sexta-feira, 22 de setembro de 2017

1000 Curas - 205 Curas aqui, Pr Henrique, Cruzada de milagres, Florida I...

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

ESCRITA - Lição 13, Sobre a Família e a sua Natureza, 3Tr17, Pr. Henrique, EBD NA TV

Lição 13, Sobre a Família e a sua Natureza
3º Trimestre de 2017 - Título: A Razão da Nossa Fé: Assim Cremos, assim Vivemos
Comentarista: Pr. Pres. Esequias Soares, Assembleia de DEUS, Jundiaí, SP
Complementos, ilustrações e vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152-0454
Ajuda
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao1-fcs21-2tr13-familia-criacaodedeus.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao2-fcs21-2tr13-ocasamentobiblico.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao3-fcs21-2tr13-asbasesdocasamentocristao.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao6-fcs21-2tr13-ainfidelidadeconjugal.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao7-fcs21-2tr13-odivorcio.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao8-fcs21-2tr13-educacaocrista-responsabilidade.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao9-fcs21-2tr13-afamiliaeasexualidade.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao10-fcs21-2tr13-anecessidadedocultodomestico.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao13-fcs21-2tr13-eueminhacasaserviremosaosenhor.htm
 
Figuras da lição - https://ebdnatv.blogspot.com/2017/09/figuras-licao-13-sobre-familia-e-sua.html
 
 
TEXTO ÁUREO"Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne." (Gn 2.24).
 

VERDADE PRÁTICAO casamento foi instituído por DEUS e ratificado por nosso Senhor JESUS CRISTO como união entre um homem e uma mulher, nascidos macho e fêmea.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 1.27 DEUS criou a espécie humana
Terça - Gn 2.18 DEUS não criou o homem para viver na solidão
Quarta - Mt 19.4-6 O casamento deve ser entre um homem e uma mulher
Quinta - Js 24.15 Minha casa e eu servimos ao Senhor
Sexta - Sl 128.1-4 O segredo de uma família
Sábado - Ef 5.31-33 A sacralidade da família
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Gênesis 2.18-24
18 - E disse o SENHOR DEUS: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele. 19 - Havendo, pois, o SENHOR DEUS formado da terra todo animal do campo e toda ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. 20 - E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo animal do campo; mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele. 21 - Então, o SENHOR DEUS fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar. 22 - E da costela que o SENHOR DEUS tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão. 23 - E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. 24 - Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.
 
OBJETIVO GERALApresentar o ensinamento bíblico sobre a origem e o propósito da família.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Mostrar a formação do ser humano;
Explicar a origem da família e o papel da mulher na sociedade israelita;
Especificar os princípios básicos da família;
Conscientizar os crentes acerca do desafio da Igreja hoje.
 
INTERAGINDO COM O PROFESSORA família tradicional é uma herança da civilização ocidental. O encontro entre o Cristianismo (ética judaico-cristã), a filosofia grega e o direito romano delineou e modernizou a mais antiga instituição que remonta a criação divina: a família. Há forças no mundo contemporâneo que têm interesses em desestabilizar o conceito tradicional de família, pois fazendo isso, ataca o coração dos valores éticos do Ocidente, por consequência, a derrubada da fé cristã para colocar em seu lugar uma ideologia que todos sabemos no que dará. Quando alguém afirma que a masculinidade e a feminilidade não são naturais (ignorando até a própria biologia), mas construída socialmente ao longo da história, é isso que está em jogo. Nunca houve na história do mundo um ataque tão frontal aos fundamentos da família. Um assunto urgente que merece nossa atenção e estudo!

PONTO CENTRAL
O casamento entre um homem e uma mulher foi instituido por DEUS.
 
Resumo da Lição 13, Sobre a Família e a sua Natureza
I - A ORIGEM
1. O homem e a mulher.
2. A formação da mulher.
II - A FAMÍLIA
1. Conceito de família entre os antigos hebreus.
2. O papel da mulher na sociedade israelita.
III - PRINCÍPIOS BÁSICOS
1. Casamento.
2. Monogamia.
3. Heterossexualidade.
4. Indissolubilidade.
IV - O DESAFIO DA IGREJA
1. Institucionalização da iniquidade.
2. A inversão de valores.

SÍNTESE DO TÓPICO I - A origem da família remonta a criação do homem e da mulher como a base da formação familiar.
SÍNTESE DO TÓPICO II - A família nuclear constitui-se de pai, mãe e seus filhos, onde homem e mulher exercem funções distintas.
SÍNTESE DO TÓPICO III - Os princípios básicos da família são o casamento monogâmico, sua indissolubilidade e a heterossexualidade.
SÍNTESE DO TÓPICO IV - A Igreja de CRISTO está diante da institucionalização da iniquidade e da inversão de valores. O desafio é urgente!
 
PARA REFLETIR - A respeito da família e sua natureza, responda:
O que aconteceu quando DEUS criou o primeiro casal, Adão e Eva? 
No relato da criação, ambos aparecem juntos, mostrando a igualdade ontológica do homem e da mulher.
Qual a ideia de ajudadora "como diante dele"? O termo "adjutora" quer dizer "auxiliadora", conforme vemos na Almeida Revista e Atualizada e "ajudadora", de acordo com o que registra a Tradução Brasileira. Isso não inferioriza a mulher, pois os termos "auxiliador" ou "ajudador" devem ser entendidos à luz do contexto. O termo hebraico, kenegdó, "como diante dele", tem a ideia de "igual e adequado".
Quais os três princípios básicos apresentados em Gênesis 2.24? Monogamia (1 Co 7.2), heterossexualidade (Gn 4.1,25) e indissolubilidade (Mt 19.6).
O que visa a diferenciação dos sexos? Visa a conservação dos seres humanos na terra: "[...] macho e fêmea os criou. E DEUS os abençoou e DEUS lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra" (Gn 1.27,28). Quando DEUS formou a mulher da costela de Adão, a Bíblia afirma: "[...] deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher" (Gn 2.24). Isso mostra que a diferenciação dos sexos assegura as particularidades de cada um na união conjugal, postura necessária à formação do casal.
Onde encontramos no Novo Testamento a denúncia contra a inversão de valores? O apóstolo Paulo denunciou a inversão de valores, dizendo que "mudaram a verdade de DEUS em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém!" (Rm 1.25; ARA).
 
CONSULTE - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 71, p42.
 
 
Comentários sofre Família do  2º Trimestre de 2013 - CPAD - A FAMÍLIA CRISTÃ NO SÉCULO 21 - Protegendo seu lar dos ataques do inimigo.
Comentário: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
 
LIÇÃO 1, FAMÍLIA, CRIAÇÃO DE DEUS
E disse o Senhor DEUS:  Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele" (Gn  2.18).
A família é  uma instituição divina. Ela é a base da  vida social.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Gênesis 2.18-24
18 E disse o SENHOR DEUS: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele. 19 Havendo, pois, o SENHOR DEUS formado da terra todo animal do campo e toda ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. 20 E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo animal do campo; mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele. 21 Então, o SENHOR DEUS fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar. 22 E da costela que o SENHOR DEUS tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão. 23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. 24 Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.
 
PALAVRA-CHAVE – FAMÍLIA – Grupo de pessoas ligadas por casamento, filiação ou adoção.
 
 
ORIGEM DIVINA PAI - MÃE - FILHOS
A família é uma instituição divina. Ela é tão importante, que foi criada antes da Igreja, antes do Estado, antes da nação. DEUS não fez o homem para viver na solidão. Quando acabou de criar o homem, Adão, o Senhor disse: "Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma adjutora, que esteja como diante dele" (Gn 2.18). DEUS tinha em mente a constituição da família, mas esta não está completa só com o casal. Por isso, o Senhor previu a procriação, dizendo: "Crescei e multiplicai-vos e enchei a terra (Gn 1.27-28). Fica mais clara a origem da família, quando lemos: "Portanto, deixará o homem seu pai e e sua mãe e se unirá à sua mulher e serão ambos uma só carne" (Gn 2.24). "O homem" aí é o filho, nascido de pai e mãe. DEUS fez a família para que o homem não vivesse na solidão (Sl 68.6; 113.9).

 

Sete princípios do casamento bíblico  
 
Sete razões para o casamento
1
  Sua origem divina. (Gn 2.24)
  Só, o homem é incompleto. (Gn 2.18)
2  
  Sua santidade. (Hb 13.4)
2 
  Cumprir o plano divino. (Gn 2.24)
3  
  Sua indissolubilidade. (Mt 19.6)
  Gerar filhos. (Gn 1.28)
4  
  Sua monogamia. (I Co 7.2)
  Evitar a prostituição. (I Co 7.2)
5  
  Sua heterossexualidade. (Gn 1.27; 2.24)
  Será base da Nação. (Sl 144.12-15)
6  
  A submissão da esposa. (Ef 5.22)
  Para glorificar a DEUS. (I Co 10.31)
7  
  O amor do marido. (Ef 5.23)
  Expressar o amor de DEUS. (Ct 8.7)
 
Gn 1.10 = E Viu DEUS Que Era Bom.
Gn 1.12 = E Viu DEUS Que Era Bom.
Gn 1.17 = E Viu DEUS Que Era Bom.
Gn 1.21 = E Viu DEUS Que Era Bom.
Gn 1.25 = E Viu DEUS Que Era Bom.
Gn 1.31 = E Viu DEUS Que Era Bom.
Gn 2.18 = Não è Bom Que o Homem Esteja Só.
 
"Disse o Senhor DEUS: Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma auxiliadora (ajudadora, complemento) que lhe seja idônea. Então o Senhor fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu (Não foi Adão Que Procurou Pela Mulher, DEUS É Que Lhe Deu, Ele Estava Dormindo Enquanto DEUS Trabalhava.); tomou uma de suas costelas, e fechou o lugar com carne (Não Pegou Da Cabeça, Para Que A Mulher Não Mandasse No Marido; Não Pegou Do Pé, Para Que O Homem Não Pisasse Nela). E disse o homem: Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne (Indica União, Mesma Essência.); chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada. Por isso deixará o homem pai e mãe, e se unirá à sua mulher (Deixar Aqui É Sob Três Aspectos: Geográfico, Financeiro E Emocional.) , tornando-se os dois uma só carne. Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus, e não se envergonhavam”(Quem trouxe a idéia de errado ou vergonhoso no sexo foi o pecado.) (Gn. 2:18-25.). Lembre-se De Que DEUS Fez Uma Eva Para Um Adão, Se DEUS Quisesse Que A Mulher Ou O Homem Fossem Polígamos Faria Diferente.
1 - Assim como DEUS fez de uma pessoa (Adão) duas pessoas (Eva), Ele quer fazer de duas pessoas uma (Gn. 2:24)).
2 - JESUS CRISTO escolheu o casamento para representar o seu relacionamento com a Igreja (Ef. 5:22-32 I Pe. 3:7).
3 - DEUS escolhe a família para trabalhar com o homem.
4 - DEUS previa que o homem não conseguiria viver só, ou seja, não é auto-suficiente, por isso preparou-lhe uma auxiliadora, que lhe fosse idônea (Gn. 2:18 - ARA - esta palavra idônea traduzida do hebraico significa adequada, ou seja, uma mulher que iria se adequar a Adão, além de ser uma mulher respeitável e digna, uma auxiliadora).
5 - O homem e a mulher ao casarem-se devem deixar pai e mãe (Gn 2:24), ou seja, devem desvencilhar-se de tudo que possa impedir a comunhão perfeita entre o casal, tudo que seja obstáculo deve ser removido. Nada pode estar entre, ou separando o casal: seus familiares, preferências pessoais, trabalho, interesses, egoísmo, etc.
6 - O relacionamento entre o casal é um eterno crescimento, este processo de unidade entre marido e mulher é que vai dar estabilidade à família, vai estabelecer o respeito dos filhos pelos pais. Se o casal está dividido a autoridade é minada e enfraquecida (a casa dividida contra sí mesma cairá - Lc. 1:17).
7 - DEUS quer que o casal seja unido a tal ponto que não haja brecha entre eles para Satanás operar.
8 - O segredo para um casamento feliz é a presença de JESUS no casamento (... "O cordão de três dobras não se arrebenta com facilidade” Ec. 4:12 - JESUS é a terceira dobra ou nó que vai dar sustentação, solidez e garantia de permanência do casamento).
9 - Em Gn. 2:25 diz:... O homem e a mulher estavam nus, e não se envergonhavam:...
Que tipo de relacionamento era este:
a - Era uma relação onde não havia ódio, rancor, mágoa, ressentimento, amargura.
b - Era uma relação onde não havia medo, não havia ameaças, disputa pela liderança ou poder no relacionamento. Numa relação de medo não pode haver uma plena comunhão.
c - Era uma relação onde não havia culpa - A culpa e o medo andam juntos; o medo apareceu pela primeira vez depois que o homem e a mulher pecaram. (Gn. 2:6-10).
Qual é o tipo de amor que deve existir entre marido e mulher?
Existem quatro formas de amor (traduzido do grego):
1 - Eros: deus da sensualidade: amor físico e sexual (começa sempre com os olhos), donde surgem as palavras eróticas, erotismo. Ex: Filmes e revistas pornográficas (eróticas). Deve haver atração física entre o casal, mas não sensualidade.
2 - Phileo: é o amor ao próximo; é o amor filantrópico (filantrópico vem da palavra "phileo"); amor humanitário, altruísta, cívico e comunitário - Lc. 7:34. Deve haver amor de irmãos entre o casal, lembrando que a esposa é irmã em CRISTO e companheira de salvação..
3 - Storge: amor familiar, amor romântico, amor conjugal. Ex: Amor entre esposo e esposa, pai e filhos, etc. Deve haver amor romântico entre o casal, não se esquecendo que uma rosa ou um presente pode mudar todo um relacionamento. A mulher dá muito valor às lembranças de datas como casamento, aniversário, dia que se conheceram, etc...
4 - Ágape: Amor Divino. É o amor de DEUS derramado em nossos corações (Rm 5:5, I Jo. 4:8). É um amor que não conhece limites, é o amor desinteressado, que dá sem esperar recompensa - I Co. 13:4-7.
Este é o tipo de amor que deve existir entre marido e mulher. É o amor perfeito. Busquemos com fé e oração este amor!
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/familia.htm 
 
A vontade de DEUS sobre o casamento aplica-se a todos? 
A história se repete muitas vezes: “Éramos jovens descrentes. Não sabíamos nada sobre a Bíblia. O casamento não deu certo. Agora quero casar de novo, e tenho certeza que DEUS quer a minha felicidade e abençoará o novo casamento.”
Este raciocínio, muito difundido hoje em diversas igrejas, procura uma maneira de “anular” casamentos do passado e justificar novos. Sugere que a vontade de DEUS sobre o casamento aplica-se aos cristãos, mas que os descrentes, na sua ignorância, não são sujeitos aos mesmos princípios.
Alguns religiosos chegam a negar a validade de qualquer casamento não feito na igreja. É isso que a Bíblia diz? Observemos alguns fatos importantes:
O casamento existiu bem antes da igreja ser edificada. Logo quando DEUS criou o primeiro casal, ele introduziu o casamento. A linguagem usada mostra que anunciou um princípio que aplicaria geralmente aos seres humanos, pois Adão não tinha e não deixou pai e mãe, mas DEUS disse: “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne” (Gênesis 2:24).
Mesmo depois de separar Abraão e seus descendentes para ser um povo escolhido, DEUS ainda reconheceu os casamentos de outros povos (Gênesis 20:17; Ester 5:10,14; 6:13; Isaías 13:16).
Antes de enviar os apóstolos para pregar ao mundo e antes de estabelecer a sua igreja, JESUS reforçou a validade da lei original do casamento: “Desde o princípio da criação, DEUS os fez homem e mulher.... Portanto, o que DEUS ajuntou não separe o homem” (Marcos 10:6-9).
Paulo disse que alguns dos coríntios eram adúlteros antes de se converterem (1 Coríntios 6:9-11). Se a lei de DEUS do casamento não se aplicasse aos descrentes, não seriam culpados de pecados contra o matrimônio (adultério).
A Bíblia não fala nenhuma vez de casamento “na igreja” e não atribui à igreja o papel de oficializar casamentos. A validade do casamento não depende da igreja. Duas pessoas descrentes que assumem o compromisso do casamento são, diante de DEUS, casadas. Se tiverem relações com outros, cometem adultério. Se chegarem a se divorciar, fazem isso contra a vontade de DEUS.
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque DEUS julgará os impuros e adúlteros” (Hebreus 13:4).
JESUS disse: “Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra, comete adultério” (Mateus 19:9). Qualquer raciocínio que despreza a santidade do casamento vem do homem, e não de DEUS.
 
Família na Atualidade e as tentações ao pecado:
Família tentada ao Pecado da parte da carne.
a) Tentação humana. A Bíblia nos diz que "não veio sobre vós tentação, senão humana" (1 Co 10.13). Neste texto, podemos entender que "tentação humana" quer dizer a que é própria da natureza carnal do homem (ver Rm 7.5-8; GI 5.13,19). Ela tem seu aspecto mal, pernicioso, incitador ao pecado. 
b) O significado da carne. A carne, é o "centro dos desejos pecaminosos" (Rm 13.14;GI5.16,24). Dela vem o pecado e suas paixões (Rm 7.5; GI5.17-21). Na carne não habita coisa boa (Rm 7.18). Devemos salientar que o termo carne, aqui, não se refere ao corpo, que não tem nada de mal em si mesmo, mas à natureza carnal, herdada de nossos pais. O corpo do crente é templo do ESPÍRITO SANTO ( 1 Co-6.19.20).
Família tentada ao Pecado da parte do mundo.
O mundo como fonte de tentação, não é o mundo físico, criado por DEUS. O Dicionário da Bíblia, de Davis, diz que "a palavra mundo emprega-se freqüentemente para designar os seus habitantes", como em Sl 9.8, Is 13.11 e Jo 3.16. 
O Dicionário Teológico (CPAD), referindo-se ao mundo, diz que "No campo da teologia, porém, é o sistema que se opõe de forma persistente e sistemática ao Reino de DEUS". João exorta a que não amemos "o mundo, nem o que no mundo há". "Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo" (1 Jo 2.15,16). Tudo isso é fonte de tentação. 
Família tentada ao Pecado da parte do Diabo.
 É a fonte mais cruel da tentação. Seu caráter é sempre destrutivo. 
a) JESUS foi tentado. 
É a fonte mais terrível e avassaladora da tentação. Dela, não escapou nem mesmo nosso Senhor JESUS CRISTO. Após o batismo em água, Ele foi conduzido "pelo ESPÍRITO para ser tentado pelo diabo" (Mt 4.1; Mc 1.13; Lc 4.2). Foi o único que não caiu em pecado (Hb 4.15). 
b) Homens de DEUS foram tentados. 
Homens de DEUS, do porte de Abraão, Sansão, Davi, e tantos outros, foram tentados pelo Adversário (Satanás) a fazerem o que não era da vontade de DEUS, com sérios prejuízos para suas vidas. 
c) Os homens comuns são tentados. 
Os homens são tentados a praticar toda espécie de males, crimes, violência, estupros, brigas,ciúmes, guerras, mentiras, calúnias, roubos, etc...
d) Os crentes são tentados. 
Até os crentes em JESUS são vítimas da ação do maligno, quando causam prejuízos a Igreja do Senhor, com escândalos, calúnias, invejas, divisões, rebeliões, busca pelo poder, politicagem religiosa e tantas outras coisas ruins.
 
SETE PASSOS PARA A VITÓRIA NA TENTAÇÃO 
1. Saber utilizar a Palavra de DEUS:
Nosso Senhor JESUS CRISTO, quando foi tentado, não deu chance ao Diabo para conversar muito com Ele. A cada insinuação do maligno, ele usava a "espada do ESPÍRITO, que é a Palavra de DEUS" (Ef 6.17b), dizendo: "Está escrito..." (Mt 4.4b, 7a, 10b). Por isso, é preciso ler a Bíblia, para usar a Palavra na hora certa. 
2. Através da oração. 
JESUS nos mandou orar sem cessar para não cairmos em tentação (Lc 22.40; 1Ts 5.17). A maioria dos crentes, hoje, não ora. Certo pregador disse:  "O Diabo ri da nossa sabedoria, zomba das nossas pregações, mas treme diante de nossas orações". 
3. Através da vigilância. 
JESUS enfatizou a importância da vigilância para não cairmos em tentação (cf. Mt 26.41a). 
4. Através da disciplina pessoal. 
Falando sobre o "atleta cristão", Paulo diz que "aquele que luta, de tudo se abstém" (I Co 9.25a). Em seguida, afirma: "Antes, subjugo meu corpo e o reduzo à servidão para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado" (I Co 9.27). Muitos caem. por exemplo, na tentação do sexo, porque não sabem controlar seus instintos. 
5. Resistindo ao Diabo. O inimigo sabe qual é o ponto fraco de cada crente (Tendão de Aquiles), Mas, com determinação e resistência, no ESPÍRITO, é possível ser vitorioso (cf. I Pe 5.8,9; Tg 5.17). José, jovem hebreu, mesmo pagando terrível preço, não se deixou vencer pelo pecado do adultério. Foi vencedor e exaltado por DEUS. 
6. Buscando a santificação. É preciso que o crente viva a separação (santificação) integral para DEUS (Hb 12.14; I Pe 1.15). 
7. Ocupando a mente com as coisas espirituais. 
Isso se consegue através da oração, jejum, estudo da Bíblia e leitura de bons livros; servindo, evangelizando, louvando, participando da obra do Senhor, santificando a mente, a vida e o corpo (ver 1 Ts 4.3-7). 
 
O Propósito de DEUS para a Família
"Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; Se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela" (Salmo 127:1).
DEUS nos criou e designou o casamento e a família como a mais fundamental das relações humanas. Em nosso mundo de hoje em dia, vemos famílias atormentadas pelo conflito e arrasadas pela negligência e o abuso. O divórcio tornou-se uma palavra comum, significando miséria e dureza para os múltiplos milhões de suas vítimas. Muitos homens jamais aprenderam a ser esposos e pais devotados. Muitas mulheres estão fugindo de seus papéis dados por DEUS. Pais que não têm nenhuma idéia de como preparar seus filhos estão assim perturbados pelo conflito com seus rebentos rebeldes. Outros simplesmente abandonam seu dever, deixando filhos sem qualquer preparação ou provisão.
Para muitas pessoas, hoje em dia, a frase familiar e confortadora "Lar, Doce Lar" não é mais do que uma ilusão vazia. Não há nada doce ou seguro num lar onde há o abuso, a traição e o abandono.
Haver  uma solução? Poderemos evitar tais tragédias em nossas famílias? Poderão os casais jovens manter o brilho do amor e do otimismo décadas depois de fazerem os votos no casamento? Haverá esperança de recuperação dos terríveis erros do passado?
A resposta para todas estas perguntas é SIM! As soluções raramente são fáceis. A construção de lares sólidos não acontece por pura sorte. Somente pelo retorno ao padrão de DEUS para nossas famílias poderemos começar a entender as grandes bênçãos que ele preparou para nós em lares construídos sobre a rocha sólida da sua palavra. Consideremos brevemente alguns princípios básicos ensinados na Bíblia sobre a família.
 
O Propósito Básico de DEUS para a Família
Quando temos dificuldade com a geladeira, entendemos que o fabricante, que escreveu o manual do usário, sabe mais sobre o aparelho do que nós. Lemos o manual para resolver o problema. Quando vemos tantos problemas nas famílias de hoje, só faz sentido que nosso Criador, que escreveu o "manual do usuário", sabe mais a respeito da família do que nós. Precisamos ler o manual para achar como construir e manter bons lares. Encontramos estas instruções na Bíblia. Ela nos guia em cada aspecto do serviço a ele, incluindo a realização de nossos papéis na família.
 
Casamento
A família começa com o casamento. Quando DEUS criou Adáo e Eva, ele revelou seu plano básico para o casamento: "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:24). Este plano é claro. Um homem ligado a uma mulher. Milhares de anos mais tarde, JESUS afirmou que este ainda é o plano de DEUS. Ele citou este versículo e acrescentou: "Portanto, o que DEUS ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6). Este casamento é uma relação para toda a vida. Somente a morte deve cortar este laço (Romanos 7:1-3).
DEUS aprovou as relações sexuais somente dentro do casamento. Não há nada de mal ou impuro sobre as relações sexuais dentro de um casamento aprovado por DEUS (Hebreus 13:4). Esposos e esposas têm a responsabilidade de satisfazer os desejos sexuais (dados por DEUS) aos seus companheiros (1 Coríntios 7:1-5).
Todas as outras relações sexuais são sempre e absolutamente erradas. Relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo são absolutamente proibidas por DEUS (Romanos 1:24-27; 1 Coríntios 6:9-11). DEUS não criou Adão e João. Ele fez uma mulher, Eva, como uma parceira apropriada para Adão. As relações sexuais antes do casamento, mesmo entre pessoas que pretendem se casar, são condenadas por DEUS (1 Coríntios 7:1-2, 8-9; Gálatas 5:19). As relações sexuais extra-conjugais são também claramente proibidas (Hebreus 13:4).
 
Filhos
Casais assim unidos diante de DEUS pelo casamento gozam o privilégio de terem filhos. DEUS ordenou a Adão e Eva e aos filhos de Noé que tivessem filhos (Gênesis 1:28; 9:1). Ainda que nem todas as pessoas tenham que se casar, e que nem todas terão filhos, é ainda o plano básico de DEUS que os filhos nasçam dentro de famílias, completas com pai e mãe (1 Timóteo 5:14). Em lugar nenhum da Bíblia encontramos autorização para uma mulher ter relações sexuais para conceber um filho, antes ou sem casamento. A paternidade solteira, que está se tornando moda em nossa sociedade moderna é um afastamento do plano de DEUS que terá  sérias conseqüências para as gerações vindouras.
 
Papéis Dados por DEUS Dentro da Família
Dentro desta estrutura do propósito Divino, consideremos os papéis que DEUS atribuiu aos homens, mulheres e filhos.
 
Homens: Esposos e Pais
A responsabilidade dos esposos é bem resumida em Efésios 5:25: "Maridos, amai vossa mulher, como também CRISTO amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela". O esposo tem que colocar as necessidades de sua esposa acima das suas próprias, mostrando devoção desprendida aos melhores interesses da "parte mais frágil" que necessita da sua proteção. Ele tem que trabalhar honestamente para prover as necessidades da família (2 Tessalonicenses 3:10-11; 1 Timóteo 5:8).
Os pais são especialmente instruídos por DEUS para preparar seus filhos na instrução e na disciplina do Senhor (Efésios 6:4). Este é um trabalho sério e, às vezes, difícil, mas com resultados eternos! Os espíritos de seus filhos existirão eternamente, ou na presença de DEUS ou separados dele. A maior meta de um pai para seus filhos deveria sempre ser a salvação eterna deles.
 
Mulheres: Esposas e Mães
Uma esposa tem um papel muito desafiador no plano de DEUS. Ela tem que complementar seu esposo como uma auxiliar submissa, que partilha com ele as experiências da vida. As pressões da sociedade moderna para rejeitar a autoridade masculina não obstante, a mulher devota aceita seu papel como aquela que é cuidadosamente submissa ao seu esposo (Efésios 5:22-24; 1 Pedro 3:1-2). As mulheres de hoje em dia que rejeitam este papel dado por DEUS estão na realidade difamando a palavra dele (Tito 2:5).
DEUS instrui as mulheres para mostrarem terna afeição aos seus esposos e filhos, e a serem honestas e fiéis donas de casa (Tito 2:4-5). Apesar dos esforços de algumas pessoas para desvalorizar o papel das mulheres que são dedicadas a suas famílias, DEUS tem em alta estima a mulher que é uma boa dona de casa e uma amorosa esposa e mãe. Tais mulheres devotas são também dignas de respeito e apreciação de seus esposos e filhos (Provérbios 31:11-12,28).
 
Filhos: Seguidores Obedientes
DEUS também definiu o papel dos filhos. Paulo revelou em Efésios 6:1-2 que os filhos deverão:
1. Obedecer a seus pais. DEUS colocou os pais nesta posição de autoridade e os filhos têm que respeitá-los. Muitas pessoas consideram a rebeldia de uma criança como uma parte comum e esperada do "crescimento", mas DEUS coloca-a na lista com outros terríveis pecados contra ele (2 Timóteo 3:2-5).
2. Honrar seus pais. Os pais que sustentam, instruem e preparam seus filhos devem ser honrados. JESUS mostrou que esta honra inclui prover as necessidades dos pais idosos (Mateus 15:3-6).
 
Lares Piedosos Nestes Dias?
É, freqüentemente, muito difícil corrigir anos ou mesmo gerações de erros. Mas está claro que o único modo pelo qual podemos esperar ter boas famílias construídas nos princípios divinos é voltar ao plano que DEUS tem revelado. Temos que estudar a Bíblia, aprender estes princípios, aplicá-los em nossas vidas, e ensiná-los aos nossos filhos e aos outros. Lembre-se, os benefícios serão eternos!
Você está construindo seu lar sobre a fundação da palavra de DEUS?
 
Compreender a  família no  plano divino.
Conscientizar-se das consequências da  Queda para as famílias.
Analisar a constituição familiar ao longo dos anos.
 
A FAMÍLIA NA ATUALIDADE
PRINCIPAIS DESAFIOS
COMO PODEMOS VENCÊ-LOS
DROGAS
AMOR DE DEUS EM NÓS
HOMOSSEXUALIDADE
AMOR DE DEUS EM NÓS
PROSTITUIÇÃO
AMOR DE DEUS EM NÓS
UNIÃO NO LAR E NA IGREJA
AMOR DE DEUS EM NÓS 
 
 
LIÇÃO 2 - O CASAMENTO BÍBLICO 
"Portanto, deixará o varão o seu  pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne"  (Gn 2.24). 
O casamento é uma instituição divina, sendo constituído pela união indissolúvel de um homem e de uma mulher: monogâmico e heterossexual.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Gênesis 1.27,31; 2.18,20-24
Gn 1.27 E criou DEUS o homem à sua imagem; à imagem de DEUS o criou; macho e fêmea os criou.
Gn 1.31 E viu DEUS tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom; e foi a tarde e a manhã: o dia sexto.
Gn 2.18 E disse o SENHOR DEUS: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja
como diante dele.
Gn 2.20 E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo animal do campo; mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele. 21 Então, o SENHOR DEUS fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar. 22 E da costela que o SENHOR DEUS tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão. 23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. 24 Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.
 
 
1.26 FAÇAMOS O HOMEM. Nos versículos 26-28 lemos a respeito da criação dos seres humanos; 2.4-25 supre pormenores mais específicos a respeito da sua criação e do seu meio-ambiente. Esses dois relatos se completam e ensinam várias coisas.
(1) Tanto o homem quanto a mulher foi uma criação especial de DEUS, não um produto da evolução (v. 27; Mt 19.4; Mc 10.6).
(2) O homem e a mulher, igualmente, foram criados à imagem e semelhança de DEUS. À base dessa imagem, podiam comunicar-se com DEUS, ter comunhão com Ele e expressar de modo incomparável o seu amor, glória e santidade. Eles fariam isso conhecendo a DEUS e obedecendo-o (2.15-17).
(a) Eles tinham semelhança moral com DEUS, pois não tinham pecado, eram santos, tinham sabedoria, um coração amoroso e o poder de decisão para fazer o que era certo (Ef 4.24). Viviam em comunhão pessoal com DEUS, que abrangia obediência moral (2.16,17) e plena comunhão. Quando Adão e Eva pecaram, sua semelhança moral com DEUS foi desvirtuada (6.5). Na redenção, os crentes devem ser renovados segundo a semelhança moral original (Ef 4.22-24; Cl 3.10).
(b) Adão e Eva possuíam semelhança natural com DEUS. Foram criados como seres pessoais tendo espírito, mente, emoções, autoconsciência e livre arbítrio (2.19,20; 3.6,7; 9.6).
(c) Em certo sentido, a constituição física do homem e da mulher retrata a imagem de DEUS, o que não ocorre no reino animal. DEUS pôs nos seres humanos a imagem pela qual Ele apareceria visivelmente a eles (18.1,2,22) e a forma que seu Filho um dia viria a ter (Lc 1.35; Fp 2.7; Hb 10.5).
(3) O fato de seres humanos terem sido feitos à imagem de DEUS não significa que são divinos. Foram criados segundo uma ordem inferior e dependentes de DEUS (Sl 8.5).
(4) Toda a vida humana provém inicialmente de Adão e Eva (Gn 3.20; At 17.26; Rm 5.12.
 
2.18 UMA ADJUTORA QUE ESTEJA COMO DIANTE DELE. A mulher foi criada para ser a amável companheira do homem e sua ajudadora. Daí, ela ser partícipe da responsabilidade de Adão e com ele cooperar no plano de DEUS para a vida dele e da família (ver Ef 5.22; Sl 33.20; 70.5; 115.9, onde o termo auxílio , referente a DEUS, tem o mesmo sentido que ajudadora, em 2.18).
 
Monogamia - grego μονογαμία - Casamento com uma só parceira(o). mono - 1
Bigamia - grego διγαμία - Casamento com duas parceiras(os). Bi - 2
Poligamia - grego πολυγαμία - Casamento com mais de duas parceiras(os). poli - mais de 2.
Casamento - grego γάμος - União conjugal entre um homem e uma mulher.
“Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula” (Hb 13.4-a).
União monogâmica (mono = um) + (gamós = casamento)
Heterossexual (Heteros = diferente) + (sexual = sexo)
O Senhor deixa claro que odeia o divórcio (Ml 2.16)
CRISTO e Sua noiva, a Igreja – Ef 5.31-32.
1 Coríntios 6.10 - Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de DEUS.
 
CASAMENTO BÍBLICO
- Na Bíblia aparece mais a palavra boda, do hebraico "hãtunnã" e do grego "gamos".
No Evangelho de Mateus, capítulo 25, CRISTO refere-se a um cortejo nupcial, ao mencionar as dez virgens da parábola que vão ao encontro do esposo. JESUS também participou das bodas de Caná, na Galiléia (Jo 2.1-3).
Entre os judeus, podia ser efetuado o casamento desde a idade núbil, isto é, desde os treze anos e um dia para os rapazes e doze anos e um dia para as meninas, porém o costume fixava a idade de dezoito anos. As viúvas ou repudiadas não podiam contrair novo matrimônio antes de se passarem três meses, depois da separação. Os esponsais tinham o mesmo valor legal que o matrimônio; esses esponsais duravam mais ou menos um ano, quando os noivos se comunicavam através de intermediários. Depois do período de noivado, havia a festa, que não trazia nenhuma cerimônia religiosa em si. No sábado seguinte ao início da festa do casamento, os novos esposos eram levados à sinagoga (no tempo do Novo Testamento) e o marido era convidado a fazer a leitura e a exposição de uma passagem bíblica. Depois, o mesmo cortejo que os trouxera à sinagoga levava-os para a casa deles (noivos). O novo casal desfrutava de certas regalias, durante um ano (Quando um homem for recém-casado não sairá à guerra, nem se lhe imporá encargo algum; por um ano inteiro ficará livre na sua casa para alegrar a mulher, que tomou.Dt 24.5).
Acerca dos direitos e deveres dos cônjuges, a esposa podia exigir do marido dez coisas, três das quais estão estipuladas na Lei: o alimento, o vestido e o dever conjugal (Êx 21.10) e as outras sete são prescritas pelos doutores: ajuda na enfermidade, resgate para a remissão do cativeiro, sepultura na morte, permanência ao lado do marido, casa na viuvez, comida para os filhos, uma parte da herança e o dote para os filhos. As obrigações da esposa são: o seu trabalho, sua presença habitual. etc.
Nos dias do Antigo Testamento, o casamento era negociado pelos pais dos noivos. O homem que desejasse uma esposa tinha de comprá-Ia, e o preço estabelecido, de acordo com o que se lê na Bíblia (Dt 22.29), era de cinquenta siclos de prata, cujo pagamento poderia ser feito em camelos, ovelhas ou em dinheiro. Esse pagamento era chamado "mon­har" .
Se o casamento fosse pacífico, não era tratado diretamente pelo noivo nem pela noiva. Os intermediários no trato do consórcio eram os amigos do noivo. O contato dos intermediários com a família da noiva exigia que estes "levassem presentes para a noiva e não podiam ir de mãos vazias. A noiva não tinha a menor interferência nas negociações de seu casamento com o noivo. Não tinha o direito de recusar o homem que lhe escolhessem para marido. Nos tempos do Novo Testamento, era permitido que as jovens de maior idade recusassem uma união que lhes desagradasse, mesmo que tivesse sido combinada pelos pais.
No contrato de casamento não estava a ação de qualquer mulher, nem mesmo da mãe da noiva. Todos os assuntos relacionados com o enlace eram realizados pelo pai da noiva e, na falta deste, pelo irmão mais velho; na falta do irmão, um amigo de confiança ou mesmo um servidor da casa poderia ser o intermediário. Em Gênesis 24, aparece Abraão dando instruções ao seu servo para procurar uma esposa para Isaque. O próprio Isaque desempenhou papel secundário. Convém lembrar que os casamentos desses dias distantes deviam realizar-se entre pessoas da mesma tribo; não se admitiam casamentos com estrangeiros.
Em certas épocas e lugares, o noivo não podia escolher qualquer moça para sua esposa. Se pretendesse casar-se com uma jovem de determinada família, somente podia fazê-Io com a irmã mais velha, quer fosse feia ou bonita, inteligente ou ignorante, dedicada ou desgovernada. Foi o que aconteceu a Jacó, quando pretendeu casar-se com a filha de Labão, fato que está registrado em Gênesis 29.26: "E disse Labão: Não se faz assim no nosso lugar, que a menor se dê antes da primogênita". Se o matrimônio envolvia pessoas de recursos, então a distribuição entre os pobres de vinho, azeite, figos e nozes fazia parte da cerimônia. Onde as manifestações e regozijo culminavam era no cortejo nupcial que consistia no acompanhamento da noiva da casa de seu pai até a casa do noivo. Desse desfile participavam os amigos dos noivos, as virgens e os mancebos, e todo o povo. O desfile era realizado à noite. Os integrantes do cortejo nupcial levavam lâmpadas que queimavam azeite. Essas lamparinas deviam ser abastecidas antes do desfile. A pressa ou a falta de cuidado dos servidores encarregados de encher de azeite as lamparinas, às vezes, causava embaraços e perturbações, pela falta de luz. Foi baseado nesse costume que JESUS CRISTO apresentou aos homens de seus dias a parábola das dez virgens que foram esperar o noivo, porém, as lâmpadas de algumas não tinham azeite, não estavam preparadas e, quando foram abastecer-se, o noivo apareceu e elas não puderam acompanhá-Io, perdendo o privilégio de recebê-lo.(Mt 25.10-12). Nenhuma pessoa podia aproximar-se do cortejo sem alguma espécie de luz; as luzes eram chamadas de "mesh-als"; a estopa ou farrapos de linho eram muito torcidos e colocados em certos vasos de metal, no topo de um pedaço de madeira. Às vezes, a lâmpada era levada numa das mãos, enquanto que na outra havia um vaso com azeite, para abastecê-Ia.
As bodas, ordinariamente, duravam sete dias (Gn 29.27; Jz 14.12). Os convidados das duas partes eram chamados de filhos das bodas (Mt 9.15). Havia os companheiros do noivo e as companheiras da noiva (Jz 14.10-18; SI 45.9,14,15). As amigas da noiva cantavam o "Epithalamium" ou cântico nupcial, à porta da noiva, antes do casamento. Todos os convidados da festa acompanhavam o noivo, na tarde do primeiro dia, da casa dos pais da noiva à casa do noivo, onde estava preparada a mesa do banquete e a câmara nupcial. Nessa hora a mãe já havia coroado o noivo com um turbante especial (Ct 3.11; Is 62.3).
A esposa era levada ao esposo coberta com um véu (Gn 24.65; 29.25). Enfeitada para o esposo, tendo um cinturão próprio do casamento (Jr 2.32), ela aguardava o esposo no quarto das mulheres, o tálamo nupcial (JI 2.16). Em grego, os noivos recebem o nome de "nymphios". Conde, Emílio, 1901-1971 - Tesouro de conhecimentos bíblicos / Emílio Conde. - 2' ed. ­Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de DEUS, 1983.
 
A Natureza do Casamento
1. O casamento faz parte da própria ordem da criação.
DEUS revelou ao homem que ele precisava de uma esposa (Gn 2.18) e que a esposa precisava de um marido (Gn. 3.16). Desde o começo, Ele criou a mulher para o homem e o homem para a mulher (Gn 1.26,27). Desde o início o homem entendeu que era vontade de DEUS que ele tivesse uma esposa. "Osso dos meus ossos e carne da minha carne" (Gn 2.23) e que deveria amá-la e cuidar dela como de si próprio. Paulo escreveu: “Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja" (Ef 5.28,29).
2. O casamento é um sacramento de sociedade.
No casamento, assim como na união sexual em particular, o homem e a mulher sentem prazer e fazem dele a demonstração exterior daquilo que é uma graça interior. ­Sacramentado por DEUS, (cf. 1 Tm 4,.3) ele representa a mais elevada expressão de afeto mútuo e a mais profunda comunhão humana, e por isso o próprio DEUS usou o casamento para expressar a incalculável profundidade de seu amor por nós.
3. O casamento é um pacto solene celebrado entre um homem e uma mulher dentro de uma perfeita liberdade, e através do qual prometem entre si o amor e a fidelidade, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na prosperidade e na adversidade enquanto viverem. De acordo com a visão de DEUS, ele somente termina com a morte ou então por causa de uma grave infidelidade ou separação de um cônjuge descrente (Mt 5.32; 19.9; Rm 7.2,3; 1 Co 7.15). Esse pacto deve ser celebrado apenas entre duas pessoas que compartilhem o mesmo espírito e fé, pois "que parte tem o fiel com o infiel?" (2 Co 6.14.15).
4. O casamento é uma vocação, um convite de DEUS para a demonstração a todo o mundo, da mais elevada forma de amor mútuo (Gn 2.23,24; Ef 5.21ss.). Também é a maneira correta de se gerar filhos (Gn 33.5; 48.4; Dt 28.4; Js 24.3,4; Sl 127.3), alimentá-los física e espiritualmente, e o ambiente mais propício para lhes ensinar a Palavra de DEUS (Dt 6.7-20; 11.18-21; Pv 22.6) e treiná-los para serem bons cidadãos (Pv 13.24; 19.18; 22.15; 28.13; 29.15,17).
 
Os Propósitos do Casamento
1. A propagação da raça humana.
É a forma Divina de desenvolver a espécie chamada humanidade. No caso dos seres angelicais, DEUS criou cada um deles individualmente, mas no caso da humanidade, Ele criou um homem e uma mulher e toda a raça humana descendeu desse primeiro casal. DEUS só poderia ter redimido separadamente cada anjo caído se CRISTO morresse individualmente por cada um deles, mas Ele pôde redimir a raça humana de Adão com uma única morte de CRISTO, pois Ele estaria representando a raça como um todo. É à luz desse fato que entendemos o significado de 1Coríntios 15.22: "Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em CRISTO".
DEUS preferiu gerar filhos espirituais que irão amá-lo por causa de sua soberana graça salvadora e trazer-lhes a vida através do relacionamento do casamento. Os aspectos sacramentais e da propagação da espécie do casamento ficam dessa forma reunidos e a geração dos filhos se torna um ato de santidade para a verdadeira glória de DEUS.
2. É a maneira de DEUS criar os filhos.
Filhos precisam de um lar, e de pais dentro deste lar. No lar eles recebem abrigo e alimento. Através da vida de seus pais eles aprendem o que significa o verdadeiro amor porque são o objeto do amor dos pais e porque veem o amor recíproco que existe entre eles. Somente através dos pais eles podem entender plenamente o profundo e duradouro amor conjugal e, dessa forma, ficam preparados para esperar e procurar um amor igual para si mesmos. É nesse ponto que a discórdia conjugal e os lares desfeitos exercem o efeito mais devastador sobre os filhos. O filho que nunca observou a demonstração de um verdadeiro amor em seu lar não está pronto para enfrentar sozinho a vida. DEUS também teve a intenção de que a demonstração de um verdadeiro amor entre país e filhos fosse a base para o entendimento do amor que Ele mesmo sentiu ao enviar o seu Filho para morrer pelos nossos pecados (cf.Ef 5.25-32).             
3. O casamento é a maneira de DEUS incutir nos filhos os princípios da justiça e da autoridade responsável:
Os pais devem tratar os filhos com paciência e justiça. (Ef 6.4; Cl 3.21) e lhes ensinar o que é justo e direito. Devem dar exemplo de responsabilidade e autoridade na divinamente ordenada economia do lar (cf. 1 Tm 3.4,5,12; Tt 1.6). O pai, como o cabeça da esposa e do lar, embora consultando plenamente sua esposa de uma forma realmente democrática, é o responsável por todas as decisões. Isso ensina a submissão à autoridade e um verdadeiro senso de responsabilidade (Ef 5.21-24).
4. O casamento é o meio pedagógico de DEUS ensinar aos filhos sobre Si mesmo.
DEUS se intitula nosso Pai e demonstra que o seu amor é tão maravilhoso como o amor de um bom pai (Sl 103.13; Jo 3.16), tão terno como o amor de uma boa mãe (Is 49.15; 66.13; Mt 23.37), tão íntimo como aquele que existe entre o marido e a esposa (Ef 5.25ss.). Desse modo, todo o relacionamento dentro do Casamento e da família transparece na demonstração e nos ensinos daquilo que DEUS é, da natureza do seu amor.
 
O lugar do Sexo
Embora o sexo tenha como objetivo estabelecido por DEUS gerar filhos para povoar a terra e assim indiretamente encher o céu com filhos renascidos em DEUS, ele também preenche importantes necessidades pessoais e familiares. O esposo necessita da esposa e a esposa necessita do marido, porque o homem é feito de tal maneira que as tensões da vida são aliviadas através do amor conjugal (1 Co 7.1-5). Ao mesmo tempo, nesse íntimo ato de amor são liberadas energias criativas tanto na vida do marido como da esposa.
Podemos observar melhor que DEUS fez o homem e a mulher para o verdadeiro prazer e um mútuo companheirismo em Cantares de Salomão, onde as intimidades do amor conjugal e do prazer estão descritas de uma forma maravilhosa e pura. No relacionamento sexual todo o amor é expresso através de atos e palavras e é consumado em comunhão e união. É uma expressão de amor que pode ser exercitada com apenas uma pessoa por causa de sua natureza santa. Cada um mantém a experiência de um profundo amor pelo outro e somente por essa pessoa. Nesse sentido, ele é o exemplo típico de um relacionamento exclusivo que deve existir individualmente entre cada cristão e seu Senhor, e no qual nenhuma outra pessoa ou deus pode ter a permissão de participar (Ex 20.3; cf. Ef 5.25ss.).
Um casamento baseado em uma vida sexual plena e estável é feliz e equilibrado, desde que esse aspecto da vida seja a expressão do mais profundo amor e não a mera satisfação de desejos carnais. Ele é de grande importância para os filhos (assim como para o marido e a esposa), porque vêem não só um casamento estável, como também seu encanto, pureza, beleza, e profunda satisfação. Os filhos, por sua vez, podem aprender que o sexo é uma dádiva divina e pode ser verdadeiramente belo e maravilhoso quando usado de acordo com as intenções de DEUS. Os cuidados que DEUS coloca no ato sexual permitem aos filhos aprender com pureza e se conservarem puros, mais tarde usando o sexo de acordo com os propósitos Divinos, vendo que a plena liberdade e alegria no casamento realmente veem quando se vive dentro do âmbito do sétimo mandamento (1 Ts 4.3-8; Hb 13.4).
 
Como DEUS Fala sobre o Casamento
Em primeiro lugar, DEUS usa o casamento como uma metáfora para expressar o relacionamento de CRISTO com a igreja, comparando CRISTO com o noivo e a igreja com a noiva (Ei 5.24-32; Ap 19.7-9). Tanto o crente individualmente como a igreja em geral, sempre são considerados no sentido de ser a noiva em relação a CRISTO (2 Co 11.2). A total submissão da virgem Maria à orientação e capacitação do ESPÍRITO SANTO quando disse, “Cumpra-se em mim segundo a tua palavra" (Lc 1:38), representa uma analogia com o relacionamento que deve existir entre o ESPÍRITO SANTO e o cristão. O fruto do ESPÍRITO deve ser introduzido e nascer na vida do crente (G15.22,23) assim como CRISTO foi formado pelo ESPÍRITO no ventre de Maria (Lc 1.42).
No Salmo 45, CRISTO é visto em toda a sua majestade e beleza juntamente com a sua Noiva Real, a igreja, para representar a pureza que DEUS deseja de seus filhos. A Noiva é grandemente desejada por causa de sua beleza (v. 11) tanto exterior como interior. Seus trajes são delicados e belos até o mais ínfimo detalhe.       .
 
Monogamia
Embora a poligamia fosse praticada durante algum tempo no AT, ela só era permitida como uma medida temporária. Ela negava o principio do marido e a esposa serem uma única carne (Gn 2.24; Mt 19.5), e levou a muitos problemas conjugais. Tanto Abraão como Jacó sofreram muitas tristezas por causa disso (Gn 21.9ss.; 30.1-24), e Davi e Salomão se desviaram por causa de suas esposas pagãs (2 Sm 5.13; 1 Rs 11.1-3). Somente através da monogamia é possível evitar o ciúme dentro da família e ilustrar corretamente o relacionamento de CRISTO com o crente (Ef 5.23ss.).
 
Casamento e Divórcio
O divórcio sempre representou um grave problema. O ensino de CRISTO é encontrado em Mateus 5.31,32; 19.3-9; Marcos 10.2-12; Lucas 16.18. Ele revelou que era somente por causa da dureza do coração dos homens que Moisés permitiu uma lei de divórcio e que isso poderia verdadeiramente levar ao adultério (Mt 19.8,9). O casamento só deve ser anulado por motivo de fornicação (Mt 5.31,32; 19.9). Isso significa que um divórcio somente deveria ser permitido quando houvesse uma relação sexual com outra pessoa que não fosse o cônjuge. Mesmo no caso de pessoas comprometidas na etapa do noivado, este deve ser rompido caso um dos dois cometa o ato de fornicação. CRISTO afirmou que o homem, assim como a mulher, podia cometer adultério se forçasse um divórcio injusto. Isso contrariava a opinião dos judeus que viam a mulher como a única culpada possível.
Embora exista uma diferença de opiniões, a maioria das igrejas considera que o divórcio pode ser permitido no caso de abandono voluntário. Se assim for, existem duas razões bíblicas: fornicação e adultério. Entretanto, as Escrituras aceitam que uma lei maior pode ser aplicada aos divorciados, isto é, a lei do perdão onde existe um verdadeiro arrependimento pelo pecado. Oséias perdoou e recebeu de volta a sua esposa adúltera porque a amava, assim corno DEUS está disposto a perdoar e receber de volta a sua adúltera nação de Israel (Os 2.1,2; 3.1ss.; 14.1-8).R.A.K.
 
Costumes e Cerimônias Matrimoniais
1. A escolha da noiva:
Na Bíblia não existe qualquer restrição relativa à idade mais apropriada para o casamento, mas parece certo que as jovens se casavam muito cedo (Pv 2.17; 5.18). Em Isaías 62.5, o jovem, ao se casar, recebe o nome de bahur, isto é, o melhor, um jovem robusto e decidido na flor de sua capacidade física (cf. 1 Sm 9.2; Is 40.30; Am 8.13); a virgem recebe o nome de b’tula, uma jovem atraente e sexualmente pronta para o casamento (cf. Jl 1.8; Jr 2.32). No Talmude, os rabinos estabeleceram 12 anos como idade mínima para as meninas e 13 para os meninos.
Por causa da forte intluência tribal e da unidade do clã na sociedade patriarcal, os pais consideravam seu dever e prerrogativa assegurar esposas para seus filhos (Gn 24.3; 38.6).
Normalmente, a noiva em perspectiva, assim como o noivo, simplesmente concordava com os arranjos feitos de acordo com os interesses da família e da lealdade à tribo. Não é de admirar que muitas vezes os pais procurassem o casamento entre primos em primeiro grau, como por exemplo, no caso de Rebeca e Isaque. O casamento com mulheres estrangeiras era desaconselhado (Gn 24.3; 26.34,35; 27 .46; 8.8) e mais tarde foi totalmente proibido (Ex 34.16; Dt 7.3; Ed 10.2,3,10,11) pelo perigo de uma volta à prática da idolatria das demais nações. Casamentos mistos eram tolerados apenas no caso dos exilados (por exemplo, José, Gn 41.45; Moisés, Ex 2.21) e dos reis apenas por razões políticas.
Por outro lado, havia em Israel a oportunidade para casamentos baseados no namoro. O jovem podia declarar a sua preferência (Gn 34.4; Jz 14.2). Por exemplo, Mical se apaixonou por Davi (1 Sm 18.20). Na época do AT as mulheres não eram mantidas como reclusas, como nos países muçulmanos, e podiam sair às ruas com o rosto descoberto (cf. 1 Sm 1.13). Elas cuidavam das ovelhas (Gn 29.6; Ex 2.16), carregavam água (Gn 24.13; 1 Sm 9.11), colhiam nos campos (Rt 2.3) e visitavam outros lares (Gn 34.1). Dessa maneira., os jovens tinham a liberdade de procurar a futura noiva sozinhos.
2. O noivado:
A escolha da noiva era seguida pelo noivado (q.v.), que era um procedimento formal onde havia um compromisso maior do que no noivado de nossos dias. Os homens que iam se casar com as filhas de Ló já eram considerados como seus genros (Gn 19.14). Um homem que estava noivo era dispensado do serviço militar para poder tomar (isto é, casar-se com) sua esposa e viver com ela em sua casa durante um ano (Dt 20.7; 24.5). Qualquer imoralidade sexual com uma jovem noiva era um crime tão grave quanto o adultério (Dt 22.22-27). Inscrições encontradas no Oriente Próximo também indicam que o noivado era um costume reconhecido, que tinha consequências legais muito definidas.
Geralmente, o noivado era realizado por um amigo ou representante legal da parte do noivo (1 Sm 25.39ss.). E, no caso da noiva, por seus pais. Era confirmado através de juramentos (Em 1 Sm 18.21b lemos: “Serás hoje meu genro”. Nessa ocasião era discutida a quantia do “dote” (em hebraico mohar - Dote) com os pais da jovem, e era pago imediatamente à família da moça se a moeda corrente fosse o meio de compensação.
Tanto na antiga Mesopotâmia como em Israel o casamento era um simples contrato civil sem qualquer formalização através de uma cerimônia religiosa. Embora o AT não faça uma menção especifica sobre a existência de um contrato de casamento por escrito, tais contratos estavam estipulados no Código de Hamurabi. Existem vários contratos de casamento entre os papiros encontrados na colônia judaica de Elefantine, do século V a.C., e essa prática é mencionada no Livro de Tobias (Tob 7.13). Os Talmudistas do Mishna chamam esse contrato de ketuba e dão minuciosas instruções sobre como usar e guardar o mohar. O termo "concerto" ou "aliança" (berit) em Provérbios 2.17 e Malaquias 2.14 podem estar fazendo alusão a um contrato por escrito.
3. Cerimônia de casamento:
A essência da cerimônia do casamento ou das festividades era o ato de retirar a noiva da casa do pai e trazê-la para a casa do noivo ou de seu pai. Dessa forma, havia uma verdade literal na expressão hebraica "tomar" uma esposa (por exemplo, Gn 4.19; 12.19; 24.67;38.2; Nm 12.1; 1 Sm 25.39-42; 1 Rs 3.1; 1 Cr 2.21).
Vestindo um turbante imponente (Is 61.10) ou uma coroa nupcial (Ct 8.11) como um ornamento, o noivo partia de sua casa acompanhado por seus amigos (Jo 3.29) ou ajudantes (Mt 9.15) tocando tamborins e também podendo ser acompanhado por uma banda (1 Mac 9.39). Como a procissão nupcial geralmente se realizava à noite (Ct 3.6-11), muitos portavam tochas ou lanternas (Mt 25.1-8). A alegria e a felicidade (Jr 7.34; 16.9; 25.10; Ap 18.22ss.) anunciavam sua aproximação à população local que ficava aguardando à porta das casas que ficavam à beira do caminho até a casa da noiva e também quando regressavam à casa do noivo (Mt 25.5,6).
A noiva aguardava lindamente vestida e adornada com joias (Sl 45.13ss.; Is 61.10; Ap 19.8). Para essa ocasião especial ela usava um véu (Gn 24.65; Ct 4.1,3; 6.7), que somente poderia retirar quanto estivesse sozinha com seu esposo, no escuro, na câmara nupcial (cf. Gn 29.23-25).
O noivo conduzia todos os convidados ao casamento, agora com a presença da esposa e seus acompanhantes (Sl 45.14b), até a casa de seu pai para a "ceia das bodas" (Ap 19.9). Todos os amigos e vizinhos eram convidados à festa do casamento (Gn 29.22; Mt 22.3-10; Lc 14.8; Jo 2.2) que era normalmente oferecida pelo pai do noivo (Mt 22.2). Recusar o convite para uma dessas festas representava uma grave ofensa (Mt 22.5; Lc 14.16-21). Geralmente, as festividades duravam uma semana (Gn 29.27ss.; Jz 14.10-12,17), mas o casamento era consumado na primeira noite (Gn 29.23). O anfitrião presenteava os convidados com vestes apropriadas (Mt 22.11); jogos e outras formas de diversão acrescentavam mais alegria à festividade (Jz 14.12-18). O último ato da cerimônia era conduzir a noiva à câmara nupcial (em hebraico, heder, Jz 15.1; Ct 1.4; Jl 2.16). Nesse quarto havia sido preparado um dossel (em hebraico, huppa, Salmo 19.5, “tálamo”; Joel 2.16, um "aposento particular'" ou “recâmara”) sobre o leito ou cama nupcial (Ct 1.16). Em seguida, o noivo “entrava à noiva” (Gn 16.2; 30.3; 38.8) e o lençol manchado de sangue, dessa noite de casamento, era guardado como uma prova da virgindade da noiva (Dt 22.13-21).
4. Estado civil:

Em Israel, o estado civil do esposo era revelado pelo fato de que em hebraico ele é chamado de ba'al, o mestre ou senhor de sua esposa (Ex 21.22; Dt 21.13; 22.22; 2 Sm 11.26; Pv 12.4; 31.11,23,28). Isso traz a possibilidade de uma dupla interpretação para a profecia de Oséias 2.16, "E acontecerá naquele dia, diz o Senhor, que me chamarás ‘Meu marido’ e não me chamarás mais ‘Meu Baal”. O fato da esposa aceitar o papel de dependente do marido pode ser visto quando Sara se dirige ao esposo Abraão como “meu senhor” ('adoni, Gn 18.12; 1 Pe 3.6). Dicionário Bíblico Wycliff – Charles F. Pfiffer, Howard F. Vos, John Rea.


 
 
PALAVRA-CHAVE: casamento - é a união legítima entre um homeme e uma mulher.
 
I. O PRINCÍPIO DA MONOGAMIA 
1. Monogamia X Bigamia. DEUS instituiu o casamento monogâmico, ou seja, um homem e uma mulher.
Bigamia - Um homem casado com duas mulheres. Bigâmicos famosos na Bíblia - Lameque, Esaú, Jacó (que pode ser considerado poligâmico), Elcana.
2. A poligamia torna-se comum. O pecado se alastrou e vemos casos como o de Jacó, Davi, Salomão, Gideão e outros reis de israel. Isaque foi grande exemplo de monogamia. Abraão (Gn 16.1-9; 21.8-14); Jacó (Gn 30.1-24; 37.1-4, 17-36); Gideão (Jz 8:29-9:57); Davi (2 Sm 11; 13); Salomão (l Rs 11:1-11).
3. Em o Novo Testamento. Aqui já se tem quase que total conhecimento da monogamia como sendo o desejo de DEUS.
a) Uma esposa e um marido. JESUS (Mt 19.4) e Paulo ensina sobre casamento monogâmico.
b) A harmonia conjugal. Cada um deve ter a sua própria mulher e esta o seu próprio marido (1 Co 7.1,2)
c) A monogamia na liderança cristã. Todos os líderes devem ser exemplo para os fiéis - (1 Tm 3.2, 12)
II. O PRINCÍPIO DA HETEROSSEXUALIDADE 
1. "Macho e fêmea os criou". DEUS criou uma Eva para Adão e não um Ivo.
2. "E se unirá à sua mulher". A bíblia proíbe a prática do homossexualismo, quer masculino, quer feminino. (Dt 23.17; Lv 18:22; 20:13., Rm 1.27 e 1 Co 6.10)
III. A INDISSOLUBILIDADE DO  CASAMENTO 
1. Uma só carne. A união é de corpo, alma e espírito - Física, sentimental e espiritual - essa é a vontade de DEUS.
2. A porta de entrada para o divórcio. Se não houver perdão e o amor no casamento junto com o temor a DEUS esse casamento estará com as portas abertas ao divórcio não autorizado por DEUS.
.
 
LIÇÃO 3, AS BASES DO CASAMENTO CRISTÃO
"Vós, maridos, amai vossa mulher, como também CRISTO amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela" (Ef 5.25). 
O casamento cristão tem de ser edificado tendo como base o amor a DEUS e ao próximo. Sem amor não há casamento feliz.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Efésios 5.22-28,31,33
22 Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor; 23 porque o marido é a cabeça da mulher, como também CRISTO é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. 24 De sorte que, assim como a igreja está sujeita a CRISTO, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seu marido. 25 Vós, maridos, amai vossa mulher, como também CRISTO amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, 26 para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, 27 para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.
28 Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo.
31 Por isso, deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e serão dois numa carne.
33 Assim também vós, cada um em particular ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido.
 
 
Comentários BEP- CPAD
5.22 MULHERES, SUJEITAI-VOS.
A esposa tem a tarefa, dada por DEUS, de ajudar o marido e de submeter-se a ele (vv. 22-24). Seu dever para com o marido inclui:
- o amor (Tt 2.4), o respeito (v. 33; 1 Pe 3.1,2), a ajuda (Gn 2.18), a pureza (Tt 2.5; 1 Pe 3.2), a submissão (v. 22; 1 Pe 3.5), um espírito manso e quieto (1 Pe 3.4) e o ser uma boa mãe (Tt 2.4) e dona de casa (1 Tm 2.15; 5.14; Tt 2.5). A submissão da mulher ao marido é vista por DEUS como parte integrante da sua obediência a JESUS, "como ao Senhor" (v. 22; ver também Gl 3.28; 1 Tm 2.13,15; Tt 2.4).
 
5.23 MARIDO... CABEÇA.
DEUS estabeleceu a família como a unidade básica da sociedade. Toda família necessita de um dirigente. Por isso, DEUS atribuiu ao marido a responsabilidade de ser cabeça da esposa e família (vv. 23-33; 6.4). Sua chefia deve ser exercida com amor, mansidão e consideração pela esposa e família (vv. 25-30; 6.4). A responsabilidade do marido, que DEUS lhe deu, de ser "cabeça da mulher" (v. 23) inclui:
(1) provisão para as necessidades espirituais e domésticas da família (vv. 23,24; Gn 3.16-19; 1 Tm 5.8);
(2) o amor, a proteção, a segurança e o interesse pelo bem-estar dela, da mesma maneira que CRISTO ama a Igreja (vv. 25-33);
(3) honra, compreensão, apreço e consideração pela esposa (Cl 3.19; 1 Pe 3.7);
(4) lealdade e fidelidade totais na vivência conjugal (v. 31; Mt 5.27,28).
 
1 Timóteo - 2.15 SALVAR-SE-Á, PORÉM, DANDO À LUZ FILHOS.
A mulher é salva pela fé em DEUS, aceitando também o que lhe foi atribuído pelo seu Criador.
(1) A mais alta posição da mulher, e sua verdadeira dignidade, está no lar como esposa e mãe piedosa. Ela não poderá ter maior alegria, realização interior, bênção ou honra, do que a de tornar-se esposa e mãe cristã, dar à luz a filhos (5.14), amá-los (Tt 2.4) e criá-los para viverem para a glória de DEUS (cf. 2 Tm 1.5; 3.14,15), e continuar sempre fiel ao seu Salvador (v. 15b).
(2) A honra e a dignidade de ter filhos não deve ser desprezada pelos cristãos. Foi pelo ato de dar à luz a um Filho que Maria trouxe a salvação ao mundo (Gn 3.15; Mt 1.18-25).
(3) As sociedades, culturas e igrejas que comprometem ou rejeitam o propósito de DEUS para a mulher, rebaixando assim a família, o lar e a maternidade cristãos, sofrerão cada vez mais a desintegração dos seus casamentos, famílias e sociedades (ver 2 Tm 3.3).
(4) Essas palavras, dirigidas às mulheres cristãs, não visam rebaixar as solteiras, nem as estéreis. A fé, o amor e a santidade de tais mulheres podem ser tão grandes como entre aquelas que têm filhos (ver 1 Co 7.14)

1 Timóteo - 2.13 PRIMEIRO FOI FORMADO ADÃO.
O argumento bíblico sobre a responsabilidade do homem como chefe e líder espiritual no lar e na igreja (ver Ef 5.23), tem duas bases.
(1) Baseia-se no propósito de DEUS na criação. DEUS criou primeiro o homem, e assim revelou seu propósito do homem orientar e liderar a mulher e a família. A mulher foi criada depois do homem para ser companheira e adjutora dele, no cumprimento do plano de DEUS para a vida do casal (Gn 2.18; 1 Co 11.8,9; 14.34).
(2) Baseia-se, também, nas conseqüências desastrosas suscitadas quando o homem e a mulher abandonaram as atribuições que DEUS lhes dera no Jardim do Éden. Eva, ao agir como chefe, independente do seu marido, comeu do fruto proibido. Adão, ao negligenciar sua responsabilidade de liderança, sob a orientação de DEUS, consentiu na transgressão de Eva. Como resultado, ele também caiu, e trouxe pecado e morte à raça humana (v. 14; Gn 3.6,12; Rm 5.12)
 
1 Timóteo - 2.9 AS MULHERES SE ATAVIEM EM TRAJE HONESTO, COM PUDOR E MODÉSTIA.
A vontade de DEUS é que as mulheres cristãs cuidem de se vestir com modéstia e descrição.
(1) A palavra "pudor" (gr. aidos) subentende vergonha em exibir o corpo. Envolve a recusa de vestir-se de tal maneira que atraia atenção para o seu corpo e ultrapasse os limites da devida moderação. A fonte originária da modéstia acha-se no coração da pessoa, no seu âmago. Noutras palavras, modéstia é a manifestação externa de uma pureza interna.
(2) Vestir-se de modo imodesto para despertar desejos impuros nos outros é tão errado como o desejo imoral que isso provoca. Nenhuma atividade ou condição, justifica o uso de roupas imodestas que exponham o corpo de tal maneira que provoquem desejo imoral ou concupiscência em alguém (cf. Gl 5.13; Ef 4.27; Tt 2.11,12; ver Mt 5.28).
(3) É vergonhosa a situação de qualquer igreja que desconsidere o padrão bíblico para o modo modesto do vestir-se, e que adota passivamente os costumes do mundo. Nestes dias de liberação sexual, a igreja deve comportar-se e vestir-se de modo diferente da sociedade corrupta que repudia e ridiculariza a vontade do ESPÍRITO SANTO, i.e., que haja modéstia, pureza e moderação piedosa (cf. Rm 12.1,2).
 
2.4,5 MULHERES... AMAREM SEUS MARIDOS... FILHOS. DEUS tem um propósito específico para a mulher em relação à família, ao lar e à maternidade.
(1) O desejo e o propósito de DEUS para a esposa e mãe, é que a sua atenção e dedicação se focalizem na família. O lar, o marido e os filhos precisam ser o centro dos interesses da mãe cristã; essa é a maneira que DEUS lhe determinou para honrar a sua Palavra (cf. Dt 6.7; Pv. 31.27; 1 Tm 5.14),
(2) As tarefas específicas que DEUS deu à mulher, no que diz respeito à família, incluem:
(a) cuidar dos filhos que DEUS lhe confiou (v.4; 1 Tm 5.14) como um serviço para o Senhor (Sl 127.3; Mt 18.5; Lc 9.48); (b) ser a auxiliar e fiel companheira do seu marido (vv. 4,5; ver Gn 2.18); (c) ajudar o pai a formar nos filhos um caráter santo, e adestrá-los nas coisas práticas da vida (Dt 6.7; Pv 1.8,9; Cl 3.20); 1 Tm 5.10);
(d) ser hospitaleira (Is 58.5-8; Lc 14.12-14; 1 Tm 5.10);
(e) usar sua capacidade prática para atender às necessidades do lar (Pv 31.13,15,16,18,19,22,24); e
(f) cuidar dos pais idosos no seu lar (1 Tm 5.8; Tg 1.27).
(3) As mães que desejam cumprir o plano de DEUS para sua vida e para sua família, mas que, devido às necessidades econômicas, são obrigadas a ter um emprego em que trabalham longe dos filhos pequenos, devem confiar suas circunstâncias às mãos do Senhor, enquanto oram a DEUS por condições de ocupar o seu lugar e de cumprir as funções e a posição que DEUS lhe deu no lar com os seus filhos (Pv 3.5,6; ver também Ef 5.21-23; 1 Tm 5.3)
 
1 Pedro - 3.7 VÓS, MARIDOS. Pedro menciona três coisas que o marido deve cuidar em relação a sua esposa.
(1) Devem demonstrar consideração e compreensão, convivendo com a esposa com amor e em harmonia com a Palavra de DEUS (Ef 5.25-33; Cl 3.19).
(2) Devem demonstrar respeito como co-herdeiros da graça de DEUS e da salvação. Isso quer dizer que as esposas devem ser honradas, sustentadas, ajudadas e protegidas, de conformidade com as suas necessidades. "Mais fraco", por certo se refere às forças físicas da mulher. O marido deve elogiar e estimar grandemente a esposa, à medida que ela procura amá-lo e ajudá-lo, segundo a vontade de DEUS (vv. 1-6; ver Ef 5.23).
(3) Devem evitar qualquer tratamento injusto e impróprio para com elas. Pedro indica que o marido que não usa de compreensão com a sua esposa e que não a honra como uma irmã em CRISTO, prejudicará o seu relacionamento com DEUS, criando uma barreira entre suas orações e DEUS (cf. Cl 3.19).
 
Mateus - 5.28 ATENTAR NUMA MULHER PARA A COBIÇAR.
Trata-se de cobiça carnal, ou concupiscência (gr. epithumia). O que CRISTO condena aqui não é o pensamento repentino que Satanás pode colocar na mente de uma pessoa, nem um desejo impróprio que surge de repente. Trata-se, pelo contrário, de um pensamento ou desejo errado, aprovado pela nossa vontade. É um desejo imoral que a pessoa procurará realizar, caso surja a oportunidade. O desejo íntimo de prazer sexual ilícito, imaginado e não resistido, é pecado.
(1) O cristão deve tomar muito cuidado para não admirar cenas imorais como as de filmes e da literatura pornográfica (cf. 2 Tm 2.22; Tt 2.12; Tg 1.14; 1 Pe 2.11; 2 Pe 3.3; 1 Jo 2.15,16; 1 Co 6.18; Gl 5.19, 21; Cl 3.5; Ef 5.5; Hb 13.4).
(2) Quanto a manter a pureza sexual, a mulher, igualmente como o homem, tem responsabilidade. A mulher cristã deve tomar cuidado para não se vestir de modo a atrair a atenção para o seu corpo e deste modo originar tentação no homem e instigar a concupiscência. Vestir-se com imodéstia é pecado (1 Tm 2.9; 1 Pe 3.2,3).
 
 
RESUMO RÁPIDO.
I. A VONTADE DE DEUS PARA O CASAMENTO 
1. Um plano global.
Como povoar a terra sem sexo entre um homem e uma mulher. A semente está no homem e o desenvolvimento está na mulher - um depende do outro.
2. Os indicadores da vontade de DEUS.
A Paz de DEUS no coraçãocomportamento pessoalNaturalidade e princípios de santidade.
a) A Paz de DEUS no coração. Estar em paz com DEUS é se lembrar sempre de que DEUS sabe nossas intenções e desejos.
b) O comportamento pessoal. Vigiar nossos membros, colocando-os a serviço de DEUS. 
c) Naturalidade. Sentir prazer na companhia do outro(a) e sentir atração física pelo outro(a), não ter vergonha de apresentar o(a) outro(a) para as pessoas, principalmente para DEUS.
d) Os princípios de santidade. Namorar - relação externa, sem contato físico, conhecimento da alma. Noivado - relação interna, sem contato físico, conhecimento do espírito. Casamento - relação interna e externa, conhecimento da alma do espírito e do corpo - dois formam um - satisfação sexual igual a pelo menos 30% dessa relação.
II. O AMOR VERDADEIRO NO CASAMENTO 
1. O dever primordial do casal.
AMOR - Amor não é sexo, é dar a vida pelo outro(a).
2. O amor gera união plena.
AMOR implica em fazer de tudo pelo prazer do outro(a). O prazer sexual é necessário para os dois e não só para um.
III. A FIDELIDADE CONJUGAL 
1. Fator indispensável à estabilidade no casamento.
FIDELIDADE A DEUS - No casamento a fidelidade primeira é para com DEUS e não para com o(a) parceiro(a). O problema é que DEUS vê tudo e sabe de tudo.
2. Cuidado com os falsos padrões.
Padrões do mundo - (Namoro) Ficar - (Noivado) Experimentar para ver se dar certo - (Casamento) Contrato de casamento e divórcio.
O “ficar” é uma armadilha do Diabo - Não é de agora que os jovens usam o termo “ficar”. A expressão surgiu na década de 80, entre os adolescentes de 13 a 17 anos, que buscavam simplesmente o prazer sem qualquer perspectiva de compromisso. Ou seja, é um comportamento em que os jovens conversam, se beijam, se abraçam e até mantêm relação sexual, sem nenhuma responsabilidade pós-encontro. Não há nenhum vínculo emocional, afetivo, espiritual e, muito menos, trocas de endereço e telefone. O diabo utiliza vários métodos para levar o homem ou a mulher a uma relação sexual fora dos padrões de DEUS. Paulo adverte os irmão da igreja de Coríntios sobre este perigo da persuasão demoníaca escrevendo: “Não vos defraudeis uns aos outros” (I Co. 7:5). Defraudar é passar dos limites da intimidade com uma outra pessoa que não seja o seu cônjuge. O texto declara que o sexo é para ser desfrutado entre o homem e a mulher no contexto do casamento. E o ficar, conhecido antigamente como o arrocho, é uma fonte de excitação, em que beijos ardentes e carícias em partes íntimas são praticados. Dificilmente, um jovem conseguirá ter uma vida de santidade em um relacionamento passageiro, sem um peso de responsabilidade e compromisso.O tempo todo a televisão, o rádio, os jornais, as revistas, as músicas, as novelas e os filmes veiculam campanhas de incentivo ao sexo com o uso da camisinha. O importante não é ter relação sexual antes do casamento, mas sim a falta do preservativo. Com isso, os jovens estão absorvendo esta visão não cristã da sexualidade. É necessário influenciar mais e ser menos influenciado” - A intimidade física não é compatível nem no período do namoro e nem do noivado. Ela só deve acontecer, segundo a Palavra de DEUS, no contexto do casamento (<http://www.ib7.org/artigos/jovens-artigos/namoro-cristao-ficar-uma-atitude-nao-crista>).
Compreender qual é a verdadeira vontade divina para o casamento. 
Conscientizar-se da importância do amor mútuo e verdadeiro para se estabelecer uma família. 
Enfatizar a importância da fidelidade conjugal no casamento.  
 
PALAVRA-CHAVE - AMOR CONJUGAL - Amor entre os cônjuges.
 
LIÇÃO 4, A FAMÍLIA SOB ATAQUE
"Revesti-vos de toda a armadura de DEUS, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo" (Ef 6.11). 
Nestes últimos dias, somente a família que obedece a Palavra de DEUS conseguirá triunfar sobre as investidas de  Satanás.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Efésios 5.1-6 
1 Sede, pois, imitadores de DEUS, como filhos amados; 2 e andai em amor, como também CRISTO vos amou e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a DEUS, em cheiro suave. 3 Mas a prostituição e toda impureza ou avareza nem ainda se nomeiem entre vós, como convém a santos; 4 nem torpezas, nem parvoíces, nem chocarrices, que não convêm; mas, antes, ações de graças. 5 Porque bem sabeis isto: que nenhum fornicador, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no Reino de CRISTO e de DEUS. 6 Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por essas coisas vem a ira de DEUS sobre os filhos da desobediência.
 
5.5 BEM SABEIS ISTO. O apóstolo Paulo sabia, bem como os efésios, com certeza absoluta, que todos os indivíduos (quer dentro da igreja, quer fora dela), sendo imorais, impuros ou avarentos (i.e., amando as coisas do mundo mais do que a DEUS) estavam fora do reino de CRISTO. Os profetas do AT assim ensinaram com forte convicção (ver Jr 8.7; 23.17; Ez 13.10), bem como os apóstolos e a igreja do NT (ver 1 Co 6.9; Gl 5.21). Quem cometesse tais pecados evidenciava claramente que não era salvo; que não tinha vida em DEUS (ver Jo 8.42; 1 Jo 3.15).
5.6 ENGANO. Paulo sabia que alguns falsos mestres diriam aos efésios que não precisavam temer a ira de DEUS contra eles, por causa de sua imoralidade. Por isso, ele os admoesta: "Ninguém vos engane". Fica claro, aqui, que alguém pode ser enganado a ponto de crer que pessoas imorais e impuras têm herança no reino de CRISTO
 
Ef 5.11 E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas, antes, condenai-as.
5.11 OBRAS... DAS TREVAS. Aquele que é em tudo leal a CRISTO, não pode ser neutro, nem manter silêncio quanto às "obras infrutuosas das trevas" (v. 11) e à imoralidade (vv. 3-6). Deve sempre estar pronto a desmascarar, repreender e denunciar o mal em todas as suas formas. Bradar sinceramente contra toda a iniqüidade é odiar o pecado (Hb 1.9), tomar posição com DEUS, contra o mal (Sl 94.16) e permanecer fiel a CRISTO, o qual também denunciava as obras das trevas (Jo 7.7; Is 15.18-20; cf. Lc 22.28).
 
E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de DEUS.Rm 12.2
NÃO VOS CONFORMEIS COM ESTE MUNDO, MAS TRANSFORMAI-VOS. Paulo deixa subentender várias coisas neste versículo.
(1) Devemos reconhecer que o presente sistema mundano é mau (At 2.40; Gl 1.4), e que está sob o controle de Satanás (Jo 12.31; 1 Jo 5.19).
(2) Devemos resistir às formas prevalecentes e populares do proceder deste mundo e em lugar disso proclamar as verdades eternas e os padrões justos da Palavra de DEUS, por amor a CRISTO (1 Co 1.17-24).
(3) Devemos desprezar e aborrecer aquilo que é mau, amar aquilo que é justo (v. 9; 1 Jo 2.15-17) e não ceder aos vários tipos de mundanismo que rodeiam a igreja, tais como cobiça, egoísmo, oportunismo, conceitos humanistas, artifícios políticos visando ao poder, inveja, ódio, vingança, impureza, linguagem imunda, diversões ímpias, vestes imodestas e provocantes, imoralidade, drogas, bebidas alcoólicas e companhias mundanas.
(4) Devemos conformar nossa mente à maneira de DEUS pensar (1 Co 2.16; Fp 2.5), mediante a leitura da Palavra de DEUS e sua meditação (Sl 119.11,148; Jo 8.31,32; 15.7). Devemos permitir que nossos planos, alvos e aspirações sejam determinados pelas verdades celestiais e eternas e não por este presente século mau, profano e passageiro.
 
As leis são criadas para regulamentar uma prática já comum em meio à sociedade.
O pecado leva à transgressão das leis de DEUS e os homens normatizam a prática do pecado tornando-a legal para a sociedade, porém digna do juízo de DEUS.
Quem diria que veríamos o divórcio, não só aprovado, como praticado pelos nossos próprios líderes? Há 30 anos isso seria motivo de disciplina e afastamento do cargo para quem o praticasse ou apoiasse.
A igreja contemporânea tem feito vista grossa para namoros escandalosos, para casamentos de mulheres grávidas, para namoros de crentes com descrentes, para divórcios, para efeminados em seu meio até ocupando cargos importantes, tem tolerado e apoiado líderes que estão super comprometidos com a política partidária, com pagamentos excessivos a cantores e pregadores, apoiado shows pagos, etc... Não há limites e nem temor de DEUS para aqueles que querem ver suas igrejas cheias de supostos crentes.
Quando a própria igreja faz vista grossa ou apóia uma prática pecaminosa já não resta alternativa para a sociedade senão regulamentar essa prática.
 
OS PAIS QUEREM DE QUALQUER MANEIRA TRANSFERIR SUA RESPONSABILIDADE DE EDUCAR SEUS FILHOS
PARA O ESTADO OU PARA A IGREJA, MAS DEUS EXIGIRÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS DELES INDIVIDUALMENTE.
 
Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. Provérbios 22:6
22.6 INSTRUI O MENINO NO CAMINHO EM QUE DEVE ANDAR. Os pais devem comprometer-se a ensinar e disciplinar seus filhos de modo agradável a DEUS (cf. v. 15; 13.24; 19.18; 23.13,14; 29.17). (1) A palavra hebraica para "instruir" significa "dedicar". Assim sendo, o ensino bíblico no lar tem como propósito a dedicação dos nossos filhos a DEUS, o que é possível, separando-os das influências malignas deste mundo e instruindo-os nas coisas de DEUS. A mesma palavra original também pode significar "gostar de". Os pais devem, pois, motivar seus filhos a buscarem a DEUS, e assim desfrutarem de experiências espirituais que nunca se esquecerão. (2) "Não se desviará dele". O princípio geral é que uma criança devidamente ensinada pelos pais, nos caminhos do Senhor, não se afastará desses caminhos. Contudo, não se trata aqui de uma garantia absoluta de que todos os filhos de pais salvos permaneçam fiéis ao Senhor e à sua Palavra. Em meio a uma geração ímpia como a atual, em que até dentro das igrejas deparamos com infiéis, os filhos de crentes podem ser influenciados a ponto de pecarem e de cederem diante das tentações (ver Ez 14.14-20, onde DEUS fala de uma apostasia tão grande que até mesmo homens justos como Noé, Daniel e Jó não preservariam seus próprios filhos e filhas).
 
Ez 33.6 Mas, se, quando o atalaia vir que vem a espada, não tocar a trombeta, e não for avisado o povo; se a espada vier e levar uma vida dentre eles, este tal foi levado na sua iniqüidade, mas o seu sangue demandarei da mão do atalaia.
33.6 O SEU SANGUE DEMANDAREI DA MÃO DO ATALAIA. O atalaia que visse a destruição iminente e não advertisse o povo, seria culpado do sangue de quem morresse. (1) Semelhantemente, no reino de DEUS, o profeta ou pregador que não avisar uma igreja morna de que o juízo está à porta será considerado culpado do sangue dos membros da igreja. (2) Em grande parte, todos os crentes têm a responsabilidade de testemunhar aos perdidos e ajudar a cumprir a tarefa missionária entregue à igreja por JESUS (ver Mt 28.19 nota). Iremos prestar contas a DEUS se nos recusarmos a obedecer à grande comissão de JESUS (ver At 20.26).
 
Porque, persuado eu agora a homens ou a DEUS? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de CRISTO. Gl 1.10
ESTIVESSE AINDA AGRADANDO AOS HOMENS. Ninguém pode ser um autêntico ministro do evangelho e, ao mesmo tempo, procurar agradar aos outros transigindo nas verdades do evangelho (cf. 1 Co 4.3-6). Paulo considerava que era seu dever falar "não como para agradar aos homens, mas a DEUS, que prova o nosso coração" (1 Ts 2.4). Todos os crentes no evangelho de CRISTO devem ter como alvo, assim como Paulo o tinha, agradar a DEUS, mesmo que isso importe em desagradar a alguém (cf. At 5.29; Ef 6.6; Cl 3.22).
 

 
Ataque - Dicionário Aurélio: “assalto, investida, agressão, ofensa, injúria, insulto”.
Em nossa lição significa - Investida de Satanás (Pode ser a última) para desestabilizar a Igreja, iniciando na família. Para isso infiltra suas idéias na educação, nas telecomunicações, nas diversões, nas artes, nos entretenimentos, na política, na literatura e até na "igreja".
 
 
OS ATAQUES CONTRA A FAMÍLIA
Como combater?
 
Conselho aos que pretendem se casar.
1 - Não te cases por riquezas, o dinheiro pode comprar uma casa, mas não pode comprar um lar.
2 - Não te cases só porque todos se casam - modismo.
3 - Não te cases com alguém doente de ciúme - o ciúme piora após o casamento.
4 - Não te case com alguém preguiçoso ou preguiçosa.
5 - Não te cases com incrédulo ou incrédula: É melhor ir para o céu sozinho do que para o inferno acompanhado. Ex: Cristã que casou com incrédulo.
6 - Não te cases sem a aprovação de DEUS, das famílias envolvidas e da Igreja.
7 - Não te cases por causa da idade.
8 - Não te cases por causa de oportunidade.
9 - Não te cases sem amor total e mútuo.
 
Dt 6.5 Amarás, pois, ao Senhor teu DEUS de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças. 6 E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; 7 e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te.
 
A inversão de valores.
“Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína” (1 Tm 6.9)
 
 A Bíblia identifica a busca insaciável e avarenta pelas riquezas como idolatria, a qual é demoníaca (cf. 1Co 10.19,20; Cl 3.5). Por causa da influência demoníaca associada à riqueza, a ambição por ela e a sua busca freqüentemente escravizam as pessoas (cf. Mt 6.24).
 
OS INGREDIENTES PREDILETOS DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
A mídia em geral, tanto cinemas, como vídeo games, Internet, como a televisão, na maior parte dos programas, exalta a pecaminosidade. O adultério, a prostituição, as práticas sexuais ilícitas e a violência são exaltadas e apresentadas como coisas muito naturais. A traição, a infidelidade conjugal, são o "prato do dia" dos programas, dos filmes e das novelas da tevê. Essas imundícies são jogadas pelo vídeo, na sala de estar, no quarto de dormir de muitos cristãos. 
Sem dúvida, isso não é condizente com o ambiente espiritual que deve reinar no lar de um crente. - como se sentiria uma família que, assistindo programas imorais ou violentos, visse JESUS se apresentar no meio da sala - Ficaria feliz, satisfeita, tranqüila? 
 
Os dez mandamentos do telespectador cristão - Autor Desconhecido
 
01. Amarás ao Senhor teu DEUS acima de todas as páginas da internet e de todos os desenhos, shows, jornais, piadas, novelas e filmes de televisão. 
02. Não farás da imagem do vídeo um outro deus diante do Senhor. Não adorarás seus artistas, nem exibirás seus pôsteres em tua casa, pois teu DEUS é DEUS zeloso e sentir-se-á enciumado. 
03. Não tomarás o nome do Senhor teu DEUS em vão, como fazem, a todo momento, os protagonistas das novelas. 
04. Guardarás verdadeiramente seus dias para o Senhor. Não ficarás diante do aparelho na tarde de domingo, mas sairás para visitar alguém que necessite de oração, conforto e estímulo.
05. Honra o culto doméstico com tua família para que teus filhos aprendam o caminho do Senhor e se prolongue a vida espiritual deles. Não permitirás de forma alguma que a televisão impeça esta honra. 
06. Não farás da televisão ou da internet a babá de teus filhos, nem permitirás que vejam televisão noite e dia, sem controle. 
07. Não deixarás o aparelho de TV e nem de computador exibirem filmes indecentes ou cenas de adultério, para que essas coisas não fiquem em tua mente e te seduzam a esse pecado. 
08. Não furtarás teu tempo diante da televisão ou do computador, deixando de cumprir com o teu dever. 
09. Não dirás falso testemunho contra teu próximo, como fazem os participantes das novelas, nem farás uso de suas gírias e palavras inconvenientes citadas tanto na TV quanto na internet. 
10. Não cobiçarás o modo de viver, de falar e de vestir dos artistas, nem os produtos que ali são anunciados. Não deixarás que essas coisas determinem tua conduta, nem o teu alimento. 
Filipenses 4:8: "Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento." 
 
O volume de dados, de imagens e informações é tão grande que não dá tempo para serem "digeridos" ou avaliados corretamente. Muitos, sem perceber, estão sendo influenciados de modo marcante em sua vida espiritual, emocional, familiar, conjugal e sentimental, pelo poder da mídia televisada e da internet.
 
COMO DEVEMOS USAR OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
 1- Seja Um Exemplo No Uso Dos Meios De Comunicação. Se Quisermos Que Nossos Filhos Sejam Preservados Dos Malefícios Gerados Pelos Meios De Comunicação De Massa, Devemos Ser Um Exemplo No Uso Destes.
2- Seja Seletivo E Crítico. Selecione Os Programas Que Podem Ser Vistos Por Você E Por Sua Família Sem Ferir Os Princípios Cristãos "Examinai Tudo. Retende O Bem" ( 1Ts 5.21)
3- Seja Rigoroso Quanto Ao Horário Do Culto Doméstico. Nada Deve Substituir O Horário Do Culto Doméstico, O Lar Deve Funcionar Como Uma Igreja
 
A formação da personalidade na criança é quádrupla.
a) Formação cristã. Concerne à doutrina cristã (Ef 6.4);
b) Formação social. Concerne à disciplina cristã;
c) Formação moral. Concerne ao caráter cristão;
d) Formação intelectual. Concerne à escolarização.
 
A FAMÍLIA Cooperando com a Igreja - DEVERES
DA IGREJA PARA A FAMÍLIA - ORAR, VISITAR, REALIZAR EVENTOS ESPECÍFICOS PARA A FAMÍLIA, ACONSELHAR.
DA FAMÍLIA PARA COM A IGREJA - MANTER O PADRÃO BÍBLICO PARA A FAMÍLIA, FREQÜENTAR OS CULTOS REGULARMENTE, ENTREGAR OS DÍZIMOS E AS OFERTAS, DAR UM BOM TESTEMUNHO.
 
10 MANDAMENTOS PARA OS PAIS
 
01. Cultivar o amor crescente, paciente e eterno.
02. Considerar o cônjuge como presente de DEUS, propondo estar ao seu lado, honrá-lo, amá-lo, até que a morte o separe, sendo exemplo para os filhos.
03. Cuidar para que o seu cônjuge não tenha aborrecimentos, evitando fervilhar sua mente com coisas corriqueiras e banais que para nada servem a não ser para tirar a paz, a estabilidade, e trazer irritação, o ódio e as tensões. Isso é terrível para os filhos, que vêm os pais em conflito sem necessidade.
04. Cuidar do lar com afinco. Suprir as suas necessidades, marcar a presença no mesmo de tal forma que ela seja sentida quando houver uma distância entre os cônjuges. Isso é muito importante, pois um dos maiores problemas, nos lares, são os pais "ausentes", não só fisicamente, mas, sobretudo emocionalmente. Pais que não se comunicam com os filhos, que dão mais valor a ficar diante da TV do computador ou dos jornais, dos jogos, dos amigos, do que do lar. Um psicólogo disse que a "ausência" do pai, dando lugar a uma mãe super-protetora, junto a um filho, pode contribuir para o homossexualismo masculino.
05. Policiar as conversas com outras pessoas, sabendo de antemão que as coisas íntimas do relacionamento conjugal são propriedade exclusivamente dos cônjuges e não interessa a outras pessoas sabê-las, até mesmo parentes. De fato, conhecemos casos de pessoas, principalmente mulheres, que saem nas casas, contando seus problemas íntimos. Depois, surgem comentários desabonadores, que chegam ao conhecimento do cônjuge, aumentando os conflitos. Os filhos também sentem-se ofendidos, por saber que estranhos têm conhecimento do que se passa no seu lar.
06. Participar totalmente do relacionamento íntimo, pois este relacionamento é Dom de DEUS à criação e DEUS requer pureza, honestidade, e amadurecimento de ambos. Um casal precisa ter não só confiança, mas intimidade espiritual, emocional e física, ou seja, sexual, que deve ser desfrutada da melhor maneira possível, como fator de união e estabilidade entre si.
07. Desenvolver atitudes que demonstrem que o cônjuge a cada dia sinta-se amado, preferido e muito querido. As atitudes de um para o outro são muito valiosas, quando sinceras e leais. Um esposo deve dizer sempre palavras agradáveis, carinhosas e afetivas para a esposa. Esta, da mesma forma, deve esforçar-se para demonstrar carinho e afeto para com o esposo. Isso é como aguar a planta do amor todo o dia, e serve de exemplo para os filhos.
08. Cultivar uma recreação sadia, aproveitando as oportunidade que o tempo propiciar. A recreação é vital para um entrosamento crescente e fortalece o companheirismo. Muitas pessoas dizem que não tem tempo para o lazer, para a recreação. De fato, hoje, é muito difícil desenvolver momentos de lazer com a família. Mas é preciso planejar e encontrar momentos de descontração, de entretenimento para com os filhos e o próprio casal. Um passeio no fim de semana, uma visita a um parque de exposições, uma ida ao shopping, uma visita a pessoas amigas, tudo isso pode quebrar a rotina do lar, com ótimos resultados emocionais para os pais e os filhos.
09. Manter o espírito familiar. Considerar os parentes de ambos os cônjuges e amá-los. Tratá-los com dignidade. Despertar a fraternidade e semear a união entre os mesmos. Conhecemos casos em que o casal vive infeliz, porque um dos cônjuges não considera os sogros, tratando-os com desprezo e falta de respeito. Com isso, o coração do outro fica ferido, causando problemas de relacionamento. E mau exemplo para os filhos.
10. Manter uma vida plena de comunhão com DEUS. Orando juntos, ensinando os filhos trilhar nos caminhos retos. Enfim, viver... O zelo pela parte espiritual , no lar, é fundamental para um viver feliz. Sem DEUS, o lar pode ser minado pelas forças do mal, que se materializam através das drogas, dos vícios, da prostituição, da desunião, da contenda, da disputa pelo poder, do ciúme, e de tantos males que atacam a família. Só com a presença do ESPÍRITO SANTO no lar é possível enfrentar os desafios de um mundo materialista, hedonista, e relativista, em que vivemos. O culto doméstico é indispensável para a união da família. É bom dizer como Josué: "Eu e minha casa serviremos ao Senhor". (Extraído e adaptado por Pr. Elinaldo Renovato de Lima)
 
ATAQUES DE SATANÁS ATRAVÉS DA NA TV
Mensagens subliminares são passadas aos telespectadores incautos como é o exemplo de filmes da Disney, comerciais, filmes e principalmente novelas recheadas de pornografia, adultérios, prostituições, lesbianismo, homossexualismo, violência, ódio, inimizades e toda sorte de males.
 
Conselhos práticos:
Nunca coloque TV ou Computador no quarto, a TV e o computador devem sempre estar em local onde passam pessoas, principalmente responsáveis (assim estarão vendo o que se está assistindo e/ou acessando).
Veja o tipo de joguinho que seu(a) filho(a) está ocupando seu tempo. Procure colocar horário nas atividades tecnológicas. Nunca sem intervalos de pelo menos 1 hora. Cuidado com fones de ouvido. Cuidado com jogos que premiam más ações. Novelas todas estimulam sexo, adultério, mentira, trans-sexualidade. Filmes, quase todos estimulam erotismo, vingança e violência.
 
A preocupação com a programação é grande, porém sem resultados práticos:
A nossa Constituição dedica um capítulo a este assunto e se preocupa em que os meios de comunicação não fiquem nas mãos de uma ou poucas pessoas (objetivo que, entretanto, é, por enquanto, ainda apenas um sonho) (artigo 220, § 5º), que a propriedade de empresas jornalísticas e de radiodifusão fiquem, majoritariamente, nas mãos de brasileiras (artigo 222) e que a produção e programação das emissoras de rádio e televisão atendam a alguns princípios, em especial a preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas, bem como a promoção da cultura nacional e regional (outros objetivos que ainda não se verificam na realidade) (artigo 221).
OBS:  Como afirma o pastor Samuel Câmara, da Assembléia de DEUS de Belém/PA e presidente da Rede Boas Novas, a maior rede de TV evangélica do Brasil: "…Tecnicamente, a TV brasileira está entre as melhores do mundo. Falando de conteúdo da programação, contudo, é uma das piores do mundo. Ela desrespeita seus objetivos legais de informar, divertir e educar a sociedade.…" (Carlos FERNANDES. A televisão é um ministério. Eclésia, ano VII, nº 77, maio 2002, p.22). (www.escoladominical.com.br- Prof.Caramuru)
 
SOBRE O BIG BANG LARGAMENTE ESTUDADO E CRIDO NAS ESCOLAS E FACULDADES PARA CONFUNDIR OS CRENTES:
O ilustre divulgador da teoria do Big Bang, Doutor Hawking afirma o seguinte sobre tal tese: “Se encontrarmos a resposta para isso teremos o triunfo definitivo da razão humana; porque, então, teremos atingido o conhecimento da mente de DEUS”. Ou seja, um dos mais brilhantes cientistas, defensor da idéia do Big Bang, teve a humildade de deixar o assunto em aberto, mas o jornalista concluiu o que nem os cientistas ainda concluíram  QUE O BIG BANG É FATO! As revistas, de modo geral, argumentam a favor e contra essa teoria, ainda não há um consenso.
 O site <www.ChristianAnswers.Net/portuguese> relata alguns fatos interessantes a respeito do tema, vejam: Os Criacionistas sustentam que no princípio DEUS falou e a Terra surgiu -- ele ordenou e os céus se firmaram (Sl. 33.9)! Todas as milhares de estrelas apareceram repentinamente e sobrenaturalmente no espaço. As Escrituras não indicam uma explosão, embora o universo deva ter experimentado uma entrada repentina, "explosiva" de energia ordenada. Talvez alguns dados astronômicos que pareçam apoiar a teoria do big bang, tais como radiações infravermelhas e residuais, precisem, pelo contrário, ser encarados como evidências de uma criação rápida. Uma primeira variação secular da teoria do big bang fazia referência a um big bang "inflacionário", sugerindo que o universo teria se desenvolvido e amadurecido muito rapidamente em seus primeiros instantes. Nessa teoria particular, a ciência secular parece ter tomado um passo na direção criacionista. Maiores progressos devem ser de interesse nessa área de teoria e pesquisa. O big bang como é entendido hoje é uma teoria inadequada. Há muitos problemas fundamentais que raramente são mencionados na literatura popular. 
 
CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO LARGAMENTE ESTUDADA E CRIDA NAS ESCOLAS E FACULDADES PARA CONFUNDIR OS CRENTES: A evolução é o ponto de vista predominante, proposto pela comunidade científica e educacional do mundo atual, em se tratando da origem da vida e do universo. Quem crê, de fato, na Bíblia deve atentar para estas quatro observações a respeito da evolução
(1) A evolução é uma tentativa naturalista para explicar a origem e o desenvolvimento do universo. Tal intento começa com a pressuposição de que não existe nenhum Criador pessoal e divino que criou e formou o mundo; pelo contrário, tudo veio a existir mediante uma série de acontecimentos que decorreram por acaso, ao longo de bilhões de anos. Os postulantes da evolução alegam possuir dados científicos que apóiam a sua hipótese.
(2) O ensino evolucionista não é realmente científico. Segundo o método científico, toda conclusão deve basear-se em evidências incontestáveis, oriundas de experiências que podem ser reproduzidas em qualquer laboratório. No entanto, nenhuma experiência foi idealizada, nem poderá sê-lo, para testar e comprovar teorias em torno da origem da matéria a partir de um hipotético “grande estrondo”, ou do desenvolvimento gradual dos seres vivos, a partir das formas mais simples às mais complexas. Por conseguinte, a evolução é uma hipótese sem “evidência” científica, e somente quem crê em teorias humanas é que pode aceitá-la. A fé do povo de DEUS, pelo contrário, firma-se no Senhor e na sua revelação inspirada, a qual declara que Ele é quem criou do nada todas as coisas (Hb 11.3).
(3) É inegável que alterações e melhoramentos ocorrem em várias espécies de seres viventes. Por exemplo: algumas variedades dentro de várias espécies estão se extinguindo; por outro lado, ocasionalmente vemos novas raças surgindo dentre algumas das espécies. Não há, porém, nenhuma evidência, nem sequer no registro geológico, a apoiar a teoria de que um tipo de ser vivente já evoluiu doutro tipo. Pelo contrário, as evidências existentes apóiam a declaração da Bíblia, que DEUS criou cada criatura vivente “conforme a sua espécie” (1.21,24,25).
(4) Os crentes na Bíblia devem, também, rejeitar a teoria da chamada evolução teísta. Essa teoria aceita a maioria das conclusões da evolução naturalista; apenas acrescenta que DEUS deu início ao processo evolutivo. Essa teoria nega a revelação bíblica que atribui a DEUS um papel ativo em todos os aspectos da criação. Por exemplo, todos os verbos principais em Gênesis 1 têm DEUS como seu sujeito, a não ser em 1.12 (que cumpre o mandamento de DEUS no v. 11) e a frase repetida “E foi a tarde e a manhã”. DEUS não é um supervisor indiferente, de um processo evolutivo; pelo contrário, é o Criador ativo de todas as coisas (Cl 1.16).
 
Analisar a posição do Estado na educação dos filhos.  
Acautelar-se das propostas sociais para destruir a família.  
Saber como podemos vencer a filosofia mundana que é imposta sobre a família.  
 
LIÇÃO 5 - CONFLITOS NA FAMÍLIA 
"Eu, porém, esperarei no SENHOR; esperei no DEUS da minha salvação; o meu DEUS me ouvirá" (Mq 7.7). 
7.7 EU, PORÉM, ESPERAREI NO SENHOR. Em meio a uma sociedade moralmente enferma, Miquéias coloca a sua fé em DEUS e em suas promessas. Ele sabia que DEUS o sustentaria, e que haveria de executar o castigo contra toda a iniqüidade, fazendo a justiça triunfar (v. 9). (1) DEUS conclama os crentes em CRISTO a viverem "no meio duma geração corrompida e perversa", onde devem "resplandecer como astros no mundo" (Fp 2.15). (2) Ainda que o mal aumente e a sociedade se desintegre, ofereçamos a salvação gratuita de DEUS a todos quantos nos ouvirem. Oremos e antegozemos o dia em que Ele endireitará todas as coisas (cf. vv. 15-20).Se buscarmos a graça de DEUS e exercermos o amor que Ele nos concedeu, poderemos resolver todos os conflitos que surgirem em nossa família.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Efésios 5.22-30
22 Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor; 23 porque o marido é a cabeça da mulher, como também CRISTO é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. 24 De sorte que, assim como a igreja está sujeita a CRISTO, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seu marido. 25 Vós, maridos, amai vossa mulher, como também CRISTO amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, 26 para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, 27 para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. 28 Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. 29 Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja; 30 porque somos membros do seu corpo.
 
5.22 MULHERES, SUJEITAI-VOS. A esposa tem a tarefa, dada por DEUS, de ajudar o marido e de submeter-se a ele (vv. 22-24). Seu dever para com o marido inclui o amor (Tt 2.4), o respeito (v. 33; 1 Pe 3.1,2), a ajuda (Gn 2.18), a pureza (Tt 2.5; 1 Pe 3.2), a submissão (v. 22; 1 Pe 3.5), um espírito manso e quieto (1 Pe 3.4) e o ser uma boa mãe (Tt 2.4) e dona de casa (1 Tm 2.15; 5.14; Tt 2.5). A submissão da mulher ao marido é vista por DEUS como parte integrante da sua obediência a JESUS, "como ao Senhor" (v. 22; ver também Gl 3.28; 1 Tm 2.13,15; Tt 2.4).
5.23 MARIDO... CABEÇA. DEUS estabeleceu a família como a unidade básica da sociedade. Toda família necessita de um dirigente. Por isso, DEUS atribuiu ao marido a responsabilidade de ser cabeça da esposa e família (vv. 23-33; 6.4). Sua chefia deve ser exercida com amor, mansidão e consideração pela esposa e família (vv. 25-30; 6.4). A responsabilidade do marido, que DEUS lhe deu, de ser "cabeça da mulher" (v. 23) inclui: (1) provisão para as necessidades espirituais e domésticas da família (vv. 23,24; Gn 3.16-19; 1 Tm 5.8); (2) o amor, a proteção, a segurança e o interesse pelo bem-estar dela, da mesma maneira que CRISTO ama a Igreja (vv. 25-33); (3) honra, compreensão, apreço e consideração pela esposa (Cl 3.19; 1 Pe 3.7); (4) lealdade e fidelidade totais na vivência conjugal (v. 31; Mt 5.27,28).
 
Exemplos de conflitos nas famílias da Bíblia:
Adão e Eva - a mulher que me deste.
Caim e Abel - assassinato.
Noé embriagado e filho.
Moisés, Zípora, Jetro, Miriam, Arão
Abraão e Sara e a empregada - expulsa empregada.
Isaque e Rebeca - preferência por filhos - e dois filhos Esaú e Jacó que se odiavam.
José e seus irmãos.
Davi (adúltero, polígamo e assassino) e sua família - Filha estrupada pelo irmão, Filho rebelde que rouba trono do pai e namora com suas concubinas, Filho que mata seu irmão (Absalão mata Amnom).
JESUS e sua família que foram prendê-lo
Paulo e Barnabé - Por causa do sobrinho de Barnabé.
 
A Autoridade do Marido e o AMOR por sua esposa.
Quando DEUS criou o homem, o revestiu de autoridade sobre a criação. Pela ordem natural da criação primeiro DEUS formou o homem, depois o completou com a mulher (I Tm 2:13). A intenção da formação da mulher foi para auxiliá-lo na sua tarefa de dominar a terra, isso significa que ela não é frágil, tem uma força tremenda, mas logo que pôde, mostrou a sua fraqueza. A mulher revelou bem cedo, a sua dificuldade em obedecer. Ela conhecia a ordem de DEUS, mas preferiu dar ouvidos a serpente, porque se negou a obedecer. Não foi Adão o enganado da história, mas a mulher que se deixou enganar pela serpente e desobedeceu a lei de DEUS (I Tm 2:14 e 15) – A única forma da mulher restabelecer a sua força está em permanecer na fé, amor e santificação, com bom senso, cumprindo a sua missão de mãe, ou seja, cuidando da família, sabendo se colocar no seu lugar, porém, para a mulher comum, essa tarefa é muito difícil, só consegue se submeter aquela que tem a DEUS como primeiro em sua vida!
Assim como para a mulher é difícil se submeter a autoridade do homem, para ele, é difícil AMAR uma só mulher! O Homem foi criado para procriar, para exercer a função de provedor, para proteger a criação. Está na sua natureza o instinto de se multiplicar. Daí a razão de ser difícil ao homem natural, a monogamia. Igualmente, só consegue se dominar e ser feliz com uma só esposa, o homem que tem sua vida nas mãos de DEUS.
Inconscientemente, agindo por seu instinto natural, autoritário e dominador, e, conhecendo a fraqueza da mulher, o homem tende a agir sempre na defensiva (é o seu instinto protetor se revelando), principalmente no relacionamento. É cada vez mais comum os homens optarem por viverem sozinhos, e os que casam, gritam primeiro para perguntar depois, não é verdade?! No íntimo, o homem sabe que a mulher vai tentar desobedecer, vai questionar sua posição, então, usa a velha estratégia: “A melhor defesa é o ataque”. Ataca antes de ser atacado, para assim, mostrar sua força e autoridade, e dizer, subliminarmente a mulher, qual é o seu lugar.
Mas, quando o casal é de DEUS, esta arma pode ser deixada de lado, porque ambos temem a DEUS, a mulher saberá ocupar o seu lugar de auxiliadora e respeitará ao seu marido e por conseqüência disso, DEUS pede ao marido que lhe retribua com o que ela precisa: Amor. Toda mulher quer ser amada, cuidada, protegida.
“Marido, ame a sua esposa e não seja grosseiro com ela.” (Colossenses 3:19)
É sempre bom relembrar… Amar é fazer pelo outro aquilo que eu desejo para mim! Quando o marido ama sua esposa, ele cuida dela, deseja ver o bem dela, alimenta, protege, ampara, porque é assim que ele faz a si mesmo. (Ef 5:28-30). Ele luta por ela, como CRISTO luta pela sua igreja. A grosseria e os maus tratos não fazem parte do caráter de DEUS e também não devem fazer na vida daqueles que dizem ser de DEUS.
“Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, porque sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações.”(I Pedro 3:7)
Quando o homem também se nega a seguir as orientações divinas e não trata a sua esposa com a consideração que ela precisa, tem suas orações interrompidas. Quer dizer, até tenta falar com DEUS, mas há um bloqueio, esse bloqueio se chama desobediência. Ele sabe que está agindo errado perante DEUS e não consegue orar como convém, dá “gritos vazios”, logo, não tem resposta. Talvez por isso que temos visto tantos maridos insatisfeitos no seio da igreja, porque não conseguem viver a vida comum do lar, querem continuar a viver como solteiros, querem ser independentes, esqueceram que se casaram e agora tem uma alma constantemente sob sua responsabilidade.
O homem não se casa apenas para procriar, para ter relações sexuais lícitas, o projeto de DEUS para o casamento é que os dois se tornarem uma só carne. Por isso, é preciso saber viver a vida comum do lar que envolve diálogo, companheirismo, respeito, compreensão, compromisso, intimidade, união, harmonia e paz. Encontrando este equilíbrio, eles passam a se conhecerem apenas pelo olhar, um sabe exatamente do que o outro precisa, estão juntos no mesmo “barco”, não seguem a objetivos diferentes. São lindos juntos, há um brilho diferente no olhar, principalmente quando se cruzam, há um sorriso de ternura entre os dois, angariam a admiração dos filhos e todos a sua volta, testemunham com seu casamento, o DEUS que pregam!
“E, acima de tudo, tenham amor, pois o amor une perfeitamente todas as coisas.” (Colossenses 3:14)
http://joiasdavida.com/2010/11/casamento-feliz9/
 
Assim que, se alguém está em CRISTO, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. (2 Coríntios 5:17).
 
PAIS E FILHOS
Cl 3.21 “Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo.”
É obrigação solene dos pais (gr. pateres) dar aos filhos a instrução e a disciplina condizente com a formação cristã. Os pais devem ser exemplos de vida e conduta cristãs, e se importar mais com a salvação dos filhos do que com seu emprego, profissão, trabalho na igreja ou posição social (cf. Sl 127.3).
(1) Segundo a palavra de Paulo em Ef 6.4 e Cl 3.21, bem como as instruções de DEUS em muitos trechos do AT (ver Gn 18.19 .; Dt 6.7 .; Sl 78.5 .; Pv 4.1-4 .; 6.20 .), é responsabilidade dos pais dar aos filhos criação que os prepare para uma vida do agrado do Senhor. É a família, e não a igreja ou a Escola Dominical, que tem a principal responsabilidade do ensino bíblico e espiritual dos filhos. A igreja e a Escola Dominical apenas ajudam os pais no ensino dos filhos.
(2) A essência da educação cristã dos filhos consiste nisto: o pai voltar-se para o coração dos filhos, a fim de levar o coração dos filhos ao coração do Salvador (ver Lc 1.17 .).
(3) Na criação dos filhos, os pais não devem ter favoritismo; devem ajudar, como também corrigir e castigar somente faltas intencionais, e dedicar sua vida aos filhos, com amor compassivo, bondade, humildade, mansidão e paciência (3.12-14, 21).
(4) Seguem-se quinze passos que os pais devem dar para levar os filhos a uma vida devotada a CRISTO:
(a) Dediquem seus filhos a DEUS no começo da vida deles (1Sm 1.28; Lc 2.22).
(b) Ensinem seus filhos a temer o Senhor e desviar-se do mal, a amar a justiça e a odiar a iniqüidade. Incutam neles a consciência da atitude de DEUS para com o pecado e do seu julgamento contra ele (ver Hb 1.9 .).
(c) Ensinem seus filhos a obedecer aos pais, mediante a disciplina bíblica com amor (Dt 8.5; Pv 3.11,12; 13.24; 23.13,14; 29.15, 17; Hb 12.7).
(d) Protejam seus filhos da influência pecaminosa, sabendo que Satanás procurará destruí-los espiritualmente mediante a atração ao mundo ou através de companheiros imorais (Pv 13.20; 28.7; 2.15-17).
(e) Façam saber a seus filhos que DEUS está sempre observando e avaliando aquilo que fazem, pensam e dizem (Sl 139.1-12).
(f) Levem seus filhos bem cedo na vida à fé pessoal em CRISTO, ao arrependimento e ao batismo em água (Mt 19.14).
(g) Habituem seus filhos numa igreja espiritual, onde se fala a Palavra de DEUS, se mantém os padrões de retidão e o ESPÍRITO SANTO se manifesta. Ensinem seus filhos a observar o princípio: “Companheiro sou de todos os que te temem” (Sl 119.63; ver At 12.5 .).
(h) Motivem seus filhos a permanecerem separados do mundo, a testemunhar e trabalhar para DEUS (2Co 6.14—7.1; Tg 4.4). Ensinem-lhes que são forasteiros e peregrinos neste mundo (Hb 11.13-16), que seu verdadeiro lar e cidadania estão no céu com CRISTO (Fp 3.20; Cl 3.1-3).
(i) Instruam-nos sobre a importância do batismo no ESPÍRITO SANTO (At 1.4,5, 8; 2.4, 39).
(j) Ensinem a seus filhos que DEUS os ama e tem um propósito específico para suas vidas (Lc 1.13-17; Rm 8.29,30; 1Pe 1.3-9).
(l) Instruam seus filhos diariamente nas Sagradas Escrituras, na conversação e no culto doméstico (Dt 4.9; 6.5, 7; 1Tm 4.6; 2Tm 3.15).
(m) Mediante o exemplo e conselhos, encorajem seus filhos a uma vida de oração (At 6.4; Rm 12.12; Ef 6.18; Tg 5.16).
(n) Previnam seus filhos sobre suportar perseguições por amor à justiça (Mt 5.10-12). Eles devem saber que “todos os que piamente querem viver em CRISTO JESUS padecerão perseguições” (2Tm 3.12).
(o) Levem seus filhos diante de DEUS em intercessão constante e fervorosa (Ef 6.18; Tg 5.16-18; ver Jo 17.1, . sobre a oração de JESUS por seus discípulos, como modelo da oração dos pais por seus filhos).
(p) Tenham tanto amor e desvelo pelos filhos, que estejam dispostos a consumir suas vidas como sacrifício ao Senhor, para que se aprofundem na fé e se cumpra nas suas vidas a vontade do Senhor (ver Fp 2.17 .).

 
O valor da esposa virtuosa
MULHER VIRTUOSA. Estes versículos descrevem a esposa e mãe ideal. Toda sua vida converge para um reverente temor de DEUS (v. 30), compaixão pelos necessitados (vv. 19,20) e dedicação e amor à sua família (v. 27). Certamente nem toda esposa e mãe tem todas as qualidades declaradas aqui. Mas toda esposa deve procurar servir a DEUS, à sua família e ao próximo conforme os talentos e os recursos materiais que DEUS lhe deu (ver Ef 5.22 .; 1 Tm 2.15).
 
Respeito aos pais
FILHOS, SEDE OBEDIENTES. Os filhos de crentes devem permanecer sob a orientação dos pais, até se tornarem membros doutra unidade familiar através do casamento. (1) As crianças pequenas devem ser ensinadas a obedecer e a honrar os pais, mediante a criação na disciplina e doutrina do Senhor (ver 6.4 .; Pv 13.24; 22.6 .; ver a . seguinte). (2) Os filhos mais velhos, mesmo depois de casados, devem receber com respeito, o conselho dos pais (v. 2) e honrá-los na velhice, mediante cuidados e ajuda financeira, conforme a necessidade (Mt 15.1-6). (3) Os filhos que honram seus pais serão abençoados por DEUS, aqui na terra e na eternidade (v. 3).
 
O olhar do crente.
De acordo com 1Jo 2.16, três aspectos do mundo pecaminoso são abertamente hostis a DEUS:
(a) “A concupiscência da carne”, que inclui os desejos impuros e a busca de prazeres pecaminosos e a gratificação sensual (1Co 6.18; Fp 3.19; Tg 1.14).
(b) “A concupiscência dos olhos”, que se refere à cobiça ou desejo descontrolado por coisas atraentes aos olhos, mas proibidas por DEUS, inclusive o desejo de olhar para o que dá prazer pecaminoso (Êx 20.17; Rm 7.7). Nesta era moderna, isso inclui o desejo de divertir-se contemplando pornografia, violência, impiedade e imoralidade no teatro, na televisão, no cinema, ou em periódicos (Gn 3.6; Js 7.21; 2 Sm 11.2; Mt 5.28). Pv 23.5 Porventura fixarás os teus olhos naquilo que não é nada? porque certamente criará asas e voará ao céu como a águia.
(c) “A soberba da vida”, que significa o espírito de arrogância, orgulho e independência auto-suficiente, que não reconhece DEUS como Senhor, nem a sua Palavra como autoridade suprema. Tal pessoa procura exaltar, glorificar e promover a si mesma, julgando não depender de ninguém (Tg 4.16).
 
1 CRÔNICAS 29.12,14= E riquezas e glória vêm de diante de ti, e tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e na tua mão está o engrandecer e dar força a tudo. Porque quem sou eu, e quem é o meu povo, que tivéssemos poder para tão voluntariamente dar semelhantes coisas? Porque tudo vem de ti, e da tua mão to damos.
 
A tecnologia ocupou o lugar da sabedoria 
A tecnologia é uma ferramenta muito boa. Quem não gosta do que a tecnologia tem dado para o homem? Porém, quando a tecnologia toma o lugar da sabedoria, ela se torna perigosa. Isso é o que está acontecendo principalmente no meio evangélico. Igrejas e pastores estão trocando a sabedoria pela tecnologia.  Faz o homem depender não de DEUS, mas dos efeitos tecnológicos. A oração e a leitura da Palavra de DEUS tem ficado em segundo plano.
 
Grande parte dos evangélicos confia muito mais nos efeitos que a tecnologia faz do que na oração e comunhão com DEUS. Um dos Faraós do Egito reclamou da invenção da escrita, dizendo que a mesma iria atrofiar a memória. Não podemos ser tecnofóbicos, por um lado, ou seja, ter medo da tecnologia, nem podemos ser tecnodólatra,  ou seja, colocar a tecnologia em primeiro lugar.   
1 TIMÓTEO 6.9,10= Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor do dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.ESTEJAMOS... CONTENTES. Os crentes devem estar satisfeitos, tendo as coisas essenciais desta vida, como alimento, vestuário e teto. Caso surjam necessidades financeiras específicas, devemos confiar na providência de DEUS (Sl 50.15), enquanto continuamos a trabalhar (2 Ts 3.7,8), a ajudar os necessitados (2 Co 8.2,3), e servir a DEUS com contribuições generosas (2 Co 8.3; 9.6,7). Não devemos querer ficar ricos (vv. 9-11).
 
A mídia trabalha em cima de mensagens subliminares:
A mídia trabalha em cima de mensagens subliminares que levam o consumidor desavisado a desejar e comprar até o que não desejaria ou não precisaria, apenas pelo prazer de comprar ou de possuir o que outro tem, ou ainda não conseguiu adquirir.
A vitrines estão abertas e chamativas ao consumo exagerado; Ao consumismo exagerado; Ao gasto excessivo; Ao endividamento.
 
O CRISTÃO E AS FINANÇAS
CUIDADO COM O CARTÃO DE CRÉDITO - PARA PAGAR DÍVIDAS É SÓ REDUZIR DESPESAS,
"... a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui" (Lucas 12:15).
"Quem ama o dinheiro jamais dele se farta; e quem ama a abundância nunca se farta da renda" (Ec 5:10).
"Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as cousas que tendes" (Hebreus 13:5).
"Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bem para muitos anos; descansa, come, bebe, e regala-te" (Lucas 12:19). Mas DEUS replicou: "Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?"
"Vendei os vossos bens e dai esmola; fazei para vós outros bolsas que não desgastem, tesouro inestinguível nos céus, onde não chega o ladrão, nem a traça consome" (Lucas 12:33).
"Porque onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração" (Lucas 12:34).
"Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e  se traspassaram a si mesmos com muitas dores” (1 Tm 6.10).
No lar, no trabalho e o fisco. 
Em todos os setores de nossa vida devemos estar sob o total controle do ESPÍRITO SANTO, isto significa estar em comunhão com o ESPÍRITO SANTO (2 Co 13.13).
2.1=Motivos errados: avareza, cobiça e inveja (Provérbios 23:1-5; Tiago 4:2-4). Em vez de trabalhar e exercer domínio próprio para poupar dinheiro e comprar à vista, pessoas se enganam e pagam prestações para obter as coisas imediatamente.
2.2=Procedimento errado: desonestidade. A pessoa que promete pagar é obrigada cumprir a promessa. Aquele que promete e não paga está pecando. Quem promete quando sabe que não tem condições para pagar é um mentiroso indigno da vocação a que fomos chamados (Efésios 4:1,25; Mateus 5:37).
2.3=Vida desordenada: falta de administração. Ao invés de cuidar das suas obrigações como DEUS mandou, o devedor acaba sendo dominado por outros (Provérbios 22:7). Falta domínio próprio, uma das qualidades essenciais da vida cristã (Gálatas 5:23; 2 Pedro 1:6).
 
a) Evitar dívidas fora do seu alcance. 
As vitrines das lojas são de vidro transparentes para que ao passar as pessoas tenham vontade de comprar, as prateleiras dos melhores produtos nos supermercados são no fundo para que ao voltar as pessoas venham a pegar os outros produtos que nem precisam, mas compram por que vêem.
É a concupiscência dos olhos.
Tg 1.14 Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência;
1 Jo 2.16 Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo.
b) Evitar extremos.  
1 Tm 6.9 Mas os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdição.
c) Comprar à vista, se possível. 
Fazendo um bom planejamento de seu salário, sendo fiel a DEUS em seus dízimos e ofertas, provavelmente você não precisará comprar a prazo, evitando assim os altíssimos juros que estão embutidos nos preços.
d) Não ficar por fiador. 
Ficar por fiador de alguém é dever a conta deste alguém até que o mesmo a pague e isto vai trazer preocupação à sua família, a você e ao credor, pois hoje ninguém mais tem garantia de que estará empregado amanhã.
e) Pagar os impostos. 
Os impostos são taxas de serviço cobradas pelos governos municipal, estadual e federal; devendo o crente não ser achado como ladrão do governo.
f) Pagar o salário do trabalhador. 
Tg 5.4 Eis que o salário que fraudulentamente retivestes aos trabalhadores que ceifaram os vossos campos clama, e os clamores dos ceifeiros têm chegado aos ouvidos do Senhor dos exércitos.
 
Você sempre sabe o que seu filho está estudando no colégio ou instituição de ensino que ele freqüenta?
Por exemplo podemos pensar nas cartilhas que o governo anda distribuindo nos colégios - muitos desses folhetos ensinam masturbação, iniciação a drogas e iniciação a prostituição. Você já pegou uma dessas cartilhas com seus filhos? Existem até folhetos que são para serem escondidos dos pais (como o que ensina como usar drogas). Mostramos acima apenas as figuras mais simples, existem outras implubicáveis.
http://ipco.org.br/home/noticias/cartilha-para-estimular-a-pratica-homossexual-nas-escolas
http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/monteiro-lobato-nao-pode-ja-a-pornografia/
 
Elencar alguns fatores que podem gerar conflitos entre os cônjuges. 
Analisar os resultados das atividades profissionais dos pais.
Compreender a importância da fidelidade conjugal no casamento. 
 
PALAVRA-CHAVE - CONFLITO - Embate, Discussão acompanhada de injúrias e ameaças; desavença.
 
LIÇÃO 6 - A INFIDELIDADE CONJUGAL
“O que adultera com uma mulher é falto de entendimento; destrói a sua alma o que tal faz” (Pv 6.32). 
A infidelidade conjugal traz sérias consequências a toda a família. Por isso, DEUS abomina tal prática.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Provérbios 5.1-5; Mateus 5.27,28 
Provérbios 5.1-5
1 Filho meu, atende à minha sabedoria; à minha razão inclina o teu ouvido; 2 para que conserves os meus avisos, e os teus lábios guardem o conhecimento. 3 Porque os lábios da mulher estranha destilam favos de mel, e o seu paladar é mais macio do que o azeite; 4 mas o seu fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois fios. 5 Os seus pés descem à morte; os seus passos firmam-se no inferno.
Mateus 5.27,28 
27 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. 28 Eu porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela.
 
Já diz o ditado popular: "é melhor um covarde vivo do que um herói morto"
A bíblia nos ensina: "Sujeitai-vos, pois, a DEUS, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós". Tg 4.7
Mas também a bíblia nos diz: "Abstende-vos (ou fugi) de toda a aparência do mal". 1 Ts 5.22
5.3 OS LÁBIOS DA MULHER ESTRANHA. O livro de Provérbios adverte repetidas vezes quão destrutiva é a imoralidade sexual. Salomão ressalta que, embora os prazeres enganosos dessa imoralidade sejam atraentes, a entrega aos mesmos leva à ruína (vv. 7-14). Este capítulo e também 2.16-19; 6.20-35; 22.14; 23.27,28; 29.3; 30.20; 31.3 abordam a quebra das normas divinas da pureza e da castidade. A resposta à imoralidade sexual é a entrega pessoal a DEUS (v. 1) a abstenção sexual disciplinada pré-marital e a satisfação do desejo sexual natural através de uma vida marital santa e amorosa (vv. 15-23).
5.28 ATENTAR NUMA MULHER PARA A COBIÇAR.
Trata-se de cobiça carnal, ou concupiscência (gr. epithumia). O que CRISTO condena aqui não é o pensamento repentino que Satanás pode colocar na mente de uma pessoa, nem um desejo impróprio que surge de repente. Trata-se, pelo contrário, de um pensamento ou desejo errado, aprovado pela nossa vontade. É um desejo imoral que a pessoa procurará realizar, caso surja a oportunidade. O desejo íntimo de prazer sexual ilícito, imaginado e não resistido, é pecado.
(1) O cristão deve tomar muito cuidado para não admirar cenas imorais como as de filmes e da literatura pornográfica (cf. 2 Tm 2.22; Tt 2.12; Tg 1.14; 1 Pe 2.11; 2 Pe 3.3; 1 Jo 2.15,16; 1 Co 6.18; Gl 5.19, 21; Cl 3.5; Ef 5.5; Hb 13.4).
(2) Quanto a manter a pureza sexual, a mulher, igualmente como o homem, tem responsabilidade. A mulher cristã deve tomar cuidado para não se vestir de modo a atrair a atenção para o seu corpo e deste modo originar tentação no homem e instigar a concupiscência. Vestir-se com imodéstia é pecado (1 Tm 2.9; 1 Pe 3.2,3).
 
 
A infidelidade conjugal tem sido o principal motivo de separação de casais na igreja. A falta de vigilância com a internet e com o contato pele-a-pele (abraços exagerados) e permanência em lugares fechados a sós, tem sido motivo de haverem tantos casos de adultério na igreja. A igreja precisa pedir a DEUS discernimento espiritual para serem revelados esses casos e pedir a DEUS autoridade e coragem para os líderes no combate aos casos existentes, procurando o perdão entre os cônjuges e a restauração dos casamentos quebrados por tais atos pecaminosos.
 
1. ADULTÉRIO, UM GRAVE PECADO:
Infidelidade conjugal, biblicamente falando, é o ato sexual entre uma pessoa casada e outra que não é o seu cônjuge. Na bíblia é geralmente denominado Adultério (AT - hebraico Naaph – NT – grego – moichos ou  moicheia).
(Jr 2.33; 7.9; 23.14; 29.23; Os 4.2; Ml 3.5; Lc 18.11; I Co 6.9; Hb 13.4)
Moicheia é o termo usado para pecado físico do adultério (Mt 15.19; Mc 7.21; Jo 8.3; Gl 5.19).
Adultério é palavra portuguesa derivada do grego adulterium se referindo ao dormir em cama alheia.
Hb 13.4 “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros DEUS os julgará”.

2. AS CONSEQUÊNCIAS DA INFIDELIDADE 
O adultério é pecado largamente condenado tanto no Antigo quanto no Novo testamento.(Êx 5.18 – Êx 20.4 – no decálogo; Dt 5.18; Jó 31.11; Pv 2.17).
Punição aplicada ao adultério - a morte (Lv 20.10; Dt 22.22).
Havia como castigo o estrangulamento, recomendado pelos rabinos ou o apedrejamento como nos tempos de JESUS (Jo 8.3,5).
O rei Davi foi severamente repreendido pelo profeta Natã a esse respeito e o castigo de DEUS se abateu sobre ele, levando-lhe o filho nascido desse ato pecaminoso (II Sm  12.7; Sl 51).
Em Provérbios vemos instruções a fim de que o homem não se envolva em pecado de adultério (Pv 6.29-32).
O divórcio geralmente acontece devido ao adultério de um dos cônjuges - Dt 24.1; Mt 19.9.
O adultério pode ser o principal motivo para se romperem laços conjugais (I Co 6.15-17; Hb 13.4).
No Novo testamento o adultério é visto de maneira mais rígida por JESUS, - Mt 5.28, sendo condenado não apenas por contato físico, mas desejo da alma.
Muitos são os acaso de apostasia devido ao adultério e João chega até a dizer que existem pecados que não se deve orar pelos pecadores que insistem neles - I Co 6.9,10; 1 Jo 5.16.
 
3. CONSELHOS CONTRA A INFIDELIDADE
Até cristãos estão sujeitos à infidelidade conjugal e a bíblia está recheada de casos de servos de DEUS que caíram nessa cilada de Satanás. Dentre os mais destacados temos Abraão, Jacó, Davi e Salomão.
Existem casos de história de família que devem ser estudados e vigiados por aqueles que desejam ser fiéis a DEUS e o seu cônjuge (I Co 10.12). Os olhos devem estar fixos em DEUS e em seu testemunho de nossa aliança (Ef 5.25).
O segredo sempre é:
Esposas – sejam submissas.
Esposos – Amem suas esposas.
A falta de assistência de um dos cônjuges quando o outro está ferido pode ocasionar o adultério, por isso os cônjuges devem sempre estar dialogando um com o outro e procurando solução para os problemas que surgirem.
Os problemas conjugais devem ser tratados entre os cônjuges e só podem ser levados a outrem que seja de extrema confiança dos dois – no caso, o melhor é procurar ajuda do pastor e sua esposa.
São funestas as conseqüências de um adultério, mas sempre o perdão deve estar à frente de qualquer outra atitude.
O homem não é dono de seu corpo e nem a mulher de seu, portanto não podem ficar muito tempo sem o ato sexual. Muitos adultérios acontecem por falta de sexo entre os cônjuges. Existem maridos que passam até meses fora de casa em viagem de negócios ou outros afazeres. Muitos maridos passam anos dormindo no sofá, embora morando dentro da mesma casa que seu cônjuge. (I Co 7.5).
Casados devem tomar cuidado com elogios alheios (Pv 2.16,17 Pv 5.3; 6.24; 7.5, 21,23).
Antes de viajar o cônjuge deve procurar por relacionamento sexual com seu cônjuge para que não sejam demasiadamente tentados (Pv 7.10-12);
O amor entre os cônjuges deve ser mantido sempre aceso (Fp 1.9).

CONCLUSÃO
A infidelidade ou adultério acontece tanto no mundo como na igreja. É preciso lutar contra esse pecado como se luta contra Satanás, ele é o tentador. Só o amor e o compromisso com DEUS podem evitar que o casamento seja destruído pelo adultério. O perdão é ainda a melhor solução quando acontece essa tragédia.
 
 
Adultério (vv. 27-30; Êx 20:14). (Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - W arren W . W iersbe)
Para o povo judeu daquela época, o noivado eqüivalia ao casamento - exceto pelo fato de que o homem e a mulher não coabitavam. Os noivos eram chamados de "marido e esposa", e, ao fim do período de noivado, o casamento era consumado. Se uma mulher que estava noiva ficava grávida, isso era considerado adultério (ver Dt 22:1321).
Porém, José não pediu nenhuma punição nem o divórcio quando descobriu que Maria estava grávida, pois o Senhor havia lhe revelado a verdade. Todas essas coisas cumpriram Isaías 7:14.
os fariseus tinham uma lista de ações exteriores consideradas pecado, mas JESUS explicou que o pecado provém das atitudes do coração. A ira sem motivo é homicídio no coração; a lascívia é adultério no coração. A pessoa que afirma "viver segundo o sermão do monte" talvez não perceba que é mais difícil seguir esses preceitos do que os Dez Mandamentos!
JESUS assevera a pureza da lei de DEUS e, em seguida, explica que a intenção dessa lei é revelar a santidade do sexo e a pecaminosidade do coração humano. DEUS criou o sexo e protege essa criação. Tem autoridade para determinar como deve ser usado e para punir os que se rebelam contra suas leis. DEUS não estabeleceu regras para o sexo porque deseja nos controlar, mas sim porque deseja nos abençoar. DEUS sempre diz "não" para poder dizer "sim". A impureza sexual nasce dos desejos do coração. Mais uma vez, JESUS não está dizendo que desejos lascivos são a mesma coisa que práticas lascivas e, portanto, que a pessoa pode aproveitar e cometer adultério de fato, uma vez que já o fez em pensamento. O desejo e a prática não são idênticos, mas, em termos espirituais, são equivalentes. O "olhar" que JESUS menciona não é apenas casual e de relance; antes, é um olhar fixo e demorado com propósitos lascivos. É possível um homem olhar de relance para uma mulher, constatar que ela é linda, mas não ter pensamentos lascivos depois disso. O homem que JESUS descreve olha para a mulher com o propósito de alimentar seus apetites sexuais interiores, como um substituto para o ato sexual em si. Não é uma situação acidental, mas um ato planejado. Como vencer essas tentações? Pela purificação dos desejos do coração (o apetite conduz à ação) e pela disciplina das ações do corpo. Claro que JESUS não está falando literalmente de realizar uma cirurgia, pois isso não resolveria o problema do coração. Em se tratando dos pecados sexuais, os olhos e as mãos são geralmente os dois grandes "culpados"; portanto, são eles que devem ser disciplinados. JESUS diz: "trate o pecado de maneira imediata e decisiva! Não pense num tratamento gradual. A remoção deve ser radical!" A cirurgia espiritual é mais importante do que a cirurgia física, pois os pecados do corpo podem levar ao julgamento eterno.
Convém refletir sobre passagens como Colossenses 3:5 e Romanos 6:13; 12:1, 2; 13:14. (Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - W arren W . W iersbe)
 
Depois que um homem se converte, é convencido pela Palavra de DEUS e pelo ESPÍRITO SANTO a mudar sua linha de pensamento. O Senhor, naturalmente, conhece este problema universal dos homens, pois ele nos admoesta: "Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já adulterou com ela." (Mt 5.28.) Esse adultério mental, provavelmente, já derrotou maior número de homens sinceros que qualquer outro pecado. Muitas mulheres crentes não compreendem este problema dos homens, razão pela qual adotam vestuário tão reduzido. Se elas soubessem os problemas mentais que sua falta de decência causa na média dos homens, muitas se vestiriam com mais recato; mas como não se sentem excitadas à vista de um belo físico masculino, não percebem a imediata reação dos homens à sua exposição.
 
ADULTÉRIO (O Ato Conjugal - Tim e Beverly LaHaye)Uma pessoa pode ser realmente perdoada por um adultério cometido?
Os pecados de adultério, homossexualismo e assassinato eram considerados crimes capitais na Bíblia, já que eram punidos com a pena de morte (Lv 20.10). Na Palavra de DEUS, está evidenciado de forma clara, que a vida humana é da maior importância para DEUS, e esses pecados atentam contra a perpetuação da vida. Mas, apesar disso, o sangue de CRISTO, vertido na cruz, pode purificar estes e outros pecados (1 Jo 1.7,9). Outra evidência do perdão de DEUS para esse pecado é o fato de JESUS haver perdoado a mulher adúltera (Jo 8.1-11), e a samaritana que tivera cinco maridos e na ocasião estava vivendo com outro (Jo 4.1-42).
O crente pode cometer adultério?
O crente pode cometer qualquer pecado que o homem conhece, mas se é realmente "nascido de novo", não poderá evitar o sentimento de culpa que lhe sobrevém da parte do ESPÍRITO SANTO (Jo 16.7-11). Por essa razão, Paulo desafia os cristãos a que andem segundo o ESPÍRITO e não segundo a carne (Gl 5.16-21). Se um crente abriga pensamentos impuros no coração durante algum tempo, fatalmente virá a praticar a ação. Foi por isso que CRISTO colocou em pé de igualdade os pensamentos impuros e o adultério (Mt 5.28). Nestes nossos dias de tanta tentação no plano sexual, é imprescindível que guardemos nossa mente.
Como posso perdoar meu cônjuge por um ato de infidelidade?
Provavelmente, não existe maior traição da confiança do que a da infidelidade conjugai. Portanto, é bastante comum a parte ofendida ter grande dificuldade em perdoar o cônjuge. Mas essa angústia e ressentimento não devem ser abrigados indefinidamente, pois, embora esta atitude possa ser compreensível, o fato é que o relacionamento dos dois não pode basear-se num ressentimento. Ê por esse motivo que outros casais se separam, após um ato de adultério, mesmo que o ofensor se arrependa e não prossiga em sua conduta.
O Senhor ensinou a necessidade do perdão em Mateus 6.14,15 e Efésios 4.32, bem como em muitas outras passagens. DEUS nunca nos dá uma ordem que não sejamos capazes de cumprir, pois ele nos capacita a isso. Portanto, se você quiser perdoar, você conseguirá. Mas, se preferir alimentar amargura e mágoa, provavelmente nunca superará o problema. Certa vez indaguei de uma senhora que fora traída pelo marido, o seguinte: "A senhora quer ser feliz ou infeliz pelo resto da vida? A decisão é sua!"
Como posso perdoar a mim mesmo por ter sido infiel ao meu cônjuge?
A infidelidade é um dos maiores golpes que pode sofrer um casamento, pois desencadeia uma série de conseqüências más, sendo que uma das maiores é justamente o sentimento de culpa que envolve o transgressor. Já vimos pessoas com esse sentimento de culpa chegarem a um esgotamento nervoso. A Bíblia diz: "O caminho dos pérfidos é intransitável." (Pv 13.15.) E isso é particularmente aplicável a quem se torna culpado de pecados de natureza sexual.
O autoperdão começa com o perdão divino. Quando você compreender que, pela confissão feita a DEUS, o sangue de JESUS CRISTO o purificou de toda injustiça, poderá perdoar a si mesmo. Há duas coisas que podem acelerar este processo: (1) pegue uma concordância bíblica e anote a referência de todos os versos que tratam da questão do perdão dos pecados; leia-os várias vezes; (2) com base em 1 João 1.9, todas as vezes que se lembrar do pecado, pare e agradeça a DEUS, pela fé, por haver-lhe perdoado. Aos poucos, você aprenderá a aceitar o perdão como um fato consumado, ao invés de ficar condenando a si mesmo por um pecado confessado.
Já confessei o pecado de adultério a DEUS, e não tenho intenção de repeti-lo. Devo contar a meu cônjuge?
Embora existam muitos outros fatores que devem ser considerados e que não estão incluídos nesta pergunta, geralmente recomendamos que não se conte ao cônjuge, desde que as condições abaixo sejam preenchidas.
1. Arrependimento genuíno e confissão do pecado a DEUS.
2. Cessação do relacionamento ilícito, evitando-se qualquer tipo de conduta para com a outra parte.
3. Estabelecimento de salvaguardas espirituais, isto é, oração e meditação diárias, participação regular nos trabalhos da igreja e uma conversa franca com o pastor.
Uma vez que meu cônjuge comete adultério, posso confiar nele novamente? Um pecado cometido não facilita a comissão de outros?
Isso depende de o indivíduo haver-se arrependido do pecado, confessado a DEUS e ao seu cônjuge, e cessado todo contato com a outra pessoa. Se estas coisas ocorreram, seria sensato de sua parte dar ao cônjuge a oportunidade de provar sua sinceridade, perdoando-o e esquecendo o passado. De outra forma, você estaria apenas dizendo-lhe: "Você fez a cama, agora deite-se nela."
Você deve aproveitar uma ocasião como esta, para fazer uma análise franca de sua vida, e procurar descobrir meios de modificar suas próprias atitudes e comportamento, de maneira que, com a ajuda de DEUS e a aplicação dos princípios bíblicos à sua vida, você se torne uma esposa (marido) melhor no plano espiritual, emocional e físico. Quando um homem ou mulher comete infidelidade, geralmente, o cônjuge fiel, de alguma forma, deixou de atender aos desejos e necessidades do outro.
Num casamento em que os dois ou pelo menos um é crente, eles devem esgotar todos os recursos possíveis para a reconciliação, antes de apelarem para a separação, mesmo que haja um caso de adultério. A separação deve ser o último recurso, depois que haverem feito, sinceramente, várias tentativas de reconciliação.
(O Ato Conjugal - Tim e Beverly LaHaye)
 
Reconhecer que o adultério é um grave pecado.  
Elencar as consequências da infidelidade conjugal.  
Pontuar alguns conselhos preventivos contra a infidelidade  
 
A nossa mente e coração devem estar guardados no Senhor, pois, a sua Palavra é a nossa bússola.
 
LIÇÃO 7 - O DIVÓRCIO
"Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério" (Mt 19.9).
O divórcio, embora admissível em caso de infidelidade, sempre traz sérias conseqüências à família. Por isso DEUS o odeia. 
 
 Dt 24.1 - O divórcio no Antigo testamento
24.1 ESCRITO DE REPÚDIO. O divórcio resulta do pecado humano (cf. Mt 19.8). As instruções que se acham nos versículos 1-4 foram dadas por DEUS para regular o divórcio no Israel antigo. Observe o seguinte nesses versículos:
(1) O termo "coisa feia", provavelmente se refira a certa conduta vergonhosa ou imoral, porém não da gravidade do adultério. Certamente não se trata de adultério, pois a penalidade deste era a morte, e não o divórcio (cf. 22.13-22; Lv 20.10).
(2) O "escrito de repúdio" era um documento legal entregue à mulher, para a rescisão do contrato do casamento, para protegê-la e liberá-la de todas as obrigações para com o seu ex-marido.
(3) Depois de receber o escrito de divórcio, a mulher estava livre para casar-se de novo. Nunca poderia, porém, voltar ao seu primeiro marido, se o segundo casamento se dissolvesse (vv. 2-4).
(4) A ocorrência do divórcio é uma tragédia (cf. Ml 2.16; ver Gn 2.24).
O próprio DEUS repudiou Israel por causa da sua infidelidade e adultério espiritual (Is 50.1; Jr 3.1,6-8).Dt 24.1-4 - O divórcio sem volta
1 Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então, será que, se não achar graça em seus olhos, por nela achar coisa feia, ele lhe fará escrito de repúdio, e lho dará na sua mão, e a despedirá da sua casa.2 Se ela, pois, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem,3 e se este último homem a aborrecer, e lhe fizer escrito de repúdio, e lho der na sua mão, e a despedir da sua casa ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer,4 então, seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a tomá-la para que seja sua mulher, depois que foi contaminada, pois é abominação perante o SENHOR; assim não farás pecar a terra que o SENHOR, teu DEUS, te dá por herança.
Gn 2.24 - DEUS institui o casamento
24 Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.
2.24 DEIXARÁ O VARÃO O SEU PAI E A SUA MÃE. Desde o princípio, DEUS estabeleceu o casamento e a família que dele surge, como a primeira e a mais importante instituição humana na terra (ver 1.28). A prescrição divina para o casamento é um só homem e uma só mulher, os quais tornam-se uma só carne (i.e., unidos em corpo e alma). Este ensino divino exclui o adultério, a poligamia, a homossexualidade, a fornicação e o divórcio quando anti-bíblico (Mc 10.7-9; ver Mt 19.9).
1 Co 7.39 - Até que a morte os separe
39 A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo em que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor.
Até que a morte os separe - essa é a receita de JESUS.
Mt 5.31,32 - O ensino de CRISTO sobre o divórcio
31 Também foi dito: Qualquer que deixar sua mulher, que lhe dê carta de desquite.
32 Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de "prostituição", faz que ela cometa adultério; e qualquer que casar com a repudiada comete adultério. (a palavra prostituição está traduzida assim em lugar de "se achar nela coisa feia", pois era esta a lei (
Dt 24.1-4).
1 Co 7.27 - O ensino de Paulo sobre o divórcio 
27 Estás ligado à mulher? Não busques separar-te. Estás livre de mulher? Não busques mulher.
Para se dedicar exclusiva e integralmente a DEUS o melhor é fazer como Paulo - Não se casar - Mas terá que se vigiar para não se abrasar - ter domínio próprio apurado.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Mateus 19.3-12
3 Então, chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o e dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? 4 Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que, no princípio, o Criador os fez macho e fêmea 5 e disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher, e serão dois numa só carne? 6 Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que DEUS ajuntou não separe o homem. 7 Disseram-lhe eles: Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio e repudiá-la? 8 Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim. 9 Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. 10 Disseram-lhe seus discípulos: Se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar. 11 Ele, porém, lhes disse: Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido. 12 Porque há eunucos que assim nasceram do ventre da mãe; e há eunucos que foram castrados pelos homens; e há eunucos que se castraram a si mesmos por causa do Reino dos céus. Quem pode receber isso, que o receba.
 
Em sua grande maioria os “Pais da Igreja” (Policarpo, Inácio, Irineu, Basílio de Cesareia, Gregório de Nissa, Gregório de Nazianzo, João Crisóstomo, Cipriano, Ambrósio, Agostinho, Hilário de Poiters, Cesário de Arles, Cirilo de Alexandria, Clemente Romano e tantos outros) eram iminentíssimos pastores à frente de venerandas igrejas: Roma, Alexandria, Antioquia, Jerusalém, Constantinopla, Milão e toda a África Proconsular Romana, como Cartago e Hipona. Viviam o dia a dia de seus filhos espirituais e conheciam as suas lutas. Eram homens de profunda erudição, de oração e contemplação. Com fantástica capacidade para a reflexão, escrita, pregação e ensino. Não viviam o divórcio entre Teologia e Púlpito tão inconvenientemente presente em nossos dias. Eram homens profundos. Apesar de militarem nas alturas da fé cristã, como homens de igreja que eram, resolviam as questões mais pertinentes e centrais para a paz e a harmonia da igreja pelo método conciliar. É assim que assistimos os monumentais Concílios da Antiguidade: Niceia: 20/05 a 25/06 de 325; Constantinopla: maio a junho de 381; Éfeso: 22/06 a 17/07 de 431; Calcedônia: 08/10 a 01/11 de 451; Constantinopla II: 05/05 a 02/06 de 553; Constantinopla III: 07/11 de 680 a 16/09 de 681 e, finalmente, no ocaso desta grande era: Niceia II: 24/09 a 23/10 de 787. (http://www.ultimato.com.br/conteudo/carecemos-de-gigantes?__akacao=1400014&__akcnt=86cdf67c&__akvkey=834c&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Newsletter+%DAltimas+153+-+14%2F05%2F2013)
 
RESOLUÇÃO DO PLENÁRIO DA CGADB Nº 001/2011 - http://www.altairgermano.net/2011/04/resolucao-da-40-ago-da-cgadb-sobre_19.html
Convenção Geral das Assembléias de DEUS no Brasil, no uso de suas atribuições e de conformidade com o disposto no art. 3º, III, IV c/c o art. 8º, I, do Estatuto Social;
Considerando a existência de Ministros, membros da CGADB, em situação de Divorcio;
Considerando a necessidade dessa Convenção Geral em traçar normas que regulamentem a situação ministerial dos seus membros, no sentido de preservar e manter os princípios morais e espirituais que embasam a doutrina das Assembléias de DEUS no Brasil;
Considerando que é dever dessa CGADB zelar pela observância da doutrina bíblica e dos bons costumes dos membros das Assembléias de DEUS, em todo território nacional, sem prejuízo da atuação das respectivas Convenções Estaduais;
RESOLVE:
Art. 1º A CGADB só reconhece o Divórcio no âmbito ministerial de seus membros, nos casos de infidelidade conjugal, previstos na Bíblia sagrada e expressos em Mt. 5:31-32; 19:9, devidamente comprovados.
Art. 2º. As Convenções Estaduais deverão esgotar todos os esforços possíveis no sentido de promover a reconciliação do Ministro e sua esposa, antes de serem ajuizadas Ações de Divórcio.
Art. 3º. Esta CGADB não reconhece, no âmbito da vida ministerial de seus membros, a situação de União Estável.
Art. 4º. O Ministro, membro desta CGADB, divorciado nos termos do disposto no art. 1º. desta Resolução ou no caso, onde a iniciativa do divórcio partir da sua esposa (1 Co 7: 15), poderá permanecer ou não, na função ministerial, decisão essa, que ficará a cargo da Convenção Estadual da qual é filiado, facultando-se-lhe o direito de recurso para Mesa Diretora e para o para o Plenário desta Convenção Geral.
Parágrafo 1º. O Ministro, vítima de infidelidade conjugal por parte de sua esposa, poderá contrair novas núpcias, respeitados os princípios bíblicos que norteiam a união conjugal, nos termos da permissibilidade concedida por CRISTO, em Mateus 5. 31 e 32; 19. 9, ficando cada caso a ser examinado e decidido pelas Convenções Estaduais.
Parágrafo 2º. Quando o Ministro der causa ao divórcio, a sua permanência ou retorno ao ministério dependerá de exame e decisão da Convenção Estadual, facultando-se-lhe ampla defesa, sendo-lhe também assegurado recurso para a Mesa Diretora e para o plenário da Convenção Geral.
Art. 5º. O Ministro, membro desta CGADB que acolher Ministro divorciado sem a observância do disposto na presente Resolução, será responsabilizado disciplinarmente, no âmbito desta Convenção Geral.
Art. 6º. Ficam os Presidentes de Convenções e demais membros desta CGADB autorizados a divulgar entre a membresia das Igrejas Evangélicas Assembléias de DEUS em todo o território nacional, o inteiro teor desta Resolução.
Art. 7º. Esta Resolução entrará em vigor na data da sua publicação no “Mensageiro da Paz”, órgão oficial de publicação dos atos desta Convenção Geral.
Art. 8º. Revogam-se a resolução 001/95, de 29 de Janeiro de 1995 e demais disposição em contrário.
 
Plenário da 40ª Assembléia Geral Ordinária da CGADB em Cuiabá(MT), 13 de abril de 2011. 
Pr. Esequias Soares da Silva - Presidente da Comissão Especial 
Pr. Everaldo Morais Silva - Relator da Comissão Especial 
Pr. Ricardo Moraes de Resende - Secretario Ad Hoc da Comissão Especial
 
COMENTÁRIO ENCONTRADO EM RESPOSTA NO SITE MENCIONADO ACIMA:
Há um texto na Bíblia que poderia parecer aprovar o novo casamento após o divórcio. Um texto! Se entendido como novo casamento aprovado, este texto aprovaria o novo casamento somente da “parte inocente”, isto é, a pessoa casada cuja esposa (ou esposo) cometeu adultério. Todos os outros novos casamentos são proibidos, sendo considerados como adultério.
Este texto é Mateus 19:9:
“Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério”.

Contra a aparente aprovação do novo casamento da “parte inocente” em Mateus 19:9, existem vários textos que claramente proíbem todos os novos casamentos após o divórcio, a despeito do fundamento do divórcio. Estas passagens condenam todo novo casamento após o divórcio como sendo adultério.
Marcos 10:11, 12: “E ele lhes disse: Qualquer que deixar a sua mulher e casar com outra adultera contra ela. E, se a mulher deixar a seu marido e casar com outro, adultera”.
Lucas 16:18: “Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério; e aquele que casa com a mulher repudiada pelo marido também comete adultério”.
1Coríntios 7:10, 11: “Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher”.
1Coríntios 7:39: “A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo em que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor”.
Romanos 7:2, 3: “Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido. De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for doutro marido; mas, morto o marido, livre está da lei e assim não será adúltera se for doutro marido”.

A proibição de novo casamento nestas passagens é absoluta.Romanos 7:2,3 e 1Coríntios 7:39 fundamentam a proibição absoluta na natureza do casamento, pois este é uma ligação para toda vida, em virtude da ordenação soberana de DEUS como Criador e Governador deste mundo. Um texto aparentemente conflita com esta proibição absoluta de novo casamento, por supostamente aprovar o novo casamento da “parte inocente”.
Se Mateus 19:9 de fato permite o novo casamento da “parte inocente”, ele contradiz fatalmente o ensino da Escritura sobre casamento, divórcio e novo casamento nas passagens citadas acima, especialmente 1 Coríntios 7:39.

Mateus 19:9 é Auto-Contraditório?A questão piora ainda mais. Se Mateus 19:9 permite o novo casamento da “parte inocente”, o texto é auto-contraditório. Ao invés de proibir o novo casamento, entre outros, da “parte culpada” como sendo adultério (isto é o que o texto expressamente ensina), o texto realmente abre a porta para o novo casamento da “parte culpada”. Ele faz isto exatamente ao permitir o novo casamento da “parte inocente”. Pois se a “parte inocente” pode casar novamente, este deve ser um caso no qual o laço do casamento entre a “parte inocente” e a “parte culpada” está dissolvido. Mas se o casamento está dissolvido, presumivelmente pelo adultério da “parte culpada”, ele está dissolvido para a “parte culpada” tanto quanto para a “parte inocente”. E se não há nenhum casamento, a “parte culpada” tem todo direito de casar novamente. Não estando casado, ela está livre para casar (novamente).
Assim, Mateus 19:9 contradiz a si mesmo e mergulha a questão de divórcio e novo casamento numa confusão e caos completo.

A Harmonia de Mateus 19:9 com Toda EscrituraNa realidade, não há nenhuma contradição entre Mateus 19:9, por um lado, e todos os textos proibindo o novo casamento, por outro lado. Mateus 19:9 meramente parece aprovar o novo casamento da “parte inocente”. Para dizer de uma forma mais correta, a aprovação do novo casamento da “parte inocente” é uma inferência que alguns erroneamente extraem de Mateus 19:9.
O significado de Mateus 19:9 é que todo divórcio é proibido, exceto aquele devido à infidelidade sexual de um dos cônjuges. Lembrando da pergunta dos fariseus no versículo 3, o assunto principal da passagem é a legitimidade do divórcio. A frase, “não sendo por causa de prostituição”, dá a única exceção bíblica à proibição de divórcio. Ele não dá uma exceção à proibição de novo casamento. Para dizer de uma forma diferente, as palavras “não sendo por causa de prostituição” dão o único fundamento bíblico para se divorciar da esposa (ou marido). Eles não dão um fundamento bíblico para o novo casamento após o divórcio.
CRISTO menciona o novo casamento no texto. Ele menciona isto porque quase sempre o homem que divorcia de sua esposa, ou intenta casar com outra mulher ou eventualmente se casará com outra.
O que dizer sobre novo casamento após o divórcio? O que dizer sobre a permissibilidade do novo casamento após o divórcio em Mateus 19:9?
Não há nenhuma questão sobre o novo casamento do homem que divorcia de sua esposa injustamente, isto é, o homem cuja esposa não é culpada de prostituição. JESUS declara – na verdade, este é o seu propósito principal no texto – que tal pessoa comete adultério quando se casa novamente.
Mas o que dizer sobre o novo casamento do homem que divorcia de sua esposa sobre o fundamento da prostituição dela? O que dizer sobre o novo casamento da “parte inocente” em Mateus 19:9?
Se Mateus 19:9 fosse concluído com as palavras “... e casar com outra, comete adultério”, haveria alguma escusa para a incerteza de se o texto permite o novo casamento da “parte inocente” ou não. Mesmo então, a igreja teria que levar em conta o ensino claro e explícito da Escritura (em outros lugares) de que todo novo casamento após o divórcio é proibido. A Escritura interpreta a Escritura. A passagem duvidosa deve ser explicada à luz das passagens mais claras. Mas Mateus 19:9 não termina dessa forma! Há uma segunda parte: “e o que casar com a repudiada também comete adultério”. A repudiada é a mulher da primeira parte do texto cujo marido se divorciou injustamente dela e se casou com outra, cometendo adultério. Ela é a “parte inocente”. Todavia, quem quer que se case com ela comete adultério. Certamente, ela também comete
adultério, se ela casar novamente.
Mateus 19:9 condena o novo casamento da “parte inocente” como sendo adultério.
Por quê?
Porque a esposa (ou marido) está ligada pela lei ao seu marido (ou sua esposa) enquanto seu marido (ou sua esposa) viver. Somente a morte dissolve o laço. O adultério não dissolve o laço do casamento. Enfaticamente, o adultério não tem o poder para dissolver o laço do casamento. Mateus 19:9 está em perfeita harmonia com tudo da Escritura na questão vitalmente importante do casamento, divórcio e novo casamento. O divórcio é permitido sobre o fundamento de prostituição ("se achar coisa feia", no primeiro dia de casados). Todo novo casamento após o divórcio é proibido como sendo adultério, incluindo o novo casamento da “parte inocente” (que não adulterou ou cometeu alguma ato de prostituição).
A razão é que a ordenança honorável de casamento da parte de DEUS é um laço para a vida toda, indissolúvel.
Que os santos pratiquem isso! Que a igreja proclame isso! E defenda-a com disciplina!
Em CRISTO JESUS - Kleber Santos...
20 de abril de 2011 11:14
 
“Portanto, o que DEUS ajuntou não separe o homem” (Mt 19.6).
Veja que está dito que quem ajuntou foi DEUS, o casamento é de DEUS e só ELE pode separar o casal, porém nunca isso é o seu desejo.
 
Contextualização
Divórcio no Antigo Testamento.
Por qualquer motivo se separavam e davam carta de divórcio, mas na verdade Moisés permitiu que se divorciassem das mulheres que não eram Israelitas para ficarem com suas legítimas esposas e também para que no primeiro dia de casados se por acaso fosse descoberto que a esposa tivesse um defeito físico ou não fosse mais virgem, então pudessem se separar para que a mesma não morresse apedrejada. Ed 10.3-44; Dt 22.20; Dt 24.1. No caso de infidelidade conjugal depois do casamento, o AT determinava a dissolução do casamento com a execução das duas partes culpadas - era morte e o que era adotado era o apedrejamento (Lv 20.10; Êx 20.14; Dt 22.22)
 
O divórcio não pode ser visto como um procedimento normal, pois suas conseqüências são irreparáveis.Lv 20.10= Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera.
O divórcio não tem de DEUS aprovação.
 
COMENTÁRIOS:
INTRODUÇÃO: Infelizmente, aumenta a cada dia o número de divórcios entre os cristãos.
I. CASAMENTO, UMA INSTITUIÇÃO DIVINA1. Definição.
Casamento é a união física, moral e espiritual entre um homem e uma mulher com fins de, em obediência à DEUS e à sua Palavra, formarem uma Família que povoará a terra e evangelizará seus moradores. (Dedução lógica a que se chega lendo-se a Bíblia).
2. Instituição divina.
Casamento é instituição divina, idealizada e criada por DEUS para que o homem se sinta feliz e o homem não pode separá-la, pois é considerado feito e aprovado por DEUS.
 “Portanto, o que DEUS ajuntou não separe o homem” (Mt 19.6).
3. Importância espiritual.
A família cristã representa o próprio DEUS na terra, pois é através desta família que DEUS manifestará seus desígnios para a comunidade em que vivem.
4. Felicidade conjugal. 
Através da felicidade, amor e união da família é que DEUS irá trabalhar no coração dos homens para que vejam o favor do criador sobre suas criaturas.

II. DIVÓRCIO À LUZ DA BÍBLIAO divórcio é também um problema espiritual que está relacionado às conseqüências da queda do homem – o pecado e o endurecimento dos corações.
1. A causa do divórcio.
a) “Por qualquer motivo”.
Dt 24.1= Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então, será que, se não achar graça em seus olhos, por nela achar coisa feia, ele lhe fará escrito de repúdio, e lho dará na sua mão, e a despedirá da sua casa.
b) Por não ser virgem
Dt 22.20-22= Porém, se este negócio for verdade, que a virgindade se não achou na moça, então, levarão a moça à porta da casa de seu pai, e os homens da sua cidade a apedrejarão com pedras, até que morra; pois fez loucura em Israel, prostituindo-se na casa de seu pai; assim, tirarás o mal do meio de ti. Quando um homem for achado deitado com mulher casada com marido, então, ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher e a mulher; assim, tirarás o mal de Israel. (Poderia o esposo não denunciar a mulher para que ela não morresse, como fez José).
c) Casamento misto.
Ed 9 e 10 = Ne 13.23= Vi também, naqueles dias, judeus que tinham casado com mulheres asdoditas, amonitas e moabitas. Esse era um motivo claro de divórcio para os israelitas e era ordenado pelos seus líderes para que DEUS não amaldiçoasse toda a nação.
2. Como prevenir. Assim que se percebe que a relação conjugal está sofrendo algum tipo de desgaste, é obrigação dos cônjuges atentar para, pelo menos, três pontos fundamentais da convivência sadia, rogando a ajuda do ESPÍRITO a fim de pô-los em prática.
a) Comunicação. O diálogo é talvez a maior necessidade do ser humano moderno, as famílias estão a beira da falência por falta de se comunicarem entre si. É a correria do dia a dia e a preocupação com os bens materiais, trazendo falta de tempo para as coisas mais importantes. O casal precisa conversar e conversar muito entre si, discutindo amigavelmente todos os problemas e descobrindo juntos a solução para os tais; também é preciso comunicação para a satisfação sexual de ambos, o que um gosta e deseja pode ser a barreira para que o outro não seja satisfeito.
b) Unidade de propósitos. O rumo, o futuro da família deve ser comum aos dois, ao casal que planejam juntos sua felicidade.
c) Humildade. Pedir desculpas sempre que errar, julgar o outro superior a si mesmo são maneiras de manter o casamento aquecido do frio do desprezo. Lembre-se de que quando um não quer, dois não brigam. É melhor "perder aparentemente" hoje e ganhar amanhã, do que colocar tudo a perder por falta de humildade.
3. Quando a separação é permitida. Somente em dois casos:
a- Quando há adultério.
b- Quando o descrente quer se apartar. 
Mas o cônjuge crente, deve fazer de tudo para ganhar o descrente para JESUS, conforme a recomendação de Pedro (1 Pe 3.1-6).
3.1 MARIDOS... SEJAM GANHOS. Pedro ensina como uma esposa deve agir a fim de ganhar para CRISTO o seu marido não salvo.
(1) Ela deve ser submissa ao marido e reconhecer a sua liderança na família (ver Ef 5.22).
(2) Ela deve conduzir-se de modo santo e respeitoso, com espírito manso e quieto (vv. 2-4; ver 1 Tm 2.13,15).
(3) Ela deve esforçar-se para ganhar o marido para CRISTO, mais pelo comportamento, do que por suas palavras.
3.3,4 ENFEITE EXTERIOR... BELEZA INTERIOR. Os adornos berrantes, exagerados e dispendiosos são contrários ao espírito modesto que DEUS requer da parte das mulheres cristãs (ver 1 Tm 2.9).
(1) O que muito importa para DEUS nas mulheres cristãs é uma disposição mansa e quieta (cf. Mt 11.29; 21.5), que as leva a honrá-lo, ao dedicarem-se a ajudar o marido e a família a alcançar a vontade de DEUS para as suas vidas.
(a) O adjetivo "manso" descreve uma atitude despretensiosa que se manifesta numa submissão amável e na solicitude pelo próximo (cf. Mt 5.5; 2 Co 10.1; Gl 5.23).
(b) O adjetivo "quieto" refere-se à esposa não ser agitada e indelicada. Noutras palavras, DEUS declara que a verdadeira beleza da mulher é questão de caráter, e não primeiramente de enfeites.
(2) As esposas cristãs de nossos dias devem ser fiéis a CRISTO e à sua Palavra, num mundo dominado pelo materialismo, pelas modas dominantes, pelos direitos humanos, pela obsessão sexual e pelo desprezo aos valores do lar e da família.
III. DESASTROSAS CONSEQÜÊNCIAS1. Altos riscos de problemas psiquiátricos e doenças físicas.
a) Os indivíduos divorciados acham-se mais vulneráveis ao câncer do que as pessoas bem casadas. A solidão e a angústia são portas abertas para as doenças que não encontram vontade de viver e de lutar pela vida em suas vítimas.
b) As taxas de morte prematura são significativamente mais altas entre homens e mulheres divorciados. Existe a comprovação de pesquisas médicas é só pesquisar.
2. Os filhos. O desenvolvimento emocional dos filhos está diretamente ligado à interação contínua, cuidadosa e sustentadora entre ambos os pais.
Os pais são exemplo dos filhos e se os pais não vão bem conjugalmente passam para os filhos a insatisfação e a falta de amor.
CONCLUSÃO 
Considerando todas as questões discutidas, não espere um colapso conjugal para então buscar solução no divórcio; renove, melhore e recicle seu relacionamento conjugal e fuja de todas as possibilidades que desemboquem numa catástrofe desta natureza. O ideal, portanto, é que os cônjuges permaneçam unidos até que a morte os separe.
Mt 19.7 Disseram-lhe eles: Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio e repudiá-la? 8 Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim.
DEUS NÃO MANDOU E NEM PERMITIU, Moisés permitiu por causa do coração endurecido dos homens e de sua insistência em errar, porém o desejo de DEUS é que mesmo que haja prostituição, haja o perdão, para que os filhos principalmente não sofram.
 
LEITURA BÍBLICA IMPORTANTE:
OSÉIAS 5.1-7 - Ouvi isto, ó sacerdotes, e escutai, ó casa de Israel, e escutai, ó casa do rei, porque a vós pertence este juízo, visto que fostes um laço para Mispa e rede estendida sobre o Tabor. Os transviados têm descido até ao profundo, na matança; mas eu serei a correção de todos eles. Eu conheço Efraim, e Israel não se esconde de mim; porque, agora, te tens prostituído, ó Efraim, e se contaminou Israel. Não querem ordenar as suas ações, a fim de voltarem para o seu DEUS; porque o espírito da prostituição está no meio deles, e não conhecem o SENHOR. A soberba de Israel testificará, pois, no seu rosto; e Israel e Efraim cairão pela sua injustiça, e Judá cairá juntamente com eles. Eles irão com as suas ovelhas e com as suas vacas, para buscarem o SENHOR, mas não o acharão: ele se retirou deles. Aleivosamente se houveram contra o SENHOR, porque geraram filhos estranhos; agora, a lua nova os consumirá com as suas porções.
 
Na sociedade em geral, o divórcio tem gerado polêmicas.
A família desfeita é como se fosse possível o céu sem JESUS. Os filhos se tornam desajustados, causando grandes prejuízos à sociedade como um todo.

I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO
A lei de Moisés prescreve as razões para o divórcio em termos tão gerais que torna-se difícil explicar os motivos que o justificam. Vejamos:

1. Motivos que ensejavam o divórcio.
a) “Por qualquer motivo”.
Dt 24.1= Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então, será que, se não achar graça em seus olhos, por nela achar coisa feia, ele lhe fará escrito de repúdio, e lho dará na sua mão, e a despedirá da sua casa.
ESCRITO DE REPÚDIO.
 O divórcio resulta do pecado humano (cf. Mt 19.8). As instruções que se acham nos versículos 1-4 foram dadas por DEUS para regular o divórcio no Israel antigo. Observe o seguinte nesses versículos:
(1) O termo "coisa feia", provavelmente se refira a certa conduta vergonhosa ou imoral, porém não da gravidade do adultério. Certamente não se trata de adultério, pois a penalidade deste era a morte, e não o divórcio (cf. 22.13-22; Lv 20.10).
(2) O "escrito de repúdio" era um documento legal entregue à mulher, para a rescisão do contrato do casamento, para protegê-la e liberá-la de todas as obrigações para com o seu ex-marido.
(3) Depois de receber o escrito de divórcio, a mulher estava livre para casar-se de novo. Nunca poderia, porém, voltar ao seu primeiro marido, se o segundo casamento se dissolvesse (vv. 2-4). 
(4) A ocorrência do divórcio é uma tragédia (cf. Ml 2.16; ver Gn 2.24), mas não é pecado, se tiver fundamento bíblico (ver Mt 19.9; 1 Co 7.15). O próprio DEUS repudiou Israel por causa da sua infidelidade e adultério espiritual (Is 50.1; Jr 3.1,6-8).
Lv 20.10= Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera.
Dt 22.20-22= Porém, se este negócio for verdade, que a virgindade se não achou na moça, então, levarão a moça à porta da casa de seu pai, e os homens da sua cidade a apedrejarão com pedras, até que morra; pois fez loucura em Israel, prostituindo-se na casa de seu pai; assim, tirarás o mal do meio de ti. Quando um homem for achado deitado com mulher casada com marido, então, ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher e a mulher; assim, tirarás o mal de Israel.
b) Casamento misto. Ed 9 e 10=
Ne 13.23= Vi também, naqueles dias, judeus que tinham casado com mulheres asdoditas, amonitas e moabitas.
TOMARAM DAS SUAS FILHAS PARA SI. Quando Neemias chegou a Jerusalém, descobriu que muitos dos israelitas, inclusive sacerdotes, levitas e governantes, tinham se casado com mulheres idólatras e praticavam as abominações e impurezas dos pagãos (vv. 1,2,11). O casamento com ímpios foi terminantemente proibido na lei de Moisés (Êx 34.11-16; Dt 7.1-4; cf. Sl 106.35). O NT, da mesma forma, proíbe o povo de DEUS da nova aliança, casar-se com incrédulos (1 Co 7.39; cf. 2 Co 6.14).9.2 A SEMENTE SANTA. Ser uma nação santa ? nisto consistia a alta vocação de Israel (cf. Êx 19.6; Is 6.13; Ml 2.15).
(1) Como povo, Israel devia ser a possessão exclusiva de DEUS, refletindo sua pessoa e santidade, mediante a rejeição dos costumes pecaminosos dos que não conhecem a DEUS (Dt 7.1-11).
(2) Os crentes do NT também são chamados para se separarem do mundo (2 Co 6.14-18). Aqueles que confessam JESUS como seu Senhor devem ser uma "nação santa" (1 Pe 2.9-12), dedicada a fazer a vontade e a obra do Pai. Isso deixa claro que o crente cheio do ESPÍRITO viverá uma vida de retidão e separação, em comunhão com DEUS (1 Co 6.11), de modo diferente dessa geração maligna (At 2.40); tal crente sempre procurará fazer a vontade de DEUS como seu fiel filho (Rm 8.13-16)
CONTENDI COM ELES. Há ocasiões em que os dirigentes, se realmente são servos de DEUS, precisam ter ira santa contra o mal e adotar medidas drásticas para corrigir uma situação maléfica que surja. Usar de brandura e mansidão, quando há desrespeito público e cínico ante a vontade de DEUS, pelos membros da igreja, passa a ser fraqueza e transigência. A correção aplicada por Neemias demonstra um zelo por DEUS semelhante ao de CRISTO, quando Ele tomou um chicote para expulsar os vendilhões do templo de Jerusalém (Mt 21.12,13; Jo 2.13-16; ver Lc 19.45).
2. Carta de divórcio.
Documento que a mulher recebia de seu marido e que autorizava a separação sem haver apedrejamento caso se casasse novamente.
II. O DIVÓRCIO NOS EVANGELHOS
Somente JESUS falou sobre divórcio no Novo Testamento, Paulo dá sua opinião a respeito da separação entre casais, não sobre divórcio, pois o mestre dos mestres já tinha ensinado sobre divórcio. Paulo fala sobre a separação do casal onde um é crente e o outro não e faz questão de dizer que mesmo que se separem não devem se casar de novo e ainda se ficar viúvo(a) ele aconselha a não arranjar outra(o).
1 Co 7.10 Todavia, aos casados, mando, não eu mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido; 11 se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher. 12 Mas aos outros digo eu, não o Senhor: Se algum irmão tem mulher incrédula, e ela consente em habitar com ele, não se separe dela. 13 E se alguma mulher tem marido incrédulo, e ele consente em habitar com ela, não se separe dele. 14 Porque o marido incrédulo é santificado pela mulher, e a mulher incrédula é santificada pelo marido crente; de outro modo, os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos. 15 Mas, se o incrédulo se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou a irmã, não está sujeito à servidão; pois DEUS nos chamou em paz. 16 Pois, como sabes tu, ó mulher, se salvarás teu marido? ou, como sabes tu, ó marido, se salvarás tua mulher?
1 Co 7.39 A mulher está ligada enquanto o marido vive; mas se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor. 40 Será, porém, mais feliz se permanecer como está, segundo o meu parecer, e eu penso que também tenho o ESPÍRITO de DEUS.
III. O DIVÓRCIO NAS EPÍSTOLAS
1. Morte para a lei (Rm 7.1-3). = 
1 Não sabeis vós, irmãos (pois que falo aos que sabem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem por todo o tempo que vive?2 Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido.3 De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for doutro marido; mas, morto o marido, livre está da lei e assim não será adúltera se for doutro marido.
MORTOS PARA A LEI. Já não dependemos da Lei e dos sacrifícios do AT para sermos salvos e aceitos diante de DEUS (cf. Gl 3.23-25; 4.4,5 ). Fomos alienados da antiga aliança da Lei e unidos a CRISTO para a salvação. Devemos crer em JESUS (1 Jo 5.13), receber o seu ESPÍRITO e a sua graça e, assim, receber o perdão, ser regenerados e capacitados para produzir fruto para DEUS (6.22,23; 8.3,4; Mt 5.17; Ef 2.10; Gl 5.22,23; Cl 1.5,6).
2. Aos casais crentes (1 Co 7.10). = 
Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido.
SE, PORÉM, SE APARTAR, QUE FIQUE SEM CASAR
. No versículo 10, Paulo mostra que a vontade de DEUS para o casamento é que ele seja permanente. Também mostra que, às vezes, o relacionamento conjugal se torna tão insuportável que é necessário os cônjuges se separarem. No versículo 11, portanto, Paulo não se refere ao divórcio permitido por DEUS, causado por adultério (ver Mt 19.9), nem ao abandono de um cônjuge pelo outro (ver v.15). Pelo contrário, Paulo está falando da separação sem divórcio formal. Talvez isso se refira a situações em que o cônjuge age de modo a pôr em perigo a vida física ou espiritual da esposa e dos filhos. Em tais casos, é preferível que um dos cônjuges deixe o outro, mas que permaneça sem casar. É inaceitável que Paulo fosse favorável a não separação de um casal em que um dos cônjuges vive sempre a maltratar fisicamente o outro e a agredir os filhos.
3. Aos casais mistos (1 Co 7.12,13). 
Aqui se fala em separação, não em divórcio. Não existe aqui permissão para novo casamento, nem de um, nem de outro. O que DEUS uniu, não o separe o homem. O melhor aqui é deixar que o tempo separados mostre ao casal que o melhor mesmo é se perdoarem e reatarem seu relacionamento visando principalmente o bem-estar dos filhos.
CONCLUSÃO
“Se por um lado não há casamentos totalmente a salvo, por outro lado também não há casamentos totalmente perdidos. DEUS subordina seu poder de restaurar o matrimônio problemático ao perdão entre os cônjuges. Portanto, o divórcio não deve jamais ser visto como uma prática a ser seguida em qualquer situação, mas como uma extrema exceção.”
 Revista Ensinador Cristão, CPAD, nº 11, pág.39
“Uma mulher podia ser comprada, e com freqüência era considerada propriedade do homem. No lar era usada como se fora uma escrava, e por qualquer razão podia ser repelida e expulsa. JESUS não somente procurou elevar a posição da mulher na sociedade, mas também procurou eliminar esse duplo padrão. Assim fazendo, o Senhor elevou grandemente o estado de casado.”
 CHAMPLIN, Russel Norman. O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo. São Paulo, Hagnos, 2002. V.1. p.482.
A igreja deve, buscando ao Senhor, sempre ajudar a salvar os casamentos em perigo, enquanto procura desestimular o divórcio.
 
Dissertar sobre o divórcio no Antigo testamento. 
Defender como padrão o ensinamento de JESUS sobre o divórcio. 
Explicar o porquê do ensino de Paulo acerca da separação.
 
PALAVRA-CHAVE - DIVÓRCIO - Dissolução do vínculo matrimonial.

LIÇÃO 8, EDUCAÇÃO CRISTÃ, RESPONSABILIDADE DOS PAIS
"Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele" (Pv 22.6). 
A educação cristã de nossas crianças, adolescentes e jovens é uma responsabilidade intransferível e pessoal dos pais com o apoio e assistência da igreja. 
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE- Deuteronômio 6.1-9
1 Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o SENHOR, vosso DEUS, para se vos ensinar, para que os fizésseis na terra a que passais a possuir; 2 para que temas ao SENHOR, teu DEUS, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados. 3 Ouve, pois, ó Israel, e atenta que os guardes, para que bem te suceda, e muito te multipliques, como te disse o SENHOR, DEUS de teus pais, na terra que mana leite e mel. 4 Ouve, Israel, o SENHOR, nosso DEUS, é o único SENHOR. 5 Amarás, pois, o SENHOR, teu DEUS, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder. 6 E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; 7 e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te. 8 Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos. 9 E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.
 
6.4-9 OUVE, Ó ISRAEL. Este trecho é comumente chamado "o Shema" (do hb. shama?, "ouvir"). Os judeus dos tempos de JESUS eram afeitos a esse trecho, por ser recitado diariamente pelos judeus devotos, e também regularmente nos cultos da sinagoga. O "Shema" é a declaração clássica do cunho monoteísta de DEUS. Ao "Shema" segue-se um duplo preceito para Israel:
(1) amar a DEUS de todo o coração, alma e forças (vv. 5,6); e
(2) ensinar diligentemente aos seus filhos sobre a sua fé (vv. 7-9).
6.4 O SENHOR, NOSSO DEUS, É O ÚNICO SENHOR. Este versículo juntamente com os versículos 5-9; 11.13-21; Nm 15.37-41 - ensina o monoteísmo. Esta doutrina afirma que DEUS é o único DEUS verdadeiro, e não uma teogonia ou grupo de diferentes deuses; que é onipotente entre todos os seres e espíritos do mundo (Êx 15.11). Este DEUS deve ser o objeto exclusivo do amor e obediência de Israel (vv. 4,5). Esse aspecto de "unicidade" é a base da proibição da adoração a outros deuses (Êx 20.2). O ensino de 6.4 não contradiz a revelação no NT, de DEUS como um ser trino, que sendo uno em essência, é manifesto como Pai, Filho e ESPÍRITO SANTO (ver Mt 3.17, e Mc 1.11).
6.5 AMARÁS... O SENHOR, TEU DEUS. DEUS anela comunhão com seu povo e lhe dá esse único e indispensável mandamento, que vincula esse povo a Ele mesmo.
(1) Retribuindo o seu amor com amor, gratidão e lealdade (4.37), os israelitas o conhecerão, e nEle se deleitarão pelas provisões do concerto.
(2) Deste mandamento, "o primeiro e grande mandamento", juntamente com o segundo mandamento: amar ao próximo (cf. Lv 19.18), depende toda a lei e os profetas (Mt 22.37-40).
(3) A verdadeira obediência a DEUS e aos seus mandamentos somente é possível quando brota da fé em DEUS e do seu amor (cf. 7.9; 10.12; 11.1,13,22; 13.3; 19.9; 30.6,16,20; ver Mt 22.39; Jo 14.15; 21.16; 1Jo 4.19).
6.6 ESTAS PALAVRAS... ESTARÃO NO TEU CORAÇÃO. O firme propósito de DEUS é que sua Palavra esteja no coração do seu povo (cf. Sl 119.11; Jr 31.33). Paulo declara explicitamente: "A palavra de CRISTO habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria" (Cl 3.16; cf. 2 Tm 3.15-17). Esse preceito somente pode ser cumprido se, diária e continuamente, examinarmos as Escrituras (Sl 119.97-100; Jo 8.31,32). Uma maneira de fazer isso é ler o NT todo duas vezes por ano, e o AT uma vez por ano (cf. Is 29.13; ver Tg 1.21).
6.7 E AS INTIMARÁS AOS TEUS FILHOS. Uma forma vital de expressar amor a DEUS (v. 5) é cuidar do bem-estar espiritual dos filhos e esforçar-nos para levá-los a um real relacionamento com DEUS.
(1) O ensino da Palavra de DEUS aos filhos deve ser uma tarefa altamente prioritária dos pais (cf. Sl 103.13; ver Lc 1.17; 2 Tm 3.3).
(2) O ensino das coisas de DEUS deve partir do lar, e nisso, tanto o pai como a mãe deve participar. Cultuar a DEUS no lar não é uma opção; pelo contrário, é um mandamento direto do Senhor (vv. 7-9; Êx 20.12; Lv 20.9; Pv 1.8; 6.20; cf. 2 Tm 1.5).
(3) O propósito da instrução bíblica pelos pais é ensinar os filhos a temer ao Senhor, a andar em todos os seus caminhos, a amá-lo e ser-lhe grato e a servi-lo de todo o coração e alma (10.12; Ef 6.4).
(4) O crente deve proporcionar sabiamente aos seus filhos uma educação teocêntrica, em que tudo se relacione com DEUS e às suas coisas (cf. 4.9; 11.19; 32.46; Gn 18.19; Êx 10.2; 12.26,27; 13.14-16; Is 38.19)
 
Esse é o material abaixo vem sendo distribuído aos colégios onde nossos filhos e netos estudam.
Continue votando neles e veja onde vai parar sua família...
 
 
 
 
 
 
EDUCAÇÃO
INSTRUÇÃO (Vine 's Expository Dictionary o f Biblical Words – Dicionário Vine - CPAD)
Substantivo. Musar: “instrução, castigo, advertência”.
Este substantivo aparece 50 vezes, principalmente em Provérbios. A primeira ocorrência está em Dt 11.2: “E hoje sabereis que falo, não com vossos filhos, que o não sabem e não viram a instrução do SENHOR, vosso DEUS, a sua grandeza, a sua mão forte, e o seu braço estendido”.
Um dos principais propósitos da literatura sapiencial era ensinar sabedoria e "musar" (Pv 1.2). O termo "musar" significa disciplina, mas é mais que isso. Como "disciplina", ele ensina como viver corretamente no temor do Senhor, de forma que o sábio aprenda a lição antes da tentação e da prova: "O que tendo eu visto, o considerei: e, vendo-o, recebi instrução" (Pv 24.32). Esta “disciplina" é treinamento para a vida; por conseguinte, prestar atenção à "musar" é importante. Muitos verbos confirmam a necessidade de uma resposta correta: "Ouvir, obedecer, amar, receber, obter, apoderar-se, guardar, manter".
Além disso, a rejeição é confirmada por muitos verbos relacionados com "musar". “Rejeitar, odiar, ignorar, não amar, menosprezar, abandonar”. Quando "musar" é dado como “instrução", mas não é observado, o "musar" como “castigo” ou “disciplina" pode ser o próximo passo: “A estultícia está ligada ao coração do menino, mas a vara da correção a afugentará dele” (Pv 22.15).
Atenção cuidadosa à ‘instrução” traz honra (Pv 1.9), vida (Pv 4.13), e sabedoria (Pv 8.33), e, acima de tudo, agrada a DEUS: “Porque o que me achar achará a vida e alcançará favor do SENHOR” (Pv 8.35). A falta de observância da “instrução’ ocasiona seus próprios resultados: morte (Pv 5.23), pobreza e vergonha (Pv 13.18), e é, em última instância, sinal de que o indivíduo não tem consideração pela própria vida (Pv 15.32).
A receptividade da “instrução” dada pelos pais, professores, o sábio ou o rei é corolário direto da subjugação do indivíduo à disciplina de DEUS. Os profetas acusaram Israel por não receber a disciplina de DEUS: “Ah! SENHOR, atentam os teus olhos para a verdade? Feriste-os, e não lhes doeu; consumiste-os, e não quiseram receber a correção;  endureceram as suas faces mais do que uma rocha; não quiseram voltar” (Jr 5.3). Jeremias pediu aos judeus e aos habitantes da Jerusalém sitiada que prestassem atenção ao que estava acontecendo ao redor, para que eles ainda se sujeitassem à “instrução” (Jr 35.13). Isaías predisse que o castigo de DEUS que os homens mereciam foi levado pelo Servo Sofredor, trazendo paz aos que crêem n´Ele: “Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados” (Is 53.5).
A Septuaginta tem a tradução de Paidéia (“educação. treinamento, instrução"). A palavra grega é a base para a palavra pedagogia, “treinamento de uma criança”.
 
RESUMO RÁPIDO - Meus comentários:
A educação do Brasil é péssima e na igreja é vergonhosa.
Se no governo brasileiro existe um déficit de escolas absurdo, o que dizer de nossa denominação quanto ao número de escolas que possuímos?
Pelo menos em cada grupo de 15.000 crentes, deveríamos possuir um colégio evangélico para crianças, um para adolescentes e um para adultos.
A escola dominical não tem tido a eficiência desejada por DEUS. Para comprovação disso basta ver o número de filhos de crentes prisioneiros nas cadeias e presídios de nosso país.
Não temos, entre os lares de cristãos, nem 10% dos lares onde a Palavra de DEUS é ensinada, onde se realiza pelo menos um culto doméstico.
Encontramos o número de 90% de crentes que nem leram a bíblia toda pelo menos uma vez.
Esse é o triste retrato da educação cristã no Brasil de hoje.
Não há ensino na escola secular, não há ensino nos lares, não há eficiência no ensino de Escolas Bíblicas Dominicais que mais gastam tempo ensinando às nossas crianças a desenhar e a cantar do que ensinando a Palavra de DEUS a estas.
Os filhos são presentes de DEUS e recompensa pelo nosso amor para com nosso cônjuge.
Salmos 127:3 Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre o seu galardão. 
Temos a responsabilidade de criar e educar nossos filhos, preparando-os para o futuro onde terão suas próprias famílias para cuidar e educar.
Provérbios 22:6 Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. 
Primeiro a Palavra de DEUS deve estar no coração dos pais – depois devem ser ensinadas a seus filhos – devem ser repetidas e ensinadas a eles todos os dias de suas vidas em que estiverem em companhia de seus pais. A bíblia deve ser carregada pelas mãos dos filhos de DEUS, deve ser a luz a iluminar o caminho de cada cristão e deve ser o guia de regras de conduta e relacionamento do crente com DEUS, com sua família, com a Igreja e com o mundo a sua volta.
E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas. (Dt 6.6-9)
Os pais devem ensinar a seus filhos a ouvirem e a obedecerem à Palavra de DEUS.
Ouvi, filhos, a instrução do pai, e estai atentos para conhecerdes o entendimento. Pois eu vos dou boa doutrina; não abandoneis o meu ensino. Quando eu era filho aos pés de meu, pai, tenro e único em estima diante de minha mãe, ele me ensinava, e me dizia: Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos, e vive. (Pv 4.1-4)
A prevenção é o melhor remédio para se evitar futuros desastres de conduta.
Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele. (Pv 22.6).
Timóteo foi um dos maiores exemplos de eficiência do ensino nos lares. Filho de uma judia que era crente, mas de pai grego; recebeu de sua avó e de sua mãe o maior legado, a maior herança, o ensino da Palavra de DEUS. De um garoto simples, criado em uma minúscula cidade chamada Listra, Timóteo se tornou um gigante na fé e na direção de igrejas fundadas pelo apóstolo Paulo.
[...] trazendo à memória a fé não fingida que há em ti, a qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice e estou certo de que também habita em ti." (2 Tm 1.5)
Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS. (2 Tm 3.14-15)
E enviamos Timóteo, nosso irmão, e ministro de DEUS, e nosso cooperador no evangelho de CRISTO, para vos confortar e vos exortar acerca da vossa fé; (1Ts 3.2)
Trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti. (2 Tm 1.5).
A sociedade corrompida e sucumbida por valores totalmente distanciados dos padrões bíblicos é o produto da falta legítimo ensino cristão nos lares. É o resultado da negligência dos pais na criação de seus filhos.
O estado pouco pode fazer e não o faz. Também não é papel do estado imprimir nas pessoas o ensino bíblico, mas é dever dos pais.
A falta do princípio da autoridade, que deveria ter sido implantado nas crianças em seus lares, traz o desrespeito das crianças pelos mais velhos e conseqüentemente pelas autoridades, como o professor, o pastor, o policial, os governantes, os patrões, os ensinadores em geral e até pelo professor de EBD.
Vivemos em pleno caos educacional.
A família quer transferir sua responsabilidade para a Igreja e para o governo.
Acredito que a solução deva ser a reestruturação da família, por isso a insistente investida de Satanás em destruir as famílias, criando até uma pior situação do que a vigente – a criação de crianças por parte de pessoas do mesmo sexo que se casam com o apoio do estado e adquirem permissão para adotarem crianças. Pior do que isto não acredito poder ficar.
A Igreja deve trabalhar insistentemente na reestruturação dos lares cristãos e nos princípios bíblicos que neles devem ser ensinados e imprimidos.
 
Algumas medidas que creio serem importantes, e por que não dizer urgentes, são:
1- Pelo menos um Domingo por mês deve ter um culto direcionado para o assunto família.
2- Todas a s congregações devem criar um departamento de família.
3- Deve ser implantado em todos os lares o Culto Doméstico com a ajuda de grupos treinados para esse fim.
4- Deve ser iniciado um programa de leitura bíblica em todos os lares e departamentos da Igreja. Cada reunião, cada ensaio, cada culto deve ser prioritária a leitura de um capítulo da bíblia.
5- Cada culto de doutrina deve ter pelo menos quinze minutos dedicados ao ensino sobre família.
6- Cada templo sede deve criar um grupo especializado em ensino e pregação sobre o tema “Família, projeto de DEUS”.
7- Deve ser criada uma revista especial para ser usada pelos pais no ensino fundamental das principais doutrinas bíblicas em seus lares, facilitando assim a orientação dos pais para com seus filhos – principais e básicos ensinos para os lares cristãos.
Sem consertar a base da sociedade (a família) nunca conseguiremos arrumar o estrago já feito.
 
A EDUCAÇÃO NOS LARES É BEM PERCEBIDA NO NOVO TESTAMENTO
MARIA PROVA TER UM ALTO CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS QUANDO CRIANÇA - VEJA - Lc 1.46-55 - Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, E o meu espírito se alegra em DEUS meu Salvador;
Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada, Porque me fez grandes coisas o Poderoso; E santo é seu nome. E a sua misericórdia é de geração em geração Sobre os que o temem. Com o seu braço agiu valorosamente; Dissipou os soberbos no pensamento de seus corações. Depôs dos tronos os poderosos, E elevou os humildes. Encheu de bens os famintos, E despediu vazios os ricos. Auxiliou a Israel seu servo, Recordando-se da sua misericórdia; Como falou a nossos pais, Para com Abraão e a sua posteridade, para sempre (Maria provavelmente tinha por volta de 13 anos). 
JESUS TAMBÉM PROVA UM ALTO CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS QUANDO CRIANÇA - VEJA - Lc 2.46-47 - E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os, e interrogando-os. E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas (JESUS tinha 12 anos - em tudo era semelhante aos homens, inclusive na educação no lar). 
TIMÓTEO TAMBÉM PROVA UM ALTO CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS QUANDO CRIANÇA - VEJA 2 Tm 3.14-15 - Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS.
 
Considerar a Educação Cristã como missão prioritária dos pais. 
Compreender a educação no Antigo e em o Novo testamento. 
Saber da importância da Educação Cristã na família. 
 
PALAVRA-CHAVE - EDUCAÇÃO - Processo de desenvolvimento das capacidades física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social.
 
LIÇÃO 9, A FAMÍLIA E A SEXUALIDADE
"E criou DEUS o homem à sua imagem; à imagem de DEUS o criou; macho e fêmea os criou" (Gn 1.27). 
Apesar da grotesca e abominável exploração sexual que vitima o mundo atual, não podemos esquecer-nos dos princípios bíblicos que regem o relacionamento entre os sexos.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE- 1 Tessalonicenses 4.3-5; 5.23; 1 Pedro 1.14-16
1 Tessalonicenses 4.3-5 - 3 Porque esta é a vontade de DEUS, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, 4 que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra, 5 não na paixão de concupiscência, como os gentios, que não conhecem a DEUS.
1 Tessalonicenses 5.23 - E o mesmo DEUS de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor JESUS CRISTO.
 1 Pedro 1.14-16 - 14 como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; 15 mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, 16 porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.
4.3 ESTA É A VONTADE DE DEUS - 
Embora vivessem numa sociedade onde o pecado sexual era comum e aceitável, os apóstolos não transigiam com a verdade e a santidade de DEUS. Não rebaixaram os padrões morais para acomodá-los às idéias e tendências daquela sociedade. Sempre que se deparavam com baixo padrões morais em alguma igreja (cf. Ap 2.14,15,20), repreendiam-na e procuravam corrigi-la. Considerando padrões a baixa moralidade que prevalece em nossos dias, precisamos de dirigentes do tipo dos apóstolos, para conclamar a igreja a obedecer aos padrões divinos de retidão.
4.3-7 QUE VOS ABSTENHAIS DA PROSTITUIÇÃO. DEUS determina para todos os crentes normas elevadas de pureza e santidade concernentes a assuntos sexuais (para um estudo deste assunto, ver o estudo PADRÕES DA MORALIDADE SEXUAL).
 5.23 VOS SANTIFIQUE EM TUDO. A oração final de Paulo em favor dos crentes tessalonicenses é que sejam santificados. Para um melhor exame do assunto, ver o estudo A SANTIFICAÇÃO.
 OS SERES CRIADOS SEM SEXO FORAM OS ANJOS (e nós, após a morte, não mais teremos ativa esta capacidade).
Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de DEUS no céu. Mateus 22:30
Porquanto, quando ressuscitarem dentre os mortos, nem casarão, nem se darão em casamento, mas serão como os anjos que estão nos céus. Marcos 12:25
Mas os que forem havidos por dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, nem hão de casar, nem ser dados em casamento; Lucas 20:35
 Significado de Sexualidade - subst. f. - 1. comportamentos ligados à união entre homens e mulheres. (http://www.lexico.pt/sexualidade/)
Sexualidade - A atração que o homem sente pela mulher e vice-versa (http://www.dicionarioinformal.com.br/sexualidade/)
 Sexo (http://200.241.192.6/cgi-bin/houaissnetb.dll/frame)
1- no Homem, conformação física, orgânica, celular, particular que permite distinguir o homem e a mulher, atribuindo-lhes um papel específico na reprodução.
2- nos animais, conjunto das características corporais que diferenciam, numa espécie, os machos e as fêmeas e que lhes permitem reproduzir-se.
3- nos vegetais, conjunto de características que distinguem os órgãos reprodutores femininos e masculinos.
 O sexo entre o casal deve sempre ser visando o prazer sexual um do outro. A esposa visa o prazer sexual do esposo e o esposo visa o prazer sexual da esposa.
 
Todo sexo desnatural é pecado
Quais os principais tipos de sexo condenados pela bíblia?
Homossexualismo e Lesbianismo (Levítico 18.22; Romanos 1:26-27).
Sexo com animais (Levítico 18:23).
Sexo entre parentes próximos (Levítico 18:6).
Sexo anal (a mulher não tem prazer algum no sexo anal e doenças podem nascer dessa relação - Ânus não foi feito para entrar nada e sim para sair fezes).
Sexo oral (responsável por inúmeras doenças na boca e nos lábios - boca foi feita para alimentar-se e comunicar-se e não para sexo).
Adultério (incluindo intenção de adulterar, Êxodo 20:14; Mateus 5.28).
Fornicação. Prostituição. Qualquer relação sexual fora do casamento.
Masturbação. É Lascívia e muitas vezes adultério - Gl 5:19; Mt 5:27,28; Ninguém se masturba pensando numa cachoeira ou num pé de couve - Masturbação é egocêntrica e escravista (Rm 6:12 e 1Co 6.12).
Defraudação - Defraudar significa excitar ou despertar desejos sexuais na outra pessoa, que não podem ser satisfeitos dentro da vontade de DEUS, que é o casamento. Carícias exageradas que provocarão desejos que não poderão ser satisfeitos (defraudar, 1Ts 4.6; Ef 4.19).
Prostituição - Prazer em ver ou assistir cenas de sexo.Imoralidade sexual de todas as formas. Sexo fora do casamento.
Pedofilia (sexo de pessoa maior de 16 anos com crianças menores do que essa idade - abuso sexual).
Luxúria - Atração pelos prazeres carnais; comportamento desmedido em relação aos prazeres sexuais; lascívia (1Jo 2.16; Rm 8.4-14; Gl 5.17).
Impureza (gr. akatharsia), i.e., pecados sexuais, atos pecaminosos e vícios, inclusive maus pensamentos e desejos do coração (Ef 5.3; Cl 3.5; Rm 8.4-14; Gl 5.17).
Lascívia (gr. aselgeia), i.e., sensualidade. É a pessoa seguir suas próprias paixões e maus desejos a ponto de perder a vergonha e a decência (2Co 12.21; Rm 8.4-14; Gl 5.17).
 
O sexo bíblico só é permitido num casamento monogâmico e heterossexual.
A sexualidade do ser humana foi criada por DEUS - DEUS não parou de fazer o ser humano quando chegou na parte sexual e a entregou para satanás fazer. Não, DEUS mesmo criou todo o ser humano.
O assunto sexo deve ser ensinado pelos pais aos filhos e tudo deve ser desvendado aos poucos de acordo com a idade de cada um e de acordo com a maturidade de cada um.
 
O sexo é um dom que DEUS dá às pessoas casadas para o prazer de ambos. (http://www.jesusvoltara.com.br/info/sexo.htm)
A Bíblia diz em Provérbios 5:18-19 “Seja bendito o teu manancial; e regozija-te na mulher da tua mocidade. Como corça amorosa, e graciosa cabra montês saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê encantado perpetuamente.” 
A Bíblia recomenda que o romance e o dom de sexualidade sejam usados no contexto do casamento.
A Bíblia diz em Hebreus 13:4 “Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, DEUS os julgará. ”
A Bíblia diz em 1 Coríntios 7:3-4 “O marido pague à mulher o que lhe é devido, e do mesmo modo a mulher ao marido. A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido; e também da mesma sorte o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher.” 
DEUS criou o sexo como parte do casamento.
A Bíblia diz em 1 Coríntios 7:5 “Não vos negueis um ao outro, senão de comum acordo por algum tempo, a fim de vos aplicardes à oração e depois vos juntardes outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.” 
Para que não causemos danos a nós mesmos, os desejos e as atividades sexuais devem ser mantidas sob o controle de CRISTO.
A Bíblia diz em 1 Tessalonicenses 4:3-5 “Porque esta é a vontade de DEUS, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santidade e honra, não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a DEUS.” 
O sétimo mandamento proíbe o adultério.
A Bíblia diz em Êxodo 20:14 “Não adulterarás.” 
A Bíblia diz em Mateus 5.28 - "Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela".
O pecado sexual é destrutivo mesmo que não se vejam as conseqüências imediatamente.
A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:18 “Fugi da prostituição. Qualquer outro pecado que o homem comete, é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.” 
Como começa o pecado sexual?
A Bíblia diz em Mateus 5:28 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.” 
A Bíblia condena o comportamento homossexual.
A Bíblia diz em Levítico 18.22 "Com homem não te deitarás como se fosse mulher; abominação é".
A Bíblia diz em Romanos 1:26-27 “Pelo que DEUS os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.” 
A Bíblia proíbe o incesto.
A Bíblia diz em Levítico 18:6 “Nenhum de vós se chegará àquela que lhe é próxima por sangue, para descobrir a sua nudez. Eu sou o Senhor.” 
A Bíblia proíbe a bestialidade.
A Bíblia diz em Levítico 18:23 “Nem te deitarás com animal algum, contaminando-te com ele; nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; é confusão.” 
A Bíblia proíbe relações sexuais com uma prostituta.
A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:15-17 “Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de CRISTO? Tomarei pois os membros de CRISTO, e os farei membros de uma meretriz? De modo nenhum. Ou não sabeis que o que se une à meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque, como foi dito, os dois serão uma só carne. Mas, o que se une ao Senhor é um só espírito com ele."

 
PADRÕES DE MORALIDADE SEXUAL
Hb 13.4 “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros DEUS os julgará”.
O crente, antes de mais nada, precisa ser moral e sexualmente puro (cf. 2Co 11.2; Tt 2.5; 1Pe 3.2). A palavra “puro” (gr. hagnos ou amiantos) significa livre de toda mácula da lascívia. O termo refere-se a abstenção de todos os atos e pensamentos que incitam desejos incompatíveis com a virgindade e a castidade ou com os votos matrimoniais da pessoa. Refere-se, também, ao domínio próprio e a abstenção de qualquer atividade sexual que contamina a pureza da pessoa diante de DEUS. Isso abrange o controle do corpo “em santificação e honra” (1Ts 4.4) e não em “concupiscência” (4.5). Este ensino das Escrituras é tanto para os solteiros, como para os casados. No tocante ao ensino bíblico sobre a moral sexual, vejamos o seguinte:
(1) A intimidade sexual é limitada ao matrimônio. Somente nesta condição ela é aceita e abençoada por DEUS (ver Gn 2.24; Ct 2.7; 4.12). Mediante o casamento, marido e mulher tornam-se uma só carne, segundo a vontade de DEUS. Os prazeres físicos e emocionais normais, decorrentes do relacionamento conjugal fiel, são ordenados por DEUS e por Ele honrados.
(2) O adultério, a fornicação, o homossexualismo, os desejos impuros e as paixões degradantes são pecados graves aos olhos de DEUS por serem transgressões da lei do amor (Êx 20.14) e profanação do relacionamento conjugal. Tais pecados são severamente condenados nas Escrituras (ver Pv 5.3) e colocam o culpado fora do reino de DEUS (Rm 1.24-32; 1Co 6.9,10; Gl 5.19-21).
(3) A imoralidade e a impureza sexual não somente incluem o ato sexual ilícito, mas também qualquer prática sexual com outra pessoa que não seja seu cônjuge. Há quem ensine, em nossos dias, que qualquer intimidade sexual entre jovens e adultos solteiros, tendo eles mútuo “compromisso”, é aceitável, uma vez que não haja ato sexual completo. Tal ensino peca contra a santidade de DEUS e o padrão bíblico da pureza. DEUS proíbe, explicitamente, “descobrir a nudez” ou “ver a nudez” de qualquer pessoa a não ser entre marido e mulher legalmente casados (Lv 18.6-30; 20.11, 17, 19-21; ver 18.6).
(4) O crente deve ter autocontrole e abster-se de toda e qualquer prática sexual antes do casamento. Justificar intimidade premarital em nome de CRISTO, simplesmente com base num “compromisso” real ou imaginário, é transigir abertamente com os padrões santos de DEUS. É igualar-se aos modos impuros do mundo e querer deste modo justificar a imoralidade. Depois do casamento, a vida íntima deve limitar-se ao cônjuge. A Bíblia cita a temperança como um aspecto do fruto do ESPÍRITO, no crente, i.e., a conduta positiva e pura, contrastando com tudo que representa prazer sexual imoral como libidinagem, fornicação, adultério e impureza. Nossa dedicação à vontade de DEUS, pela fé, abre o caminho para recebermos a bênção do domínio próprio: “temperança” (Gl 5.22-24).
(5) Termos bíblicos descritivos da imoralidade e que revelam a extensão desse mal:
(a) Fornicação (gr. porneia). Descreve uma ampla variedade de práticas sexuais, prémaritais. Tudo que significa intimidade e carícia fora do casamento é claramente transgressão dos padrões morais de DEUS para seu povo (Lv 18.6-30; 20.11,12, 17, 19-21; 1Co 6.18; 1Ts 4.3).
(b) A lascívia (gr. aselgeia) denota a ausência de princípios morais, principalmente o relaxamento pelo domínio próprio que leva à conduta virtuosa (ver 1Tm 2.9). Isso inclui a inclinação à tolerância quanto a paixões pecaminosas ou ao seu estímulo, e deste modo a pessoa torna-se partícipe de uma conduta antibíblica (Gl 5.19; Ef 4.19; 1Pe 2.2,18).
(c) Enganar, i.e., aproveitar-se de uma pessoa, ou explorá-la (gr. pleonekteo, e.g., 1Ts 4.6), significa privá-la da pureza moral que DEUS pretendeu para essa pessoa, para a satisfação de desejos egoístas. Despertar noutra pessoa estímulos sexuais que não possam ser correta e legitimamente satisfeitos, significa explorá-la ou aproveitar-se dela (1Ts 4.6; Ef 4.19).
(d) A lascívia ou cobiça carnal (gr. epithumia) é um desejo carnal imoral que a pessoa daria vazão se tivesse oportunidade (Ef 4.22; 1Pe 4.3; 2Pe 2.18; ver Mt 5.28).

Princípios para um Namoro Cristão (http://espadadedoisgumes.no.comunidades.net)
Pr. Cleverson de Abreu Faria
O namoro cristão é uma preparação. Um período extremamente importante na vida de dois jovens cristãos e de muitas responsabilidades. Representa um período de transição entre dois jovens ou adultos, um homem e uma mulher, crentes no Senhor JESUS CRISTO, sendo que ambos devem ter um bom nível de maturidade. Ambos mantém um bom ritmo de comunicação, sendo através deste relacionamento orientados e preparados por DEUS para um futuro casamento. Namoro cristão deve sempre visar o casamento. Um namoro que não tem como alvo um futuro casamento, sequer deve ser iniciado.
Embora o desejo seja que ambos se tornem íntimos em seu relacionamento, isso não quer dizer liberdade no aspecto físico e muito menos liberdade sexual entre o casal de namorados. A relação sexual está destinada a ser desfrutada apenas entre pessoas devidamente casadas (Hebreus 13.4; Gênesis 2.24; Cantares de Salomão 4.12; 1Tessalonicenses 4.3-5; Colossenses 3.5-6; 1Coríntios 6.15-20; 1Timóteo 5.22; 2Timóteo 2.22).
Este é um período de conhecimento mútuo, conhecimento da alma, do coração, nunca do físico um do outro. O aspecto físico está destinado para depois do casamento. Portanto, exige disciplina própria, vigilância constante. É um tempo onde se obtém oportunidade de duas personalidades diferentes se harmonizarem, conhecerem um ao outro. Comunhão espiritual é fator primordial. Lembre-se que quanto mais próximo cada um estiver de DEUS, mais próximo estarão um do outro. Este período também serve para confirmar a perfeita vontade de DEUS para a vida de ambos.
 
O padrão de DEUS para um namoro bem sucedido é este:
1) Espiritual – forte. DEUS em primeiro lugar, nunca seu namorado (a).
2) Vontade, emoções e mente dentro do plano de DEUS.
3) Corpo (físico) – sob controle.
Quando um namoro está fora do padrão de DEUS, o que acontece é justamente o contrário:
1) Espiritual – fraco. A sensibilidade espiritual está cauterizada.
2) Emoções, vontade e mente – descontrolada.
3) Físico – sensual. 
Portanto, fora do padrão de DEUS ocorre que o lado espiritual fica cauterizado; a mente, a vontade e as emoções raciocinam de forma sensual e o físico fica corrupto.
Uma pergunta séria a se pensar: A vontade de DEUS é mais importante que o seu namoro?
 
Como Começar um Namoro Cristão?
Alguns aspectos são importantes para um começo no namoro cristão. Geralmente não sou de estabelecer uma idade certa para alguém namorar. Antigamente isso era o costume, hoje com o decorrer dos tempos e uma mudança na cultura não se faz mais tal coisa. Porém, ainda assim, existem pais que estabelecem uma determinada idade para que seus filhos venham a poder namorar. Eu creio que isso é benéfico e sábio por parte dos pais, mas não uma exigência. Vejamos alguns requisitos importantes para se começar um namoro: 
Salvação. Ambos os jovens ou adultos devem ser verdadeiramente salvos, ou seja, ambos já devem ter aceitado a JESUS CRISTO como seu único Senhor e Salvador pessoal (João 3.16; Lucas 19.10; Romanos 10.9-10). 
Maturidade física e Espiritual. Não devem ser crianças, pois maturidade é importante e essencial no relacionamento entre duas pessoas (Efésios 4.13; 1Coríntios 14.20). 
Comunhão com DEUS. Primeiramente DEUS deve estar sendo uma fonte de luz em sua vida, uma fonte de vigor espiritual. Se não tiver comunhão com DEUS, nunca será abençoado em qualquer tipo de relacionamento (1João 1.6-7). 
O rapaz inicia. Em nosso tempo moderno é "comum" uma moça querer iniciar um namoro. Mas isso fere o princípio bíblico. Mesmo num namoro, o rapaz é o líder, é ele quem deve iniciar, é ele quem deve pedir à moça para namorar. 
Permissão dos pais. Ambos os pais dos pretendentes devem estar de acordo com o namoro. Isso demonstra confiança e honra dos filhos para com seus pais. Um namoro onde os pais não apóiam, geralmente resulta em muitas dificuldades. Isso não significa que os pais são a autoridade final no namoro, significa que estão querendo a bênção paterna para o relacionamento. 
Apoio do seu pastor. Isso é importante e muitas vezes negligenciado pelos cristãos. O pastor de ambos deve apoiar e dar sua bênção. Pode ser que pastor veja coisas que eles não estão vendo e por isso é importante receber o apoio, o conselho deste servo de DEUS. 
Comunicação e visitas. Deve-se procurar estabelecer um determinado ritmo nas visitas por parte do rapaz à casa da moça. É claro que não todos os dias. Estabelecer uma boa comunicação entre ambos. 
Confiança dos pais. No decorrer do namoro, deve procurar ganhar e manter a confiança dos pais. Verificar como é a relação entre a pessoa e seus pais. Procurar ser sensível para qualquer mudança. 
 
Como Continuar um Namoro Cristão? 
O interesse deve estar voltado para a personalidade da pessoa, a parte imaterial. É importante que isso esteja bem claro na mente dos namorados. 
O interesse deve ser estabelecido na parte espiritual da pessoa, não em seu corpo físico, não no dinheiro que o outro tem, não no carro, na casa, na popularidade, na beleza,  etc.... A parte espiritual é a mais importante sobre todas. Mais uma vez: quanto mais próximos estiverem de DEUS, mais próximos estarão um do outro. O contrário também é verdadeiro: quanto mais longe estiverem de DEUS, mais longe ficarão um do outro. 
Reconheça que cada cristão é chamado de propriedade particular, pessoal, peculiar de DEUS (1Pedro 2.9). O namorado que não respeita tal fato está desrespeito os princípios de DEUS e desrespeitando o próprio DEUS, bem como a pessoa, a família dela, a Palavra de DEUS e o futuro casamento. 
Evitar contato físico exagerado. Todo namorado gosta de receber um carinho, beijos e abraços. Porém, deve-se parar por aqui. Procure a todo custo evitar continuar os avanços físicos, como tocar em outras partes do corpo da moça, por exemplo. Isso pode provocar desejos sexuais que não pode ser satisfeito devidamente antes do casamento (1Tessalonicenses 4.3-8; 1Coríntios 7). 
Existem condições onde a freqüência de visitas deve ser limitada. Isso exige paciência por parte de ambos. Algumas vezes a saúde, doença, serviço militar, estudos, trabalhos, deveres pessoais impedem que estejam juntos. Sejam pacientes nessas horas. 
Cautela com o modo de vestir, cautela em sua conversa, cautela em seu comportamento e mesmo nos gestos. Lembre-se de semear um ambiente agradável em que vale a pena estarem juntos. 
Evitar ficar sozinhos em ambientes fechados e por muito tempo. Procure estar em atividades com outros jovens, ou seja, procure envolver seus amigos em suas atividades. 
Qual o Perigo de Acariciar? 
Mata a espiritualidade de ambos os namorados. 
Pode fazer com que fiquem cegos para os valores verdadeiros, as virtudes de cada um. 
Pode fazer com que abaixem os padrões da moralidade. 
Pode conduzir para a realização do ato sexual não permitido por DEUS antes do casamento. Pode conduzir para depravação, destituição da dignidade. Pode conduzir para o desenvolvimento de um desejo de satisfação não natural. Pode causar frustração e nervosidade. Pode conduzir para um casamento errado, com a pessoa errada. Pode conduzir para contrair doenças. Pode conduzir ao desrespeito mútuo.
 
Conselhos Práticos:
Nunca case com alguém que não seja cristão (2Coríntios 6.14-18; Amós 3.3). 
Ore para a escolha de DEUS (Salmo 37.5; Provérbios 3.6). 
Evite casar sob pressão (Romanos 12.1-2). Não case pensando que sua vida se endireitará depois do casamento. Não case com alguém pelo qual não tenha respeito. 
Não case cedo demais ou de repente (Tiago 1.4-5). Procure ver sua relação com DEUS, os hábitos da pessoa, os pais, o modo de vida. 
Não case tendo uma perspectiva errada do sexo (Gálatas 5.16-25). Alguns casam para desfrutar do sexo, mas casamento não é apenas sexo, muito mais está envolvido. 
Casamento é para sempre, ou seja, "até que a morte os separe" (Gênesis 2.24; Romanos 7.1-3; Mateus 19.6). 
 
Pergunta: Sexo antes do casamento é mesmo pecado? (http://espadadedoisgumes.no.comunidades.net)
Resposta: Antes de nos determos no tema (sexo antes do casamento), é bom destacarmos que DEUS não é contra o prazer sexual. Foi Ele quem fez o sexo e o deu de presente para o ser humano. O problema está no sexo que é praticado fora do casamento. Quando nos criou DEUS sabia como poderíamos desfrutar plenamente do prazer sexual. Vendo que é dentro de um contexto de profunda intimidade e segurança (só dentro do casamento isto pode ser desfrutado plenamente) que a pessoa pode realizar-se sexualmente, DEUS estabeleceu em Sua Lei que as relações sexuais devem ser mantidas após o matrimônio. Veja que DEUS sempre sabe o que é melhor para as Suas criaturas!
Continuemos em nossa análise:
1) Quando DEUS criou Adão e Eva, logo em seguida proferiu a “bênção” sobre o casal; após isto, ambos “se tornaram uma só carne” (Gênesis 1:27 e 28; 2: 21-24). O sexo faz parte da perfeita criação de DEUS qualificada como sendo “muito bom” (cf. Gênesis 1:31).
2) As Escrituras condenam a prática do sexo fora do casamento, pois tal atitude não faz parte do plano original de DEUS:
"Alguém vai dizer: 'eu posso fazer tudo o que quero.' Pode, sim, mas nem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: 'Posso fazer qualquer coisa. Mas não vou deixar que nada me escravize.' O alimento existe para o estômago, e o estômago existe para o alimento. Sim, mas DEUS acabará com os dois. O nosso corpo não existe para praticar a imoralidade, mas para servir o Senhor; e o Senhor cuida do nosso corpo. Fujam da imoralidade sexual! Qualquer outro pecado que alguém comete não afeta o corpo, mas a pessoa que comete imoralidade sexual peca contra o seu próprio corpo. Será que vocês não sabem que o corpo de vocês é otemplo do ESPÍRITO SANTO, que vive em vocês e lhes foi dado por DEUS? Vocês não pertencem a vocês mesmos, mas a DEUS, pois ele os comprou e pagou o preço. Portanto, usem o seu corpo para a glória dele.” (1 Coríntios 6:12,13, 18-20 BLH – Bíblia Na Linguagem de Hoje)
“Mas eu digo: Já que existe tanta imoralidade sexual, cada homem deve ter a sua própria esposa, e cada mulher, o seu próprio marido”. (1 Coríntios 7:2 BLH)
“O que DEUS quer de vocês é isto: que sejam completamente dedicados a ele e que fiquem livres da imoralidade”. (1 Ts 4:3 BLH – no original, a palavra para imoralidade se refere à fornicação, sexo fora do casamento).
3) O sexo pré-conjugal traz efeitos negativos:
a) Efeitos emocionais negativos (na grande maioria das pessoas): culpa, ciúme, ansiedade, medo de uma gravidez,  etc......
b) Problemas de relacionamento: entre os namorados, familiares...
c) Efeitos espirituais: culpa, medo de DEUS, ausência de vontade de estudar a Bíblia e orar...
d) Efeitos físicos: aumenta as possibilidades de uma gravidez indesejada e de contrair doenças venéreas (estas considerações foram extraídas e adaptadas do livro Aconselhamento Cristão, de Gary R. Collins – Sociedade Religiosa Edições Vida Nova).
Se ao nos relacionarmos sexualmente presenciamos alguns destes efeitos, o mesmo não está nos beneficiando; e isto não é da vontade de DEUS. Ele quer que desfrutemos deste presente da melhor maneira.
Quando DEUS nos ensina a maneira correta de fazer sexo, o faz para nosso próprio bem.
4) A fim de aliviarmos a tensão sexual, a recomendação de DEUS é que nos casemos:
“Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado”. (1 Coríntios 7:9) O texto é claro a este respeito; não dá margem para que aliviemos nossos desejos sexuais fora do matrimônio.
Isto não indica de forma alguma que a motivação de se casar seja apenas o sexo; cuidado com isto, pois muitos caem nesta cilada!
Assim, vemos que biblicamente, o sexo deve ser feito apenas no casamento. Praticá-lo de outra forma, constitui-se um pecado sujeito a julgamento (I Co 6:9-13;18;20; Efésios 5:3-7; Colossenses 3:5-6,  etc...), pois o propósito original de DEUS é desvirtuado, trazendo assim prejuízos à felicidade e saúde humana.
Há outras razões pelas quais não devemos usufruir a relação sexual antes de se casar? DEUS criou o sexo para o prazer e intimidade do casal (também com finalidade de procriação), de modo que ambos encontrassem plena satisfação um no outro. “O sexo é saudável quando você pode conciliar satisfação sexual, integridade, compromisso, bem-estar a outra pessoa e um senso de auto-estima e dignidade. E isto só é possível dentro do casamento” (Pastor José Maria, em um de seus artigos para a Revista Adventista), pois no namoro ou noivado não há este compromisso, palavra esta que está quase que totalmente extinta do vocabulário social atualmente.
Temos de ser honestos em reconhecer que não é das coisas mais fáceis ser puro sexualmente, especialmente na sociedade moderna. Todos os dias somos bombardeados pela mídia com cenas de sexo ou abordados a respeito deste assunto. A cultura na qual vivemos de certo modo nos influencia muito, inclusive em nossos conceitos. Porém, isto não nos dá a liberdade de transgredirmos as leis de DEUS. O cristão é guiado pelo ESPÍRITO SANTO e não pelas opiniões alheias.
O que fazer? Precisamos aceitar o fato de que não iremos modificar o mundo; ao mesmo tempo, tomar a decisão de não permitirmos que a coletividade nos mude, a ponto de negarmos os princípios divinos. Somente através de uma íntima e ininterrupta comunhão com o Criador poderemos vencer. Também é importante que adotemos corretos padrões de pensamentos (Filipenses 4:8), e que vigiemos nossos olhos (Jó 31:1; Provérbios 4:23 e 25,  etc...). Antes disso, temos que decidir ser puros.
E se alguém errou? Nunca é tarde para recomeçar. DEUS perdoa todos os pecados, desde que os confessemos (Salmo 32:5; Miquéias 7:19; I João 1:7-9,  etc...). Pelo sacrifício de JESUS podemos ser purificados e tornados santos, com se nunca tivéssemos errado. Basta ir a Ele, confessar os erros e abandonar o pecado com o auxílio de seu grandioso poder. Se Ele dá esta nova chance, o pecador deveria perdoar-se a si mesmo; assim, sua vida teria sentido.
Jamais nos esqueçamos do amor de nosso Senhor e que nosso Criador é o DEUS das Novas Oportunidades.
  
Identificar algumas questões importantes sobre a sexualidade. 
Reconhecer o valor da pureza sexual antes do casamento. 
Compreender o que a Bíblia ensina sobre a homossexualidade.
 
PALAVRA-CHAVE - SEXUALIDADE - O conjunto dos fenômenos da vida sexual; qualidade sexual; sexo.
 
LIÇÃO 10 - A NECESSIDADE E A URGÊNCIA DO CULTO DOMÉSTICO 
"E ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te" (Dt 11.19). 
Se não nos voltarmos com urgência à prática do culto doméstico, nossas famílias não poderão resistir às investidas das trevas nestes últimos dias. A adoração no lar é imprescindível.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE- Deuteronômio 11.18-21; 2 Timóteo 3.14-17
18 Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por testeiras entre os vossos olhos, 19 e ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te; 20 e escreve-as nos umbrais de tua casa e nas tuas portas, 21 para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o SENHOR jurou a vossos pais dar-lhes, como os dias dos céus sobre a terra.
 
14 Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido. 15 E que, desde a tua meninice, sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS. 16 Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça, 17 para que o homem de DEUS seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra.
2 Timóteo 1.13 Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e na caridade que há em CRISTO JESUS.
2 Timóteo 2.2 E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros.
As "sãs palavras" são a revelação original e fundamental de CRISTO e dos apóstolos; as doutrinas bíblicas ensinadas a Timóteo por Paulo. Timóteo devia conservar essas verdades com fé em JESUS CRISTO e amor a Ele; nunca apartar-se delas, e não comprometê-las, mesmo se sua fidelidade para com elas importasse em sofrimento, rejeição, humilhação e zombaria. Hoje, nalgumas igrejas, a idéia popular em moda é enfatizar que é a experiência, e não a doutrina, o que mais importa. As Epístolas Pastorais de Paulo contradizem firmemente tal coisa (cf. 4.3; 1 Tm 1.10; 6.3; Tt 1.9,13; 2.1,2,8).
A palavra "sofrer" (gr. hupomeno) aqui, significa suportar. Aqueles que perseverarem e permanecerem firmes na fé, até o fim, viverão (v. 11; Mt 10.22; 24.13) e reinarão com CRISTO (4.18; Ap 20.4). CRISTO rejeitará, no dia do juízo, aqueles que não perseveraram e os que o negaram por palavras ou ações (cf. 2.12; Mt 10.33; 25.1-12).
 
Dt 6.7 - E AS INTIMARÁS AOS TEUS FILHOS. Uma forma vital de expressar amor a DEUS (v. 5) é cuidar do bem-estar espiritual dos filhos e esforçar-nos para levá-los a um real relacionamento com DEUS.
(1) O ensino da Palavra de DEUS aos filhos deve ser uma tarefa altamente prioritária dos pais (cf. Sl 103.13; ver Lc 1.17; 2 Tm 3.3; ver o estudo PAIS E FILHOS).
(2) O ensino das coisas de DEUS deve partir do lar, e nisso, tanto o pai como a mãe deve participar. Cultuar a DEUS no lar não é uma opção; pelo contrário, é um mandamento direto do Senhor (vv. 7-9; Êx 20.12; Lv 20.9; Pv 1.8; 6.20; cf. 2 Tm 1.5).
(3) O propósito da instrução bíblica pelos pais é ensinar os filhos a temer ao Senhor, a andar em todos os seus caminhos, a amá-lo e ser-lhe grato e a servi-lo de todo o coração e alma (10.12; Ef 6.4).
(4) O crente deve proporcionar sabiamente aos seus filhos uma educação teocêntrica, em que tudo se rela-cione com DEUS e às suas coisas (cf. 4.9; 11.19; 32.46; Gn 18.19; Êx 10.2; 12.26,27; 13.14-16; Is 38.19)
 
“Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele”
(Pv 22.6).
22.6 INSTRUI O MENINO NO CAMINHO EM QUE DEVE ANDAR. Os pais devem comprometer-se a ensinar e disciplinar seus filhos de modo agradável a DEUS (cf. v. 15; 13.24; 19.18; 23.13,14; 29.17). (1) A palavra hebraica para "instruir" significa "dedicar". Assim sendo, o ensino bíblico no lar tem como propósito a dedicação dos nossos filhos a DEUS, o que é possível, separando-os das influências malignas deste mundo e instruindo-os nas coisas de DEUS. A mesma palavra original também pode significar "gostar de". Os pais devem, pois, motivar seus filhos a buscarem a DEUS, e assim desfrutarem de experiências espirituais que nunca se esquecerão. (2) "Não se desviará dele". O princípio geral é que uma criança devidamente ensinada pelos pais, nos caminhos do Senhor, não se afastará desses caminhos. Contudo, não se trata aqui de uma garantia absoluta de que todos os filhos de pais salvos permaneçam fiéis ao Senhor e à sua Palavra. Em meio a uma geração ímpia como a atual, em que até dentro das igrejas deparamos com infiéis, os filhos de crentes podem ser influenciados a ponto de pecarem e de cederem diante das tentações (ver Ez 14.14-20, onde DEUS fala de uma apostasia tão grande que até mesmo homens justos como Noé, Daniel e Jó não preservariam seus próprios filhos e filhas).
 
O culto doméstico, além de desenvolver na criança o princípio da adoração a DEUS, sedimenta em nossos filhos os verdadeiros valores morais.
2 Cr 26.4 Valores adquiridos dos pais
E fez o que era reto aos olhos do SENHOR, conforme tudo o que fizera Amazias, seu pai.
UZIAS. O reinado de Uzias divide-se em duas etapas: os anos em que ele buscou ao Senhor, e os anos em que foi infiel ao Senhor. A Bíblia não deixa dúvida que buscar ao Senhor resulta em bênçãos e ajuda, ao passo que deixar de buscar a DEUS resulta em fracasso espiritual e sofrimento (ver vv. 5-7 e 16-20; ver 15.2).

Dt 6.6,7 Ensinar aos filhos: responsabilidade dos pais
6 E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; 7 e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te.
6.6 ESTAS PALAVRAS... ESTARÃO NO TEU CORAÇÃO. O firme propósito de DEUS é que sua Palavra esteja no coração do seu povo (cf. Sl 119.11; Jr 31.33). Paulo declara explicitamente: "A palavra de CRISTO habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria" (Cl 3.16; cf. 2 Tm 3.15-17). Esse preceito somente pode ser cumprido se, diária e continuamente, examinarmos as Escrituras (Sl 119.97-100; Jo 8.31,32). Uma maneira de fazer isso é ler o NT todo duas vezes por ano, e o AT uma vez por ano (cf. Is 29.13; ver Tg 1.21)
6.7 E AS INTIMARÁS AOS TEUS FILHOS. Uma forma vital de expressar amor a DEUS (v. 5) é cuidar do bem-estar espiritual dos filhos e esforçar-nos para levá-los a um real relacionamento com DEUS. (1) O ensino da Palavra de DEUS aos filhos deve ser uma tarefa altamente prioritária dos pais (cf. Sl 103.13; ver Lc 1.17 nota; 2 Tm 3.3). (2) O ensino das coisas de DEUS deve partir do lar, e nisso, tanto o pai como a mãe deve participar. Cultuar a DEUS no lar não é uma opção; pelo contrário, é um mandamento direto do Senhor (vv. 7-9; Êx 20.12; Lv 20.9; Pv 1.8; 6.20; cf. 2 Tm 1.5). (3) O propósito da instrução bíblica pelos pais é ensinar os filhos a temer ao Senhor, a andar em todos os seus caminhos, a amá-lo e ser-lhe grato e a servi-lo de todo o coração e alma (10.12; Ef 6.4). (4) O crente deve proporcionar sabiamente aos seus filhos uma educação teocêntrica, em que tudo se relacione com DEUS e às suas coisas (cf. 4.9; 11.19; 32.46; Gn 18.19; Êx 10.2; 12.26,27; 13.14-16; Is 38.19)

Dt 11.19 Ensinando diligentemente
e ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te;

2 Tm 1.5; 3.15 O culto doméstico produz sabedoria
1.5 trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti.
3.15 E que, desde a tua meninice, sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS.

Pv 22.6 Culto doméstico: resistência ao pecado
Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele.
22.6 INSTRUI O MENINO NO CAMINHO EM QUE DEVE ANDAR. Os pais devem comprometer-se a ensinar e disciplinar seus filhos de modo agradável a DEUS (cf. v. 15; 13.24; 19.18; 23.13,14; 29.17). (1) A palavra hebraica para "instruir" significa "dedicar". Assim sendo, o ensino bíblico no lar tem como propósito a dedicação dos nossos filhos a DEUS, o que é possível, separando-os das influências malignas deste mundo e instruindo-os nas coisas de DEUS. A mesma palavra original também pode significar "gostar de". Os pais devem, pois, motivar seus filhos a buscarem a DEUS, e assim desfrutarem de experiências espirituais que nunca se esquecerão. (2) "Não se desviará dele". O princípio geral é que uma criança devidamente ensinada pelos pais, nos caminhos do Senhor, não se afastará desses caminhos. Contudo, não se trata aqui de uma garantia absoluta de que todos os filhos de pais salvos permaneçam fiéis ao Senhor e à sua Palavra. Em meio a uma geração ímpia como a atual, em que até dentro das igrejas deparamos com infiéis, os filhos de crentes podem ser influenciados a ponto de pecarem e de cederem diante das tentações (ver Ez 14.14-20, onde DEUS fala de uma apostasia tão grande que até mesmo homens justos como Noé, Daniel e Jó não preservariam seus próprios filhos e filhas).

Sl 1 Os vencedores e os vencidos
1 Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. 2 Antes, tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. 3 Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cujas folhas não caem, e tudo quanto fizer prosperará. 4 Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha. 5 Pelo que os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. 6 Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; mas o caminho dos ímpios perecerá.
1.1 BEM-AVENTURADO O VARÃO. O Sl 1 serve como introdução a todo o livro dos Salmos. Ele contrasta os dois únicos tipos de pessoas do ponto de vista de DEUS, tendo cada tipo um conjunto distintivo de princípios de vida: (1) os justos, que são caracterizados pela retidão, pelo amor, pela obediência à Palavra de DEUS e pela separação do mundo (vv. 1,2); e (2) os ímpios, que representam o modo de ser e as idéias do mundo, que não permanecem na Palavra de DEUS, e que por isso não têm parte na assembléia do povo de DEUS (vv. 4,5). DEUS conhece e abençoa o justo, mas o ímpio não tem parte no Reino de DEUS (1 Co 6.9) e perecerá (v. 6). A separação
entre esses dois grupos de pessoas existirá no decurso da história da redenção e continuará na eternidade.
1.1 QUE NÃO ANDA SEGUNDO O CONSELHO DOS ÍMPIOS. O primeiro versículo do livro dos Salmos ressalta a distinção entre os justos e os ímpios. Os crentes verdadeiros podem ser conhecidos pelas coisas que praticam, pelos lugares que freqüentam e pelas pessoas com as quais convivem. Ninguém pode experimentar a bênção de DEUS sem evitar as coisas danosas ou destrutivas.
1.2 TEM O SEU PRAZER NA LEI DO SENHOR. Os santos de DEUS não somente evitam o mal, como também edificam a sua vida em torno das palavras do Senhor. Procuram obedecer à vontade de DEUS porque seus corações realmente têm prazer nos caminhos e mandamentos do Senhor (ver 2 Ts 2.10, onde os ímpios perecem porque não querem amar a verdade). A motivação dos atos dos salvos provém dos seus espíritos e emoções redimidos, conquistados pela verdade de DEUS conforme a temos na sua Palavra.
1.2 NA SUA LEI MEDITA DE DIA E DE NOITE. Aqueles que procuram viver na bênção de DEUS, meditam na sua lei (i.e., na sua Palavra), a fim de moldarem seus pensamentos, atitudes e ações. Lêem as palavras das Escrituras, meditam nelas e as comparam com outros trechos bíblicos. Ao meditarem num texto bíblico, vêm às suas mentes perguntas como estas: O ESPÍRITO de DEUS está aplicando este versículo à minha condição no momento? Há aqui uma promessa para eu buscar? Este texto revela um pecado específico que devo empenhar-me em evitar? DEUS está dando-me uma ordem para eu obedecer? Meu espírito está em harmonia com o que o ESPÍRITO SANTO está dizendo aqui? Este texto revela uma verdade a respeito de DEUS, da salvação, do mundo, ou da minha obediência pessoal a DEUS, a respeito da qual preciso receber a iluminação do ESPÍRITO SANTO?
1.3 RIBEIROS DE ÁGUAS. O resultado, para os que fielmente buscam a DEUS e à sua Palavra, é ter vida no ESPÍRITO. Uma vez que a água comumente representa o ESPÍRITO de DEUS (e.g., Jo 7.38,39), os que são instruídos por DEUS e guardam a sua Palavra terão em si uma fonte de vida inesgotável da parte do ESPÍRITO. A expressão tudo quanto fizer prosperará não significa que o crente nunca terá problemas nem reveses, mas, sim, que o justo conhecerá a vontade de DEUS e a sua bênção (ver 3 Jo 2).
1.4-6 OS ÍMPIOS. O Sl 1 descreve os pecadores impenitentes sob três quadros horríveis: (1) são como a moinha lançada para longe por forças que não conseguem ver (v. 4; ver Ef 2.2 nota); (2) serão condenados na presença de DEUS no dia do juízo (v. 5; cf. 76.7; Ml 3.2; Mt 25.31-46; Ap 6.17); (3) perecerão eternamente (v. 6; ver Mt 10.28).
 
SALMOS 78.1-8
1 Escutai a minha lei, povo meu; inclinai os ouvidos às palavras da minha boca. 2 Abrirei a boca numa parábola; proporei enigmas da antiguidade, 3 os quais temos ouvido e sabido, e nossos pais no-los têm contado.4 Não os encobriremos aos seus filhos, mostrando à geração futura os louvores do SENHOR, assim como a sua força e as maravilhas que fez. 5 Porque ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e pôs uma lei em Israel, e ordenou aos nossos pais que a  fizessem conhecer a seus filhos, 6 para que a geração vindoura a soubesse, e os filhos que nascessem se levantassem e a contassem a seus  filhos; 7 para que pusessem em DEUS a sua esperança e se não esquecessem das obras de DEUS, mas  guardassem os seus mandamentos 8 e não fossem como seus pais, geração contumaz e rebelde, geração que não regeu o seu coração, e cujo espírito não foi fiel para com DEUS.
 
Professor
1- Localizar na Bíblia exemplos de pais que cumpriram suas responsabilidades e deveres como sacerdotes de suas famílias.
2- Destacar a importância do culto doméstico como meio de fortalecer os laços de afeição, amizade e comunhão entre os membros da família.

A IMPORTÂNCIA DO CULTO DOMÉSTICO
Nosso Lar é nossa Igreja? DEUS tem espaço em nossa casa? Afinal, quem é dono desta casa?
Devemos sempre nos lembrar de que sem DEUS nossa Família não é Família e sim um aglomerado de pessoas sem disciplina e sem esperança. Façamos, pois de nosso Lar uma casa de DEUS na terra, onde DEUS dita nosso comportamento e nos faz exemplo de Família planejada pelo próprio DEUS.

I. PAIS CONSCIENTES DO SEU DEVER:
Os pais devem avaliar cotidianamente sua Família e ver em que se deve mudar para que seu Lar seja morada do ESPÍRITO SANTO.
Os principais erros cometidos pelos pais:      
*Excesso de conforto material, cuidados e mimos que resultam em uma fraqueza de caráter.
*Super-proteção que torna os filhos indefesos, dependentes  e medrosos diante das pessoas, das situações do dia a dia e da  vida.Para crescer de forma sadia, a criança precisa experimentar um pouco mais das frustrações e limites próprios da realidade.
*Pais ausentes física ou emocionalmente desenvolvem nos filhos sentimento de abandono, de indiferença e personalidade fria de sentimentos.
*Filhos acostumados a submeterem seus pais a suas vontades, podem se transformar em pessoas egoístas, sem senso de limites às regras da civilidade, ao respeito às autoridades ou aos mais velhos.
*Ausência de conversas sobre assuntos de família, política, religião e falta de diálogo sobre os problemas da criança, desenvolvem seres analfabetos quanto a temas de sobrevivência atual.
*A preocupação de alguns pais em somente Ter, em detrimento do Ser, leva os filhos a desenvolverem o mesmo problema. Acabam se transformando em pessoas cegas para os verdadeiros valores da vida.
*Da mesma forma, pais viciados em drogas, cigarro ou Álcool, por mais que digam ser isso errado, com suas atitudes autorizam que seus filhos desenvolvam os mesmos vícios.
II. PAIS NEGLIGENTES
Quanto ao Relacionamento:
1. Inclinam-se a não ter tanto apoio amoroso, como o controle sobre seus filhos.
2. Revelam uma atitude descuidada e imatura, reagindo forte demais quando um filho os pressiona ou os irrita.
3. Tendem a isolar-se de seus filhos recorrendo em demasia a babás, para atender a suas atividades egoísticas.
4. As crianças são vistas como perturbação, "para serem vistas, não ouvidas"
5. Roubam dos filhos um dos fatores mais importantes de suas vidas - a abertura emocional.
6. Quando estão em casa, geralmente não estão ouvindo ou prestando atenção à seus filhos.
 
As Quatro Razões  da Negligência
A) A alta taxa de divórcio: As estatísticas mostram que existem mais de treze milhões de crianças em lares de pais separados nos EUA. A maioria dos divórcios requer que os pais trabalhem fora, tendo assim menos tempo para o desenvolvimento emocional de seus filhos. É muito difícil para esses pais, dispensarem tempo para ouvi-los e contatá-los. Entretanto, não é impossível.
B) O Crescimento do Número de Mães na Força do Trabalho: Mais de 50% das Mães, hoje, estão trabalhando fora. As pressões econômicas e a forte ênfase no argumento de que as mulheres não se realizam nos Lares, têm elevado este índice assustadoramente. Sob esses fatores, as mães estão freqüentemente menos acessíveis a seus filhos.
C) Excesso de Horas Vendo Televisão ou no computador: Hoje, em cada cinco famílias, quatro possuem pelo menos um aparelho de TV. O problema com a televisão é que, embora as pessoas estejam fisicamente juntas em uma sala, há muito pouca interação significativa e emocional entre elas. Quando os pais negligenciam seus filhos por televisão ou outra atividade como o computador, as crianças têm uma perda emocional equivalente à morte de um genitor. Freqüentemente os filhos se sentem culpados, e crêem que são tão maus. que os pais não tem prazer em estar com eles. Isto reduz na criança o senso do Valor Próprio.
D) Uma sociedade cada vez mais móvel: Muitas famílias estão se mobilizando, migrando para os grandes centros, abandonando seus parentes, suas raízes sociais, tentando assim alcançar a auto-realização.
Esta mobilidade priva as crianças do tempo com os pais, bem como do apoio emocional e da facilidade dos contatos com amigos e parentes do endereço anterior. Entretanto, mesmo, que tenhamos de nos mudar, ainda podemos prover para nossos filhos o acesso emocional. Isto pode ser feito separando-se um tempo diariamente para estar com cada um dos filhos, ou juntos como família.
 
 Quanto aos Atos e Afirmações:
Faça sozinho. Você não vê que estou ocupado?"
Não! Já tenho compromisso para hoje à norte. Peça à tua mãe para te ajudar."
O problema é seu. Eu tenho de ir trabalhar."
Que droga! Vocês crianças, não podem tomar mais cuidado com as coisas?"
 
Quanto às Reações nos Filhos:
*Rudeza e desprezo tendem a ferir o espírito da criança, resultando em rebelião.
*O desprezo ensina a criança que ela não é digna de que se perca tempo com ela.
*A criança fica insegura, por sentir que seus pais são imprevisíveis.
*Ela poderá não criar respeito por si mesma, por não Ter sido respeitada e não ter aprendido a controlar-se.
*Promessas não cumpridas abatem o espírito da criança e rebaixam sua própria valorização
*A criança tende a ir mal na escola por falta de motivação.
 
III. A IMPORTÂNCIA DO CULTO DOMÉSTICO
O valor do Culto Doméstico
4.1. Período
Deve ser feito diariamente: durante 10 a 15 minutos apenas;
4.2. Procidências
Providências preliminares: reunir a família e mostrar a necessidade do culto doméstico.
4.3. Roteiro - pode variar
1) Cânticos de corinhos ou de hinos de que todos gostem;
2) Leitura de pequeno trecho da Bíblia: cada dia, um membro da família ler; ou todos lêem alternadamente os versículos (isso ajuda a participação maior);
3) Um Comentário rápido e significativo pode ser feito, enfatizando os pontos, aplicando-os à vida da família;
4) Pedidos de Oração: cada um pede por seus problemas e pelos outros;
5) Oração: uma só, por um membro da família ou fazem oração um após outro;
4.4. Obstáculos
1) Desencontros dos horários da família: O pai trabalha em um horário; a mãe trabalha em outro; os filhos saem cedo para a escola; horários desencontrados;
2) Fadiga: o trabalho e os estudos em excesso conspiram contra o culto doméstico;
3) Pouca importância: muitos passam horas e horas diante da TV e do computador, mas não encontram tempo para o culto doméstico.
TUDO ISSO DIFICULTA MAS NÃO DEVE SER USADO COMO DESCULPAS PARA A NÃO REALIZAÇÃO DO CULTO DOMÉSTICO. O Inimigo pode agir nessas coisas.
É PRECISO COLOCAR O CULTO DOMÉSTICO COMO PRIORIDADE NO LAR. SÓ TRAZ BÊNÇÃOS PARA A FAMÍLIA.
Os obstáculos podem ser vencidos com o Poder do ESPÍRITO SANTO e o esforço de todos , principalmente dos líderes do lar (Pai e mãe). Há tempo para tudo (Ec 3.1); Podemos tudo naquele que nos fortalece (Fp 4.13).
CONCLUSÃO: A adoração a DEUS no lar precisa ser valorizada. A avalanche de pecados que são jogados contra os lares, especialmente através da mídia (TV, rádio, literatura pornográfica, etc...) só pode ser derrotada com a família unida em torno do altar da adoração a DEUS. É melhor desligar o altar da televisão e acender o ALTAR DA ADORAÇÃO.
PAI E MÃE: não dêem desculpas que agradem ao inimigo. REALIZEM O CULTO DOMÉSTICO COM SEUS FILHOS. Que DEUS nos abençoe (Nm 6.24-26).

CONCLUSÃO
“A base da paternidade competente está em ser capaz de colocar-se por trás dos olhos de seu filho, VENDO O QUE ELE VÊ E SENTINDO O QUE ELE SENTE.
1- Quando ele se sente solitário, precisa de sua companhia;
2-  Quando é desafiador, precisa de sua ajuda para controlar seus impulsos;
3-  Quando tem medo, precisa da segurança do seu abraço;
4-  Quando tem curiosidade, precisa de sua instrução paciente;
5-  Quando está feliz, precisa partilhar seu riso e alegria com os que ama.”


 
 
Adão fazia culto doméstico sozinho (Todo dia DEUS descia para falar com Adão)
Adão e Eva faziam culto doméstico
Caim e Abel faziam culto doméstico (Abel ofereceu sua própria vida figurada no sangue do cordeiro)
Sete fazia culto doméstico
Abraão fazia culto doméstico (oferecia o que tinha de melhor - ofereceu seu prórpio filho)
Gideão construiu um altar a DEUS - Altar de paz (depois DEUS o mandou quebrar o altar de seu pai, dedicado a baal e fazer um altar a DEUS - altar de guerra)
Mateus 10:32-42
Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus. Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; E assim os inimigos do homem serão os seus familiares. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim.
Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á. Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou. Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo. E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão. 
 
Por que realizar o Culto Doméstico? 
É bíblico – DEUS recomendou em Deuteronômio 6.7. “ Sentado em tua casa” quer dizer sentar com a família para falar de DEUS e das coisas espirituais. Timóteo aprendeu em casa, com a avó Loide e a mãe Eunice.
 
10 Razões Para o Culto Doméstico (Autor: Pastor Napoleão Falcão)
1. Porque nos dispõe para enfrentarmos as tarefas diárias com um coração mais alegre, torna-nos mais fortes para o trabalho, mais dedicados ao nosso dever e predispõe-nos a glorificar a DEUS em tudo que fizermos. Ler Colossenses 3.17.
2. Porque nos dá força para enfrentarmos o desânimo, as decepções, as adversidades inesperadas e as frustrações com que nos deparamos. Ler Hebreus 2.18.
3. Porque nos torna mais cônscios, no decorrer do dia, da presença reconfortante do DEUS que nos ajuda a vencer pensamentos impuros e outros inimigos quaisquer, que porventura vierem atacar-nos. Ler Filipenses 4.4-7.
4. Porque o culto doméstico suaviza as asperezas do relacionamento no lar e enriquece grandemente o convívio em família. Ler Efésios 6.1-9. 
5. Porque esclarece os mal-entendidos e tende a aliviar as tensões que por vezes invadem o ambiente sagrado do lar. Ler Romanos 12.9-11.
6. Porque o culto doméstico ajuda a manter na fé os filhos que saem de casa, afastando-se da influência dos pais. Na maioria dos casos, é o culto doméstico que mais tarde irá determinar a salvação de filhos de lares crentes. Ler  II Timóteo 3.15-17.
7. Porque ele poderá ter influência sadia e santa sobre as pessoas que possam estar visitando a família. Ler Romanos 14.7-9.
8. Porque o culto doméstico reforça o trabalho pastoral e, além disso, estimula em muito a participação na Igreja. Ler Romanos 15.6-7. 
9. Porque o culto doméstico faz de um lar exemplo e estímulo a outros lares, para que tenham a mesma vida de devoção e adoração a DEUS. Ler Atos 2.46,47.
10. Porque a palavra de DEUS ensina que devemos fazer o culto doméstico. Ao obedecermos a DEUS, estamos dando honra àquele que é o doador de todo o bem e fonte de toda a benção. Ler Romanos 12.1,2.
Fonte: www.centraldepregadores.com.br/napoleaofalcao/ 
 
Conhecer as bases bíblicas do Culto Doméstico. 
Classificar as bênçãos provenientes do culto no lar. 
Organizar o Culto Doméstico 
 
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO- Subsídio Bibliológico
"Eunice
Este nome, que quer dizer 'vitoriosa', aparece somente uma vez na Bíblia (2 tm 1.5). Eunice era a mãe de timóteo, e isso lhe confere certa importância. Ela, e sua mãe lóide são descritas como mulheres de fé genuína no Senhor, e tinham, aparentemente, incentivado uma fé semelhante na vida do jovem Timóteo. Eunice era uma judia devota, casada com um grego. É improvável que fosse uma fiel cristã antes da primeira visita de Paulo a Derbe e listra, onde vivia, mas tinha evidentemente ensinado, de maneira completa, as Escrituras do Antigo testamento a timóteo (2 tm 3.15) [...]" (Dicionário Bíblico Wycliffe. CPAD, 2009, p.710).
"[...] Lóide
Avó de timóteo e, sem dúvida, mãe de Eunice, a mãe de timóteo. Ela é mencionada apenas uma vez (2 tm 1.5). Aparentemente, a família vivia em listra, onde Paulo foi apedrejado. lóide possuía uma fé sincera em DEUS, à qual juntaram-se Eunice e timóteo, embora o marido de Eunice fosse grego e, evidentemente, um homem descrente (At 16.1). Parece bem provável que ela tenha sido uma judia religiosa antes da primeira visita de Paulo a Derbe e listra e que ela, sua filha e seu neto se converteram ao cristianismo por causa do ministério de Paulo. talvez as circunstâncias que cercaram o apedrejamento de Paulo e sua recuperação tenham contribuído para essa conversão" (PFEIFFER, Charles F.; vOS, Howard F.; REA, John (Eds.). Dicionário Bíblic o Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, pp.1176-77).
 
 
LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA E A ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
“Ajunta o povo, homens, e mulheres, e meninos, e os teus estrangeiros que estão dentro das tuas portas, para que ouçam, e aprendam, e temam ao SENHOR, vosso DEUS, e tenham cuidado de fazer todas as palavras desta Lei” (Dt 31.12). 
A Escola Dominical contribui decisivamente para a formação espiritual, moral, cultural e social da família. 
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Neemias 8.1-7 
1 E chegado o sétimo mês, e estando os filhos de Israel nas suas cidades, todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da Porta das Águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da Lei de Moisés, que o SENHOR tinha ordenado a Israel. 2 E Esdras, o sacerdote, trouxe a Lei perante a congregação, assim de homens como de mulheres e de todos os entendidos para ouvirem, no primeiro dia do sétimo mês. 3 E leu nela, diante da praça, que está diante da Porta das Águas, desde a alva até ao meio-dia, perante homens, e mulheres, e entendidos; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da Lei. 4 E Esdras, o escriba, estava sobre um púlpito de madeira, que fizeram para aquele fim; e estavam em pé junto a ele, à sua mão direita, Matitias, e Sema, e Anaías, e Urias, e Hilquias, e Maaséias; e à sua mão esquerda, Pedaías, e Misael, e Malquias, e Hasum, e Hasbadana, e Zacarias, e Mesulão. 5 E Esdras abriu o livro perante os olhos de todo o povo; porque estava acima de todo o povo; e, abrindo-o ele, todo o povo se pôs em pé. 6 E Esdras louvou o SENHOR, o grande DEUS; e todo o povo respondeu: Amém! Amém!?, levantando as mãos; e inclinaram-se e adoraram o SENHOR, com o rosto em terra. 7 E Jesua, e Bani, e Serebias, e Jamim, e Acube, e Sabetai, e Hodias, e Maaséias, e Quelita, e Azarias, e Jozabade, e Hanã, e Pelaías, e os levitas ensinavam ao povo na Lei; e o povo estava no
seu posto.
 
8.1 TODO O POVO SE AJUNTOU. Os caps. 8-10 descrevem um dos maiores avivamentos do AT e apontam vários princípios fundamentais para um avivamento e renovação espirituais. O avivamento e a renovação, procedem exclusivamente de DEUS. Os instrumentos que o propiciam são: a Palavra de DEUS (vv. 1-8), a oração (v. 6), a confissão de pecados (cap. 9), um coração quebrantado e contrito (v. 9), renúncia às práticas pecaminosas da sociedade contemporânea (9.2) e renovação do compromisso de andar segundo a vontade de DEUS e de fazer da Palavra de DEUS o nosso viver (10.29).
8.3 ESTAVAM ATENTOS AO LIVRO DA LEI. O avivamento teve início mediante um autêntico retorno à Palavra de DEUS e um esforço decisivo para a compreensão da sua mensagem (v. 8). Durante sete dias, seis horas por dia, Esdras leu o livro da lei (vv. 3,18). Uma das principais evidências de um avivamento bíblico entre o povo de DEUS é a grande fome de ouvir e ler a Palavra de DEUS.
8.6 INCLINARAM-SE E ADORARAM O SENHOR. Este capítulo da Bíblia descreve um dos maiores cultos de adoração ao Senhor, de todos os tempos. DEUS deseja a adoração do seu povo e o conclama a adorá-lo continuamente (cf. Sl 29.2; 96.9).
8.7 ENSINAVAM AO POVO NA LEI. Por meio de Esdras e dos levitas, vemos o que deve acontecer sempre que a Palavra de DEUS for ministrada aos fiéis. Muitos dos que voltaram do exílio, já não entendiam o hebraico, uma vez que o seu idioma era agora o aramaico.
Por isso, quando as Escrituras eram lidas em hebraico, um grupo de homens dedicados fazia a interpretação para o aramaico, de tal maneira que os fiéis pudessem compreendê-las a aplicá-las à sua vida. Deste modo, o povo se regozijou "porque entenderam as palavras que lhes fizeram saber" (v. 12). A Palavra como revelação divina, o arrependimento, o avivamento espiritual e a alegria estão todos potencialmente presentes; eles serão desencadeados pelo ESPÍRITO SANTO, através de mensageiros ungidos que proclamem a Palavra de DEUS, com clareza, poder e convicção.
 
RESUMO RÁPIDO
I. A ORIGEM DA ESCOLA DOMINICAL 
1. Raízes bíblicas da Escola Dominical. DEUS manda Moisés escrever suas palavras, ler perante o povo, ensinar ao povo e ordena que haja ensino em casa de cada um, por parte dos pais, aos filhos.
2. A origem da Escola Dominical. Com esse nome e organização de hoje nasceu em 1780, criada por Robert Raikes em Gloucester, Inglaterra. No Brasil, ela foi fundada em 21 de Julho de 1855 pelo casal de missionários escoceses, Robert e Sarah Kalley.
a) O projeto. Raikes organiza professores voluntários e para ensinarem Gramática, Matemática e Bíblia aos meninos de rua.
b) Semeando lições de vida. Em 4 anos já haviam 250 mil alunos na Inglaterra. Havia mudança comprovada de caráter e de atitude nos alunos.
3. O que é Escola Dominical. É uma escola que ministra o ensino da Palavra de DEUS de forma acessível a todos os alunos - desde o berçário aos adultos - contemplando todas as faixas etárias.
II. FINALIDADES DA ESCOLA DOMINICAL 
1. Auxiliar no ensino das Escrituras. Ajuda a educação dada pelos pais, em casa, resolvendo as questões mais difíceis do aprendizado.
2. Auxiliar na evangelização. É um ótimo veículo de evangelização, desde que orientado pelos professores e dirigentes da mesma. Deve-se praticar evangelismo após as aulas de EBD, convidando pessoas que não são ainda salvas para comparecerem à igreja e à EBD.
3. Auxiliar no discipulado. Ótimo meio de discipulado, principalmente na classe de discipulado, sempre visitada pelo pastor da igreja.
III. A ESCOLA DOMINICAL FORTALECE A FAMÍLIA 
1. As crianças são bem instruídas. Personalidade humana é definida até aos sete anos."Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele".
2. A juventude é prevenida contra o pecado. Nossos jovens devem freqüentar assiduamente a Escola Dominical, pois aqui são alertados contra todos os males tão característicos de uma sociedade sem DEUS aprendidos hoje nos colégios, na TV e na Internet.
3. Os adultos frutificam. Adultos que não tiveram base bíblica antes, agora são novos convertidos e precisam de ajuda.
 
 
 
HISTÓRIA DA ESCOLA DOMINICAL NO BRASILOs missionários escoceses Robert e Sara Kalley são considerados os fundadores da Escola Dominical no Brasil. Em 19 de agosto de 1855, na cidade imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro, eles dirigiram a primeira Escola Dominical em terras brasileiras. Sua audiência não era grande; apenas cinco crianças assistiram àquela aula. Mas foi suficiente para que seu trabalho florecesse e alcançasse os lugares mais retirados de nosso país. Essa mesma Escola Dominical deu origem à Igreja Congregacional no Brasil.
Houve, sim, reuniões de Escola Dominical antes de 1855,no Rio de Janeiro, porém, em caráter interno e no idioma inglês, entre os membros da comunidade americana. Hoje, no local onde funcionou a primeira Escola Dominical do Brasil, acha-se instalado um colégio. Mas ainda é possível ver o memorial que registra este tão singular momento do ensino da Palavra de DEUS em nossa terra.

A Escola Dominical do nosso tempo nasceu de visão de um homem que, compadecido com as crianças de sua cidade, quis dar-lhes um novo e promissor horizonte. Como ficar insensível ante a situação daqueles meninos e meninas que, sem rumo, perambulavam pelas ruas de Gloucester? Nesta Cidade, localizada no Sul da Inglaterra, a delinqüência infantil era um problema que parecia insolúvel.
Aqueles menores roubavam, viciavam-se e eram viciados; achavam-se sempre envolvidos nos piores delitos.
É nesse momento tão difícil que o jornalista episcopal Robert Raikes entra em ação. Tinha ele 44 anos quando saiu pelas ruas a convidar os pequenos transgressores a que se reunissem todos os domingos para aprender a Palavra de DEUS. Juntamente com o ensino religioso, ministrava-lhes Raikes várias matérias seculares: matemática, história e a língua materna - o inglês.
Não demorou muito, e a escola de Raikes já era bem popular. Entretanto, a oposição não tardou a chegar. Muitos eram os que o acusavam de estar quebrantando domingo. Onde já se viu comprometer o dia do Senhor com esses moleques? Será que o Sr. Raikes não sabe que o domingo existe para ser consagrado a DEUS?
Robert Raikes sabia-o muito bem. Ele também sabia que DEUS é adorado através de nosso trabalho amoroso incondicional.
Embora haja começado a trabalhar em 1780, foi somente em 1783, após três anos de oração, observações e experimentos, que Robert Raikes resolveu divulgar os resultados de sua obra pioneira.
No dia três de novembro de 1783, Raikes publica, em seu jornal, o que DEUS operara e continuava a operar na vida daqueles meninos Gloucester. Eis porque a data foi escolhida como o dia da fundação da Escola Dominical.

Mui apropriadamente, escreve o pastor Antonio Gilberto:
“Mal sabia Raikes que estava lançando os fundamentos de uma obra espiritual que atravessaria os séculos e abarcaria o globo, chegando até nós, a ponto de ter hoje dezenas de milhões de alunos e professores, sendo a maior e mais poderosa agência de ensino da Palavra de DEUS de que a Igreja dispõe”.
Tornou-se a Escola Dominical tão importante, que já não podemos conceber uma igreja sem ela. Haja vista que, no dia universalmente consagrado à adoração cristã, nossa primeira atividade é justamente ir a esse prestimoso educandário da Palavra de DEUS. É aqui onde aprendemos os rudimentos da fé e o valor de uma vida inteiramente consagrada ao serviço do Mestre.
A. S. London afirmou, certa vez, mui acertadamente: “Extinga a Escola Bíblica Dominical, e dentro de 15 anos a sua igreja terá apenas a metade dos seus membros”. Quem haverá de negar a gravidade de London? As igrejas que ousaram prescindir da Escola Dominical jazem exangues e prestes a morrer. 

A importância dos Pais na EBD.
“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”. Provérbios 22:6
 
A Escola Bíblica Dominical é uma oportunidade única de estudar a Bíblia, aplicando-a a vida pessoal e adequando a Palavra de DEUS a cada idade. É, por isso, um instrumento de crescimento espiritual para toda a família.
Os filhos precisam de alimento espiritual e têm que ser ensinados no caminho do Senhor e instruídos no caráter de DEUS. Precisam aprender que toda a vida deve estar centrada em DEUS. Os pais têm um papel importantíssimo no acompanhamento da vida espiritual dos filhos.
Faz parte da responsabilidade dos pais:
1º - Dar o exemplo
O exemplo é um bom meio de comunicação. Quando os pais desprezam a igreja e o ensino bíblico, estão a comunicar aos filhos que isto não tem grande importância.
Não “peça desculpa” por ser cristão. Não dê a entender que ir à igreja é um dever ou uma obrigação para si, mas que é um lugar de comunhão com DEUS, de aprender de DEUS, de adorar a DEUS.. Não mostre o Cristianismo como uma opção, e ainda por cima de pouco interesse, mas algo fundamental para a vida. Não falte. Participe. Estude. Envolva-se.
2ª - Ajudar os filhos
A participação ativa dos pais é fundamental, ajudando-os a estudarem a lição, a memorizarem os versículos, a participarem nos questionários ou tarefas da EBD, a serem obedientes e a respeitarem os professores e o tempo da EBD como uma coisa importante para a vida deles.
3º - Acompanhar
Pergunte o que é que os seus filhos estudaram e o que é que aprenderam e de que gostaram mais… responda às perguntas que lhes fizerem. Ajude-os, durante a semana, nas leituras da Bíblia, no estudo da lição, na aprendizagem dos versículos e nas tarefas de aplicação bíblica. Ensine os seus filhos a orarem pelo professor da Escola Bíblica Dominical e a ter amor pela igreja.
4º Valorizar a EBD
Considere a Escola Bíblica Dominical como uma ESCOLA importante para o desenvolvimento espiritual e moral dos seus filhos. Transmita esse espírito positivo e de valor aos filhos, com entusiasmo e alegria. Assim como transmite a importância do bom empenho nos estudos seculares dos seus filhos, do mesmo modo deve valorizar o seu desenvolvimento espiritual e zelo pela aprendizagem dos princípios bíblicos, tendo esses como mais importantes e superiores em tudo aos seculares.
5º Não faltar
Por sua culpa, as crianças ficam a perder aulas importantíssimas para seu futuro espiritual. Não acompanham, não sabem, não ganham prêmios, não se habituam ao ambiente, não se introduzem no grupo e por isso não fazem amigos na igreja. Não conhecem a Bíblia, não sabem nada sobre a vontade de DEUS para as suas vidas, não têm referências morais e espirituais. Desmotivam-se e depois não querem ir ou participar. Vá com os seus filhos à Escola Bíblica Dominical regularmente.
6º Não chegar tarde
DEUS é muito mais importante do que mais meia hora na cama. Habitue-se a chegar na hora, por respeito a DEUS e aos seus irmãos em CRISTO. Chegue com seu filho na hora. De outra maneira, perturba as classes e as crianças perdem o seguimento e o ambiente descontraído das atividades iniciais que normalmente têm como alvo despertar o interesse.
7º Ter atenção e cuidado
O cuidado e a atenção dos pais na preparação para o Domingo é muito importante. Preocupe-se em ajudar a criança a levar a Bíblia, a revista, a oferta e a ter todo cuidado com esses. O ideal seria arrumar uma pasta própria para a EBD tal como tem para a escola secular, onde se podem colocar todos os materiais preparados para levar à igreja.
 
Conhecer a origem da Escola Dominical.
Apreender as finalidades da Escola Dominical. 
Compreender o quanto a Escola Dominical fortalece a família. 
 
PALAVRA-CHAVE - ESCOLA - Estabelecimento público ou privado onde se ministra, sistematicamente, ensino coletivo.
 
LIÇÃO 12 - A FAMÍLIA E A IGREJA
"Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do SENHOR!" (Sl 122.1).
A igreja local é o melhor lugar para as famílias se reunirem e prestarem culto ao Senhor.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Romanos 16.1-5,7,10,11,13,15,24
1 Recomendo-vos, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencréia, 2 para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo. 3 Saudai a Priscila e a Áquila, meus cooperadores em CRISTO JESUS, 4 os quais pela minha vida expuseram a sua cabeça; o que não só eu lhes agradeço, mas também todas as igrejas dos gentios. 5 Saudai também a igreja que está em sua casa. Saudai a Epêneto, meu amado, que é as primícias da Ásia em CRISTO.
7 Saudai a Andrônico e a Júnia, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em CRISTO.
10 Saudai a Apeles, aprovado em CRISTO. Saudai aos da família de Aristóbulo. 11 Saudai a Herodião, meu parente. Saudai aos da família de Narciso, os que estão no Senhor.
13 Saudai a Rufo, eleito no Senhor, e a sua mãe e minha.
15 Saudai a Filólogo e a Júlia, a Nereu e a sua irmã, e a Olimpas, e a todos os santos que com eles estão.
24 A graça de nosso Senhor JESUS CRISTO seja com todos vós. Amém!
 
16.1 FEBE. Provavelmente, foi Febe a portadora desta epístola. Ela era uma servidora (ou, que fazia o trabalho de diaconisa) na igreja em Cencréia, próximo a Corinto. Febe ministrava aos pobres, aos enfermos e aos necessitados, além de prestar assistência a missionários tais como Paulo. As saudações de Paulo a nada menos de oito mulheres neste capítulo, indicam que as mulheres prestavam serviços relevantes às igrejas.
16.7 OS QUAIS SE DISTINGUIRAM. Andrônico e Júnia são chamados apóstolos. Aqui, a palavra "apóstolo" é usada no sentido geral, para referir-se a um mensageiro itinerante ou missionário (cf. At 14.4; 1 Co 9.1,2; 2 Co 8.23; 12.12; Fp 2.25)
16.17,18 NOTEIS OS QUE PROMOVEM DISSENSÕES. No fim da sua carta, Paulo faz uma forte advertência à igreja em Roma no sentido de estar alerta quanto àqueles que lesam a igreja, corrompendo e distorcendo o ensino bíblico de Paulo e dos demais apóstolos. Devem "notar" os promotores de falsa doutrina e "desviar-se deles" e do seu ministério. Tais pessoas podem ter sido os antinomianos (i.e., contrários à lei), os quais ensinavam que, por ser a salvação pela graça, a fé salvífica não requer obediência a JESUS CRISTO (cf. 6.1,2; 2 Co 4.2; 11.3; Ef 4.14; Ap 2.4,5). Os tais criam que a pessoa podia viver em pecado, rejeitar a lei moral de DEUS, e ainda assim possuir a salvação eterna. Esses falsos mestres eram oradores eloqüentes, que falavam palavras agradáveis e faziam discursos lisonjeadores (cf. Jd v. 16), e assim enganavam os cristãos inocentes
16.19 SÍMPLICES NO MAL. DEUS quer que os crentes sejam inocentes (gr. akeraios) naquilo que é mal; esta palavra significa "sem mistura" ou "puro", i.e., inocente como a criança, cuja mente ainda não teve contato com o mal, nem contaminou-se com os males deste mundo (cf. 1 Co 14.20). (1) Este princípio bíblico contraria a idéia que alguns defendem, de que os filhos de crentes devem ser expostos ao pecado, à imoralidade, à impiedade e às coisas de Satanás, a fim de aprenderem a enfrentar a tentação. Alguns sugerem que as crianças não precisam ser protegidas da impiedade. Porém, segundo a revelação bíblica, essa filosofia não somente se contrapõe à vontade de DEUS para o crente, como também representa a vontade do próprio Satanás, de que todos sejam expostos ao conhecimento do bem e do mal (Gn 3.5). (2) O conhecimento do mal, juntamente com o contato contínuo com os caminhos de Satanás, desviará muitos do caminho da fé e da obediência. Ló descobriu isso, com a mais profunda tristeza, quando perdeu a totalidade da sua família por essa razão (Gn 13.12,13; 19.1-38). As Escrituras advertem repetidas vezes que "as más conversações corrompem os bons costumes" (1 Co 15.33), e que "JESUS CRISTO... se deu a si mesmo... para nos livrar do presente século mau" (Gl 1.3,4). Aqueles que defendem a idéia de expor crianças inocentes a um ambiente e/ou influência ímpia estão a violar a advertência de JESUS em Mt 18.6. (3) Os crentes devem fazer tudo que puderem para impedir que seus filhos sejam expostos ao engano do pecado e à perversidade desta geração. Recusar-nos a proteger nossas crianças nesse assunto, é desprezar a vontade do ESPÍRITO SANTO, de que sejam inocentes e símplices no conhecimento do mal (v. 19).
 
At 5.42 "E todos os dias, no templo e nas casa, não cessavam de ensinar e de anunciar a JESUS CRISTO"
At 20.20 como não me esquivei de vos anunciar coisa alguma que útil seja, ensinando-vos publicamente e de casa em casa,
Em Atos vimos como a Igreja se utilizava das casas e das famílias para se estabelecer e desenvolver, ganhando almas para o reino de DEUS.
É possível existir família sem Igreja, isso precariamente e com graves prejuízos, mas Igreja sem família, não.
Existem muitas famílias que ainda não conhecem a Igreja verdadeira de JESUS CRISTO, porém seria impossível existir a Igreja não fosse as famílias que dela fazem parte.
A Alegria de estar na Casa do Senhor
Sl 122.1  À CASA DO SENHOR. A Casa do Senhor deve ser um lugar onde o crente desfruta, com toda alegria, da íntima presença do Senhor, da comunhão do ESPÍRITO e do amor dos irmãos na fé.
A Igreja e a Família
Cl 4.15 QUANDO ESTA EPÍSTOLA TIVER SIDO LIDA. As epístolas de Paulo eram lidas em alta voz diante da congregação, quando esta se reunia para o culto, nas casas. Os cristãos colossenses, tendo recebido esta epístola, provavelmente fizeram cópia para si mesmos e também enviaram cópias aos crentes da cidade vizinha de Laodicéia. A epístola de Paulo, que os colossenses deviam receber, vinda de Laodicéia, era provavelmente a que chamamos de epístola aos Efésios.
Aprendendo na Casa do Senhor
Sl 27.4 UMA COISA PEDI. Assim como no Sl 26, o salmista busca a presença de DEUS. É a coisa mais preciosa na sua vida, e ele ora por isso com um só propósito. O próprio DEUS conclama todos nós para esse mesmo propósito: Buscai o meu rosto (v. 8). Aqueles que assim fazem, e procuram habitar na santa presença de DEUS, têm a firme garantia de que, não importa que provações venham a ter, o Senhor nunca os abandonará (vv. 9,10). Não há motivo para desespero; a bondade de DEUS lhes está reservada (vv. 13,14).
Não deixando a nossa Congregação
Hb 10.25 QUANTO VEDES QUE SE VAI APROXIMANDO AQUELE DIA. O dia da volta de CRISTO para buscar os seus fiéis está se aproximando. Até chegar esse dia, enfrentaremos muitas provações espirituais e muitas falsificações na doutrina. Devemos congregar-nos regularmente para nos encorajarmos mutuamente e nos firmarmos em CRISTO e na fé apostólica do novo concerto
Uma Congregação em Casa
At 12.12 At 20.20  NADA... DEIXEI DE VOS ANUNCIAR.PELAS PRAÇAS, RUAS E PELAS CASAS  = Paulo pregava tudo que era útil ou necessário à salvação de seus ouvintes. O ministro do evangelho deve ser fiel ao anunciar toda a verdade de DEUS à sua congregação. Não deve procurar agradar aos desejos dos ouvintes, nem satisfazer o gosto deles, nem promover sua própria popularidade. Mesmo se tiver que falar palavras de repreensão e de reprovação, ensinar contrariamente a preconceitos naturais, ou pregar padrões bíblicos opostos aos desejos da natureza carnal; o pregador fiel entregará a verdade plena por amor ao rebanho (e.g., Gl 1.6-10; 2 Tm 4.1-5).
Uma Família na Casa do Senhor
Lc 2.41 A família terrena de JESUS dava o exemplo, ia à casa do Senhor sempre.
 
Atos 2.41-47
Atos 12.5 A IGREJA. Através do livro de Atos, bem como outros trechos do NT, tomamos conhecimento das normas ou dos padrões estabelecidos para uma igreja neotestamentária.
(1) Antes de mais nada, a igreja é o agrupamento de pessoas em congregações locais e unidas pelo ESPÍRITO SANTO, que diligentemente buscam um relacionamento pessoal, fiel e leal com DEUS e com JESUS CRISTO (13.2; 16.5; 20.7; Rm 16.3,4; 1 Co 16.19; 2 Co 11.28; Hb 11.6).
(2) Mediante o poderoso testemunho da igreja, os pecadores são salvos, nascidos de novo, batizados nas águas e acrescentados à igreja; participam da Ceia do Senhor e esperam a volta de CRISTO (2.41,42; 4.33; 5.14; 11.24; 1 Co 11.26).
(3) O batismo no ESPÍRITO SANTO será pregado e concedido aos novos crentes (ver 2.39), e sua presença e poder se manifestarão.
(4) Os dons do ESPÍRITO SANTO estarão em operação (Rm 12.6-8; 1 Co 12.4-11; Ef 4.11,12), inclusive prodígios, sinais e curas (2.18,43; 4.30; 5.12; 6.8; 14.10; 19.11; 28.8; Mc 16.18).
(5) Para dirigir a igreja, DEUS lhe provê um ministério quíntuplo, o qual adestra os santos para o trabalho do Senhor (Ef 4.11,12)
(6) Os crentes expulsarão demônios (5.16; 8.7; 16.18; 19.12; Mc 16.17).
(7) Haverá lealdade absoluta ao evangelho, i.e., aos 
ensinamentos originais de CRISTO e dos apóstolos (2.42; ver Ef 2.20). Os membros da igreja se dedicarão ao estudo da Palavra de DEUS e à obediência a ela (6.4; 18.11; Rm 15.18; Cl 3.16; 2 Tm 2.15).
(8) No primeiro dia da semana (20.7; 1 Co 16.2), a congregação local se reunirá para a adoração e a mútua edificação através da Palavra de DEUS escrita e das manifestações do ESPÍRITO (1 Co 12.7-11; 14.26; 1 Tm 5.17).
(9) A igreja manterá a humildade, reverência e santo temor diante da presença de um DEUS santo (5.11). Os membros terão uma preocupação vital com a pureza da igreja, disciplinarão aqueles que caírem no pecado, bem como os falsos mestres que são desleais à fé bíblica (20.28; 1 Co 5.1-13; ver Mt 18.15).
(10) Aqueles que perseverarem no caráter piedoso e nos padrões da justiça ensinados pelos apóstolos, serão ordenados ministros para a direção das igrejas locais e a manutenção da sua vida espiritual (Mt 18.15; 1 Co 5.1-5; 1 Tm 3.1-7; Tt 1.5-9). 
(11) Semelhantemente, a igreja terá diáconos responsáveis para cuidarem dos negócios temporais e materiais da igreja (ver 1 Tm 3.8).
(12) Haverá amor e comunhão no ESPÍRITO evidente entre os membros (2.42,44-46; ver Jo 13.34), não somente dentro da congregação local como também entre ela e outras congregações que crêem na Bíblia (15.1-31; 2 Co 8.1-8). 
(13) A igreja será uma igreja de oração e jejum (1.14; 6.4; 12.5; 13.2; Rm 12.12; Cl 4.2; Ef 6.18).
(14) Os crentes se separarão dos conceitos materialistas prevalecentes no mundo, bem como de suas práticas (2.40; Rm 12.2; 2 Co 6.17; Gl 1.4; 1 Jo 2.15,16). (15) Haverá sofrimento e aflição por causa do mundo e dos seus costumes (4.1-3; 5.40; 9.16; 14.22). (16) A igreja trabalhará ativamente para enviar missionários a outros países (2.39; 13.2-4). Nenhuma igreja local tem o direito de se chamar de igreja segundo as normas do NT, a não ser que esteja se esforçando para manter estas 16 características práticas entre seus membros.
12.5 CONTÍNUA ORAÇÃO. Os crentes do NT enfrentavam a perseguição em oração fervorosa. A situação parecia impossível; Tiago fora morto. Herodes mantinha Pedro na prisão vigiado por dezesseis soldados. Todavia, a igreja primitiva tinha a convicção de que a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos (Tg 5.16), e oraram de um modo intenso e contínuo a respeito da situação de Pedro. A oração deles não demorou a ser atendida (vv. 6-17). As igrejas do NT freqüentemente se dedicavam à oração coletiva prolongada (1.4; 2.42; 4.24-31; 12.5,12; 13.2). A intenção de DEUS é que seu povo se reúna para a oração definida e perseverante; note as palavras de JESUS: A minha casa será chamada casa de oração (Mt 21.13). As igrejas que declaram basear sua teologia, prática e missão, no padrão divino revelado no livro de Atos e noutros escritos do NT, devem exercer a oração fervorosa e coletiva como elemento vital da sua adoração e não apenas um ou dois minutos por culto. Na igreja primitiva, o poder e presença de DEUS e as reuniões de oração integravam-se. Nenhum volume de pregação, ensino, cânticos, música,  animação, movimento e entusiasmo manifestará o poder e presença genuínos no ESPÍRITO SANTO, sem a oração neotestamentária, mediante a qual os crentes perseveravam unanimemente em oração e súplicas (1.14).
 
Significado da Palavra Família
  Segundo o Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa de José Pedro Machado, a palavra família entrou na nossa língua, no século XVI por via culta, através do latim 'família', que significava «o conjunto dos escravos da casa; todas as pessoas ligadas a qualquer grande personalidade; casa de família».
Onde nasceu a mais extraordinária família senão na gruta de Belém? Foi lá. com o nascimento do Menino, que ela se originou. Foi lá que emanou pela primeira vez no coração de Maria e de José o amor por uma terceira pessoa: o DEUS feito criança.
Família. Eis uma palavra que encerra um significado imenso, rico, profundo, sublime e simples, principalmente real.
Ou existe família, ou não existe.
 
Tópico I - JESUS e a FAMÍLIA
Os Magos do oriente estiveram na casa de José e Maria para ofertarem a JESUS (Mt 2.11), na casa do chefe da sinagoga JESUS foi para ressuscitar uma jovem (Mt 9.23), JESUS inaugurou seu ministério em uma festa de casamento, valorizando a família (Jo 2.2), esteve na casa de Mateus (Mt 9.10), na casa da sogra de Pedro Mc 1.30), na casa de Lázaro (Jo 11.20), JESUS ensinou a seus discípulos visitarem os lares enviando-os de casa em casa (Mt 10.12), Na casa de Simão, o leproso, foi perfumado (Mt 26.6), etc... Sempre no ministério de JESUS, lá estava Ele em algum lar, trazendo a alegria da salvação e a bênção de sua companhia, pois um lar só pode ser considerado um lar cristão quando CRISTO está lá.
 
1- A FAMÍLIA Cristã
É formada por crentes que estão disposto a fazer de seus lares uma casa de DEUS, uma Igreja local de oração, leitura e estudo da bíblia, lugar de paz, harmonia e presença de JESUS.
O marido representa CRISTO no lar, pois é o cabeça deste lar, assim como A Igreja como corpo de CRISTO aqui na terra,  tem seu líder e cabeça (Senhor), CRISTO, que ama e dá sua vida pela Igreja para a santificar e entregá-la ao pai.  A esposa representa a Noiva de CRISTO, a Igreja, Submissa ao seu esposo, aquela que cuida do lar para que possa receber o noivo que chegará a qualquer momento, ele deve ser recebido com honra e com alegria.
2- A importância da FAMÍLIA nos planos divinos
É a partir da Família Cristã que DEUS desenvolve sua obra na terra. Uma família bem ajustada no evangelho será sempre uma bênção para seus vizinhos, para a sociedade e para a Igreja.
Foi a partir da família de Abraão que DEUS trouxe à terra seu filho, esta família tinha um sinal externo de sua missão, a circuncisão. Hoje DEUS tem uma família na terra que se identifica pelo pela circuncisão interna do ESPÍRITO SANTO e pela circuncisão externa que é o batismo nas águas.
3- A Igreja do Lar
É formada por cada membro da família, que tem seus membros diferenciados segundo o ministério de cada um; um canta, outro prega, outro ensina, outro ora, outro toca um instrumento, outro profetisa, enfim, o pai como líder deve distribuir as oportunidades para que cada membro contribua para que  esta Igreja no lar se desenvolva como Verdadeira Igreja, sendo bênção para a sociedade e para a Igreja.
4- Cada Lar Cristão uma Igreja
A palavra "Lar" vem do Latim "Lare" que significa Lareira, local de fogo e calor, assim o lar é local da presença de DEUS que irradia amor, paz e segurança.
A consciência de que cada lar pode ser uma Igreja pode trazer imensos benefícios tanto à Igreja como à sociedade, pois assim a família estará sendo fortificada em DEUS pela oração e estudo da Palavra de DEUS e ao mesmo tempo estará evangelizando seu vizinhos.
  Família significa literalmente Reunião de escravos ou servos, assim a Igreja é a reunião de servos de DEUS.
 
Tópico II - A FAMÍLIA na Igreja Primitiva
Era nas casas que todo o trabalho da Igreja era programado e era nas casas que se reuniam para cear e para se edificarem uns aos outros. (Rm 16.5 = Igreja na casa de Priscila e Áquila)
1- A Igreja nasceu em um Lar
Podemos considerar o cenáculo onde os discípulos se reuniam como um lar, pois ali estava reunida a Família de JESUS, formada pelos seus discípulos e pela sua mãe, com seus irmãos.  (At 1.14).
2- A FAMÍLIA no Novo Testamento: quase sinônimo de Igreja
Era a partir das famílias que a Igreja ia sendo formada, foi assim na casa de Lídia (At 16.15), na casa do Centurião Cornélio (At 10.24), na casa do soldado carcereiro de Filipos (At 16.30-34), na casa de Maria, mãe de João (onde oravam por Pedro - At 12.12), etc... Era nas casas que se reuniam e era nas casas que oravam e buscavam o poder de DEUS para continuarem firmes a obra de DEUS.
 
Tópico III - A FAMÍLIA Cooperando com a Igreja
 
IGREJA - FAMÍLIA
FAMÍLIA - IGREJA
ORAR
MANTER O PADRÃO BÍBLICO PARA A FAMÍLIA
VISITAR
FREQÜENTAR OS CULTOS REGULARMENTE
REALIZAR EVENTOS ESPECÍFICOS PARA A FAMÍLIA
ENTREGAR OS DÍZIMOS E AS OFERTAS
ACONSELHAR
DAR UM BOM TESTEMUNHO
   
 
1- A FAMÍLIA coopera eficazmente com a Igreja
Sendo luz do mundo e sal da terra, assim a Família estará brilhando em meio às trevas e sendo exemplo de santidade e de temor a DEUS. O mundo vê em nós o amor de DEUS e sente-se desejoso de partilhar também deste amor, é através da união, felicidade, alegria e do amor entre a família que demonstramos ser de CRISTO, para que as pessoas desejem fazer parte de nossa Igreja.
2- A freqüência normal e regular da FAMÍLIA aos cultos e a outras atividades da Igreja
A família que se congrega juntos, sempre estará sendo lavada das impurezas adquiridas no dia a dia do mundo e permanecendo firme aos pés do Senhor JESUS.
3- A FAMÍLIA contribuindo para a Igreja
É com o sustento dado pela família, que contribui unida, que a Igreja consegue finanças para o evangelismo, para a missão mundial e para o sustento dos pastores e líderes da Igreja.
4- A freqüência normal e regular à Escola Bíblica Dominical
O ensino se torna cada vez mais escasso na Igreja e é na E.B.D. que se tem hoje o maior tempo disponível para se aprender sobre a Palavra de DEUS.
Estamos sempre nos aprimorando, estudando e nos dedicando para que o ensino se torne cada dia mais dinâmico e proveitoso aos nossos alunos.
 
Tópico IV A Igreja cooperando com a FAMÍLIA
A visitação nos lares e devida orientação por parte dos líderes da Igreja, trazem inúmeros benefícios não só às famílias em si, mas também à Igreja que terá famílias fortes espiritualmente e por conseqüência uma Igreja forte e cheia do poder de DEUS. Na bíblia temos vários exemplos de famílias que receberam a visita de servos de DEUS que ali levaram a Palavra de Senhor e estes lares se tornaram pilares da Igreja em sua época.
Ex.: Timóteo, Cornélio, Filemom, Priscila e Áquila, Lídia, Carcereiro de Filipos, Maria (Mãe de João Marcos), Casa da sogra de Pedro, etc...
1- Orando pelas FAMÍLIAS
A oração de intercessão é a oração mais importante que a Igreja faz, reunida em prol das famílias e seus membros. DEUS procura pelos intercessores para derramar suas bênçãos sobre as famílias, pois sabe muito bem de que a Igreja só sobrevive com famílias equilibradas e arraigadas na Palavra de DEUS.
2- Aconselhando as FAMÍLIAS
O aconselhamento pastoral evita separações de casais, bem como união entre pais e filhos num mesmo propósito, o de servir ao Senhor. 
No aconselhamento são detectados problemas de ordem conjugais e funcionais dentro da família e com muita oração e dedicação pode-se mudar este quadro caótico em que nossas famílias vivem, para um vilunsbrar de união, paz, amor e serviço na casa do Senhor.
3- Visitando as FAMÍLIAS
É um trabalho pastoral, porém deve ser feito também por casais de vasta experiência e testemunho conhecido diante da Igreja e da sociedade em que vivem.
As mais velhas devem ensinar às mais jovens a obedecerem a seus maridos, a serem boas donas de casa e trabalharem unidas a seus maridos na administração do lar, educando seus filhos na orientação da Palavra de DEUS.
4- Marcando reuniões específicas para FAMÍLIAS
É preciso que as Igrejas organizem grupos de visitação e aconselhamento familiar, pois o pastor sozinho jamais daria conta de tanto trabalho.
Uma família equilibrada e bem orientada social, econômica financeira, bíblica e sexualmente é uma família vitoriosa, que não trás problemas, mas sim soluções para a Igreja.
Conclusão
Diante da constatação de que a família está intimamente atrelada à Igreja e sua obra de evangelização do mundo, devemos nos despertarmos com urgência para esta tão importante tarefa, a de trabalharmos com a educação e aconselhamento de cada família que compõe nossa congregação; fazendo assim teremos uma Igreja vitoriosa, Igreja que não recua ante as dificuldades, mas que marcha sobre o inimigo e o derrota nas batalhas do dia a dia. A família unida jamais será vencida!!!!!!!!!
 
REUNIÕES DA IGREJA
A palavra grega ecclesia é normalmente traduzida como "igreja". O Novo Testamento algumas vezes fala de uma assembléia grega secular (Atos 19:32,41). Em muitas passagens, como em I Coríntios 14: 19, 28, 35, Paulo se refere a igreja como uma reunião de fiéis que formam uma congregação local. Igreja também pode significar todos os fiéis (passados, presentes e futuros) que formam a igreja universal, o completo corpo de CRISTO. Há muitas igrejas citadas no Novo Testamento, às quais os apóstolos escreveram cartas de exortação, aconselhamento e instrução (Romanos 16: 3-5, 14, 15: I Coríntios 1:1; I Coríntios 16: 19-20; Colossenses 4: 15-16; Filemom 1: 1-2).
 
ADORAÇÃO
Quando a igreja se iniciou em Jerusalém, os fiéis se reuniam nos lares para comunhão e adoração. Atos 2: 42-47 nos conta que os primeiros cristãos se reuniam nos lares para ouvir os ensinamentos dos apóstolos e para celebrar a Comunhão ("o partir do pão"). Nesses encontros, também compartilhavam refeições (II Pedro 2:13; Judas 1:12), recitavam as Escrituras, cantavam hinos e salmos e alegremente louvavam ao Senhor (Efésios 5:18-20, Colossenses 3: 16-17). Também se reuniam nos lares para orar (Atos 12:12), ler a Palavra e para ouvir a leitura de uma carta dos apóstolos (Atos 15:30, Colossenses 4:16).
 
 
JO 10.9 EU SOU A PORTA. QUEM ENTRAR POR MIM SERÁ SALVO; PODERÁ ENTRAR E SAIR E ACHARÁ COMIDA.
ENTRAR no curral das ovelhas, no aprisco, significa entrar no reino espiritual, no reino da luz, no reino de DEUS (somente possível através de JESUS, nosso salvador) e
SAIR, significa sair do mundo espiritualmente governado por Satanás, reino das trevas.
ASSIM, temos um encontro com DEUS e sua Palavra revelada (comida do céu).
ANTES, quando JESUS estava aqui na Terra, num corpo físico, DEUS olhava de cima e só via um filho de DEUS; assim, quando precisava de alguém para pregar o evangelho em Samaria, por exemplo, enviava para lá seu único (unigênito) filho, porém as outras regiões ficavam sem ouvir o evangelho, pois só havia um filho de DEUS na Terra para pregar o evangelho e este só podia estar em um local de cada vez, pois estava sujeito a um corpo físico.
AGORA, após o sacrifício de JESUS na cruz por nós, a revelação do ESPÍRITO SANTO disso e nossa conversão, quando DEUS olha de cima, vê milhões de filhos de DEUS na Terra, gerados pela semente viva, a Palavra de DEUS,  fazendo sua obra por toda a parte e de todas as maneiras possíveis e em todo o mundo habitado. Glória a DEUS, o plano de redenção deu certo!!!!!!!!!!!!!!!
 
Unidade Na Construção Do Edifício De DEUS:
1 O Fundamento Dos Apóstolos E Dos Profetas(V.20)
Os Profetas Do Antigo Testamento Profetizaram A Respeito De CRISTO E Os Apóstolos, No Novo Testamento, Confirmaram Essas Profecias. Nessa Tipologia De Um Edifício CRISTO É A Pedra Principal (De Esquina) E Os Profetas E Apóstolos São Colunas De Sustentação E Declarados Também Como Fundamento, Pois São Testemunhas Das Promessas De DEUS E Seus Ensinos, Juntamente Aos De JESUS São A Base Da Igreja.
2 O Lugar De Cada Crente No Edifício De DEUS(Vv.21,22)
Somos O Templo De DEUS Na Terra, Unidos Pelo ESPÍRITO SANTO. Se Somos Como Pedras Vivas O ESPÍRITO SANTO É Como A Massa De Cimento Unindo Essas Pedras; Fazendo Assim Um Templo Que Cresce Cada Dia Mais, Indo De Encontro Ao Artífice E Construtor Que É DEUS, Mas Sempre Olhando Para CRISTO, O Autor E Consumador De Nossa Fé.
 
Unidade No Corpo De CRISTO:
1 Antes, Estávamos Longe; Agora Chegamos Perto(V.13)
Pelo Sangue De CRISTO, Chegamos Perto. Somos Um Mesmo ESPÍRITO Com Ele. Antes Separados, Na Carne; Agora Unidos Pelo ESPÍRITO SANTO.
2 Antes, Sem Reconciliação; Agora Temos Paz Com DEUS(Vv.14,16)
CRISTO Nos Reconciliou Com O Pai ( A Ofensa Foi Paga Na Cruz ), Através Do Seu 
Sangue A Parede De Separação Foi Removida(O Pecado).
3 Antes, Éramos Dois Povos; Agora, Somos Um Só(V.15)
Não Há Mais Diferença, Formamos Um Só Corpo; O Corpo De CRISTO. (DEUS Olha De Cima E Vê Milhões De Filhos)
4 Antes, Não Tínhamos Acesso Ao Pai; Agora, Em CRISTO, Isto É Possível(Vv.18,19)
Os Gentios Não Podiam Nem Entrar No Templo Construído Pelos Judeus, Agora Nós Podemos Entrar Na Presença Do Pai Pelo Novo E Vivo Caminho Que JESUS Nos Consagrou = O Véu Foi Rasgado, Isto É, Sua Carne.
 
Freqüente uma Igreja Regularmente
Quando você recebeu a JESUS CRISTO como seu Senhor e Salvador pessoal, você iniciou um relacionamento não só com JESUS CRISTO, mas também com outros, que tomaram este passo de fé, crentes. Não importa qual era a sua opinião antes, mas ir a igreja hoje é uma experiência rica e recompensadora.
Através do ensino e da pregação da Palavra de DEUS a sua compreensão d'Ela será cada vez maior.
Você terá oportunidade de fazer perguntas e discutir sobre as Escrituras com outras pessoas.
Você aprenderá a adorar a DEUS, isto é, louvá-lo por tudo que Ele é, e agradecer por tudo que Ele tem feito por você.
Adorando, aprendendo e servindo com outros cristãos, você descobrirá outras pessoas com quem pode ter uma amizade duradoura, uma amizade, que será para toda a eternidade!
Freqüente a Escola Bíblica Dominical para que possa aprender melhor a Palavra de DEUS.
 ESTA É A IGREJA dos chamados para fora e esta é sua função primordial - A salvação das almas e sua condução a DEUS.
(Pr. Luiz Henrique)
 
Identificar a família como elemento básico da funcionalidade da igreja local.
Fazer da igreja um local de acolhimento das famílias.
Compreender que a família deve se envolver com a igreja local.
LIÇÃO 13, EU E MINHA CASA SERVIREMOS AO SENHOR
"Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR"  (Js 24.15).
Com a graça de DEUS, a família cristã vencerá os desafios da vida.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Josué 24.14-18,22,24
14 Agora, pois, temei ao SENHOR, e servi-o com sinceridade e com verdade, e deitai fora os deuses aos quais serviram vossos pais dalém do rio e no Egito, e servi ao SENHOR. 15 Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR. 16
Então, respondeu o povo e disse: Nunca nos aconteça que deixemos o SENHOR para servirmos a outros deuses; 17 porque o SENHOR é o nosso DEUS; ele é o que nos fez subir, a nós e a nossos pais, da terra do Egito, da casa da servidão, e o que tem feito estes grandes sinais aos nossos olhos, e nos guardou por todo o caminho que andamos e entre todos os povos pelo meio dos quais passamos. 18 E o SENHOR expeliu de diante de nós a todas estas gentes, até ao amorreu, morador da terra; também nós serviremos ao SENHOR, porquanto é nosso DEUS.
 
22 E Josué disse ao povo: Sois testemunhas contra vós mesmos de que vós escolhestes o SENHOR, para o servir. E disseram: Somos testemunhas. 23 Agora, pois, deitai fora os deuses estranhos que há no meio de vós: e inclinai o vosso coração ao SENHOR, DEUS de Israel. 24 E disse o povo a Josué: Serviremos ao SENHOR, nosso DEUS, e obedeceremos à sua voz.
 JOSUÉ, FILHO DE NUM. Josué tinha sido um auxiliar achegado e amigo fiel de Moisés durante os quarenta anos da peregrinação de Israel no deserto (Êx 17.8-13; 24.13; 32.17-19; Nm 13.8-16). Homem cheio do ESPÍRITO SANTO, já designado sucessor de Moisés (Nm 27.18-24; Dt 34.9). DEUS agora o mandava conduzir o povo dEle para a terra da promessa (ver Gn 12.6,7; 15.18-21). O nome Josué significa "o Senhor é salvação". A forma grega desse nome é "JESUS" (ver Mt 1.21). Josué é um tipo (ou figura) de JESUS CRISTO, pelo fato de introduzir o povo de DEUS na terra prometida e conduzi-lo à vitória sobre seus inimigos (Hb 4.1,6-8). A conquista de Canaã (Palestina) começou cerca de 1405 a.C., e a liderança de Josué sobre Israel durou cerca de vinte e cinco anos.
24.15 EU E A MINHA CASA SERVIREMOS AO SENHOR. No processo da salvação por DEUS concedida, está o assunto da escolha individual. Depende de cada um decidir a quem servir continuamente. Como no caso de Josué e dos israelitas, permanecer em DEUS não é um ato isolado no tempo e ocorrido uma única vez (cf. 1.16-18; Dt 30.19,20); precisamos vez por outra reafirmar nossa decisão feita de permanecer na fé e em obediência. A reafirmação de decisões justas, feitas pelo crente, inclui temor ao Senhor, lealdade à verdade, a obediência sincera e renúncia ao pecado e todos os prazeres a ele associados (vv. 14-16). Deixar de servir e amar ao Senhor resultará depois em julgamento e destruição (v. 20; 23.11-13).
24.16 NUNCA NOS ACONTEÇA QUE DEIXEMOS O SENHOR. A promessa do povo, de servir somente o Senhor, foi cumprida, mas somente enquanto Josué viveu, juntamente com os anciãos daqueles dias. Pouco tempo depois da morte de Josué, o povo deixou o Senhor e começou a servir a outros deuses (Jz 2.11-19).
 
No capítulo 24 Josué fala a todo o povo. Usando as palavras que lhe foram dadas pelo SENHOR, ele lembrou aos israelitas como foram abençoados a partir de Abraão, recebendo sem esforço a sua herança, pois fora o SENHOR quem derrotara os seus inimigos. Josué conclamou-os a temer ao SENHOR e servi-lo com integridade e fidelidade. Para isso era necessário que tomassem uma decisão definitiva: ou servir ao SENHOR ou servir aos falsos deuses da região. Era impossível servir ao SENHOR e também aos outros deuses! Ele próprio já tinha decidido: ele e a sua casa serviriam ao SENHOR.
O povo respondeu que, em vista do que o SENHOR havia feito por eles, eles O serviriam também.
  
 “Crê no Senhor JESUS CRISTO e serás salvo, tu e a tua casa” (At 16.31).
Esta Fé atinge toda nossa família, para sua salvação também, desde que também se arrependam de seus pecados e recebam a JESUS CRISTO como Senhor e Salvador de suas almas.
 
DEUS quer salvar toda a nossa casa, restaurando por completo todos os membros de nossa família. 
 
 Gn 7.1-7 A salvação da família de Noé 
1 Depois, disse o SENHOR a Noé: Entra tu e toda a tua casa na arca, porque te hei visto justo diante de mim  nesta geração. 2 De todo animal limpo tomarás para ti sete e sete: o macho e sua fêmea; mas dos animais que não são limpos, dois: o macho e sua fêmea. 3 Também das aves dos céus sete e sete: macho e fêmea, para se conservar em vida a semente sobre a face de toda a terra. 4 Porque, passados ainda sete dias, farei chover sobre a terra quarenta dias e quarenta noites; e desfarei de sobre a face da terra toda substância que fiz. 5 E fez Noé conforme tudo o que o SENHOR lhe ordenara. 6 E era Noé da idade de seiscentos anos, quando o dilúvio das águas veio sobre a terra. 7 E entrou Noé, e seus filhos, e sua mulher, e as mulheres de seus filhos com ele na arca, por causa das
águas do dilúvio. 
O DILÚVIO DAS ÁGUAS VEIO SOBRE A TERRA. O dilúvio foi o castigo divino universal sobre um mundo ímpio e impenitente. O apóstolo Pedro refere-se ao dilúvio para relembrar a seus leitores que DEUS outra vez julgará o mundo inteiro no fim dos tempos, mas agora por fogo (2 Pe 3.10). Tal julgamento resultará no derramamento da ira de DEUS sobre os ímpios, como nunca houve na história (Mt 24.21). DEUS conclama os crentes atuais, assim como Ele fez com Noé na antiguidade, para avisarem os não-salvos sobre esse dia terrível e instar com eles para que se arrependam dos seus pecados, e se voltem para DEUS por meio de CRISTO, e assim sejam salvos
 
Gn 45.7 A salvação da família de José
7 Pelo que DEUS me enviou diante da vossa face, para conservar vossa sucessão na terra e para guardar-vos em vida por um grande livramento.
45.7 PARA CONSERVAR VOSSA SUCESSÃO. DEUS operou através de José para a preservação do povo do concerto, do qual descenderia o CRISTO. Note-se que, embora CRISTO viesse da linhagem de Judá e não da de José, DEUS usou este para preservar a linhagem da qual viria CRISTO. José, portanto, foi um antecessor espiritual de CRISTO, algo muito mais importante do que ser ancestral físico (Rm 4.12-16).

Êx 12.23 A salvação da família israelita no Egito
23 Porque o SENHOR passará para ferir aos egípcios, porém, quando vir o sangue na verga da porta e em ambas as ombreiras, o SENHOR passará aquela porta e não deixará ao destruidor entrar em vossas casas para vos ferir.
A refeição da Páscoa assinalava o início da Festa dos Pães Asmos (vv. 6,18), que prenunciava a importância da fé no Cordeiro sacrificial e a obediência a Ele. Os fiéis deviam sinceramente arrepender-se do pecado e viver para DEUS, em humilde gratidão.
 
Js 6.25 A salvação da família de Raabe
25 Assim, deu Josué vida à prostituta Raabe, e à família de seu pai, e a tudo quanto tinha; e habitou no meio de Israel até ao dia de hoje, porquanto escondera os mensageiros que Josué tinha enviado a espiar a Jericó.
e Salmom gerou de Raabe a Boaz, e Boaz gerou de Rute a Obede, e Obede gerou a Jessé. 6 Jessé gerou ao rei Davi, e o rei Davi gerou a Salomão da que foi mulher de Urias. 7 Salomão gerou a Roboão, e Roboão gerou a Abias, e Abias gerou a Asa, 8 e Asa gerou a Josafá, e Josafá gerou a Jorão, e Jorão gerou a Uzias, 9 e Uzias gerou a Jotão, e Jotão gerou a Acaz, e Acaz gerou a Ezequias. 10 Ezequias gerou a Manassés, me Manassés gerou a Amom, e Amom gerou a Josias, 11 e Josias gerou a Jeconias e a seus irmãos na deportação para a Babilônia. 12 E, depois da deportação para a Babilônia, Jeconias gerou a Salatiel, e Salatiel gerou a Zorobabel,13 e Zorobabel gerou a Abiúde, e Abiúde gerou a Eliaquim, e Eliaquim gerou a Azor, 14 e Azor gerou a Sadoque, e Sadoque gerou a Aquim, e Aquim gerou a Eliúde, 15 e Eliúde gerou a Eleazar, e Eleazar gerou a Matã, e Matã gerou a Jacó, 16 e Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama o CRISTO. Da Prostituta Raabe veio a nascer JESUS , o salvador.

Lc 19.1-10 A salvação da família de Zaqueu
1 E, tendo JESUS entrado em Jericó, ia passando. 2 E eis que havia ali um homem, chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos e era rico.3 E procurava ver quem era JESUS e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. 4 E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver, porque havia de passar por ali. 5 E, quando JESUS chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa,  porque, hoje, me convém pousar em tua casa. 6 E, apressando-se, desceu e recebeu-o com júbilo. 7 E, vendo todos isso, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador.
8 E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se em alguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. 9 E disse-lhe JESUS: Hoje, veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão. 10 Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. 
19.1-10 A CONVERSÃO DE ZAQUEU. Esta história revela que JESUS ainda continuava a buscar e salvar os perdidos (v.10), bem poucos dias antes da sua crucificação; foi este o propósito da sua vinda (cf. 15.3-7; Ez 34.16). Zaqueu, um publicano, ou cobrador de impostos, ganhava muito bem a vida, cobrando do povo mais do que devia. Por este motivo, o povo desprezava os publicanos. A solicitude de JESUS por Zaqueu nos impele a levar o evangelho aos repelidos pela sociedade, pois todos os seres humanos estão perdidos e necessitam de CRISTO.
19.8 DOU AOS POBRES. A confissão genuína do pecado e a verdadeira fé salvífica em CRISTO resultarão na transformação da conduta externa da pessoa. Ninguém pode chegar a conhecer a CRISTO, aceitar a sua salvação e, ao mesmo tempo, continuar no pecado, ser desonesto e duro de coração para com o próximo.
 
At 16.31 A salvação da família do carcereiro 
31 E eles disseram: Crê no Senhor JESUS CRISTO e serás salvo, tu e a tua casa.
16.30 QUE É NECESSÁRIO QUE EU FAÇA PARA ME SALVAR? Esta é a pergunta mais importante que alguém se pode fazer. A resposta dos apóstolos é: Crê no Senhor JESUS CRISTO (v. 31). (1) Crer no Senhor JESUS é achegarmo-nos a Ele como o nosso vivo e divino Redentor, nosso Salvador da condenação eterna e o Senhor da nossa vida. É crer que Ele é o Filho de DEUS enviado pelo Pai e que tudo quanto Ele é verdadeiro e final para a nossa vida. É crer que Ele perdoa os nossos pecados, torna-nos seus filhos, dá-nos o ESPÍRITO SANTO e está sempre presente conosco para nos ajudar, guiar, consolar e nos levar até ao céu. (2) A fé salvífica é muito mais do que crer em verdades a respeito de CRISTO. Ela nos aproxima dEle, faz-nos permanecer nEle e entregar-lhe nossa vida conturbada, na confiança de que Ele, sua Palavra e o ESPÍRITO SANTO nos conduzirão através desta vida à gloriosa presença do Pai.
 
Você pode dizer como Josué: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”?
O DESEJO DE QUALQUER SALVO É O DE QUE SUA FAMÍLIA TAMBÉM SEJA SALVA, MAS PARA QUE ISTO ACONTEÇA É PRECISO MUITO ESFORÇO, FÉ E MUITA DISCIPLINA.
 
A procriação. 
É através do casal bem ajustado que DEUS povoa a terra com sua semente boa, o inimigo semeia o joio, mas a boa semente fará proezas no meio deles e será coroado de vitória ante seus olhos turvos pelo pecado.
Os filhos são bênçãos do Senhor e devem ser recebidos como prêmio de DEUS ao casal para que a terra seja povoada. (Sl 127.3-5).
LEMBREM-SE DE QUE VOCÊS DOIS TERMINARÃO SUAS VIDAS DA MANEIRA QUE COMEÇARAM, OU SEJA, SÓ OS DOIS; OS FILHOS VÃO CONSTITUIR SUAS PRÓPRIAS FAMÍLIAS (SÃO FLECHAS)  E O CASAL DEVE INVESTIR UM NO OUTRO PARA QUE NO FUTURO, QUANDO ESTIVEREM SOMENTE OS DOIS, POSSAM SER COMPANHEIROS E AMIGOS.

Prover o ambiente através do qual CRISTO viria ao mundo. 
Foi através de uma humilde, porém santa família, que DEUS se fez homem e habitou entre nós. Assim DEUS nos dá uma lição de que não importa a condição financeira e sim a condição espiritual da família para que suas promessas de bênçãos se cumpram. (Lc 1.27)
JESUS nasceu num contexto histórico, social e econômico muito favorável para o nascimento do cristianismo.
Língua falada pela maioria dos países era o Grego, Dinheiro mais utilizado era o romano, Governo na maioria dos lugares habitados era o romano ou de seus aliados.
 
A FAMÍLIA NO PLANO REDENTOR DE DEUS
O compromisso divino em salvar a família. 
A aliança que DEUS fez com Noé para poupar tanto a ele como a sua família da destruição
"Contigo, porém, estabelecerei a Minha aliança; entrarás na arca, tu e teus filhos, e tua mulher, e as mulheres de teus filhos" (Gên. 6:18).

A responsabilidade individual. 
Ez 18.4 Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá.
Ez 18.20 A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai levará a iniqüidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.
"Crê no Senhor JESUS, e serás salvo, tu e toda a tua casa", At.16:31
DEUS tem um plano para toda a família. Não quer dizer que porque um se converteu, todos irão converter-se por causa deste texto. Não creio que ele seja uma promessa a todo crente, mas sim que revele uma intenção de DEUS quanto às famílias de uma forma geral. Vale lembrar que Paulo declarou isto ao carcereiro num momento em que este homem ia se matar. Paulo não podia vê-lo, pois além de estar dentro de sua cela, a Bíblia diz que eles estavam no escuro. O apóstolo Paulo teve uma revelação do ESPÍRITO SANTO para uma pessoa específica, num momento específico. Não posso dizer: - "Hei, DEUS! Você prometeu que se eu cresse iria salvar todo mundo lá em casa!". Mas posso muito bem orar pelos meus familiares crendo que há um plano divino para a família. Cada familiar meu tem o direito de escolha, se dirão sim ou não a JESUS CRISTO, é responsabilidade pessoal de cada um deles. Mas farei de tudo para convencê-los, ensiná-los, cobri-los de oração intercessória e tudo o mais que for possível. No caso deste carcereiro Filipenses, o Senhor mostrou de antemão toda a família salva. Mas para cada um de nós, mesmo se não diga de antemão o que irá acontecer, DEUS já revelou seu plano em sua Palavra para toda a família. E o sacerdote do lar tem uma grande responsabilidade de afetar o destino dos seus entes queridos.
 
COMO A FAMÍLIA PODE SER SALVA
Confie na promessa de DEUS. 
A Bíblia esta cheia de promessas de DEUS para seus lhos. E a promessa de um DEUS fiel, que cumpre sem a sua Palavra. Podemos confiar nas suas promessas. Podemos arriscar nelas a nossa vida. DEUS não irá falhar. Por isso vale a pena conhecer as promessas de DEUS para a nossa vida. Mais ainda, vale a pena guardá-las e gravá-las na nossa mente e no nosso coração. Por isso anote dia por dia as promessas de DEUS.
Não encontraremos promessas em todas as passagens que lermos. Mas são tantas as promessas de DEUS na Bíblia que encontramos muitas e com freqüência. Anote sempre que encontrar (se não encontrar, não se preocupe; não queira criar promessas que DEUS não fez).
Eis alguns exemplos:
"Todo aquele que proclama que JESUS é o Filho de DEUS, DEUS permanece nele e ele em DEUS" (1 Jo 4,15).
"E estais certos de que cada um receberá do Senhor recompensa do bem que tiver feito" (Ef 6,8)
"Porque eu vos darei uma palavra cheia de sabedoria a qual não poderão resistir nem contradizer os vossos adversários" (Lc 21,15).
"Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (Rom 10,13).
"Mas o Senhor é fiel, e Ele há de vos dar forças e vos preservar do mal" (2 Tes 3,3).

Interceda por sua família. 
Definição de Intercessão:
Interceder é colocar-se no lugar de outro e pleitear a sua causa, como se fora sua própria. É estar entre DEUS e os homens, a favor destes, tomando seu lugar e sentindo sua necessidade de tal maneira que luta em oração até a vitória na vida daquele por quem intercede.
 
Jo 4.46.50 Disse-lhe JESUS: Vai, o teu filho vive. E o homem creu na palavra que JESUS lhe disse, e partiu.
Nesta passagem encontramos um homem nobre que, apesar da sua alta posição social, estava em dificuldades. Seu amado filho estava próximo da morte. Os melhores médicos da época já haviam dito: "não existe esperanças". Ele então pensou na possibilidade de JESUS ajudá-lo e ao saber que Ele estava próximo de sua cidade partiu para Caná em busca de uma solução para o problema de seu filho.
O primeiro passo para a fé redentora é possuir uma fé que busca. Ele já tinha ouvido falar acerca de JESUS e isto o levou a procurá-lo. Ainda que o tenha buscado percebemos que ele limitou o poder de JESUS ao lugar onde Ele estava(Caná). Mas apesar desta limitação ele veio a JESUS assim como todos devem ir a CRISTO por si mesmos para solucionarem os seus problemas. Vemos neste episódio um confronto entre a fé que busca e a fé estática. A fé que busca o levou a JESUS. A fé estática o manteve ali quando teve a impressão de que JESUS tinha recusado atender o seu pedido ao dizer: "se não virdes sinais e milagres, não crereis"(v.48). Então ele persiste: "Senhor, venha comigo rapidamente, meu pequeno filho está próximo da morte. Por favor ajude-me"(v.49).
Sua fé foi honrada por JESUS que disse: "vai, o teu filho vive"(v.50). JESUS não foi com ele, mas respondeu o seu pedido. Ele submeteu-se a JESUS e a Sua Palavra e iniciou uma jornada expectante até a sua casa. Nós devemos sempre relembrar que o caminho de CRISTO é o melhor caminho. Por esta razão devemos obedecê-lo e confiantes compartilharmos este caminho com aqueles que não o conhecem. A fé redentora submete-nos a JESUS, a sua Palavra e aos atos baseados nela. Aquele homem estava começando a experimentar um crescimento espiritual que teve como ponto de partida a difícil situação de saúde que seu filho estava enfrentando. O que era aparentemente um grande problema tornou-se uma oportunidade para aproximar-se de DEUS em JESUS CRISTO.
No caminho de casa ele encontrou seus servos e perguntou-lhes quando o garoto iniciou a sua melhora. E ao ouvir a resposta ele lembrou-se de que aquele horário mencionado foi o exato momento em que JESUS tinha dito "teu filho vive". Então ele creu, teve a fé redentora, e levou seus familiares a receberem a JESUS CRISTO como Salvador e Senhor(v.53). Ele foi até Caná procurando ajuda para seu filho enfermo. Teve esta ajuda, mas o mais importante, a criança agora teve sua família transformada por JESUS e poderia crescer em maturidade, em amor e educação nos propósitos de DEUS para a sua vida. Senhor, ajude minha fé a crescer. Dê-me fé para crer que nada é impossível para você. Abençoa o meu propósito de seguir a JESUS ajudando as pessoas a crescerem na fé também!
 
Mc 7.26 E esta mulher era grega, sirio-fenícia de nação, e rogava-lhe que expulsasse de sua filha o demônio
 “Pais cristãos: chorem agora para não chorar depois. Chorem diante de DEUS intercedendo por seus filhos. Não tenham olhos secos na presença de DEUS. Ri melhor quem ri por último, mas chora melhor quem chora primeiro. Chore agora para rir depois. «Aqueles que semeiam chorando colherão com alegria» (Sl 126,5 BLH)”[2]. Foi este o pensamento da mulher sírio-fenícia diante de JESUS (Mc 7.24-30). Quando o Senhor vê o clamor dos pais pelos filhos Ele atua poderosamente.
 
2Sm 12.16 E buscou Davi a DEUS pela criança; e jejuou Davi, e entrou, e passou a noite prostrado sobre a terra.
É verdade. É necessário que choremos por nossos filhos. David chorou pelo filho que foi gerado no seu pecado (2 Sm 12.15-16). Mas não chorou pelos outros filhos. Não corrigiu os filhos (1 Rs 1.6). Por que não corrigiu os filhos, chorou de tristeza (2 Sm 18.33).
 
Devemos ter a coragem de entregar os nossos filhos para que sejam poupados. A mulher que disputava seu filho com outra que não era a mãe legítima entrega a criança nas mãos de Salomão e abre mão dela. Por este motivo Salomão reconheceu que ela era a mãe da criança.
    Ana teve a coragem de entregar Samuel ao sacerdote Eli. Quantos de nós temos esta ousadia de entregar os nossos filhos nas mãos do Senhor.
 
Ganhe o seu cônjuge através do exemplo. “Semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas ao vosso próprio marido, para que também, se algum não obedece à palavra, pelo procedimento de sua mulher seja ganho sem palavra, considerando a vossa vida casta, em temor” (1 Pe 3.1,2).
3.1 MARIDOS... SEJAM GANHOS. Pedro ensina como uma esposa deve agir a fim de ganhar para CRISTO o seu marido não salvo. (1) Ela deve ser submissa ao marido e reconhecer a sua liderança na família (ver Ef 5.22). (2) Ela deve conduzir-se de modo santo e respeitoso, com espírito manso e quieto (vv. 2-4; ver 1 Tm 2.13,15 notas). (3) Ela deve esforçar-se para ganhar o marido para CRISTO, mais pelo comportamento, do que por suas palavras.
 
NOÉ, UM HOMEM JUSTO E INCORRUPTÍVEL 
Um dos sinais que apontam para o fim dos tempos e a segunda vinda de JESUS CRISTO. As palavras de JESUS mostram igualmente que a situação é semelhante à do passado remoto dos dias de Noé.
Mateus 24:36-44
“Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão somente o Pai. Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, E não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. Então dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro; Duas estarão trabalhando num moinho, uma será tomada, e deixada a outra. Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor. Mas considerai isto: Se o pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a casa. Por isso ficai vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do homem virá.”
 Eram de consternar as condições morais dos dias de Noé: “ Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra, e que continuamente era mau todo desígnio do seu coração” (Gn 6.5) “A terra estava corrompida à vista de DEUS, e cheia de violência.” (Gn 6.11).
 
Estas condições exibem marcada semelhança com as condições morais do mundo de hoje.
Cento e vinte anos foram o prazo que DEUS deu a geração de Noé para o arrependimento, e embora Noé, o pregoeiro da justiça advertisse o povo da aproximação do dilúvio, sua advertência não foi ouvida. Pouca atenção lhe deu à admoestação. 
Do mesmo modo, nós, os salvos, como pregoeiros da justiça, já há mais de dois milênios, anunciamos ao mundo a volta de CRISTO e o Juízo de DEUS, e , como Noé, somos desprezados e taxados de loucos e fanáticos. Pregamos o arrependimento e apontamos para a Arca, o Senhor JESUS CRISTO, O ÚNICO MEIO DE SALVAÇÃO: “Quem entrar por mim, salvar-se-á” (Jo 10.9). 
"Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de DEUS inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo" (Fp 2.15). 
Todo cristão deve influenciar a sociedade em que vive, por meio de atitudes que enalteçam o nome do Senhor.
 
Gênesis 6.1-12.
1E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, 2\viram os filhos de DEUS que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.3 Então, disse o SENHOR: Não contenderá o meu ESPÍRITO  para sempre com o homem, porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. 4 Havia, naqueles dias, gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de DEUS entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os varões de fama. 5 E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. 6 Então, arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra, e pesou-lhe em seu coração. 7 E disse o SENHOR: Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até ao animal, até ao réptil e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito. 8 Noé, porém, achou graça aos olhos do SENHOR. 9 Estas são as gerações de Noé: Noé era varão justo e reto em suas gerações; Noé andava com DEUS. 10 E gerou Noé três filhos: Sem, Cam e Jafé. 11 A terra, porém, estava corrompida diante da face de DEUS; e encheu-se a terra de violência. 12 E viu DEUS a terra, e eis que estava corrompida; porque toda carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra.
 
6.2 OS FILHOS DE DEUS. Esses filhos de DEUS , sem dúvida, eram os descendentes da linhagem piedosa de Sete (cf. Dt 14.1; Sl 73.15; Os 1.10); eles deram início aos casamentos mistos com as filhas dos homens , i.e., mulheres da família ímpia de Caim (ver 4.16). A teoria de que os filhos de DEUS eram anjos, não subsiste ante as palavras de JESUS, que os anjos não se casam (Mt 22.30; Mc 12.25). Essa união entre os justos e os ímpios levou à maldade do versículo 5, i.e., os justos passaram a uma vivência iníqua. Como resultado, a terra corrompeu-se e encheu-se de violência (vv. 11-13)
 
6.5 A MALDADE DO HOMEM SE MULTIPLICARA. Nos dias de Noé, o pecado abertamente se manifestava no ser humano, de duas principais maneiras: a concupiscência carnal (v. 2) e a violência (vv. 11,12). A degeneração humana não mudou; o mal continua irrompendo desenfreado através da depravação e da violência. Hoje em dia, a imoralidade, a incredulidade, a pornografia e a violência dominam a sociedade inteira (ver Mt 24.37-39; ver Rm 1.32).
 
6.6 ENTÃO, ARREPENDEU-SE O SENHOR. DEUS se revela, já nestes primeiros caps. da Bíblia, como um DEUS pessoal para com o ser humano, e que é passível de sentir emoção, desagrado e reação contra o pecado deliberado e a rebelião da humanidade.
(1) Aqui, a expressão arrependeu-se significa que, por causa do trágico pecado da raça humana, DEUS mudou a sua disposição para com as pessoas; sua atitude de misericórdia e de longanimidade passou à atitude de juízo.
(2) A existência de DEUS, o seu caráter e seus eternos propósitos traçados, permanecem imutáveis (1 Sm 15.29; Tg 1.17), porém, Ele pode alterar seu tratamento para com o homem, dependendo da conduta deste. DEUS altera, sim, seus sentimentos, atitudes, atos e intenções, conforme as pessoas agem diante da sua vontade (Êx 32.14; 2 Sm 24.16; Jr 18.7-10; 26.3,13,19; Ez 18.4-28; Jn 3.8-10).
(3) Essa revelação de DEUS como um DEUS que pode sentir pesar e tristeza, deixa claro que Ele, em relação à sua criação, age pessoalmente, como no recesso de uma família. Ele tem um amor intenso pelos seres humanos e solicitude divina ante a penosa situação da raça humana (Sl 139.7-18).
 
6.9 NOÉ ERA VARÃO JUSTO E RETO EM SUAS GERAÇÕES. Em meio à iniqüidade e maldade generalizadas daqueles dias (v. 5), DEUS achou em Noé um homem que ainda buscava comunhão com Ele e que era varão justo .
(1) Reto em suas gerações , equivale dizer que ele se mantinha distanciado da iniqüidade moral da sociedade ao seu redor. Por ser justo e temer a DEUS e resistir à opinião e conduta condenáveis do público, Noé achou favor aos olhos de DEUS (v. 8; 7.1; Hb 11.7; 2 Pe 2.5).
(2) Essa retidão de Noé era fruto da graça de DEUS nele, por meio da sua fé e do seu andar com DEUS (v. 9). A salvação no NT é obtida exatamente da mesma maneira, i.e., mediante a graça e misericórdia de DEUS, recebidas pela fé, cuja eficácia conduz o crente a um esforço sincero para andar com DEUS e permanecer separado da geração ímpia ao seu redor (v. 22; 7.5,9,16; At 2.40). Hebreus 11.7 declara que Noé foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé.
(3) O NT também declara que Noé não somente era justo, como também pregador da justiça (2 Pe 2.5). Nisso, ele é exemplo do que os pregadores devem ser.
 
Hb 11.7 Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu, e, para salvação da sua família, (grifo nosso)
18preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé.
 
O ARREBATAMENTO DA IGREJA VEM AÍ, O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO PARA SALVAR SUA FAMÍLIA DA GRANDE TRIBULAÇÃO QUE VIRÁ?
   
OBSERVAÇÕES SOBRE NOÉ - 1
NOÉ (Seu nome Significa "Descanso") Filho de Lameque da descendência de Sete (Gn 5.28-32). Noé era um homem JUSTO 4). Quando DEUS decidiu destruir o mundo através de um DILÚVIO, ele escolheu Noé e sua família para escaparem da destruição. Durante o dilúvio, Noé e sua esposa, seus três filhos e suas esposas e muitos animais permaneceram dentro de uma ARCA que havia sido construída por Noé. Depois que as águas secaram, Noé e sua família saíram da arca e receberam de DEUS a ordem e a bênção para povoarem de novo a terra. Noé viveu 950 anos (Gn 6—9).
Noé era um homem correto que protegeu sua fiel família do julgamento de DEUS. Ele era o filho de Lameque e neto de Matusalém, um descendente de Sete, terceiro filho de Adão (Genesis 5:13-20). Lameque nomeou seu filho Noé, um nome que soa como um termo em Hebraico que significa "alívio" ou "conforto". Quando Lameque escolheu esse nome, ele disse "Ele nos trará alívio do trabalho doloroso de cultivar essa terra que o Senhor amaldiçoou" (Genesis 5:29). DEUS estava determinado a destruir a criação por causa da perversão difundida (compare Mateus 24:37-39, Lucas 17:26-27). Mas DEUS fez uma exceção com Noé, um homem correto aos olhos de DEUS e inocente diante as pessoas (Genesis 6:39). Depois de seguir as instruções precisas de DEUS, Noé construiu uma arca. Somente oito pessoas poderiam entrar na arca: Noé, sua esposa, os três filhos e suas esposas. Entrou também na arca todos os tipos de criaturas com seus pares. Todos eles foram protegidos do dilúvio no qual todas as coisas vivas restantes foram destruídas (Genesis 6:14, 8:19). Quando emergiram da arca, Noé construiu um altar e queimou ofertas para agradecer a DEUS. DEUS prometeu que a inundação nunca mais aconteceria e a seqüência das estações não seria interrompidas apesar do pecado do homem (Genesis 8:20-9:17). Noé suportou poderosas tentações. Entretanto, mais tarde, na idade velha, ficou negligente e tornou-se bêbado. Os membros da família reagiram diferentemente e foram julgados de modo devido. Sem e Jafé receberam a benção. Cam não recebeu nenhuma benção, mas o seu filho Canaã foi amaldiçoado (Genesis 9:20-27). Noé tinha 950 anos quando morreu, 350 anos depois do dilúvio. Noé, Daniel e Jó são especialmente citados por terem sido justo em Ezequiel 14:12-14, 19-20). A carta aos Hebreus elogia Noé pela fé, medo santo e a rejeição do mundo tornou-se herança da justiça (Ezequiel 11:7). Em 2 Pedro 2:5, Pedro o chama de pregador da justiça.
 
OBSERVAÇÕES SOBRE NOÉ - 2
NOÉ, o construtor da arca.
Considerando seu meio ambiente, a grandiosidade da obra para a qual foi chamado e tantos anos de trabalho árduo, destaca-se como insuperável, ou talvez inigualável, entre todas as personagens bíblicas com fé persistente. A arca. Não é possível determinar com exatidão as dimensões da arca, pois estão especificadas em côvados antigos. Para nossos cálculos, consideramos a medida de 45 cm. (Quanto ao tempo investido na construção, comp. Gn 5:32 com 7:6.) Noé aparentemente admoestava o povo enquanto trabalhava na arca, 2Pe 2:5. Os dias imediatamente anteriores ao Dilúvio. A reunião dos animais e a entrada de Noé e sua família na arca, Gn 7:1-16. O Senhor fecha a porta da arca, Gn 7:16.
 
Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque reconheço que tens sido justo diante de mim no meio desta geração. De todo animal limpo levarás contigo sete pares: o macho e sua fêmea; mas dos animais imundos, um par: o macho e sua fêmea. Também das aves dos céus, sete pares: macho e fêmea; para se conservar a semente sobre a face da terra.
 
Na arca entraram assim ordenados os animais:
Animais limpos sete pares de cada espécie e
Animais imundos um par de cada espécie.
 
 Ver tb: Gn 5:29, Gn 6:8, Gn 7:1, Gn 7:13, Gn 8:1, Gn 8:20, Gn 9:1, Gn 9:17, Gn 9:29, 1Cr 1:4, Ez 14:14, Lc 17:26, Hb 11:7, 2Pe 2:5.
Noé pode aprender muito sobre DEUS, pois viveu o suficiente para conhecer muitos patriarcas, desde Enos até Matusalém; e tempo suficiente para passar seus ensinos para gerações futuras até Abraão.
  
OBSERVAÇÕES SOBRE NOÉ - 3
O caráter de NOÉ, filho de Lameque
Referências gerais: Gn 5:29; 6:8; 7:1; 8:1,20; 9:1,17,29; Mt 24:37; Hb 11:7; 1Pe 3:20; 2Pe 2:5.
Fatos relacionados:
1- Andou com DEUS em um ambiente mau, Gn 6:8-12.
2- Obedeceu quando lhe foi dada uma tarefa difícil, Gn 6:14,22; 7:5.
3- Lembrado por DEUS e salvo da morte, Gn 8:1.
4- Pela fé, trabalhou para sua salvação e de sua Família, Hb 11:7.
5- Advertiu os vizinhos acerca do juízo vindouro, 2Pe 2:5.
6- Edificou o primeiro altar de que há registro, Gn 8:20.
7- Honrado pelo Senhor com uma aliança eterna, Gn 9:12-17.   
 
Ver tb: Gn 7:13, 1Cr 1:4, Sl 22:31, Lc 3:36, Lc 17:26  
 
Problemas (defeitos?) de Noé:
Em certa ocasião bebeu demais e não intercedeu pelos pecadores de sua época junto a DEUS, também não conseguiu mudar a situação dos que viviam à sua volta.
 
RESUMO. No tocante à eleição e predestinação, podemos aplicar a analogia de um grande navio (Uma ARCA?) viajando  para o céu (Nova Vida). DEUS escolhe o navio (a igreja) para ser sua própria nau. CRISTO é o Capitão e Piloto desse navio. Todos os que desejam estar nesse navio eleito, podem fazê-lo mediante a fé viva em CRISTO. Enquanto  permanecerem no navio, acompanhando seu Capitão, estarão entre os eleitos. Caso alguém abandone o navio  e o seu Capitão, deixará de ser um dos eleitos. A predestinação concerne ao destino do navio e ao que DEUS preparou para quem nele permanece. DEUS convida todos a entrar a bordo do navio eleito mediante JESUS  CRISTO. As águas do dilúvio prefiguram o juízo de DEUS sobre os pecadores que não se arrependerem de seus pecados. Entre rapidamente para a arca. 
Noé manteve-se íntegro, justo e temente a DEUS mesmo diante de uma sociedade corrompida e violenta (Gn 6.9-12).
 
CONTEXTO SOCIAL DO TEMPO DE NOÉ
1. Degeneração moral.
2. Homens voltados para DEUS.
ASPECTOS DO CARÁTER DE NOÉ
1. Noé, um homem íntegro (v.9).
2. Noé, um servo que andava com DEUS (v.9).
3. Noé, um servo obediente. .
4. Noé, um homem dependente de DEUS.
5. Noé, um servo grato.
 
FAZENDO A DIFERENÇA EM NOSSOS DIAS
 
MEMORIZE
"A semelhança com DEUS não reside em nossa aparência, mas está profundamente entalhada no âmago de nossa personalidade."
A sociedade do tempo de Noé era perversa, degenerada e violenta. Porém, Noé e sua família guardavam-se da corrupção moral de seu tempo.
A despeito da maldade que assolava a sociedade, Noé era um homem íntegro, obediente, grato e que andava com DEUS.
Assim como nos dias de Noé, o Senhor continua buscando homens que façam a diferença na sociedade em que vivem.
 
Os Recabitas
"E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do ESPÍRITO" (Ef 5.18). 
 
A Igreja de CRISTO sempre primou pela temperança. A vida de seus membros tem de ser um eloqüente protesto contra as inconseqüências e vícios.
 
Jeremias 35.1-5, 8,18,19
1 Palavra que do SENHOR veio a Jeremias, nos dias de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, dizendo: 2 Vai à casa dos recabitas, e fala com eles, e leva-os à Casa do SENHOR, a uma das câmaras, e dá-lhes vinho a beber. 3 Então, tomei a Jazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias, e a seus irmãos, e a todos os seus filhos, e a toda a casa dos recabitas; 4 e os levei à Casa do SENHOR, à câmara dos filhos de Hanã, filho de Jigdalias, homem de DEUS, que está junto à câmara dos príncipes, que está sobre a câmara de Maaséias, filho de Salum, guarda do vestíbulo; 5 e pus diante dos filhos da casa dos recabitas taças cheias de vinho e copos e disse-lhes: Bebei vinho.
8 Obedecemos, pois, à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, em tudo quanto nos ordenou; de maneira que não bebemos vinho em todos os nossos dias, nem nós, nem nossas mulheres, nem nossos filhos, nem nossas filhas;
18 E à casa dos recabitas disse Jeremias: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o DEUS de Israel: Visto que obedecestes ao mandamento de Jonadabe, vosso pai, e guardastes todos os seus mandamentos, e fizestes conforme tudo quanto vos ordenou, 19 assim diz o SENHOR dos Exércitos, DEUS de Israel: Nunca faltará varão a Jonadabe, filho de Recabe, que assista perante a minha face todos os dias.
 
COMENTÁRIO 
35.2 RECABITAS. Este povo fazia parte de uma tribo nômade aparentada com os queneus e com Jetro, sogro de Moisés (cf. Jz 1.16; 1 Cr 2.55). Seu ancestral, Jonadabe (cf. 2 Rs 10.15-27), ordenara a seus filhos, mais de duzentos anos antes, que não bebessem nenhum tipo de vinho, não habitassem em casas permanentes e não cultivassem a terra. Pelo contrário, deviam viver como nômades, criando gado. DEUS mandou Jeremias provar os recabitas a fim de pôr em destaque sua fidelidade ao seu ancestral (Jonadabe), para assim contrastar com a infidelidade da nação de Judá ao seu DEUS.
35.6-11 NÃO BEBEREMOS VINHO. Os recabitas permaneceram fiéis às suas convicções, e não desobedeceram aos princípios estabelecidos por seu antepassado.
(1) Jonadabe tinha prescritas essas regras para que seus descendentes tivessem uma vida simples, e permanecessem separados dos cananeus, e evitassem a conformação com os israelitas por sua constante apostasia. A abstinência do vinho ajudava-os a evitar a imoralidade e a idolatria do culto de Baal, que geralmente envolvia embriaguês e orgia.
(2) Algumas das regras dos recabitas não se aplicam aos crentes de hoje, mas o seu propósito de viverem separados do mal deve ser o alvo dos verdadeiros seguidores de CRISTO. Todos os pais crentes devem, da mesma maneira que Jonadabe, ensinar aos filhos os princípios santos que os ajudarão a permanecer fiéis a DEUS e à sua Palavra.
35.19 NUNCA FALTARÁ VARÃO... QUE ASSISTA PERANTE A MINHA FACE TODOS OS DIAS. A fidelidade dos recabitas seria recompensada. Sempre teriam descendentes que servissem ao Senhor. Todos os crentes que conhecem os ensinos divinos e os praticam fielmente para honrarem ao Senhor, à igreja e aos pais receberão a bênção e a recompensa de DEUS.
 
Fidelidade - Constância e firmeza em observar os princípios bíblicos. 
s. f.
1. Qualidade de fiel.
2. Fé, lealdade.
3. Verdade, veracidade.
4. Exatidão!
FIEL
(latim fidelis, -e)
1. Que guarda fidelidade. = leal
2. Constante.
3. Verídico, exato!.
4. Seguro.
5. Probo, honrado.
6. Que não falha.
7. Que tem ou teve a fé religiosa.
 
REFLEXÃO
"À semelhança dos recabitas, primemos pela excelência das virtudes cristãs. Caso contrário: seremos tidos como profanos quando da volta do Senhor JESUS." Claudionor de Andrade
 
QUENEUS -
Uma das tribos da Palestina no tempo de Abraão (Gn 15.19), habitando nos retiros fortificados ao sul de Judá (1 Sm 15.6 e 27.10). Foi apostrofada por Balaão (Nm 24.21,22). Jetro, o sogro de Moisés, era queneu (Jz 1.16). Por esta razão, e pelo fato de terem sido amáveis para com os israelitas, vindos do Egito, foram os queneus salvos da destruição, quando eram esmagados os amalequitas (1 Sm 15.6) - aconteceu isto depois da conquista de Canaã. No tempo de Débora, Héber, o queneu, vivia muito para o norte (Jz 4.11). Hemate, também queneu, foi o fundador da seita ou família, que era conhecida pelo nome de recabitas. Para explicar as amigáveis relações que por muito tempo existiram entre esta tribo de midianitas errantes e o povo de Israel, deve-se notar que os recabitas se acham realmente incluídos nas genealogias de Judá (1 Cr 2.55). O professor Sayce julga que os queneus eram uma família de ferreiros. (http://www.bibliaonline.net/scripts/dicionario.cgi)
 
RECABITAS
Teve seu princípio em Jonadabe, filho de Recabe. os princípios dos recabitas consistiam numa reação e protesto contra o luxo e a licenciosidade que, no reinado de Acabe e Jezabel, ameaçavam destruir inteiramente a simplicidade da antiga vida nômade de israel. Em conformidade com as suas idéias, os recabitas não bebiam vinho, nem edificavam casas, nem semeavam grão, nem plantavam vinhas, nem possuíam coisa alguma. Habitavam em tendas, em obediência ao princípio de pureza imposto por seu líder Jonadabe e em memória de terem sido estrangeiros na terra. Pelo espaço de dois séculos e meio eles cumpriram fielmente as suas normas - mas, quando Nabucodonosor invadiu Judá, no ano 607 a.C., tiveram então que abandonar as suas tendas. (http://www.bibliaonline.net/scripts/dicionario.cgi)
OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: NÃO ERAM HEBREUS OU JUDEUS OU ISRAELITAS - ERAM UMA MISTURA DE CANENEUS COM QUENEUS. Exemplo: JETRO, SOGRO DE MOISÉS.
  
POSICIONAMENTOS EM TEMPOS DE CRISE
NOÉ

Ele andou com DEUS. Viveu numa sociedade absolutamente corrompida. Esta era marcada por uma imoralidade incontrolável. Ali, não havia temor a DEUS. Mesmo assim Noé não hesitou em tomar a decisão de fazer a arca e anunciar o juízo de DEUS para aquela sociedade. Pela decisão de entrarem na Arca, o Senhor livrou Noé e sua família do juízo..
JOSUÉ
Canaã estava num tempo de lassidão moral e idolatria. Naturalmente, o povo de DEUS foi influenciado por este contexto de trevas. Mas Josué não deixou de se posicionar e, categoricamente, afirmou: “se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: [...]; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor”.
RECABITAS
A sociedade judaica estava corrompida e carregada de vícios. Indignidade e infidelidade eram características dela. Nesse contexto é que o profeta Jeremias apresenta os Recabitas. Estes compunham uma tribo nômade que havia recebido do seu ancestral os princípios da
lei do Senhor. Passaram-se duzentos anos e os recabitas não se dobraram à indignidade daquele tempo. Eles honraram ao Senhor e aos seus ancestrais.
 
AJUDA BIBLIOGRÁFICA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.
Revista Ensinador Cristão - nº 53 - CPAD.
Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
GARNER, Paul. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo. 
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
AS GRANDES DEFESAS DO CRISTIANISMO - CPAD - Jéfferson Magno Costa
O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA – Edições Vida Nova – J. D. Douglas
Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - W arren W . W iersbe
O Ato Conjugal - Tim e Beverly LaHaye
Pr. Elinaldo Renovato de Lima - A Família Cristã nos Dias Atuais; Ética Cristã; Aprendendo Diariamente com CRISTO;
Projetos Para Um Casamento Sólido - Autor: Dr. Steve Stephens - Editora: CPAD
Os Conflitos no Lar e as Escolhas do Pacificador - Autores: Ken Sande & Tom Raabe - Editora: NUTRA
Maridos - Perseguindo a Excelência - Autor: Lou Priolo - Editora: NUTRA
Um Homem Segundo o Coração de DEUS - Autor: Jim George - Editora: Hagnos
A Sabedoria de DEUS na Vida da Mulher - Autora: Elizabeth George - Editora: CPAD
O Amor Como Estilo de Vida - Autor: Gary Chapman - Editora: SEXTANTE
Fazer Amor - Como Fazer do Sexo Um Ato de Amor - Autor: Gary Chapman - Editora: Mundo Cristão
AMOR - O Maior Mandamento - Autor: Henry Drummond - Editora: Ágape
Amor - O Que Nos Falta Para o Arrebatamento - Autor: Norbert Lieth - Editora: ACTUAL Edições
25 Maneiras de Valorizar as Pessoas - Autores: John C. Maxwell & Les Parrott, PH. D. - Editora: SEXTANTE
Purificando o Coração da Idolatria Sexual - Autor: Dr. John D. Street - Editora: NUTRA
Perdoando Para Viver - Autor: Wilson de Souza- Editora: MK Editora
PERDÃO - A Cura das Emoções - Autor: Hernandes Dias Lopes - Editora: Candeia
Mulheres Ajudando Mulheres - Autoras: Elyse Fitzpatrick & Carol Cornish - Editora: CPAD
Aliviando a Bagagem Para as Mães - Autor: Max Lucado - Editora: CPAD
SEXO? Agora Não, Obrigado! Só no Casamento - Autor: Ian Gregory - Editora: CPAD
Passando aos Filhos a Tocha da Fé - Autor: John M. Drescher - Editora: Mundo Cristão
AUTO-ESTIMA - Uma Perspectiva Bíblica - Autor: Jay E. Adams - Editora: NUTRA 
O Caminho Para o Filho Andar - Autor: Lou Priolo - Editora: NUTRA 
Pregação Que Fala às Mulheres - Autora: Alice P. Mathews - Editora: CPAD
http://www.gospelbook.net
www.ebdweb.com.br
http://www.escoladominical.net
http://www.portalebd.org.br/