermos nossa vida diária, para trabalharmos por Ele e para suportarmos nossos sofrimentos e "espinhos" na carne (cf. 1 Co 10.13). Enquanto estivermos perto de CRISTO, Ele nos outorgará a sua força celestial. (2) Devemos gloriar-nos em nossas fraquezas e ver nelas valor eterno, porque elas fazem com que o poder de CRISTO desça sobre nós e habite em nós, à medida que avançamos nesta vida em direção ao nosso lar celestial 12.15 GASTAREI E ME DEIXAREI GASTAR PELAS VOSSAS ALMAS. O espírito de Paulo, de amor devotado àqueles a quem ele procura ajudar, é um exemplo para todos os pastores, professores, missionários e obreiros em geral. Suas palavras retratam o seu amor devotado (cf. 6.11-13; 7.1-4), como o de um pai por seus filhos. É um amor que o levava a gastar-se até o fim, para o bem dos outros; um amor que não pensa em si, mas que demonstra genuína solicitude àqueles que estão sob seus cuidados. Paulo não quer nada em troca, contanto que seus corações estejam voltados para CRISTO. Todo fiel ministro do evangelho deve possuir esse tipo de amor. Se preciso fora, daria a vida por eles. 12.20 DETRAÇÕES, MEXERICOS. A Bíblia condena os pecados da língua que prejudicam o próximo, como sendo ofensas graves contra a lei cristã do amor. Qualquer tipo de conversa que rebaixa o próximo ou que difama seu caráter deve ser reprovada. A conversa ou menção de delitos do próximo devem ser feitos somente com um motivo sincero de ajudar tal pessoa, ou de proteger os outros e o reino de DEUS (Rm 1.29; Ef 4.31; 2 Tm 4.10,14,15; 1 Pe 2.1). 12.21 CHORE POR MUITOS DAQUELES QUE... PECARAM. Os ministros cristãos devem chorar por aqueles na igreja que se recusam a arrepender-se do seu pecado e abandoná-lo, pois estão espiritualmente mortos. A mensagem trágica para eles é a palavra que Paulo dirige aos coríntios (1 Co 6.9), aos gálatas (Gl 5.21) e aos efésios (Ef 5.5,6); palavra essa que declara a sua exclusão do reino de DEUS. Na Bíblia há muitos “mistérios”, fatos além de nossa limitada compreensão: O “mistério da iniqüidade”: II Tess. 2:7. O “mistério da piedade”: Rom. 16:15. Paulo fala do “mistério da Sua vontade”: Efés. 1:9, 10 e 3:3-9. Pode-se dizer que a doutrina da Trindade é um “mistério revelado”, mas não um “mistério decifrado”. Só o Espírito de Deus sabe as coisas íntimas de Deus: I Cor.: 2:11. Declara o autor Sabatini Lalli, do livro O Logos Eterno: “Ao homem impotente e finito, cabe aceitar o mistério e dizer com o salmista: ‘Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim; é sobremodo elevado, não o posso atingir’”.--Sal.139:6. Promessa da efusão do Espírito Joel 2.28 E há de ser que, depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. 29 E também sobre os servos e sobre as servas, naqueles dias, derramarei o meu Espírito. 30 E mostrarei prodígios no céu e na terra, sangue, e fogo, e colunas de fumaça. 31 O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor. 32 E há de ser que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como o Senhor tem dito, e nos restantes que o Senhor chamar. Ef 4.11 - "Ele mesmo concedeu uns para apostolos,outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres". Nos profetas opera os dons seguintes: Dom de Palavra de Sabedoria - ver o futuro (Oniciência de DEUS); Dom de Palavra de Conhecimento - Ver o que está a sua volta e revelar (Onipresença de DEUS); Dom de Discernimento de Espíritos - enxergar a operação malígna e vencê-la (Onipotência de DEUS). O perigo das visões e revelações sem base bíblica: Islamismo Maomé nasceu na cidade de Meca, na Arábia Saudita, centro de animismo e idolatria. Como qualquer membro da tribo Quirache, Maomé viveu e cresceu entre mercadores. Seu pai, Abdulá, morreu por ocasião do seu nascimento, e sua mãe, Amina, quando ele tinha seis anos. Aos 40 anos, Maomé começou sua pregação, quando, segundo a tradição, teve uma visão do anjo Gabriel, que lhe revelou a existência de um Deus único. Khadija, uma viúva rica que se casou com Maomé, investiu toda sua fortuna na propagação da nova doutrina. Maomé passou a pregar publicamente sua mensagem, encontrando uma crescente oposição. Perseguido em Meca, foi obrigado a emigrar para Medina, no dia 20 de Junho de 622. Esse acontecimento, chamado Hégira (emigração), é o marco inicial do calendário muçulmano até hoje. Maomé faleceu no ano 632. Segundo os muçulmanos, o Corão contém a mensagem de Deus a Maomé, as quais lhe foram reveladas entre os anos 610 a 632. Seus ensinamentos são considerados infalíveis. É dividido em 114 suras (capítulos), ordenadas por tamanho, tendo o maior 286 versos. A segunda fonte de doutrina do Islã, a Suna, é um conjunto de preceitos baseados nos ahadith (ditos e feitos do profeta). A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, foi fundada no dia 6 de abril de 1830 por Joseph Smith jr. e mais cinco pessoas. Smith jr., nasceu em 23 de Dezembro de 1805, na cidade de Sharon, Estado de Vermont, EUA. Era filho de Joseph e Lucy Smith, conhecidos como místicos e caçadores de tesouros na região. Em 1820, com a idade de 14 anos, Smith jr., teve a sua primeira visão a respeito da apostasia do cristianismo e de outras religiões e seitas. A segunda visão ocorreu em 1823. Nesta, um anjo identificado como Morôni visitou a casa do profeta e o revelou que havia em Palmyra, Nova Iorque, um monte onde estava escondido um livro escrito em placas de ouro e também a plenitude do evangelho eterno. O anjo Morôni afirmava ser filho glorificado de um homem chamado Mórmon - título que dá nome à seita. Após várias aparições do suposto anjo, e de receber o sacerdócio de Arão e o de Melquisedeque, Joseph Smith jr., Oliver Cowdery e outros companheiros, fundaram a seita. Smith foi candidato à presidência dos Estados Unidos, preso, espancado e, por fim, morto em 27 de junho de 1844, por uma turba indignada. Nenhum movimento da atualidade profetizou tão falsamente como a organização das Testemunhas de Jeová. Essa marca está presente ao longo de sua história. A Bíblia diz: ‘Quando tal profeta falar em nome do SENHOR, e tal palavra se não cumprir, nem suceder assim, esta é a palavra que o SENHOR não falou; com soberba a falou o tal profeta; não tenhas temor dele’ (Dt 18.22). Russel profetizou que a Batalha do Armagedom seria em 1914. Profetizou que até esse ano viria um tempo de tribulação tal qual nunca houve desde que há nação. Seria estabelecido o reino de DEUS. Os judeus seriam restaurados, os reinos dos gentios seriam quebrantados em pedaços como um vaso de oleiro, e os reinos deste mundo se tornariam os reinos de nosso Senhor e do seu CRISTO. Russell dizia em suas publicações que se tratava de data estabelecida por Jeová. Colocava-se como profeta com a mesma autoridade dos profetas da Bíblia e dos apóstolos. Falava em nome de Jeová e nada, absolutamente, se cumpriu. Anunciou a vinda de CRISTO para 1914; chegado o referido ano, nada aconteceu. Depois ele mesmo refez o cálculo e estabeleceu o ano de 1915, também nada aconteceu, vindo a falecer em 1916.”. Visões de Maria são normais entre os"cat[olicos romanos" Seus ensinos são repugnantes: Decisões sem apelos de leigos). Observações sobre suas decisões. No Concílio de Éfeso, ano 431 Declararam Maria como Mãe de DEUS. No Concílio de Latrão, ano 469. Determinaram que Maria não teve outros filhos. No Concílio de Nicéa, ano 787, instituíram o Culto à Maria (hiperdulia) A igreja foi hábil pedindo a uma mulher, a Imperatriz Irene, que presidisse o Concílio! Com esse estratagema conseguiram sensibilizar os bispos que aprovaram a nova devoção sancionada pelo papa Adriano I. O Dogma da "Imaculada Conceição" foi proclamada em 1854 pelo papa Pio IX, Por conta própria e sem consultar nenhum Concílio! – Esse papa verberou as liberdades de Consciência, de Culto, da Palavra e da Imprensa! Cem anos depois, em 1950 a velha Igreja Católica escorrega de novo, deixando a cristandade perplexa! – Baseando numa lenda infantil, de 15 séculos atrás, o papa Pio XII proclama a "Assunção de Maria !"Cogitam aumentar o peso de sua coroa proclamando- a "Rainha dos Céus, mãe de todas as graças”.Há entre eles quem deseje uma posição de Maria na Santíssima Trindade! – Abyssus, abyssum invocat! Imagem de Maria foi introduzida pela primeira vez nas igrejas no ano 450 Para "CONTRABALANÇAR" com as formosas deusas pagãs que desfilavam nas procissões de Roma, inferiorizando o Cristianismo!... "Salve Rainha" no ano 1221 O Catolicismo incentiva a devoção à Maria para sensibilizar e atrair o sexo feminino que mobiliza famílias e pessoas para as missas e "festas dos santos e padroeiros..." "Congregação Mariana" em 1563 Instituída pelo jesuíta João Leunis Em 5 de março de 1967 na Capela Sixtina "Vamos a Maria, através dela chegaremos a JESUS!" A REZA "AVE MARIA" vem do ano 1317 e difundida pelo papa João XXII anos 1316-34 , sugere Maria como Mediadora. O dogma da Imaculada Conceição de Maria foi definido no ano de 1854. Santa Maria, mãe de JESUS, foi concebida sem pecado. Tal ensino está definido no Compêndio Vaticano II, pág. 105. As expressões "concebida sem pecado" e "imaculada" são comuns nas rezas e escritos romanos. pág. 1O9 do Compêndio Vaticano II Lê-se: "A Bem-aventurada Virgem Maria é invocada na Igreja sob os títulos de Advogada, Auxiliadora, Adjutriz, Medianeira". Erdos\Estudos\SolaScripturaTT\Seitas\Romanismo\CatolicismoRomano-Aislan.htm As seitas ocultistas ligadas ao Espiritismo são o Kardecismo, Legião da Boa Vontade, Umbanda e demais cultos afro-brasileiros. HISTÓRIA 1. As irmãs Fox. A doutrina da reencarnação é muito antiga; vem desde o hinduísmo, passando pela Grécia antiga. Foi em 1848, em Hydevisllle, Estados Unidos, que as irmãs Margaret e Kate Fox afirmaram ver as mesas girando, e ouvir pancadas na casa em que moravam. Faziam perguntas e estas eram respondidas mediante estalidos de dedos. Elas tiveram a sensação de estar se comunicando com o mundo invisível. 2. Allan Kardec. Seu nome verdadeiro era Hipolyte Léon Denizard Rivail, médico e professor francês. Nascido em 1804, lançou a sua primeira obra O Livro dos Espíritos, em 1857. Influenciado por um amigo, passou a frequentar reuniões espíritas e, por fim, tomou-se médium. Em 1858. organizou em Paris a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Adotou o nome Allan Kardec, alegando ser este o seu nome na outra encarnação. 3. No Brasil. Antes mesmo da morte de Kardec, em 1869, Luís Olímpio Teles de Menezes fundou em Salvador, BA, o primeiro centro espírita, em 1865. Em 1873, foi fundada no Rio de Janeiro uma sociedade espírita, da qual surgiram outros grupos. Dez anos depois, começaram a publicar a revista O Reformador que, ainda hoje, é o órgão oficial dos espíritas brasileiros. 4. Diversos grupos espíritas. Entre os grupos espíritas no Brasil, podemos mencionar, além do espiritismo kardecista, as seguintes ramificações: Legião da Boa Vontade, Ordem Rosacruz, Racionalismo Cristão, Cultura Racional, Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento, além dos cultos afro-brasileiros. Estes últimos não se consideram espíritas, mas Allan Kardec define, como espírita, todo aquele que crê nas manifestações dos espíritos. 5. Legião da Boa Vontade. As mensagens dos programas dessa instituição parecem evangélicas, mas, como as demais seitas, o Jesus deles não é o mesmo revelado no Novo Testamento. ***Doutrinas. Negam a personalidade do Espírito Santo e a infalibilidade da Bíblia, o parto de Maria e, portanto, a humanidade de Cristo. Por causa de sua crença na reencarnação, negam a deidade de Cristo e a doutrina do inferno. As seitas orientais com suas visões e revelações distorcem o legítimo evangelho e fazem uma salada de igredientes idólatras, espíritas, judaicos-cristãos, etc... EFEITO GLOBAL MOVIMENTO CRENÇAS E PRÁTICAS ESCRITOS DEUS SALVAÇÃO Hare Krishna Rhagavad Gita Politeístas Pelas Obras Igreja M.Mundial Obras de Meishu-Sama Indefinidos Meishu-Sama Seicho-No-Iê Kiiiki e o Nihongi Doutrina Confusa Homem torna-se Deus Méd.Transcendental Interpretações de Maharishi Politeístas Reencarnação REGRESSÃO PSICOLÓGICA, Neste processo a pessoa fica à mercê de Satanás e pode passar a sentir e desejar o que antes não sabia. Podem ocorrer mudanças de personalidade e até possessão maligna. Como o ser humano é espírito, possui uma alma e mora em um corpo, sabemos que o subconsciente do mesmo é dotado de conhecimento espiritual, quer seja de Satanás, quer seja de DEUS. Este conhecimento interno é revelado nas atitudes do homem de acordo com sua condição espiritual, sendo crente salvo, relacionamento com DEUS e aprendizado santo; sendo não-crente, relacionamento com Satanás e aprendizado profano. O pecado é o divisor de águas entre uma personalidade maligna e uma santa. Somente através de arrependimento de pecado e conversão a CRISTO que o ser humano pode produzir uma nova personalidade, é o nascer de novo. Por causa desse desconhecimento da obra de CRISTO, ou antes, dessa falta de fá na obra transformadora de CRISTO, que algumas denominações ditas evangélicas iniciaram uma prática diferente no meio da igreja. A cura interior é conhecida como cura das memórias ou cura para os traumas emocionais. Estranha à prática evangélica, tem íntimo paralelismo com o ocultismo oriental. Buscam os adeptos da Cura Interior “completar” a obra de Cristo com técnicas psicológicas e até ocultistas. Adventistas do Sétimo Dia e As Testemunhas de Ierrochua O movimento judaizante no cristianismo, possui muitos tentáculos e sutis manifestações. No entanto, dois grupos se destacam como facções cristãs que defendem práticas judaicas e conceitos mosaicos no cristianismo moderno: os Adventistas do Sétimo Dia e As Testemunhas de Ierrochua. O primeiro deles, foi fundado por William Miller, ex-pregador batista que calculou equivocadamente a vinda de CRISTO para março de 1843. Após Miller, a profetisa Helen G. White alegou ter recebido uma revelação na qual JESUS descortinou a Arca do Concerto diante dela. Nesta, o mandamento sabático estava com uma auréola ao redor. A partir de então, guardar o sábado tornou-se obrigatório para os adventistas. As Testemunhas de Ierrochua, foi fundado em Curitiba, pelo sr. Ivo Santos de Camargo. A seita nega a doutrina da Trindade, a inspiração do evangelho de Mateus, defende a guarda do sábado e afirma que o nome verdadeiro de JESUS é Yehoshua e, que não há salvação para aqueles que invocam o nome de JESUS, segundo eles um deus celta, mas somente para quem invoca Yehoshua. O Triunfalismo é um dos principais ramos dos ensinos da Teologia da Prosperidade. O fundamento teológico de tal ensino, portanto, encontra-se nas mesmas fontes do Movimento da Fé. Há duas realidades concernentes ao triunfalismo que precisam ser destacadas: A primeira, de caráter sociológico, diz respeito ao atual contexto sócio-financeiro do povo brasileiro e ao espírito consumista alimentado pela mídia. Os líderes triunfalistas abusam dessa realidade social a ponto de não prometerem apenas o necessário, mais o luxo, o sobressalente, o espetacular. A segunda, está relacionada à teologia e a falsa concepção de espiritualidade. Ensinam os homens a se aproximarem de Deus pelo que Ele concede e não pelo que Ele é. A bênção, para eles, é muito mais importante do que o Abençoador. Acrescente o fato de que é enfatizado ao crente o seu direito como filho de Deus, enquanto as suas obrigações morais, exigidos pela nova filiação divina, são omitidas. É função sacerdotal o discernimento: Ez 44.23 E a meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano e o farão discernir entre o impuro e o puro. É nosso dever como sacerdotes de DEUS na terra, assumirmos nosso papel de sal da terra e luz do mundo. Para isso precisamos enxergar pelo ESPÍRITO SANTO o que é de DEUS, o que é do homem e o que é de Satanás. Devemos identificar o joio e não permitir que o mesmo mate o trigo, embora conviva com este. VISÕES DE PAULO LEITURA DIÁRIA Segunda At 9.3 Uma visão no caminho de Damasco Terça At 16.9,10 Uma visão missionária Quarta At 18.9 Uma visão de encorajamento Quinta At 26.19 Obedecendo à visão divina Sexta At 27.23,24 Visões e revelações em meio ao perigo Sábado 2 Co 5.7 Andando por fé e não por vista Palavra-Chave: Experiência - Do lat. . Prova de cunho pessoal conferida pelo Senhor. REFLEXÃO: "De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de CRISTO". Apóstolo Paulo. INTERAÇÃO Nesta lição, estudaremos a respeito das visões e revelações que o apóstolo Paulo recebeu do Senhor JESUS. Trataremos também sobre o seu "espinho na carne". O objetivo de Paulo ao relatar suas experiências com DEUS não era vangloriar-se. Ele já havia dado provas suficientes de sua humildade e nobreza de caráter. Sabemos que o propósito de toda provação não é a fraqueza ou humilhação do crente, mas sim o seu aperfeiçoamento, pois quando estamos fracos, buscamos a DEUS com mais intensidade, permitindo que Ele nos preencha com seu poder. OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: Compreender que a glória maior de Paulo não está em sua biografia e sim no sofrimento padecido por causa do Evangelho. Saber que nem a igreja nem crente algum pode depender de experiências sobrenaturais, como visões, revelações e arrebatamento de espírito para conhecer a vontade de DEUS. Explicar o paradoxo do gloriar-se nas fraquezas. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA Professor, as experiências são enriquecedoras. Selecione previamente alguns alunos e peça-os que em três minutos, no máximo, conte alguma experiência. Depois explique o caráter singular e individual das experiências pessoais, destacando que elas não podem se tornar padrão para a Igreja. RESUMO DA LIÇÃO 12 - VISÕES E REVELAÇÕES DO SENHOR Visões e revelações são experiências do campo das manifestações espirituais que não se constituem em doutrinas, mas são possíveis à vida do crente desde que estejam em conformidade com a Bíblia. I. A GLÓRIA PASSAGEIRA DE SUA BIOGRAFIA (VV.11-33) 1. A glória maior de Paulo não está em sua biografia, e sim no sofrimento padecido por causa do Evangelho. 2. Paulo se opõe à arrogância dos judeus-cristãos. 3. Paulo responde contrastando os falsos mestres. II. A GLÓRIA DAS REVELAÇÕES E VISÕES ESPIRITUAIS (12.1-4) 1. Visões e revelações do Senhor (12.1). 2. O "Paraíso" na teologia paulina (12.2-4). 3. A atualidade das experiências espirituais. III. A GLÓRIA DOS SOFRIMENTOS POR CAUSA DE CRISTO (12.7-10) 1. O espinho na carne (12.7,8). 2. Paulo reafirma que se gloria na fraqueza (12.10). 3. A explicação do paradoxo do gloriar-se nas fraquezas (12.9,10). CONCLUSÃO Ao escrever sobre as suas fraquezas, Paulo tinha a intenção de glorificar a DEUS, porquanto somente Ele é capaz de aperfeiçoar seu poder através da fragilidade humana. SINOPSE DO TÓPICO (1) - A glória maior de Paulo não está em sua biografia e sim no sofrimento padecido por causa do Evangelho. SINOPSE DO TÓPICO (2) - O ESPÍRITO de DEUS pode trabalhar e revelar a vontade divina através de sonhos e visões. REFLEXÃO "Paulo considerava como maior glória para si os seus sofrimentos, enfermidades, prisões, açoites, fomes e perseguições". SINOPSE DO TÓPICO (3) - Paulo ensina que o sofrer se constitui num degrau para chegar à presença de DEUS. AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Bibliológico "Arrebatado até ao terceiro céu (12.2) Esta passagem tem causado especulações incalculáveis. Acredita-se que Paulo fez uso da terceira pessoa, para evitar qualquer insinuação de que ele tenha recebido crédito pessoal pelas visões ou revelações que lhe são dadas (12.1). A menção ao "terceiro céu", normalmente, é compreendida como assumindo uma cosmologia que encara a atmosfera da terra como um primeiro céu; o campo dos corpos celestiais como um segundo; e o campo espiritual, habitado por DEUS e seus anjos, como o terceiro. [...] Uma vez que o Novo Testamento não se pronuncia sobre o assunto, parece inútil especular a respeito da cosmologia de Paulo. Mas a insinuação permanece. Ele foi arrebatado a um campo acessível somente por DEUS. A incerteza de Paulo, quanto ao fato de que esta visão possa ter sido recebida no corpo ou fora dele (12.3), foi citada por aqueles que argumentam a favor da "projeção astral", fenômeno no qual se assume que a alma deixa o corpo vivo. Estes parênteses dificilmente apóiam esta teoria. Paulo simplesmente está dizendo que, embora a visão fosse real, não sabe se esteve ou não fisicamente presente naquele paraíso, onde vivenciou tais maravilhas, e ouviu coisas que até aquele momento era incapaz de revelar" (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2007, p.391). BIBLIOGRAFIA SUGERIDA RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2007. HORTON, Stanley. I & II Coríntios: Os Problemas da Igreja e Suas Soluções. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2003. SAIBA MAIS Revista Ensinador Cristão, CPAD, no 41, p. 42 QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 12 - VISÕES E REVELAÇÕES DO SENHOR RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 1º TRIMESTRE DE 2010 Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas. TEXTO ÁUREO 1- Complete: "Em verdade que não convém _______________________-me; mas passarei às ______________________ e _________________________ do Senhor" (2 Co 12.1). VERDADE PRÁTICA 2- Complete: As experiências _____________________ são importantes, mas não devem ser o __________________ requisito para o reconhecimento ______________________ de um obreiro. COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO 3- O que são Visões e revelações? ( ) São experiências do campo das manifestações carnais que não se constituem em doutrinas, mas são possíveis à vida do crente desde que estejam em conformidade com a Bíblia. ( ) São experiências do campo das manifestações da alma que não se constituem em doutrinas, mas são possíveis à vida do crente desde que estejam em conformidade com a Bíblia. ( ) São experiências do campo das manifestações espirituais que não se constituem em doutrinas, mas são possíveis à vida do crente desde que estejam em conformidade com a Bíblia. 4- Qual era situação na igreja coríntia quando Paulo escreveu 2 Cor 12.1-4,7-10,12? Complete: Paulo vinha de um ____________________ onde os seus oponentes procuravam _________________________ seu ministério. Eles se _____________________ de possuírem um conhecimento divino e uma espiritualidade ________________________ à do apóstolo. Paulo se viu obrigado a responder que tinha ainda mais razões do que eles para ________________________-se, mas não faria isso. Preferia _____________________-se em relação às suas _______________________, as quais o poder de Deus havia convertido em experiências _______________________ (12.9,10). I. A GLÓRIA PASSAGEIRA DE SUA BIOGRAFIA (VV.11-33) 5- Onde está a glória maior de Paulo, em sua biografia? ( ) Não, mas, sim em seu enriquecimento por causa do Evangelho. ( ) Não, mas, sim em seu sofrimento padecido por causa do Evangelho. ( ) Não, mas, sim em sua posição de apóstolo por causa do Evangelho. 6- Somente por causa da atitude dos seus oponentes, o apóstolo se vê obrigado a dar-lhes uma resposta, relatando suas experiências de sofrimento, o que ele diz no versículo 30, em resposta? ( ) "Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza". ( ) "Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha grandeza". ( ) "Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha riqueza". 7- De que maneira Paulo se opõe à arrogância dos judeus-cristãos? ( ) Visto que os "super-apóstolos" se orgulhavam de sua herança abraâmica e de suas realizações, Paulo mostra a esse grupo que, se este for o critério, ele tinha muito mais razões para vangloriar-se (22). ( ) Visto que os "super-apóstolos" se orgulhavam de sua herança adâmica e de suas realizações, Paulo mostra a esse grupo que, se este for o critério, ele tinha muito mais razões para vangloriar-se (22). ( ) Visto que os "super-apóstolos" se orgulhavam de sua herança mosaica e de suas realizações, Paulo mostra a esse grupo que, se este for o critério, ele tinha muito mais razões para vangloriar-se (22). 8- Paulo responde, contrastando os falsos mestres no versículo 23, onde contesta aqueles falsos mestres, que se diziam "ministros de Cristo", quais razões tinha para assim ser considerado? ( ) Não só pelas experiências físicas (listadas nos vv.20-29), mas também as espirituais que teve com Cristo, a exemplo da relatada por ele no capítulo 11. ( ) Não só pelas experiências físicas (listadas nos vv.23-29), mas também as espirituais que teve com Cristo, a exemplo da relatada por ele no capítulo 12. ( ) Não só pelas experiências físicas (listadas nos vv.21-29), mas também as espirituais que teve com Cristo, a exemplo da relatada por ele no capítulo 13. II. A GLÓRIA DAS REVELAÇÕES E VISÕES ESPIRITUAIS (12.1-4) 9- A que, a igreja coríntia era propensa e por isso foram levados a simpatisarem-se com os falsos mestres? ( ) À supervalorização do espiritual (1 Co 14), os falsos apóstolos (que se autojulgavam superespirituais) acabaram ganhando a sua simpatia. ( ) À supervalorização do carnal (1 Co 14), os falsos apóstolos (que se autojulgavam superespirituais) acabaram ganhando a sua simpatia. ( ) À supervalorização do sobrenatural (1 Co 14), os falsos apóstolos (que se autojulgavam superespirituais) acabaram ganhando a sua simpatia. 10- O que são as "visões e revelações do Senhor" para Paulo? ( ) São ações doutrinárias para o andar na fé e ser salvo. ( ) Não se trata de algum tipo de alucinação nem qualquer distúrbio emocional. ( ) São experiências sobrenaturais que permitem a um ser humano ver algo que outros não podem ver. ( ) Tais visões e revelações vêm do Senhor, ou seja, Ele é a causa e a fonte de tal experiência. ( ) O apóstolo deixa isso claro ao referir-se a si mesmo na terceira pessoa. 11- O que é o "Paraíso" na teologia paulina (12.2-4)? ( ) Na teologia de Paulo, o "paraíso" é um lugar abaixo do terceiro céu, onde os santos esperam a volta de CRISTO. ( ) Esse lugar é a habitação dos santos que morreram, tanto do Antigo como do Novo Testamento, e que aguardam a ressurreição de seus corpos (Lc 16.19-31; 23.43; 1 Co 15.51,52). ( ) Na teologia de Paulo, o "paraíso" é um lugar celestial onde os santos desfrutam da comunhão com Deus. 12- Complete: O apóstolo revela sua experiência _________________________ e sobrenatural e não consegue explicar se ela deu-se no _____________________ ou fora do _____________________, ou seja, ele ficou em uma ___________________________ ininteligível e inexplicável para os padrões humanos. 13- Como é a atualidade das experiências espirituais? Complete: O Espírito de Deus pode trabalhar e revelar a vontade divina através de ___________________ e __________________________. Entretanto, essas experiências não são uma regra ___________________________ para dirigir a igreja e nem mesmo a vida de uma pessoa. São meios que só podem ser autênticos quando não se chocam com a _____________________ de Deus. Por isso, o crente não pode viver à mercê de visões e revelações para _____________________ o cristianismo. Nem a igreja, nem crente algum ________________________ exclusivamente de experiências sobrenaturais, como visões, revelações e _____________________ de espírito para conhecer a vontade de Deus. Ainda que tais experiências não estejam proibidas, devemos levar em conta sempre a ______________________ revelação da Palavra de Deus. É preciso ter cuidado com a presunção de alguns em fazer viagens ao paraíso, seja comandada por homens seja por anjos, pois tais "experiências" na maioria das vezes constitui-se em ___________________ espirituais. III. A GLÓRIA DOS SOFRIMENTOS POR CAUSA DE CRISTO (12.7-10) 14- O que era o espinho na carne (12.7,8) ao qual Paulo referia-se? ( ) Era um demônio que o perturbava constantemente. ( ) Um tipo de sofrimento que lhe foi imposto por causa das revelações, a fim de ele não se ensoberbecer. ( ) Tem havido várias interpretações, na maioria especulativas, acerca do "espinho na carne". ( ) Uma interpretação que prevalece com aceitação maior entre os estudiosos e exegetas bíblicos é de que "o espinho na carne" que atormentava a Paulo refere-se a uma enfermidade física. ( ) Era um espinho de certa planta que lhe tinha encravado na pele em sua viagem para a Macedônia e lhe causava grandes dores musculares. ( ) O que se subentende é que esse "espinho na carne" o atormentava como um "aguilhão", que o fisgava o tempo todo. ( ) O que Paulo deixa transparecer fortemente é que não podia evitar esse sofrimento e que a força de superação de tal flagelo vinha do Senhor, que o confortava (vv.9,10). 15- Por que Paulo se gloria perante os Coríntios? complete: Porque entende ser necessária uma resposta, mesmo não querendo _____________________-se aos oponentes _______________________-cristãos (vangloriando-se), ele entende ser necessária uma resposta, a fim de que a igreja de Corinto avalie seu _________________________ em relação ao dos rebeldes (11.16-30). 16- Por que Paulo reafirma que se gloria na fraqueza (12.10)? ( ) Paulo considerava como maior glória para si a ajuda que recebia das igrejas da Galácia e seu ótimo salário fazendo tendas. ( ) Paulo considerava como maior glória para si os seus sofrimentos, enfermidades, prisões, açoites, fomes e perseguições. ( ) Paulo considerava como maior glória para si os seus sofrimentos, enfermidades, prisões, açoites, fomes e perseguições por causa dos apóstolos de Jerusalém. 17- Qual a explicação do paradoxo do gloriar-se nas fraquezas (12.9,10)? ( ) Paulo era conhecido pela sua eloquência no falar e em sua elegância no vestir-se. ( ) Em uma mente carnal, sofrimento é algo que humilha, que degrada. ( ) Não se vê nenhuma glória em sofrer, no entanto, Paulo ensina que o sofrer se constitui num degrau para chegar-se à presença de Deus. ( ) Na mente dos coríntios (corrompida pelos ensinamentos deturpados), os verdadeiros apóstolos deveriam ser conhecidos por suas palavras convincentes e carisma. ( ) Paulo parece não possuir nenhum desses requisitos ou "dons naturais". ( ) Entretanto, seu testemunho, experiências, escritos e fala continham autoridade espiritual. ( ) Ele preferia gloriar-se nos sofrimentos, pois sua fraqueza é a condição mais apropriada para a demonstração da graça poderosa do Senhor. CONCLUSÃO 18- Complete: Ao escrever sobre as suas ___________________________, Paulo tinha a intenção de ____________________________ a Deus, porquanto somente Ele é capaz de aperfeiçoar seu poder através da ____________________________ humana. RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm AJUDA CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal. VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD. Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/ Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.