quinta-feira, 2 de julho de 2015

Lição 1 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança parte 1

Lição 1 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
3º trimestre de 2015 - A Igreja E O Seu Testemunho - As Ordenanças De CRISTO Nas Cartas Pastorais
Comentarista da CPAD: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
Questionário
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
Veja -http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao12-ada-1tr11-asviagensmissionariasdepaulo.htm
 
 
 
 
 
 
TEXTO ÁUREO"Ninguém despreze a tua mocidade; as sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza." (1 Tm 4.12)
 

VERDADE PRÁTICAAs cartas pastorais reúnem orientações à liderança cristã e aos membros em geral para que vivam conforme a vontade de DEUS
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - 1 Tm 1.2 - O cuidado paternal pelo jovem obreiro
Terça - Ef 6.17 - A Palavra de DEUS é a"espada do ESPÍRITO"
Quarta - Gl 4.9-11 - O pastor deve ter cuidado com o legalismo
Quinta - At 15.19,20 - De que os crentes gentios deveriam se abster
Sexta - 1 Co 5.7a - Paulo alerta a respeito do cuidado com o"fermento velho"
Sábado - 2 Tm 2.15 - Preparado para manejar a Palavra da verdade
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Timóteo 1.1,2; Tito 1.1-4
 
1Tm 1.1 - Paulo, apóstolo de JESUS CRISTO, segundo o mandado de DEUS, nosso Salvador, e do Senhor JESUS CRISTO, esperança nossa, 2 - a Timóteo, meu verdadeiro filho na fé: graça, misericórdia e paz, da parte de DEUS, nosso Pai, e da de CRISTO JESUS, nosso Senhor.
Tt 1.1- Paulo, servo de DEUS e apóstolo de JESUS CRISTO, segundo a fé dos eleitos de DEUS e o conhecimento da verdade, que é segundo a piedade, 2 - em esperança da vida eterna, a qual DEUS, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos, 3 - mas, a seu tempo, manifestou a sua palavra pela pregação que me foi confiada segundo o mandamento de DEUS, nosso Salvador, 4 - a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de DEUS Pai e da do Senhor JESUS CRISTO, nosso Salvador.
 
OBJETIVO GERAL
Apresentar um panorama geral das epístolas paulinas de Timóteo e Tito.
 
PONTO CENTRAL
As epístolas de Timóteo e Tito apresentam orientações aos líderes e membros quanto à vida pessoal e cristã.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico.
Introduzir as epístolas pastorais de Timóteo e Tito. (epístolas de Paulo aos pastores Timóteo e Tito, seus"verdadeiros filhos na fé")
Conhecer os propósitos das epístolas de Timóteo e Tito. (orientar os líderes quanto à vida pessoal e no combate as heresias)
Conscientizar a respeito da atualidade das epístolas pastorais. (podemos encontrar nas cartas pastorais, ensinos preciosos para a liderança local e para a igreja dos dias atuais - prosperidade e apostasia).
Explicar o conteúdo da mensagem de Paulo para a liderança. (apresentam um conjunto de qualificações que aqueles que desejam a liderança devem ter - administração, ética e serviço ).
 
INTERAGINDO COM O PROFESSORPrezado professor, neste terceiro trimestre do ano, estudaremos a respeito das epístolas de Timóteo e Tito. O autor destas cartas é o apóstolo Paulo. Ele as escreveu com o objetivo de orientar e confortar dois jovens pastores, Timóteo e Tito. A cada lição estudada, você verá que os conteúdos destas epístolas são repletos de bons conselhos que podem ajudar líderes e liderados a viverem conforme a vontade de DEUS.
O comentarista é o pastor Elinaldo Renovato de Lima - autor de diversos livros, líder da Assembleia de DEUS em Parnamirim, RN.
O enriquecimento espiritual que advirá do estudo de cada lição será sentido na liderança e em cada membro da Igreja de CRISTO.
 
Resumo da Lição 1 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
I - AS EPÍSTOLAS PASTORAIS
1. Cartas pastorais.
2. Datas em que foram escritas.
3. Conteúdo.
II - PROPÓSITO E MENSAGEM
1. Orientar os líderes quanto à vida pessoal.
2. Combater as heresias.
III - UMA MENSAGEM PARA A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA DA ATUALIDADE
1. O"evangelho" da prosperidade.
2. Apostasia dos últimos dias.
IV - MENSAGEM PARA A LIDERANÇA
1. Administração eclesiástica.
2. Ética ministerial.
 
SÍNTESE DO TÓPICO I - As epístolas pastorais receberam esta designação pelo fato de terem sido escritas e enviadas a dois pastores.
SÍNTESE DO TÓPICO II - As epístolas de Timóteo e Tito tinham como propósitos orientar os líderes quanto à vida pessoal e no combate as heresias
SÍNTESE DO TÓPICO III - Embora tenha sido escrita em um tempo distinto do nosso, podemos encontrar nas cartas pastorais, ensinos preciosos para a liderança local e para a igreja dos dias atuais.
SÍNTESE DO TÓPICO IV - As epístolas de Timóteo e Tito apresentam um conjunto de qualificações que aqueles que desejam a liderança devem ter.
 
CONHEÇA MAIS - Cartas pastorais (pte1)
“Aparentemente, a primeira carta a Timóteo foi escrita no período em que Paulo esteve preso em Roma. A segunda carta a Timóteo foi escrita durante seu segundo encarceramento. Desta vez o apóstolo não conseguiu sobreviver. Pelas várias referências, fica claro por essas cartas e pelo testemunho da história, que as epístolas pastorais datam próximas do final da Era Apostólica. Somente os originais das cartas de João, podem ser mais antigos.” Leia mais em Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p. 830.
 
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO (pte1)“O centro do ensino de Paulo a Timóteo concentra-se no modo de vida que é apropriado dentro da igreja. As suas lições falam de oração (2.1-8), mulheres (2.9-15), a escolha de ‘bispos’ (3.1-7) e ‘diáconos’ (3.8-13) e concluem com uma liturgia de louvor (3. 14-16). Estas lições têm o objetivo de ajudar na igreja do DEUS vivo’. A seguir, Paulo passa a falar do próprio Timóteo. É aparente que, embora Paulo amasse muito Timóteo, o enviasse em importantes missões. Timóteo, por natureza, era tímido e hesitante. Por isto as palavras de Paulo parecem, às vezes, ir além do incentivo e da exortação. Paulo lembra Timóteo de que ele pode esperar falsos ensinos infectando as igrejas, e que o seu dever é ‘propor’ a verdade aos irmãos (4.1-10). Mas Timóteo deve fazer ainda mais. Ele deve ‘mandar e ensinar’ a verdade, e não permitir que alguém ‘despreze’ sua ‘mocidade’. E as exortações prosseguem: Timóteo deve ‘meditar nestas coisas’, ‘ocupar-se nelas’ e ‘perseverar nelas’ (4.10-16)” (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 467).
 
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO (pte2)“A responsabilidade imediata de Timóteo era esta: ‘Para advertires a alguns que não ensinem outra doutrina’. O apóstolo não nos informa a quem ele se referia quando emitiu esta ordem; Timóteo provavelmente já sabia muito bem quem eram os envolvidos. Paulo usa termos vagos para descrever a natureza destas heresias: Fábulas ou... genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de DEUS, que consiste na fé. Mesmo que seja impossível concluir com plena certeza quais eram esses ensinos que o apóstolo percebia que estavam minando a fé dos cristãos efésios, não é forçar a interpretação sugerir que se tratava de um começo de gnosticismo. A heresia conhecida por gnosticismo, que no século II se tornou ameaça séria à integridade do ensino cristão, tinha raízes judaicas e gentias. (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 452).
 
SUBSÍDIO TEOLÓGICO (pte4)"A liderança é essencial à vida e missão da igreja. Sem ela, a igreja tropeça e cai num curso incerto em sua peregrinação rumo a um lugar melhor. Sem liderança, a igreja não é capaz de cumprir seus propósitos de ministrar eficazmente aos de dentro e alcançar os de fora, nem pode render a DEUS a glória que Ele merece.
O pastor é a pessoa chamada para prover a liderança final da igreja, não importando o sistema administrativo dela. O sucesso da igreja depende em grande parte de sua capacidade de liderança.
Liderança é bíblica. A ideia de alguém liderando outros está fundamentada nas Escrituras. Assumir papel de líder na igreja de DEUS e esperar que outros sigam seu exemplo não é egoísmo, autoritarismo, condescendência nem pecado. Temos certeza disso porque as Escrituras deitam as bases e os princípios da liderança cristã" (MACARTHUR, John. Ministério Pastoral: Alcançando a excelência no ministério cristão. 7. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, pp. 294-5).
 
 
 
Comentários de vários autores com algumas modificações do Ev. Luiz Henrique
Resumo rápido da Lição 1 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
I - AS EPÍSTOLAS PASTORAIS1. Cartas pastorais. Aos dois jovens pastores Timóteo e Tito.
2. Datas em que foram escritas. 64 a 67 d. C.
3. Conteúdo. Ensino, advertências, conselhos. Saudação, exigências aos escolhidos, cuidado com os falsos mestres e as falsas doutrinas, Cuidado com a "sã" doutrina, Modo de se comportar quando confrontado por heresias e doutrinas estranhas ao evangelho.
II - PROPÓSITO E MENSAGEM
1. Orientar os líderes quanto à vida pessoal. Santidade e dedicação à DEUS e Sua Palavra. Apesar de jovem deve ser exemplo para todos. Líder é espelho para todos. Família deve ser exemplo.
2. Combater as heresias. Muitas heresias permeavam a igreja naquela época. Alguns crentes já haviam sucumbido. Judaizantes infiltrados exigiam guarda da lei e do sábado como condição para salvação. Gnosticismo ensinava que corpo é ruim, casa do pecado, portanto JESUS não poderia ressuscitar com mesmo corpo. Cuidado com Himeneu e Alexandre, principais disseminadores do gnosticismo.
III - UMA MENSAGEM PARA A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA DA ATUALIDADE
1. O"evangelho" da prosperidade. Ensina que o homem é encarnação de Deus quanto JESUS CRISTO o foi. Ensina que somos deuses - Você não tem um deus dentro de você - Você é um deus, rico, sem doença, sem problemas..
2. Apostasia dos últimos dias. Falsos líderes, contradizentes e de torpe ganância (Tt 1.9-13). Mamom é o deus deste século. O amor ao dinheiro tem ultrapassado o amor a DEUS e isso, dentro da Igreja.
IV - MENSAGEM PARA A LIDERANÇA
1. Administração eclesiástica.Qualificações do verdadeiro Líder: Irrepreensível, marido de uma só mulher, que tenha filhos fiéis, não soberbo, não iracundo, não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante, retendo firme a Palavra, capaz de admoestar com a sã doutrina, etc.
2. Ética ministerial. Apresentar-se a Deus "aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar; que maneja bem a palavra da verdade". Exemplo é o maior testemunho. Paulo era exemplo em tudo, principalmente nos sofrimentos por CRISTO. O líder cristão não é o que "manda", mas o que serve. Não é o maior, e sim o menor (Mt 20.24-28).
 
As cartas pastorais do apóstolo Paulo são um ponto levemente fora da curva entre os seus outros escritos do Novo Testamento, pela sua própria natureza: 1 e 2 Timóteo e Tito são cartas pessoais de um homem mais velho para jovens a quem ele quer bem, com orientações, comentários sobre conhecidos em comum e pedidos - como por exemplo, para pedir sua capa e pergaminhos. Esse tipo de expressão não é normal na Bíblia, e particularmente com relação a Paulo, de quem sabemos tanto de sua vida"missionária" ou de sua doutrina através do livro de Atos e das outras cartas. É como se o homem Paulo revelasse um pouco de sua vida pessoal, um vislumbre, é certo, que deu margem a muitas especulações, mas um vislumbre.
 
AS PERSONALIDADES
Estas três cartas, que formam um grupo distinto na coletânea paulina, declaram ser comunicações do grande Apóstolo enviadas a dois dos seus lugares-tenentes da maior confiança. Receberam o título de ‘Pastorais” desde o início do século XVIII porque estão endereçadas a pastores e, em grande medida, dizem respeito aos deveres deles. Timóteo é um dos mais conhecidos entre as personagens secundárias do Novo Testamento. Filho de um pai pagão e de uma mãe judia convertida, juntou-se pela primeira vez à comitiva de Paulo em Listra, na Licaônia, no início da segunda viagem missionária deste. Já era um cristão de certa posição, tendo sido provavelmente convertido por Paulo quando este pregara na localidade um ou dois anos anteriormente. Parece que o Apóstolo teve simpatia por ele e o persuadiu a acompanhá-lo, mas primeiramente o circuncidou como uma concessão às suscetibilidades judaicas (At 16:1-3). A partir de então, foi companheiro constante de Paulo e seu amigo íntimo, e cooperou com ele em várias das suas cartas (1 e 2 Ts, 2 Co, Fp, Cl e Fm), e foi encarregado de várias missões importantes, e.g. para Tessalônica (1 Ts 3:2) e para Corinto (1 Co 4:17). O Apóstolo o considerava seu “cooperador”, e seu “filho amado e fiel no Senhor” (Rm 16:21; 1 Co 4:17). Quando Paulo estava começando sua última viagem a Jerusalém, Timóteo fazia parte do grupo (At 20:4), e estava ao seu lado durante sua prisão em Roma. Realmente, Paulo recebia consolo especial da sua presença e planejou o envio dele numa missão para a igreja filipense (Fp 2: 19-24). Nossas informações acerca de Tito são mais escassas, mas ele, também parece ter sido um convertido de Paulo e ter desfrutado da mais plena confiança deste. Um pagão de nascença, escoltou seu mestre na sua segunda viagem para Jerusalém, onde uma tentativa, mais provavelmente mal-sucedida, foi feita no sentido de submetê-lo à circuncisão (G1 2:1-5). Mais tarde, quando os relacionamentos com a igreja de Corinto estavam a ponto de romper-se, foi para lá como o enviado pessoal do Apóstolo, levando a carta severa que era virtualmente um ultimato. Parece ter manobrado a situação desajeitada com perícia, e ter restaurado a comunidade à lealdade e à obediência, e depois de dar seu relatório a Paulo na Macedônia, foi enviado de volta para Corinto a fim de entregar 2 Coríntios e completar a coleta ali (2 Co 7:6-16; 8:6; 12: 17-18). Ainda que não ficasse tão próximo do Apóstolo quanto Timóteo, deve ter tido um caráter mais forte, e seu serviço a Paulo deve ter começado antes e ter abrangido um período ainda mais longo. Conforme o quadro exposto nas cartas, Timóteo e Tito agora são delegados apostólicos temporariamente encarregados das igrejas de Éfeso e de Creta respectivamente. Timóteo, pelo menos, ainda é relativamente jovem (1 Tm 4:12; 2 Tm 2:22), talvez com seus trinta e cinco anos ou mais, e temos a impressão que é um homem tímido e sensível, cuja disposição de ânimo precisa de apoio. 1 Timóteo o representa presidindo sobre a congregação de Éfeso; Paulo o deixou ali, ou de qualquer maneira pediu que continuasse ali, e planeja visitá-lo antes de passar- se muito mais tempo. Neste ínterim, encoraja-o a reestabelecer a tradição sadia do ensino cristão contra as tendências heréticas divisivas, tendo em vista aquele objetivo, organizar o ministério e a vida diária da congregação numa base apropriada. A carta a Tito, que é semelhante na sua ocasião e no seu alvo, dá a entender que Paulo e seu correspondente já tinham levado a efeito uma missão conjunta em Creta. O próprio Apóstolo agora foi para a Grécia, com a intenção de passar o inverno na cidade adriática de Nicópolis; Tito foi deixado em Creta com a tarefa de estabelecer um ministério apropriadamente ordenado em todas as cidades da ilha, e também de pôr fim aos falsos ensinos que são generalizados. Parece que seu empreendimento é considerado de duração menor, visto que Paulo antevê sua reunião com ele em Nicópolis. Estas duas cartas, embora sejam endereçadas a indivíduos, claramente visam (se são cartas verdadeiras) ser lidas em alta voz à congregação reunida também. Este fato se ressalta especialmente nas saudações no fim, que estão no plural. O tom de 2 Timóteo é muito mais pessoal, embora ela, também termine com uma saudação no plural. Tem a aparência a ser a última das três, quanto à data, visto que representa o Apóstolo em prisão rigorosa em Roma, acorrentado como criminoso e esperando sua execução num futuro previsível. Timóteo, segundo parece, ainda está em Éfeso, e os falsos mestres ainda são uma ameaça com sua influência desmoralizadora; Paulo manda-o precaver-se contra eles. Mas boa parte da carta consiste nas admoestações pessoais do Apóstolo ao seu discípulo no sentido de levar a efeito seu ministério com perseverança, seja qual for o sofrimento acarretado. Anseia por sua presença, e conclama-o a vir até ele antes do inverno começar.
 Paulo preparou a Timóteo ensinando-o como ministrar aos que tinha sob seu cuidado. Seus ensinamentos foram claros e específicos. Timóteo não teve que adivinhar o que seu mestre ou discipulador esperava dele. Estas instruções surgiram da experiência e sabedoria de Paulo. Os líderes servidores preparam a outros instruindo-os nas áreas específicas de seu ministério.  Paulo faz apelo angustiado a Timóteo para que este guarde fielmente a fé genuína, ante a apostasia vindoura (1 Tm 4.1; 6.20; 2 Tm 1.14). Cada crente deve imitar um Paulo em sua vida porque “você necessita de alguém que tenha atravessado o caminho”. Cada crente necessita de um Barnabé porque precisa de alguém “que o ame, mas que não se deixe impressionar por você”. Necessita de um Timóteo “cuja vida está edificando”. (Fp 2.19 - ARA)
J. N. D. Kelly - Novo Testamento - Vida Nova - Série Cultura Cristã.
 
Filipenses 2.19-2 19 E espero, no Senhor JESUS, que em breve vos mandarei Timóteo, para que também eu esteja de bom ânimo, sabendo dos vossos negócios. 20 Porque a ninguém tenho de igual sentimento, que  sinceramente cuide do vosso estado; 21 porque todos buscam o que é seu e não o que é de CRISTO JESUS. 22 Mas bem sabeis qual a sua experiência, e que serviu comigo no evangelho, como filho ao pai. 23 De sorte que  espero enviá-lo a vós logo que tenha provido a meus negócios.
 TIMÓTEO. Timóteo era um bom exemplo do que um ministro e missionário de DEUS deve ser. Era um estudante zeloso e obediente à Palavra de DEUS (2 Tm 3.15); um servo perseverante e digno de CRISTO (1 Ts 3.2); um  homem de boa reputação (At 16.2), amado e fiel (1 Co 4.17), com solicitude genuína pelo próximo (v. 20), fidedigno (2 Tm 4.9,21) e dedicado a Paulo e ao evangelho (v. 22; Rm 16.21).  
PORQUE TODOS BUSCAM O QUE É SEU. Há pastores que pregam, ensinam, pastoreiam ou escrevem, não com solicitude genuína pela propagação do evangelho, mas visando aos seus próprios interesses, honra, glória e prestígio. Ao invés de procurarem agradar ao Senhor JESUS, procuram agradar aos homens e conquistar o favor deles (1.15; 2.20,21; 2 Tm 4.10,16). Tais pastores não são verdadeiros servos do Senhor.
Sabendo que está com os dias contados e seu ministério acabado, ele escreve para Timóteo: Procure vir logo ao meu encontro, pois Demas, amando este mundo, abandonou-me e foi para Tessalônica. Crescente foi para a Galácia, e Tito, para a Dalmácia. Só Lucas está comigo. Traga Marcos com você, porque ele me é útil para o ministério (2 Tm 4.9-11).
Quando seu tempo se esgotava, quando se sentiu abandonado e quando possivelmente se deixava abater pelo desânimo, Paulo queria ter duas pessoas a seu lado: Timóteo, seu amado filho, e Marcos, “porque ele me é útil para o ministério”.
 
Paulo como Mentor de Timóteo (discipulador com figura de pai)
Paulo mentoreou muitas pessoas, no entanto foi com Timóteo que esse trabalho sem dúvida destacou-se mais claramente. A imagem de mestre ou discipulador transparece em 1 e 2 Timóteo, em especial no início de 2 Timóteo. Experimente numerar, nos versículos citados a seguir, cada palavra, frase ou conceito que você considere expressão típica de um mestre ou discipulador:
Paulo, apóstolo de CRISTO JESUS pela vontade de DEUS, segundo a promessa da vida que está em CRISTO JESUS, a Timóteo, meu amado filho: Graça, misericórdia e paz da parte de DEUS Pai e de CRISTO JESUS, nosso Senhor. Dou graças a DEUS, a quem sirvo com a consciência limpa, como o serviram os meus antepassados, ao lembrar-me constantemente de você, noite e dia, em minhas orações. Lembro-me das suas lágrimas e desejo muito vê-lo, para que a minha alegria seja completa. Recordo-me da sua fé não fingida, que primeiro habitou em sua avó Lóide e em sua mãe, Eunice, e estou convencido de que também habita em você. Por essa razão, torno a lembrar-lhe que mantenha viva a chama do dom de DEUS que está em você mediante a imposição das minhas mãos. Pois DEUS não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio. Portanto, não se envergonhe de testemunhar do Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro dele, mas suporte comigo os meus sofrimentos pelo evangelho, segundo o poder de DEUS [...]. Retenha, com fé e amor em CRISTO JESUS, o modelo da sã doutrina que você ouviu de mim. Quanto ao que lhe foi confiado, guarde-o por meio do ESPÍRITO SANTO que habita em nós. Você sabe que todos os da província da Ásia me abandonaram, inclusive Fígelo e Hermógenes[...]. Portanto, você, meu filho, fortifique-se na graça que há em CRISTO JESUS. E as palavras que me ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confie-as a homens fiéis que sejam também capazes de ensinar outros (2 Tm 1.1-8, 13-15; 2.1-2).
 
Paulo, “já ancião” (denominação que ele mesmo da a si em Fm 9) escrevendo a dois jovens: Timóteo (Ninguém despreze a tua mocidade) e Tito. O velho escrevendo aos Jovens.
 
Vejo que o mestre ou discipulador, como também o pai espiritual, o líder pastoral ou o discipulador será bem-aventurado se reunir as qualidades de Paulo descritas nessas passagens. Vejamos brevemente algumas delas:
 
* Relacionamento paternal e familiar: Paulo trata Timóteo, repetidas vezes, como filho (1Tm 1.2, 18 e 2 Tm 1.2; 2.1). Hoje, parece que carecemos tanto de pais espirituais como de filhos. A desestruturação e o desajuste familiar na atual geração é terrível. Precisamos muito de pessoas que saibam gerar filhos espirituais.
* Amor: Vale a pena destacar como Paulo se referia a Timóteo: “meu amado filho” (v. 2). Palavras semelhantes foram ditas pelo Pai após o batismo de JESUS: “Este é o meu Filho amado, em quem me agrado” (Mt 3.17). As Escrituras trazem mais oito frases similares com referência a JESUS, o que mostra quão fundamental isso foi para a vida e a identidade de CRISTO (v. Is 42.1; Mt 12.18, 17.5; Mc 1.11, 9.7; Lc 3.22, 9.35 e 2Pe 1.17). Quantos líderes e pastores não estão convictos de que são realmente amados, aceitos pelo Pai celeste ou por um mestre ou discipulador ou pai espiritual aqui na terra.
* Intercessão: a ligação profunda entre Paulo e Timóteo transparecia no relacionamento de Paulo com DEUS. O apóstolo lembrava-se de Timóteo constantemente, dia e noite (v. 3). Que privilégio contar com um mestre ou discipulador intercessor!
* Intimidade: Timóteo tinha liberdade de chorar com Paulo, e este não se envergonhava disso (v. 4). Na verdade o próprio Paulo também sabia ser transparente e compartilhar emoções profundas que também o levavam às lágrimas. Dirigindo-se aos anciãos de Éfeso, a igreja que mais tarde Timóteo supervisionaria, Paulo afirmou que serviu “ao Senhor com toda a humildade e com lágrimas” (At 20.19); instou-os a cuidarem de si mesmos e a vigiarem, lembrando-lhes “que durante três anos jamais [cessara] de advertir cada um [deles] disso, noite e dia, com lágrimas” (At 20.31). Não devemos nos surpreender de que nessa despedida “todos choraram muito, e, abraçando-o, o beijavam” (At 20.37). O verdadeiro mestre ou discipulador não só deixa seu coração transparecer, a ponto das lágrimas fazerem parte de sua vida e de seu ministério comum, como encoraja seus seguidores a fazerem o mesmo.
* Saudade e alegria (v. 4): Paulo, afinal, possuía um lado afetivo e sabia expressá-lo. Desenvolveu uma ligação afetiva com seu discípulo ou aprendiz. Alegrava-se com seu discípulo ou aprendiz e realmente buscava oportunidades de compartilhamento (veja 2 Tm 4.9). Mais uma vez a alegria de Paulo reflete a alegria do Pai no Filho quando diz: “Este é o meu Filho amado, em quem me agrado” (grifo do autor).
* Reafirmação do que é bom (v. 5): Paulo citava qualidades de Timóteo e das boas experiências que compartilharam. Não insistia sempre em que seu discípulo ou aprendiz precisava melhorar, mas comunicava um profundo sentimento de aceitação.
* Exortação (v. 6): Paulo não só reafirmava claramente seu amor, sua aceitação e alegria, mas também sabia como desafiar seu discípulo ou aprendiz para o crescimento.
* Ministração: mais que uma vez Paulo impõe as mãos sobre Timóteo (v. 6) e, em oração, vê o ESPÍRITO SANTO agir de forma sobrenatural na vida deste (v. 1Tm 4.14). O poder e a graça de DEUS fluíam de Paulo para Timóteo.
* Discernimento das necessidades do discípulo ou aprendiz: Paulo sabia que Timóteo sofria dificuldades por causa da timidez ou do medo, por isso ministrava-lhe diretamente a respeito (v. 7) com palavras que encorajaram milhares de outros Timóteos através dos anos.
* Desejo de manter o discípulo ou aprendiz junto a si: Timóteo foi chamado a participar da vida de Paulo e a segui-lo de perto (2 Tm 3.10,11, 4.9), até em seus sofrimentos (2 Tm 1.8). Paulo não escondia de Timóteo a realidade nem o fato de que a vida cristã apresentava desafios e dificuldades. Também não o deixou enfrentá-los sozinho. O mestre ou discipulador se parece ao Paracletos (ES), que se aproxima de nós e nos chama para junto de si.
* Exemplo (v. 13): Paulo mostrou a Timóteo como ensinar e viver (2 Tm 3.10,11), não como um ser perfeito, mas como alguém que permanecia em constante crescimento rumo à perfeição (Fp 3.11-14).
* Reafirmação do chamado do discípulo ou aprendiz: Paulo lembrou Timóteo de manter viva a chama do dom de DEUS que estava nele (v. 6) e ainda estímulou-o a guardar o que lhe foi confiado ou depositado (v. 14).
* Compartilhamento de dificuldades: o mestre ou discipulador não se vale de máscaras para levar o discípulo ou aprendiz a crer que tudo está sempre bem (v. 15). Em vez disso, compartilha suas dores, suas decepções e sua solidão (2 Tm 4.9-16).
* Discipulado: o estilo de ensino de Paulo, ao contrário do professor, não se baseia em conteúdo e em programas, mas no que flui do coração de um pai para um filho espiritual (2 Tm 1,2; 2.1,2). Paulo repassa vida, a sua e a de CRISTO, demonstrando as verdades que queria que Timóteo aprendesse através de como vivia e como se relacionava com ele (2 Tm 2.3-17).
* Orientação do discípulo ou aprendiz no pensamento estratégico: Paulo desafia Timóteo a reproduzir o que recebeu dele. Mais que isso. Desafia-o a multiplicar-se através de escolher as pessoas certas para que estas, por sua vez, ensinem a outros o que receberam (2 Tm 2.2).
AZEVEDO, Irland. De pastor para pastores: um testemunho pessoal. Rio de Janeiro: JUERP, 2001.
HENDRICKS, Howard. Aprenda a mentorear. Belo Horizonte: Betânia, 1999, principalmente parte 2.
HOUSTON, James. E. Mentoria espiritual: o desafio de transformar indivíduos em pessoas. São Paulo: Sepal, 2003.
KORNFIELD, David. As bases na formação de discipuladores. São Paulo: Sepal, 1996. Na verdade, toda a literatura na área de discipulado está muito relacionada ao mentoreamento. _____. Equipes de ministério que mudam o mundo: oito características de equipes de alto rendimento. São Paulo: Sepal, 2002.
Sites de consulta na Internet MAPI (Ministério de Apoio a Pastores e Igrejas): www.mapi-sepal.org.br. Fonte: http://www.mapi-sepal.org.br/ Visite www.sermao.com.br
 
TIMÓTEO: UM SERVO COM UM ÚNICO PENSAMENTO
Espero no Senhor JESUS enviar-lhes Timóteo brevemente, para que eu também me sinta animado quando receber notícias de vocês. Não tenho ninguém como ele, que tenha interesse sincero pelo bem-estar de vocês, pois todos buscam os seus próprios interesses e não os de JESUS CRISTO. Mas vocês sabem que Timóteo foi aprovado, porque serviu comigo no trabalho do evangelho como um filho ao lado de seu pai. Portanto, é ele quem espero enviar, tão logo me certifique da minha situação, confiando no Senhor que em breve também poderei ir. (2:19–24)
Timóteo é um modelo de servo espiritual, amado filho de Paulo na fé. Como Paulo, o seu mestre ou discipulador e modelo, Timóteo é um exemplo de confiança para os outros crentes imitarem.
A prisão de Paulo o impediu de ir para Filipos, que era a sua esperança no Senhor JESUS (isto é, na vontade do Senhor). Timóteo era um nativo de Listra, na província da Galácia (parte da atual Turquia). Sua mãe, Eunice, era judia e seu pai era grego e provavelmente um pagão. Paulo levou-o a CRISTO (1 Co 4:17; 1. Tim 1:2, 18;..2 Tm 1:2), provavelmente durante a visita do apóstolo a Listra em sua primeira viagem missionária (At 14:6-23) . Tanto a sua mãe como a sua avó Loide, eram crentes (2 Tm. 1:5) e haviam instruído Timóteo no Antigo Testamento (2 Tm 3:15). Timóteo não era circuncidado como qualquer criança judia, isso sugere que seu pai o educou na aprendizagem e cultura grega. Paulo detectando sua maturidade espiritual, sua herança judaica e também sua descendência grega, viu que o mesmo era qualificado para ministrar o evangelho com ele pelo mundo gentio. Para fazer Timóteo mais aceitável para os judeus, especialmente para aqueles da Galácia que o conheciam como descendente de grego, Paulo circuncidou-o (Atos 16:3). Quando Paulo escreveu aos Filipenses, Timóteo tinha sido seu companheiro quase constante durante cerca de dez anos.
Com grande afeto, Paulo falou dele como"meu filho verdadeiro na fé" (1 Tm 1:2),"meu filho amado" (2 Tm1:2),"meu amado filho e fiel no Senhor" (1 Coríntios 4:17). ", meu companheiro de trabalho" (Rm 16:21; 1 Tessalonicenses 3:2; cf 1 Cor 16:10),"nosso irmão" (2 Coríntios 1:1.; 1 Tessalonicenses 3:2; cf Hb 13:23), e, em Filipenses, como um companheiro e servo de CRISTO JESUS (Fp 1:1). Timóteo estava com Paulo em Corinto (Atos 18:5), foi enviado à Macedônia (19:22), e acompanhou o apóstolo em sua viagem de volta a Jerusalém (20:4). Ele foi associado com Paulo na escrita de Romanos (Rm 16:21), 2 Coríntios (2 Coríntios 1:1), Filipenses (Fp 1:1), Colossenses (Cl 1:1), ambas as epístolas aos Tessalonicenses (1 Tessalonicenses 1:1;. 2 Tessalonicenses 1:1.), e Filemon (Fm 1). Ele serviu
como solução de problemas de Paulo em Corinto (1 Cor. 4:17), Tessalônica (1 Ts. 3:2), Éfeso (1 Tm. 1:3-4), e em Filipos (Fp 2:19).
Timóteo era fiel e confiável, em todos os sentidos e estava claramente qualificado para ser um modelo a ser imitado por todos os crentes. Timóteo estava com Paulo, quando a igreja de Filipos foi fundada (cf. Atos 16:3, 12-40), por isso o apóstolo estava ansioso para enviar Timóteo a eles em breve.
Paulo esperava que Timóteo lhe desse uma avaliação positiva das condições espirituais dos Filipenses antes de os visitar.
O apóstolo Paulo destaca sete características pessoais que os filipenses deveriam imitar:
Timóteo era:
- imitador de Paulo,
- simpático (bem quisto),
- sincero (obstinado, perseverante),
- temperado (experiente),
- submisso a DEUS,
- sacrificial (desejo de se sacrificar pelo evangelho), e
- útil (disponível).
 
Primeiro, a personalidade espiritual de Timóteo era semelhante à do apóstolo Paulo.
De muitas maneiras, Timóteo era um verdadeiro filho espiritual de Paulo. Epafrodito (2:25-30) e alguns pregadores e professores em Roma eram servos fiéis do Senhor, e Paulo era amado e apreciado por eles (cf. 1:14-17). O apóstolo não estava menosprezando estes homens, mas não havia ninguém da estatura de Timóteo. Ele tinha sido instruído nas Escrituras desde a infância por sua mãe Eunice e avó Lóide (2 Timóteo 1:5;. 3:15) e era muito bem visto por aqueles que o conheciam (Atos 16:2). No entanto, o maior crescimento espiritual de Timóteo começou quando ele passou a viajar e ministrar com Paulo. Exceto o Senhor JESUS CRISTO, nunca houve um mestre ou discipulador espiritual, melhor que Paulo (que por sua  vez, foi discipulado por Barnabé). Timóteo teve o privilégio único e invejável de ser protegido do apóstolo. Usado apenas aqui no Novo Testamento, isopsuchos é um adjetivo composto, composto por isso (igual) e psuche (alma). E, literalmente, significa"igual a alma" ou"one-alma", referindo-se a pessoas que são como de espírito e de alma gêmea. A Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento) usou a palavra no Salmo 55:13, onde Davi fala de"um homem meu igual, meu companheiro e meu amigo íntimo", que gravemente o traiu.
O objetivo do verdadeiro discipulado é a reprodução, quando uma pessoa está totalmente discipulado, JESUS disse, ele será como o seu mestre (Mateus 10:25). Ao longo do tempo, Timóteo chegou a pensar como Paulo, tanto a respeito de crentes como de não crentes, Sabia, como Paulo, avaliava idéias e situações. Tinha confiança no Senhor como Paulo, e orava como Paulo. Aqueles dois homens de DEUS tinham qualidades semelhantes na alma, paixões semelhantes, objetivos semelhantes, e zelo similar. Paulo disse aos crentes de Filipos o que ele tinha dito àqueles em Corinto, poucos anos antes:"Exorto-vos, que sejais meus imitadores. Por esta razão, enviou a vocês Timóteo, que é meu filho amado e fiel no Senhor, e ele vos fará lembrar-se de meus caminhos que estão em CRISTO, assim como eu ensino em todos os lugares em cada igreja "(1 Cor. 4:16 -17). Tanto em Corinto, até Paulo visitá-los novamente, Timóteo foi de longe o seu melhor substituto. Não era nenhuma maravilha, portanto, Timóteo ser tão amado e querido por Paulo.
A segunda Virtude - Timóteo também tinha a virtude de ser simpático. 
Era de inteira confiança, Paulo assegurava que Timóteo ia realmente ser causa para bem-estar de todos. Havia em Timóteo preocupação pelo bem-estar da igreja. “Tal como o seu Senhor, Paulo tinha extrema preocupação com todas as Igrejas” (2 Co 11:28) e estava confiante de que Timóteo compartilhava dessa preocupação. Eram verdadeiros pastores, cuja principal preocupação era com o bem-estar de suas ovelhas.
A terceira virtude que caracterizava Timóteo era sua sinceridade (obstinação, perseverança), indiretamente mencionada por contraste com os líderes da igreja em Roma.
Paulo lamenta a atitude egocêntrica, sem amor desses líderes. Buscar traduz o tempo presente do verbo zeteo e poderia ser traduzida como" buscar continuamente." Deve ter sido profundamente triste para Paulo ter que dizer deles que todos eles buscavam seus próprios interesses, e não os de CRISTO JESUS.
Embora o evangelho estivesse sendo proclamado por um bom número de homens em Roma, foi pregado por vezes devido à"inveja e porfia ... [e] ambição egoísta, e não por motivos puros" (1:15, 17).  Apesar da presença de Paulo, muitos pregadores tornaram-se mundanos e egoístas. Eles não eram apóstatas ou heréticos, mas, obviamente, haviam deixado seu primeiro amor por CRISTO e tornaram-se egoístas (centrados em si mesmos) (cf. Ap 2:4). Seus interesses principais agora já não eram os de CRISTO JESUS, mas seus próprios interesses. Ao contrário de Timóteo, eles não eram mais sinceros, mas tornaram-se vacilantes e, portanto, espiritualmente instáveis (Tiago 1:8). Eles foram exemplificados por Demas, um colega de trabalho confiável de Paulo em Roma (Cl 4:14;. Fm 24), que acabaria por abandoná-lo (2 Tim 4:10, 16.). Poucos homens foram fiéis a Paulo em Roma, como Lucas e Aristarco (Cl 4:10;. Fm 24), e estes não estavam, evidentemente, disponíveis para viajarem para Filipos. O apóstolo necessitava de alguém confiável; Timóteo foi a única opção nesse momento de necessidade de Paulo em Roma.
Mais tarde essa seria a mesma situação, na segunda prisão de Paulo em Roma - Em sua última carta a Timóteo, ele disse,"Todos os que estão na Ásia se afastaram de mim" (2 Tm 1:15.) E pediu a Timóteo para permanecer fiel (2 Tm. 1:13).
A quarta virtude: Timóteo era experiente (temperado no fogo). 
Comprovado valor traduz dokimen, que tem o significado básico da prova cumprida após o teste. Usado para uma pessoa, descreve o caráter aprovado ou valor testado e aprovado. Paulo advertiu muitas vezes os crentes a"provarem da vontade de DEUS que é boa, agradável e perfeita" (Rm 12:2), e para"examinarem tudo e examinarem-se" (1 Cor . 11:28,.. 2 Cor 13:5; Gal 6:4).. Os crentes devem"examinar tudo com cuidado, apegar-se o que é bom" (1 Tessalonicenses 5:21.) E"provar os espíritos para ver se eles são de DEUS" (1 João 4:1). Paulo também usou o termo em relação ao teste do Senhor dos crentes, notando que"Mas, como fomos aprovados de DEUS para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não como para agradar aos homens, mas a DEUS, que prova os nossos corações." (1 Tessalonicenses 2:4; cf 1 Cor 3:13; 1 Pedro 1:7). Paulo falou da identificação do obreiro"Com eles enviamos também outro nosso irmão, o qual muitas vezes, e em muitas coisas, já experimentamos ser diligente, e agora muito mais diligente ainda pela muita confiança que em vós tem." (2 Coríntios. 8:22), e instruiu que os diáconos"E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis." ( 1 Tm. 3:10). Timóteo havia sido testado muitas vezes em seu serviço ao Senhor. Quando agitadores de Tessalônica forçaram Paulo a abandonar Bereia, Timóteo e Silas foram confiados a permanecer lá e continuar o trabalho (Atos 17:14).
A quinta vrtude de Timóteo mencionada aqui é a sua submissão. 
Como Paulo, Timóteo serviu ao Senhor, o jovem era submisso ao Senhor. Douleuo (servido) foi usado por muitos tipos de serviço, incluindo serviço de dinheiro (financeiro) (Mt 6:24), um mestre humano (1 Tim 6:2.), Um pai humano (Lucas 15:29), uma nação conquistadora ( Atos 7:7; cf. Jo 8:33), e serviço dos crentes uns aos outros (Gl 5:13). Mas foi também um dos verbos mais comuns usados no Novo Testamento para o serviço do Senhor (cf. At 20:19, Rm 12:11; 14:18.; Col. 3:24), muitas vezes em contraste com a de servir outras pessoas e coisas, como a letra da lei mosaica (Rm 7:6), a lei do pecado (Rom. 7:25), e desejos pecaminosos (Rm 16:18; Tito 3:3). Como a frase seguinte ("no progresso do evangelho") deixa claro, servido aqui se refere a servir ao Senhor.
É importante notar que Paulo não está falando de um serviço personalizado de Timóteo para ele, embora isso pudesse ser considerado. Timóteo era completamente submisso a Paulo, como um apóstolo, um pai espiritual, e um modelo incomparável de piedade. Mas Paulo deixa claro que este serviço específico não era para ele, mas com ele. Eles serviram ao Senhor juntos em uma parceria amorosa e não competitiva. Paulo era claramente o sênior e Timóteo o júnior que o servia com todo o respeito. No entanto, os dois homens eram ambos"servos de CRISTO JESUS" (Fl 1:1),"fazendo a obra do Senhor" juntos (1 Cor. 16:10). Timóteo não só foi colega de Paulo, mas também"trabalhador de DEUS e companheiro no evangelho de CRISTO" (1 Ts. 3:2).
A sexta virtude de Timóteo era a sua vontade de se sacrificar pelo evangelho, como se conclui pelo seu ministério com Paulo na promoção do evangelho como um filho servindo a seu pai.
A partir do momento em que o apóstolo escolheu-o para servir ao lado dele, Timóteo deixou seus planos pessoais que poderiam passar por sua cabeça. Começou uma aventura sem volta que lhe traria grande fecundidade (produção de almas) e satisfação espiritual, mas que também envolviam sofrimento e sacrifício.
Como Paulo, Timóteo considerava-se sob a obrigação de pregar CRISTO a todos, sabendo que o evangelho"é o poder de DEUS para salvação de todo aquele que crê primeiro do judeu e também do grego" (Rm 1:14-16) . Ele também estava"determinado a não saber nada ... com exceção de JESUS CRISTO e este crucificado" (1 Cor. 2:2), estava disposto a se tornar" (1 Cor. 4:9-13)."Porque tenho para mim, que DEUS a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens. Nós somos loucos por amor de CRISTO, e vós sábios em CRISTO; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres, e nós vis. Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa, E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos.” Ele podia dizer sinceramente como Paulo que"não nos pregamos a nós mesmos, mas a CRISTO JESUS como Senhor e nós mesmos como vossos servos por amor de JESUS", e que ele estava"aflito em todos os sentidos, mas não desanimados, ficamos perplexos, mas não desesperados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; trazendo sempre no corpo o morrer de JESUS, para que a vida de JESUS se manifeste também em seus corpos" (2 Coríntios 4:5, 8 -. 10). O Senhor também lhe deu o"ministério da reconciliação" como um embaixador de CRISTO (2 Cor. 5:18, 20). E como Paulo, ele acabou sendo preso por sua fé (Hebreus 13:23). Por causa de seu Senhor, ele deixou sua casa e sua mãe piedosa e avó. Não há nenhuma evidência nas Escrituras de que se casou, teve filhos, e experimentou as alegrias da vida familiar. Ele podia verdadeiramente declarar como fez Paulo aos anciãos de Éfeso:" Mas de nada faço questão, nem tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor JESUS, para dar testemunho do evangelho da graça de DEUS."(Atos 20:24).
A sétima virtude: Timóteo estava disponível, uma característica implícita para ajudar aos outros. 
Porque ele era tão eminentemente qualificado para o serviço, Paulo podia afirmar sem hesitação, portanto espero enviá-lo imediatamente. Como observado na discussão do versículo 21, ele ainda precisava de ajuda de Timóteo um pouco mais. O contexto deixa claro que Timóteo estava disposto a fazer qualquer coisa que Paulo lhe pedisse. Ele não tinha agenda própria. Ele estava disponível para o Senhor e isso essencialmente significava ser útil ao apóstolo do Senhor. Sua permanência ou saída era inteiramente decisão de Paulo, não dele próprio. Deve ter sido um desafio para este talentoso jovem, inteligente e energético ter rompido de repente suas relações com sua família, amigos e colegas de trabalho. Para a maioria das pessoas, especialmente aquelas com as suas capacidades, isso seria impensável, mas para Timóteo o que mais importava era sua chamada. Timóteo era o tipo de servo voluntário, confiável e alegre como era Paulo no seu serviço para JESUS CRISTO. Ele estava pronto para gastar e ser gasto como parecia melhor para seu querido amigo e apóstolo.
 
Timóteo tinha fraquezas humanas.
Apesar de sua vocação divina e os dons espirituais (1 Tm 4:14.), ele aparentemente não tinha autoconfiança por causa de sua juventude (1 Tm. 4:12). Ele foi tentado pelas paixões da mocidade. Em sua segunda carta a ele, o apóstolo adverte: "Se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, e preparado para toda boa obra. Agora fugi das paixões da mocidade e siga a justiça, fé, amor e paz, com aqueles que invocam o Senhor com um coração puro "(2 Tm. 2:21-22). Aparentemente, Timóteo estava, então, em um ponto baixo em sua vida pessoal e ministerial. Ele teve vitórias e derrotas, satisfação e felicidade, decepção e tristeza. Mas ele atendeu o conselho de Paulo: "Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS. Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério." (2 Tm 3:14;. 4:2, 5).
Paulo estava acorrentado a um soldado em Roma quando escreveu Filipenses (Atos 28:16). Usando a palavra metaforicamente, Paulo admoestou Timóteo a sofrer dificuldades com ele "como bom soldado de CRISTO JESUS" (2 Tm. 2:3).
Paulo, Timóteo e Epafrodito eram três pessoas muito diferentes:
Paulo o líder corajoso, destemido, Timóteo seu assistente, tranquilo e consagrado; Epafrodito era diligente, trabalhador por trás das cenas. No entanto, todos os três manifestaram a característica mais importante de uma vida piedosa – Imitavam o líder maior como patrimônio celestial – JESUS CRISTO.
Modelos de um Servo espiritual - (Filipenses 2:17-18) - MacArthur, J. (2001). Philippians (309). Chicago: Moody Press.
 
 
Introdução às Epístolas Pastorais
I. Por que Devemos Estudá-las?
É necessário estudar exaustivamente as Epístolas Pastorais pelas seguintes razões:
(1) Porque elas lançam luz sobre o importante problema da administração eclesiástica. Essas cartas contém algumas diretrizes acerca do culto publico que faríamos bem em prestar atenção? Que qualidades deve um homem possuir para ser um bom pastor? Um ancião digno? Um diácono consciente? Até que ponto poderiam as mulheres ser usadas na obra da igreja? Sobre quem repousa a responsabilidade primária de suprir os necessitados? Como o ministro deve tratar os homens de idade avançada que necessitam de conselho pastoral? E as mulheres idosas? E os jovens? E as jovens?
(2) Porque enfatizam a sã doutrina. É verdade que não importa o que uma pessoa creia contanto que seja sincera no que ela crê? A Bíblia é de fato “a Palavra de DEUS” tal como ela se apresenta, ou simplesmente se torna a Palavra de DEUS quando ela o ‘‘toca”? Como deve alguém defrontar-se com hereges? É possível prestar demasiada atenção aos erros deles?
(3) Porque exigem uma vida consagrada. É possível que uma pessoa seja “doutrinariamente sã”, porém “corrompida na prática”? Os homens maus devem ser disciplinados? Com que prontidão? Com que propósito em mente?
(4) Porque respondem a pergunta: "Os credos tem algum valor”? A igreja creu, no período de transição, na formulação de credos, nas declarações concisas e em outros meios de transmitir a verdade do evangelho aos interessados e a juventude? Havia alguns hinos? O lema: “Credos não, CRISTO sim” está em harmonia com o ensino das Pastorais?
(5) Porque nos informam das atividades finais na vida do grande apóstolo Paulo. O livro de Atos apresenta um relato completo de todas as suas viagens? Houve realmente duas prisões em Roma?
(6) Porque são uma valiosa fonte para a compreensão da história da igreja no terceiro quarto do 1º século d. C. (Ver M. C. Tenney, The New Testament, A Survey, p. 354).
(7) Porque nessas Epístolas, tanto quanto nas demais, DEUS nos fala.
 
II. Quem Escreveu as Pastorais?
A expressão “Epístolas pastorais”, como um título comum para 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito, data da primeira parte do século 18. Ora, essas cartas certamente fornecem importantes diretrizes aos pastores. Não obstante, o título não é exato. Timóteo e Tito não eram “pastores” no sentido usual e atual do termo. Não eram ministros de uma congregação local, mas, antes, delegados apostólicos, enviados especiais ou comissionados do apóstolo Paulo, enviados por ele para cumprirem missões específicas. A eles foram confiadas tarefas concretas segundo a necessidade do momento. A tarefa deles era cumprir seu ministério espiritual aqui ou acolá, levando a bom termo a obra que se havia iniciado, para em seguida informar ao apóstolo suas descobertas e realizações. Marcião, em meados de 2° século, rejeitou essas três cartas. Tertuliano afirma: “Entretanto, estou surpreso que enquanto ele [Marcião] aceitou esta carta [Filemom] que fora dirigida a um só homem, tenha rejeitado as duas Epístolas a Timóteo e a dirigida a Tito, as quais tratam da disciplina eclesiástica” (Against Mareion V.xxi). Ora, é natural que um homem como Marcião, que pregava o mais estrito ascetismo, negava a legalidade do matrimônio e estabeleceu regras rígidas para o jejum, rejeitasse as Epístolas Pastorais nas quais o ascetismo é condenado (l Tm 4.3, 4; Tt 1.14, 15). Um herege não gosta de um escrito que direta ou indiretamente condena sua heresia ou algo parecido. No século 19 (1807, para ser exato), F. Shleiermacher rejeitou a autoria paulina de 1 Timóteo. F. C. Baur, em sua obra sobre as Epístolas Pastorais (Stuttgart e Tubingen, 1835), defendia a posição de que é inconsistente aceitar 2 Timóteo e Tito e rejeitar 1 Timóteo. As três deviam ser consideradas como literatura pseudoepigráfica. Muitos discípulos entusiastas - a Escola de Tubingen - endossaram seu ponto de vista. Hoje essa posição é aceita por muitos, ainda que alguns tenham adotado um ponto de vista um pouco mais conservador (ver p. 27). Pode-se honestamente sustentar que nessa atitude negativa os críticos são tão objetivos como dizem ser? É possível que a forma em que essas três pequenas jóias tratam “alguns dos mais queridos temas da mente moderna” tenha algo que ver com a forma decidida em que negam que Paulo seja o autor? As Epístolas Pastorais põem ênfase especial em assuntos tais como a realidade e importância dos ofícios eclesiásticos (1 Tm 3; Tt 1), a inspiração da palavra escrita (2 Tm 3.16), a necessidade de manter a pureza doutrinária (l Tm 4.1-6; 2 Tm 3.14; 4.3; Tt 2.1), a realidade da ressurreição (2 Tm 2.18) e a exigência divina de que a fé se torne militantemente manifesta. (2 Tm 4.2, 7, 8). Ora, se tendências subjetivas tem ou não prevalecido, uma conclusão se torna inescapavelmente clara quando os fatos são examinados: os críticos não conseguiram provar sua tese que afirma que Paulo não poderia ter escrito as Pastorais.
 
Os argumentos dos críticos podem ser assim resumidos:
(1) No tocante ao vocabulário, as três Epístolas são muito semelhantes entre si, mas inteiramente diferentes das outras dez.
Epístolas, as quais são tradicionalmente atribuídas a Paulo, a saber. Romanos, 1 Coríntios, 2 Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 Tessalonicenses, 2 Tessalonicenses e Filemom. Quanto aos seguintes pontos que se acham enfatizados sob esse tópico geral, alguns críticos enfatizam um ponto, outros enfatizam outro:
a. A grande similaridade no vocabulário das três pastorais.
REFUTAÇÃO - Quanto a alternativa a., até certo ponto a verdade é exatamente o oposto. Das palavras novas (novas no sentido em que não aparecem nas dez) bem poucas se encontram em todas as três em conjunto; apenas nove de um total de 306! Dai, se a falta de similaridade no vocabulário é prova de que o autor é outro, haveria algo a dizer em prol de uma proposição que sustentasse que há um autor diferente para cada epístola pastoral. 1 Timóteo contém 127 palavras novas; 2 Timóteo, outras 81; e Tito, outras 45. Em conjunto, 1 Timóteo e 2 Timóteo contém apenas dezessete; 1 Timóteo e Tito, apenas vinte; 2 Timóteo e Tito, apenas sete; as três, em conjunto, apenas nove. (Todavia, tanto o vocabulário quanto o estilo, tomados em conjunto, apontam antes para um só autor.)
b. Os contraste entre o vocabulário das Pastorais e o das outras dez Epístolas.
As vezes quase pareceria que um simples relance nos famosos diagramas de Harrison (em seu livro The Probiem ofthe Pastoral Epistles, Oxford, 1921) seria suficiente para convencer alguns de que Paulo não poderia ter escrito I Timóteo, 2 Timóteo e Tito. O número de palavras novas por página (!) do texto grego que o autor introduz nessas três cartas, não está totalmente fora de proporção em relação a quantidade muito menor de palavras novas por página usadas por Paulo nas outras dez Epístolas? Se o apóstolo escreveu as dez, é possível que tenha escrito as Pastorais? Além disso, não apontam para um autor distinto de Paulo expressões como as seguintes: “guarda o depósito” (I Tm 6.20: 2 Tm 1.12, 14); “segue a doutrina” (uma forma de, I Tm 4.6; 2 Tm 3.10); “linguagem profana” (I Tm 6.20; 2 Tm 2.16); “homem de DEUS” (I Tm 6.11; 2 Tm 3.17)? E, em contrapartida, não é verdade que muitas palavras que são usadas diversas vezes nas dez [Epístolas] não aparecem nas três: “fazer injustiça” “sangue”, “incircuncisão”, “obras da lei”, etc.? Burton Scott Easton realça que o verdadeiro Paulo usa a palavra “ESPÍRITO" umas oitenta vezes; o autor das Pastorais, só três vezes.
d. A ausência de famílias de palavras paulinas. Isso é o inverso do precedente.
c. A presença, nas Pastorais, de famílias de palavras inteiramente novas ou grandemente expandidas.
Não é verdade que as Pastorais apresentam pela primeira vez com ramificações sem paralelos, não só muitas palavras particulares, mas famílias completas de palavras? Para apresentar apenas um exemplo: a família de compostos que se centraliza em torno da ideia comum do ensino ou da didática.: As seguintes não ocorrem em parte alguma nas dez: é apto para ensinar, l Timóteo 3.2; 2 Timóteo 2.24, mestre da lei, 1 Timóteo 1.7, mestre daquilo que é bom, Tito 2.3, ensinar outra, coisa, ensinar doutrina diferente, 1 Timóteo 1.3; 6.3 Que ocorrem também em duas ou três das dez: mestre, 1 Timóteo 2.7; 2 Timóteo 1.11; 4.3 ensino, nas Pastorais ocorrendo com grande frequência, tanto sentido ativo quanto no passivo (doutrina), ensino, 2 Timóteo 4.2; doutrina, Tito 1.9 Que ocorrem também em seis das dez: ensinar, 1 Timóteo 2.12; 4.11; 6.2; 2 Timóteo 2.2; Tito 1.11.
REFUTAÇÃO - Quanto a b., c. e d., o fato é que pouco mais de um quarto do vocabulário total da Epístola de Paulo aos Romanos é “novo” no sentido em que não é usado nas outras nove Epístolas. A porcentagem de palavras novas, em proporção ao total do vocabulário empregado em 2 Timóteo (palavras que não aparecem nas dez) é apenas superior a de Romanos. O mesmo vale para Tito. Em 1 Timóteo, cerca de um terço das palavras são novas. Por certo, com base nesses fatos, a tese dos críticos, a saber, que Paulo não poderia ter escrito as Pastorais, não procede! Em cada epístola, Paulo usa as palavras (inspiradas pelo ESPÍRITO) de que necessita, a fim de expressar seus pensamentos (inspirados pelo ESPÍRITO) acerca do tema especifico de que está tratando. Por essa razão, não surpreende que certas palavras, encontradas nas dez, estejam ausentes nas três. Por exemplo, tomemos as primeiras três palavras mencionadas por Harrison em sua lista na p. 31, tomando-as na ordem em que aparecem. A primeira é fazer mal, fazer injustiça. A segunda é sangue. A terceira é incircunciso. Ora, todo o tema da justiça, obtida pelo pecador mediante o sangue de CRISTO e não por meio de ritos tais como a circuncisão, corresponde a Epístolas tais como Romanos, Gálatas e, em certa extensão, a l Coríntios. Portanto, é nessas Epístolas que devemos buscar tais palavras e outras similares. Seguramente, porém, o apóstolo não precisava expor em detalhes a Timóteo e Tito, seus amigos íntimos e colaboradores na obra, a doutrina da justificação mediante a fé! Por isso é que é plenamente natural que essas três palavras não apareçam aqui, embora a doutrina propriamente dita não esteja completamente ausente; ver Tito 3.5-7. O mesmo vale para as demais palavras apresentadas por Harrison nas pp. 31 e 32 de seu livro. A ausência de qualquer uma delas é estranha nas Pastorais, ainda que se torna mais claramente por que não deve ser achada mais num caso do que noutro. Além do mais, se devemos negar que Paulo é o autor das Pastorais pelo fato de que a palavra “ESPÍRITO” aparece somente três vezes, não deveríamos também rejeitar a paternidade literária paulina de Colossenses, 2 Tessalonicenses e Filemom? Quanto a uma espada de dois gumes, pois poder-se-ia também dizer que a própria presença de famílias inteiras de palavras aqui nas Pastorais como nas dez aponta na direção de autoria idêntica. Pode-se explicar facilmente que a palavra básica em torno da qual se tem desenvolvido a família de palavras não seja a mesma nas diferentes Epístolas: nas cartas a Timóteo e Tito, nas quais havia necessidade especifica de bom conselho acerca de sua tarefa especifica de comunicar instrução, de modo algum surpreende que a família de palavras se desenvolva em torno da ideia de ensino. Além disso, pode-se demonstrar que, se a presença ou a ausência de certas palavras e famílias de palavras é decisiva na determinação da autoria, não seria fácil para os críticos da defesa de Paulo como autor das dez, porque na lista que Harrison apresenta de 41 palavras que aparecem em cinco Epístolas paulinas, porém não nas Pastorais (op. cit., p. 31), somente uma palavra das primeiras 22 aparece em 2 Tessalonicenses! Naturalmente, alguns estariam bem dispostos a desfazer se de 2 Tessalonicenses também!
e. O fato de que várias palavras que se encontram em 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito, porém não nas dez, aparecerem no vocabulário dos Pais Apostólicos, e o fato complementar de que uma alta porcentagem de palavras genuinamente paulinas não aparece nas três e tampouco aparece no vocabulário dos Pais Apostólicos. Alega-se que isso indica que as Pastorais correspondem aos primórdios do 2º século. Quanto a isso, é também costumeiramente realçado que durante o 2º século houve o ressurgimento da dicção clássica. Mantém-se que isso explica a presença de um número considerável de palavras clássicas nas cartas.
REFUTAÇÃO - Quanto a e., nosso conhecimento do verdadeiro vocabulário que se usava durante a segunda metade do 1º século d. C., em comparação com o da primeira metade do 2º século d. C., é por demais escasso para servir como critério fidedigno. Com quanta frequência ocorre que palavras consideradas como que pertencentes a tempo posterior de repente aparecem em escritos recém-descobertos, e que são de uma época bem anterior? A ideia de que o uso de palavras “clássicas” é indicio de um autor do 2º século d. C. é admitir como verdade algo que precisa ser provado. Por que pareceria irracional supor que Paulo pessoalmente tenha escrito as Pastorais, e que tenha obtido seu conhecimento de vocabulário “clássico” de suas próprias leituras e de havê-lo ouvido? Não fora ele, em sua juventude, estudante? O currículo de Gamaliel nada fornecera da literatura antiga e contemporânea? Não é verdade que o Paulo que temos aprendido a conhecer através das dez Epístolas reconhecidas teria tido um extenso conhecimento (direto ou indireto) de autores gregos, de modo a poder citar Menandro ( I Co 15.33) e Arato (At 17.28)? E absurdo considerar a possibilidade de que durante sua longa primeira prisão (e, segundo alguns, talvez durante sua segunda prisão, cf. 2 Tm 4.13) o apóstolo tenha expandido seu conhecimento fazendo, de vez em quando, incursões na literatura extracanônica? Seja como for, sabemos que algumas palavras que não são usadas em outros lugares do Novo Testamento, mas que foram usadas pelo autor das Pastorais e por escritores do 2 ° século d. C., foram também usadas por contemporâneos dos apóstolos. Quem se atreveria afirmar que muitas outras palavras poderiam não ser do uso comum em data tão antiga que remonte ao 1 século d. C., ou até mesmo anterior a isso? A similaridade de vocabulário que se nota ao compararem-se as Pastorais com os escritos cristãos do 2º século d. C., não significa necessariamente que, quem quer que tenha escrito 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito tenha vivido nos dias dos Pais Apostólicos e dos apologistas. Poderia significar igualmente que os autores cristãos do 2º século tenham lido, estudado e, em certa medida, copiado e parafraseado Paulo.
f. O uso frequente de palavras e expressões latinas.
Diz-se que isso indica que o autor das Pastorais não poderia ter sido Paulo, mas que certamente teria sido alguém que morava em Roma ou nas proximidades de Roma. Ou, se tal conclusão não for expressa exatamente dessa forma, o argumento sobre os latinismos que ocorrem nas Pastorais ao menos se encontram na lista das causas para o ceticismo.
REFUTAÇÃO - Quanto a f., o uso frequente de palavras e expressões derivadas do latim e um argumento que pende de um fio muito débil. Os críticos podem assinalar apenas duas palavras latinas, e não mais, nas três pastorais, a saber: (latim, membrana), pergaminho, 2 Timóteo 4.13, e (a mesma passagem) (latim, paenula), a qual tem sido variadamente interpretada como capa, capa de livro, pasta [para arquivo]. As palavras latinas, porém, ocorrem naquelas Epístolas que mesmo pelos críticos são atribuídas a Paulo: 0picqj|kuto, conduzir em triunfo (cf. latim, triumphus), 2 Coríntios 2.14; Colossenses 2.15; açougue (latim, macellum), 1 Coríntios 10.25; e Guarda Pretoriana (latim, praetorium), Filipenses 1.13. Além disso, em seu Evangelho e Atos, Lucas, que fora companheiro de Paulo, e que, segundo 2 Timóteo 4.11, estava novamente com ele durante a segunda prisão do apóstolo, usa quase a metade de um total de cerca de trinta palavras latinas que são usadas no Novo Testamento. Se o companheiro frequente de Paulo pode usar palavras latinas, por que Paulo não poderia fazer o mesmo? E certo que também se ouvem ecos do latim em expressões como as seguintes: (dominus), 1 Timóteo 6.1, 2; 2.21; Tito 2.9, dono, senhor (bilinguis num de seus significados), 1 Timóteo 3.8, ambiguo (firmamentum), 1 Timóteo 3.15, suporte, baluarte, fundamento (pietas), I Timóteo 2.2; 4.7, 8, piedade, reverência, devoção, viver santo, santidade, religião (vaniloquium), 1 Timóteo 1.6, conversação fútil (nostri), Tito 3.14, “nosso rebanho”, nosso povo (praeiudiciuni), 1 Timóteo 5.21, prejulgamento, preconceito (gravitas), 1 Timóteo 2.2; 3.4; Tito 2.7, dignidade, respeitabilidade, gravidade, seriedade (gratiam habere), 1 Timóteo 1.12, reconhecimento, gratidão Mas, em conexão com isso, observe o seguinte:
1. Também se encontram nos outros escritos do Novo Testamento palavras e frases que nos lembram expressões paralelas no latim.
2. Já durante o 1º século d. C., o grego e o latim haviam alcançado uma posição de intercambio e de tradução de um para o outro idioma.
3. O que pode parecer uma expressão copiada pode bem ser apenas o resultado de um desenvolvimento paralelo de cognatos. Além do mais, mesmo quando se reconhecesse uma considerável medida de influência do latim sobre o grego das Pastorais, provaria isso, de algum modo, que Paulo não pode tê-las escrito? Não é inteiramente natural que o homem que chegara a metrópole do mundo, onde bem recentemente havia passado não menos de dois anos, um homem, ademais, que era altamente suscetível as influências do meio ambiente e que estava desejoso de fazer tudo a todos os homens, começasse a fazer uso mais pleno da dicção “romana” e de sua fraseologia, o que até então não havia feito? Neste ponto o argumento dos críticos parece fracassar completamente!
g. O sentido totalmente diferente nas Pastorais das palavras que se encontram tanto nelas como nas dez.
Exemplos: fé é usada objetivamente nas Pastorais - o que se crê, a verdadeira religião; Paulo, porém, a usa no sentido de confiança subjetiva - tomar é usado em l Timóteo 3.16 em referência a ascensão de CRISTO, enquanto que em Efésios 6.13, 16 no sentido de “tomar” armas espirituais - A letra é usada por Paulo num sentido desfavorável; letras, porém, são usadas em sentido favorável em 2 Timóteo 3.15 - os escritos sacros.
REFUTAÇÃO - Com respeito a g., essas ilustrações se desvanecem imediatamente ao serem examinadas mais detidamente. Assim, alega-se que Paulo usa a palavra fé em sentido subjetivo (confiança em DEUS e em suas promessas), mas que o autor das Pastorais a usa no sentido objetivo (credo, corpo de doutrina). Mas, para começar pelas Pastorais, a expressão “a fé e o amor que estão em CRISTO JESUS” (I Tm 1.14) indica o exercício dessas virtudes. “Permanecerem fé, em amor e em santificação” (ver I Tm 2.15) também ilustra o uso subjetivo. E quando o autor ensina que alguém recebe a “salvação pela fé que está em CRISTO JESUS”, todos imediatamente entendem que ele está falando da atitude de confiança no Redentor e do exercício dela (portanto, uma vez mais no sentido subjetivo). Ver também 1 Timóteo 3.13; 6.11, 12 e 2 Timóteo 1.13; 3.10; 4.7. E no tocante as dez Epístolas, o autor delas nem sempre usa a palavra no sentido objetivo. Assim, em Gálatas 1.23 fala-se de “pregar a fé”. Em Gálatas 6.10 usa-se a expressão “os da família da fé”. Em Filipenses 1.27: “combatendo unanimes pela fé do evangelho”, temos outro excelente exemplo de Uso objetivo. Além do mais, não surpreende que nas Pastorais, Paulo, sendo um homem que está para partir desta vida, esteja preocupado com a preservação de “a verdade”, e, consequentemente, empregue amiúde a palavra “fé” nesse sentido objetivo (1 Tm 1.19; 3.9; 4.1; 5.8; 6.10; 2 Tm 3.8; Tt 1.13). No tocante aos demais exemplos que se supõe demonstram que, quando o autor das três usa uma palavra paulina, o faz num sentido completamente distinto, demonstrando assim que o apóstolo não poderia ter escrito as três, não é de todo evidente por que um autor não poderia usar o mesmo verbo grego no sentido de “tomar” as armas espirituais e no de “recebido no alto”, ao referir-se a JESUS e sua ascensão. De forma semelhante, não deve causar estranheza o fato de a expressão “a letra”, no singular, ser usada num sentido, porém o termo “letras”, no plural, em sentido diferente. Muitos idiomas contém expressões desse caráter: por exemplo, é muito necessário tomar ar puro (no singular), porém não é aconselhável “dar-se ares” (plural). Não é verdade que nas Epístolas que mesmo os críticos atribuem a Paulo, as palavras “carne” e “lei” são usadas em mais de um sentido, assim como o autor do quarto Evangelho usa a palavra “mundo” em diversos sentidos?
h. Finalmente, o fato de que não só “as pedras” diferem das usadas por Paulo, mas também “as ferramentas e argamassa” (partículas de transição e inferência, que saturam as dez, porém são escassas nas Pastorais). Não é difícil demonstrar que o valor deste argumento e de suas ramificações tem sido excessivamente superestimado.
REFUTAÇÃO - Finalmente, quanto a h., nos discursos expositivos ou argumentativo. - pense especialmente em Romanos, l e 2 Coríntios e Gálatas onde podemos esperar naturalmente um uso muito mais extenso de partículas de transição e inferência do que num manual de advertências e instruções para “pastores”. Nesta buscamos e encontramos o modo imperativo. Em suma, estamos diante de Paulo, “já ancião” (denominação que ele mesmo da a si em Fm 9), escrevendo uma carta. Um homem de idade avançada usaria o mesmo vocabulário de um jovem? Apesar das vigorosas negativas, não é possível que a idade e a experiência de estar em prisão, quer num passado recente ou no exato momento em que escreve, tenha algo que ver com o vocabulário, com a gramática ou com ambos? O autor das Pastorais está escrevendo a colaboradores muito achegados que ele mesmo comissionara. Em nossos dias, quando o ministro de uma congregação grande ministra conselho a seu “auxiliar”, com quem tem um trato amistoso, emprega ele o estilo oratório do púlpito que usa aos domingos? Ao escrever aos seus colaboradores, o autor os aconselha sobre a forma de organizar a igreja, que tipo de presbíteros se devem designar, o que se deve fazer com os hereges, etc. Tem-se dessa natureza requerem o vocabulário que alguém usaria ao expor ante a congregação a doutrina da “justificação pela fé” (Romanos) ou de “a unidade de todos os crentes em CRISTO” (Efésios)? N. J. D. White, op. cit., pp. 63, 65, 66, justifica a ocorrência de algumas das novas palavras nas Pastorais, mostrando que sua presença é plenamente natural em cartas que condenam heresias. Ele põe termos tais sob o tópico “Fraseologia polêmica em referência ao falso ensino”. Um exemplo é “linguagem profana”.
Em conclusão, gostaríamos de perguntar aos críticos: No início de sua carreira como escritor, foi entregue ao apóstolo um catálogo de palavras com a exigência de que, não importa quais fossem as circunstâncias suas e de seus leitores, e sem importar o propósito da epístola ou do tema que fosse escrever, usasse invariavelmente essas palavras, e tão-somente essas, e além disso as distribuísse em igual proporção em todas as suas cartas, como os salpicos num vestido de bolinhas? Em volume real, físico, a herança literária que Paulo nos legou não é de modo algum imponente: somente 138 páginas pequenas no texto grego de N.N. (para as dez Epístolas). Temos o direito de supor que o que está escrito contém todo o vocabulário e a sintaxe de Paulo, de modo que qualquer discordância (em palavras ou gramática) que alguém encontra nas Pastorais demonstra que estas devem ser atribuídas a outro autor? Teria alguém o direito de aplicar aos escritos de Paulo um critério que, aplicado a Milton, Shelley e Carlyle, os despojara de grande parte de seus escritos? O argumento baseado no vocabulário e na gramática, não conduz a parte alguma. Mesmo o mais zeloso defensor da autenticidade das Pastorais reconhecerá com prontidão que há uma notável diferença no vocabulário, quando as três são comparadas com as dez, assim como há uma variação considerável quando cada uma das três são comparadas uma com as outras duas. É totalmente possível que as explicações que são apresentadas - tais como a idade de Paulo e sua prisão (passada ou presente), o caráter dos leitores, os temas abordados, o propósito - não sejam razão suficiente para tais diferenças. Também podem haver afetado outros fatores, por exemplo, o rápido avanço e desenvolvimento da igreja como uma nova entidade, crescente, mutante e vigorosa, e a necessidade de criar uma nova fraseologia. Expressões tais como “guardar o depósito”, “seguir a doutrina” e “homem de DEUS” são consideradas por White como pertencentes a essa categoria. Podemos supor que aqui Paulo está usando fraseologia que ouve ao seu redor. Além do mais, tem-se sugerido que em certa medida o “secretário” ou “secretários” poderiam ter influenciado no produto final. Entretanto, o ponto a notar é o seguinte: a responsabilidade da prova repousa inteiramente na critica, negativa. Não é o crente conservador que pretende que o vocabulário e a gramática demonstrem que Paulo foi o autor, mas que são os críticos que proclamam em voz alta que o vocabulário e a gramática indicam que Paulo não poderia ter sido o autor. Os críticos literários dos primeiros séculos, que estavam bem conscientes das peculiaridades gramaticais e do estilo, e portanto puderam pôr em dúvida que Paulo fosse o autor de Hebreus, jamais tiveram, dificuldades com as Pastorais. O crítico moderno tem fracassado completamente em seu intento de demonstrar que uma só palavra sequer do total do vocabulário das Pastorais não tenha sido escrita por Paulo.
 
(2) O estilo das Pastorais denuncia sua origem forjada. Alguns, ao falarem sobre “estilo”, usam este termo num sentido que se aproxima de “vocabulário”, “dicção”. Isso já foi discutido. Outros, contudo, dão uma conotação mais ampla ao termo, e sob esse tópico discutem o que o autor das Pastorais diz e especialmente como ele o diz, o caráter geral de seus pensamentos e particularmente a maneira como ele os expressa. Aqui tomaremos o termo neste sentido mais amplo. Em um assunto os críticos estão de acordo, a saber, na afirmação de que o estilo das Pastorais aponta para a direção oposta a Paulo. Mas assim que se formula a pergunta: “por quê?”, as respostas se dividem e se tornam contraditórias, afirmando alguns que o estilo propriamente dito de forma alguma é paulino; outros, que em muitos pontos ele faz lembrar Paulo, que teria de ser um falsificador, um imitador consciente. Teria de ter uma cópia das Epístolas genuínas de Paulo diante dos olhos. Dessas cópias, teria copiado uma e outra frase, agindo como se fosse Paulo!
A luz dessa confusão no campo dos críticos só há uma forma segura de alguém recuar, a saber: mediante um exame imparcial dos próprios fatos. Estes apontam para Paulo como autor. Observe o seguinte: Nessas breves cartas encontramos a mesma classe de pessoa que se revela nas dez. O que aqui se reflete é o caráter de Paulo, justamente como, por exemplo, em 1 Tessalonicenses e 2 Tessalonicenses. O autor das Pastorais está profundamente interessado naqueles a quem se dirige, a saber: em Timóteo e Tito, revelando cordial afeição por eles (I Tm 1.2; 5.23; 6.11, 12; 2 Tm 1.2, 5, 6, 7; 2.1, 2, 15, 16; 4.1, 2, 15; Tt 1.4). Partilha suas experiências e sente-se prazeroso em recomendar tudo quanto de bom existe neles (2 Tm 1.8; 3.10-15; 4.5-8; Tt 1.4). Atribui a soberana graça de DEUS tudo quanto de bom existe nele e em seus destinatários (I Tm 1.12-17; 4.14; 2 Tm 1.6, 7, 13, 14; 2.1). Ele revela admirável tato no aconselhamento (I Tm 1.18; 4.6, 11-16; 5.1; 6.11-16; 2 Tm 1.2-7; Tt 1.4; 2.7). Trata uma a uma as matérias de especial preocupação para com Timóteo e Tito (evidentes a todo aquele que porventura leia essas três breves cartas do início ao fim). Está ansioso por vê-los (2 Tm 1.4; 4.9, 11; Tt 3.12). Além do mais, ele aprecia a figura de linguagem chamada litotes, ou seja, afirmação por meio de negação do oposto. Pode-se considerar como um tipo de exposição atenuada ou incompleta de uma ocorrência ou miosis (ou depreciação). E assim, em vez de dizer que ele está “orgulhoso” de poder pregar a CRISTO, ele afirma que “não se envergonha” daquele em quem ele crê (2 Tm 1.12; cf. 1.8, 16). Semelhantemente, afirma que a Palavra de DEUS “não está acorrentada” (2 Tm 2.9) e que DEUS é aquele que “não pode mentir” (Tt 1.2). Isto fortemente lembra Paulo, o homem que declarou ser um cidadão de uma “cidade não insignificante” (At 21.39); que “não fui desobediente” a visão celestial (At 26.19); que “não me envergonho do evangelho” (Rm 1.16); que seu ingresso entre os tessalonicenses “não foi infrutífero” (I Ts 2.1); que seu apelo “não procede de engano” (Its 2.3); que não queria que os leitores fossem ignorantes (Its 4.13); e que “não vos canseis de fazer o bem” (2Ts 3.13). Ele aprecia as enumerações. E assim ele agrupa as virtudes ou os vícios, catalogando-os em séries (I Tm 3.1-12; 6.4, 5; 2 Tm 3.2-5; 3.10- 11; Tt 3.3). Isto é exatamente o que Paulo faz nas demais Epístolas (ver Rm 1.29-32; 2 Co 12.20; G1 5.19-23). Não é contrário a introduzir aqui e ali um “jogo de palavras”. Assim ele admoesta o rico a depositar sua esperança naquele que dá ricamente (I Tm 6.17). Ele contrasta “amantes dos prazeres” com "amantes de DEUS” (2 Tm 3.4). Ele nos informa que um dos propósitos dos escritos inspirados é “para que o homem de DEUS seja completo (ou equipado), plenamente munido (ou completamente equipado) para toda boa obra” (2 Tm 3.17, passagem está onde a R.S.V., por meio da sua tradução, perde evidentemente o jogo intencional das palavras). E ele admoesta a Timóteo que, ao pregar a Palavra, que isso “seja a tempo ou fora de tempo”. Aqui, uma vez mais, alguém inevitavelmente pensa em Paulo e em sua inclinação para a mesma característica estilística. É Paulo quem, conhecedor do fato de que a denominação judeu (cf. Judá) significa “que ele (isto é, DEUS) seja louvado, escreve: “Porém judeu é aquele... cujo louvor não procede dos homens, mas de DEUS” (Rm 2.29). É Paulo também quem faz uso do fato de que o nome de um escravo fugitivo, ou seja, Onésimo, significa útil, benéfico, proveitoso: “sim, solicito-te em favor de meu filho Onésimo, que gerei entre algemas. Ele, antes, foi inútil', atualmente, porém, é útil a ti e a mim” (Fm 10, 11). Além disso, Paulo gosta de “compostos breves” (E. K. Simpson). Ele as vezes escolhe termos que são compostos de várias palavras (as vezes uma ou mais preposições mais um verbo). Dai, é ele quem diz que o ESPÍRITO SANTO nos ajuda em nossa fraqueza. Ora, essa palavra, ajudar, originalmente significa “ele se apodera de juntamente com (ovv) uma pessoa, ou enfrentando essa pessoa ou assumindo seu lugar, de modo que leva a carga no lugar (avxi) dessa pessoa. Aqui também as Pastorais se assemelham as dez, atestando compostos tais como (se tornam levianas, I Tm 5.11), (altercações mútuas ou atritos sem fim, I Tm 6.5), (disposto a partilhar com outros, generoso, I Tm 6.18), (inspirado por DEUS, 2 Tm 3.16) e (condenado por si mesmo, Tt 3.11).
O amor de Paulo por frases “em aposição” - ver, por exemplo, Romanos 12.1, “apresentar-se como sacrifício vivo... (que é) seu serviço segundo a razão (ou culto racional)" - é bem conhecido e pode ser ilustrado por várias passagens das dez Epístolas. Exemplos semelhantes de aposição ocorrem por todas as Pastorais. Ver, por exemplo, 1 Timóteo 1.17; 3.15, 16; 4.10, 14; 6.14, 15; 2 Timóteo 1.2; 2.1; Tito 1.1, 10; 2.14.

O súbito irromper de Doxologias, traço que deparamos ao estudar as dez (ver Rm 9.5; 11.36; 16.27; Ef 1.3ss.; 3.20) aparece uma vez mais nas Pastorais (I Tm 1.17; 6.15, 16; 2 Tm 4.18; e cf. outros exemplos de estilo elevado - “quase Doxologia” - em I Tm 3.16; Tt 2.13, 14). A expressão de sua indignidade pessoal (Ef 3.8; I Co 15.9) recorre em 1 Timóteo 1.13, a fraseologia “se não... como...?” (1 Co 14.6,7, 9) se encontra também em 1 Timóteo 3.5; além disso, quem, senão o Paulo que conhecemos a luz das dez Epístolas, poderia ter escrito esta linha intensamente pessoal e exuberante: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé”, etc. (2 Tm 4.7, 8)? Um relance nas frases das Pastorais que Harrison sublinhou (para indicar que também se encontram nas dez) acrescenta ao acúmulo de evidência em favor da autoria paulina, ainda que não fosse a intenção de Harrison abonar tal conclusão. O argumento segundo o qual Paulo não poderia ter escrito as Pastorais uma vez que o estilo de certas passagens nas dez não é característica de 1 Timóteo e Tito nada prova ou prova demais. Existe algum autor de nota que sempre, em todas as circunstâncias, em todas as épocas de sua vida, e sem importar a quem escreva ou sobre que tema escreva, empregue o mesmo estilo sem variação Naturalmente admito que há um notável contraste entre a fraseologia de estrutura extensa e complexa de passagens como Efésios 1.3- 14; Filipenses 2.5-8, de um lado, e as muitas admoestações breves e cheias de conteúdo das Pastorais, por outro lado, porém, esta comparação é justa? As sentenças extensas não estão completamente ausentes das Pastorais (ver I Tm 1.5-7; 1.8-11; 1.18-20; 2.5-7; etc.). As declarações breves sobejam nas dez. Tampouco é justo comparar o tom exuberante de certos parágrafos nas dez, com a forma de expressão mais calma e prosaica que caracteriza grande parte do material das Pastorais. Não se deveria comparar 1 Timóteo 2.8-15 com o vigoroso clímax de Romanos 8, é, sim, com uma passagem mais ou menos semelhante: 1 Coríntios 11.1-16. Tampouco dever-se-ia alguém por Tito 3.9-14 ao lado de 1 Coríntios 13, mas junto de 1 Tessalonicenses 5.12-22 para comparação. Se as variações no estilo provam um autor diferente, então o autor de 1 Coríntios 13 não poderia ter escrito a epístola a Filemom, nem o autor de Romanos 8 poderia ter escrito Romanos 13! Além do mais, não é inteiramente natural que o homem que estava bem avançado em anos ao escrever as Pastorais, agora, quando a carreira estava chegando ao fim, empregue um estilo mais reservado? Sentir-nos-iamos surpresos com o fato de que com frequência nas Pastorais notamos que esse fervor rude e vigor fogoso dos primeiros anos haja desaparecido? Quando as Pastorais são comparadas com aquelas seções das dez que formam a base de uma comparação legitima, torna-se evidente - como já se indicou por numerosos exemplos - que seu estilo é caracteristicamente paulino. Aliás, o estilo dessas três breves cartas é tão notavelmente paulino que vários críticos se dispõem a abrir uma concessão. Admitem que num ou noutro lugar se encontra material genuinamente paulino; por exemplo, as notas pessoais que se encontram em 2 Timóteo 4.6-22. Nesse parágrafo ele solicita a Timóteo que venha antes do inverno e traga a “capa” do prisioneiro e os livros, especialmente os pergaminhos. Demas é descrito como um renegado e Lucas, como leal. Há um breve esboço de sua “primeira defesa”. E saudações pessoais são enviadas a várias pessoas. Uma passagem um tanto parecida é Tito 3.12.

Nenhum comentário: