sexta-feira, 29 de maio de 2009

VIDEOS DA LICAO 09 A IMPORTANCIA DA SANTA CEIA

ESTUDOS DA LIÇÃO 09 A IMPORTÂNCIA DA SANTA CEIA

LIÇÃO 09 - A IMPORTÂNCIA DA SANTA CEIA Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 2º TRIMESTRE DE 2009 1Coríntios - Os Problemas da Igreja e Suas Soluções Comentários do Pr. Antônio Gilberto Complementos e questionários: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva TEXTO ÁUREO "Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte do Senhor, até que venha" (1 Co 11.26). VERDADE PRÁTICA A Santa Ceia não é um mero símbolo; é um memorial da morte redentora de CRISTO por nós e um alerta quanto à sua vinda. LEITURA DIÁRIA Segunda Mt 26.28 A nova aliança em CRISTO Terça Mt.26.29 A vitória com CRISTO sobre a morte Quarta 1 Co 10.16,17 A Igreja é um só corpo em CRISTO Quinta 1 Co 11.28; 2 Co 13.5 O auto-exame interior do crente Sexta 1 Pe 1.18,19 Resgatados pelo precioso sangue de CRISTO Sábado Ap 19.7 As Bodas do Cordeiro no céu LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: 1 Coríntios 11.23-32. 23 Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor JESUS, na noite em que foi traído, tomou o pão; 24 e, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. 25 Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. 26 Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte do Senhor, até que venha. 27 Portanto, qualquer que comer este pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. 28 Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão, e beba deste cálice. 29 Porque o que come e bebe indignamente come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. 30 Por causa disso, há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem. 31 Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. 32 Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.
ALIANÇA (PACTO, MEMORIAL, TRATADO, COMPROMETIMENTO) REFEIÇÃO DA ALIANÇA: Um dos nove pontos de uma
Alianca de sangue. Significa: tudo o que eu como vai para o meu sangue e sangue é vida, então a minha vida se torna a tua e tua vida se torna minha; CRISTO, em Melquisedeque faz refeição com AbraHão. Agora a vida de Abrahão pertence a DEUS e a de DEUS (em CRISTO), pertence a Abrahão. Exemplo: Gn 14.18 Ora, Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; pois era sacerdote do DEUS Altíssimo; 19 e abençoou a Abrão, dizendo: bendito seja Abrão pelo DEUS Altíssimo, o Criador dos céus e da terra! 20 E bendito seja o DEUS Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo. A Ceia com os discípulos antes de morrer e conosco renovada sempre é um memorial da nova aliança. (Lc 22.7-23; Co 11.23-34; Jo 6.51-54) JESUS DEU SUA VIDA POR NÓS, DEVEMOS DAR NOSSA VIDA POR ELE - ISSO É ALIANÇA (RENOVADA SEMPRE). Palavra Chave: Memorial - Aquilo que mantém viva a memória de alguém ou de algo. INTERAÇÃO Caro professor, o tema desta semana nos oferece variadas lições espirituais. Portanto, ore e aprofunde-se no estudo do assunto. Nesta lição, explique aos alunos os termos transubstanciação e consubstanciação. O primeiro termo foi adotado pelos católicos em 1215 e depois confirmado pelo Concílio de Trento em 1551. Segundo eles, quando o sacerdote abençoa o pão e o vinho, estes transformam-se em corpo e sangue literais de JESUS. O segundo termo, ensinado por Lutero, significa que o corpo e o sangue de CRISTO se unem às substâncias do pão e do vinho. Não são literalmente o pão e o vinho, mas estão presentes. Talvez seja necessário você ainda distinguir os termos ordenanças e sacramentos. O segundo termo, mais usado pelos católicos, refere-se à idéia de que a Ceia do Senhor transmite graça espiritual ou salvífica a quem dela participa. Já a palavra ordenança, apenas sugere que a Santa Ceia foi "ordenada" pelo Senhor, entretanto, não é um meio de salvação para aqueles que participam do cálice e do pão. Boa aula! OBJETIVOS: Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a: Definir Santa Ceia. Explicar os elementos da Ceia. Aplicar as lições doutrinárias da Santa Ceia a sua vida. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA Utilize o quadro comparativo entre a Páscoa e JESUS CRISTO para introduzir o tópico III. Enfatize ao final da exposição do quadro que tanto a Páscoa quanto CRISTO refletem a graça salvadora de DEUS. INTERPRETAÇÃO DO QUADRO: Na Páscoa, o sangue de um cordeiro ou cabrito (sem mácula), era imolado, ou sacrificado para que seu sangue fosse passados nos umbrais da porta para que o anjo não matasse nessa casa o primogênito (ou filho mais velho). Na Ceia lembramos que o cordeiro que tira o pecado do mundo, JESUS, derramou seu sangue para nos livrar do pecado e morte eterna. No sacrifício da Páscoa o cordeiro substituiu o primogênito, morreu em lugar do primogênito. (O sacrifício era anual) Na Ceia, lembramos de que JESUS (nosso cordeiro pascoal) morreu em lugar de toda a humanidade pecadora. (O sacrifício é único e perfeito, efetuado uma vez por todas). Na Páscoa, o sangue derramado tinha que ser de um cordeiro ou cabrito sem mácula, ou seja, sem mancha, sem defeito. Na Ceia, nosso cordeiro que é JESUS nunca pecou e Nele nunca se achou engano, era perfeito e sempre será. Na Páscoa havia comunhão entre DEUS - Moisés - e os israelitas, pois todos estavam de acordo com esses negócio e todos os israelitas obedeceram à ordem de DEUS dada através de Moisés, assim o anjo da morte passou por cima de suas casas e só matou o primogênito nas casas dos egípcios. Na Ceia existe a comunhão entre JESUS e seu corpo, que é a igreja. Também existe união entre os próprios irmãos que estão obedecendo a ordem de seu salvador e Senhor, lembrando sua morte, sua ressurreição e esperando ansiosamente pela sua volta para nos buscar. TRANSUBSTANCIAÇÃO E CONSUBSTANCIAÇÃO Consubstanciação é o termo que indica a crença na presença espiritual de Jesus nas espécies do pão e do vinho. E significa que Jesus se encontra presente COM a substância do pão e do vinho sem modificá-las / transformá-las. Ao contrário da Transubstanciação que refere a transformação da substância do pão e do vinho no Corpo e sangue de Jesus. Na consubstanciação, o Corpo e o sangue, se juntam ao pão e vinho, porém a substância do pão permanece, juntamente com sua aparência. Na transubstanciação, não estão presentes mais a substância do Pão e vinho ,estas são aniquiladas, ficando apenas as substâncias do corpo e sangue de Jesus. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Jesus - 25-05-2009) TRANSUBSTANCIAÇÃO: (http://www.cacp.org.br/catolicismo/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=164&menu=2&submenu=15) A eucaristia é um dos sete sacramentos da Igreja Católica. Segundo o dogma católico, Jesus Cristo se acha presente sob as aparências do pão e do vinho, com seu corpo, sangue, alma e divindade, isto é o que geralmente se entende por “Transubstanciação”.A doutrina da Transubstanciação não tem respaldo bíblico. Nem todos os representantes da Igreja Católica concordaram com esta doutrina, entre eles podemos citar o papa Gelásio I e Gelásio II, São Clemente, Agostinho...
O QUE É DISCERNIR O CORPO DO SENHOR?“Porque quem come e bebe, come e bebe para sua própria condenação, se não discernir o corpo do Senhor.” I Co. 11:29Entre os cristãos daquela época existia uma festa chamada “Festa Ágape” ou festas de amor (Judas 12). Era comum entre os cristãos celebrarem a ceia com esta refeição (esta prática perdurou até na época de Justino, o mártir) que era destinada a ajudar os pobres. Corinto era uma igreja problemática em termos de doutrinas (véu, dons espirituais, batismo, brigas, divisões e santa ceia). Os Coríntios não estavam discernindo o real objetivo de suas reuniões (v.17,18,20). Para eles aquilo era apenas uma festa como as demais festas mundanas da sociedade grega (Corinto era grega) da qual tinham vindo. Então, quando se reuniam, todos se embriagavam, (v.21) como faziam antes de se converterem e não discerniam que aquilo era muito mais que uma festa, era “em memória” de Cristo (v.25). Por isso as pessoas deveriam se examinar antes de tocar no pão e no cálice (v.28), pois correriam o risco de tomar a ceia de modo indigno, fora do propósito para qual fora estabelecida, ou seja, para a comunhão e não divisão dos fieis (v.18). Isto é o que Paulo queria dizer com discernir o corpo do Senhor. Não há nada que insinue no texto a herética doutrina da “Transubstanciação”. O contexto quando analisado honestamente não comporta tal idéia. Qualquer conclusão que passar disso é falsa!
OS DISPARATES DESSA DOUTRINAEnsina a teologia católica a transubstanciação (alteração de substância) durante a eucaristia. Após a consagração dos elementos, pão e vinho, recitada pelo padre, as palavras de Cristo, “isto é o meu corpo” e “isto é o meu sangue”, misteriosamente o pão se transforma na carne de Cristo e o vinho no seu sangue. Levando as palavras de Cristo a um literalismo irracional, dizem ser o pão o próprio corpo de Cristo presente na hóstia (depois dizem que nós é que somos fundamentalistas e interpretamos a Bíblia ao pé da letra!!!). Esta doutrina é baseada principalmente na perícope do evangelho de João 6:53. Contudo, daremos algumas razões de o porque rejeitarmos esta doutrina como errônea e perigosa.1. Se na frase “isto é o meu corpo” o verbo “é” implica a conversão literal do pão no corpo de Cristo, segue-se igualmente que nas palavras “Eu sou o pão da vida”(6:35) o verbo “sou” deve implicar igual mudança, ensinando-nos que Cristo se converte no pão, de modo, que se o primeiro é uma “prova” da transubstanciação, o segundo demonstra necessariamente o contrário; se o primeiro demonstra que o pão pode converter-se em Cristo, o segundo demonstra que Cristo pode converter-se em pão, o que é um verdadeiro absurdo, mas é isto o que a lógica desta filosofia nos leva a concluir! 2. Se acreditarmos que neste episódio Jesus estava se referindo a eucaristia então forçosamente ninguém pode se salvar sem o sacramento e todo o que o recebe não pode se perder. Seria sempre necessário o fiel se comungar para não perder a benção da vida eterna. E aqueles que não podem tomá-la ? Estariam destinados ao inferno ? Crêem os católicos que todo aquele que comunga tem a vida eterna ? Pois Jesus disse que sem exceção, “todo aquele” que comesse a sua carne teria de fato a vida eterna. E o que dizer então daqueles que bebem indignamente (I Coríntios 11:28) ? Tal é a contradição e confusão que nos mostra tão descabida teoria se levada ao pé da letra. 3. Este ponto já foi tratado acima, mas vamos reforçá-lo aqui. Ora, se tomadas literalmente estas palavras o beber o sangue é tão importante quanto o comer a sua carne, em outras palavras é tão necessário comer o pão (hóstia) como beber o cálice. E porque então o padre nega-lhes este direito desobedecendo a Bíblia?
LEMBRANÇA OU PRESENÇA REAL ?Na ceia, todas as suas ações e palavras tinham alguma relação com a antiga páscoa. Tendo isto em vista devemos procurar na antiga festa uma explicação para a santa ceia que Ele iria substituir, pois Ele, Jesus, é a nossa páscoa (I Cor. 5:7)!Quando Moisés (o tipo de Cristo) instituiu a páscoa, mandou comer a carne e aspergir o sangue do cordeiro em suas casas (Ex: 12:11). Só que o cordeiro que comiam NÃO ERA a “páscoa”, pois tal palavra se deriva do verbo “pasah”, “passar por cima” incluindo a idéia de “poupar e proteger” v.13. A páscoa do Senhor era o “passar do anjo por toda a terra do Egito”. Vê-se, pois, que o ato do passar por cima das casas dos israelitas era uma coisa e o cordeiro que os israelitas comiam era outra essencialmente distinta: uma era um fato, a outra a recordação daquele fato. Embora Moisés tivesse dito a respeito do cordeiro: “É a páscoa”, isto é, a passagem do Senhor, não se segue que quisesse dizer que o cordeiro que tinham assado e de que estavam comendo se tivesse mudado ou transformado no ato de passar o Senhor por cima das casas. O sentido simplesmente era: “É uma recordação da páscoa ou da passagem do Senhor”. Temos pois aqui um exemplo clássico dessa figura de retórica pela qual se dá o nome da coisa que ela recorda, ou se põe o sinal pela coisa significada. Quando pois, as famílias se reuniam em torno da mesa para comer a páscoa o chefe da família dizia: “Esta é a páscoa do Senhor”, quando então queriam dizer “Esta é a recordação da páscoa do Senhor”. Pois bem, fincado na essência dessa celebração Jesus certamente se valeu da mesma expressão conhecidíssima dos israelitas. Depois de abolida a páscoa e substituída pela santa ceia, serviu-se da mesma expressão de que tinha feito uso na celebração antiga; era natural que do mesmo modo que tinha dito da páscoa “Esta é a páscoa do Senhor”, querendo dizer que aquilo era apenas a recordação daquele feito na época de Moisés, usasse também mui naturalmente as palavras “ISTO É O MEU CORPO” para significar que aquele rito devia ser usado como recordação do seu corpo e do seu sangue oferecidos na cruz; sendo Ele, o verdadeiro cordeiro de Deus (João 1:29) que nos libertou do cativeiro do pecado.Os discípulos sendo judeus versados nas escrituras, estavam por certo familiarizados com tais figuras de linguagem (Salmos 27:1-2, Isaías 9:18-20, 49:26) e não foi difícil entenderem o que Jesus queria lhes dizer, pois antes disso, eles os ouviram dizer: “Eu sou a porta”, “Eu sou o caminho”, “Eu sou a luz do mundo...” e entenderam perfeitamente a linguagem. Nada é mais comum do que dar à lembrança, ou a representação de uma coisa, o mesmo nome da coisa de que é representação ou sinal. Até mesmo os membros da igreja romana ao verem a imagem da santa dizem: “esta é Nossa Senhora”, ou vendo a imagem de um santo qualquer dizem: “este é São Pedro, este Santo Expedito e aquele outro Santo Antônio etc...” mesmo sabendo que aquilo (segundo acreditam) é apenas uma representação ou lembrança do que está no céu. Servem-se constantemente desta figura de retórica que dá representação ou lembrança o nome da coisa representada ou lembrada. Quando então distribuía os elementos da ceia, pão e vinho disse: “Isto É O MEU CORPO” e “ISTO É O MEU SANGUE”, arrematando ordena: “FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM”. Temos razão para crer que aquilo era uma comemoração ou lembrança de sua morte na cruz e devíamos prosseguir fazendo isto até que Ele venha. Para corroborar nosso ponto de vista, veja que mesmo após Jesus ter consagrado o vinho ele ainda continuou o que sempre fora, simplesmente um vinho “porque vos digo que desde agora não mais beberei do fruto da videira,( não disse meu sangue) até que venha o reino de Deus.” Lucas 22:18 Paulo simplesmente considerava como pão e vinho, os elementos da santa ceia e não o corpo do Senhor transubstanciado: “Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo pacto no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.Porque todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes do cálice estareis anunciando a morte do Senhor, até que ele venha. De modo que qualquer que comer do pão, ou beber do cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma do pão e beba do cálice.” I Co. 11:26-28. O pão apenas representava o corpo do Senhor, o vinho o seu sangue. Todas as vezes que nós nos reunimos para celebrar a santa ceia nós fazemos isto sempre EM MEMÓRIA do Senhor, pois Ele mesmo disse “FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM”. É EM MEMÓRIA!!! Não podemos sacrificar Cristo novamente (Hebreus 7:24,27).
ABSURDO DOS ABSURDOS
Por darem ouvido ao dogma da transubstanciação os católicos além de incorrem num terrível engodo, acabam por abraçar uma teoria fictícia, absurda até!Veja porque:
a- Se naquela ocasião em que Jesus disse: “Isto é o meu corpo”, realmente tivesse ocorrido a tão propalada “transubstanciação” então somos levados a acreditar que existiam naquele momento dois corpos do Senhor? Levando este dogma às ultimas conseqüências teremos isto: Jesus pegou aquele pedaço de pão, já transformado em seu corpo (com divindade e alma, segundo crêem os católicos) e deu-se a si mesmo para seus discípulos comerem depois de terem comido o corpo do mestre sentaram-se ao seu lado. E ainda: Jesus também devia ter-se comido e engolido a si mesmo pois também é certo que Ele participou da ceia!
b- E se tal pão consagrado for comido acidentalmente por um roedor (rato, por exemplo) da-se o caso que tal animal também engoliu o Cristo com seu corpo, alma e divindade? Ou quando não, se tal hóstia se estragar e vier apodrecer; seria o caso do corpo de Cristo que está naquele elemento apodrecer também? E como fica então Atos 2:31 que diz que a carne de Cristo não se corrompe?
c- Quando se prova o pão, ele ainda é o pão, tem cheiro como tal, o gosto ainda é de pão, o mesmo se dá com o vinho! Onde o corpo de Cristo nisto tudo?•
d- Se Cristo nos ordenou que celebrássemos a cerimônia até que Ele voltasse, conforme I Co. 11:26 (até que venha), como pode estar presente na hóstia? Se vem, não está! Devemos ressaltar que tal vinda é escatológica quando virá em corpo, pois espiritualmente, Ele está conosco todos os dias Mat. 18:20 -28:20, e esta promessa não tem nada a ver com a santa ceia. RESUMO DA LIÇÃO 09 - A IMPORTÂNCIA DA SANTA CEIA INTRODUÇÃO: A Ceia do Senhor é um ato de suma importância, em si mesmo e na vida do crente. I. O QUE É A SANTA CEIA A Santa Ceia não é apenas um ato celebrado pela igreja, mas também uma proeminente doutrina bíblica. 1. Definição e designações. 2. Ordenança ou sacramento. II. OS ELEMENTOS DA SANTA CEIA Elementos da Santa Ceia: o pão e o vinho. 1. O pão. "Eu sou o pão da vida..." 2. O vinho. "fruto da vide" e "cálice do Senhor" III. LIÇÕES DOUTRINÁRIAS DA SANTA CEIA Lições ou ensinos doutrinários da Ceia do Senhor até a volta de JESUS. 1. A Santa Ceia é um mandamento do Senhor. 2. É um memorial divino. 3. É uma profecia a respeito da volta de JESUS. 4. Deve ser precedida de auto-exame do participante (v. 25). 5. A ceia do Senhor e o discernimento espiritual do crente. 6. É uma ocasião propícia ao recebimento de bênçãos. 7. A Santa Ceia é um momento de gratidão a DEUS. 8. A Santa Ceia é para os discípulos do Senhor. 9. É um momento de profunda e solene devoção e louvor a DEUS. 10. A Santa Ceia é alimento espiritual. 11. A Ceia do Senhor condena a duplicidade religiosa. CONCLUSÃO - A ceia é o Memorial da paixão e morte de Nosso Senhor JESUS CRISTO. SINOPSE DO TÓPICO (1) - A Santa Ceia é uma ordenança instituída por JESUS. SINOPSE DO TÓPICO (2) - O vinho simboliza o sangue de CRISTO, e o pão, o seu corpo. SINOPSE DO TÓPICO (3) - A Ceia é um mandamento, um memorial, uma profecia, e um momento de gratidão AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Doutrinário "A importância da Ceia do Senhor: 1. Passado. É um memorial da morte de CRISTO no Calvário, para redimir os crentes do pecado e da condenação. Através da Ceia do Senhor, vemos mais uma vez diante de nós a morte salvífica de CRISTO e seu significado redentor para a nossa vida. A morte de CRISTO é nossa motivação maior para não cairmos em pecado e para nos abstermos de toda a aparência do mal (1 Ts 5.22).[...] 2. Presente. É um ato de comunhão com CRISTO e de participação nos benefícios da sua morte sacrificial e, ao mesmo tempo, comunhão com os demais membros do corpo de CRISTO (10.16,17). Nessa ceia, com o Senhor ressurreto, Ele, como anfitrião, faz-se presente de modo especial (cf. Mt 18-20; Lc 24.35). [...] 3. Futuro. É um antegozo do reino futuro de DEUS e do banquete messiânico futuro, quando então, todos os crentes estarão presentes com o Senhor (Mt 8.11; 22.1-14). Na Ceia do Senhor, toda essa importância acima mencionada só passa a ter significado se chegarmos diante do Senhor com fé genuína, oração sincera e obediência à Palavra de DEUS e à sua vontade." (Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD. p.1753). BIBLIOGRAFIA SUGERIDA SANTOS, Roberto dos Reis. A santa ceia. RJ: CPAD, 2005. HAMILTON, Victor P. Manual do Pentateuco. RJ: CPAD, 2006. SAIBA MAIS EM Revista Ensinador Cristão CPAD, nº 38, p.40. APLICAÇÃO PESSOAL Sem dúvida alguma, a essência da Santa Ceia é a comunhão. Comunhão significa ter algo em comum com alguém. No âmbito espiritual, é indispensável que a Igreja, como Corpo de CRISTO, possua algumas características em comum, tais como: "um só corpo, um só espírito, um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só DEUS e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos." (Ef 4.4-6). Jamais deveríamos nos esquecer de que a Igreja de CRISTO é um lugar onde, embora se manifeste uma diversidade de características físicas e culturais, a unidade é fundamental. Unidade na diversidade. Diversidade de dons, ministérios, talentos, mas unidade na doutrina, na fé e no ESPÍRITO. Estudo sobre a Santa Ceia A ORDEM DOS EVENTOS NA ÚLTIMA CEIA DO SENHOR (H.M.S. abril/98) Tenho visto muitos estudos sobre o assunto, mas todos eles me parecem obedecer mais a “pontos de partida lógicos” do que a simples e somente a seqüência que emerge mais naturalmente da Bíblia. (Estes pontos de partida, a meu ver desnecessários, são que: (1) o lava-pés deve ter ocorrido antes de tudo; (2) o pão e o cálice só foram repartidos após o definitivo encerramento e retirada de tudo da refeição pascal; e (3) não é admissível que Judas tenha participado do pão e do cálice). Baseamo-nos na seqüência de Lucas porque, dos escritores dos 4 evangelhos, é ele quem se prende rigorosamente à seqüência, à cronologia dos fatos Lc 1:1-3. A ordem dos acontecimentos da última ceia do Senhor com seus apóstolos e que me parece emergir do relato bíblico, simplesmente tomado, é a seguinte: 1. CRISTO pôs-se à mesa, com os 12 apóstolos Mt 26:20 Mc 14:17 Lc 22:14 2. CRISTO: “Desejei muito ... não a comerei mais até que...” Lc 22:15-16 3. Tomam a ceia pascal. Conforme Ex 12: cordeiro sem mácula, separado por 4 dias, sacrificado ao anoitecer, assado na brasa, servido com pães asmos e ervas amargosas, nada ficando para o amanhecer; todos com lombos cingidos, sapatos nos pés, cajado nas mãos, apressadamente, memorialmente, por estatuto perpétuo. Parece que CRISTO comeu apressadamente e terminou a ceia antes dos apóstolos. Houve um cálice Lc 22:17-18 (e, talvez, pão) nesta ceia pascal, antes da Ceia do Senhor, que teve lugar logo a seguir. 4. Tomam a Ceia do Senhor: Em 1o. lugar, CRISTO abençoa o pão, explica-o, reparte-o. Mt 26:26 Mc 14:22 Lc 22:19 1Co 11:23-24,26 5. Em 2o. lugar, CRISTO abençoa o cálice, explica-o, reparte-o, “não mais beberei dele até que...” Mt 26:27-29 Mc 14:23-25 Lc 22:20 1Co 11:25-26 6. CRISTO, turbado em espírito: “Um de vós me há de trair.” Mt 26:21 Mc 14:18 João 13:21 7. Apóstolos: “Sou eu, Senhor?”
Mt 26:22 Mc 14:19 João 13:22 8. CRISTO: “O que põe comigo a mão no prato ... ai daquele ...” Mt 26:23-24 Mc 14:20-21 Lc 22:21-23 João 13:18-20 9. João: “Quem é?” João 13:23-25 10. CRISTO, só a João: “É aquele ... bocado molhado” (comiam os restos das duas ceias) João 13:26 11. Satanás se apossa de Judas. João 13:27a 12. Judas Iscariotes: “Sou eu, Rabí?” Mt 26:25a 13. CRISTO: “Tu o disseste.” Mt 26:25b 14. CRISTO: “... faze-o depressa.” João 13:27b-29
15. Judas sai. João 13:30 16. Apóstolos: “Quem de nós será o maior?” Lc 22:24 17. CRISTO repreende os apóstolos. Lc 22:25-27 18. CRISTO revela aos apóstolos que eles reinarão. Lc 22:28-30 19. CRISTO lava os pés dos apóstolos. João 13:2-17
20. Hino. Mt 26:30a Mc 14:26a 21. Saída para o Monte das Oliveiras. Mt 26:30b Mc 14:26b 22. (no caminho) CRISTO anuncia Sua glorificação, ausência, e novo mandamento. João 13:31-35 23. CRISTO adverte a Pedro. Mt 26:31-35 Mc 14:27-31 Lc 22:31-34 João 13:36-38 24. As duas espadas. Lc 22:35-38
1. CRISTO pôs-se à mesa, com os 12 apóstolos Mt 26:20; Mc 14:17; Lc 22:14. (Mat 26:20) E, chegada a tarde, assentou-se à mesa com os doze. (Mc 14:17) E, chegada a tarde, foi com os doze. (Lc22:14)E, chegada a hora, pôs-se à mesa, e com ele os doze apóstolos. 2. CRISTO: “Desejei muito ... não a comerei mais até que...” Lc 22:15-16. (Lc 22:15-16) E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça; (16) Porque vos digo que não a comerei mais até que ela se cumpra no reino de DEUS. 3. Tomam a ceia pascal. Conforme Ex 12: cordeiro sem mácula, separado por 4 dias, sacrificado ao anoitecer, assado na brasa, servido com pães asmos e ervas amargosas, nada ficando para o amanhecer; todos com lombos cingidos, sapatos nos pés, cajado nas mãos, apressadamente, memorialmente, por estatuto perpétuo. Parece que CRISTO comeu apressadamente e terminou a ceia antes dos apóstolos. Houve um cálice Lc 22:17-18 (e, talvez, pão) nesta ceia pascal, antes da Ceia do Senhor, que teve lugar logo a seguir. (Lc 22:17) E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós; (18) Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de DEUS. Este 1o. cálice, em Lc, fez parte da Ceia Pascal (profetizando a morte do Messias, para os judeus), não da Ceia do Senhor (memorial da morte do CRISTO, para a Igreja), que teve lugar logo a seguir. 4. (Começam a tomar a Ceia do Senhor:) O pão: CRISTO o abençoa, explica simbolismo memorial, reparte. Mt 26:26; Mc 14:22; Lc 22:19; 1Co 11:23-24,26. (Mat 26:26) E, quando comiam, JESUS tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. (Mc14:22) E, comendo eles, tomou JESUS pão e, abençoando-o, o partiu e deu-lho, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. (Lc 22:19) E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. (1Co 11:23) Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor JESUS, na noite em que foi traído, tomou o päo; (24) E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. (26) Porque todas as vezes que comerdes este päo e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha. 5. O cálice: CRISTO o abençoa, explica simbolismo memorial, reparte, “não mais dele beberei até que...”. Mt 26:27-29; Mc 14:23-25; Lc 22:17-18,20; 1Co 11:25-26. (Mat 26:27) E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; (28) Porque isto é o meu sangue; o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. (29) E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai. (Mc 14:23) E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho; e todos beberam dele. (24) E disse-lhes: Isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que por muitos é derramado. (25) Em verdade vos digo que não beberei mais do fruto da vide, até àquele dia em que o beber, novo, no reino de DEUS. (20) Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós. (1Co 11:25) Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. (26) Porque todas as vezes que comerdes este päo e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha. 6. CRISTO, turbado em espírito: “Um de vós me há de trair.” Mt 26:21; Mc 14:18; João 13:21. (Mat 26:21) E, comendo eles, disse: Em verdade vos digo que um de vós me há de trair. (Mc 14:18) E, quando estavam assentados a comer, disse JESUS: Em verdade vos digo que um de vós, que comigo come, há de trair-me. (João 13:21) Tendo JESUS dito isto, turbou-se em espírito, e afirmou, dizendo: Na verdade, na verdade vos digo que um de vós me há de trair 7. Apóstolos: “Sou eu, Senhor?” Mt 26:22; Mc 14:19; João 13:22. (Mat 26:22) E eles, entristecendo-se muito, começaram cada um a dizer-lhe: Porventura sou eu, Senhor? (Mc 14:19) E eles começaram a entristecer-se e a dizer-lhe um após outro: Sou eu? E outro disse: Sou eu? (João 13:22) Então os discípulos olhavam uns para os outros, duvidando de quem ele falava. 8. CRISTO: “O que põe comigo a mão no prato ... ai daquele ...” Mt 26:23-24; Mc 14:20-21; Lc 22:21-23. (Mat 26:23) E ele, respondendo, disse: O que põe comigo a mão no prato, esse me há de trair. (24) Em verdade o Filho do homem vai, como acerca dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para esse homem se não houvera nascido. (Mc 14:20) Mas ele, respondendo, disse-lhes: É um dos doze, que põe comigo a mão no prato. (21) Na verdade o Filho do homem vai, como dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para o tal homem não haver nascido. (Lc 22:21) Mas eis que a mão do que me trai está comigo à mesa. (22) E, na verdade, o Filho do homem vai segundo o que está determinado; mas ai daquele homem por quem é traído! (23) E começaram a perguntar entre si qual deles seria o que havia de fazer isto. 9. João: “Quem é?” João 13:23-25. (João 13:23) Ora, um de seus discípulos, aquele a quem JESUS amava, estava reclinado no seio de JESUS. (24) Então Simão Pedro fez sinal a este, para que perguntasse quem era aquele de quem ele falava. (25) E, inclinando-se ele sobre o peito de JESUS, disse-lhe: Senhor, quem é? 10. CRISTO, só a João: “É aquele ... bocado molhado” João 13:26. (estavam comendo os restos das duas ceias) (João 13: 26) JESUS respondeu: É aquele a quem eu der o bocado molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas Iscariotes, filho de Simão 11. Satanás se apossa de Judas. João 13:27a (João 13:27a) E, após o bocado, entrou nele Satanás. ... 12. Judas Iscariotes: “Sou eu, Rabí?” Mt 26:25a. (Mat 26:25a) E, respondendo Judas, o que o traía, disse: Porventura sou eu, Rabi?. 13. CRISTO: “Tu o disseste.” Mt 26:25b. (Mat 26:25b) Ele disse: Tu o disseste. 14. CRISTO: “... faze-o depressa.” João 13:27b-29. (João 13:27b-30) ... Disse, pois, JESUS: O que fazes, faze-o depressa. (28) E nenhum dos que estavam assentados à mesa compreendeu a que propósito lhe dissera isto. (29) Porque, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que JESUS lhe tinha dito: Compra o que nos é necessário para a festa; ou que desse alguma coisa aos pobres. 15. Judas sai. João 13:30. (João 13:30) E, tendo Judas tomado o bocado, saiu logo. E era já noite. 16. Apóstolos: “Quem de nós será o maior?” Lc 22:24. (Lc 22:24) E houve também entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior 17. CRISTO repreende os apóstolos. Lc 22:25-27. (Lc 22:25) E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. (26) Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve. (27) Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve 18. CRISTO revela aos apóstolos que eles reinarão. Lc 22:28-30. (Lc 22:28) E vós sois os que tendes permanecido comigo nas minhas tentações. (29) E eu vos destino o reino, como meu Pai mo destinou, (30) Para que comais e bebais à minha mesa no meu reino, e vos assenteis sobre tronos, julgando as doze tribos de Israel. 19. CRISTO lava os pés dos apóstolos. João 13:2-17. (João 13:2) E, acabada a ceia, tendo o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse, JESUS, (3) sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de DEUS e ia para DEUS, (4) Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. (5) Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. (6) Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu lavas-me os pés a mim? (7) Respondeu JESUS, e disse-lhe: O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois. (8) Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe JESUS: Se eu te não lavar, não tens parte comigo. (9) Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça. (10) Disse-lhe JESUS: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. Ora vós estais limpos, mas não todos. (11) Porque bem sabia ele quem o havia de trair; por isso disse: Nem todos estais limpos. (12)Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito? (13) Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. (14) Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. (15) Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. (16)Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. (17) Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes. 20. Hino. Mt 26:30a; Mc 14:26a. (Mat 26:30a) E, tendo cantado o hino, ... (Mc 14:26a) E, tendo cantado o hino, ... 21. Saída para o Monte das Oliveiras. Mt 26:30b; Mc 14:26b; Lc 22:39. (Mat 26:30b) ... saíram para o Monte das Oliveiras. (Mc 14:26b) ... saíram para o Monte das Oliveiras. 22. (no caminho) CRISTO anuncia Sua glorificação, ausência, e novo mandamento. João 13:31-35. (João 13:31-35) Tendo ele, pois, saído, disse JESUS: Agora é glorificado o Filho do homem, e DEUS é glorificado nele. (32) Se DEUS é glorificado nele, também DEUS o glorificará em si mesmo, e logo o há de glorificar. (33) Filhinhos, ainda por um pouco estou convosco. Vós me buscareis, mas, como tenho dito aos judeus: Para onde eu vou não podeis vós ir; eu vo-lo digo também agora. (34) Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. (35) Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. 23. CRISTO adverte a Pedro. Mc 14:27-31; Lc 22:31-34; João 13:36-38. (Mc 14:27) E disse-lhes JESUS: Todos vós esta noite vos escandalizareis em mim; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas se dispersarão. (28) Mas, depois que eu houver ressuscitado, irei adiante de vós para a Galiléia. (29) E disse-lhe Pedro: Ainda que todos se escandalizem, nunca, porém, eu. (30) E disse-lhe JESUS: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás. (31) Mas ele disse com mais veemência: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de modo nenhum te negarei. E da mesma maneira diziam todos também. (Lc 22:31) Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; (32) Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos. (33) E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte. (34) Mas ele disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces (João 13:36-38) Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, para onde vais? JESUS lhe respondeu: Para onde eu vou não podes agora seguir-me, mas depois me seguirás. (37) Disse-lhe Pedro: Por que não posso seguir-te agora? Por ti darei a minha vida. (38) Respondeu-lhe JESUS: Tu darás a tua vida por mim? Na verdade, na verdade te digo que não cantará o galo enquanto não me tiveres negado três vezes. 24. As duas espadas. Lc 22:35-38. (Lc 22:35) E disse-lhes: Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa? Eles responderam: Nada. (36) Disse-lhes pois: Mas agora, aquele que tiver bolsa, tome-a, como também o alforje; e, o que não tem espada, venda a sua capa e compre-a; (37) Porquanto vos digo que importa que em mim se cumpra aquilo que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Porque o que está escrito de mim terá cumprimento. (38) E eles disseram: Senhor, eis aqui duas espadas. E ele lhes disse: Basta. APÊNDICE: No ano 32 segundo nosso calendário, CRISTO foi traspassado e verteu todo Seu sangue ao anoitecer de uma quarta-feira (nossa). Para os judeus, esta ocasião foi o fim do dia 14 de Nissan, portanto foi a hora da imolação do cordeiro da Páscoa e o início do quinto dia da semana. Este quinto dia da semana foi também considerado um sábado (que significa dia de cessação dos trabalhos), pois, sendo o primeiro dia da festa dos pães asmos, era dia religioso a ser guardado em descanso. CRISTO ressuscitou durante a noite do sábado para o domingo. Portanto, como tinha profetizado, CRISTO ficou exatamente 3 dias completos e 3 noites completas no seio da terra, com a porta do túmulo fechada, até que ressuscitou e dele saiu. Por tudo isso, a última ceia do Senhor com seus apóstolos ocorreu numa noite da terça para a quarta-feira, noite que chamaríamos 13 de abril mas que, para CRISTO, já era 14 de Nissan e, para outros judeus, era 13 de Nissan. Notemos que, devido a diferenças na determinação da hora exata da uma lua cheia, em certos anos haviam alguns judeus que começavam a contar o 1o. dia do ano antes dos demais. Isto ocorreu naquele ano. Para CRISTO e seus discípulos, aquela terça-feira era 14 de Nissan, enquanto para os demais era somente 13 de Nissan. Porisso, CRISTO guardou a Páscoa 1 dia antes dos demais. Julgue se assim mesmo e aproveite o que for bom. (http://solascriptura-tt.org/EclesiologiaEBatistas/SequenciaEventosNoiteUltimaCeiaSenhor-Helio.htm) A refeição no noivado e casamento tem muito a ver com a ceia: Jo 14.3- “E, se eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”. DEUS sempre vem ao homem no nível em que ele se encontra, de maneira simples e cotidiana, e aqui JESUS usa a figura do noivado judaico (hebreus) para infundir fé em seus ouvintes a respeito de sua volta para buscar-nos; vejamos: 1- Quem escolhia a noiva era a pai do noivo (Gn 24.2-4), compare com Rm 8.29 onde DEUS nos escolhe para seu filho. 2- O costume era que a escolhida fosse a filha mais velha, mas se a mesma fosse maior (acima de 18 anos), poderia aceitar ou não o noivo (Gn 29.24-26), compara com Jo 1.11,12 aonde JESUS veio para ISRAEL (a filha mais velha, porém de maior), mas estes não o receberam, assim JESUS escolheu a nós (gentios filhos mais novos que não eram os escolhidos, para sermos sua noiva, a Igreja). 3- No noivado o noivo ia à casa da noiva para cear e confirmar o compromisso (Gn 24.54), compare com Mt 22.14-20 aonde JESUS vem a nossa casa (o mundo) e ceia conosco (representados pelos apóstolos). 4- O noivo deixava um penhor como prova de que ia voltar para buscar a noiva (Gn 24.53), compare com Ef 1.13,14 onde o ESPÍRITO SANTO nos é dado como penhor e prova de que o SENHOR voltará para nos buscar. (2 Ts 2.7) 5- A noiva era comprada por preço de ouro (Gn 24.47), compare com 1 Co 6.19,20 e At 20.28 onde a palavra de DEUS nos diz que fomos comprados pelo sangue de JESUS CRISTO derramado na cruz do calvário (o preço maior que existe). 6- O noivo ia preparar uma casa para o casal, ao lado da casa de seu pai (Gn 24.67), compare com a leitura em Jo 14.2 onde JESUS diz que na casa de nosso pai existem muitas moradas e que ELE ia nos preparar lugar. 7- O noivo mandava recados e recebia recados da noiva através de algum emissário (a), dizendo como é que gostava da noiva: Se bem vestida, modo de falar correto e santo, etc... Também dizia que era pra esperá-lo, pois a casa estava quase pronta e ele estava voltando; compare com Hb 13.7 e 13.14; Ef 5.19 e 5.25-27; Ap 22.7 e 22.20; etc..., Onde JESUS está nos exortando a continuarmos firmes, com uma vida santa e irrepreensível e o ESPÍRITO SANTO sempre nos avisando: JESUS ESTÁ VOLTANDO, a casa está quase pronta, prepara-te. Sf 1.7 “Cala-te diante do Senhor DEUS, porque o dia do Senhor está perto; pois o Senhor tem preparado um sacrifício, e tem santificado os seus convidados”. QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 09 - A IMPORTÂNCIA DA SANTA CEIA RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD 2º TRIMESTRE DE 2009 TEXTO ÁUREO 1- Complete: "Porque, todas as vezes que ______________________ este pão e _____________________ este cálice, ____________________ a morte do Senhor, até que venha" (1 Co 11.26). VERDADE PRÁTICA 2- Complete: A Santa Ceia não é um mero ___________________; é um __________________ da morte redentora de CRISTO por nós e um _________________ quanto à sua vinda. INTRODUÇÃO 3- O que nos lembra a Santa Ceia? ( ) A Santa Ceia lembra as refeições dos discípulos em companhia de JESUS. ( ) A Santa Ceia lembra o arrebatamento de CRISTO em sua primeira vinda. ( ) A Santa Ceia lembra a paixão e a morte de CRISTO em nosso lugar, bem como a sua segunda vinda. I. O QUE É A SANTA CEIA 4- De quem Paulo recebeu o ensino da Santa Ceia, segundo a bíblia? ( ) Diretamente dos apóstolos no primeiro concílio da igreja. ( ) Diretamente dos apóstolos quando visitou Jerusalém e se reuniu com os mesmos. ( ) Diretamente do Senhor: "Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei". 5- Quando Paulo, provavelmente, recebeu de JESUS o ensino da Santa Ceia? ( ) Provavelmente durante os dois anos em que estivera a sós com DEUS na Arábia, sobre os quais as Escrituras silenciam (Gl 1.11,12, 15-17). ( ) Provavelmente durante os três anos em que estivera a sós com DEUS na Arábia, sobre os quais as Escrituras silenciam (Gl 1.11,12, 15-17). ( ) Provavelmente durante os quatro anos em que estivera a sós com DEUS na Arábia, sobre os quais as Escrituras silenciam (Gl 1.11,12, 15-17). 6- Complete, segundo as duas ordenanças da Igreja Cristã originadas do ministério terreno de Nosso Senhor JESUS CRISTO: Com o seu ___________________, no rio Jordão, Ele iniciou o seu glorioso ministério (Mt 3.13-16), encerrando-o com a instituição da Santa Ceia, sua paixão e morte redentora (Mt 26.26-30). Enquanto o __________________ fala da nossa fé em CRISTO e ocorre apenas uma vez na vida do crente (Mc 16.16), a __Ceia__ do Senhor diz respeito à nossa comunhão com Ele, e deve ser _______________________ renovada (Lc 22.14,15). 7- Para quem a Santa Ceia é uma ordenança da Igreja, instituída por JESUS na noite em que ele foi traído? ( ) A Ceia do Senhor é conhecida pelos católicos ortodoxos como ordenança, por constituir-se numa ordem dada por CRISTO aos santos apóstolos. ( ) A Ceia do Senhor é conhecida pelos católicos romanos como ordenança, por constituir-se numa ordem dada por CRISTO aos santos apóstolos. ( ) A Ceia do Senhor é conhecida pelos judeus como ordenança, por constituir-se numa ordem dada por CRISTO aos santos apóstolos. ( ) A Ceia do Senhor é conhecida pelos evangélicos como ordenança, por constituir-se numa ordem dada por CRISTO aos santos apóstolos. 8- Para quem a Santa Ceia é uma sacramento da Igreja? ( ) Para os católicos romanos e certas alas do protestantismo. ( ) Para os católicos ortodoxos e certas alas do judaísmo. ( ) Para os católicos protestantes. II. OS ELEMENTOS DA SANTA CEIA 9- Quais são os elementos da Santa Ceia e o que representam? ( ) O pão, o vinho e a água que JESUS lavou os pés dos discípulos, representam a vida terrena de CRISTO. ( ) O pão e o vinho por representarem, respectivamente, o corpo e o sangue do Senhor JESUS. ( ) O pão e o vinho são, biblicamente, o memorial do Calvário; representam o corpo e o sangue de CRISTO. 10- Por que o pão é um dos elementos da Santa Ceia do Senhor? ( ) Por ser este alimento o símbolo da vida, JESUS assim identificou-se aos seus discípulos (Jo 6.35). ( ) Porque o trigo, do qual o pão é feito, é símbolo de salvação. ( ) Quando o pão é partido, vem-nos à memória o sacrifício vicário de CRISTO. ELE deu sua vida em resgate da humanidade caída e escravizada pelo Diabo. 11- Por que o vinho é um dos elementos da Santa Ceia do Senhor? ( ) Porque lembra-nos da embriagues do pecado de Adão. ( ) Porque lembra-nos o sangue de CRISTO vertido na cruz para redimir a todos os filhos de Adão. ( ) Porque lembra-nos o sangue de CRISTO bebido pelos filhos de Adão. III. LIÇÕES DOUTRINÁRIAS DA SANTA CEIA 12- Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda as lições ou ensinos doutrinários da Ceia do Senhor até a volta de JESUS. 1. A Santa Ceia é um mandamento do Senhor. Toda ceia destina-se a alimentar. Devemos participar desse SANTO Memorial convictos, pela fé e esperança de que seremos novamente alimentados espiritualmente. 2. É um memorial divino. "Anunciais a morte do Senhor até que venha" (v.26). A igreja ao celebrar a Ceia do Senhor, está também anunciando a todos a sua vinda. "E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide até àquele Dia em que o beba de novo convosco no reino de meu Pai" (Mt 26.29). 3. É uma profecia a respeito da volta de JESUS. Conforme Lucas 22.14, JESUS levou apenas os Doze para a mesa da Páscoa, seguida da Ceia do Senhor. Se a Ceia fosse para qualquer um, Ele teria chamado a todos sem distinção. A Santa Ceia é para os santos em CRISTO JESUS. 4. Deve ser precedida de auto-exame do participante (v. 25). Participar da Ceia sem discernir "o corpo do Senhor" (v. 29), é ter os santos elementos da Ceia como coisas comuns, e não como emblemas do corpo e do sangue de CRISTO. 5. A ceia do Senhor e o discernimento espiritual do crente. Na Ceia do Senhor todo crente deve ser agradecido. "E tendo dado graças" (v.24). Em todos os registros da Ceia vemos ação de graças a DEUS: 1 Co 11.24; Mt 26.27; Mc 14.23; Lc 22.19. 6. É uma ocasião propícia ao recebimento de bênçãos. Trata-se do auto-julgamento do cristão diante de DEUS, quanto ao seu estado espiritual (v.31). Esse auto-exame deve ser feito com o auxílio do ESPÍRITO SANTO e tendo a nossa consciência alinhada às Escrituras. 7. A Santa Ceia é um momento de gratidão a DEUS. "Em memória de mim" (vv.24,25). É um memorial da morte do Cordeiro de DEUS em nosso lugar (1 Pe 1.18,19; Jo 1.29). Como tal, a Santa Ceia comemora algo já realizado (Lc 22.19). Assim como a sociedade, o governo, o povo, as instituições particulares têm seus memoriais, aos quais estimam, honram e preservam, nós temos muito mais razão, dever, direito e prazer de sempre participar da Ceia do Senhor. 8. A Santa Ceia é para os discípulos do Senhor. "Não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios" (10.21). A Santa Ceia é incompatível com a duplicidade da vida espiritual do cristão (Sl 119.113; Mt 6.24; 2 Co 6.14). 9. É um momento de profunda e solene devoção e louvor a DEUS. "O cálice de bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de CRISTO? O pão que partimos não é, porventura, a comunhão do corpo de CRISTO?" (10.16). Portanto, DEUS pode derramar copiosas bênçãos no momento da ceia. Houve milagres na preparação da primeira Ceia (Lc 22.10-13). 10. A Santa Ceia é alimento espiritual. "E, tendo cantado um hino" (Mt 26.30). Como JESUS cantou à sombra da sua cruz, não podemos compreender, nem explicar! 11. A Ceia do Senhor condena a duplicidade religiosa. Ele ordenou por duas vezes: "fazei isto em memória de mim" (vv.24,25) CONCLUSÃO 13- Complete: Tendo em mente o exposto, devemos sentar-nos à mesa do Senhor, com _____________________, temor de DEUS e humildade. Conscientizemo-nos, pois, de que, ali, não estão meros símbolos, mas o sublime _________________________ da paixão e morte de Nosso Senhor JESUS CRISTO. Caso contrário, seremos contados como __________________ diante de DEUS. Que o Senhor nos guarde a todos, por sua graça. RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO NOS VÍDEOS: http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm Ajuda: CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal. http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm (VÍDEOS da EBD na TV, DESTA LIÇÃO, INCLUSIVE) BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD. Nosso novo endereço:http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/ Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com , http://www.ebdweb.com.br/, em http://www.idbpa.net/joomla/index.php?option=com_content&task=category&sectionid=10&id=44&Itemid=133&limit=50&limitstart=0, http://www.sovitoria.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube. http://solascriptura-tt.org/EclesiologiaEBatistas/SequenciaEventosNoiteUltimaCeiaSenhor-Helio.htm http://www.apazdosenhor.org.br/prof/alianca.htm http://www.apazdosenhor.org.br/prof/ultimaceia.htm http://www.apazdosenhor.org.br/prof/precio2.htm OBRAS CONSULTADASPor Amor aos Católicos Romanos, Rick Jones – Chick PublicationsA Reforma Protestante, Abraão de Almeida – CPADA Igreja que veio de Roma, Karl Weiss – Editora Gráfica Universal LtdaNoites com os Romanistas, M. H Seymour – Edições CristãsEncyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

VIDEOS DA LICAO 08 COISAS SACRIFICADAS AOS IDOLOS

ESTUDOS DA LIÇÃO 08 COISAS SACRIFICADAS AOS ÍDOLOS

LIÇÃO 08 - COISAS SACRIFICADAS AOS ÍDOLOS Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 2º TRIMESTRE DE 2009 1Coríntios - Os Problemas da Igreja e Suas Soluções Comentários do Pr. Antônio Gilberto Complementos e questionários: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
TEXTO ÁUREO "As coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios e não a DEUS. E não quero que sejais participantes com os demônios" (1 Co 10.20).
VERDADE PRÁTICA O crente deve fugir da idolatria, dos objetos, festividades e reuniões que envolvem reverência e adoração aos ídolos. LEITURA DIÁRIA Segunda Dt 32.15-21 O péssimo exemplo de Israel no passado Terça Sl 106.36,37 Correlação entre os ídolos e os demônios Quarta At 15.29 Uma norma divina para todos os crentes Quinta 1 Co 8.13 O manjar do escândalo Sexta 1 Co 10. 20 Coisas sacrificadas aos demônios Sábado Tg 4.4,5 O zelo do ESPÍRITO pelo crente A grande dúvida entre os cristãos Coríntios era se podiam comprar e consumir a carne comprada nos açougues de Corinto, porque sabiam que ali se vendia carne, que antes, teria sido oferecida a ídolos. Usando o erro dos israelitas no passado, Paulo exorta a igreja a não cair no mesmo erro. Paulo explica que os sacrifícios oferecidos aos ídolos são na verdade, sacrifícios oferecidos a demônios (diabos na tradução de Ferreira de Almeida, revista e corrigida,, mas como só existe um Diabo e muitos demônios, o correto é demônios aqui). Paulo lembra aos Coríntios que as procissões carregando deuses e as festas consagradas a deuses são proibidas aos crentes que querem servir a DEUS e participarem da mesa do Senhor. Muitos antropólogos e sociólogos seculares vêem essas festividades como elemento de integração social e manifestação cultural. Na verdade o sincretismo religioso presente em muitas dessas festas e comemorações é uma ferramenta maligna para iludir o cristão incauto ou desprovido de visão celestial. Ídolos do Coração (Escola Bíblica IBCU) O coração é uma fábrica de ídolos. Embora a noção de idolatria esteja associada a culto de imagens e a criação de imagens, as Escrituras descrevem a idolatria como um problema do coração do homem. A idolatria é a substituição de DEUS que deve sempre vir em primeiro lugar, por outro ser ou coisa que assume maior importância em nossa vida. Quando a Bíblia se refere ao coração, ela inclui as três principais operações do homem interior. 1- inclui os pensamentos, crenças, compreensões, memórias, julgamentos, consciência e discernimento (Mt 13.15; Rm 1.21; Lc 24.38; 1 Tm 1.5) 2- anseios, desejos, sentimentos, imaginações, emoções (Sl 20.4; Ec 7.9; 11.9; Is 35.4; Tg 3.14; Hb 12.3) 3- realiza escolhas e determina ações (Dt 30.19; Js 24.15; Is 7.15; Dt 23.15, 16; Sl 25.12) Em vez de pensar nestes três aspectos (mente, afeições e vontade) como sendo separados e isolados um do outro, pense neles como operando continuamente em conjunto, um com o outro. Veja o exemplo de Moisés (Hb 11.24-27). No VT a idolatria refere-se ao desvio do homem de Deus. A batalha contra a idolatria aparece vívida com o "bezerro de ouro" e reaparece através dos livros de Juízes, Samuel, Reis, pelos Profetas e Salmos. Ex. Gn 31.11,13-19: Ez 14.1-5. No NT, "desejos" (gr. epithumiai) é característica e resumo para o mesmo desvio. 1 Co 10.6,7 e 14: 1 Jo 5.21. Ex.:Raquel: "Dê-me filhos ou morrerei" – Gn 30.1 Um teste: Faça o diagnóstico do teu coração: "Dê-me _________________ ou morrerei" O que acho que mais preciso para ser feliz ou para que minha vida tenha mais significado? Se minha resposta for qualquer outra coisa que não seja Deus, então tal coisa funciona como meu ídolo! Como saber se estou adorando mais as bênçãos que desejo do que ao Deus verdadeiro? a) Se estiver disposto a pecar para conseguir o que mais quero. ou b) Se a minha reação for pecaminosa quando eu não conseguir aquilo que mais quero. O que quero, em si, não é necessariamente pecado! Mas a intensidade com que busco me leva a pecar. (Mt 22.37; 6.33). Existe uma maldição em relação à idolatria que é a conseqüência de se confiar em algo ou em alguém, que não seja o Deus verdadeiro, para nos tornar feliz. (Jr 17.5-8). Idolatria é um pecado que tem suas raízes na mente, em nossos pensamentos, crenças, julgamentos e imaginação. "Ídolos do coração", "desejos da carne", "temor de homens", "amor ao dinheiro", "mente terrena", "orgulho", e várias outras figuras, descrevem bem a visão bíblica de impulsos interiores, experimentados como falsas necessidades ou alvos centrados no homem. A questão mais profunda da motivação não é "o que me motiva". A questão final é "quem é o senhor destes padrões de pensamento, sentimento ou comportamento?".Quem além de Deus é meu deus? Dois exemplos: "Impulso" da fome: (observe como Mt 6.25-34 trabalha este tema) "Necessidade" de segurança (desejo de obter o reconhecimento dos homens) O que se observa na pessoa que confia em algo ou alguém que não seja Deus? Ela nunca se satisfaz. Algumas respostas para diagnosticar meu coração: O que mais quero é __________________________________? (Não deveria ser conhecer DEUS). O que mais quero e temo perder é ___________________________ (Não deveria ser refletir sobre Deus e crescer em santidade de vida?). Meu maior prazer é ________________ (Eu que estou disposto a pecar a fim de obtê-lo?) O que temo tanto que nem hesito em pecar a fim de mantê-lo? ____________________________. Como derrotar os ídolos do coração? Deus nos chama a enterrar os ídolos ao pé da Cruz de Cristo. Deus é Conhecedor do nosso coração. (Jr 17.9,10; Hb 4.12,13) Deus é Transformador do nosso coração. (Hb 4.14-16) Devemos nos guardar dos ídolos ( 1 Jo 5.21) Deus nos manda consagrar a Ele todo o nosso coração "E agora, ó __________________, que é que o Senhor, o seu Deus, lhe pede, senão que tema o Senhor, o seu Deus, que ande em todos os Seus caminhos, que O ame e que sirva ao Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração e de toda a sua alma, e que obedeça aos mandamentos e aos decretos do Senhor, que hoje lhe dou para o seu próprio bem" (Dt 10.12,13) Aplicação: Diante de cada situação, pergunte: 1- O que mais quero, desejo ou almejo? 2- O que mais temo? O que mais me preocupa? 3- O que acho que mais preciso? 4- O que minhas estratégias tencionam alcançar? 5- Em que ou em quem eu confio? 6- Quem eu quero agradar? A opinião de quem é importante para mim? 7- O que eu estou amando? Odiando? 8- O que me dá maior prazer, felicidade ou deleite? O que traz a maior dor e tristeza? LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Coríntios 8.1-4; 10.14; 18-22. 1 Ora, no tocante às coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que todos temos ciência. A ciência incha, mas o amor edifica. 2 E, se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber. 3 Mas, se alguém ama a DEUS, esse é conhecido dele. 4 Assim que, quanto ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que o ídolo nada é no mundo e que não há outro DEUS, senão um só. 10. 14 Portanto, meus amados, fugi da idolatria. 18 Vede a Israel segundo a carne; os que comem os sacrifícios não são, porventura, participantes do altar? 19 Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? 20 Antes, digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios e não a DEUS. E não quero que sejais participantes com os demônios. 21 Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. 22 Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele? 8.1 COISAS SACRIFICADAS AOS ÍDOLOS. Nos caps. 8-10, Paulo lida com a pergunta dos coríntios, a respeito de alimento oferecido a ídolos, e se é permitido comprar e comer tal alimento, e, participar de festas em templos idólatras (v. 10). (1) Ao lidar com este assunto, Paulo revela um princípio importante, segundo o qual os cristãos de todos os tempos devem viver. Esse princípio aplica-se a quaisquer atividades questionáveis que possam tentar algum crente a pecar e arruinar-se espiritualmente (v. 11). O ESPÍRITO SANTO deu instruções, por intermédio de Paulo, no sentido do cristão sempre agir com amor para com os irmãos na fé, o que requer abnegação. (2) Abnegação significa limitar nossa própria liberdade e deixar de lado todas as atividades questionáveis, a fim de não ofender ou enfraquecer as convicções sinceras doutros cristãos que se consideram firmados em princípios bíblicos. O inverso da abnegação é a autodefesa do direito de participar de uma atividade questionável, atividade esta que poderá induzir outros a também participarem dela para seu próprio detrimento (cf. Rm 14.1-15.3; At 15.29; 1 Co 9.19). 8.2 AINDA NÃO SABE. Aqueles que baseiam seu direito de participar de coisas duvidosas, conforme seu "conhecimento" ou "entendimento amadurecido", demonstram que, na realidade, nada sabem como convém saber. Nosso conhecimento nesta vida é sempre incompleto e imperfeito. Por isso, nossas ações devem basear-se primeiramente no amor a DEUS e ao próximo. Se o amor for o nosso elemento determinante, recusaremos participar de qualquer atividade que possa fazer um único crente tropeçar e caminhar para sua ruína eterna. Aqueles que vivem segundo a lei do amor são os conhecidos por Ele [DEUS] (v. 3). "O Senhor conhece os que são seus" (2 Tm 2.19). 8.12 PECAIS CONTRA CRISTO. Aqueles que, pelo seu exemplo, levam outros ao pecado e à ruína espiritual (v.11) pecam, não somente contra aquela pessoa, mas também contra o próprio CRISTO. Cometem um grave pecado. O propósito da morte de CRISTO é, assim, considerado de pouco valor, em comparação aos desejos egoístas da pessoa (ver Mt 18.7)
10.16 O CÁLICE DE BÊNÇÃO. O cálice que tomamos na Ceia do Senhor tipifica a morte de CRISTO e seu sofrimento sacrificial pelos pecadores. A "comunhão do sangue de CRISTO" refere-se à participação do crente na salvação provida pela morte de CRISTO (cf. 11.25). As Escrituras não ensinam que na Ceia do Senhor o pão e o fruto da videira se transformam realmente no corpo e sangue de CRISTO (ver 11.24,25 sobre a Ceia do Senhor). 10.20 SACRIFICAM AOS DEMÔNIOS. A idolatria envolve o culto aos demônios, direta ou Indiretamente (cf. Dt 32.17; Sl 106.35-38) está associada à avareza ou cobiça (ver Cl 3.5). Logo, há poderes demoníacos por trás da paixão pelas riquezas, honrarias ou cargos mundanos. 10.21 O CÁLICE DO SENHOR E O CÁLICE DOS DEMÔNIOS. Participar da Ceia do Senhor é compartilhar da redenção de CRISTO. Do mesmo modo, participar de festas idólatras é compartilhar ou participar com os demônios (v.20). O erro dalguns em Corinto era não distinguir entre retidão e impiedade, entre o santo e o profano, entre o que é de CRISTO e o que é do diabo. Não compreendiam o zelo santo de DEUS (v. 22; cf. Êx 20.5; Dt 4.24; Js 24.19) e a gravidade da transigência com o mundo. O próprio CRISTO falou a respeito desse erro fatal: "Ninguém pode servir a dois senhores" (Mt 6.24). FAZEI TUDO PARA A GLÓRIA DE DEUS. O objetivo principal da vida do crente é agradar a DEUS e promover a sua glória. Sendo assim, aquilo que não pode ser feito para a glória de DEUS (i.e., em sua honra e ações de graças como nosso Senhor, Criador e Redentor) não deve ser feito de modo nenhum. Honramos a DEUS mediante nossa obediência, ações de graças, confiança, oração, fé e lealdade a Ele. Viver para a glória de DEUS deve ser uma norma fundamental em nossa vida, o alvo da nossa conduta, e teste das nossas ações. DECISÃO DO PRIMEIRO CONCÍLIO DA IGREJA Atos 15.8 Na verdade, pareceu bem ao ESPÍRITO SANTO e a nós não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias:29 Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da fornicação; destas coisas fareis bem se vos guardardes. Bem vos vá. (grifo nosso). 15.28 PARECEU BEM AO ESPÍRITO SANTO. A conferência de Jerusalém foi dirigida pelo ESPÍRITO SANTO. JESUS prometera que o ESPÍRITO SANTO guiaria os fiéis em toda a verdade (Jo 16.13). As decisões da igreja não devem ser tomadas pelo homem apenas; este deve buscar a direção do ESPÍRITO, mediante oração e jejum e a fidelidade à Palavra de DEUS até que a vontade divina seja claramente discernida (cf. 13.2-4). A igreja, para ser realmente a igreja de CRISTO, deve ouvir o que o ESPÍRITO diz às igrejas locais (cf. Ap 2.7). 15.29 QUE VOS ABSTENHAIS. O ESPÍRITO SANTO (v. 28) estabeleceu certos limites que possibilitam a convivência harmoniosa entre os cristãos judaicos e seus irmãos gentios. Os gentios deviam se abster de certas práticas consideradas ofensivas aos judeus (v. 29). Uma das maneiras de medir a maturidade do cristão é ver a sua disposição de refrear-se das práticas que certos cristãos consideram certas e outros consideram erradas (ver o ensino bíblico por Paulo, em 1 Co 8.1-11). O Argumento Baseado em 1 Coríntios 8:11 (http://www.estudobiblico.com.br/salvacao/capitulo18.html) Em 1 Coríntios 8:11 diz-se: “E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual CRISTO morreu”. Esse versículo apresenta um problema. A pessoa citada aqui é claramente salva, posto que é chamada de irmão. É verdade que se trata de um irmão fraco. Contudo, é um irmão, uma pessoa que pertence ao Senhor. Aqui, no entanto, diz que ele pode perecer. A palavra perecer (apollumi - gr.). O assunto de 1 Coríntios 8 é a proibição aos cristãos de comer comida oferecida a ídolos no templo do ídolo. Os cristãos coríntios supunham que não havia nenhum problema se os cristãos comessem comida oferecida a ídolos no templo do ídolo. Sua explicação era que havia somente um DEUS nos céus e na terra. Os ídolos nada são. Se alguém oferece comida aos ídolos, e os ídolos são reais, então as ofertas são reais. Se os ídolos não são reais, então as ofertas não são ofertas, de forma alguma, mas somente comida. Se não são ofertas, que mal há em comê-las? Se os ídolos não são reais, então os templos são apenas não-templos, e nada significaria comer das ofertas nos templos dos ídolos. Eles, portanto, pensavam que as ofertas podiam ser comidas. Isso era o que os coríntios diziam. Paulo, no entanto, disse que as ofertas não deveriam ser comidas. Sua explicação não era que os ídolos eram reais ou que os templos o fossem. No início do capítulo oito, Paulo disse: “No que se refere às coisas sacrificadas a ídolos, reconhecemos que todos somos senhores do saber”. A palavra “todos” refere-se aos cristãos coríntios. Porque todos têm conhecimento, todos podem comer. Entretanto, “o saber ensoberbece, mas o amor edifica”. O propósito do amor é edificar a outros, enquanto o conhecimento ensoberbece. É verdade que o Pai é DEUS, que JESUS é o Senhor, e que os ídolos nada são. Havia, entretanto, muitos irmãos fracos na igreja em Corinto. Eles não tinham o conhecimento; a mente deles não era tão perspicaz como a dos demais. Mesmo que você tentasse explicar-lhes, esses irmãos fracos não entenderiam. Eles ainda pensavam que era contra o mandamento do Senhor fazer algo assim. Alguém precisava lembrar aos “senhores do saber” quem eram esses fracos e quais os seus antecedentes. Hoje você pode achar que os ídolos nada são. Mas aqueles que anteriormente haviam ofertado aos ídolos achavam que estavam ofertando a DEUS, por pensar que os ídolos eram deuses. Quando você come você não sente nada. Mas se eles comem é como se estivessem revendo seus pecados passados. Eles não são como você. Você tem o conhecimento, portanto pode comer e ir embora. Mas eles se sentiriam como que fazendo o mesmo que tinham feito antes e pecando como antes. Na mente deles ainda consideravam isso como pecado. Portanto, por causa dos outros cristãos, e por amor a eles, embora você possa ter o conhecimento, é preferível não comer. Você tem o conhecimento, mas eles não. Diante de DEUS eles sentem-se condenados em sua consciência. Sentem que cometeram um grande pecado e que estão caindo novamente. Portanto, por causa deles, nós não comemos. Esse é o significado geral dessa passagem. Os versículos 4 a 7 dizem: “No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo de si mesmo nada é no mundo e que não há senão um só DEUS. Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só DEUS, o Pai, de quem são todas as cousas e para quem existimos; e um só Senhor, JESUS CRISTO, pelo qual são todas as coisas, e nós também por ele. Entretanto, não há esse conhecimento em todos; porque alguns, por efeito da familiaridade até agora com o ídolo, ainda comem dessas coisas como a ele sacrificadas; e a consciência destes, por ser fraca, vem a contaminar-se”. Por favor, note a palavra familiaridade aqui. Esse era o antigo hábito deles. O versículo 12 diz: “E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra CRISTO que pecais”. Essa passagem ensina as pessoas a se absterem de comida sacrificada a ídolos por causa do amor pelos irmãos. Você não pode agir livremente e colocar seu irmão em dificuldades simplesmente porque você tem conhecimento. Do versículo 7 até o fim do capítulo, o problema era da consciência. Não se tratava de um problema do espírito. Paulo, aqui, não estava falando acerca da salvação eterna ou da perdição eterna. Paulo nos estava dizendo o que fazer em relação a um irmão com uma consciência fraca. Se um homem faz algo que sabe que pode fazer, sua consciência não o condenará. Se, contudo, faz algo que sabe que não deveria fazer, sua consciência irá condená-lo e reprová-lo continuamente. Por exemplo, sabemos que não precisamos guardar o domingo nem o sábado. Não há problemas em fazer compras e trabalhar no domingo. Nossa consciência nunca nos condena. Isso é uma graça do Novo Testamento. O Senhor não colocou sobre nós o fardo do sábado. Alguns, no entanto, não têm esse conhecimento. Quando fazem compras no domingo, pensam ter cometido um grande pecado. Após terem feito isso, sua consciência não ficará em paz. Às vezes, a questão do pecado é simplesmente uma questão de consciência. A consciência do homem determina para ele quais são seus pecados. Paulo estava se referindo a um irmão fraco. Outrora esse irmão adorava ídolos. Agora vê outros comendo, e deseja juntar-se a eles. Para você não há problema em comer, porque tem discernimento e sabe que os ídolos nada significam. Portanto, pode comer livremente. Ele come, não porque tenha discernimento, mas porque vê você comendo. O tempo todo em que ele está comendo, ele não tem paz. Você come com alegria. Ele come com temor. Após essa refeição, ele não consegue mais orar. A consciência dele lhe diz que pecou e abandonou a DEUS para adorar ídolos, exatamente como costumava fazer. A consciência dele começa a perecer diante de DEUS. Ele sente-se culpado perante DEUS e acha que está acabado, que voltou aos seus antigos pecados. Além de João 3:16, a palavra original para perecer também aparece em Lucas 13,15 e 21. Contudo, nessas três passagens, essa palavra foi utilizada de forma muito diferente. No capítulo treze, Pilatos havia matado diversas pessoas e misturado o sangue delas com os sacrifícios que elas mesmas realizavam. O Senhor JESUS disse às pessoas que não considerassem esses galileus mais pecaminosos do que elas mesmas. A menos que se arrependessem, todos eles igualmente pereceriam. Perecer, aqui, refere-se ao corpo ser morto, e nada tem a ver com a alma do homem. O Senhor disse que houve dezoito mortos quando a torre de Siloé desabou. A não ser que se arrependessem, eles pereceriam da mesma forma. Isso se refere à morte do corpo exterior. Na parábola do filho pródigo no capítulo quinze, o pródigo disse: “Quantos empregados de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui pereço de fome!” Aqui, morrer não se refere à alma perecer. Portanto, tal palavra não se refere apenas à morte eterna, mas também à morte do corpo e à inanição. Pode-se considerar que alguém perece quando é morto, e pode-se também considerar que alguém perece quando está morrendo de fome. No capítulo vinte e um do Evangelho de Lucas, o Senhor diz que o cabelo de nossa cabeça de modo algum perecerá (lit.). Até nosso cabelo pode perecer. Ora, não há possibilidade de que isso signifique morte eterna. A partir dessas três passagens, pode-se imediatamente ter uma idéia do que Paulo quis dizer aqui. Ele referia-se a algo que pudesse fazer perecer a consciência de um irmão fraco. Na reunião este poderia não ser mais capaz de orar. Poderia pensar que estava acabado, que havia adorado a ídolos novamente e que havia comido a comida oferecida a ídolos no templo pagão. Ele poderia achar que havia abandonado o DEUS vivo e a consciência dele seria destruída por sua causa. Se lermos cuidadosamente esta porção da Escritura, (1 Co 8) do versículo 7 em diante, veremos por que Paulo disse aquilo. “Entretanto, não há esse conhecimento em todos; porque alguns, por efeito da familiaridade até agora com o ídolo, ainda comem dessas coisas como a ele sacrificadas; e a consciência destes, por ser fraca, vem a contaminar-se”. Por favor, note que isso se refere àqueles cuja consciência, sendo fraca, é contaminada. “Não é a comida que nos recomendará a DEUS, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos se comermos”. Este é categoricamente nosso padrão: se comermos não existe mérito, e se não comermos não há perda. Mas os que não têm o conhecimento têm um problema quanto a isso. “Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos”. A fraqueza aqui não se refere à fraqueza moral ou à doutrinária. Pelo contrário, refere-se à fraqueza na consciência. Se ela significasse a fraqueza na condição moral ou doutrinária de alguém, o versículo perderia seu significado. Ela refere-se, sim, à fraqueza na consciência. “Porque, se alguém te vir a ti, que és dotado de saber, à mesa, em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos?” Os que têm consciência fraca pensam que uma vez que os outros podem comer eles também podem. Contudo, se este vem a comer, a sua consciência ficará contaminada. “E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual CRISTO morreu”. Portanto, perecer, aqui, não se refere à perdição eterna de um irmão salvo. Perecer, aqui, refere-se ao tropeço espiritual de um irmão devido à fraqueza. Se o que 1 Coríntios 8 diz é que o conhecimento de um irmão pode levar o outro a perecer eternamente, então posso dizer que para ser salva ou para perecer, uma pessoa depende do conhecimento de outra. Se esse fosse o caso, eu poderia mandar cada um de vocês para o inferno por meio de meu conhecimento. Se esse fosse o caso, o perecimento de um homem não seria determinado por ele mesmo, mas pelos outros. Sabemos que não pode haver coisa semelhante. A Bíblia diz que todo aquele que crê no Senhor JESUS terá vida eterna. Se um homem perecerá diante de DEUS ou não, depende de ele crer no Senhor JESUS. Como poderiam os outros levar-me para o inferno? Isso é absolutamente não-bíblico. Com relação ao uso da palavra perecer, podemos dizer que aqui ela não se refere à questão da vida e morte eternas. Pelo contrário, refere-se ao dano da consciência e a fazer uma pessoa tropeçar. Prossigamos. O versículo 12 diz: “E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra CRISTO que pecais”. Pecar contra os irmãos, aqui, refere-se a levar um irmão fraco a perecer por meio do conhecimento, no versículo 11. Pecar, no versículo 12, refere-se ao perece no versículo 11. O versículo 12 diz que quando você faz seu irmão perecer por causa do seu saber, você está golpeando a consciência fraca dele. Portanto, o perecer mencionado no versículo anterior refere-se ao golpear a consciência. Isso não se refere à vida eterna ou à morte e perdição eternas. O versículo 13 prossegue dizendo-nos o que é golpear a consciência: “E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo”. Se você puser esses três versículos juntos, verá o que significa perecer aqui. Perecer é golpear a consciência fraca do irmão, e golpear a consciência fraca do irmão é levar meu irmão a tropeçar. Portanto, os versículos 11, 12 e 13 são três elos unidos. Eles mostram-nos o que é perecer. O que é tratado aqui não é absolutamente o perecer em relação à salvação. Se você insistir em explicar dessa forma, dizendo que uma pessoa salva perecerá, achará difícil sustentar esse argumento. Você enfrentará dificuldades explicando-o dessa forma.
Palavra Chave:Idolatria - Culto prestado aos ídolos. OBJETIVOS Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a: Explicar o ensino bíblico a respeito dos ídolos. Descrever os costumes pagãos em Corinto. Abster-se dos ídolos e festividades pagãs. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA Professor, comente com seus alunos que a igreja em Roma também estava cercada pela cultura idólatra. Em Roma havia muitas celebrações aos deuses da fertilidade. No dia 23 de abril, na festa das Vinálias, os romanos adoravam a Júpiter e a Vênus Ericina, a "deusa das prostitutas". No dia 28 de abril, na Floralia, adoravam a deusa dos rufiões e prostitutas. Informe à classe que essas festividades lembram as mazelas do "carnaval moderno" (Rm 1.18-32). O crente, portanto, deve se afastar dessas festas malignas que induzem os homens à fornicação, ao adultério, às drogas e à feitiçaria. INTERAÇÃO Prezado professor, segundo a concepção das nações idólatras, vizinhas a Israel, um "deus" ou "espírito" habitava nas imagens de escultura. Todavia, as Escrituras afirmam categoricamente que esses falsos deuses são "demônios" (Dt 32.17), e que os sacrifícios oferecidos às imagens são oferendas aos demônios (Sl 106.37). Informe aos alunos que um dos termos usados no Antigo Testamento para ídolo é gillûl. Essa palavra quer dizer "tora sem forma", "bloco vazio". Os profetas assim chamavam os ídolos para mostrar a inutilidade, futilidade e incapacidade deles. Esse mesmo conceito é afirmado por Paulo em 1 Co 8.4: "o ídolo nada é" (Sl 115.4-7). DEUS o abençoe e boa aula! Êxodo 20.3-17 - MANDAMENTOS PRIMEIRO - Não terás outros deuses diante de mim. SEGUNDO - Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu o Senhor teu DEUS, sou DEUS zeloso que visito a maldade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem, e faço misericórdia até mil gerações aos que me amam e guardam os meus mandamentos. É lamentável que nos ensinos católicos o segundo mandamento é adulterado ou diminuído, ou até subtraído, para enganar seus fiéis a respeito da idolatria. Fui enganado por 31 anos, sendo católico praticante e assíduo freqüentador da, por mim suposta "Igreja Cristã". Graças ao nosso bondoso DEUS que me livrou de tão grande condenação, pois até em romarias fui ver "aparições de Maria". AS IMAGENS DO SEGUNDO MANDAMENTO DIZEM RESPEITO AOS ÍDOLOS DA ANTIGUIDADE? O Mandamento proíbe fazer ou usar imagens para adoração que sejam representativas de DEUS Pai, DEUS Filho, DEUS ESPÍRITO SANTO, dos anjos ou dos espíritos que estão na glória (os santos mortos). O Mandamento proíbe fazer escultura com "alguma semelhança do que está nos céus". Logo, o Mandamento não se restringe aos deuses egípcios ou a outros. JESUS e os santos bíblicos estão incluídos nessa proibição, quer suas imagens sejam esculpidas em pedra, bronze, madeira, ouro, prata ou em qualquer material. Assim diz a Palavra. COMO ENTENDER A PROIBIÇÃO DE NÃO "SE ENCURVAR NEM SERVIR" ÀS IMAGENS? NÃO SERVIR DE QUAL MANEIRA? O entendimento é que as imagens não devem ser objetos de nenhuma adoração, veneração ou reverência. A proibição de encurvar-se compreende: ajoelhar-se, inclinar o corpo ou a cabeça; tocar as imagens numa demonstração de devoção e respeito; beijá-las, coroá-las, levá-las em procissão em atitude de contemplação. A proibição de não servir as imagens compreende: não servi-las com lágrimas, com flores, com festas, cânticos, vigílias, rezas, sacrifícios, velas, ofertas em dinheiro ou em alimentos. Outras passagens bíblicas realçam a proibição do Segundo Mandamento: · "Eu sou o Senhor. Este é o meu nome. A minha glória a outrem não a darei, nem a minha honra às imagens de escultura" (Isaías 42.8). · "Não façam imagem alguma na forma de ídolo, semelhança de homem ou mulher (Deuteronômio 4.15-19). · "E terás por contaminados a prata e o ouro que recobre as imagens de escultura. Lançá-las-á fora como coisa imunda" (Isaías 30.22). · "Mudaram a glória de DEUS incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis" (Romanos 1.23). · "Nada sabem os que conduzem em procissão suas imagens de escultura" (Isaías 45.20). · "Os que se apegam aos ídolos vãos afastam de si a sua própria misericórdia" (Jonas 2.8). · "Mudaram a verdade de DEUS em mentira, e honraram e serviram a criatura em lugar do Criador, que é bendito eternamente" (Romanos 1.25). Ver Salmos 115.4-8. · "Ao Senhor teu DEUS adorarás, e só a Ele servirás" (Mateus 4.10). O QUE DIZER DA IMAGEM DO CRISTO REDENTOR NO RIO? O Segundo Mandamento condena essa imagem ou qualquer outra, seja de trinta centímetros, seja de cinqüenta metros de altura. Nem como atração turística deveria permanecer. O "CRISTO Redentor" tem sido objeto de adoração, e seus braços petrificados, sua boca fechada e olhos cegos se enquadram na descrição no livro de Salmos 115.4-8. Se a nação brasileira fosse verdadeiramente cristã estaria na submissão à vontade de DEUS e não teria construído esse ídolo de pedra. Deveria ser demolido, segundo a Bíblia Sagrada. A imagem do "CRISTO Redentor", como tantas outras, é uma mentira. Ninguém possui retrato de JESUS ou dos santos bíblicos (José, Paulo, Pedro, João, Maria) de modo a esculpir ou pintar suas imagens. Logo, essas esculturas são caricaturas, mentiras. E a mentira não é de DEUS; é do diabo. Disse JESUS: "Vós pertenceis ao vosso pai, o diabo, e quereis executar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, pois não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, pois é mentiroso e pai da mentira" (João 8.44). A IDOLATRIA GREGA E ROMANA Êx 20.4 Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. 5 Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu DEUS, sou DEUS zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. 6 e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.
Deuses Gregos e Romanos NOME GREGO NOME ROMANO PAPEL NA MITOLOGIA Afrodite Vênus Deusa da beleza e do desejo sexual (mitologia romana: deusa dos campos e jardins) Apolo Febo DEUS da profecia, da medicina e da arte do arco-e-flecha (mitologia greco-romana posterior: deus do Sol) Ares Marte DEUS da guerra Ártemis Diana Deusa da caça (mitologia greco-romana posterior: deusa da Lua) Asclépio Esculápio DEUS da medicina Atena Minerva Deusa das artes e ofícios e da guerra; auxiliadora dos heróis (mitologia greco-romana posterior: deusa da razão e da sabedoria) Crono Saturno DEUS do céu; soberano dos titãs (mitologia romana: deus da agricultura) Deméter Ceres Deusa dos cereais Dioniso Baco DEUS do vinho e da vegetação Eros Cupido DEUS do amor Géia Terra Mãe Terra Hefesto Vulcano DEUS do fogo; ferreiro dos deuses Hera Juno Deusa do matrimônio e da fertilidade; protetora das mulheres casadas; rainha dos deuses Hermes Mercúrio Mensageiro dos deuses; protetor dos viajantes, ladrões e mercadores Héstia Vesta Guardiã do lar Hipnos Sonho DEUS do sonho Hades Plutão DEUS dos mundos subterrâneos; senhor dos mortos Posêidon Netuno DEUS dos mares e dos terremotos Réia Cibele Esposa de Crono/Saturno; deusa-mãe Urano Urano DEUS dos céus; pai dos titãs Zeus Júpiter Soberano dos deuses olímpicos Bezerro de Ouro Construíram então um bezerro de ouro e quebraram o acordo na aliança (Dt 5,8; Êx 20,23). Tinham no seu meio um deus visível, isto é, a imagem do bezerro e lhe atribuíram poderes sagrados (Êx 32,4). Eles queriam ter alguém que fosse a sua frente, que os conduzissem pelo itinerário, que os "leve à terra que mana leite e mel (. . .) O bezerro é, portanto, uma imagem de Iahweh, ou pelo menos assim o entende Aarão (. . .). O bezerro não é imagem do Baal (. . .) O povo não pretendeu nomear outros deuses além de Iahweh, e Aarão não pretendeu com a imagem criar outros deuses" . O texto relata, portanto, não a negação de DEUS, mas a manipulação de Javé. Neste sentido esclarece Jung Mo Sung: "Na verdade Iahweh manipulado já não é mais Iahweh, mas é um ídolo que tem o mesmo nome de DEUS. (. . .) A raiz deste pecado contra a esperança é a idolatria (. . .) um pecado contra a transcendência de Javé. É a falta de esperança num DEUS que transcende, não ao visível e material, mas à impossibilidade humana de vencer a opressão do sistema e a própria morte. A conseqüência dessa idolatria é a rejeição da libertação e da liberdade, e a busca de 'segurança' no interior do sistema opressivo" . Disso decorre que a idolatria está sempre ligada à opressão. Não se trata de um deus falso, mas de um falso culto ou manipulação de símbolos religiosos que servem para manter a opressão, porém aparecem disfarçadamente. Neste sentido, Hugo Assmann afirma: "Os ídolos que matam reelaboram as suas promessas enganosas de vida" . A presença do bezerro ameaçava negar toda a caminhada do povo junto com Javé. Era apenas uma imagem, uma festa (Êx 32,6), mas era um exemplo concreto do povo se alienando do processo histórico, pois a idolatria é a perda de identidade e da vida do povo, chamado por DEUS a viver a aliança.. Em outras palavras, era o povo delegando ao ídolo, ao fetiche, o processo de libertação, ou seja, as coisas virando sujeito e os sujeitos se coisificando. Em síntese, pode-se dizer como Jung Mo Sung: "a idolatria consiste num deus fabricado pelo sistema opressor que, ao sacralizar o fundamento do sistema e, com isso, o próprio sistema, tira das pessoas a esperança da possibilidade de transcender o sistema opressor vigente, tirando do povo a sua subjetividade, a sua capacidade de desejar e de construir uma sociedade mais humana. Desta forma, assassina-se em nome de deus e apresenta-se a morte e o sacrifício como únicos caminhos da salvação, caminhos queridos por deus" O paganismo atual. a. Os católicos romanos nos dizem que eles não oram à imagem, ao ídolo, mas ao espírito ou à pessoa que é representada por ele. Mas essa é a resposta dos adoradores de ídolos em todo o mundo quando se lhes perguntam por que eles oram aos seus ídolos. Essa foi a resposta dada pelos israelitas quando eles adoraram o bezerro de ouro no deserto; depois que fizeram o ídolo eles disseram: "São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito" (Êx 32.4). Eles não pretendiam que o seu culto terminasse na imagem. Eles estavam adorando os seus deuses através do uso da imagem, ou do ídolo, uma semelhança que eles acharam apropriadamente representativa dos seus deuses. Mas em outras ocasiões os israelitas adoraram os ídolos mesmo. b. A condenação da idolatria de Israel feita por Oséias - "é obra de artífice, não é DEUS" (8:6) - implica em dizer que o bezerro de Samaria era adorado pelo Reino do Norte como se fosse DEUS. Veja também o Sl 115.4-8. Sem dúvida os mais cultos percebem a diferença que existe entre o ídolo e os deus ou espírito que ele representa. Mas na prática dos países católicos romanos e entre os ignorantes a tendência é que esta distinção desapareça e esse culto se transforma em indiscutível idolatria. Os profetas do Velho Testamento e a Bíblia como um todo não diferenciam os falsos deuses e suas imagens; e os cultos pagãos tendem a identificá-los completamente. Os israelitas foram severamente condenados pelo uso dos ídolos em seu culto a DEUS. Não poderia de maneira diferente com os católicos romanos. c. Em inúmeras ocasiões os israelitas tentaram adorar a DEUS através do uso de imagens, mas tais práticas sempre foram severamente condenadas. Mesmo que fosse verdade que os católicos romanos oram apenas à pessoa ou ao espírito representado pela imagem, ainda assim seria pecado e isto por dois motivos: 1) DEUS proibiu o uso de imagens no culto; 2) há um único mediador entre DEUS e os homens, a saber CRISTO, não Maria ou os santos.
Quando o líder cede às pressões do povo. Buscando ganhar tempo e contentar a Israel, Arão deixa de ser homem de DEUS e faz-se homem do povo. Que triste papel para um sacerdote! De intercessor que era reduz-se a um pobre santeiro! Dos pendentes e arrecadas de ouro que possuíam os hebreus, forma ele um bezerro de fundição. Da idolatria, a congregação israelita passa rapidamente à apostasia: “Estes são teus deuses, ó Israel, que te tiraram da terra do Egito” (Ex 32.4). O culto divino, em muitas igrejas, vem sendo substituído por espetáculos e shows. Em vez da simplicidade do cenáculo, a grandiosidade dos banquetes de Assuero. A pirotecnia ofusca a glória daquEle que se acha entronizado entre os querubins. E o Cordeiro de DEUS tem como sucedâneo o bezerro de ouro.Púlpitos são transformados em palcos; obreiros fazem-se animadores de auditório; os santos tornam-se meros espectadores e consumistas. Se algum pecador anseia por DEUS, oferecem-lhe um evangelho falso, destituído das boas novas do Calvário e sem poder para salvar. Ao invés da mensagem do arrependimento, o que nos querem empurrar é um marketing comprometido com os costumes do Egito e com a cultura de Canaã. DEUS, no entanto, não mudou; de cada um de seus filhos está a exigir: “Ser-me-eis santos, porque eu, o Senhor, sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus” (Lv 20.26). Quando João apresentou o Senhor JESUS ao mundo, não buscou nenhum sucedâneo; foi direto e incisivo: “Eis o Cordeiro de DEUS, que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29). Hoje, porém, apresenta-se ao pecador o ouro do bezerro e se esquece do sangue do Cordeiro. É por isso que as conversões são superficiais e sem profundidade. E se é superficial e não tem profundidade não pode ser conversão. E sem conversão ninguém poderá ver o Reino de DEUS. É hora de restaurarmos o culto divino a fim de que o Cordeiro de DEUS receba toda a glória, toda honra e todo o louvor. Os bezerros de hoje. Os bezerros de hoje. Devemos tomar muito cuidado com as inovações. O segredo para o crescimento da igreja são oração, jejum, humildade, evangelização e discipulado. Ultimamente muitas invenções têm surgido nas igrejas na tentativa de atrair o povo, mas fora do nosso padrão. Às vezes, são pessoas cheias de boas intenções, mas que estão desonrando a DEUS. Quando são apenas os ventos de doutrinas, esses movimentos vêm e vão, causando estragos espirituais (Ef 4.12-14). Mas às vezes não existe retorno. Não precisamos de recursos extra-bíblicos para o crescimento da igreja e nem de fogo estranho para atrair o povo. É só manter o modelo bíblico (Is 8.20). a. David Wilkerson. Times Square Church Pulpit Series (Português). O país está rapidamente se tornando uma sociedade encharcada de álcool e com muita gente intoxicada. O álcool agora é o bezerro de ouro moderno, e milhões de pessoas jovens ou velhas, homens ou mulheres, foram seduzidas por ele. Recente pesquisa revela que 81% dos católicos e 64% dos protestantes bebem. Estes números chocantes crescem cada mês. b. Acredite: a bolsa de valores se transformou no bezerro de ouro da América! As pessoas a vêem como um salvador financeiro, e a adoram todos os dias - confiam nela, dependem dela, dão à ela toda a sua energia e a sua atenção. Mas ela vai cair de repente - e nenhum dos pequenos investidores individuais será poupado. Estes são os que sofrerão mais; perderão as suas casas, os seus carros - tudo! c. Ora, a presença isolada e desarticulada dos computadores na escola não é, jamais, sinal de qualidade de ensino; mal comparando, a existência de alguns aparelhos ultramodernos de tomografia e ressonância magnética em determinado hospital ou rede de saúde não expressa, por si só, a qualidade geral do serviço prestado à população. É necessário estarmos muito alerta para o risco da transformação dos computadores no bezerro de ouro a ser adorado em Educação. É preciso cautela com a informatolatria. Tecnologia em si mesma não é requisito exclusivo para avaliar e fomentar a qualidade da produção e da vida humanas. Afinal, não foi a utilização de avançados editores de texto que possibilitou, por exemplo, a elaboração de grandes obras na literatura; a maioria delas, até hoje, foi registrada com estiletes, penas de pato, grafites, canetas ou máquinas de escrever e poderá, também, originar-se de computadores. d. Palmas ritmadas, intrumentos e ritmos dançáveis, balanços do corpo, etc., resultam em mortíferos frutos: 1.Caracterizam larga e intensamente as mais baixas religiões: os profetas de Baal caracterizavam-se por percussão e danças nos seus cultos (1 Rs 18:26); os adoradores do bezerro de ouro também (Ex 32:19); todas as religiões animistas africanas (inclusive dos canibais) batem ritmadas palmas e instrumentos de percussão e dançam nos seus cultos; os cultos das religiões afro-brasileiras (xangô, umbanda, quimbanda, candomblé, catimbó, etc.), das religiões afro-americanas (vodu haitiano) e dos índios (inclusive canibais) também se caracterizam fortemente por instrumentos de percussão, por palmas e por danças; e assim por diante, até os modernos satanistas com seus sacrifícios humanos. 2.As incendiárias palmas ritmadas, os contagiantes ritmos dançantes, os instrumentos apropriados criando "embalos alucinantes", a música sensual, as palavras estimulantes, o hipnótico repetir de refrões, a atmosfera, os gritos, o rítmico e erótico balançar dos corpos, todos se juntam para controlar, para induzir, para hipnotizar, para "enfeitiçar" levando a pecar, e têm parte importante naquilo que de pior acontece nos festivais de rock mais pesados, no carnaval, nos forrós, nas casas de prostituição, e na esmagadora maioria dos casos de sedução de menores, de fornicação e de adultério. Na Bíblia, basta que recordemos Salomé (Mt 14:6) e o "bacanal" do bezerro de ouro (Ex 32:19). O deus Baal: BAAL, hb. Senhor: O supremo deus dos cananeus, correspondendo a Bei, Senhor, dos babilônios. O título por extenso, do Baal cananeu, era Baal-Semaim, isto c. Senhor do céu. Baalins (Jz 2.11) é a forma plural; cada lugar tinha seu próprio Baal, Senhor divino. Assim havia Baal-Hazor, Baal-Hermom, Baal-Peor, etc.Baal era o deus do sol, responsável pela germinação e crescimento da lavoura, o aumento dos rebanhos e a fecundidade das famílias. Em tempos de seca e de peste, sacrificavamlhe vítimas humanas para apaziguar a sua ira, 2 Rs 16.3; 21.6; Jr 19.5. Nesses holocaustos, a família geralmente oferecia o primogénito, a vítima sendo queimada viva. Baal era a divindade masculina e Astarote a feminina entre os fenícios e os cananeus. A adoração a Baal, no tempo de Moisés, passara para os amonitas e os moabitas, Nm 22.41. Os cultos não exigiam a santidade e o povo de DEUS se deixou seduzir, especialmente, pela licenciosidade dos seus ritos, entre os moabitas. Nm 25.3-18; Dt 4.3. No tempo de Acabe e Jezabel, o culto a Baal permeou a maior parte da nação, l Rs 18.22; Rm 11.4. Os altares de Baal foram derribados, Jz 6.28; 2 Rs 10.28; 23.4. Mencionam-se templos de Baal antigo (De um Pompéla.) BAAL em Israel, l Rs 16.32; 2 Rs 11.18. Os 450 profetas de Baal mortos por Elias, l Rs 18.19, 40. Jeú exterminou de Israel, o culto a Baal matando os seus adoradores reunidos no seu templo, 2 Rs 10.18-28. Jônatas, seguindo o costume dos hebreus, deu o nome Meribe-BaaI, (DEUS de Israel) a um filho, e Davi chamou um filho Beeliada (conhecido por Baal, isto é, por DEUS), l Cr 8.34; 14.7. Mas depois de Acabe e Jezabel introduzirem o culto ao deus Baal, esse costume tornou-se desonroso entre os israelitas. Os 2.16. Levantaram altares a Baal nos terraços das casas, nas ruas de Jerusalém e em todas as cidades de Judá, Jr 7.9; 11.13; 32.29. A resposta divina a Elias, quando parecia que todo Israel servia a Baal, foi: Reservei para mim 7 000 homens, que não dobraram joelhos diante de Baal, Rm 11.4. BAAL-GADE, Fortuna (A), hb. CONCLUSÃO Busquemos a adoração que DEUS quer de nós, ou seja, DEUS é ESPÍRITO e procura aqueles que o adoram em ESPÍRITO e em verdade. è preciso ter a vida no altar, ou seja, com jejuns, orações, estudos da Bíblia e um coração sincero. (Jo 4), Lembre-se de que não mais temos que ir a um determinado lugar para adorar a DEUS pois Ele está em nós e em todo o lugar ao mesmo tempo; a legítima adoração nasce dentro de nós, em nosso espírito que nasceu de novo. Não é por que se diz que só tem um deus que é um legítimo filho de DEUS. (ex.- Mulçulmanos) . O culto estabelecido por Jeroboão I é conhecido como monolatria. Ensinava adorar a Jeová, usando a imagem de fundição do bezerro. Cabe-nos esclarecer que os verdadeiros adoradores são aqueles que trabalham na obra do Senhor, dando suas vidas pela causa do mestre; embora muitos pensam que são os exclusivamente cantores. A adoração a DEUS é um estado constante em nosso espírito “recriado” (ligado a DEUS pelo novo nascimento, através do ESPÍRITO SANTO), não sendo determinada por momentos de louvor, mas uma vida de comunhão com o ESPÍRITO SANTO; neste capítulo 4, a palavra adoração aparece 10 vezes indicando-nos, a necessidade de atentarmos mais para esse fato tão importante. A verdadeira adoração exige serviço na obra de DEUS e dedicação em obedecer à vontade de DEUS e ganhar almas (esta é a prioridade da Igreja, a evangelização). Devemos lembrar-nos de que DEUS é ESPÍRITO e aqueles que desejam adorá-lo devem fazê-lo em espírito e em verdade, ou seja, dispensando os estímulos externos; com um coração sincero e temente a DEUS (A adoração é a expressão máxima da oração). Jamais devemos confundir a adoração com o louvor, pois: Louva-se a DEUS pelo que ELE fez ou faz, mas adora-se a ELE pelo que ELE é; O louvor é um agradecimento a DEUS, a adoração é um engrandecimento de DEUS; No louvor precisa-se da participação de outras pessoas e às vezes de instrumentos musicais, a adoração é individual e nasce dentro de nós, em nosso espírito; O louvor chega aos átrios, a adoração chega ao santo dos santos (presença de DEUS); No louvor são usados o corpo e a alma; na adoração são usados o corpo (mortificado), a alma (lavada no sangue de JESUS) e o espírito (“recriado”); Para louvar a DEUS não é preciso comunhão com o ESPÍRITO SANTO, pois até os animais o louvam (Sl 148, 149, 150); para se adorar a DEUS é preciso uma estreita comunhão com o ESPÍRITO SANTO, pois é ELE que nos transporta ao trono. O louvor é um aceno e cumprimento, a adoração é um abraço e um beijo cheio de amor. Tomemos como exemplo um marido que dá um fogão de presente à sua esposa e manda entregar em sua casa. A esposa louva ao marido pelo seu ato de amor, mas quando o mesmo chega em casa ela o abraça e beija agradecida e cheia de amor (isso é adoração). Para louvar não é preciso nascer de novo, para adorar só com espírito “recriado” (ligado a DEUS pelo novo nascimento, através do ESPÍRITO SANTO). Observação: Por isso se vê tão poucos adoradores e tantos que louvam. Aos homens se aplaude (manifestação externa), a DEUS se adora (manifestação interna). Note que JESUS está dizendo para a mulher em Jo 4 que os judeus adoravam a DEUS com a palavra de DEUS (em verdade, pois possuíam todos os escritos do Pentateuco até os profetas) mas suas bocas diziam uma coisa e o coração outra. Não adoravam em Espírito, só com a verdade. Os samaritanos adoravam em Espírito, pois não tinham nem o templo legítimo e nem a palavra (só adotavam o Pentateuco), faltava-lhes portanto a verdade. JESUS está dizendo que chegou o tempo de adorar em Espírito e em Verdade, pois ele envia o ESPÍRITO SANTO àqueles que lhe aceitarem como senhor e salvador e estes aprenderão o real sentido da adoração. Veja que é DEUS que procura aos verdadeiros adoradores que o adoram em Espírito e em verdade. Não é nem no Monte Gerizim em Samaria (templo já destruído) e nem no Monte Moriá em Jerusalém (onde estava erigido um suntuoso templo construído por Herodes) - mas a verdadeira adoração a DEUS é feita onde você estiver, bastando para isso erguer o pensamento a DEUS e adorá-lo, entregando-se totalmente ao ESPÍRITO SANTO. RESUMO DA LIÇÃO 08 - COISAS SACRIFICADAS AOS ÍDOLOS - CPAD Em Corinto havia muitos templos dedicados aos deuses greco-romanos. I. A CARNE SACRIFICADA: ASSUNTO ANTIGO, MAS CONTEMPORÂNEO 1. No Antigo Testamento (Dt 32.16,17). Relacionado o ídolo aos demônios, e o culto idólatra ao culto diabólico. 2. No Novo Testamento. Abster-se "das coisas sacrificadas aos ídolos". II. O CRISTÃO DIANTE DAS FESTIVIDADES RELIGIOSAS PAGÃS 1. As festas religiosas pagãs no Antigo Testamento. O povo desobedeceu a DEUS e curvou-se diante dos falsos deuses cananeus. 2. As festas religiosas pagãs no Brasil. Um disfarce material, que oculta a tenebrosa realidade espiritual das coisas. 3. A idolatria do coração. "Não terás outros deuses diante de mim". Alguns dos deuses modernos mais conhecidos: a) Dinheiro. b) Sucesso. c) Poder. d) Trabalho. e) Prazer. "Portanto, meus amados, fugi da idolatria" (1 Co 10.14). CONCLUSÃO: A Bíblia proíbe o crente de participar da mesa do Senhor e do cálice dos demônios (1 Co 10.20,21). SINOPSE DO TÓPICO (1) No Antigo e Novo Testamento a idolatria é condenada pelo Senhor. Na Bíblia, o ídolo é considerado inútil, e identificado com os demônios. REFLEXÃO "O sincretismo religioso presente nas festas pagãs é uma ferramenta maligna para iludir o cristão incauto ou desprovido de visão celestial." SINOPSE DO TÓPICO (2) Assim como os fiéis em Israel abstinham-se de participar das festas pagãs tanto no Antigo como no Novo Testamento, o crente deve rejeitar às festividades idólatras celebradas no Brasil. AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Histórico-Cultural Idolatria e Prostituição cultual em Canaã: No ambiente canaanita, as práticas sincréticas nos cultos da fertilidade eram dominados pelo casal hierogâmico Baal e sua esposa Astarte ou Astarote. Baal era representado por um touro e era considerado o deus da chuva. Na concepção cananéia, a chuva era representação do sêmem de Baal, que frutificava a terra e a fazia germinar. Os símbolos religiosos que estavam relacionados a Baal ilustravam a virilidade e o poder procriador masculino. Astarte, por outro lado, era figura da terra que se prepara para receber a chuva. Ao receber a vida que procede da divindade masculina (chuva), forma-se no ventre da terra a vida que se manifesta nos frutos colhidos de tempos em tempos. As imagens femininas desse período são antropomórficas e apresentam as deusas com todos os membros vitais da procriação. Os órgãos genitais masculinos e femininos são adorados e apreciados como uma dádiva de Baal e Astarte para a perpetuação da vida. Por essa razão, os templos ou locais para adoração aos deuses da fertilidade masculinos na Palestina daqueles dias, eram construídos em locais altos ou montes, simplesmente porque, de acordo com a concepção cananéia, estes são símbolos fálicos." (BENTHO, Esdras C. A Família no Antigo Testamento: história e sociologia. 3.ed.Rio de Janeiro: CPAD, 2008, pp. 207-8.) BIBLIOGRAFIA SUGERIDA BENTHO, Esdras C. A Família no Antigo Testamento: história e sociologia. RJ: CPAD, 2006. RICHARDS, L. O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2007. SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão CPAD, nº 38, p.40. APLICAÇÃO PESSOAL O mundo descrito pelo Antigo Testamento estava corrompido pelas festividades religiosas e costumes pagãos. Egito, Babilônia, Assíria, entre outros impérios, eram conhecidos por suas festividades em honra aos seus impudicos deuses e governantes. Antes de Israel ser introduzido na terra de Canaã, o Senhor advertiu o povo a respeito das festividades e orgias religiosas celebradas por seus habitantes (Êx 20.3-5; 22.20; 23.24,32; Dt 22.5; 30.17,18; Jz 2.2). Os povos que habitavam Canaã celebravam os deuses da fertilidade, Baal e Astarte. Os rituais pagãos desses povos eram repletos de orgias, homossexualidade, e sacrifícios de animais e de crianças. Infelizmente, Israel fora seduzido por essas festividades pagãs (Jz 2.7-13, 17), assim como ainda hoje muitos são atraídos por esses hediondos pecados (Rm 1.18-32). QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 08 - COISAS SACRIFICADAS AOS ÍDOLOS RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2009 TEXTO ÁUREO 1- Complete: "As coisas que os gentios ____________________________, as sacrificam aos _______________________ e não a Deus. E não quero que sejais ________________________ com os demônios" (1 Co 10.20). VERDADE PRÁTICA 1- Complete: O crente deve fugir da _____________________, dos objetos, festividades e reuniões que envolvem _______________________ e adoração aos ___________________. INTRODUÇÃO 3- Como era a cidade de Corinto? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Uma das cidades da Ásia mais destacadas no comércio em geral. ( ) Corinto era uma importante cidade da Grécia ( ) Corinto era a capital da província romana Acaia. ( ) Corinto possuía posição geográfica privilegiada favorecia o comércio, a cultura, os esportes e as religiões pagãs. ( ) Em Corinto havia muitos templos dedicados aos deuses greco-romanos. 4- Qual templo se destacava em Corinto e a quem era consagrado? Coloque "X" na resposta correta: ( ) O de Zeus, localizado abaixo do Acrocorinto, tendo mais de mil sacerdotisas que se dedicavam à prostituição religiosa. ( ) O de Afrodite, localizado no topo do Acrocorinto, tendo mais de mil sacerdotisas que se dedicavam à prostituição religiosa. ( ) O de Diana, localizado no topo do Acrocorinto, tendo mais de mil sacerdotisas que se dedicavam à prostituição religiosa. 5- Como eram as festas dedicadas a esses demônios (deuses)? Coloque "X" na resposta correta: ( ) Eram repletas de pessoas importantes da sociedade, cada qual buscando a Deus sem saber porque não O encontravam. ( ) Eram repletas de música, orgia, bebida e excessos de todos os tipos, porém ali não se podia comer. ( ) Eram repletas de música, orgia, comida, bebida e excessos de todos os tipos. 6- O que acontecia com as oferendas de animais que eram oferecidas nas festas dedicadas a esses demônios (deuses)? Coloque "X" na resposta correta: ( ) Uma parte era queimada no altar do ídolo, a outra era doada ao sacerdote, e a última era entregue ao ofertante, que quase sempre a vendia no mercado. ( ) Uma parte era queimada no altar do ídolo, a outra era doada ao sacerdote, e a última era entregue ao ofertante, que distribuía a seus amigos. ( ) Uma parte era colocada no altar do ídolo, a outra era doada ao sacerdote, e a última era vendida ao ofertante, que a levava para casa. I. A CARNE SACRIFICADA: ASSUNTO ANTIGO, MAS CONTEMPORÂNEO 7- Complete: Diversas passagens bíblicas relacionam o ídolo aos __________________________, e o culto idólatra ao culto diabólico (Lv 17.7; 2 Cr 11.15). Há crentes que têm receio e pavor de ídolos, imagens fabricadas e figuras. Ora, "o ídolo nada _____________", afirma a Bíblia (1 Co 8.4; 10.19; Sl 115.4-7; Is 44.9-17). O culto idólatra dos israelitas desviados não era oferecido aos ídolos, mas "aos ________________________", como afirma Deuteronômio 32.17. O cristão também não deve participar de __________________ e atos que cultuam os "santos", "os guias" e ídolos demoníacos. Assim como Daniel, deve o crente rejeitar irrevogavelmente o "________________________ oferecido aos ídolos" (Dn 1.8,9). 8- Qual a doutrina dada para a igreja composta de judeus e gentios (Ef 2.14), em Atos 15.29? Coloque "X" na resposta correta: ( ) A igreja é doutrinada a abster-se "das coisas santificadas". ( ) A igreja é doutrinada a abster-se "das coisas doadas à Igreja". ( ) A igreja é doutrinada a abster-se "das coisas sacrificadas aos ídolos". 9- De que maneira é ampliado o conceito na era da graça, a respeito do "não comer coisas sacrificadas aos ídolos"? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Para que o crente não morra envenenado. ( ) Para cumprir o mandamento. ( ) Por motivo de consciência. ( ) Para que o crente não fique amaldiçoado pelo deus da imagem. ( ) Para não melindrar o crente imaturo. 10- Complete: Assim como participar da "______________________ do Senhor" é um testemunho da nossa filiação, identificação e comunhão com Ele (1 Co 10.18), tomar parte de atividades, reuniões e procissões vinculadas a ____________________, ocultismo e espiritismo é identificar-se com o próprio ___________________ (1 Co 10.20,21). 11- O que existe por detrás de uma imagem de pedra, de pau, gesso, cimento ou ouro (Sl 115.4-7), quando adorada? Coloque "X" na resposta correta: ( ) Por detrás dela estão os deuses. ( ) Por detrás dela estão os demônios. ( ) Por detrás dela estão os homens. II. O CRISTÃO DIANTE DAS FESTIVIDADES RELIGIOSAS PAGÃS 12- Antes de Israel ser introduzido na idólatra terra de Canaã, o Senhor advertiu-o a respeito de que? Coloque "X" na resposta correta: ( ) Dos bons costumes, religisiosidades, práticas e celebrações santas de seus habitantes. ( ) Dos cuidados de seus habitantes quanto às ofertas a DEUS. ( ) Dos maus costumes, feitiçarias, práticas e celebrações idólatras de seus habitantes. 13- Tendo o povo desobedecido a Deus e se curvado diante dos falsos deuses cananeus (Jz 2.7-13,17; Êx 32.8), como DEUS lhes respondeu? Coloque "X" na resposta correta: ( ) "A graça de Deus foi maior que sua ira para com Israel" ( ) "A ira de Deus se acendeu contra Israel" ( ) "A mão de Deus se moveu a favor de Israel" 14- Complete: Ora, se Deus não "poupou os _________________________ naturais", afirma Paulo, "teme que te não _______________________ a ti também. Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus" (Rm 11.21,22). Portanto, meu amado irmão em Cristo, não participe das __________________________ em honra aos ídolos e que servem aos demônios. 15- O que os antropólogos e sociólogos seculares vêem nas festividades multiculturais e pluralistas do Brasil? Coloque "X" na resposta correta: ( ) Dizem ser tradições religiosas que são vistas como elemento de integração social e manifestação cultural. ( ) Dizem ser idolatrias que são vistas como elemento de religiosidade do povo em geral. ( ) Dizem ser contravenções religiosas que devem ser vistas como idolatria e demonismo. 16- O que são, na verdade, as festividades multiculturais e pluralistas do Brasil? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Benesses da realidade espiritual de um país que tem sua maioria cristã. ( ) O sincretismo religioso presente em muitas dessas festas e comemorações é uma ferramenta maligna para iludir o cristão incauto ou desprovido de visão celestial. ( ) Apenas um disfarce material, que oculta a tenebrosa realidade espiritual das coisas. 17- O que é um deus, ou ídolo dominante na vida de alguém? Coloque "X" na resposta correta: ( ) É tudo aquilo que quer ocupar sempre o primeiro lugar no coração do homem e aí se entroniza na sua vida, tempo, pensamento e vontade. ( ) É tudo aquilo que ocupa sempre o primeiro lugar no coração do homem e aí se entroniza na sua vida, tempo, pensamento e vontade. ( ) É tudo aquilo que ocupou no passado não-cristão o primeiro lugar no coração do homem e aí se entroniza na sua vida, tempo, pensamento e vontade. 18- Quais são os deuses modernos, conhecidos como "ídolos no coração"? Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda: a) Dinheiro. Popularidade, reputação, cultura, graus acadêmicos, entre outros. Se não for devidamente controlado, ele controla seu portador e torna-o um deus em sua vida. b) Sucesso. Também pode ser idolatrado. É a busca exagerada, incessante e crescente das diversões, da glutonaria, lazer, passatempos, etc. O natural, controlado, justo e íntegro não é pecado. É evidente que há muitos outros ídolos no coração dos homens nesta era de avanços e realizações contínuos. c) Poder. O exercício desse ídolo do coração vem através de uma posição. Esta forma leva à vaidade, pavonice, orgulho, vanglória e presunção. A essa altura, ele torna-se um ídolo no coração. d) Trabalho. Principalmente seu acúmulo vem por avareza. Muitos têm abandonado a Deus, ou estão frios na fé devido a esse deus. e) Prazer. Exagerado, sem descanso, que rouba o tempo que pertence unicamente a Deus, para buscar sua presença através da oração, adoração e leitura da Palavra de Deus. CONCLUSÃO 19- Complete: A Bíblia ____________________ o crente de participar da mesa do Senhor e do cálice dos demônios (1 Co 10.20,21). Não existe verdade no erro, e nem erro na verdade, porque ambos se _____________________ mutuamente. Não há nada de _____________________________ no profano e no profano não há nada de sagrado. RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO NOS VÍDEOS: http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm Ajuda: CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal. http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm (VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE) BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD. Nosso novo endereço:http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/ Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com , http://www.ebdweb.com.br/, em http://www.idbpa.net/joomla/index.php?option=com_content&task=category§ionid=10&id=44&Itemid=133&limit=50&limitstart=0, http://www.sovitoria.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube. http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/deusesgregoseromanos1.htm http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/adoracao.htm