quinta-feira, 10 de julho de 2014

Lição 2 - O Propósito da Tentação, 1 parte

Lição 2 - O Propósito da Tentação
LIÇÕES BÍBLICAS - 3º Trimestre de 2014 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: FÉ E OBRAS - Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica
Comentário: Pr. Eliezer de Lira e Silva
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
Questionário
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
 
 
TEXTO ÁUREO
"Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações, sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência" (Tg 1.2,3).
 
 
VERDADE PRÁTICA
O triunfo sobre a tentação fortalece-nos espiritualmente e nos torna mais íntimos de DEUS..
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Pv 1.10 Tentado, não cedas!
Terça - Hb 2.18 JESUS foi provado assim como nós
Quarta - 1 Pe 1.7 Tentação, a provação da fé
Quinta - Dt 8.2,3 Conheça a ti mesmo
Sexta - Mt 26.41 Vigilância e oração
Sábado - 1 Pe 5.9 Identificação através das provações
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Tiago 1.2-4,12-15
 2 Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações, 3 sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência. 4 Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma.
12 Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam. 13 Ninguém, sendo tentado, diga: De DEUS sou tentado; porque DEUS não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta. 14 Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. 15 Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.
 
OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conceituar a tentação.
Pontuar a origem da tentação.
Compreender o propósito da tentação.
 
Resumo da Lição 2 - O Propósito da Tentação
I. O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)
1. O que é tentação.
2. Fortalecimento após a tentação (v.2).
3. Felicidade pela tentação (v.12).
II. A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15)
1. A tentação é humana.
2. Atração pela própria concupiscência.
3. DEUS nos fortalece na tentação.
III. - O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (Tg 1.3,4,12)
1. Para provar a nossa fé (v.3).
2. Produzir a paciência (vv.3,4).
3. Chegar à perfeição.
 
SINOPSE DO TÓPICO (1) - A tentação é uma espécie de prova ou teste, que uma vez vencido, fortalece a vida do crente.
SINOPSE DO TÓPICO (2) - A origem das tentações é a fragilidade humana, a atração pela própria concupiscência. Todavia, DEUS é a fonte do nosso fortalecimento na tentação.
SINOPSE DO TÓPICO (3) - O propósito das tentações é amadurecer o crente, para que este desenvolva a paciência e chegue à perfeição.
 
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Teológico
"A Tentação Vem de Dentro (1.14)
Tiago conhecia os poderes sobrenaturais do mal que agiam no mundo (cf. 3.6), mas aqui ele procura ressaltar o envolvimento e a responsabilidade pessoal do homem ao cometer pecados. O engodo do mal está em nossa própria natureza. Ele está de alguma forma entrelaçado com a nossa liberdade. A questão é: 'Será que eu preferiria ser livre, tentado e ter a possibilidade de vitória ou ser um 'bom' robô?' O robô está livre de tentação, mas ele também não conhece a dignidade da liberdade ou o desafio do conflito e não conhece nada acerca da imensa alegria quando vencemos uma batalha.
Tiago diz que cada um é atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Essa palavra epithumia ('desejo', RSV) pode ter um significado neutro, nem bom nem mal. Assim, H. Orton Wiley escreve: 'Todo apetite nunca se controla, mas está sujeito ao controle. Por isso o apóstolo Paulo diz: 'Antes, subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado' (1 Co 9.27)'. Este talvez seja o sentido que Tiago emprega aqui.
No entanto, na maioria dos casos no Novo Testamento, epithumia tem implicações maléficas. Se for o caso aqui, quando um homem é seduzido para longe do caminho reto, isso ocorre por causa de um desejo errado. Tasker escreve: 'Este versículo, na verdade, confirma a doutrina do pecado original. Tiago certamente teria concordado com a declaração de que 'a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice' (Gn 8.21). Desejos concupiscentes, como nosso Senhor ensinou de maneira tão clara (Mt 5.28), são pecaminosos mesmo quando ainda não se concretizaram em ações lascivas'. Se essa interpretação for verdadeira, há aqui mais uma dimensão na origem da tentação. Desejos errados podem ser errados não somente porque são incontrolados, mas porque, à parte da presença santificadora do ESPÍRITO, eles são carnais (TAYLOR, S. Richard. Comentário Bíblico Beacon: Hebreus a Apocalipse. Vol. 2. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, pp.159-60).
 
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2009.
RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007
SAIBA MAIS
Revista Ensinador Cristão CPAD, nº 59, p.37.
 
Meus comentários - Ev. Luiz Henrique
Tentação - palavra com duplo sentido, dependendo da situação pode significar provação, mas quando vem de DEUS é provação e quando vem de Satanás é tentação.
 
Provas são testes enviados por DEUS, e tentações são armadilhas enviadas por Satanás.
A prova é para nos santificar e a tentação é para nos derrubar.
 
Quanto mais temos fé nas promessas de DEUS , mais facilmente passaremos pelas provas e venceremos as tentações.
DEUS é absolutamente santo para ser tentado e ELE é absolutamente amoroso para tentar.
DEUS não muda. DEUS não pode mudar para pior porque ELE é santo. Ele não pode mudar para melhor porque ELE é perfeito.
 
Podemos transformar um desejo legítimo em um desejo pecaminoso.
Comer é normal – Glutonaria é pecado.
Dormir é normal – Preguiça é pecado.
Sexo no casamento é normal – Sexo fora do casamento é pecado.
 
Armadilha atrai – Anzol seduz
Ló atraído e Davi seduzido.
 
Genealogia do pecado – A cobiça é a mãe do pecado e a avó da morte.
 
Você não pode impedir que um pássaro voe sobre sua cabeça, mas você pode impedir que ele faça ninho em sua cabeça.
 
Mosca não pousa em fogão onde a chapa está quente (mantenha-se cheio do ESPÍRITO SANTO).
DEUS não muda. DEUS não pode mudar para pior porque ELE é santo. Ele não pode mudar para melhor porque ELE é perfeito.
 
PACIÊNCIA = PERSEVERANÇA
 
Tentação - Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. 1 João 2:16
 
"Não veio sobre vós tentação além do que é comum aos homens, e Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além do que vocês são capazes, mas com a tentação dará também o caminho de escape, de modo que se possa resistir a ela. "(1 Cor. 10:13).
Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados. Hebreus 2:18
 
"Então, quando o desejo, tendo concebido, dá à luz ao pecado, e quando o pecado é consumado, produz a morte”. (Tiago 1:15) Não há futuro no pecado. O pecado leva a pessoa à morte espiritual. Se resistirmos, o mal não se afastará de nós e, não estamos sozinhos, o Espírito de Deus vem para o resgate. "Portanto, se submeta a Deus. Resista ao diabo e ele fugirá de vós ” (Tiago 4:7).
 
Adão - Que ninguém culpe a Deus por suas circunstâncias ou pecados, como Adão fez. O primeiro homem jogou a culpa em Deus por seu pecado, dizendo: "A mulher que me deste me deu da árvore e eu comi." (Gênesis 3: 12).
 
Jó – sua esposa é exemplo de fidelidade, tanto na pobreza, como na tristeza de perder todos seus filhos, como na calamidade, como na doença.  – nunca deixou seu esposo e depois foi abençoada com outros filhos melhores.
E o Senhor virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o Senhor acrescentou, em dobro, a tudo quanto Jó antes possuía. Jó 42:10
Também teve sete filhos e três filhas melhores do que os primeiros.
 Jó 42:13
 
Abraão – provado e vitorioso – abençoado grandissimamente.
 
Ló – atraído pelo seu desejo, esqueceu até o respeito pelo seu tio.
 
José – Do Egito
Tentado pela esposa de Potifá – não cedeu e ganhou a recompensa por não ceder – se tornou governador do Egito.
E beijou a todos os seus irmãos, e chorou sobre eles; e depois seus irmãos falaram com ele. Gênesis 45:15
E José sustentou de pão a seu pai, seus irmãos e toda a casa de seu pai, segundo as suas famílias. Gênesis 47:12
 
Paulo
Mas Paulo respondeu: Que fazeis vós, chorando e magoando-me o coração? Porque eu estou pronto não só a ser ligado, mas ainda a morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus. Atos 21:13
Paulo provado e sendo achado fiel.
 
E farei passar esta terceira parte pelo fogo, e a purificarei, como se purifica a prata, e a provarei, como se prova o ouro. Ela invocará o meu nome, e eu a ouvirei; direi: É meu povo; e ela dirá: O Senhor é o meu Deus. Zacarias 13:9
E assentar-se-á como fundidor e purificador de prata; e purificará os filhos de Levi, e os refinará como ouro e como prata; então ao Senhor trarão oferta em justiça. Malaquias 3:3
 
PACIÊNCIA é o mesmo que PERSEVERANÇA
 
1.12 Aquele que permanece firme sob provações receberá a coroa da vida, que se refere não à vida no futuro, mas à vida aqui e agora, desfrutada com mais abundância e plenitude.
1.13 Tendo discutido a tentação na forma de provações externas (vs. 2-12), Tiago agora encara a tentação como uma sedução para o mal. Em muitos lugares as Escrituras revelam que, algumas vezes, Deus permite tentações como maneiras de testar (ver, por exemplo, Gn 22.1; Dt 8.2; 2 Cr 32.31), mas Tiago declara enfaticamente que a perfeita santidade de Deus o coloca além do alcance da tentação e que ele não leva ninguém a pecar.
1.14-15 Quando sua concupiscência interna deseja responder à sedução externa, o pecado é gerado. Tiago não menciona o papel de Satanás na tentação. Seu objetivo não é discutir a origem do pecado, mas explicar que a sedução ao mal não vem de Deus. Ao ressaltar a natureza interna da tentação, Tiago não deixa desculpas para os pecadores. Satanás é, na verdade, a fonte externa da tentação, mas ninguém pode culpá-lo pela raiz dos atos pecaminosos, que estão no interior de cada indivíduo. Ver Mc 7.1-23.
1.17 Deus não é responsável pelo pecado humano, ele é a fonte de todo o bem. Em contraste aos corpos celestes vagantes que ele criou, Deus é imutável. Ele sempre mantém suas promessas.
1.18 O maior dom que Deus nos deu foi a regeneração. Através do exercício de sua vontade, ele nos gerou para uma nova vida. Seu instrumento foi a palavra da verdade, que Paulo identifica como o "evangelho da salvação" (Ef 1.13). 0 propósito de Deus era apresentar os crentes como um tipo de primícias (a primeira parte da colheita era a garantia de que viria uma colheita ainda maior). Sendo assim, Tiago e os outros cristãos de sua geração eram um antegozo de uma grande multidão de crentes que estavam por vir. A frase das suas criaturas pode indicar que os crentes estão no primeiro estágio da redenção definitiva de toda a criação, que agora está sob a maldição divina desde o pecado original.
 
1:12 - O termo bem-aventurado (makarios) também é empregado nas bemaventuranças
e nos Salmos (e.g., Salmo 1). Seu oposto é a interjeição “ai”.
A idéia por trás do verbo suporta (hypomeno) é de grande importância no
Novo Testamento (Mateus 10:22; 24:13; Marcos 13:13; Romanos 12:12;
1 Coríntios 13:7; 2 Timóteo 2:12; etc., empregam esse verbo; Lucas 21:19; Romanos
2:7; 8:25: 2 Coríntios 6:4; Tessalonicenses 1:3; Apocalipse 3:10, e vinte e seis outras passagens empregam o substantivo dele derivado, hypomone). Uma questão crucial era que os crentes fossem ensinados a suportarprovações, pois de outra forma a igreja teria sido varrida em face da primeiracarga da perseguição. Era virtude valorizada em certos círculos judaicos (e.g.,Testamento de Jó e Testamento de José).
Paulo emprega a idéia de suportar a provação cinco vezes (cf. também 2 Timóteo 2:15). O adjetivo dokimos indica aprovação humana ou divina, sendo o que Paulo desejava para si mesmo no dia do julgamento. Paulo, à semelhança de Tiago, nunca presumiu possuir essa aprovação final antes de haver chegado lá (e.g., Filipenses 3:12-16).
A idéia de receber a coroa da vida no dia do julgamento final expressa-se em linguagem idêntica em Apocalipse 2:10 e, em linguagem semelhante (“a coroa de glória”), em 1 Pedro 5:4.
A promessa aos que o amam (cf. Tiago 2:5) em nenhum outro passo das
Escrituras está explicitamente enunciada, embora seu sentido genérico seja bastante
freqüente (Êxodo 20:5-6; 1 Coríntios 2:9; Efésios 6:24). Argumentam alguns que esse versículo cita um enunciado de Jesus não registrado, o que é possível, mas improvável.
1:13 Quando Tiago assevera e desmascara a mentira de Sou tentado por Deus, enfatizando que ele a ninguém tenta, está seguindo o judaísmo. Conquanto certas porções mais primitivas do Antigo Testamento declarem sem sombra de dúvida que “Deus prova” (e.g., Abraão em Gênesis 22:1 e Davi em 2 Samuel
24:1), depois do exílio o judaísmo passou a considerar essa idéia um tanto leviana.
Assim é que em 1 Crônicas 21:1 o diabo, e não Deus, é quem tenta Davi; em Jó, a prova é planejada e implementada por Satanás, embora Deus lhe dê permissão; e em Jubileu 17-19 é o diabo (Mastema) quem propicia e executa a provação de Abraão. Para Tiago, Deus é soberano, mas são outras forças que causam o mal. Uma das razões por que Tiago trata dessa questão pode derivar das expressões gregas da oração dominical: “Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos
do mal”. No grego o pedido ressoa como se Deus pudesse ser o agente da tentação, e como se o crente precisasse pedir livramento. Entretanto, a forma aramaica dessa oração (e as aplicações em Lucas 22:40) claramente demonstra que a intenção do Senhor foi esta: “Faze que não entremos em tentação (ou na prova)”, o que combina bem com “e livra-nos do maligno”. Deus é quem impede o diabo de
tentar o crente, e quem estabelece limites às tentações e às provações.
Deus não pode ser tentado pelo mal é retradução de “Deus é apeirastos. O problema é que apeirastos é palavra rara, que ocorre primeiramente em Tiago e praticamente em parte alguma da literatura grega. A tradução preferida neste comentário:
“Deus não deve ser posto à prova por homens iníquos” baseia-se no emprego dessa palavra pelos pais da igreja, pela forma da palavra e o ensino do Antigo Testamento, que proíbe colocar Deus sob teste. Veja também P. H. Davids, “The Meaning of Apeirastos”, NTS 24 (1978), p. 386-91.
Quanto à tradição sobre provas e tentações, em geral, veja B. Gerhardsson, “The
Testing of God’s Son” (A Provação do Filho de Deus).
 
A TENTAÇÃO
13 Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado (não devemos supor que a tentação ao pecado provém de Deus; isto nunca acontece!) porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta (Vontade Santa de Deus Onipotente resiste totalmente qualquer direção para o pecado):
14 Mas sim cada um é tentado, quando de sua própria concupiscência é atraído, e seduzido. (A tentação a pecar recorre a um defeito moral em nós, até nas melhores pessoas, porque ninguém é perfeito).
15 E a concupiscência, depois que concebe (refere-se à luxúria pecaminosa) , dá à luz o pecado (como dito, estas tentações não provêm de Deus, mas sim dos apetites da natureza pecaminosa do homem, o qual é resultado da Queda; a natureza pecaminosa pode ser mantida subjugada, e tem a intenção de ser mantida subjugada pelo Crente que alicerça sua Fé na Cruz de Cristo, o que então dará liberdade de ação ao Espírito Santo para ajudar) - e o pecado, sendo consumado, gera a morte. (Refere-se à morte espiritual, porque o pecado separa o homem de Deus.)
16 Meus amados Irmãos, não erreis. (Tiago diz aos Crentes, "não sejam enganados; o pecado é a ruína de tudo o que é bom.")
 
Provas
Segundo o dicionário Velásquez, um teste de longo prazo significa problema, decepção, desconforto. Tudo isso serve para nos desencorajar na jornada de Cristo com nossos irmãos. Quando passamos por algum problema, quando ficamos mortificados (preocupação extrema), é o momento em que não estamos confiando nas promessas do Senhor, mas preocupados em como resolver nossos problemas. Isso é exatamente o que Satanás quer que façamos. A escolha é nossa: permitimos ser dominados e controlados pelo infortúnio ou nos lembramos das palavras de Tiago e reagimos com alegria e louvor ao Senhor. Por que sofrer com o Senhor não é vergonha e sim a glória, o que devemos fazer com confiança, pois no final, "somos mais que vencedores." Eu sei que isso é difícil, mas devemos tentar fazer como a palavra diz:
Alegrem-se. Que cantemos hinos e louvores, que glorifiquemos a Deus. Considere o Senhor mais poderoso do que qualquer teste. Uma vez, um detento escreveu que passou seu aniversário louvando a Deus. Por que não posso dedicar mais louvor ao meu Deus que nunca me falhou? Isso poderia ser considerado como gesto de loucura ou, ao contrário, gesto de crescimento espiritual e confiança em Deus.
Uma vez estávamos com um grupo de adolescentes de uma igreja em Fort Worth, Texas, e alguns supervisores adultos estavam tentando obter permissão para entrarem no México pela fronteira em Nuevo Laredo. Nosso objetivo era ir para Saltillo e fazer uma campanha evangelística. Um dos jovens que nos acompanhavam era um cubano e eles não queriam dar a permissão para o mesmo, e com
razão, pois seu único documento era um passaporte expirado. Depois de esgotar todos os meios possíveis para nos darem a permissão, começamos a cantar louvores a Deus. Logo depois, o funcionário da alfândega me chamou e permitiu que nossos jovens passassem.
 
Provas Visíveis
Existem testes que não são vistos, mas são por vezes, mais difíceis do que outros. Tiago se refere a esses testes nos versos 2, 3 e 12, como doenças, dores, decepções, angústias e tristezas.
Consideremos as evidências dos leitores antigos das cartas de Tiago:
sobre a perseguição que muitos sofreram por parte dos líderes Judeus, o fato de terem de sair de suas casas apenas com as roupas do corpo e viverem em lugares improvisados e com estranhos (Tiago 1:1), ou seja, tiveram de se adaptar a uma vida de exílio. Isso foi um grande desafio à sua fé.
Esses testes têm sido comuns ao povo de Deus. Embora dolorosos, eles têm servido para a formação espiritual e crescimento na confiança em Deus. Esses desafios existem em nosso tempo e sempre vão existir. A cada dia, passamos por esses testes, por mudanças de valores no mundo, pela falta de segurança em nosso país, o resultado de desastres naturais que destroem nossos pertences e nos forçam a sair de nossos lares. Vemos isso em todas as partes do mundo e serve como prova para cada um de nós.
 
Aquelas pessoas que se apresentam diante de Deus e que ainda não passaram por provações, quando acontecerem, isto não deve ser visto como um castigo, mas sim como uma forma de testar o quão fortes ou fracas elas estão na fé.
 
Os antigos acreditavam que as provações eram castigo por algum pecado cometido pelos seus pais. Até certo ponto isso é correto. Uma pessoa que abusa de álcool ou drogas recebe como castigo de seu abuso sofrimento para si e seus familiares. Mas, em geral, a crise é para testar a nossa fé. Não que essas crises sejam ruins, porque o seu propósito é madurecermos, portanto não devemos nos lamentar por isso.
Por exemplo: Os ventos fortes e as chuvas em si não são maus.
Entretanto, resultam em destruição. Algumas casas são destruídas pelas tempestades, pois suas estruturas são fracas e, geralmente, são construídas próximo ao leito de algum rio onde sempre há indícios de inundação. Os testes não são ruins, mas há destruição. Lembram-se
da parábola de Cristo sobre o homem que construiu sua casa sobre a rocha e o outro que a construiu sobre areia? (Mt. 7: 24-27)
 
Alguém disse que, como resultado de inundação, perdeu tudo que havia construído nos últimos 25 anos. O irmão disse que agora estava reconstruindo suas casinhas que antes eram heranças, mas agora seriam construídas sobre rocha e não sobre a areia.
O cristianismo não é uma religião onde reina um otimismo superficial, em que se descuida das horríveis crises da vida. O cristianismo bíblico enfrenta os problemas diários e tenta olhar para ele de forma construtiva.
 
Provas Invisíveis
Tiago também foca a atenção nas tentações que levam o homem a cometer pecados. Não é o mesmo que as ansiedades normais que sucedem a vida diária. Têm sua natureza maligna e existem para causar transtorno ao cristão.
Evidentemente, é preciso reconhecer que essas provas ou tentações invisíveis têm origem satânica. Tiago mesmo disse: "Que ninguém diga quando é tentado, estou tentado por Deus, porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta” (1:13)
Apesar de sabermos que Deus testa o verdadeiro caráter do homem, submetendo-o a vários testes (Isso aconteceu com Abraão, Gn 22:1), não é verdade que Deus seduza a pessoa para que peque.
Que ninguém culpe a Deus por suas circunstâncias ou pecados, como Adão fez. O primeiro homem jogou a culpa em Deus por seu pecado, dizendo: "A mulher que me deste me deu da árvore e eu comi." (Gênesis 3: 12).
A verdade é que Deus e o mal estão eternamente em oposição. Deus e o pecado não podem coexistir. Deus não é tentado pelo mal e nem é responsável pelas nossas tentações para fazer o mal. Então, como isso
é possível? Se Deus pudesse ser tentado pelo mal, deixaria de ser santo, deixaria de ser Deus.
Por exemplo: Pode uma boa pessoa seguir sendo respeitada se soubermos que oferece drogas a crianças? Da mesma forma, como
podemos ver Deus tão bom e amável sendo portador de pecados e os oferecendo? É logicamente impossível que Deus possa seduzir alguém para o pecado. Isso não é de sua natureza. Deus e o mal são poderes
opostos.
Então, qual é a origem das tentações e das maldades? Tiago tem a resposta: “...Cada um é tentado quando é seduzido em sua própria
concupiscência.” (1:14) A culpa do pecado não é colocada em Deus, mas no homem que é levado por Satanás. Não gostamos de aceitar
essa responsabilidade. Muitos dizem que seus atos imorais e criminosos são devido à má sorte ou mesmo alegam ser a empresa ou
o ambiente. Mas isso é injusto. Pecamos porque nossa natureza é pecaminosa e Cristo não morreu em vão.
Suponhamos que uma mãe siga com seus peixinhos. Tudo está bem e todos parecem felizes. Mas um dos peixinhos vê um verme que deseja, embora a mãe lhes diga para seguirem em frente sem distrações, o
peixinho pensa: por que não fugir por um segundo e engolir o verme e depois retornar ao meu lugar na fila? Em seguida, o pequeno peixe é atraído pelo verme, que na realidade é a isca (um gancho) e o resultado é fatal.
Da mesma maneira, tudo está bem enquanto o homem segue a Deus em sua salvação, sem olhar para os lados. Mas, assim que vir algo
atraente e pronto no mundo que o faça desviar de seu caminho por um momento, será capturado. Não será a má sorte, as circunstâncias e muito menos Deus que o fará pecar. Tudo será resultado do que se passava em seu coração.
Como enfrentar as provas e as tentações
É necessário vivenciar os problemas resultantes das provas. Mas, apesar de tudo isso, precisamos depender da graça de Deus e suportar as provas com paciência e graça. As tentações deverão ser vividas com fé e obediência.
Como conseguir a vitória? Em primeiro lugar, devemos ser otimistas a cerca das crises, "alegria..." Alegramo-nos com a confiança
inspirada por esta promessa:
"Não veio sobre vós tentação além do que é comum aos homens, e Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além do que vocês são capazes, mas com a tentação dará também o caminho de escape, de modo que se possa resistir a ela. "(1 Cor. 10:13).
Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados. Hebreus 2:18
Uma atitude pessimista ou fatalista pode levar ao fracasso. Levante a cabeça e os olhos para o céu na confiança de que as promessas de
Deus não serão em vão. Deus sempre cumpre o prometido!
Em segundo lugar, ore. Necessita de uma resposta para a sua inquietação? Auxílio para tomar a decisão correta? Se sente confuso e
necessita de sabedoria e entendimento para raciocinar sobre as provações de maneira correta? Aqui está o que disse Tiago: "Mas
se algum de vós tem falta de sabedoria, peça a Deus, que a todos dá liberalmente e não censura, e assim lhe será dado" (1:5).
Quando oramos, devemos fazê-lo com a confiança de que receberemos uma resposta. Crer que Deus pode nos auxiliar na carga
e nos manter no caminho certo. Outra vez, em Tiago, a palavra correta:
"Mas peça com fé, sem duvidar, pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento, partindo de um lado para o outro. Não pense que você receberá do Senhor alguma coisa, sendo um homem de coração duvidoso, inconstante em todos os seus caminhos." (1:6-8)
Em terceiro lugar, devemos resistir às tentações de cometer pecados, recordando o resultado do pecado: "Então, quando o desejo, tendo concebido, dá à luz ao pecado, e quando o pecado é consumado, produz a morte”. (Tiago 1:15) Não há futuro no pecado. O pecado leva a pessoa à morte espiritual. Se resistirmos, o mal não se afastará de nós e, não estamos sozinhos, o Espírito de Deus vem para o resgate. "Portanto, se submeta a Deus. Resista ao diabo e ele fugirá de vós ” (Tiago 4:7).
 
A recompensa dos que alcançam a vitória
Podemos nos convencer de que o maior incentivo que podemos ter para enfrentar as provações e tentações é a bênção da recompensa prometida para quem resistir e vencer. Primeiro há a maturidade espiritual. Tiago nos garante que: "Sabendo que a prova da vossa fé opera na paciência, e a paciência tem sua obra perfeita, para que sejam completos, não tendo falta em coisa alguma” (1:3-4).
Você não pode crescer espiritualmente do dia para a noite. Nós, batizados, amadurecemos na fé vivendo o dia a dia. O crescimento
vem gradualmente para "testar a nossa fé." Então, precisamos ter muita paciência.
Em segundo lugar, as pessoas que resistem às provações e tentações, receberão a coroa da vida que o Senhor prometeu aos que o amam
(Tiago 1:12). A vida que Tiago menciona é totalmente oposta à morte que segue o pecado. Esta é a vida eterna na presença de Deus e os
esplendores do céu. Então, todos nós podemos participar quando o apóstolo Paulo disse: "Eu considero que as aflições deste tempo presente não são comparáveis à glória que será revelada" (Rm 8:18).
Conclusão
Todos têm problemas e passam por provações. Mas, se olharmos, à luz deste estudo, veremos os problemas de forma diferente. Os testes não podem mais destruir a nossa fé, mas nos tornar mais fortes e nos aproximar de Deus.
Qual é a essência da vida cristã? Não é um breve momento de entusiasmo religioso que move uma pessoa para fora deste mundo,
deixando-a alheia a tudo. É o desenvolvimento de uma fé obediente, realista e prática, cuja única alternativa é tomar sua cruz e seguir a Cristo, diariamente. É também glorificamos na graça de Deus, que se manifesta a cada hora, e de problema em problema na vida diária.
  
Provas são testes enviados por DEUS, e tentações são armadilhas enviadas por Satanás.
 
DEUS é absolutamente santo para ser tentado e ELE é absolutamente amoroso para tentar.
A prova é para nos santificar e a tentação é para nos derrubar.
 
O sofrimento por CRISTO nos dá a oportunidade de mostrarmos a nossa fé e amor por Ele - O problema é: Você está sofrendo por CRISTO?, Por causa do evangelho?, Está sendo perseguido por causa de sua postura cristã diante dessa sociedade corrompida e maligna?
Existe o sofrer por CRISTO e o sofrer por causa de más escolhas nossas, existe o sofrer por enfermidades ocasionadas por causa da pregação do evangelho e enfermidades adquiridas por causa de má alimentação ou de noites na TV ou na internet. Qual é o seu sofrer? Qual é o sua tentação? Qual é a sua provação?
 
Perguntas para meditação e revisão:
1.O que vem à mente quando você pensa na palavra "tentação"?
2. Como as pessoas costumam reagir aos seus problemas?
3. Qual o propósito dos testes?
4. Quando Deus permitiu que José fosse para o Egito e passasse por duras provas, ele queria destruir ou desenvolver sua fé?
5. Há recompensa para aqueles que sobrevivem ao teste? Qual?
 
COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO - Vários livros
REVISTA ENSINADOR
"Não nos deixes cair em tentação." Foi a oração de JESUS ensinada aos discípulos. No tempo da provação, angústia, tristeza e sofrimento são realidades presentes na vida do discípulo de CRISTO. Infelizmente, e em nome de uma teologia, muitos desejam descartar da vida esta realidade humana e não dá ao seguidor do caminho o direito de sofrer. Não é isto que a Palavra de DEUS nos ensina! Pelo contrário, o sofrimento por CRISTO nos dá a oportunidade de mostrarmos a nossa fé e amor por Ele, como os mártires que não retrocederam na convicção do Evangelho.
A lição desta semana tem um penoso objetivo: o de resgatar a doutrina bíblica do sofrimento por CRISTO. Esta, por vezes, tem sido esquecida pela Igreja Evangélica. Quando falamos de sofrimento, algumas pessoas nos perguntam: "Mas por que o crente deveria sofrer?"; "Devemos ensinar a teologia da miséria?" etc. Tais perguntas são descabidas, pois não escolhemos sofrer por JESUS, é Este quem nos escolhe. Por consequência, ao vivermos para CRISTO precisamos estar dispostos a também sofrermos por Ele. Note as palavras do Meigo Nazareno: "E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida a salvará. Porque que aproveita ao homem granjear o mundo todo, perdendo-se ou prejudicando-se a si mesmo?" (Lc 9.23-25).
As expressões "negue-se a si mesmo", "tome cada dia a sua cruz" e "siga-me" significam o convite para peregrinarmos o caminho da execução do nosso eu. Este é o caminho da Cruz de CRISTO! Há, porventura, coisa mais difícil do que negar a nós mesmos? Esmagar a nossa vontade para fazer a do outro? A expressão "cada dia" revela-nos que o caminho da cruz deve ser feito por nós, diariamente, crucificando assim o "eu". O teólogo French L. Arrington amplia este conceito: "Tomar a cruz significa uma resolução diária em negar a si mesmo por causa do Evangelho. [...] Não é questão momentânea, mas um modo de vida. Os cristãos nunca devem deixar de carregar a cruz" (Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento, CPAD, p.374).
O Evangelho não deixa outra escolha: o nosso caminho é o do sofrimento por CRISTO. O ensino de Tiago sobre o sofrimento está em pleno acordo com o Evangelho de CRISTO.
 
PARTES DO COMENTÁRIO DO LIVRO DO TRIMESTRE:
O propósito da tentação
Por estar escrevendo “às doze tribos que andam dispersas” (Tg 1.1), isto é, provavelmente aos cristãos judeus que se encontravam espalhados entre as nações devido à primeira onda de perseguição ao Cristianismo no início da Igreja Primitiva (At 8.1; 11.19) - provação.
Entenderem corretamente o propósito das aflições pelas quais estavam passando bem como o posicionamento que deveriam ter diante dessas terríveis intempéries.
Declara Tiago: “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações” (Tg 1.2). Só esse versículo já seria suficiente para jogar por terra, por exemplo, todos os pressupostos da Teologia da Prosperidade e da Confissão Positiva.
Peirasmos significa literalmente “prova”, “provação” ou “teste” ou “tentações” - as traduções estão corretas, uma vez que Peirasmos é utilizado nessa passagem em alusão às aflições decorrentes de perseguições sofridas pelos crentes por causa da sua fé (Tg 1.3) e tais adversidades são também tentações, porque elas testam a fidelidade dos cristãos a seu Senhor.
Aquele que ama e serve ao Senhor, passa, sim, por dificuldades. Por causa da sua fé, estão passando por “várias provações” - No mundo teremos aflições (Jo 16.33) - Salmos 34.19 - o “justo” sofre “muitas aflições”.
Tiago deixa claro que devemos reagir a elas com alegria e não com desolação. Qualquer pessoa que reage com desânimo completo diante das provações está se rendendo a elas e, portanto, já está derrotado; logo, se queremos vencê-las, temos que enfrentá-las com disposição de ânimo, não com abatimento de alma.
Sim, os cristãos podem ter “grande alegria” em meio às aflições. O propósito das provações leva o crente a ver as suas adversidades como oportunidades para seu crescimento, amadurecimento e fortalecimento espirituais.
Tiago diz que o cristão tem “grande gozo” quando se vê mergulhado em “várias provações” porque ele sabe (“sabendo”, v.3) “que a prova da vossa fé produz a paciência” (v.3). O resultado da provação é a paciência ou a perseverança. São nas provações que aprendemos a perseverança, que é a capacidade de mantermo-nos firmes mesmo quando tudo está dando errado, mesmo quando tudo parece estar conspirando contra nós. Não se engane: ninguém aprende a perseverar, ninguém cresce e amadurece na fé, sem passar por provações. São as provações que aperfeiçoam a fé e o caráter cristãos.
Como assevera o apóstolo Pedro: “agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações [Peirasmos], para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória na revelação de JESUS CRISTO” (1 Pe 1.6,7).
 
A IMPORTÂNCIA DE NÃO ESMORECER NAS PROVAÇÕES E DA SABEDORIA PARA O COMPLETO CRESCIMENTO ESPIRITUAL
“Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma”. “A obra da perseverança deve ser completada em suas vidas para que vocês sejam realmente aperfeiçoados, maduros, fortalecidos na fé”. Isto é, não basta entender o propósito das provações; é preciso enfrentar até o fim esse processo, não parar no meio do caminho, para finalmente se chegar ao resultado desejado.
Eles devem também, caso sintam necessidade, pedir sabedoria a DEUS. Se “a paciência” tiver “a sua obra completa” em suas vidas e, mesmo assim, eles sentirem que ainda lhes falta alguma coisa, que não têm ainda toda a sabedoria almejada, devem, então, pedi-la a DEUS: “E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a DEUS, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada” (v.5).
O apóstolo Tiago está afirmando nesses versículos é, em síntese, que o cristão deve aceitar as ordens da providência divina com gratidão.
 
A ORIGEM DAS TENTAÇÕES
Ele declara que elas não provêm de DEUS (v. 13) e também não faz nenhuma referência a elas procederem diretamente do Diabo ou do mundo. O apóstolo assevera que a tentação tem a sua origem, na verdade, no próprio ser humano, em sua natureza pecaminosa (w. 14,15). Ou seja, o mundo e o Diabo são apenas agentes indutores externos da tentação - “cada um é tentado quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência” (v. 14) - É importante frisar ainda que ser tentado não é pecado; pecado é ceder à tentação.
O prêmio eterno para quem sofre e vence as tentações
O prêmio eterno do cristão que sofre e vence as provações já está garantido: “Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que O amam” (Tg 1.12). Aleluia! Está é a razão pela qual o cristão pode transformar suas provações em grandes alegrias: ele sabe que maior é o galardão daquele que, mesmo sendo muito provado, permanece firme em sua fé.
“... se fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a DEUS. Porque para isto sois chamados, pois também CRISTO padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas” (I Pe 2.20,21).
Severino Pedro Da Silva. Epistola aos Hebreus coisas novas e grandes que DEUS preparou para você. Editora CPAD. pag. 86-87.
 
Hb 5.8 A obediência que aprendeu (5.8). Por aquilo que padeceu Ele aprendeu a obediência. No entanto, nosso Senhor nunca havia sido desobediente, nem teve nenhum tipo de inclinação para isso. Como então poderia aprender obediência? Somente no sentido de que a obediência que causa tremenda angústia assume uma nova dimensão. Em relação a JESUS, o amor pelo Pai era tamanho que a obediência sempre tinha sido um prazer. Nunca houve qualquer hesitação ou o sentimento de um preço doloroso. Mas aqui se exigia uma obediência num aspecto que tocava o próprio relacionamento do Pai com o Filho, uma exigência que na sua essência não podia ser um prazer, mas um castigo. Quando a obediência é fácil precisa estar sob suspeita. Talvez não passe de um egoísmo disfarçado ou simplesmente uma política de conveniência. Mas quando a obediência custa um coração quebrantado é porque a lição foi aprendida e a sua genuinidade autenticada.
O nosso Senhor teve de aprender este aspecto pela experiência pessoal, bebendo o copo até a última gota, ainda que era Filho. Se o Filho quisesse tornar-se o sumo sacerdote salvador, adequado para todas as necessidades dos homens, precisava ir até o fim e ser aprovado em todos os sentidos. Somente um sumo sacerdote completamente submisso a DEUS poderia representar DEUS perante o homem e o homem perante DEUS. A dignidade da pessoa de CRISTO como Filho não poderia isentá-lo da humilhação do sofrimento, se ele fosse cumprir seu chamado como servo sofredor de DEUS (Is 53). A perfeição da obediência e a extremidade do sofrimento implicada neste versículo tenderia a apoiar a exposição do versículo 7 de que sua oração não foi “ouvida” no sentido de que ele não foi isentado de tomar o “copo”.
Gramaticalmente, tudo até aqui nos versículos 7,8 está subordinado ao sujeito principal e ao predicado aprendeu a obediência. O sentido, portanto, é que, apesar do “grande clamor e lágrimas” do nosso Senhor, e apesar do fato de que o Pai os viu e ouviu, e apesar do fato de JESUS ser o Filho, era necessário que sofresse para aprender pela experiência a plena inteireza da obediência.
Richard S. Taylor. Comentário Bíblico Beacon. Hebreus. Editora CPAD. Vol. 10. pag. 53-54.
 
Mt 5.10 Os que sofrem perseguições por causa da justiça são bem-aventurados. Este é o maior paradoxo de todos, e é peculiar ao cristianismo. Consequentemente, é deixado para o final, e é mais reforçado do que qualquer um dos outros (w. 10-12). Esta bem-aventurança, como o sonho de Faraó, é dupla, porque é dificilmente reconhecida, e ainda assim, ela é garantida; e na última parte, há a mudança do sujeito: “Bem-aventurados sois vós”, meus discípulos e seguidores. Em outras palavras: “E com isto que vocês, que têm virtudes abundantes, devem estar mais imediatamente preocupados; pois vocês devem contar com as dificuldades e os problemas, mais do que outros homens”. Observe aqui:
1. A descrição do caso dos santos sofredores; este é um caso difícil, que desperta a compaixão. (1) Eles são perseguidos, caçados, e capturados, como os animais nocivos, que são procurados para serem destruídos; como se um cristão tivesse uma cabeça de lobo, como um malfeitor - qualquer pessoa que o encontre pode matá-lo. Eles são abandonados como os dejetos de todas as coisas; multados, aprisionados, expulsos, privados de suas propriedades, excluídos de todos os lugares de confiança e que podem trazer lucro, espancados, atormentados, torturados, sempre entregues à morte e considerados como ovelhas para o matadouro. Este tem sido o efeito da inimizade da semente da serpente contra a semente sagrada, desde os tempos do justo Abel. Era assim na época do Antigo Testamento, como vemos em Hebreus 11.35ss. CRISTO nos disse que seria assim também com a igreja cristã, e não devemos pensar que isto é estranho (1 Jo 3.13).
Ele nos deixou um exemplo.
(2) Eles são injuriados, e têm todos os tipos de maldades falsamente ditas contra si. Apelidos e palavras de acusação se ligam a eles, sobre pessoas, em particular, e sobre a geração dos justos, de maneira geral, para fazê-los odiados; algumas vezes, para fazê-los formidáveis, para que possam ser atacados poderosamente; diz-se contra eles coisas que não sabiam (SI 35.11; Jr 20.18; At 17.6,7). Aqueles que não tinham poder em suas mãos para causar algum outro prejuízo, ainda podiam fazer isto. E aqueles que tinham poder para persegui-los, também achavam necessário fazê-lo para se justificarem da forma bárbara como os tratavam. Eles não podiam tê-los importunado, se não os tivessem vestido em peles de lobos; nem teriam lhes dado o pior dos tratamentos, se não os tivessem representado, primeiramente, como os piores dentre os homens. Eles serão injuriados e perseguidos. Observe que injuriar os santos é persegui-los, e isto será descoberto em breve, quando as palavras duras forem computadas (Jd 15), como também os cruéis escárnios (Hb 11.36). Eles dirão todo tipo de maldade contra vocês, com falsidade; algumas vezes, diante do trono do julgamento, como testemunhas; algumas vezes, no assento do escarnecedor, com zombarias hipócritas nas festas; eles são a canção dos bêbados. Algumas vezes diretos, como Simei amaldiçoou Davi; algumas vezes, pelas costas, como fizeram os inimigos de Jeremias. Observe que não há maldade tão negra e horrível que, em uma ocasião ou em outra, não tenha sido dita, em falsidade, sobre os discípulos e seguidores de CRISTO. (3) “Por causa da justiça” (v. 10); “por minha causa” (v. 11). Por causa da justiça, portanto por causa de CRISTO, pois Ele está muito interessado na obra da justiça. Os inimigos da justiça são inimigos de CRISTO; Isto exclui da bem-aventurança aqueles que sofrem justamente, e têm maldades ditas com verdade pelos seus crimes reais; que eles se envergonhem e se confundam, isto é parte da sua punição. Não é o sofrimento que faz o mártir, mas a causa. Os mártires são aqueles que sofrem por causa da justiça, que sofrem por não pecarem contra suas próprias consciências, e que sofrem por fazer o que é bom. Qualquer que seja a desculpa que os perseguidores tenham, é no poder da santidade que eles têm um inimigo; é realmente CRISTO e a sua justiça que são difamados, odiados e perseguidos. “As afrontas dos que te afrontam caíram sobre mim” (SI 69.9; Rm 8.36).
 
2. O consolo dos santos sofredores é apresentado.
(1) Eles são “bem-aventurados”; pois agora, na sua vida, recebem males (Lc 16,25), e os recebem em grande medida. Eles são bem-aventurados, pois é uma honra para eles (At 5.41); é uma oportunidade de glorificar a CRISTO, de fazer o bem e de sentir consolo especial e visitas de graça e sinais da presença do Senhor (2 Co 1.5; Dn 3.25; Rm 8.29).
(2) Eles serão recompensados; “deles é o reino dos céus”. Na atualidade, eles têm direito a ele, e têm doces antecipações dele; e em breve tomarão posse dele. Embora não haja nada nestes sofrimentos que possa, a rigor, ser digno de DEUS (pois os pecados do melhor merecem o pior), ainda assim o reino dos céus é aqui prometido como recompensa (v. 12). “Grande é o vosso galardão nos céus” . Tão grande, a ponto de transcender o serviço. Está no céu, no futuro e fora do alcance da vista; mas está bem guardado, fora do alcance do acaso, da fraude, e da violência. Observe DEUS irá cuidar daqueles que perdem por Ele, ainda que seja a própria vida, para que não o percam no final. O céu, no final, será uma recompensa abundante por todas as dificuldades que enfrentamos no nosso caminho. Isto é o que tem sustentado os santos sofredores de todas as épocas, esta alegria que está diante deles.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 47-48.
 
I – O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS TENTAÇÕES (Tg 1.2, 12).
1. O que é tentação.
I. Definição
1. Massah, "teste". "provação". Palavra hebraica usada por cinco vezes. Deu. 4:34; 7:19; 29:3;, SaL 95:8; Jó 9:23.
2. Peirasmôs, "teste", "prova". Palavra grega usada por vinte vezes: Mal. 6:13; 26:41; Mar. 14:38; Luc. 4:13; 8:13; 11:4; 22:28,40,46; Atos 20:19; 1 Cor. 10:13; Gál. 4:14; 1 Tim. 6:9; Heb. 18; Tia. 1:2,12; 1 Ped. 1:6; 11 Ped. 2:9 e Apo.3:10.
3. Peirázo, ''testar'', "submeter à prova". Vocábulo grego que ocorre por trinta e seis vezes: Mal. 4:1,3; 16:1; 19:3; 22:18,35; Mar. 1:13; 8:11; 10:2; 12:15; Luc. 4:2; 11:16; João 6:6; 8:6; Atos 5:9; 9:26; 15:10; 16:7; 24:6; 1 Cor. 7:5; 10:9,13; 11 Cor. 115; GáI. 6:1; 1 Tes. 3:5; Heb. 2:18; 3:9 (citando Sal. 95:9); 4:15; 11:17,37; Tia. 1:13,14; Apo. 12,10; 3:10.
No original grego, tentação é "peirasmos", que significa "teste", "provação", "tentação para a prática do mal".
CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 6. Editora Hagnos. pag. 350-351.
 
TENTAR, TENTAÇÃO Os termos heb. e gr. para "tentar" (heb. massa, gr. peirazo, ekpei-razo) e "tentação" (heb. nasa, gr. peirasmos) podem, às vezes, ter o significado de "induzir ao pecado", que tão fortemente colore nossas palavras em português "tentar" e "tentação". Mas seu principal e predominante significado é o de "testar o valor e o caráter de homens" e, às vezes, os de DEUS. Nesse sentido, os cristãos devem se examinar para se certificarem de que suas palavras e ações evidenciam que eles são crentes genuínos (2 Co 13.5; cf. 2 Pe 1.10).
Semelhantemente, DEUS testa, no AT, a veracidade da confiança que seu povo tem nele, como no caso de Abraão (Gn 22.1), Israel (Êx 15.25; 16.4), a tribo de Levi (Dt 33.8), Ezequias (2 Cr 32.31) e o salmista (SI 26.2). O NT diz que DEUS (ou CRISTO) provou a fé de Filipe (Jo 6.6) e de Abraão (Hb 11.17; cf. Gn 22.1).
Na sua providência, DEUS usa os eventos da vida cotidiana para testar a professada fé e o caráter dos cristãos. O teste pode resultar em severos tormentos, tanto físicos quanto espirituais (Hb 11.37; 1 Pe 4.12). DEUS usou severos fenómenos naturais (Êx 20.18-20), as dificuldades das peregrinações pelo deserto (Dt 8.2), e a opressão das tribos cananéi-as para testar Israel (Jz 2.21,22). Aos cristãos não é prometida a ausência de provas, mas a força necessária para suportá-las (1 Co 10.13; 2 Pe 2.9; cf. 1 Pe 4.1,12-16). O próprio CRISTO, ao se tornar humano, passou por toda sorte de testes mentais e físicos (Hb 2.18; 4.15).
Crê-se que até mesmo coisas são testadas ou provadas, como por exemplo uma espada (1 Sm 17.38), uma reputação (1 Rs 10.1; 2 Cr 9.1) e convicções (Dn 1.12,14). Tanto a palavra heb. quanto a gr., às vezes, têm o significado de tentar fazer algo. Em uma pergunta retórica, DEUS questiona: "...ou se um deus intentou ir tomar para si um povo..." (Dt 4.34). Os homens tentam se comunicar (Jó 4.2) ou se juntar a outros (At 9.26). Os termos gregos e hebraicos traduzidos como "tentar" e "tentação" também aparecem no mau sentido de "induzir ao pecado". O Diabo é acusado de ser o instigador de tais provas (Mt 4.3; 1 Ts 3.5,6). Até mesmo na vida dos cristãos ele exerce grande pressão para o pecado
(1 Co 7.5; 1 Ts 3.5; Ap 2.10). Sucumbir a tais tentações pode demonstrar que a profissão do cristão não é sincera (Lc 8.13). A tentação para pecar frequentemente se origina de pensamentos malignos e da concupiscência (Tg 1.14); provocações às quais um forte desejo por riquezas bem pode se juntar (1 Tm 6.9). Contudo, a tentação para pecar nunca vem de DEUS (Tg 1.13). O cristão deve orar por libertação de todas essas tentações (Mt 6.13; Lc 11.4). A tentação, no mau sentido, também pode tomar a forma de testar o outro na esperança de expor seus pontos fracos, e usá-los contra a própria pessoa. Os inimigos de CRISTO frequentemente tentaram empregar essa tática contra Ele (cf. Mt 16.1; 19.3; 22.35; Lc 20.23).
Algumas vezes a Bíblia fala de homens testando ou tentando a DEUS. Por exemplo, Israel tentou a DEUS no deserto (Êx 17.2,7; Nm 14.22; SI 95.8,9; 1 Co 10.9), e os fariseus e saduceus tentaram a JESUS (Mt 16.1; Mc 8.11; 10.2). Além disso, os cristãos professos podem tentar a DEUS. Ananias e Safira o fizeram ao mentir (At 5.9). Cristãos judeus o fizeram, trazendo empecilhos aos crentes gentios (At 15.10). Paulo advertiu os coríntios a respeito da incredulidade, da idolatria, do modo de vida ímpio, da atitude de tentar a CRISTO e da murmuração (1 Co 10.7-10; cf. Nm 21.4-9).
Quando confrontado pelas tentações, o cristão tira o encorajamento necessário do conhecimento de que ele não os enfrenta sozinho. DEUS já removeu o crente do domínio de Satanás e o colocou em seu próprio reino e família (Cl 1.12,13). As tentações que Satanás traz estão sempre dentro dos limites permitidos por DEUS (Jó 1.8-12; 2.3-6). Além disso, o cristão tem o exemplo da vitória de CRISTO sobre o pecado (Hb 4.15) e a promessa da sua ajuda (Hb 2.18). Mesmo quando o cristão sucumbe à tentação e ao pecado, ele ainda tem a promessa de perdão disponível através da contínua, eficaz e redentora graça de CRISTO (Hb 4.14-16; 1 Jo 2.1).
A recompensa dos cristãos por sua fiel resistência a todos os tipos de tentação é a coroa de vida (Ap 2.10).
Os exemplos mais conhecidos de tentação nas Escrituras são a indução de Adão e Eva ao pecado no jardim do Éden por Satanás (Gn 3.1-7; 1 Tm 2.13,14) e a tentação de CRISTO no deserto (Mt 4.1-11; Mc 1.12,13; Lc 4.1-13).
Comparando-se essas tentações, nota-se que Eva (em comum acordo com Adão) sucumbiu à tentação por dar atenção excessiva aos desejos físicos (por exemplo, a comida) e às posses materiais dessa vida (o belo fruto que ela desejava), e por se entregar a um orgulho precipitado (supunha-se que o fruto traria sabedoria). Se por um lado CRISTO, o segundo Adão (Rm 5.12-21; 1 Co 15.22) sentiu todo o peso do teste, por outro Ele superou completamente a tentação em cada uma dessas áreas (por exemplo, a tentação de transformar pedras em pães; de desejar obter para si os reinos do mundo; e, com um orgulho presunçoso, se atirar do Templo). Por ter experimentado e triunfado sobre essas e outras tentações, o Senhor JESUS CRISTO é capaz de se compadecer e ajudar seu povo nas tentações que enfrenta.
PFEIFFER .Charles F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 1908-1909.
 
Hb 4.14 JESUS é um grande Sumo Sacerdote, melhor que todos os sumos sacerdotes de Israel. Aqui estão as razões:
• Os sumos sacerdotes eram humanos e pecadores. JESUS intercede a DEUS pelas pessoas como o Filho de DEUS, que não tem pecado, o qual é, ao mesmo tempo, humano e divino.
Hb 4.15 Pelo fato de JESUS, o nosso Sumo Sacerdote, ter-se tornado como nós. Ele experimentou a vida humana de uma forma completa. Ele cansou-se, teve fome, e enfrentou as limitações humanas normais. Dessa forma.
JESUS entende as nossas fraquezas. Não apenas isso, mas Ele também em tudo foi tentado, mas sem pecado. JESUS, em sua humanidade, sentiu a luta e a realidade da tentação. O texto em Mateus 4.1-11 descreve uma série específica de tentações do Diabo, mas JESUS provavelmente enfrentou tentações ao longo de toda a sua vida terrena, assim como nós as enfrentamos (veja 1 Jo 2.16).
Hb 4.16 “Graça” significa favor imerecido. A nossa capacidade de nos aproximarmos de DEUS não vem de nenhum mérito próprio que tenhamos, mas depende inteiramente dele. DEUS promete ajudar-nos no momento certo — no tempo dele. Isto não significa que DEUS promete resolver todas as necessidades no exato momento em que o buscarmos. Tampouco significa que DEUS apagará as consequências naturais de qualquer pecado que foi cometido. Significa, porém, que DEUS ouve, cuida, e responderá do seu modo perfeito, em seu tempo perfeito.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol 2. pag. 599-600.
 
Hb 4.15 Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.
No versículo 18 do capítulo 2 desta epístola está escrito: “Porque, naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados”. Aprendemos destes textos e de outros similares das Escrituras que a tentação em si mesma não é pecado. Ela pode induzir alguém ao pecado, se houver espaço e lugar para tal procedimento. Quando JESUS esteve aqui entre os homens, Ele “em tudo foi tentado”, isto é, Ele passou a ser alvo das “mesmas paixões que nós”. Contudo, Ele nunca cedeu a uma só dessas paixões, nem por pensamento e nem por atos, por cuja razão o escritor sagrado conclui dizendo: "... [Ele] em tudo foi tentado, mas sem pecado”. A tentação sempre visa destruir a fé daquele que se encontra em paz com DEUS. Ela vem à pessoa humana por várias vias de acesso que conduzem ao coração, sendo a “concupiscência” o veículo transmissor da sedução, que vem em primeiro lugar, e quando cedida pode conduzir à morte (cf. Tg 1.14,15).
Severino Pedro Da Silva. Epistola aos Hebreus coisas novas e grandes que DEUS preparou para você. Editora CPAD. pag. 78.
 
Mas sem pecado. Embora seja perfeitamente verdadeiro que JESUS não enfrentou a tentação com a desvantagem do pecado original, esta não é a ideia aqui. O que o autor de Hebreus ressalta neste texto é que JESUS não cedeu uma única vez à tentação. Ele foi perfeitamente triunfante. Se não fosse tentado como nós, não poderia compreender os nossos sentimentos em nossas muitas tentações; por outro lado, se não tivesse sido perfeitamente vitorioso, não poderia ajudar-nos, mas necessitaria Ele próprio de ajuda.
Richard S. Taylor. Comentário Bíblico Beacon. Hebreus. Editora CPAD. Vol. 10. pag. 48-49.
 
«...DEUS é fiel...» E isso pelas razões expostas em seguida —ele exerce controle sobre todas as tentações que sobrevêm ao crente em sua vida, ele permite somente aquelas tentações que podem ser toleradas, sem importar se essas assumem a forma de testes, de sofrimentos, de perseguições ou de incitações para a prática do mal. Além disso, DEUS provê sempre um meio de escape, quando somos assediados pelas tentações, desviando aquelas outras que, de modo algum, poderíamos suportar. Sim, DEUS é «...fiel...» no sentido de «digno de confiança», como alguém em quem se pode confiar, no que diz respeito a essa questão das tentações.
Por Que Ê Importante Resistir a Tentação?
1. A tentação, se não for dominada, destrói a fibra moral.
2. Há uma bem-aventurança especial pronunciada em prol daqueles que resistirem às tentações, a saber, a «coroa da vida», e isso por promessa de DEUS (ver Tia. 1:12).
3. Isso significa que a santificação conduz à glória, o que é um tema ensinado em vários lugares do N.T. (Ver Mat. 5:48 e II Tes. 2:13).
4. Os testes, por si mesmos, podem ser forças que nos ajudem em nosso desenvolvimento espiritual; isso é explicado abundantemente em Atos 14:22.
«Bem-aventurado o homem que suporta com perseverança a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam» (Tia. 1:12).
«...juntamente com a tentação...» No original grego temos «...o livramento...», com o artigo definido, o que certamente indica «o meio de escape». Mui provavelmente isso quer dizer que no caso de cada tentação, manifestar-se-á alguma maneira pela qual podemos escapar ao mal, algum meio que nos capacite a suportar a dor e a tristeza.
«É uma demonstração de covardia cedermos à tentação, bem como um voto de desconfiança a DEUS». (Robertson, in loc.).
A parte seguinte do presente versículo deixa entendido que o «escape» só aparece através da resistência e da persistência do crente.
«...de sorte que a possais suportar...» Notemos que não nos é dado o «escape» por meio da ausência de toda a tentação; nem nos é outorgado o «escape» porque logo somos livres da tribulação. Antes, esse «escape» nos é proporcionado ‘porque’ temos podido resistir e chegar ao triunfo. Somente essa forma de escape e de disciplina é que pode produzir qualquer crescimento cristão substancial.
«Com frequência, o único ‘escape’ se verifica através da ‘resistência’. Ver Tia. 1:12». (Vincent, in loc.).
«Veja uma porta aberta para sua saída; e o homem continuará lutando, levando a sua carga. A palavra grega ‘ekbasis’ (escape) significa ‘saída’, escape para longe da luta. Logo em seguida aparece ‘upenegkein’ (sustentar debaixo de algo), em que esta última ação é possibilitada pela esperança relativa àquela primeira. Quão diferente é tudo isso da consolação estoica dos suicidas: ‘A porta continua aberta’! No caso desta epístola aos Coríntios, a ideia de ‘tentação’ deve incluir tanto as atrações em direção à idolatria como as perseguições que o abandono da idolatria envolve». (Findlay, in loc.).
«Neste versículo encontramos talvez a exposição mais pratica, e, portanto, mais clara, que se pode achar acerca da doutrina do livre-arbítrio humano, em relação ao poder governador de DEUS. DEUS abre a estrada, mas o próprio homem deve ‘caminhar’ por ela. DEUS controla as circunstâncias; mas o homem se utiliza delas. É nesse ponto que jaz a sua responsabilidade como homem». (John Short, in loc).
«.. .A providencia de DEUS abre um caminho em meio a teia. DEUS sempre abre uma brecha nessa fortaleza doutra maneira inexpugnável. No caso de alguma alma reta entrar em dificuldades e apertos, podemos descansar certos de que haverá um ‘meio de escape’, tal como houve uma ‘entrada’; e também que o teste jamais ultrapassará as forças que DEUS dá a cada qual, para que possa suportar à prova». (Adam Clarke, in loc.).
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 4. pag. 154-155.
 
2. Fortalecimento após a tentação (v.2).
Tg 1.2 “Por várias provações”: momentos altos e baixos, a aflição na vida pessoal e na vida dos semelhantes, as dificuldades econômicas e profissionais, aflições específicas que atingem os cristãos: as pessoas em torno deles os ridicularizam, deixam de lado, observam com a finalidade de poder criticar. Naquele tempo os judeus, com os quais, afinal, tinham tanto em comum, hostilizavam os cristãos.
“Entrardes”: entra-se em tais provações como em uma tempestade repentina.
É verdade que a Bíblia nos diz que não precisamos ocultar quando também estamos tristes em diversos tormentos (1Pe 1.6). Sim, ela nos diz que o próprio JESUS esteve triste quando atribulado (Mt 26.38; Hb 5.7). Mas Tiago escreve: a rigor, deveis e podeis vos alegrar com vossas tribulações.
Fritz Grünzweig. Comentário Esperança Carta De Tiago. Editora Evangélica Esperança.
 
Tg 1.2 Como pode alguém ter grande gozo ao passar por tentações ou provações? Esta é uma recomendação admirável – devemos decidir ficar alegres em situações em que a alegria seria, naturalmente, a nossa última reação. Quando determinadas circunstâncias nos irritam e nós queremos culpar o Senhor, Tiago nos dirige para a alternativa mais saudável - a alegria. Aqueles que confiam em DEUS devem exibir uma resposta positiva e radicalmente diferente diante dos eventos difíceis da vida.
A nossa atitude deve ser de alegria genuína. Não é uma alegre previsão antes das provações. Ao contrário, é a alegria durante as provações.
A alegria baseia-se na confiança no resultado da provação. É a percepção surpreendente de que as provações representam a possibilidade de crescimento. Por outro lado, muitas pessoas ficam felizes quando escapam às dificuldades.
Mas Tiago nos incentiva a sentirmos alegria pura mesmo diante das dificuldades. Tiago não está incentivando os crentes a fingirem estar felizes. Alegrar-se vai além da felicidade.
A felicidade concentra-se em circunstâncias terrenas e no quanto as coisas vão bem por aqui. O gozo concentra-se em DEUS e na sua presença em nossas experiências.
A palavra “quando” não deixa muito espaço para a dúvida. Somos encorajados a nos sentir alegres quando passarmos por todos os tipos de aflições, e não se as enfrentarmos.
Provações, problemas, situações adversas podem roubar a nossa alegria se não adotarmos a atitude correta. De onde vem este problema? Os problemas e as tentações que enfrentamos podem ser dificuldades que vêm de fora ou tentações que vêm de dentro. Um problema pode ser uma situação difícil que põe à prova a fé de uma pessoa, como uma perseguição, uma decisão moral difícil, ou uma tragédia. O caminho da vida está cheio de tais provações.
Suportar a provação não é suficiente. O objetivo de DEUS ao permitir que ocorra este processo é desenvolver a maturidade completa em nós.
Considerar que os seus problemas podem ser motivo de alegria vem da atitude de ver a vida tendo em mente a perspectiva de DEUS.
Podemos não ser capazes de compreender as razões específicas para DEUS permitir que determinadas experiências nos esmaguem e esgotem, mas podemos estar confiantes de que o seu plano é para o nosso bem. O que pode parecer desanimador ou impossível para nós nunca parece da mesma maneira para DEUS!
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol 2. pag. 662-663.
 
I Ped 1.7 Embora DEUS possa ter diferentes objetivos nas provações que o seu povo enfrenta, um resultado preponderante de todas as provações está claro: elas provam a fé das pessoas, mostrando que esta fé é forte e pura. Para DEUS, a fé dos crentes é muito mais preciosa do que o ouro, a substância mais valiosa e durável daquela época.
A fé verdadeira é indestrutível e durará por toda a eternidade. No entanto, ela pode suportar o fogo das provações, lutas e perseguições que a purificam, removendo impurezas e defeitos. DEUS valoriza uma fé provada pelo fogo (ou pelas “dificuldades”).
Por meio das provações, DEUS queima a nossa autossuficiência e as nossas atitudes egoístas, para que a nossa autenticidade possa refletir a sua glória e lhe traga louvor.
Como as provações provam a força e a pureza da fé de alguém? Uma pessoa que vive uma vida confortável pode achar muito fácil ser um crente. Mas conservar a fé diante do ridículo, da calúnia, da perseguiçáo ou até mesmo da morte prova o verdadeiro valor daquela fé. Esta fé resulta em louvor, honra e glória concedidos aos crentes pelo próprio DEUS, quando JESUS CRISTO retornar (na revelação) para julgar o mundo e levar os crentes para casa.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol 2. pag. 706.
 
I Ped 1.7 Na sequência é exposta a finalidade das provações: para que o que é autêntico de vossa fé seja constatado como muito mais precioso que ouro perecível, que é apurado por fogo, para louvor e glória e honra na revelação de JESUS como Messias. O presente versículo tem por base uma comparação frequente na Bíblia (Sl 12.6; Pv 17.3; 27.21; Ml 3.3). Para saber se o ouro é autêntico, ele precisa ser derretido no fogo. Isso não afeta o ouro em nada, mas todas as impurezas são expulsas no processo, e aquilo que é autêntico, que realmente tem valor, se destaca com pureza.
Ainda que o diabo concentre toda a sua intenção em arrastar as pessoas para longe de DEUS em sua rebelião antidivina, naquele dia com certeza será flagrante que não teve sucesso em incontáveis pessoas (Ap 7.9s). Chama atenção que o texto deixa em aberto a questão de a quem, afinal, são dirigidos o louvor e a honra. Certamente o faz de forma pensada. Porque a glorificação do Redentor em sua revelação é ao mesmo tempo a revelação e glorificação de seus redimidos (Rm 8.17; 1Jo 3.2), e em tudo isso são conferidos louvor, glória e honra ao próprio Pai. Porque o alvo é a honra de DEUS (1Co 15.28). É para isso que JESUS virá, para “ser glorificado em seus santos e ser admirado em todos que vieram a ele” (2Ts 1.10). “Quando, porém, se manifestar o Messias, nossa vida, então também vós sereis manifestos junto com ele em glória” (Cl 3.4).
Fritz Grünzweig. Comentário Esperança Carta De Tiago. Editora Evangélica Esperança.
 
Existem três espécies de valor: 1. Algumas coisas possuem um valor intrínseco ou primário, por serem valiosas por si mesmas. Nessa categoria se acha a água por exemplo. Não podemos viver sem água. 2. Há coisas que possuem um valor secundário, por causa do uso que lhe podemos dar como se dá no caso de um instrumento. Seu metal talvez não valha grande coisa; mas a sua ·utilidade» a torna valiosa. 3. Além disso, há valores terciários ou subjetivos—como quando uma pessoa atribui valor a uma fotografia, porque está sentimentalmente preso a ela. O papel é de valor extremamente baixo; outras pessoas não estão interessadas no mesmo; porém, uma ou mais pessoas poderão dará uma fotografia um grande valor, devido àquilo que ela representa. O ouro cabe dentro desta terceira categoria. Só é valioso porque os homens o supõem valioso, em seu raciocínio subjetivo. Tal raciocínio, entretanto, pode modificar-se. Se descobrirmos grandes depósitos de ouro em um outro planeta, e esse tornar-se disponível em grande abundância na terra, o ouro perderá o seu valor relativo.
Não acontece a mesma coisa com a fé. diz Pedro. Quando é testada no fogo, e é comprovadamente genuína, terá muito mais valor que todo o ouro da terra. Por essa mesma razão é que disse o Senhor JESUS: «Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Que daria um homem em troca de sua alma?»(Marc. 8:36,37). Mediante a fé, um homem é «guardado para a salvação», contanto que com ela combine o poder de DEUS e se aproveite do mesmo. A alma é o elemento do homem dotado de valor primário ou intrínseco, e isso em um grau incalculável.
«O ponto frisado é que se o ouro temporal tem valor para ser trabalhosamente refinada, quanto mais a fé se reveste de um valor eterno».
(Hunter. in loc.).
...revelação de JESUS CRISTO... Está em foco a «parousia», tal como nos versículos quinto e décimo terceiro . A segunda vinda de CRISTO será a revelação de sua pessoa e de sua glória: e assim o homem dará um grande salto à frente, para descobrir o centro e a razão de sua existência, o que finalmente, haverá de caracterizar a todas as coisas, conforme explica o primeiro capitulo da epístola aos Efésios. Ele será então revelado como Salvador, Juiz, Senhor universal, centro de tudo. razão da existência e alvo de toda a existência. (Comparar com I Cor. 1:7 e II Tes. 1:7). «Em todas essas passagens, denota a revelação de CRISTO em sua majestade, como Juiz e Galardoador». (Bigg. in loc.). Porém, parece que está envolvido ainda mais do que isso, segundo é explicado mais acima.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 6. pag. 98.
 
Lc 4. 1-13. A Tentação de JESUS
Naquilo que é o principal, os relatos de Mateus e Lucas contêm as mesmas informações, mas diferem quanto aos seguintes aspectos:
1) Eles não mencionam a segunda e a terceira tentações na mesma ordem. Mateus coloca a tentação de saltar do pináculo do Templo em segundo lugar, ao passo que no texto de Lucas ela está em terceiro lugar. A tentação de aceitar os reinos do mundo, então, é a terceira em Mateus e a segunda em Lucas.
2) Lucas diz que JESUS foi tentado durante os quarenta dias do jejum e também posteriormente; Mateus não menciona estas outras tentações.
3) Segundo Mateus, depois que Satanás mostra a JESUS os reinos deste mundo, ele diz: “Tudo isto te darei”. Lucas enfatiza a autoridade e a glória destes reinos. De acordo com Lucas, Satanás diz Dar-te-ei a ti todo este poder (literalmente, “autoridade”) e a sua glória (6).
4) Quanto à mesma tentação, em Lucas, acrescenta-se ao texto de Mateus o seguinte: porque a mim me foi entregue, e o dou a quem quero (6).
5) Na tentação de saltar do pináculo do Templo, Mateus chama a cidade de “Cidade Santa”, enquanto Lucas a chama pelo nome, Jerusalém (9). Aqui, o motivo de Lucas é, obviamente, esclarecer os leitores gentios.
Estas diferenças não alteram em nada os ensinos relativos à tentação de JESUS.
Barclay intitula esta seção como “A batalha contra a tentação” e assim a esquematiza: 1) A tentação de subornar as pessoas com presentes materiais, 2-4; 2) A tentação de fazer acordos ou concessões, 5-8; 3) A tentação de dar demonstrações sensacionais às pessoas, 9-12. Poderíamos acrescentar mais uma: 4) As recompensas da vitória sobre a tentação, 13-14.
Charles L. Childers. Comentário Bíblico Beacon. Lucas. Editora CPAD. Vol. 6. pag.
 
Lc 4.1,2 A palavra “E” retoma a história de 3.22.
JESUS voltou do Jordão e foi... ao deserto. JESUS tomou a ofensiva contra o inimigo, o diabo, indo ao deserto para enfrentar a tentação.
Satanás é um ser real, um anjo criado, mas rebelde e caído, e não um símbolo ou uma ideia. Ele luta constantemente contra DEUS e aqueles que seguem e obedecem a DEUS. Satanás não é onipresente, nem é todo poderoso.
Por meio dos espíritos malignos sob o seu domínio, Satanás trabalha em todas as partes, tentando afastar as pessoas de DEUS e atraí-las à sua própria escuridão.
A expressão foi tentado descreve uma ação contínua; JESUS foi tentado constantemente durante os quarenta dias. O ESPÍRITO levou JESUS ao deserto onde DEUS pôs JESUS à prova - não para ver se JESUS estava pronto, mas para mostrar que Ele estava preparado para a sua missão. Satanás, no entanto, tinha outros planos; ele esperava distorcer a missão de JESUS tentando-o para fazer o mal. Por que era necessário que JESUS fosse tentado? A tentação faz parte da experiência humana. Para que JESUS fosse completamente humano, Ele tinha que enfrentar a tentação (veja Hb 4.15). JESUS tinha de desfazer o que Adão tinha feito. Adão, embora criado perfeito cedeu à tentação, e assim o pecado entrou na raça humana. JESUS, por outro lado, resistiu a Satanás. A sua vitória oferece a salvação aos descendentes de Adão (veja Rm 5.12-19). Durante estes quarenta dias, JESUS não comeu coisa alguma, de modo que ao final Ele teve fome. A condição de JESUS como Filho de DEUS não tornava o seu jejum mais fácil; o seu corpo físico sofria a fome severa e a dor de estar sem alimento. As três tentações registradas aqui ocorreram quando JESUS estava na sua condição física mais enfraquecida.
Lc 4.3 A primeira vista, este parece ser um ato relativamente inofensivo, até mesmo uma sugestão piedosa. JESUS rinha muita fome, então por que não usar os recursos sob o seu comando e transformar uma pedra em pão? Neste caso, entretanto, o pecado não estava no ato, mas na razão por trás dele. O diabo estava tentando fazer JESUS tomar um atalho para resolver o seu problema imediato à custa de seus objetivos de longo prazo, procurando o conforto através do sacrifício da sua disciplina. Satanás normalmente trabalha desta forma - persuadindo as pessoas a realizar uma ação, até mesmo uma boa ação, por um motivo errado ou na hora errada. O fato de que alguma coisa não seja propriamente errada não significa que é boa para alguém em determinado momento. Muita gente peca tentando satisfazer desejos legítimos não incluídos na vontade de DEUS, ou, antes do momento definido por Ele.
4.4 JESUS respondeu a Satanás com o que está escrito nas Escrituras. Nas três citações de Deuteronômio, encontradas em Lucas 4.4, 8 e 12, o contexto mostra que Israel fracassou em cada um dos testes. JESUS mostrou a Satanás que embora o teste pudesse ter feito Israel fracassar, isto não funcionaria com Ele. JESUS compreendia que a obediência à missão do Pai era mais importante do que comida. Fazer pão para si teria mostrado que Ele não havia deixado todos os seus poderes de lado, nem se humilhado e nem se identificado completamente com a raça humana. Mas JESUS recusou-se a fazê-lo, mostrando que só usaria os seus poderes em submissão ao plano de DEUS.
Lc 4.5,7 O diabo arrogantemente esperava ter sucesso na sua rebelião contra DEUS, afastando JESUS de sua missão e obtendo a sua adoração. Satanás tentou a JESUS para que Ele assumisse o mundo como um reino terreno ali mesmo, sem executar o plano de salvar o mundo do pecado. Para JESUS, aquilo significava obter o seu prometido domínio sobre o mundo sem passar pelo sofrimento e pela morte na cruz. Satanás ofereceu um atalho. Mas Satanás não entendeu que o sofrimento e a morte eram parte do plano de DEUS, que JESUS tinha decidido obedecer. O fato de que JESUS pudesse ver, num momento de tempo, todos os reinos do mundo, apoia a interpretação de que esta experiência foi visionária. O foco não está na montanha, mas sim naqueles reinos que estavam (e estão) sob o domínio de Satanás (Jo 12.31). Satanás ofereceu-se para dar o domínio sobre o mundo a JESUS. Isto desafiava a obediência de JESUS ao cronograma e à vontade de DEUS. A tentação de Satanás, basicamente, era: “Por que esperar? Eu posso lhe dar isto agora!” Naturalmente, a oferta tinha uma condição: “Se tu me adorares”. Lc 4.8 Uma vez mais, JESUS respondeu a Satanás com as Escrituras. Para JESUS, obter o domínio do mundo mediante a adoração de Satanás seria não apenas uma contradição (Satanás ainda estaria no comando), mas também romperia o primeiro mandamento, “Adorarás o Senhor, teu DEUS, e só a ele servirás” (Dt 6.4,5, 13). Para realizar a sua missão de trazer salvação ao mundo, JESUS precisaria seguir o caminho da submissão a DEUS.
Lc 4.9-11 O templo era o edifício mais alto em Jerusalém e o seu pináculo provavelmente era o canto da parede que se projetava sobre a encosta. Se o diabo levou JESUS fisicamente a Jerusalém ou se isto aconteceu numa visão não está claro. De qualquer forma, Satanás estava arrumando o cenário para a sua próxima tentação. JESUS tinha citado as Escrituras em resposta às outras tentações de Satanás. Aqui Satanás tentou a mesma tática com JESUS; ele usou as Escrituras para tentar convencer JESUS a pecar! Satanás estava citando o Salmo 91.11,12 para apoiar a sua solicitação. Este salmo descreve a proteção de DEUS para aqueles que confiam nele. Obviamente, Satanás interpretou as Escrituras erroneamente, tentando fazer parecer que DEUS protegeria os seus até mesmo em meio ao pecado, removendo as consequências naturais dos atos pecaminosos.
Saltar do pináculo para testar as promessas de DEUS não era parte da vontade de DEUS para JESUS. No contexto, o salmo promete a proteção de DEUS para aqueles que, enquanto de acordo com a sua vontade e fiéis a Ele, se encontrassem em perigo. Ele não promete a proteção para crises criadas artificialmente, nas quais os cristãos chamam a DEUS para testar o seu amor e o seu cuidado.
Lc 4.12 JESUS novamente respondeu citando as Escrituras: no entanto, Ele usou as Escrituras com uma compreensão do verdadeiro significado. Os fatos eram que embora DEUS prometa proteger o seu povo, Ele também exige que ele não o tente. Na passagem em Deuteronômio 6.16, Moisés estava se referindo a um incidente durante a peregrinação de Israel no deserto, registrada em Êxodo 17.1-7.0 povo tinha sede e estava disposto a fazer um motim contra Moisés e retornar ao Egito, se ele não lhes desse água. Para JESUS, saltar do pináculo do templo teria sido um teste ridículo ao poder de DEUS, e teria estado fora da vontade de DEUS.
JESUS sabia que seu Pai poderia protegê-lo. Ele também entendia que todas as suas ações deveriam concentrar-se no cumprimento da missão de seu Pai.
Lc 4.13 Este seria somente o primeiro de muitos encontros que JESUS teria com o poder de Satanás. A vitória pessoal de JESUS sobre Satanás no verdadeiro início do seu ministério definiu o cenário do seu comando sobre os demônios por todo o seu ministério, mas não dissuadiu a Satanás de continuar a tentar arruinar a missão de JESUS. A sua vitória sobre o diabo no deserto foi decisiva, mas não final, pois o diabo ausentou-se dele por algum tempo.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol 1. pag. 340-342.
 
Nesta história da tentação de CRISTO, observe:
Como Ele foi preparado e equipado para ela. Aquele que permitiu a tribulação proveu aquilo de que o Senhor JESUS precisava para vencer; porque embora não saibamos que exercícios possam estar diante de nós, nem para que encontros podemos estar reservados, CRISTO sabia, e teve aquilo que era necessário; e DEUS faz o mesmo por nós, e esperamos dele tudo o que nos é necessário.
1. Ele estava cheio do ESPÍRITO SANTO, que havia descido sobre Ele como uma pomba. O Senhor JESUS tinha agora medidas maiores de dons, graças e consolações do ESPÍRITO SANTO do que antes. Note que aqueles que estão cheios do ESPÍRITO SANTO é que estão bem armados contra as tentações mais fortes.
2. Ele havia retornado do Jordão recentemente, onde foi batizado, e reconhecido por uma voz do céu como sendo o Filho Amado de DEUS; e assim E le foi preparado para este combate. Note que quando tivermos a mais consoladora comunhão com DEUS, e as descobertas mais claras de seu favor a nós, podemos esperar que Satanás nos ataque (o navio mais rico é o prêmio do pirata), e que DEUS permitirá que ele faça isso, para que o poder de sua graça possa ser manifestado e exaltado.
3. Ele foi levado pelo ESPÍRITO ao deserto, pelo ESPÍRITO bom, que o conduziu como um campeão para o campo, para lutar contra o inimigo que Ele certamente iria derrotar. O fato de ser levado ao deserto:
(1) Deu alguma vantagem ao tentador; porque ali ele o teve sozinho, sem a companhia de amigos, por cujas orações e conselhos o Senhor JESUS poderia ser ajudado na hora da tentação. Ai daquele que está sozinho! Ele poderia dar vantagem a Satanás, pois conhecia a sua própria força; mas nós não podemos, pois conhecemos a nossa própria fraqueza.
(2) Ele ganhou alguma vantagem para si durante este jejum de quarenta dias no deserto. Podemos supor que o Senhor estava totalmente concentrado em sua própria consagração, e em consideração à sua tarefa, e à obra que Ele tinha diante de si; que Ele passou todo o seu tempo em uma conversa imediata e íntima com o seu Pai, como Moisés no monte, sem qualquer desvio, distração, ou interrupção. De todos os dias da vida de CRISTO na carne, estes parecem ter se aproximado mais da perfeição da vida angelical e da vida celestial, e isto o preparou para os ataques de Satanás. Aqui o Senhor JESUS foi fortalecido contra eles. 4. Ele continuou jejuando (v. 2): E naqueles dias não comeu coisa alguma. Foi como o jejum de Moisés e de Elias, e o revela, como a eles, um profeta enviado por DEUS. E provável que este episódio tenha ocorrido no deserto de Horebe, o mesmo deserto no qual Moisés e Elias jejuaram. Assim como ao se retirar para o deserto, Ele se mostrou perfeitamente indiferente ao mundo, por seu jejum Ele se mostrou perfeitamente indiferente ao corpo; e Satanás não pode dominar facilmente aqueles que se desprendem e morrem para o mundo e para a carne. Quanto mais mantivermos a nossa carne em sujeição, menos vantagens Satanás terá contra nós.
1. Ele o tentou a não confiar no cuidado de seu Pai em relação a Ele, e a agir por conta própria, e a ajudar-se a si mesmo provendo o sustento de uma maneira que o seu Pai não havia designado (v. 3): Se tu és o Filho de DEUS, como a voz do céu declarou, dize a esta pedra que se transforme em pão.
2. O diabo tentou JESUS a aceitar dele o reino, o qual, como o Filho de DEUS, Ele esperava receber de seu Pai, e glorificá-lo, w. 5-7.
3. O diabo o tentou a ser o seu próprio assassino, em uma presunçosa confiança da proteção de seu Pai, da qual Ele não tinha nenhuma garantia. Qual foi o resultado e o desfecho deste combate, v. 13. O nosso Redentor vitorioso manteve o seu fundamento, e saiu vencedor, não só por si mesmo, mas também por nós.
1. O diabo esvaziou a sua aljava, e assim acabou toda a tentação. CRISTO lhe deu a oportunidade de dizer e fazer tudo o que podia contra si; ele permitiu que o diabo tentasse toda a sua força, e mesmo assim o derrotou.
2. O diabo então deixou o campo de batalha: Ausentou-se dele. O diabo viu que era inútil atacar o Senhor JESUS; ele não tinha nada nele para que os seus dardos inflamados o atingissem; o Senhor não tinha nenhum ponto cego, nenhuma parte fraca ou desprotegida em seu muro; por esta razão, Satanás desistiu do caso. Observe que se resistirmos ao diabo, ele fugirá de nós.
3. No entanto, o diabo prosseguiu em sua maldade contra o Senhor, e partiu decidido a atacá-lo novamente; ele ausentou-se, mas por algum tempo, achri kairou – até uma outra hora, ou até o dia em que deveria outra vez ser solto contra Ele, não como um tentador, para fazê-lo pecai'. O diabo tentaria golpear a cabeça do Senhor, mas seria totalmente derrotado; mas como um perseguidor, o diabo procuraria fazer com que o Senhor sofresse através das atitudes de Judas e de outros instrumentos perversos a quem ele empregou. O diabo feriria o calcanhar do Senhor, conforme lhe foi dito (Gn 3.15) que deveria fazer, e que faria, mas a própria cabeça do diabo seria esmagada.
Ele se ausenta agora até que chegue aquele dia que CRISTO chama de poder das trevas (cap. 22.53), quando o príncipe deste mundo viria outra vez, João 14.30.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 545-549.
 
3. Felicidade pela tentação (v. 12).
A alegria no sofrimento (5.3-5a)
A justificação não apenas nos prepara para o céu, mas também nos equipa para vivermos vitoriosamente aqui na terra. Paulo não está tratando de algo apenas para o porvir, mas de algo que nos capacita a viver vitoriosamente em meio às tensões da vida. Nas palavras de John Stott, há paz, graça e glória, sim! Porém, há também sofrimento Aquele que foi justificado demonstra gloriosa alegria não apenas na esperança da glória, mas também no sofrimento. A força do verbo grego kaucometha indica que nos alegramos com grande e intenso júbilo. Tanto as tribulações presentes como a glória vindoura são objetos de júbilo do cristão. Em outras palavras, regozijamo-nos não somente no alvo, a glória, como também nos meios que conduzem a ela, isto é, nos sofrimentos. Nestas duas coisas encontramos alegria. Nessa pedagogia divina, quatro estágios devem ser observados.
Em primeiro lugar, nós nos gloriamos nas próprias tribulações (5.3).
Este gloriar-se na tribulação é um fruto da fé. As tribulações na vida do salvo não vêm para destruí-lo, mas para purificá-lo. Elas não agem contra ele, mas a seu favor. As tribulações não operam por si mesmas, à revelia, na vida dos salvos, mas são trabalhadas pelo próprio DEUS, para o nosso bem. Por meio das tribulações, DEUS esculpe em nós a beleza de CRISTO.
Em segundo lugar, sabemos que a tribulação produz perseverança (5.3). A tribulação é pedagógica. Ela gera paciência triunfadora. Não poderíamos exercer a paciência sem o sofrimento, porque sem este não haveria necessidade de paciência. A paciência nasce do sofrimento. A palavra grega hupomone significa “paciência triunfadora”. Trata-se de uma paciência vitoriosa, que não se entrega nem é passiva, mas triunfa alegremente diante das intempéries da vida. Hupomone é paciência diante das circunstâncias adversas. E o espírito que enfrenta as coisas e as supera.
Em terceiro lugar, sabemos que perseverança produz experiência (5.4). A palavra grega dokime, traduzida por “experiência”, significa literalmente algo provado e aprovado. Essa palavra era usada para descrever o metal submetido ao fogo do cadinho com o propósito de remover-lhe as impurezas e torná-lo um metal provado, legítimo e puro.
O que Paulo nos está ensinando é que não devemos ter uma fé de segunda mão. Devemos conhecer a DEUS não apenas de ouvir falar. Devemos conhecê-lo pessoalmente, profundamente, experimentalmente.
Em quarto lugar, sabemos que a experiência produz esperança (5.5a). Esta não é uma esperança vaga nem vazia. E uma esperança segura, que não nos decepciona nem nos deixa envergonhados. Mas como saber que essa esperança não é uma fantasia nem uma ficção? A resposta de Paulo é meridianamente clara: porque o amor de DEUS é derramado em nosso coração pelo ESPÍRITO SANTO que nos foi outorgado. O apóstolo Paulo diz que o fundamento sólido sobre o qual descansa nossa esperança de glória é o amor de DEUS. Há uma efusão do amor de DEUS em nosso coração. Nesse momento o céu desce à terra e somos inundados pelas profusas torrentes do amor divino. A justificação não é apenas um ato jurídico de DEUS feito no céu; tem também reflexos concretos e reais na terra. O resultado da justificação é uma bendita experiência de transbordamento do amor de DEUS em nosso coração.
LOPES. Hernandes Dias. ROMANOS O Evangelho segundo Paulo. Editora Hagnos. pag. 207-211.
 
Rm 3-5a Apesar da frase: “O justo viverá”, vale também a verdade: “Muitas são as aflições do justo” (Sl 34.19). “Filho, se te dedicares a servir ao Senhor, prepara-te para a prova” (Eclesiástico 2.1 [BJ]). Pressão de todos os lados tenta esmagar novamente sua fé. As “tribulações” devem ser entendidas aqui como uma síntese. Elas vêm de fora como de dentro, física, espiritual e intelectualmente, do exterior como do interior da igreja.  Subitamente descobrimos o sofrimento para CRISTO como sendo um sofrimento com CRISTO, como um presente da mais íntima comunhão com ele e como marca registrada da autenticidade de nosso seguimento. Isto transmite uma firmeza antes desconhecida. Provações superadas, porém, resultam em experiência, a qual por sua vez ativa a esperança pela glória de DEUS. Apoiando-se em palavras de salmos como Sl 22.5; 25.3,20.
Adolf Pohl. Comentário Esperança Romanos. Editora Evangélica Esperança.
 
I Ped 4.12,13 - Os cristãos não deveriam estranhar as violentas provações que vinham sobre eles. Como CRISTO, os cristãos devem esperar enfrentar perseguições. Isto não seria coisa estranha – a perseguição vinha seguindo o Evangelho desde a época da crucificação de JESUS. Os crentes deviam esperar a perseguição e o sofrimento porque estas coisas fazem parte do plano de DEUS para aperfeiçoar os cristãos. Nem mesmo o Senhor JESUS CRISTO foi poupado da perseguição (Rm 8.32). Em lugar de ficarem surpresos pelas provações, Pedro exortou os crentes a se alegrarem, porque, quando sofriam pela sua fé em CRISTO, estavam sendo participantes das aflições de CRISTO. Se nós sofremos, este fato mostra a nossa identificação com CRISTO e que a nossa fé é genuína. Como CRISTO foi perseguido, nós também seremos perseguidos e, consequentemente, participaremos dos seus sofrimentos. Se nós perseverarmos, desfrutaremos a nossa herança futura com Ele. Os servos que conhecem o sofrimento de CRISTO terão alegria na revelação da sua glória. Isto não significa que todo sofrimento é resultado de uma boa conduta cristã. Algumas vezes, alguém irá se queixar: “Ele está me atormentando porque eu sou um cristão”, quando é óbvio, para todo mundo, que o próprio comportamento desagradável da pessoa é a causa dos seus problemas. Pode ser necessária uma análise cuidadosa ou um sábio aconselhamento para determinar a verdadeira causa do nosso sofrimento. No entanto, podemos ter a certeza de que, sempre que sofrermos devido à nossa lealdade a CRISTO, Ele estará conosco o tempo todo.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol 2. pag. 730.
 
Que ninguém desonre a CRISTO sofrendo um castigo justo por crimes contra os homens; ninguém é abençoado se está sofrendo em decorrência das suas próprias faltas. Em vez disso, que o homem se glorie por causa do castigo infligido por ser cristão.
A advertência de sofrer como homicida [...] ladrão [...] malfeitor, ou como o que se entremete em negócios alheios (15) não deveria nos chocar se lembramos do estado geral da sociedade daquela época. A vida de alguns desses crentes pode ter sido tão má como as pessoas de Corinto que Paulo descreveu (cf. 1 Co 6.9-11). Havia exemplos em que criminosos, para ocultar sua natureza e a verdadeira causa do seu castigo, professavam ser cristãos, e davam a impressão que estavam sendo castigados por serem cristãos.
Aquele que se entremete em negócios alheios é a pessoa que “se desvia do seu chamado e se torna juiz dos outros” (Wesley). Os inimigos acusavam os cristãos de serem hostis à sociedade civilizada, sendo acusados de tentar forçar os não cristãos a agir de acordo com os padrões cristãos. Isso criaria um tumulto civil que poderia resultar em violência do povo (cf. At 19.21-41).
Aquele que se padece como cristão, não se envergonhe; antes, glorifique a DEUS (16). A essa altura, o termo cristão tinha se tornado o nome pelo qual os pagãos sarcasticamente descreviam os seguidores de CRISTO (cf. At 11.26; 26.28). Os judeus que rejeitaram JESUS como o CRISTO não chamavam seus seguidores de cristãos. Renan, citado em Ellicott, disse: “Pessoas bem educadas evitavam pronunciar esse nome, ou, quando forçadas a fazê-lo, pediam desculpas”. Evidentemente, os próprios cristãos ainda não usavam esse nome, mas o consideravam como um símbolo da mais alta honra quando seus inimigos os chamavam assim. O que Pedro exortou que fizessem (v. 16) ele mesmo havia praticado (cf. At 5.29-42, especialmente o v. 41).
Roy S. Nicholson. Comentário Bíblico Beacon. I Pedro Editora CPAD. Vol. 10. pag. 240-241.

Nenhum comentário: