quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Lição 13: O sacrifício que agrada a Deus, 5ptes, 3Tr13, Ev Henrique, EBD NA TV

LIÇÃO 13 - O SACRIFÍCIO QUE AGRADA A DEUS LIÇÕES BÍBLICAS - 3º Trimestre de 2013 - CPAD - Para jovens e adultos Tema: Filipenses - A Humildade de CRISTO como exemplos para a Igreja. Comentário: Pr. Elienai Cabral Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva QUESTIONÁRIO NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm TEXTO ÁUREO "Eu te oferecerei voluntariamente sacrifícios; louvarei o teu nome, ó Senhor, porque é bom" (Sl 54.6). VERDADE PRÁTICA Ajudando os nossos irmãos, contribuímos para a obra de DEUS, e, ao Senhor, oferecemos a mais pura ação de graças. LEITURA DIÁRIA Segunda - Gn 4.1-7Os primeiros sacrifícios Terça - Sl 50.7-23Os sacrifícios que DEUS quer Quarta - Sl 51.17Sacrifícios para DEUS Quinta - Hb 13.15Sacrifício de louvor Sexta - Is 58.1-12O sacrifício do jejum Sábado - Fp 4.14-18O auxílio como oferta a DEUS LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Filipenses 4.14-23 14Todavia, fizestes bem em tomar parte na minha aflição. 15 E bem sabeis também vós, ó filipenses, que, no princípio do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente. 16 Porque também, uma e outra vez, me mandastes o necessário a Tessalônica. 17 Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que aumente a vossa conta. 18 Mas bastante tenho recebido e tenho abundância; cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível a DEUS. 19 O meu DEUS, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por CRISTO JESUS. 20 Ora, a nosso DEUS e Pai seja dada glória para todo o sempre. Amém! 21 Saudai a todos os santos em CRISTO JESUS. Os irmãos que estão comigo vos saúdam. 22 Todos os santos vos saúdam, mas principalmente os que são da casa de César. 23 A graça de nosso Senhor JESUS CRISTO seja com vós todos. Amém! BEP- CPAD 4.16 MANDASTES O NECESSÁRIO. A igreja filipense era uma igreja missionária, que supria as necessidades de Paulo durante suas viagens (1.4,5; 4.15-17). Sustentar os missionários no seu trabalho em prol do evangelho, é obra dignificante e aceita por DEUS, "como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível" a Ele (v. 18). Por isso, aquilo que damos para o sustento do missionário fiel, é considerado oferta apresentada a DEUS. Tudo que é feito a um dos irmãos, por pequeno que seja, é feito como ao próprio Senhor (Mt 25.40). 4.19 SUPRIRÁ TODAS AS VOSSAS NECESSIDADES. Paulo enfatiza o cuidado amoroso de DEUS Pai pelos seus filhos. Ele suprirá todas as nossas necessidades (materiais e espirituais), à medida que as apresentarmos diante dEle. O suprimento das nossas necessidades vem "por CRISTO JESUS". Somente em união com CRISTO e na comunhão com Ele é que podemos experimentar o provimento da parte de DEUS. Entre as muitas promessas das Escrituras que confere esperança e encorajamento ao povo de DEUS, no tocante ao seu cuidado, provisão e socorro, temos: Gn 28.15; 50.20; Êx 33.14; Dt 2.7; 32.7-14; 33.27; Js 1.9; 1 Sm 7.12; 1 Rs 17.6,16; 2 Cr 20.17; Sl 18.35; 23; 121; Is 25.4; 32.2; 40.11; 41.10; 43.1,2; 46.3,4; Jl 2.21-27; Ml 3.10; Mt 6.25-34; 14.20; 23.37; Lc 6.38; 12.7; 22.35; Jo 10.27,28; 17.11; Rm 8.28,31-39; 2 Tm 1.12; 4.18; 1 Pe 5.7. Modelos de um Servo espiritual - (Filipenses 4:14-23) - MacArthur, J. (2001). Philippians (309). Chicago: Moody Press. UMA PESSOA SATISFEITA ESTÁ PREOCUPADO COM O BEM-ESTAR DOS OUTROS Filipenses (4:14–19). Apesar disso, vocês fizeram bem em participar de minhas tribulações. Como vocês sabem, filipenses, nos seus primeiros dias no evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja partilhou comigo no que se refere a dar e receber, exceto vocês; pois, estando eu em Tessalônica, vocês me mandaram ajuda, não apenas uma vez, mas duas, quando tive necessidade. Não que eu esteja procurando ofertas, mas o que pode ser creditado na conta de vocês. Recebi tudo, e o que tenho é mais que suficiente. Estou amplamente suprido, agora que recebi de Epafrodito os donativos que vocês enviaram. Elas são uma oferta de aroma suave, um sacrifício aceitável e agradável a DEUS. O meu DEUS suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em CRISTO JESUS. (4:14–19). A vertente final do plano de contentamento de Paulo era a preocupação para com os outros. Aqueles que vivem só para si nunca estarão contentes, porque contentamento para eles só pode existir quando as todas as circunstâncias são exatamente como eles querem. E isso nunca vai acontecer. Somente aqueles que, desinteressadamente, colocam o bem-estar dos outros acima de seu próprio, encontrarão contentamento. Paulo orou para que o amor dos filipenses crescesse ainda mais e mais" (1:9), uma das qualidades do verdadeiro amor bíblico é a generosidade (1 Coríntios 13:5.). Ele também exortou, "Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade e respeito de uns para com os outros, considerando-os mais importantes do que vós; não se limitam a olhar para seus próprios interesses pessoais, mas também para os interesses dos outros" (2: 3-4). Essa é a atitude "que houve também em CRISTO JESUS" (2:5); Se JESUS tivesse olhado apenas para seus próprios interesses, ele nunca teria deixado o céu a sacrificar-se pelos pecadores, pessoas caídas. "No entanto" introduz uma importante transição no pensamento de Paulo. O que ele tinha escrito nos versos 10-13 poderia facilmente ter enviado a mensagem errada aos Filipenses. Apesar da sua pobreza (cf. 2 Coríntios. 8:12), eles tinham enviado um presente de sacrifício para Paulo através de Epafrodito (4:18). Depois de ficar em Roma por um tempo e ministrando ao apóstolo, Epafrodito voltou para Filipos, trazendo essa carta de Paulo com ele. Para a igreja Paulo dizia: "Não digo isto por falta, porque já aprendi a viver contente em qualquer circunstância"; "Aprendi o segredo de ser preenchido e passar fome, tanto de ter abundância como a sofrer necessidade" e "Posso todas as coisas naquele que me fortalece" (4:11-13). Se a carta tivesse terminado naquele momento, os Filipenses teriam concluído que Paulo não havia apreciado seu presente sacrificial para com ele. Para ter certeza de que os filipenses não entenderiam mal sua resposta, Paulo apressou-se a assegurar-lhes que eles tinham feito bem (kalos, algo nobre) compartilhando suas posses com ele em sua aflição. Ele precisava explicar-lhes que o presente poderia ser um ato nobre, mesmo que ele não precisasse dele para sobreviver. Paulo começou por levar seus leitores de volta há dez anos atrás, em sua primeira pregação do Evangelho em Filipos. Durante esse tempo, e mesmo depois de haver deixado a Macedônia viajando para as cidades da Acaia, de Atenas e Corinto, nenhuma outra igreja compartilhou com ele na questão de dar e receber. Essa frase reflete uma terminologia de negócios. A palavra matéria é traduzida às vezes como "Contas" (Mateus 18:23; 25:19) ou "contabilidade" (Lucas 16:2) e os termos dar e receber pode significar "crédito" e, evidentemente, Paulo estava em "débito". Um gestor cuidadoso de seus recursos mantém um relatório de suas receitas e despesas em dia. Mesmo antes de deixar a Macedônia os Filipenses apoiaram Paulo, durante o seu ministério em Tessalônica, eles lhe mandaram presentes mais de uma vez para cobrir suas necessidades. A sua generosidade e o árduo trabalho do próprio Paulo, permitiu-lhe ministrar gratuitamente em Tessalônica (1 Tessalonicenses 2:9;.. 2 Tessalonicenses 3:8) e Corinto (Atos 18:5; 2 Coríntios. 11:8) sem custos financeiros para tais igrejas. Paulo pôde alegrar-se com a provisão soberana de DEUS para com ele porque ele era altruísta, queria ajudar e não ser ajudado. Esse desprendimento levou-o a escrever, "não que eu procure o presente em si, mas procuro o lucro que aumenta a sua conta (cf. Mt 6:19-20;. 1 Tim 6:17-19). O presente dos Filipenses trouxe a Paulo a alegria, não por causa de seu benefício material pessoal para ele, mas por causa de seu benefício espiritual para eles. O princípio de que aqueles que dão generosamente serão abençoados é ensinado repetidamente nas Escrituras. Salomão escreveu: "Há aquele que espalha, e ainda aumenta ainda mais, e há um que retém o que é justamente devido, e isso resulta apenas na miséria". Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda. A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido."(Prov. 11:24-25). Mais tarde, em Provérbios, ele acrescentou: "Ao Senhor empresta o que se compadece do pobre, ele lhe pagará o seu benefício." (Prov. 19:17), "Quem é generoso será abençoado" (Prov. 22:9), e "O que dá ao pobre não terá necessidade, mas o que esconde os seus olhos terá muitas maldições." (Provérbios 28:27). Em Lucas 6:38 JESUS disse: "Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo."Aos Coríntios, Paulo escreveu:" E agora digo isto, aquele que semeia pouco, pouco também ceifará, e aquele que semeia em abundância em abundância também ceifará "(2 Cor . 9:6). O próprio Paulo foi um exemplo de alguém que generosamente deu aos pobres, como ele lembrou aos anciãos de Éfeso: "Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber."(Atos 20:35). Três declarações resumem a alegria de Paulo e sua gratidão. O verbo grego na frase "recebi tudo" era comumente usado em um sentido comercial grego extra-bíblico para designar o pagamento integral. Esta afirmação é dita por Paulo aos Filipenses em resposta a sua ajuda. Já possuo em abundância traduz um verbo grego que significa "a transbordar", "ter um excesso", ou "ter mais do que o suficiente." O verbo grego na declaração final de Paulo "Estou amplamente suprido" fala de ser cheio completamente. Em conjunto, essas três frases mostram que Paulo, tendo recebido de Epafrodito o que os Filipenses tinham enviado para ele se sentiu alegre e satisfeito por sua generosidade. Usando uma linguagem sacrificial do Antigo Testamento, Paulo descreveu a oferta dos filipenses como um sacrifício de aroma perfumado (cf. Gn 8:20-21; Ex 29:18; Lev 1:9, 13, 17, Num 15:03 ), um sacrifício aceitável (cf. Lv 19:5;. 22:29;. Isa 56:7), bem agradável a DEUS (cf. Sl 51:19). Paulo viu o presente dos filipenses como um ato de sacrifício de adoração a DEUS. Tais sacrifícios espirituais continuam sendo necessários para os crentes da Nova Aliança, em vez dos sacrifícios de animais da Antiga Aliança. Em Romanos 12:1 Paulo exorta: "Apresentei os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto espiritual (racional) de adoração." O autor de Hebreus exorta: "Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque com tais sacrifícios Deus se agrada."(Hebreus 13:15-16). Pedro lembra aos crentes que eles são um "Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo." (1 Pedro 2:5). A alegria de Paulo pelo sacrifício aceitável a DEUS dos filipenses ultrapassou em muito a sua alegria de receber seu presente material. Paulo sabia que os filipenses não só receberiam as bênçãos espirituais nos céus pela sua generosidade, mas também que DEUS iria suprir todas as suas necessidades físicas nesta vida. Os filipenses tinham sacrificialmente (cf. 2 Coríntios. 8:1-3) dado de suas posses terrenas para apoiar o servo de DEUS, Paulo. Em troca, DEUS supriria suas necessidades amplamente, Ele não ficaria em dívida para com eles, ou seja, não deixaria de retribuir-lhes. Tendo semeado em abundância, eles ceifariam também em abundância (2 Cor 9:6.); Ter "Honra ao Senhor com os teus bens, e com a primeira parte de todos os teus ganhos; E se encherão os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares."(Provérbios 3:9-10). Eles descobrem que é impossível alguém dar mais do que DEUS dá. A frase de acordo com Suas riquezas da glória em CRISTO JESUS revela o tamanho da medida em que DEUS iria suprir as necessidades dos filipenses. Ele iria fazê-lo segundo as suas riquezas, e não fora delas; Sua dádiva para com eles seria em relação à imensidão de sua riqueza eterna, isto é, tão generosamente quanto é consistente com suas riquezas na glória em CRISTO JESUS (abundantes riquezas espirituais). O Novo Testamento repetidamente apresenta CRISTO JESUS como a fonte de todas as riquezas de DEUS. Nele "estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento" (Cl 2:3). Paulo escreveu aos Colossenses: "Porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse - Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade"(Col. 1:19; 2:9). "O DEUS e Pai de nosso Senhor JESUS CRISTO ... nos tem abençoado com toda sorte de bênçãos espirituais nas regiões celestiais em CRISTO" (Ef 1:3). Em Efésios 1:23 o apóstolo descreveu JESUS como "que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.", e lembrou aos Coríntios que "Sempre dou graças ao meu Deus por vós pela graça de Deus que vos foi dada em Jesus Cristo. Porque em tudo fostes enriquecidos nele, em toda a palavra e em todo o conhecimento"(1 Cor. 1:4-5). Repetindo esse pensamento, Pedro escreveu: "Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude," (2 Pedro 1:3). As lições cruciais do contentamento ilustrados aqui na vida de Paulo podem ser resumidos em cinco palavras: fé, humildade, submissão, dependência, altruísmo e essas virtudes caracterizam todos os que já aprenderam a se contentarem com o que recebem de DEUS. Os santos de DEUS (Filipenses 4:20-23) A nosso DEUS e Pai seja a glória para todo o sempre. Amém. Saúdem a todos os santos em CRISTO JESUS. Os irmãos que estão comigo enviam saudações. Todos os santos lhes enviam saudações, especialmente os que estão no palácio de César. A graça do Senhor JESUS CRISTO seja com o espírito de vocês. Amém. (4:20–23) O tema da celebração da passagem do livro de Filipenses é encontrada na palavra bem familiar "santo", mas muitas vezes incompreendida. A palavra se afastou bastante da sua significação no Novo Testamento, e foi perdendo seu real sentido e valor nas várias culturas e religiões atuais. Para alguns, a conotação "santinho" é até ofensiva. Eles não podem chamar-se santos, por medo disso soar como uma maneira egoísta, arrogante e orgulhosa de se auto-denominar. Outros acreditam que os santos são aqueles que realizam coisas notáveis e boas para a humanidade. Para outros, o termo santo evoca a imagem de uma figura idolatrada gravada no vitral de uma catedral ou uma imagem feita de gesso ou outro qualquer material em homenagem a alguém. Grande parte da confusão sobre os santos provém dos ensinamentos da Igreja Católica Romana. Um santo na teologia católica romana é alguém que, por causa de sua exemplar virtude, mérito, dedicação, e realização religiosa, já é exaltado no céu (ao contrário da maioria dos fiéis católicos, que só podem esperar para entrar no céu depois de uma estadia prolongada no purgatório). Tal pessoa é elevada à santidade por um decreto oficial do papa conhecido como canonização, e é uma pessoa considerada um modelo cuja vida é para ser imitada. Mas canonização pela Igreja Católica significa muito mais do que apenas estabelecer alguém como santo, como um exemplo a ser seguido, pois, santos canonizados são também venerados e adorados publicamente. Igrejas são muitas vezes dedicadas em sua memória, um dia de festa é observado para honrá-los, e as missas são celebradas em sua honra. A Igreja Católica também encoraja seus membros a apelar para os santos para interceder junto a DEUS em seu nome. Assim, as orações são oferecidas a eles, e suas estátuas e relíquias são veneradas. De acordo com a teologia católica romana, os santos podem interceder não só pelos vivos, mas também por aqueles que estão no purgatório (na teologia católica, um lugar de castigo após a morte para fazer um ajuste e contas e só então entrar no céu). Católicos em vida podem, portanto, apelar para os santos para que estes intercedam junto a DEUS em nome de seus entes queridos que sofrem no purgatório. Mas, segundo o Novo Testamento, um santo não é uma relíquia eclesiástica cristalizado em um vitral, imortalizado em uma estátua, ou canonizado por Roma. Um santo é alguém que veio à fé salvadora na salvação única por meio do sacrifício do Senhor JESUS CRISTO. Na verdade, "santo" é o termo favorito do apóstolo Paulo aos cristãos e aparece quarenta vezes em suas epístolas. Ele se dirigiu a todos os crentes de Filipos como santos no verso de abertura desta epístola (cf. Rm 1:7;. 1 Coríntios 14:33;. 2 Coríntios 1:1;.. Ef 1:1; Col. 1:02 ;. Hb 13:24). Paulo ainda se dirigiu aos membros da igreja de Corinto, a mais problemática igreja do Novo Testamento, com pecados terríveis acontecendo em seu meio, como "aqueles que foram santificados em CRISTO JESUS, chamados santos" (1 Cor. 1:2). Um santo não é um super-herói da fé; um santo é alguém que tem a vida eterna em CRISTO (Rm 6:23) e em quem a luz de CRISTO brilha (Fp 2:15). Nesta parte final de sua carta aos Filipenses, provavelmente escrita com as próprias mãos (cf. 1 Cor 16:21;. Gal 6:11;. Col. 4:18;. 2 Tessalonicenses 3:17), Paulo lembra de sua identificação com os santos. Ele descreve o caráter dos santos, a adoração dos santos, a comunhão dos santos, a alegria dos santos, e o recurso de oração dos santos. O CARÁTER DOS SANTOS - santo ... santos (4:21, 22) Inerente à definição de hagios (santo), ou hagioi (santos) é o caráter ou a natureza dos santos. O termo pode ser traduzido como "separados", "os separados", "aqueles que foram santificados", o termo é também usado no Novo Testamento em referência aos anjos eleitos (Marcos 8:38 "santos"., Lucas 9:26, Atos 10:22, Ap 14:10) e, Santo de Deus (Marcos 1:24, Lucas 1:49; 4:34, João 6:69; 17:11, Atos 2:27; 3:14, 4:27, 30; 13:35, 1 Pedro 1:15, 16, 1 João 2:20; Ap 3:7; 4:8; 6:10; 15:04, 16:5). A santidade de DEUS é a Sua separação total e completa do pecado. Um santo, portanto, é alguém que foi separado do pecado para DEUS, para propósitos sagrados. "Em CRISTO JESUS" (v. 21) é a esfera espiritual em que a santidade se torna realidade, os santos são aqueles que estão em JESUS CRISTO. Essa realidade é exclusiva para o cristianismo. Os adeptos de outras religiões do mundo não se vêem como sendo unidas com o fundador da sua religião, pois eles apenas seguem seus ensinamentos. Mas para os cristãos, não basta apenas crer que CRISTO que viveu, morreu, ressuscitou dos mortos, e está voltando novamente para nos buscar, pois eles também estão nele em uma união espiritual perfeita de vida (cf. 1:21, 4:1, Rm 8:1; 16. :11-13, 1 Coríntios 1:30;. 3:1; 7:22, 2 Coríntios 1:21;. 5:17;. Ef 5:8; 6:10; Col. 1:2, 28; 4 : 7). Por isso eles podem dizer como Paulo: "Já estou crucificado com CRISTO; e já não sou eu quem vive, mas CRISTO vive em mim, e a vida que agora vivo na carne, vivo pela fé no Filho de DEUS, que me amou e Se entregou por mim "(Gl 2:20). Através de Sua morte sacrificial na cruz, JESUS CRISTO coloca os crentes em comunhão com DEUS e torna-os santos. O escritor aos Hebreus observa: "Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez." (Hb 10:10). Aos Coríntios, Paulo escreveu: "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo... Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus."(2 Coríntios. 5:17, 21). O batismo é figura da união do crente com CRISTO em Sua morte, sepultamento e ressurreição (Rm 6:3-4). Assim, cada crente é um santo, porque cada crente é separado do pecado para DEUS através da fé em JESUS CRISTO. Ao chamar os filipenses de santos, Paulo lembrou-lhes que eles devem viver como separados do pecado para a justiça. A ADORAÇÃO DOS SANTOS A nosso DEUS e Pai seja a glória para todo o sempre. Amém. (4:20) Este hino de louvor é uma amostra da adoração dos santos. Os santos não são pessoas que devam ser adoradas, são pessoas que adoram. O Culto define o viver dos redimidos, e Paulo começou a parte final de Filipenses com uma doxologia. O Inglês a palavra "doxologia" vem de duas palavras gregas, doxa ("glória") e logos ("palavra"). Assim, uma doxologia é uma palavra sobre a glória, é uma explosão de louvor e adoração que honra e atribui glória somente a DEUS. Doxologias nas Escrituras são respostas ajustadas à verdade doutrinária. Este fluído da alegria exuberante de Paulo sobre as verdades magníficas que foram inspiradas por DEUS para serem expostas nesta carta. A verdadeira adoração flui de verdade divina. Na doxologia de Romanos 11:33-36, Paulo se alegrou e louvou a DEUS pelas verdades monumentais reveladas em Romanos capítulos 1 a 11 que é o tratado doutrinário mais magnífico em toda a Escritura. Ele escreveu: Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intento do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém! Como ele concluiu a epístola cinco capítulos mais tarde, o coração de Paulo ainda estava transbordando de louvor para as verdades maravilhosas que continha: Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto, Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé; Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém. (Rm 16:25-27). Em Efésios, depois de três capítulos de rica verdade doutrinal, Paulo novamente explodiu em uma doxologia de louvor e adoração: "Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, a esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém!"(Ef 3:20-21). Em Gálatas 1:5 Paulo escreveu esta breve doxologia como antecipação das verdades que ele logo iria compartilhar com os Gálatas: "A DEUS seja a glória para sempre. Amém ". A doxologia é também uma resposta adequada a tudo o que DEUS fez pelos crentes. Em agradecimento por sua maravilhosa salvação, Paulo escreveu: "Ora, ao Rei eterno, imortal, invisível, ao único DEUS, seja honra e glória para todo o sempre. Amém "(1 Tm. 1:17). Enfrentando o martírio, ele poderia, no entanto, confiante exultar: "E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém."(2 Tm 4:18.). Judas escreveu uma doxologia de louvor para a segurança eterna dos crentes: "Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória, Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém."(Judas 24-25). Paulo identificou o objeto de sua doxologia primeiro como nosso DEUS, o DEUS da adoração dos cristãos, o único DEUS vivo e verdadeiro. João 5:44 descreve-O como "o único DEUS", João 17:3 como "o único DEUS verdadeiro", Romanos 16:27, como "o único DEUS sábio"; 1 Timóteo 1:17 e Judas 25 como "um só DEUS". O pronome "nosso" enfatiza o relacionamento pessoal dos crentes com Ele, pois eles existem para adorar o DEUS verdadeiro em comunhão pessoal e íntima. Como observado anteriormente, o ato habitual de adorar a DEUS define os crentes, "Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne." (Fp 3:3). O objeto da redenção era fazer adoradores pessoais. JESUS declarou à mulher samaritana no poço de Sicar: "Mas vem a hora, e agora é, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade, pois são estes que o Pai procura para seus adoradores" (João 4 : 23; cf Ap 5:9; 7:910). Adorar o verdadeiro DEUS não pode ser feito na ignorância. É impossível para adorá-Lo a menos que se saiba quem Ele é. Nem DEUS quer adoração ignorante. Em Oséias 6:6 DEUS declarou: "Tenho prazer em lealdade, em vez de sacrifício, e no conhecimento de DEUS mais que em holocaustos", enquanto que JESUS disse em João 4:24, "DEUS é espírito, importa que aqueles que o adoram o adorem em espírito e em verdade." A adoração ignorante é inaceitável, pois é uma forma de idolatria. Idolatria não é apenas adorar falsos deuses, mas também pensamentos inadvertidos sobre o verdadeiro DEUS, que sejam falsos e indignos dEle. A. W. Tozer escreve: Entre os pecados a que o coração humano está sujeito, dificilmente qualquer outro é mais odioso para DEUS do que a idolatria, a idolatria é no fundo um libelo sobre Seu caráter. O coração idólatra assume que DEUS é diferente do que Ele é. Em si o pecado leva o homem a um monstruoso substituto para o verdadeiro DEUS, adorando uma semelhança DELE e não ELE. Sempre esse DEUS estará de acordo com a imagem do deus que essa pessoa que o criou conhece, ou seja, uma tipificação do estado moral da mente da qual emerge, um deus descaracterizado, um falso deus. Um deus nascido nas sombras de um coração caído nunca irá simbolizar a verdadeira semelhança do DEUS verdadeiro que proibiu aos homens Lhe fazerem alguma imagem de adoração. "Tu pensavas", disse ao Senhor ao ímpio: Estas coisas tens feito, e eu me calei; pensavas que era tal como tu, mas eu te argüirei, e as porei por ordem diante dos teus olhos:"(Sl 50.21). Certamente esta deve ser uma afronta grave ao DEUS Altíssimo diante de quem os querubins e serafins continuamente só fazem chamar: "SANTO, santo, santo, Senhor DEUS dos Exércitos." Devemos tomar cuidado para que nós, em nosso orgulho, não venhamos a aceitar a noção errônea de que a idolatria consiste apenas em ajoelhar-se diante de objetos visíveis de adoração, e que não passemos a admitir em nosso íntimo que os povos civilizados são, portanto, livres para adorarem a quem desejarem. A essência da idolatria é o pensamento obscuro sobre DEUS que não são dignos Dele. (O Conhecimento do SANTO [New York: Harper & Row, 1975], 11). A única cura para tal idolatria é através da igreja, bem como dos crentes individualmente que devem fazer conhecido o DEUS verdadeiro. Aqueles que possuem uma teologia centrada no homem não podem ser adoradores obedientes. A segunda verdade sobre DEUS, que flui da doxologia de Paulo é que Ele é Pai dos crentes. No Novo Testamento, DEUS é, em primeiro lugar, o Pai do Senhor JESUS CRISTO (cf. Rm 15:6;. 2 Coríntios 1:3;. 11:31;. Ef 1:3, 1 Pedro 1:3; Ap 1:6), fato atestado por JESUS ensinando-nos ao se dirigir a Ele como "Meu Pai" quase 40 vezes nos Evangelhos. Esse fato é uma prova da divindade de CRISTO, Ele e o Pai compartilham da mesma vida comum, da mesma divindade, da mesma essência. A implicação do chamado de JESUS de DEUS Pai não foi esquecida pelos judeus incrédulos, como João 5:18, lemos: "Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus." Mas Paulo tem em mente aqui a verdade de que DEUS também é o Pai dos crentes (1:2; Cf Mt 5:16, 45, 48, 6:1; 10:29; Rm 8:15; 1 Cor 1:3; 2 Coríntios 1:2; Gal 1:3; Ef 1:2; Col 1:2; 2 Tessalonicenses 1:1;. 2:16; Flm 3), a quem adotou como Seus filhos (Rm 8:15, 23;. Gal 4:5;. Ef 1:5). Ao contrário dos pagãos, que se aproximam de divindades indiferentes e terrivelmente ameaçadoras, bem como distantes (cf. 1 Reis 18:25-29), os crentes adoram a um DEUS que os ama como Seus filhos e está presente em suas vidas. Isso faz com que eles "clamem: "Abba Pai" (paizinho - Rm 8:15; Gal 4:6.)! Os crentes podem ter medo de abordar ao DEUS infinitamente maravilhoso, majestoso e imponente. Mas o Pai é íntimo e, apesar de ser DEUS infinito e santo, se aproxima dos crentes finitos e pecadores lavados no sangue de CRISTO. A frase "para sempre e sempre" indica a duração do culto dos crentes a DEUS. O texto grego diz literalmente "pelos séculos dos séculos", e descreve "um muito longo e indefinido período, correspondente à imagem obtida a partir dos ciclos ou calendários de tempo, para representar uma eternidade incomensurável" (John Eadie, um comentário sobre o texto grego da Epístola de Paulo aos Filipenses [Reprint; Grand Rapids: Baker, 1979], 286). O culto dos santos não será limitado a esta vida, mas se estenderá por toda a eternidade no céu. Para essa verdade gloriosa Paulo só pode adicionar a afirmação confessional Amém "que assim seja." A COMUNHÃO DOS SANTOS Saúdem a todos os santos em CRISTO JESUS. Os irmãos que estão comigo enviam saudações. Todos os santos lhes enviam saudações, (4:21–22a) A tripla repetição de Paulo da palavra "cumprimentar" implica em um forte laço de amizade. Como ele estava terminando sua carta a eles, Paulo expressou seu amor para os membros da congregação de Filipos e sua preocupação com o seu bem-estar espiritual. Sua atenção foi especificamente para os líderes da congregação de Filipos (1:1), que receberiam a carta pelas mãos de Epafrodito. O apóstolo ordenou-lhes que cumprimentassem os membros da congregação individualmente em seu nome, e assegurassem-lhes o seu amor e preocupação pelo seu bem-estar espiritual. O apóstolo usa o termo coletivo em vez do individual "todos" que revela que cada santo era digno de seu carinho e afeto. Paulo reforçou o ponto que ele mencionou em 2:2, onde ele exortou os filipenses a "tornarem sua alegria completa por serem da mesma opinião, mantendo o mesmo amor, unidos em espírito, num mesmo propósito." Não deve haver favoritismos na igreja, porque "não há parcialidade com DEUS" (Rom. 2:11; cf Dt 10,17; 2 Crônicas 19:07, Jó 34:19, Atos 10:34; Gl 2.: 6;. Ef 6:9). Todos os crentes são santos, e qualquer estratificação no corpo de CRISTO é contrária à intenção do ESPÍRITO de DEUS. Todos os admitidos pelo Filho Amado de DEUS (Ef 1:6) devem ser aceitos por filhos amados de DEUS na igreja. Todos os crentes são o que são aos olhos de DEUS unicamente pela sua graça (1 Coríntios. 15:10). A preocupação de Paulo para com os indivíduos refletia a mesma do Senhor JESUS CRISTO. Mesmo quando cercado por grandes multidões, Ele estava consciente dos indivíduos e suas necessidades, como a seguinte história revela: "E certa mulher, que havia doze anos tinha um fluxo de sangue, e que havia padecido muito com muitos médicos, e despendido tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior, ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou na sua vestimenta. Porque dizia: Se tão-somente tocar nas suas vestes, sararei. E logo se lhe secou a fonte do seu sangue, e sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal. E logo Jesus, conhecendo que a virtude de si mesmo saíra, voltou-se para a multidão e disse: Quem tocou nas minhas vestes? E disseram-lhe os seus discípulos: Vês que a multidão te aperta, e dizes: Quem me tocou? E ele olhava em redor, para ver a que isso fizera." (Marcos 5:25-32). Paulo ainda ilustrando esse ponto de afeição igual entre todos os crentes, observa: "os irmãos que estão comigo vos saúdam". Esses irmãos, companheiros próximos de Paulo a quem ele distingue do resto dos crentes em Roma (v. 22), incluíram alguns dos nomes mais ilustres da igreja primitiva. Timóteo, filho protegido e amado de Paulo na fé, era um deles (1:1, 2:19); Epafrodito (2:25, 4:18) também estava com o apóstolo na época em que escreveu esta carta. Tíquico, portador das cartas aos Efésios (Ef 6:21), Colossenses (Cl 4:7), e Filemon (vv. 4-9), também poderia estar incluído entre os que estavam com Paulo naquele momento. Aristarco, outro companheiro de longa data do apóstolo (Atos 19:29; 20:4; 27:2), também poderia estar entre os irmãos mencionados por Paulo (Col. 4:10;. Flm 24). O grupo pode também ter incluído Onésimo, o escravo fugitivo que foi objeto da carta de Paulo a Filemon (Cl 4:9;. Flm 10), e dois dos escritores do evangelho, Marcos e Lucas (Fm 24). Tão proeminentes como esses, eram também todos os outros irmãos que simplesmente foram descritos como irmãos. A comunhão dos santos é um laço comum de amor sem distinção. Nenhum dos colaboradores mais importantes de Paulo usavam crachás de identificação, ou reinvidicavam títulos eclesiásticos para si. Eles foram excepcionalmente dotados e usados por DEUS, mas isso não os tornava espiritualmente superiores. Paulo se identificava como "o menor dos apóstolos" (1 Coríntios 15:9.), E como o principal dos pecadores (1 Tm 1:15 -. 16). Eles entenderam bem o ensinamento de JESUS sobre a igualdade dos crentes: "Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. Porém o maior dentre vós será vosso servo. E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado. (Mateus 23:8-12). O círculo mais amplo de fiéis na igreja de Roma, também enviou suas saudações, como observou Paulo na frase "Todos os santos vos saúdam". Embora diferentes em talentos e em diferentes níveis de fidelidade e maturidade espiritual, eles eram espiritualmente iguais aos seus irmãos mais proeminentes. Usando a metáfora do corpo humano, Paulo salientou para o Coríntios: "Agora, pois, há muitos membros, mas um corpo. E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não tenho necessidade de vós. Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários. E os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos muito mais; e aos que em nós são menos decorosos damos muito mais honra. Porque os que em nós são mais honestos não têm necessidade disso, mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela, para que não haja divisão no corpo, mas, antes, tenham os membros igual cuidado uns dos outros. De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele. Ora, vós sois o corpo de Cristo e seus membros em particular." (1 Cor. 12:20-27). A partilha de um laço comum de amor, não discriminatório e um desejo mútuo de bem-estar espiritual de um pelo outro é uma característica essencial dos santos. A ALEGRIA DOS SANTOS especialmente os que estão no palácio (casa) de César. (4:22b) A maior alegria dos santos é ver os pecadores vindo à fé em CRISTO. Em Lucas 15, JESUS contou duas parábolas ilustrado a salvação. A primeira falou de um homem que se alegrou em encontrar sua ovelha perdida (Lc 15:5-6), a segunda falava de uma mulher que se alegrou em encontrar sua moeda perdida (Lc 15:9). Ambos expressam a alegria que os crentes têm na salvação dos pecadores perdidos. Da mesma forma, quando Paulo e Barnabé relatavam as conversão dos gentios: "E eles, sendo acompanhados pela igreja, passaram pela Fenícia e por Samaria, contando a conversão dos gentios, e davam grande alegria a todos os irmãos." (Atos 15:3). A referência de Paulo aos da casa de César foi especialmente significativa aos Filipenses. Filipos era uma colônia romana (Atos 16:12) e seus cidadãos eram cidadãos romanos (Atos 16:21). Por causa de seus estreitos laços com Roma, é possível que os filipenses conhecessem alguns dos membros da casa de César. Casa de César incluiu mais do que apenas os membros de sua família, incluía todos aqueles a seu serviço direto, desde os escravos humildes a altos funcionários, homens livres. Na terminologia de hoje, eles eram funcionários do governo. Durante sua prisão em Roma, Paulo teria entrado em contato com muitos deles. Alguns dos membros da família imperial, como os da guarda pretoriana, a que o apóstolo se refere em 1:13, foram levados à fé em CRISTO por Paulo. Outros, porém, já eram cristãos antes de Paulo ter chegado a Roma. No século XIX, o estudioso do Novo Testamento JB Lightfoot encontrou alguns paralelos surpreendentes entre os nomes das listas de Paulo em Romanos 16:8-15 e os nomes dos membros da casa de César nas listas que datam do tempo de Paulo (cf. Epístola de Paulo aos Filipenses [ Reimpressão, Grand Rapids: Zondervan, 1953], 171-78). Ele conclui: "Como resultado desta investigação, ele parece ter estabelecido uma conexão entre as saudações da Epístola aos Romanos com alguns membros, pelo menos estão incluídos os da família imperial" (Filipenses, 177). Paulo inclui ambos os grupos, aqueles salvos através de seu ministério e os que já eram fiéis antes dele os evangelizar, em suas saudações à casa de César. Tanto ele como os filipenses ficaram, sem dúvida, encantados com o fato de que muitos da família do imperador pagão, muitas almas, tinham se rendido ao reino de CRISTO. A alegria dos santos é a de ver os outros resgatados das profundezas escuras do pecado e tragos à salvação em CRISTO. O RECURSO DOS SANTOS A graça do Senhor JESUS CRISTO seja com o espírito de vocês. Amém (4:23) Paulo abrange agora a igreja de Roma completa. Ele começou esta carta desejando a graça aos Filipenses (1:2), e ele conclui da mesma maneira. O apóstolo terminou todas as suas cartas desejando a graça de DEUS para os seus destinatários (cf. Rm 16:24;. 1 Coríntios 16:23;. 2 Coríntios 13:14;.. Gal 6:18; Ef 6:24; Col. 4:18, 1 Ts 5:28;. 2 Tessalonicenses 3:18;. 1. Tim 6:21;. 2 Tm 4:22, Tito 3:15;. Flm 25). O recurso de que todos os crentes mais precisam é da graça que vem do Senhor JESUS CRISTO. A graça é o favor imerecido ou amor imerecido. todos os cristãos foram beneficiados pela graça de DEUS em CRISTO que trouxe a redenção dos crentes (Ef 2:5, 8; Rm 3:24;.. 2 Tm 1:9). O Trabalho da graça de DEUS na vida dos crentes continuará até a nossa glorificação. Paulo expressou essa verdade em Romanos 5:2: "Através de CRISTO, também obtivemos a nossa introdução pela fé a esta graça na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de DEUS." Os crentes não são salvos apenas pela graça, mas também são sustentados pela graça. Eles são regidos pela graça, guiados pela graça, mantidos pela graça, santificados pela graça e capacitados pela graça. Eles são constantemente dependentes do perdão, conforto, paz, alegria, ousadia, e a instrução que vêm pela graça de DEUS. A graça sustentadora de DEUS vem para os crentes através do Senhor JESUS CRISTO. Ele é o tema desta epístola, sendo mencionada quase 40 vezes em seus 4 capítulos. Paulo descreveu a si mesmo como um servo de CRISTO (1:1), ele dirigiu-se aos Filipenses como santos em CRISTO (1:1), sua prisão foi por causa de CRISTO (1:13); para ele o viver era CRISTO (1:21) e anunciou sua morte na presença de CRISTO (1:23), ele exortou os filipenses a se comportarem de uma maneira digna de CRISTO (1:26) por ter a atitude de CRISTO (2:5), ele os chamou para a glória em CRISTO (3:3), ele considerou tudo em seu passado como lixo, tendo em conta as riquezas que ele encontrou em CRISTO (3:8), ele foi salvo pela fé em CRISTO (3:9), ele aguardava ansiosamente o retorno de CRISTO (3:20), e sua suficiência estava em CRISTO (4:19). O personagem, adoração, comunhão, alegria, e os recursos de santos estão todos ligados em JESUS CRISTO. Paulo apropriadamente resumiu a vida cristã, quando escreveu: "Para mim, o viver é CRISTO e o morrer é lucro" (1:21). Bibliografia Carson, D. A., Douglas J. Moo, and Leon Morris. An Introduction to the New Testament. Grand Rapids: Zondervan, 1992. Eadie, John. A Commentary on the Greek Text of the Epistle of Paulo to the Philippians. Reprint. Grand Rapids: Baker, 1979. Gromacki, Robert G. Stand United in Joy: An Exposition of Philippians. Grand Rapids: Baker, 1980. Guthrie, Donald. New Testament Introduction. Ap ed. Downers Grove, Ill: InterVarsity, 1990. Harrison, Everett F. Introduction to the New Testament. Grand Rapids: Eerdmans, 1964. Hendriksen, William. New Testament Commentary: Philippians, Colossians, and Philemon. Grand Rapids: Baker, 1979. Hiebert, D. Edmond. An Introduction to the New Testament: The Pauline Epistles. Ap ed. Chicago: Moody, 1977. Lenski, R. C. H. The Interpretation of St. Paulo’s Epistles to the Galatians, to the Ephesians, and to the Philippians. Minneapolis: Augsburg, 1961. Lightfoot, J. B. St. Paulo’s Epistle to the Philippians. Reprint. Grand Rapids: Zondervan, 1953. Martin, Ralph P. The Epistle of Paulo to the Philippians. The Tyndale New Testament Commentaries. Grand Rapids: Eerdmans, 1975. Meyer, F. B. The Epistle to the Philippians. Reprint. Grand Rapids: Baker, 1952. Muller, Jac. J. The Epistles of Paulo to the Philippians and to Philemon. The New International Commentary on the New Testament. Grand Rapids: Eerdmans, 1955. O’ Brien, Peter T. The Epistle to the Philippians. The New International Greek Testament Commentary. Grand Rapids: Eerdmans, 1991. Silva, Moises. Philippians. The Wycliffe Exegetical Commentary. Chicago: Moody, 1988. Vincent, Marvin R. The Epistles to the Philippians and to Philemon. The International Critical Commentary. Edinburgh: T & T Clark, 1979. MacArthur, J. (2001). Philippians (309). Chicago: Moody Press. A PROVIDÊNCIA DIVINA (BEP-CPAD) Gn 45.5 “...não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida, DEUS me enviou diante da vossa face.” Depois de o Senhor DEUS criar os céus e a terra (1.1), Ele não deixou o mundo à sua própria sorte. Pelo contrário, Ele continua interessado na vida dos seus, cuidando da sua criação. DEUS não é como um hábil relojoeiro que formou o mundo, deu-lhe corda e deixa acabar essa corda lentamente até o fim; pelo contrário, Ele é o Pai amoroso que cuida daquilo que criou. O constante cuidado de DEUS por sua criação e por seu povo é chamado, na linguagem doutrinal, a providência divina. ASPECTOS DA PROVIDÊNCIA DIVINA. Há, pelo menos, três aspectos da providência divina. (1) Preservação. DEUS, pelo seu poder, preserva o mundo que Ele criou. A confissão de Davi fica clara: “A tua justiça é como as grandes montanhas; os teus juízos são um grande abismo; SENHOR, tu conservas os homens e os animais” (Sl 36.6). O poder preservador de DEUS manifesta-se através do seu filho JESUS CRISTO, conforme Paulo declara em Cl 1.17: CRISTO “é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele”. Pelo poder de CRISTO, até mesmo as minúsculas partículas de vida mantêm-se coesas. (2) Provisão. DEUS não somente preserva o mundo que Ele criou, como também provê as necessidades das suas criaturas. Quando DEUS criou o mundo, criou também as estações (1.14) e proveu alimento aos seres humanos e aos animais (1.29,30). Depois de o Dilúvio destruir a terra, DEUS renovou a promessa da provisão, com estas palavras: “Enquanto a terra durar, sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite não cessarão” (8.22). Vários dos salmos dão testemunho da bondade de DEUS em suprir do necessário a todas as suas criaturas (e.g., Sl 104; 145). O mesmo DEUS revelou a Jó seu poder de criar e de sustentar (Jó 38—41), e JESUS asseverou em termos bem claros que DEUS cuida das aves do céu e dos lírios do campo (Mt 6.26-30; 10.29). Seu cuidado abrange, não somente as necessidades físicas da humanidade, como também as espirituais (Jo 3.16,17). A Bíblia revela que DEUS manifesta um amor e cuidado especiais pelo seu próprio povo, tendo cada um dos seus em alta estima (e.g., Sl 91; ver Mt 10.31). Paulo escreve de modo inequívoco aos crentes de Filipos: “O meu DEUS, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por CRISTO JESUS” (ver Fp 4.19). De conformidade com o apóstolo João, DEUS quer que seu povo tenha saúde, e que tudo lhe vá bem (ver 3Jo 2). (3) Governo. DEUS, além de preservar sua criação e prover-lhe o necessário, também governa o mundo. DEUS, como Soberano que é, dirige, os eventos da história, que acontecem segundo sua vontade permissiva e seu cuidado. Em certas ocasiões, Ele intervém diretamente segundo o seu propósito redentor. Mesmo assim, até DEUS consumar a história, Ele tem limitado seu poder e governo supremo neste mundo. As Escrituras declaram que Satanás é “o deus deste século” [mundo] (2Co 4.4) e exerce acentuado controle sobre a presente era maligna (ver 1Jo 5.19; Lc 13.16; Gl 1.4; Ef 6.12; Hb 2.14). Noutras palavras, o mundo, hoje, não está submisso ao poder regente de DEUS, mas, em rebelião contra Ele e escravizado por Satanás. Note, porém, que essa auto-limitação da parte de DEUS é apenas temporária; na ocasião que Ele já determinou na sua sabedoria, Ele aniquilará Satanás e todas as hostes do mal (Ap 19—20). A PROVIDÊNCIA DIVINA E O SOFRIMENTO HUMANO. A revelação bíblica demonstra que a providência de DEUS não é uma doutrina abstrata, mas que diz respeito à vida diária num mundo mau e decaído. (1) Toda pessoa experimenta o sofrimento em certas ocasiões da vida e daí surge a inevitável pergunta “Por quê?” (cf. Jó 7.17-21; Sl 10.1; 22.1; 74.11,12; Jr 14.8,9,19). Essas experiências alvitram o problema do mal e do seu lugar nos assuntos de DEUS. (2) DEUS permite que os seres humanos experimentem as conseqüências do pecado que penetrou no mundo através da queda de Adão e Eva. José, por exemplo, sofreu muito por causa da inveja e da crueldade dos seus irmãos. Foi vendido como escravo pelos seus irmãos e continuou como escravo de Potifar, no Egito (37; 39). Vivia no Egito uma vida temente a DEUS, quando foi injustamente acusado de imoralidade, lançado no cárcere (39) e mantido ali por mais de dois anos (40.1—41.14). DEUS pode permitir o sofrimento em decorrência das más ações do próximo, embora Ele possa soberanamente controlar tais ações, de tal maneira que seja cumprida a sua vontade. Segundo o testemunho de José, DEUS estava agindo através dos delitos dos seus irmãos, para a preservação da vida (45.5; 50.20). (3) Não somente sofremos as conseqüências dos pecados dos outros, como também sofremos as conseqüências dos nossos próprios atos pecaminosos. Por exemplo: o pecado da imoralidade e do adultério, freqüentemente resulta no fracasso do casamento e da família do culpado. O pecado da ira desenfreada contra outra pessoa pode levar à agressão física, com ferimentos graves ou até mesmo o homicídio de uma das partes envolvidas, ou de ambas. O pecado da cobiça pode levar ao furto ou desfalque e daí à prisão e cumprimento de pena. (4) O sofrimento também ocorre no mundo porque Satanás, o deus deste mundo, tem permissão para executar a sua obra de cegar as mentes dos incrédulos e de controlar as suas vidas (2Co 4.4; Ef 2.1-3). O NT está repleto de exemplos de pessoas que passaram por sofrimento por causa dos demônios que as atormentavam com aflição mental (e.g., Mc 5.1-14) ou com enfermidades físicas (Mt 9.32,33; 12.22; Mc 9.14-22; Lc 13.11,16). Dizer que DEUS permite o sofrimento não significa que DEUS origina o mal que ocorre neste mundo, nem que Ele pessoalmente determina todos os infortúnios da vida. DEUS nunca é o instigador do mal ou da impiedade (Tg 1.13). Todavia, Ele, às vezes, o permite, o dirige e impera soberanamente sobre o mal a fim de cumprir a sua vontade, levar a efeito seu propósito redentor e fazer com que todas as coisas contribuam para o bem daqueles que lhe são fiéis (ver Mt 2.13; Rm 8.28). O RELACIONAMENTO DO CRENTE COM A PROVIDÊNCIA DIVINA. O crente para usufruir os cuidados providenciais de DEUS em sua vida, tem responsabilidades a cumprir, conforme a Bíblia revela. (1) Ele deve obedecer a DEUS e à sua vontade revelada. No caso de José, por exemplo, fica claro que por ele honrar a DEUS, mediante sua vida de obediência, DEUS o honrou ao estar com ele (39.2, 3, 21, 23). Semelhantemente, para o próprio JESUS desfrutar do cuidado divino protetor ante as intenções assassinas do rei Herodes, seus pais terrenos tiveram de obedecer a DEUS e fugir para o Egito (ver Mt 2.13). Aqueles que temem a DEUS e o reconhecem em todos os seus caminhos têm a promessa de que DEUS endireitará as suas veredas (Pv 3.5-7). (2) Na sua providência, DEUS dirige os assuntos da igreja e de cada um de nós como seus servos. O crente deve estar em constante harmonia com a vontade de DEUS para a sua vida, servindo-o e ajudando outras pessoas em nome dEle (At 18.9,10; 23.11; 26.15-18; 27.22-24). (3) Devemos amar a DEUS e submeter-nos a Ele pela fé em CRISTO, se quisermos que Ele opere para o nosso bem em todas as coisas (ver Rm 8.28). Para termos sobre nós o cuidado de DEUS quando em aflição, devemos clamar a Ele em oração e fé perseverante. Pela oração e confiança em DEUS, experimentamos a sua paz (Fp 4.6,7), recebemos a sua força (Ef 3.16; Fp 4.13), a misericórdia, a graça e ajuda em tempos de necessidade (Hb 4.16; ver Fp 4.6). Tal oração de fé, pode ser em nosso próprio favor ou em favor do próximo (Rm 15.30-32; ver Cl 4.3. INTERAÇÃO Professor, com a graça de DEUS chegamos ao final de mais um trimestre. Durante os encontros dominicais você e seus alunos, com certeza foram edificados, exortados e consolados por intermédio da Epístola aos Filipenses. Paulo foi um homem que colocou sua vida a disposição do Mestre. Seu ministério esteve sempre em primeiro lugar. Muitos foram os sacrifícios que este abnegado servo de DEUS teve que fazer para que o Evangelho chegasse até aos confins da terra. Nem mesmo a prisão foi capaz de impedi-lo de levar as boas novas aos perdidos. Ele pregou, ensinou e fez muitos discípulos, mesmo estando no cárcere. Paulo padeceu muito, todavia ele ensinou os crentes de Filipos e a nós também a termos uma vida cristã feliz. Sigamos o seu exemplo! OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: Compreender como foi a participação da igreja de Filipos nas tribulações de Paulo. Explicar o ato de reminiscência entre Paulo e os filipenses. Analisar a oblação e a generosidade dos filipenses. TEMAS IMPORTANTES ENCONTRADOS NA EPÍSTOLA AOS FILIPENSES TEMA EXPLICAÇÃO IMPORTÂNCIA Auto-sacrifício CRISTO sofreu e morreu para que pudéssemos ganhar a vida eterna. Com coragem e vigor, Paulo se sacrificou por seu ministério. CRISTO nos dá poder para deixar de lado as nossas necessidades e preocupações pessoais. Não devemos nos atrever a ser egoístas. Unidade Em cada igreja, em cada geração, aparecem influências decisivas (questões de lealdade e conflitos). Paulo encorajou os filipenses a se entenderem, a deixarem de se queixar e a trabalharem em conjunto. Sendo crentes, não devemos discutir com nossos companheiros, mas nos unir contra nosso inimigo comum. Quando estamos unidos pelo amor, a força de CRISTO se torna mais abundante. Vida Cristã Paulo nos mostra como viver uma vida cristã feliz. CRISTO é, ao mesmo tempo, nossa fonte de poder e o nosso guia. O desenvolvimento do nosso caráter começa com a obra que DEUS realiza em nós. Mas o crescimento também exige autodisciplina, obediência à Palavra de DEUS e concentração de nossa parte.Alegria Não importa o que venha a acontecer, os crentes podem ter profunda alegria, serenidade e paz. Essa alegria vem do conhecimento pessoal de CRISTO e da dependência de sua força, em vez da nossa. Podemos sentir alegria mesmo nos infortúnios. A alegria não se origina de circunstâncias exteriores, mas da força interior. Sendo cristãos, não devemos confiar no que temos ou experimentamos, mas no CRISTO que está dentro de nós. RESUMO DA LIÇÃO 13 - O SACRIFÍCIO QUE AGRADA A DEUS I. A PARTICIPAÇÃO DA IGREJA NAS TRIBULAÇÕES DE PAULO (4.14) 1. Os filipenses tomam parte nas aflições do apóstolo. 2. O exemplo da igreja após o Pentecostes. 3. O padrão de amor para a Igreja. O II. REMINISCÊNCIA: O ATO DE DAR E RECEBER (4.15-17) 1. Paulo relembra o apoio dos filipenses. 2. O necessário para viver. 3. "Não procuro dádivas". III. A OBLAÇÃO DE AMOR E SAUDAÇÕES FINAIS (4.18-23) 1. A oblação no Antigo Testamento. 2. A oblação e a generosidade dos filipenses. 3. Doxologia. SINOPSE DO TÓPICO (1) A igreja de Filipos vivia a mesma dimensão de serviço da comunidade de Jerusalém nos dias de Pentecostes. SINOPSE DO TÓPICO (2) Paulo não caiu na tentação do dinheiro. As ofertas que ele recebia eram aplicadas integralmente na Obra Missionária. SINOPSE DO TÓPICO (3) O ministro de DEUS não pode e não deve permitir que o dinheiro o escravize, pois sua real motivação tem de ser o benefício da igreja de CRISTO. VOCABULÁRIO Doxologia: Manifestação de louvor e enaltecimento à divindade através de expressões de exaltamentos (DEUS seja louvado!) e hinos. Graça_vicária: O sacrifício de CRISTO que nos substituiu. Reminiscência: Lembrança. BIBLIOGRAFIA SUGERIDA RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. PEARLMAN, Myer. Epístolas Paulinas: Semeando as Doutrinas Cristãs. 1.ed SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 55, p.42. QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 13 - O SACRIFÍCIO QUE AGRADA A DEUS Responda conforme a revista da CPAD do 3º Trimestre de 2013 - FILIPENSES Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas verdadeiras e com "F" as falsas TEXTO ÁUREO 1- Complete: "Eu te _______________________________ voluntariamente _______________________________; louvarei o teu nome, ó Senhor, porque é ________________________" (Sl 54.6). VERDADE PRÁTICA 2- Complete: ____________________________________ os nossos irmãos, ___________________________ para a obra de DEUS, e, ao Senhor, _______________________________ a mais pura ação de graças. I. A PARTICIPAÇÃO DA IGREJA NAS TRIBULAÇÕES DE PAULO (4.14) 3- Como os filipenses tomaram parte nas aflições do apóstolo? ( ) A expressão "tomar parte" sugere a idéia de "compartilhar com, ou co-ajudar em". ( ) Paulo via a participação dos filipenses em suas tribulações como o agir de DEUS para fortalecer o seu coração. ( ) A expressão "tomar parte" sugere a idéia de "partilhar com, ou co-participar de". ( ) A igreja de Filipos estava participando das aflições e tribulações com o apóstolo. ( ) Ela sentia as agruras de sua prisão. ( ) O apóstolo sentia-se abençoado por DEUS pelo fato de ser lembrado com tamanho amor e ternura pela comunidade cristã filipense. 4- Qual o exemplo da igreja filipense após o Pentecostes? ( ) A igreja de Filipos vivia a mesma dimensão de serviço da comunidade de Jerusalém nos dias de Pentecostes. ( ) A igreja de Filipos ouvira falar da comunidade de Jerusalém, mas eles fezeram muito mais do que eles em obras sociais. ( ) Com o seu exemplo, os filipenses nos ensinam que "tomar parte", ou "associar-se", nas tribulações de nossos irmãos é mostrar-se amorosamente recíproco. ( ) Devemos nos amar uns aos outros, pois assim também CRISTO nos amou. 5- Qual o padrão de amor para a Igreja? Complete: O amor dos filipenses para com o apóstolo Paulo mostra-nos que esse deve ser o ___________________________ de nosso cotidiano: a generosidade no _________________________ constitui-se em "______________________________ que agradam a DEUS" (Hb 13.16). II. REMINISCÊNCIA: O ATO DE DAR E RECEBER (4.15-17) 6- Por que Paulo não podia esquecer do amor que lhe demonstraram os crentes da igreja filipense? ( ) A igreja de Filipos o apoiou integralmente, pois possuía muita abastança. ( ) O versículo 15 destaca a generosidade dos crentes filipenses em relação a Paulo. ( ) Mesmo sendo uma igreja iniciante e pobre, assim que tomou conhecimento das necessidades do apóstolo, a comunidade de fé de Filipos o apoiou integralmente. ( ) Com isso, os filipenses tornaram-se cooperadores do apóstolo na expansão do Reino de DEUS até aos confins da terra. 7- O que é necessário para viver, segundo a declaração de Paulo no versículo 16, onde Paulo aplicava as ofertas recebidas e o que isso significa? ( ) As ofertas que Paulo recebia eram aplicadas integralmente na igreja de Roma. ( ) Enquanto o apóstolo estava em Tessalônica, a igreja em Filipos continuava a enviar-lhe "o necessário" à sua subsistência. ( ) No ato de "dar e receber", os filipenses participavam do ministério de Paulo, pois não tinham em mente os seus interesses, mas as urgências do Reino de DEUS. ( ) Paulo não se deixava cair na tentação do dinheiro. ( ) As ofertas que Paulo recebia eram aplicadas integralmente na Obra Missionária. ( ) O apóstolo bem sabia da relação perigosa que há entre o dinheiro e a religião. ( ) Tal atitude leva-nos a desenvolver uma consciência mais nítida quanto às demandas do Reino. ( ) Fujamos, pois, das armadilhas das riquezas deste mundo, pois, como disse o sábio Salomão, "quem ama o dinheiro, jamais dele se farta". 8- O que significa: "Não procuro dádivas"? ( ) No final de tudo, o autêntico despenseiro de CRISTO deve falar com verdade: "Não procuro favores"! ( ) Para o apóstolo, a oferta que lhe enviara a igreja em Filipos tinha um caráter espiritual, pois ele não andava a procura de "dádivas". ( ) Quem vive do ministério deve aprender este princípio áureo: o ministro de DEUS não pode e não deve permitir que o dinheiro o escravize. ( ) No final de tudo, o autêntico despenseiro de CRISTO deve falar com verdade: "Não procuro dádivas"! ( ) Sua real motivação tem de ser o benefício da igreja de CRISTO. Assim agia Paulo. ( ) Paulo dava oportunidade aos filipenses, a fim de que exercessem a generosidade, tornando-os seus cooperadores na expansão do Reino de DEUS. III. A OBLAÇÃO DE AMOR E SAUDAÇÕES FINAIS (4.18-23) 9- O que era a oblação no Antigo Testamento? ( ) A palavra "oblação" está relacionada à linguagem proveniente do sistema sacrifical Levítico. ( ) O termo remete-nos a estas expressões: "cheiro de suavidade" e "sacrifício agradável e aprazível". ( ) O termo remete-nos a estas expressões: "cheiro suave", "oferta de sangue" e "holocausto". ( ) E estas, por sua vez, estão relacionadas às "ofertas de consagração" a DEUS identificadas como "holocaustos", "oferta de manjares", oferta de libação e oferta pacífica. ( ) Portanto, quando falamos de oblação, referimo-nos a uma oferta sacrifical comestível - azeite, flor de farinha etc. Uma parte era queimada para memorial e a outra direcionada ao consumo dos sacerdotes. 10- De que maneira Paulo via a oblação e a generosidade dos filipenses? ( ) Assim, tendo em vista a generosidade praticada pelos filipenses, Paulo declara com plena convicção: "O meu DEUS, segundo as suas vitórias, suprirá todas as vossas dificuldades em glória, por CRISTO JESUS". ( ) Paulo encarava como verdadeira oblação a assistência que lhe ofereciam os filipenses. ( ) Tais ofertas eram-lhe como um "cheiro suave, como sacrifício agradável a DEUS". ( ) Assim, tendo em vista a generosidade praticada pelos filipenses, Paulo declara com plena convicção: "O meu DEUS, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por CRISTO JESUS". ( ) A expressão "o meu DEUS" aponta para aquEle que haveria de suprir não somente as suas necessidades, como também as dos filipenses e também as nossas. Aleluia! 11- Segundo a Doxologia da carta aos filipenses, complete: Os versículos 20 a 23 trazem a ______________________________ final do apóstolo à igreja em Filipos. E, como podemos observar, Paulo não poderia concluir a sua carta de forma mais adequada: "A ________________________ de nosso Senhor JESUS CRISTO seja com vós todos. Amém!" (v.23). Ele denota, assim, que todo o enfoque da carta é __________________________________, e que nós, seus seguidores, temos de nos lembrar e viver por sua graça, pois "DEUS estava em CRISTO _____________________________________ consigo o mundo, não lhes imputando os seus _______________________________". CONCLUSÃO 12- Complete: Após estudarmos esta tão rica epístola, o nosso desejo é que você ____________________________ cada vez mais o Senhor JESUS, e dedique-se a ser uma "____________________________ de amor" a Ele. O Senhor é o _________________________________ providenciado pelo Pai, a fim de reconciliar o mundo com DEUS. Exalte o Eterno, pois você foi ______________________________ com Ele em CRISTO JESUS. A exemplo da igreja em Filipos, não esqueça: "a alegria do Senhor é a vossa _______________________________" (Ne 8.10). RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm AJUDA CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal. VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD. Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal. O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS. Revista Ensinador Cristão - nº 55 - CPAD. Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD. GARNER, Paulo . Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo. STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD AS GRANDES DEFESAS DO CRISTIANISMO - CPAD - Jéfferson Magno Costa O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA – Edições Vida Nova – J. D. Douglas Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - Warren W . Wiersbe Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, João Rea - CPAD. Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD. 25 Maneiras de Valorizar as Pessoas - Autores: João C. Maxwell & Les Parrott, PH. D. - Editora: SEXTANTE Perdoando Para Viver - Autor: Wilson de Souza- Editora: MK Editora Filipenses - A Humildade de CRISTO Como Exemplo Para a Igreja - Elienai Cabral - Livro tema do trimestre Filipenses - Introdução e comentário - Ralph P. Martin - Série Cultura Bíblica - Editora Vida Filipenses_Hendriksen (1)