quinta-feira, 2 de junho de 2011

LIÇÃO 10 - ASSEMBLÉIA DE DEUS - 100 ANOS DE PENTECOSTES



LIÇÃO 10 - ASSEMBLÉIA DE DEUS - 100 ANOS DE PENTECOSTES
Lições Bíblicas do 2º Trimestre de 2011 - CPAD - Jovens e Adultos
MOVIMENTO PENTECOSTAL - As doutrinas de nossa fé
Comentários da revista da CPAD: Pr. Elienai Cabral
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva


TEXTO ÁUREO
De sorte que as igrejas eram confirmadas na fé e cada dia cresciam em número (Atos 16,5).

VERDADE PRATICA
DEUS levantou as Assembléias de DEUS no Brasil para proclamar ao mundo que JESUS salva, cura, batiza com o ESPÍRITO SANTO e em breve voltará

LEITURA DIÁRIA
Segunda- Jl 2.28-32; At 2.1-12 - O pentecostalismo e a obra do ESPÍRITO SANTO através da Igreja
Terça- At 2.37-47 - O pentecostalismo e os tempos apostólicos
Quarta - 1 Co 12.1-11 - O pentecostalismo e os dons espirituais
Quinta -Ef 4.11, 12 - O pentecostalismo e os dons ministeriais
Sexta - Mc 16.15 20 - O pentecostalismo e a evangelização
Sábado- At 2.4-11 - O pentecostalismo e a obra missionária

Leitura Bíblica em Classe: I Coríntios 3.6-11
6 Eu plantei, Apolo regou; mas DEUS deu o crescimento. 7 Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas DEUS, que dá o crescimento. 8 Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho. 9 Porque nós somos cooperadores de DEUS; vós sois lavoura de DEUS e edifício de DEUS. 10 Segundo a graça de DEUS que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. 11 Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é JESUS CRISTO.

PALAVRAS-CHAVE - Movimento Pentecostal - "Surgiu no finai do século 19. Enfatiza a atualidade da doutrina do batismo no ESPÍRITO SANTO e dos dons espirituais."

Daniel Berg
Conheça a história do missionário, evangelista, pastor e fundador das Assembleias de DEUS no Brasil
Berg fundou as Assembleias de DEUS no Brasil em 18 de junho de 1911, juntamente com Gunnar Vingren e 18 crentes batistas de Belém (PA) que creram na doutrina do batismo no ESPÍRITO SANTO.

DANIEL BERG
(1884–1963)
Missionário, evangelista, pastor e fundador das Assembleias de DEUS no Brasil. Nasceu em 19 de abril de 1884, na pequena cidade de Vargön, na Suécia, às margens do lago de Vernern. Quando recém-nascido, o padre da cidade visitou inúmeras vezes a casa de seus pais para convencê-los a batizá-lo, mas nada conseguiu. Por isso, desde criança, Daniel era mal visto pelo padre, que, desprestigiado, passou a dizer que a criança que não fosse batizada por ele jamais sairia de Vargön. “Já naquele tempo pude observar a desvantagem e o perigo de o povo ter uma fé dirigida, sem liberdade. A religião que dominava minha cidadezinha e arredores impossibilitava as almas de terem um encontro com o Salvador”, conta o pioneiro em suas memórias.

Quando o evangelho começou a entrar nos lares de Vargön, seus pais, Gustav Verner Högberg e Fredrika Högberg, o receberam e ingressaram na Igreja Batista. Logo procuraram educar o filho segundo os princípios cristãos. Em 1899, quando contava 15 anos de idade, Daniel converteu-se e foi batizado nas águas na Igreja Batista de Ranum.

Em 1902, aos 18 anos, pouco antes do início da primavera nórdica, deixou seu país. Embarcou a 5 de março de 1902, no porto báltico de Gothemburgo, no navio M.S. Romeu, com destino aos Estados Unidos. “Como tantos outros haviam feito antes de mim”, frisava. O motivo foi a grande depressão financeira que dominara a Suécia naquele ano.

Em 25 de março de 1902, Daniel desembarcou em Boston. No Novo Mundo, sonhava, como tantos outros de sua época, em realizar-se profissionalmente. Mas DEUS tinha um plano diferente e especial para sua vida.

De Boston, viajou para Providence, Rhode Island, para se encontrar com amigos suecos, que lhe conseguiram um emprego numa fazenda. Permaneceu nos Estados Unidos por sete anos, onde se especializou como fundidor. Com saudades do lar, retornou à cidade natal, onde o tempo parecia parado. Nada havia se modificado. Só Lewi Pethrus*, seu melhor amigo, companheiro de infância, não morava mais ali. “Vive em uma cidade próxima, onde prega o evangelho”, explicou sua mãe.

Logo chegou a seu conhecimento que seu amigo recebera o batismo no ESPÍRITO SANTO, coisa nova para sua família. A mãe do amigo insistiu para que Daniel o visitasse. Aceitou o convite. No caminho, estudou as passagens bíblicas onde se baseava a “nova doutrina”.

Chegando à igreja do amigo Lewi Pethrus (Igreja Batista de Lidköping), encontrou-o pregando. Sentou e prestou atenção na mensagem. Após o culto, conversaram longamente sobre a nova doutrina. Daniel demonstrou ser favorável. Em seguida, despediu de seus pais e partiu, pois sua intenção não era permanecer na Suécia, mas retornar à América do Norte.

Em 1909, em meio à viagem de retorno aos Estados Unidos, Daniel orou com insistência a DEUS, pedindo o batismo no ESPÍRITO SANTO. Como não estava preocupado como da primeira vez, posto que já conhecia os EUA, canalizou toda a sua atenção à busca da bênção.

Ao aproximar-se das plagas norte-americanas, sua oração foi respondida. A partir de então, sua vida mudou. Daniel passou a pregar mais a Palavra de DEUS e a contar seu testemunho a todos.

Ainda em 1909, por ocasião de uma conferência em Chicago, Daniel encontrou-se com o pastor batista Gunnar Vingren, que também fora batizado no ESPÍRITO SANTO. Os dois conversaram horas sobre as convicções que tinham. Uma delas é que tanto um como o outro acreditava que tinham uma chamada missionária. Quanto mais dialogavam, mais suas chamadas eram fortalecidas.

Quando Vingren estava em South Bend, Daniel Berg estava trabalhando em uma quitanda em Chicago quando o ESPÍRITO SANTO mandou que se mudasse para South Bend. Berg abandonou seu emprego e foi até lá, onde encontrou Vingren pastoreando a igreja Batista dali. “Irmão Gunnar, JESUS ordenou-me que eu viesse me encontrar com o irmão para juntos louvarmos o seu nome”, disse Berg. “Está bem!”, respondeu Vingren com singeleza. Passaram, então, a encontrar-se diariamente para estudarem as Escrituras e orarem juntos, esperando uma orientação de DEUS.

Após a revelação divina dada ao irmão Olof Uldin de que o lugar para onde deveriam ir era o Pará, no Brasil, Daniel Berg, contra a vontade dos seus patrões, abandonou o emprego. Eles argumentaram: “Aqui você pode pregar o Evangelho também, Daniel; não precisa sair de Chicago”. Mas ele estava convicto da chamada e não voltou atrás.

Ao se despedir, Berg recebeu de seu patrão uma bolacha e uma banana. Essa era uma tradição antiga nos Estados Unidos. Simbolizava o desejo de que jamais faltasse alimento para a pessoa que recebesse a oferta.

Esse gesto serviu de consolo para Berg, que em seguida partiu com Vingren para Nova Iorque, e de lá para o Brasil em um navio.

No Pará, Daniel, com 26 anos de idade, logo se empregou como caldereiro e fundidor na Companhia Port of Pará, recebendo salário mensal de 12 mil réis, passou a custear as aulas de português ministradas a Vingren por um professor particular. No fim do dia, Vingren ensinava o que aprendera a Daniel. Justamente por isso, Berg nunca aprendeu bem a língua portuguesa. O dinheiro que sobrava era usado na compra de Bíblias nos Estados Unidos.

Tão logo começou a se fazer entender na língua portuguesa, passou a evangelizar nas cidades e vilas ao longo da Estrada de Ferro Belém-Bragança, enquanto Vingren cuidava do trabalho recém-nascido na capital. Como o evangelho era praticamente desconhecido no interior do Pará, Berg se tornou o pioneiro da evangelização na região. É que as igrejas evangélicas existentes na época não tinham recursos suficientes para promover a evangelização no interior.

Após a evangelização de Bragança, tornou-se também o pioneiro na evangelização da Ilha de Marajó, onde peregrinou por muitos anos, a bordo de pequenas e grandes canoas. Berg ia de ilha em ilha, levando a mensagem bíblica aos pequenos grupos evangélicos que iam se formando por onde passava.

No início de 1920, Daniel visitou a Suécia, onde se enamorou com a jovem Sara, com quem se casou em 31 de julho daquele ano. Em março de 1921, retornou ao Brasil, acompanhado por sua esposa. O casal teve dois filhos: David e Débora.

Em 1922, seguiu para Vitória (ES) para estabelecer a Assembléia de DEUS naquela capital, permanecendo até 1924, quando foi para Santos fundar a AD no Estado de São Paulo. Em 1927, o casal Berg mudou-se para a capital São Paulo, onde Daniel continuou fazendo seu trabalho de evangelismo até 1930.
Depois de um período de descanso, seguiu para a obra missionária em Portugal, entre os anos 1932-1936, na cidade de Porto. Após passar pela Suécia, retornou ao Brasil, em 11 de maio de 1949. Permaneceu na cidade de SANTO André (SP) até 1962, quando retornou definitivamente para a Suécia.

Daniel Berg sempre foi muito humilde e simples. Em suas pregações e diálogos, sempre demonstrou essas virtudes. Ninguém o via irritado ou desanimado. Sempre que surgia algum problema, estas eram suas palavras: “JESUS é bom. Glória a JESUS! Aleluia! JESUS é muito bom. Ele salva, batiza no ESPÍRITO SANTO e cura os enfermos. Ele faz tudo por nós. Glória a JESUS! Aleluia!”.

No Jubileu de Ouro das Assembleias de DEUS no Brasil, comemorado em Belém, Berg estava lá, inalterado, enquanto os irmãos faziam referência a sua atuação no início da obra. Para ele, a glória era única e exclusivamente para JESUS. Berg considerava-se apenas um instrumento de DEUS.

Nas comemorações do Jubileu no Rio de Janeiro, no Maracanãzinho, quando pastor Paulo Leivas Macalão colocou em sua lapela uma medalha de ouro, Berg externou visivelmente em seu rosto a ideia de que não merecia tal honraria.

Até 1960, Berg recebeu, diretamente de DEUS, a cura de suas enfermidades mediante a oração da fé. Mas, a respeito de suas condições de vida nos seus anos finais, pode-se inferir que não tinha o amparo que merecia. A esse respeito, o pioneiro Adrião Nobre protestou na revista A Seara, edição de novembro-dezembro de 1957, p. 32: “O irmão Berg reside em São Paulo (cidade de SANTO André). Não sei como ele vive ultimamente; tive, contudo, notícias desagradáveis com relação à sua condição de vida – não tem, segundo soube, o descanso que merece, nem o conforto que lhe devemos proporcionar. Irmãos, não sejamos injustos, lembremo-nos de auxiliar o tão amado pioneiro da obra pentecostal no Brasil”.
Em 1963, foi hospitalizado na Suécia. Mesmo assim, ainda trabalhava para o Senhor. Ele saía da enfermaria para distribuir folhetos e orar pelos que se decidiam. A disciplina interna do hospital não lhe permitia fazer esse trabalho, por isso uma enfermeira foi designada para impor-lhe a proibição. Porém, ao deparar-se com o homem de DEUS alquebrado pelo peso dos anos, mas vigoroso em sua tarefa espiritual, não teve coragem e desistiu da tarefa. Berg, então, continuou a oferecer literaturas.

Finalmente, em 27 de maio de 1963, aos 79 anos, Daniel Berg morreu. Sua esposa, Sara, faleceu em 11 de abril de 1981.

Fontes: BERG, Daniel. Enviado por DEUS. Rio de Janeiro: CPAD, 8ª edição, 2000, 208 pp; VINGREN, Ivar. O diário do pioneiro – Gunnar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 1973, 222 pp; CONDE, Emílio. História das Assembleias de DEUS no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 2000. pp. 19- 50; Ivar Vingren skriver om svensk pingstmission i Brasilien - Från missionsInstitutes serie av missionärsberättelser (Ivar Vingren escreve sobre a missão pentecostal sueca no Brasil - Da série de relatos de missionários do Instituto de Missões). Suécia, 1994, pp. 20-27; DESPERTAMENTO apostólico no Brasil. Tradução: Ivar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 1987, pp. 7-44; VINGREN, Ivar. Det började i Pará - Svensk Pingstmission i Brasilien (Tudo começou no Pará - missão pentecostal sueca no Brasil). Ekrö, Suécia: MissionsInstitutet-PMU, 1994, pp. 28-34; Boa Semente, Belém (PA), setembro 1930, p. 5; Mensageiro da Paz, CPAD, setembro 1999; janeiro 1997; dezembro 1985; junho 1980; março 1980; agosto 1936, p. 5, 1a quinzena; julho 1936, p. 7, 2a quinzena; fevereiro 1933, p. 7, 2a quinzena; julho 1963 p. 1 2a quinzena; novembro 1933, p. 6, 2a quinzena; novembro 1989, p. 12; setembro 1981; Obreiro, CPAD, jan-mar 1979, pp.42-45; A Seara, CPAD, janeiro 1957, pp. 23-26, 36; julho 1963, pp. 4, 5.

Texto extraído do Dicionário do Movimento Pentecostal, editora CPAD, 1ª edição, 2007, Rio de Janeiro, pgs. 122-124

Gunnar Vingren
Introdução
Nasceu no dia 8 de agosto de 1897, na cidade de Ostra Husby, Suécia. Seu pai era jardineiro, profissão que Vingren seguiu até os 19 anos. Foi criado num genuíno lar cristão. Logo aos 18 anos tornou-se sucessor de seu pai na Escola Dominical; naquele mesmo ano, o Senhor falou claro ao seu coração de que ele seria um missionário.

Seu Preparo
Em 1898, Vingren teve oportunidade de participar de uma Escola Bíblica; ao final daquele mês de estudos, começou já o trabalho missionário no interior de seu país. Em 1903, viajou para os Estados Unidos, e logo ingressou num Seminário Teológico Batista em Chicago. Em 1909, DEUS o encheu de uma grande sede de buscar o batismo no ESPÍRITO SANTO o que não tardou a receber. Ao pregar esta verdade à igreja que pastoreava, começaram os problemas; a igreja se dividiu entre os que criam e os que não criam em sua pregação. Dirigiu-se, então, para South Bend, Indiana, onde a igreja recebeu com gozo as Boas Novas e se tornou uma igreja pentecostal com 20 batizados no ESPÍRITO SANTO no primeiro verão.

Sua Chamada Para o Brasil
Numa reunião de oração, um dos irmãos presentes foi revelado que Gunnar Vingren serviria ao Senhor no Pará, que mais tarde ele descobriu que era um estado no norte do Brasil. Numa outra reunião como aquela, seu futuro companheiro, Daniel Berg, que conhecera numa conferência em Chicago, foi chamado para acompanhá-lo ao Brasil. Depois disto, não demorou muito para que a ida ao campo se tornasse uma realidade. Seus últimos dias na América foram de provas, atestando de que DEUS é quem os chamava para a obra. Finalmente, partiram do porto de Nova Iorque com destino a Belém do Pará no dia 5 de novembro de 1910.

Adaptação ao Campo
No dia 19 de novembro desembarcaram em terras brasileiras. Com certa dificuldade, sobretudo porque não falavam a língua nativa, chegaram até a casa de um pastor batista que lhes ofereceu hospedagem, um corredor escuro no porão da casa e sem janelas. Para aprenderem o português, Daniel trabalhava numa fundição durante o dia, enquanto Gunnar estudava, e à noite, então, ele compartilhava o que tinha aprendido. Apesarda pobreza, da simplicidade da alimentação, das doenças, calor e mosquitos, a chama do Evangelho os enchiam cada vez mais de gozo, atenuando assim o sofrimento.

Primeira Assembléia de DEUS
Depois de seis meses, Vingren foi convidado para dirigir um culto de oração. Sem receio, ensinou-os acerca das operações do ESPÍRITO SANTO e da cura divina. Durante aquela semana,nas reuniões de oração nos lares, o Senhor curou a senhora Celina Albuquerque de uma doença incurável e dias depois a batizou com ESPÍRITO SANTO e com fogo, sendo então a primeira pessoa brasileira a receber a promessa. Na semana seguinte, o pastor da igreja entrou de surpresa num daqueles cultos; depois de declarar várias acusações, insinuando que eles ensinavam falsas doutrinas, provocou uma divisão na igreja que findou na exclusão dos missionários e mais dezoito membros que os apoiaram testificando a verdade. Então, em 18 de junho de 1911 estes formaram a primeira Assembléia de DEUS.

Avanço da Obra
O trabalho missionário não se reteve, avançando de cidade em cidade, onde o Evangelho era pregado e os sinais os seguiam. Sofriam muitas perseguições, sobretudo pelos católicos que eram ensinados que a Bíblia dos protestantes era falsa e se lida os levaria ao inferno; que Maria e os santos são intercessores junto a JESUS; que aqueles que não seguissem o catolicismo iriam para o inferno, e outros. Apesar das dificuldades, onde passavam, o Senhor curava, salvava, batizava com o ESPÍRITO SANTO e manifestava seu poder por seus dons, sinais e maravilhas. Desta forma, a quantidade de crentes crescia a cada dia. Contemplavam, também, o fim daqueles que se levantavam contra a obra, pois era o próprio DEUS quem lhes dava a recompensa. Nos primeiros quatro anos de trabalho foram 384 pessoas batizadas nas águas e 276 no ESPÍRITO SANTO, na igreja de Belém do Pará.

Depois de cinco anos em terras brasileiras, Vingren foi à Suécia, onde por três meses pôde compartilhar as maravilhas que DEUS operara no Brasil. Pouco antes de seu regresso, encontrou-se com uma irmã enfermeira chamada Frida Strandberg que também tinha chamada para o Brasil. Mais tarde eles se casaram em Belém do Pará.

No desejo de que todo o Brasil recebesse a mensagem, foram enviados missionários a Alagoas, Pernambuco, e ele com sua família foram para o sul, iniciando no Rio de Janeiro, depois Santa Catarina e outras cidades no estado de São Paulo. Após outra série de viagens, voltou alguns anos depois para residir permanentemente no Rio de Janeiro. Assim como no Pará, a obra pentecostal no Rio de Janeiro crescia exponencialmente. Vingren participava ali na edição do jornal “Mensageiros da Paz”, além de seu trabalho como pastor e evangelista.

De 5 à 10 de setembro de 1930 houve uma importante Conferência Nacional dos obreiros pentecostais em Natal. A principal decisão foi de que a obra missionária na região norte estaria sendo dirigida exclusivamente por obreiros nacionais. Os anos seguintes foram de grande expansão da obra, sobretudo no Rio de Janeiro.

No dia 15 de agosto de 1932, o pastor Gunnar Vingren e sua família despediam-se da igreja do Rio de Janeiro e do Brasil de volta à Suécia.

Seus Últimos Dias
Já nos últimos anos que viveu no Brasil, Gunnar Vingren vinha tendo alguns problemas de saúde que pioraram bastante depois de chegar à Suécia. No dia 29 de junho de 1933 ele entrou no descanso eterno, mostrando através de suas palavras, o grande amor que tinha pelos irmãos brasileiros. Sua partida, descrita detalhadamente numa carta enviada por sua esposa ao Brasil, foi uma linda experiência para a família, que sentia claramente a glória de DEUS; e sem dúvida para o servo do Senhor, Gunnar Vingren que, sentindo grande gozo e alegria foi recebido na eternidade. (http://sepoangol.org/gunnar.htm)

100 anos das Assembleias de DEUS no Brasil
A origem da denominação está no fogo do reavivamento que varreu o mundo no século 20

"Pouco tempo depois, Gunnar Vingren participou de uma convenção de igrejas batistas, em Chicago. Essas igrejas aceitaram o Movimento Pentecostal. Ali ele conheceu outro jovem sueco que se chamava Daniel Berg. Esse jovem também fora batizado com o ESPÍRITO SANTO.

Após uma ampla troca de informações, experiências e idéias, Daniel Berg e Gunnar Vingren descobriram que DEUS os estava guiando numa mesma direção, isto é: o Senhor desejava enviá-los com a mensagem do Evangelho a terras distantes, mas nenhum dos dois sabia exatamente para onde seriam enviados.

Algum tempo depois, Daniel Berg foi visitar o pastor Vingren em South Bend. Durante aquela visita, quando participavam de uma reunião de oração, o Senhor lhes falou, através de uma mensagem profética, que eles deveriam partir para pregar o evangelho e as bênçãos do avivamento pentecostal. O lugar tinha sido mencionado na profecia: Pará. Nenhum dos presentes conhecia aquela localidade. Após a oração, os dois jovens foram a uma biblioteca à procura de um mapa que lhes indicasse onde o Pará estava localizado. Foi quando descobriram que se tratava de um estado do Norte do Brasil".

História das Assembléias de DEUS no Brasil, Emílio Conde - CPAD

No início do século XX, apesar da presença de imigrantes alemães e suíços de origem protestante e do valoroso trabalho de missionários de igrejas evangélicas tradicionais, nosso país era ainda quase que totalmente católico.

A origem das Assembléias de DEUS no Brasil está no fogo do reavivamento que varreu o mundo por volta de 1900, início do século 20, especialmente na América do Norte.

Os participantes desse reavivamento foram cheios do ESPÍRITO SANTO da mesma forma que os discípulos e os seguidores de JESUS durante a Festa Judaica do Pentecostes, no início da Igreja Primitiva (Atos cap. 2). Assim, eles foram chamados de "pentecostais".

Exatamente como os crentes que estavam no Cenáculo, os precursores do reavivamento do século 20 falaram em outras línguas que não as suas originais quando receberam o batismo no ESPÍRITO SANTO. Outras manifestações sobrenaturais tais como profecia, interpretação de línguas, conversões e curas também aconteceram (Atos cap. 2).

Em 19 de novoembro de 1910, os jovens suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg aportaram em Belém, capital do estado do Pará, vindos dos EUA. A princípio, freqüentaram a Igreja Batista, denominação a que ambos pertenciam nos Estados Unidos. Eles traziam a doutrina do batismo no ESPÍRITO SANTO, com a glossolalia - o falar em línguas estranhas - como a evidência inicial. A manifestação do fenômeno já vinha ocorrendo em várias reuniões de oração nos EUA (e também de forma isolada em outros países), principalmente naquelas que eram conduzidas por Charles Fox Parham, mas teve seu apogeu inicial através de um de seus principais discípulos, um pastor negro leigo, chamado William Joseph Seymour, na Rua Azusa, Los Angeles, em 1906.

Quando Daniel Berg e Gunnar Vingren, chegaram ao Brasil, ninguém poderia imaginar que aqueles dois jovens suecos estavam para iniciar um movimento que alteraria profundamente o perfil religioso e até social do Brasil por meio da pregação de JESUS CRISTO como o único e suficiente Salvador da Humanidade e a atualidade do batismo no ESPÍRITO SANTO e dos dons espirituais. As denominações evangélicas existentes na época ficaram bastante incomodadas com a nova doutrina dos missionários, principalmente por causa de alguns irmãos que se mostravam abertos ao ensino pentecostal. Celina de Albuquerque, na madrugada do dia 18 de junho de 1911 foi a primeira crente da igreja Batista de Belém a receber o batismo no ESPÍRITO SANTO, o que não demorou a ocorrer também com outros irmãos. A nova doutrina trouxe muita divergência naquela comunidade, pois um número cada vez maior de membros curiosos visitava a residência de Berg e Vingren, onde realizavam reuniões de oração. Enquanto um grupo aderiu, outro rejeitou. Assim, em duas assembléias distintas, conforme relatam as atas das sessões, os dezenove adeptos do pentecostalismo foram desligados. Convictos e resolvidos a se organizar, em 18 de junho de 1911, juntamente com os missionários estrangeiros, fundaram uma nova igreja e adotaram o nome de Missão da Fé Apostólica. Este foi o primeiro nome dado ao Movimento Pentecostal nos Estados Unidos a partir de 1901 e era também empregado pelo movimento de Los Angeles, mas sem qualquer vínculo administrativo da nova igreja brasileira com William Joseph Seymour. A partir de então, passaram a reunir-se na casa de Celina de Albuquerque. Mais tarde, em 18 de janeiro de 1918 a nova igreja, por sugestão de Gunnar Vingren, foi registrada como Assembléia de DEUS, em virtude da fundação das Assembléias de DEUS nos Estados Unidos, em 1914, em Hot Springs, Arkansas, mas, outra vez, sem qualquer ligação institucional entre ambas as igrejas.

Em poucas décadas, a Assembléia de DEUS, a partir de Belém do Pará, onde nasceu, começou a penetrar em todas as vilas e cidades até alcançar os grandes centros urbanos como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. As Assembléia de DEUS se expandiram pelo Estado do Pará, alcançaram o Amazonas, propagaram-se para o Nordeste, principalmente entre as camadas mais pobres da população. Chegaram ao Sudeste pelos idos de 1922, através de famílias de retirantes do Pará, que se portavam como instrumentos voluntários para estabelecer a nova denominação aonde quer que chegassem. Nesse ano, a igreja teve início no Rio de Janeiro, no bairro de São Cristóvão, e ganhou impulso com a transferência de Gunnar Vingren, de Belém, PA, em 1924, para a então capital da República. Um fato que marcou a igreja naquele período foi a conversão de Paulo Leivas Macalão, filho de um general, através de um folheto evangelístico. Foi ele o precursor do assim conhecido Ministério de Madureira, como veremos adiante.

A influência sueca teve forte peso no início da formação assembleiana brasileira, em razão da nacionalidade de seus fundadores, e graças à igreja pentecostal escandinava, principalmente a Igreja Filadélfia de Estocolmo, que, além de ter assumido nos anos seguintes o sustento de Gunnar Vingren e Daniel Berg, enviou outros missionários para dar suporte aos novos membros em seu papel de fazer crescer a nova Igreja. Desde 1930, quando se realizou a primeira Convenção Geral dos pastores na cidade de Natal, RN, as Assembléias de DEUS no Brasil passaram a ter autonomia interna, sendo administrada exclusivamente pelos pastores residentes no Brasil, sem contudo perder os vínculos fraternais com a igreja na Suécia. A partir de 1936 a igreja passou a ter maior colaboração das Assembléias de DEUS dos EUA através dos missionários enviados ao país, os quais se envolveram de forma mais direta com a estruturação teológica da denominação.

Em virtude de seu fenomenal crescimento, os pentecostais começaram a fazer diferença no cenário religioso brasileiro. De repente, o clero católico despertou para uma possibilidade jamais imaginada: o Brasil poderia vir a tornar-se, no futuro, uma nação protestante. Tal possibilidade se tornou ainda mais real com a divulgação entre o final de 2006 e início de 2007 por um instituto de pesquisa de que, com vinte milhões de fiéis, o Brasil é o maior país pentecostal do mundo.

O que são as Assembléias de DEUS

As Assembléias de DEUS são uma comunidade protestante, segundo os princípios da Reformada Protestante pregada por Martinho Lutero, no século 16, contra a Igreja Católica. Cremos que qualquer pessoa pode se dirigir diretamente a DEUS baseada na morte de JESUS na cruz. Este é um relacionamento pessoal e significativo com JESUS. Embora sejamos menos formais em nossa adoração a DEUS do que muitas denominações protestantes, a Assembléia de DEUS se identifica com eles na fundamentação bíblica-doutrinária, com exceção da doutrina pentecostal (Hebreus 4.14-16; 6.20; Efésios 2.18).

As Assembléias de DEUS são uma igreja evangélica pentecostal que prima pela ortodoxia doutrinária. Tendo a Bíblia como a sua única regra de fé e prática, acha-se comprometida com a evangelização do Brasil e do mundo, conformando-se plenamente com as reivindicações da Grande Comissão.

A doutrina que distingue as Assembléias de DEUS de outras igrejas diz respeito ao batismo no ESPÍRITO SANTO. As Assembléias de DEUS crêem que o batismo no ESPÍRITO SANTO concede aos crentes vários benefícios como estão registrados no Novo Testamento. Estes incluem poder para testemunhar e servir aos outros; uma dedicação à obra de DEUS; um amor mais intenso por CRISTO, sua Palavra, e pelos perdidos; e o recebimento de dons espirituais (Atos 1.4,8; 8.15-17).

As Assembléias de DEUS crêem que quando o ESPÍRITO SANTO é derramado, ele enche o crente e fala em línguas estranhas como aconteceu com os 120 crentes no Cenáculo, no Dia de Pentecoste. Embora esta convicção pentecostal seja distintiva, as Assembléias de DEUS não a têm como mais importante do que as outras doutrinas (Atos 2.4).

O seu Credo de Fé realça a salvação pela fé no sacrifício vicário de CRISTO, a atualidade do batismo no ESPÍRITO SANTO e dos dons espirituais e a bendita esperança na segunda vinda do Senhor JESUS. Consciente de sua missão, as Assembléias de DEUS não prevalecem do fato de ter, segundo dados do IBGE (Censo 2000), mais de oito milhões de membros. Apesar de sua força e penetração social, optou por agir profética e sacerdotalmente. Se por um lado, protesta contra as iniqüidades sociais, por outro, não pode descuidar de suas responsabilidades intercessórias.

Sua estrutura Administrativa

As Assembléias de DEUS estão organizadas em forma de árvore, onde cada Ministério é constituído pela Igreja-Sede com suas respectivas igrejas filiadas, congregações e pontos de pregação.

As igrejas Assembléias de DEUS atuam em cada lugar sem estarem ligadas administrativamente à uma instituição nacional. A ligação nacional entre as igrejas é feita através dos seus pastores que são filiados a convenções estaduais que, por sua vez, se vinculam a uma Convenção de caráter nacional.

Em cada estado os pastores estão ligados a convenções regionais e a ministérios. Essas convenções, em geral, credenciam evangelistas e pastores, cuidam de assuntos da liderança e de direção das igrejas. Essas convenções operam um tipo de liderança regional entre a igreja local e a Convenção Geral.

A Convenção Geral das Assembléias de DEUS no Brasil (CGADB) é dirigida por uma Mesa Diretora, eleita a cada dois anos numa Assembléia Geral. Para várias áreas de atividades das Assembléias de DEUS a CGADB tem um conselho ou uma comissão. Desta forma, existem o Conselho Administrativo da Casa Publicadora (CPAD), o Conselho de Educação e Cultura Religiosa, o Conselho de Doutrinas, o Conselho Fiscal, o Conselho de Missões, a Secretaria Nacional de Missões (SENAMI), a Escola de Missões das Assembléias de DEUS (EMAD) e a Faculdade Evangélica de Tecnologia, Ciências e Biotecnologia da CGADB (FAECAD).

A CGADB possui sede no Rio de Janeiro e pode ser considerada o tronco da denominação por ser a entidade que desde o princípio deu corpo organizacional à Igreja, e a quem pertence a patente do nome no país.

As Assembléias de DEUS brasileira tem passado por várias cisões que deram origem a diversas convenções e ministérios, com administração autônoma, em várias regiões do país. O mais expressivo dos ministérios é o Ministério de Madureira, cuja igreja já existia desde os idos da década de 1930, fundada pelo pastor Paulo Leivas Macalão e que, em 1958, serviu de base para a estruturação nacional do Ministério por ele presidido, até a sua morte, no final de 1982. Ela deu origem à seguinte entidade:

Convenção Nacional das Assembléias de DEUS no Brasil - Ministério de Madureira
À medida que os anos se passavam, os pastores do Ministério de Madureira (assim conhecido por ter sua sede no bairro de mesmo nome, no Rio de Janeiro), sob a liderança do pastor (hoje bispo) Manoel Ferreira, se distanciavam das normas eclesiásticas da CGADB, segundo a liderança da época, que, por isso mesmo, realizou uma Assembléia Geral Extraordinária em Salvador, BA, em setembro de 1989, onde esses pastores foram suspensos até que aceitassem as decisões aprovadas. Por não concordarem com as exigências que lhes eram feitas, se organizaram numa nova entidade, hoje com cerca de 2 milhões de membros, no Brasil e exterior. Dessa forma surgiu a Convenção Nacional das Assembléias de DEUS no Brasil - Ministério de Madureira - CONAMAD, fundada em 1988.

Outros ramos
Há, ainda, vários ministérios e um grande número de igrejas independentes que usam a nomenclatura Assembléia de DEUS, em diversas regiões do país, que atuam sem vinculação com a CGADB ou com a CONAMAD.

O Compromisso com a Proclamação da Palavra de DEUS

Sendo uma comunidade de fé, serviço e adoração, as Assembléias de DEUS não podem furtar-se às suas obrigações - proclamar o evangelho de CRISTO e promover espiritual, moral e socialmente o povo de DEUS. Somente assim, estaremos nos firmando, definitivamente, como agência do Reino de DEUS.

As Assembléias de DEUS não são a única igreja. DEUS está usando muitos outros para alcançar o mundo para Ele. Nos cenários brasileiro e mundial somos uma das muitas denominações comprometidas em conduzir crianças, adolescentes, jovens e adultos a CRISTO.

Nossa oração nas Assembléias de DEUS é que sejamos usados por DEUS para ajudar os perdidos e propiciar um ambiente onde o ESPÍRITO SANTO possa realizar sua obra especial na vida dos que crêem.

Para mais informações, visite o site da CGADB: www.cgadb.com.br
Fonte: CPAD, Wikipedia e Dicionário do Movimento Pentecostal

No livro "Assembléia de DEUS - Origem, implantação e militância (1911-1946)", do sociólogo cristão Gedeon diz:
Uma época em que "...os primeiros cultos/reuniões foram realizados em residências, alpendres, debaixo de árvores e esquinas. Nestes lugares não havia púlpitos; platéia e oficias estão no mesmo nível..." (p. 149). Contudo, com o passar dos anos, " a igreja cresce, começa a se institucionalizar, adquire um patrimônio, nasce os cargos, surgem os trâmites burocráticos e, fatalmente a problemática da disputa de poder." (p. 148)

100 anos de história (http://www.adbelem.org.br/100/index.php?option=com_content&view=article&id=29&Itemid=25)
O Berço em Belém.
Na virada do século XX, surge em várias partes do mundo e nos Estados Unidos o movimento denominado pentecostal, que difundia uma renovação dos moldes pregados pelas igrejas tradicionais por meio do batismo com o ESPÍRITO SANTO.
Contagiados por esta doutrina, dois jovens missionários suecos residentes nos Estados Unidos, Daniel Berg e Gunnar Vingren, receberam como missão pregar o evangelho em uma terra distante e desconhecida, chamada Pará. Foi então que partiram rumo a Belém, onde desembarcaram no dia 19 de novembro de 1910.
Inicialmente, se integraram à Primeira Igreja Batista do Pará, localizada na Rua João Balbi. Porém, sentiram a necessidade de tomar um novo rumo.

A Missão
Desvinculado da Igreja Batista, o pequeno grupo pioneiro liderado pelos missionários ficou sem lugar para reunir. Foi então que o casal Henrique e Celina Albuquerque ofereceu a ala de sua casa, na Rua Siqueira Mendes, para o início de uma das maiores obras pentecostais do último século.
E no domingo, 18 de junho de 1911, na sala do casal lbuquerque, surge uma nova igreja inicialmente chamada Missão da Fé Apostólica. Somente após sete anos de sua fundação foi denominada Assembléia de DEUS.

O Templo
As reuniões na Rua Siqueira Mendes duraram cerca de três meses. Depois, para facilitar o acesso, a igreja mudou-se para a residência de José Batista de Carvalho, na Rua São Jerônimo (atual Avenida Governador José Malcher).
Somente em 8 de novembro de 1914 os membros passaram a se reunir em seu primeiro templo livre, situado na Travessa Nove de Janeiro. Ali ficaram até 30 de outubro de 1926, quando o pastor Samuel Nyström transferiu a sede da igreja para a Travessa 14 de Março, antigo nº 759. Nesse mesmo local, o pastor Firmino Gouveia inaugurou o tual Templo Central da Assembléia de DEUS em Belém no dia 23 de abril de 1988.

Fé sem Fronteiras
Paralela à obra desenvolvida em Belém, a igreja caminhava a passos largos para a sua expansão, com cultos públicos em vários lugares, orações pelos enfermos e batismos com o ESPÍRITO SANTO. A ilha do Marajó, onde os missionários estiveram apenas um mês após o desembarque em Belém, transformou-se num dos mais ricos berços do movimento Pentecostal Brasileiro.
Começando pelos municípios arredores, o evangelho pentecostal espalhou-se por todo o Estado do Pará. Assim, enquanto Gunnar Vingren cuidava da igreja em Belém, Daniel Berg e um grupo que se formava saiu espalhando a mensagem por lugares como Bragança, Vigia, Timboteua, São Luís do Pará, Capanema, Quatipuru, Bonito, Primavera e Tauari.
O crescimento fenomenal da Assembléia de DEUS está ligado diretamente ao trabalho dos leigos. Desde o início, a igreja valorizou o trabalho dos membros. Isso levou a mensagem pentecostal para os lares, praças e ruas. Fez a igreja entrar nas prisões, hospitais e prédios públicos. Cada fiel da igreja tornou-se um evangelista. Não demorou muito, e alguns desses homens e mulheres estavam cruzando as fronteiras do Pará.
Os resultados deram à igreja pentecostal a dimensão que hoje vemos. O rápido crescimento exigiu novos líderes e norteou a expansão da nova igreja.

Comemorações Inesquecíveis
A cada ano, a Assembléia de DEUS em Belém, no Pará e no Brasil comemora sua existência com uma grande festa. Algumas festas foram marcantes, como o Jubileu e Ouro, em 1961, quando a igreja comemorou meio século de existência. Na ocasião, estiveram presentes o missionário fundador Daniel Berg e o missionário Ivar Vingren, filho do missionário Gunnar Vingren, já falecido na época. A festa do Jubileu não foi apenas local. Em diversas cidades brasileiras essa data histórica foi igualmente festejada. Nesse período, os pentecostais brasileiros eram estimados em cerca de um milhão de pessoas.
Já em 2001, a igreja celebrou seus 90 anos de bem sucedida história. As comemorações oficiais começaram com uma marcha (com aproximadamente 100 mil pessoas) pela cidade de Belém.

Junho de 2011. A Assembléia de DEUS receberá pessoas de todas as partes do mundo, que participarão dos eventos comemorativos deste período que será simbólico para a capital do Estado do Pará. Uma extensa programação vai ser promovida em Belém, reunindo cerca de 300 mil pessoas, visitantes e moradores.
São aguardadas caravanas que se hospedarão nos hotéis e em casas de famílias; que circularão pelas ruas de Belém; que frequentarão os lugares que são referências da história e cultura locais; que encontrarão o acolhimento necessário para festejar. A expectativa é que a rotina da cidade se transforme.
Abrindo a agenda das comemorações pelo centenário está a inauguração do Centro de Convenções do Centenário, no dia 28 de maio, um presente da Assembléia de DEUS para a cidade-berço da igreja. Com capacidade para 20 mil pessoas, está em construção numa área de 40 mil metros quadrados, localizada próximo ao Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, que também será palco de parte da programação do Centenário.
Durante os dias 16 a 18 de junho, os eventos se concentrarão durante o dia no Centro de Convenções e, à noite, no Mangueirão.
Nos três dias, haverá cultos especiais com o evangelista Reinhard Bonnke, a missionária Helena Raquel e o pastor Silas Malafaia, além de pregadores nacionais e
internacionais que participarão desse momento único.

ASSEMBLÉIA DE DEUS NO BRASIL (http://umadeta.com.br/historico.html)
Daniel Berg e Gunnar Vingren, missionários suecos, após receberem o batismo com o ESPÍRITO SANTO - com evidência de falar em outras línguas - durante o avivamento em Los Angeles e Chicago no início do século 20, DEUS os escolheu para juntos trazerem mensagem pentecostal para o Brasil.
O chamado aconteceu de forma sobrenatural: através de uma profecia, foi revelado que os dois deveriam ir ao Pará. Somente após procurar no mapa mundial os dois missionários tomaram conhecimento de que o local ficava no norte do Brasil. Em obediência à chamada divida, Daniel Berg e Gunnar Vingren chegaram a Belém no dia 19 de novembro de 1910.

Além da barreira do idioma, os dois missionários sofreram com a falta de recursos financeiros, pois, além de serem pobres, não eram mantidos por nenhuma junta missionária. No início, Berg e Vingren participavam de cultos em igrejas protestantes cantando hinos em sueco. Quando passaram a entender o idioma local, iniciaram a testificar de JESUS, enfatizando a salvação, o batismo com o ESPÍRITO SANTO, a cura divina e o uso dos dons espirituais.
A doutrina pentecostal ministrada com a devida base bíblica foi assimilada por parte dos crentes, mas rejeitada por outros. Seis meses depois da chegada a Belém, Vingren foi convidado para dirigir um culto de oração e falou da necessidade de o crente ser revestido do poder do alto. A maioria dos presentes alegrou-se com a mensagem e outras reuniões de oração foram realizadas em casas de crentes que queriam o batismo no ESPÍRITO SANTO como uma realidade em suas vidas. No alvorecer do dia 8 de junho de 1911, a irmã Celina Albuquerque, orando em sua casa, juntamente com outros irmãos, teve o privilégio de ser a primeira evangélica brasileira a receber o cumprimento da promessa, falando em línguas, tal qual os primitivos cristãos no dia de Pentecostes. No dia seguinte, a irmã Maria de Nazaré de Araújo foi também batizada com o ESPÍRITO SANTO.

A evidência da mensagem pentecostal levou a direção da Igreja Batista a uma tomada de posição. Em uma reunião extraordinária, foi solicitado que todos os que estivessem de acordo com a nova doutrina se manifestassem. Para surpresa geral, dezenove irmãos - a maioria, portanto - levantaram-se. Uns porque já eram batizados com o ESPÍRITO SANTO, e os outros, porque criam que poderiam receber a promessa. O grupo alinhado ao ensino pentecostal foi ilegalmente excluído pela minoria presente, delineando as bases do movimento pentecostal no solo brasileiro. Os irmãos desligados da Igreja Batista passaram a reunir-se em um salão na Rua Siqueira Mendes, 79, Cidade Velha, residência do irmão Henrique de Albuquerque. Como a glória do Senhor se manifestava naquele lugar, houve a necessidade de organizar o movimento. No dia 18 de junho de 1911, por deliberação unânime, foi fundada a Missão de Fé Apostólica, posteriormente denominada de Assembléia de DEUS. Supõe-se que o nome escolhido para a nova denominação esteja ligado às igrejas que na América do Norte professavam a mesma doutrina e foram denominados de Assembléia de DEUS ou Igreja Pentecostal.

GUNNAR VINGREN E DANIEL BERG - OS VERDADEIROS VÍNCULOS COM OS NORTE-AMERICANOS
As ligações das Assembleias de DEUS brasileiras com os suecos pentecostais norte-americanos
Quando Gunnar Vingren emigrou da Suécia para os Estados Unidos, em 19 de novembro de 1903, ele chegou a Kansas City (Missouri) e procurou seu tio Carl Vingren (1), que havia sido missionário batista na China e que pastoreara a Primeira Igreja Batista Sueca (atual Bemis Park Baptist) de Omanha (Nebraska), no período de 1898 a 1901 (2). Em Kansas City, Vingren pertenceu e assistiu cultos numa igreja batista sueca da cidade. Em fevereiro de 1904, Vingren viajou para St. Louis (Missouri) e freqüentou a igreja batista sueca local.Começa o avivamento pentecostal em Chicago antes de Azusa StreetDe setembro de 1904 a maio de 1909, Vingren cursou Teologia no Seminário Teológico Batista Sueco na Universidade de Chicago, Illinois, (atualmente Bethel University).Nesse período em que Vingren se encontrava cursando Teologia, o avivamento pentecostal se iniciou em várias igrejas batistas suecas de Chicago, começando pela Segunda Igreja Batista Sueca em 1906, no centro da colônia de imigrantes suecos nas vizinhanças das ruas Vinte e Cinco e Wentworth, lado sul daquela cidade (3). A Segunda Igreja Batista Sueca surgira como filial missionária da Primeira Igreja Batista de Chicago. Seu primeiro culto ocorreu em 27 de novembro de 1873 com 11 pessoas. A organização da igreja aconteceu em 11 de março de 1874 com 12 membros. Nesta assembléia formal, A. B. Orgren, então seminarista, foi eleito pastor da igreja. Durante os primeiros quatorze meses não menos que sessenta novos membros foram acrescentados à igreja, quarenta e dois desses pelo batismo em água. Esta igreja, mais tarde conhecida como Grace Baptist Church, tornou-se bastante destacada na denominação. Primeiro pelo fato de ter sido liderada por pastores talentosos, e em segundo lugar, porque ela se tornou o grande ambiente para o ponto de partida e principal promotora do movimento de avivamento pentecostal, que entre os batistas suecos ficou conhecido como o “Movimento Novo” (Den nya rörelsen).Foi então durante o pastorado de J. W. Hjertstrom (1901-1910) que a Segunda Igreja tornou-se o foco de atenção de toda a denominação batista sueca. Tendo estreita afinidade doutrinária com a fé batista, era natural que o Movimento Pentecostal moderno que se iniciava nessa época nos EUA, chamado entre os batistas suecos de “movimento novo”, viesse afetar seriamente muitas igrejas batistas suecas. Hjertstrom teve uma experiência de despertamento espiritual semelhante ao que ficou convencionado entre os pentecostais de “batismo no ESPÍRITO SANTO”. A Segunda Igreja Batista, então, tornou-se pentecostal. Pastor Hjertstrom escreveu vários artigos no jornal batista sueco Nya Wecko-Posten durante a primeira parte de 1906, relatando algumas notáveis respostas de orações. Segundo Hjertstrom, há quase quatro anos antes de 1906, muitos crentes na Segunda Igreja se reuniam toda segunda-feira à noite para orar em busca do revestimento do ESPÍRITO SANTO e para estudar a Palavra de DEUS a respeito da pessoa e obra do ESPÍRITO SANTO. No mês de fevereiro de 1906 veio a resposta à oração que aqueles crentes faziam a DEUS. O ESPÍRITO SANTO veio sobre eles poderosamente e foi derramado sobre muitos crentes. Vários crentes foram batizados no ESPÍRITO SANTO e falaram línguas estranhas. O que aconteceu na Segunda Igreja Batista Sueca ganhou fama não somente em Chicago mas em todos os Estados Unidos.Estes batismos no ESPÍRITO SANTO ocorreram em Chicago dois meses antes do derramamento pentecostal de Azusa Street, em Los Angeles (Califórnia), que teve início a partir de 9 de abril de 1906.O clímax desse movimento na Segunda Igreja Batista e em Chicago parece ter ocorrido no grande encontro para aprofundamento da vida espiritual que aconteceu de 11 a 14 de fevereiro de 1909. Não somente de Chicago, mas também de muitos pontos distantes vinham pessoas à Segunda Igreja para participar de conferências sobre a vida cheia do ESPÍRITO. Pastor Hjertstrom era um homem de grandes talentos. Um orador fervoroso com capacidade incomum em relação ao idioma sueco, uma imaginação prolífica, uma voz musical e um caloroso coração. Ele se lançou com toda a força de uma personalidade forte no “Movimento Novo” e tornou-se seu principal defensor entre os batistas suecos. Era um movimento pentecostal com maior ênfase na vida cheia do ESPÍRITO e logo se espalhou a outras áreas do país. No entanto, muitos deixaram a igreja e se associaram a grupos pentecostais de suas preferências. Gunnar Vingren busca o batismo com o ESPÍRITO SANTO em ChicagoDe junho de 1909 até fevereiro de 1910, Vingren foi pastor da Primeira Igreja Batista Sueca de Menominee (Michigan) (atual North Shore Baptist Church). Enquanto pastoreava esta igreja, Vingren participou em novembro de 1909 de uma conferência na Primeira Igreja Batista Sueca de Chicago. Ele revelou em sua autobiografia Diário do Pioneiro que foi a esta conferência “com o firme propósito de buscar o batismo com o ESPÍRITO SANTO” (4). Isto dá-nos a entender que essa conferência tinha características pentecostais. Cinco dias depois, informa Vingren, ele recebeu o batismo com o ESPÍRITO SANTO e falou em línguas. Foi nessa época que ele conheceu seu companheiro de missão no Brasil, o batista sueco Daniel Berg.

Certificado de ordenação de Nels Nelson expedido em 1917 pela Scandinavian Assemblies of God, tendo como secretário A. A. Holmgren

Suecos batistas fundam as Assembleias de DEUS escandinavas
Como resultado do movimento pentecostal iniciado entre os batistas suecos de Chicago, surgiram as denominações Scandinavian Independent Assemblies of God (SIAG) [Assembleias de DEUS Independentes Escandinavas] e Scandinavian Assemblies of God (SAG) [Assembleias de DEUS Escandinavas].
No grupo de pastores batistas suecos que se tornaram pentecostais estavam Bengt Magnus Johnson (5) e A. A. Holmgren (6).
Gunnar Vingren pastoreia uma Igreja Batista Sueca pentecostal. Vingren deixou a Primeira Igreja Batista Sueca de Menominee porque os membros que não creram no batismo no ESPÍRITO SANTO o obrigaram se retirar do pastorado. Naquela igreja 31 membros se tornaram pentecostais (7). Em seguida, Vingren assumiu o pastorado da Primeira Igreja Batista Sueca de South Bend (Indiana) cujos membros aceitaram o ensino do batismo no ESPÍRITO SANTO, tendo 20 pessoas batizadas.Gunnar Vingren e Daniel Berg recebem apoio dos lideres suecos pentecostais para virem ao BrasilFoi na igreja de Bengt Magnus Johnson que Vingren e Berg receberam uma oferta que superou os 90 dólares que Vingren havia anteriormente ofertado a William H. Durham para o jornal da Missão da Avenida Norte de Chicago, poucos dias antes de embarcar para o Brasil no dia 5 de novembro de 1910.Em 1911, pastor Bengt Magnus Johnson fundou a Lakeview Gospel Church de Chicago.

Gunnar Vingren e Daniel Berg são sustentados pelos suecos pentecostais dos EUA e mantém vínculos com as igrejas escandinavas
Entre 1911-12, Gunnar Vingren e Daniel Berg foram sustentados pelos crentes pentecostais suecos dos Estados Unidos por meio dos pastores Bengt Magnus Johnson e A. A. Holmgren (8). Em 11 de outubro de 1915, quando empreendeu sua primeira viagem rumo à Suécia, Vingren passou por várias igrejas suecas nos EUA, entre elas, a Missão Apostólica Sueca em Mekersport. Em 23 de outubro do mesmo ano, ele foi para Chicago pregar na igreja do pastor Bengt Magnus Johnson. Ali, Vingren participou de uma conferência com muitos pastores e pregadores presentes. Ele pregou num dos cultos da conferência. Os participantes da conferência se interessaram pelo trabalho missionário no Brasil e levantaram uma oferta para Gunnar Vingren comprar um barco para a missão no rio Amazonas (9).
Em maio de 1917, Vingren, retornando da sua primeira viagem à Suécia, foi a Chicago participar da inauguração de uma igreja do pastor Bengt Magnus Johnson.
Ainda em 1917, Vingren viajou aos Estados de Michigan e Minneápolis, e ali se encontrou com A. A. Holmgren, e teve vários cultos juntos com ele e Bengt Magnus Johnson.
Nels Julius Nelson, missionário sueco entre as Assembléias de DEUS a partir de 1921, foi ordenado missionário em 1917 pela Scandinavian Assemblies of God (IAG) e recebeu sustento financeiro dessas igrejas por meio de A. A. Holmgren (10).
Em 1922, na cidade de St. Paul (Minnesota), cerca de 25 pastores dos grupos SIAG e SAG, decidiram se reunir sob uma bandeira comum e informal chamada Independent Assemblies of God (IAG). A base de sua unidade era a crença de que cada igreja local era livre para administrar e direcionar seus próprios negócios, sem responder a qualquer estrutura denominacional (11).

Ao retornar de sua segunda viagem à Suécia, Vingren permaneceu nos Estados Unidos, de 28 de agosto de 1922 a 20 de janeiro de 1923. Durante este período, ele pregou em cultos de igrejas batistas suecas pentecostais em cidades como Duluth, Minneápolis, Chicago, Nova Iorque e em vários lugares de Minnesota (12).
Em 1926, na primeira Convenção dos Missionários das Assembleias de DEUS no Brasil, na Assembléia de DEUS em São Cristóvão, Rio de Janeiro, com a presença do doutor A. P. Franklin, secretário de missões estrangeiras da Svenska Fria Missionen (Missão Livre Sueca), os missionários suecos reunidos aprovaram que trabalhariam no Brasil em cooperação com a Svenska Fria Missionen da Suécia. Em troca, a referida missão representaria naquele país escandinavo os interesses do trabalho das Assembleias de DEUS no Brasil.O mesmo ficou aprovado em relação à Scandinavian Assemblies of God dos Estados Unidos da América (13).

Reportagem do Boa Semente, noticiando a cooperação mútua entre os missionários suecos e a Scandinavian Assemblies of God dos EUA

Numa carta de 27 de maio de 1932, Vingren revelou que seu sustento financeiro vinha tanto da Igreja Filadélfia de Estocolmo, do pastor Lewi Pethrus, como dos Estados Unidos. Um dos crentes da América do Norte mandava mensalmente uma oferta. Provavelmente, este crente pertencia a uma das congregações pentecostais suecas com as quais Vingren mantinha laços fraternais (14).

A. A. Holmgren (quarto em pé da esquerda para esquerda) no Brasil em 1936 junto com missionários suecos

BIBLIOGRAFIA
OLSON, Adolf. A Centenary history – as related to the Baptist General Conference of America. Chicago, Illinois, EUA: Baptist Conference Press, 1952, p. 262-265, 588-591, 606.VINGREN, Ivar. O diário do pioneiro: Gunnar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 1973, 222 p.
Fellowship of Christian Assemblies – Our History (USA). Disponível em acesso em 26/03/2009.

NOTAS
(1) No Diário do Pioneiro (1973:68) consta que Carl Vingren fora missionário batista na China e Adolf Olson, historiador dos batistas suecos americanos, informa que ele também foi pastor da Primeira Igreja Batista Sueca de Minneapolis, de 1912-1918, e da Igreja Batista Sueca de Kingsburg, na Califórnia, de 1918 a 1924. (OLSON, Adolf. A Centenary history – as related to the Baptist General Conference of America. Chicago, Illinois, EUA: Baptist Conference Press, 1952, p. 184, 400.)
(2) OLSON, Adolf. A Centenary history – as related to the Baptist General Conference of America. Chicago, Illinois, EUA: Baptist Conference Press, 1952, p. 359.
(3) Nos primeiros momentos de imigração sueca na América era comum o povo sueco se estabelecer em colônias tanto em áreas rurais e em grandes cidades. Nesses lugares surgiam importantes comunidades suecas com lojas, hospedagens e igrejas de acordo com os padrões suecos, e o idioma sueco era usado quase exclusivamente. (OLSON, Adolf. A Centenary history – as related to the Baptist General Conference of America. Chicago, Illinois, EUA: Baptist Conference Press, 1952, p. 262-63.)
(4) VINGREN, Ivar. O diário do pioneiro: Gunnar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 1973, p. 19.
(5) Este pastor sueco é sempre citado como B. M. Johnson no livro Diário do Pioneiro.
(6) Pastor A. A. Holmgren foi secretário da Scandinavian Assemblies of God e redator do jornal sueco publicado nos EUA, Saningens Vittne. Ele veio ao Brasil em 1936 para participar da Convenção Geral das Assembléias de DEUS realizada em Belém do Pará que comemorou os 25 anos de fundação das ADs no Brasil. Holmgren era considerado um grande amigo dos crentes assembleianos. (DANIEL, Silas. História da Convenção Geral das Assembléias de DEUS no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 2004, convenção 1936; Mensageiro da Paz, CPAD, agosto 1936, p. 5, 7, 1ª quinzena; agosto 1936, p. 6, 2ª quinzena).
(7) The History of the Thirteenth Street Baptist Church of Menominee, Michigan – 1887-1962 (histórico apostilado).
(8) DESPERTAMENTO apostólico no Brasil. Tradução: Ivar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 1987, p. 15.
(9) VINGREN, p. 67.
(10) NELSON, Samuel. Nels Nelson: o apóstolo pentecostal brasileiro. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 2001, p. 114.
(11) Lewi Pethrus, pastor da Igreja Filadélfia de Estocolmo (Suécia) influenciou os pentecostais escandinavos norte-americanos por meio de suas visitas e obras sobre “igreja livre”. Sua base em Chicago era a Philadelphia Church, fundada em 1926. (Fellowship of Christian Assemblies – Our History (USA). Disponível em acesso em 26/03/2009; PETHRUS, Lewi. Memoarer – Den anständiga sanningen. Stockholm: C. E. Fritzes Bokförlags Artiebolag, 1953, p. 28-38.)
(12) VINGREN, p. 113.
(13)Boa Semente. Belém do Pará, setembro de 1926, p. 5.
(14) VINGREN, p. 196, 197.

INTERAÇÃO
A Assembléia de DEUS no Brasil não nasceu por acaso. Foi o Senhor quem plantou a "semente" no coração de Daniel Berg e Gunnar Vingren e a fez germinar, crescer e dar muitos frutos. Homens e mulheres, cheios do ESPÍRITO SANTO, ajudaram a construíra sua história. Você também faz parte desta trajetória de êxitos e triunfos em CRISTO. É sua responsabilidade dar continuidade ao legado deixado pelos fervorosos e destemidos servos do Senhor. Glorifique ao Senhor pelos cem anos de genuíno pentecostalismo e continue a proclamar que JESUS sal­va, cura, batiza com o ESPÍRITO SANTO e em breve voltará.

OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Explicar como se deu o chamado missionário de Daniel Berg e Gunnar Vingren.
Conhecer como foi a fundação da Assembléia de DEUS no Brasil.
Saber que a Assembléia de DEUS é a pioneira do Movimento Pentecostal brasileiro.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, sugerimos para a aula de hoje que você faça cópias do quadro abaixo para os alunos. Utilize o quadro ao concluir o terceiro tópico da lição. Diga aos alunos que o mapa mostra como a chama pentecostal se propagou em nossa nação. Enfatize o fato de que hoje as Assembléias de DEUS estão presentes em todos os estados brasileiros. Somos a maior denominação pentecostal do Brasil. Conclua orando juntamente com seus alunos. Agradeça ao Senhor por todas as bênçãos e pelo crescimento das ADs em nossa nação.

As pessoas e o ano mencionados se referem a quem primeiro levou a mensagem pentecostal e quando a pregou, não representando necessa­riamente quem e quando a Assembléia de DEUS foi fundada em cada estado.


QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 10 - ASSEMBLÉIA DE DEUS - 100 ANOS DE PENTECOSTES
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2011
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
De sorte que as igrejas eram __________________________ na ______________________ e cada dia _____________________ em número (Atos 16,5).

VERDADE PRATICA
2- Complete:
DEUS _____________________ as Assembléias de DEUS no Brasil para ______________________ ao mundo que JESUS salva, cura, batiza com o ESPÍRITO SANTO e em _______________________ voltará.

INTRODUÇÃO
3- Por ocasião do Centenário das Assembléias de DEUS no Brasil é fundamental que a imensa multidão de seus membros e congregados estude o que?
( ) Como DEUS chamou os seus pioneiros.
( ) Como DEUS começou a derramar do seu ESPÍRITO SANTO sobre todos os que crêem.
( ) Como DEUS fez prosperar essa obra em todos os rincões de nossa querida pátria.

I. O CHAMADO MISSIONÁRIO DOS PIONEIROS
4- Como foi a experiência pentecostal de Daniel Berg?
( ) Em 25 de março de 1902, o jovem sueco Daniel Berg, com 18 anos e crente batista, desembarcou em Boston, nos Estados Unidos.
( ) Depois de sete anos, retornou a Suécia e conheceu a nova doutrina do batismo com o ESPÍRITO SANTO por meio do pastor Lewi Pethrus que fora seu amigo de infância.
( ) Quando retornou aos Estados Unidos, em Chicago, ele recebeu a promessa pentecostal em 15 de setembro de 1909.

5- Como foi a experiência pentecostal de Gunnar Vingren?
( ) Em 19 de novembro de 1903, o jovem sueco Gunnar Vingren chegou a Kansas City (EUA).
( ) Era crente batista e trabalhara como evangelista na Suécia.
( ) Recebeu o batismo com o ESPÍRITO SANTO em novembro de 1909 numa conferência em Chicago.

6- Como foi o encontro em Chicago e a visão do Pará?
( ) Gunnar Vingren e Daniel Berg se conheceram em 1909, na cidade de Chicago.
( ) Os dois descobriram que tinham uma chamada missionária.
( ) Adolf Uldin, membro da Igreja Batista sueca em South Bend, que Vingren pastoreava, profetizou que eles iriam para um lugar chamado "Pará".
( ) Vingren descobriu num mapa na biblioteca de sua cidade que Pará era um Estado do Norte do Brasil.
( ) DEUS, então, revelou-lhes, quando estavam orando, em outra ocasião, que deveriam sair de Nova Iorque com destino ao Pará no dia 5 de novembro de 1910.

II. A FUNDAÇÃO DA ASSEMBLÉIA DE DEUS NO BRASIL
7- Como foi a viagem dos dois missionários a bordo do navio Clement?
( ) Decidido a atender ao chamado divino para a obra missionária no Brasil, Vingren deixou em 12 de outubro de 1910, o pastorado da igreja em South Bend.
( ) Decidido a atender ao chamado divino para a obra missionária no Brasil, Daniel Berg saiu do seu emprego numa quitanda em Chicago.
( ) Após terem experiências marcantes em relação ao dinheiro de que precisariam para viajar, embarcaram em Nova Iorque na terceira classe do navio Clement rumo ao Brasil.
( ) Na viagem de quatorze dias, tiveram de experimentar uma comida nada agradável.
( ) Eles ficaram ali, deitados na terceira classe, orando durante todo o tempo.
( ) Certo dia, Daniel profetizou que o Senhor estava com eles, e verdadeiramente sentiram isso em seus corações.
( ) Durante o período em que estavam no navio, oraram por um companheiro de viagem e evangelizaram um outro que veio a aceitar a CRISTO como Salvador.

8- Como foi a chegada ao Pará e a doutrina pentecostal? Complete:
Chegaram a Belém do Pará em 19 de ______________________ de 1910. Em Belém, moraram no porão da Igreja _______________________. Nos cultos e reuniões de oração da igreja, Vingren e Berg, quando começaram a falar o idioma português, pregavam a respeito do ________________________ com o ESPÍRITO SANTO. O objetivo deles era pregar o evangelho de ____________________ aos seus ouvintes. Celina Martins Albuquerque, membro da Igreja ______________________, creu na mensagem pentecostal pregada pelos jovens missionários e recebeu o _________________________ com o ESPÍRITO SANTO quando orava de ______________________ em sua casa, no dia 2 de junho de 1911, juntamente com outra irmã da sua igreja, Maria de _________________________.

9- Como nasceu a Assembléia de DEUS? Complete:
O batismo com o ESPÍRITO SANTO da irmã Celina Albuquerque, e também, da irmã Maria de Nazaré, que ocorreu na noite do dia 2 de junho, fez surgir uma _____________________ na Igreja _____________________ de Belém, que culminou na __________________________ de 13 membros, no dia 13 de junho de 1911. No dia 18 do mesmo mês e ano, Domingo, com 18 pessoas presentes mais Vingren e Berg, nasceu, na casa de Celina Albuquerque, a Missão de Fé __________________________, que, em 11 de janeiro de 1918, foi registrada oficialmente como Sociedade Evangélica __________________________ de DEUS.

III. DO NORTE PARA TODO O BRASIL
10- Como foi o trabalho evangelístico e a expansão nacional?
( ) Daniel Berg e Gunnar Vingren, juntamente com os primeiros membros da igreja, começaram a realizar cultos em outros locais em Belém.
( ) Daniel Berg e Gunnar Vingren, juntamente com os primeiros membros da igreja, começaram a evangelizar em lugares distantes de Belém, principalmente nas ilhas paraenses.

11- Quais os primeiros novos companheiros missionários que foram chegando?
( ) Otto e Adina Nelson (1914), Samuel e Lina Nystrõm (1916), Frida Vingren (191 7) e Joel e Signe Carlson (1918).

12- Quais os primeiros pastores ordenados pela igreja?
Isidoro Filho (1912); Absalão Piano (191 3); Crispiniano de Melo; Pedro Trajano; Adriano Nobre; Clímaco Bueno Aza (1918); José Paulino Estumano de Morais (1919); Bruno Skolimowski (1921).

13- Apesar das muitas lutas e perseguições, aconteceram os primeiros passos para a fundação de igrejas em todas as regiões do país, como foi?
( ) Membros das igrejas, missionários estrangeiros e pregadores nacionais, impelidos pelo ardor evangelístico pentecostal, começaram a visitar outros estados, principalmente onde tinham parentes.

14- Quando se iniciaram as igrejas Assembléias de DEUS em todo o Brasil? Complete:
Ceará (1914); Alagoas (1914); Paraíba (1914); Roraima (1915); Pernambuco (1916); Rio Grande do Norte (1911, 1918); ____________________ (1921); ESPÍRITO SANTO (1922); Rondônia (1922); São Paulo (1923); Rio de Janeiro (1924); Rio Grande do Sul (1 924); ______________________ (1 926); Piauí (1 927); Minas Gerais (1927); __________________________ (1927); Paraná (1928); Santa Catarina (1920, 1931); ______________________ (1932); Goiás (1936); Mato Grosso (1 936); Mato Grosso do Sul (1944) e Distrito Federal (1956).

15- Como os missionários escandinavos (suecos, noruegueses e finlandeses) desenvolveram a doutrina das Assembléias de DEUS, no Brasil? Complete:
Nas primeiras cinco décadas das Assembléias de DEUS, os missionários escandinavos tomaram iniciativas que contribuíram para o desenvolvimento doutrinário da igreja. Eles fundaram ______________________ (Boa Semente, O Som Alegre, Mensageiro da Paz), criaram as _________________________ Bíblicas para a Escola Dominical, editaram os primeiros ___________________ (Cantor Pentecostal e Harpa Cristã), publicaram livros e folhetos evangelísticos, promoveram as primeiras _________________________ Bíblicas que duravam um mês, e fundaram a Casa Publicadora das Assembléias de DEUS (CPAD) em 1940.

16- Como os missionários norte-americanos desenvolveram a doutrina das Assembléias de DEUS, no Brasil? Complete:
Em _____________________, os primeiros missionários das Assembléias de DEUS norte-americanas chegaram oficialmente ao Brasil. Eles passaram a atuar juntamente com a liderança __________________________, principalmente no ensino bíblico e, investiram na publicação de ___________________ teológicos, no ensino _________________ formal e no estabelecimento gráfico da ______________________.

17- Quem está dentre os missionários pioneiros nessas áreas do desenvolvimento bíblico-doutrinário das Assembléias de DEUS, no Brasil? Complete:
Gunnar Vingren, _____________________ Vingren, Samuel Nystrõm, Nils Kastberg, Otto _____________________, Nels Nelson, Joel Carlson, ____________________ Bergstén, Orlando Boyer, N. Lawrence Olson, John Peter Kolenda, João _____________________ e Ruth Dóris Lemos, Thomas Reginald Hoovere Bernhard Johnson Jr.

18- Como está a Assembléia de DEUS em nossos dias? Complete:
A igreja chegou ao seu primeiro centenário apresentando um crescimento vertiginoso e acelerado, consolidando-se como a _____________________ expressão do pentecostalismo brasileiro. Numa estimativa feita em 2005, com bases em números do Censo Brasileiro, divulgada no jornal Mensageiro da Paz, as Assembléias de DEUS teriam chegado a ____________________ milhões de fiéis espalhados por todo o país em 2010, e representariam 40% dos _________________________ brasileiros ao completar 100 anos de fundação. São mais de ______________________ mil pastores, mais de seis mil igrejas-sede, mais de dois mil missionários, milhares de obreiros e mais de __100__ mil locais de cultos nos mais de cinco mil municípios brasileiros.

CONCLUSÃO
19- Complete:
Somos a continuidade do trabalho iniciado pelos _______________________ Gunnar Vingren e Daniel Berg. O Centenário não deve ser apenas um fato para comemorarmos, mas para despertar-nos a __________________________ pregando a _________________________ que deu início à nossa caminhada em território nacional: JESUS salva, cura, batiza com o ESPÍRITO SANTO e em breve voltará!

SINOPSE DO TÓPICO (1)
Depois de serem batizados com o ESPÍRITO SANTO, os jovens Daniel Berg e Gunnar Vingren receberam de DEUS o chamado para virem ao Brasil.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
No Brasil, os jovens missionários pregavam fervorosamente a respeito do batismo com o ESPÍRITO SANTO.
SINOPSE DO TÓPICO (3)
A chama pentecostal se propagou por todo solo brasileiro. A Assembléia de DEUS cresceu e se organizou doutrinariamente. Hoje é a maior denominação pentecostal brasileira.

AUXILIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Bibliológico
Daniel Berg e o seu trabalho no Brasil
"No Pará, Daniel, com 26 anos de idade, que logo se empregou como caldereiro e fundidor na Companhia Porto of Pará, recebendo salário mensal de 12 mil réis, passou a custear as aulas de português ministradas a Vingren por um professor particular. No fim do dia, Vingren ensinava o que aprendera a Daniel. Justamente por isso, Berg nunca aprendeu bem a língua portuguesa. O dinheiro que sobrava era usado para comprar Bíblias nos Estados Unidos.
Tão logo começou a se fazer entender na língua portuguesa, passou a evangelizar nas cidades e vilas ao longo da Estrada de Ferro Belém-Braqança, enquanto Vinqren cuidava do trabalho recém-nascido na capital. Como o evangelho era praticamente desconhecido no interior do Pará, Berg se tornou o pioneiro da evangelização na região. É que as igrejas evangélicas existentes na época não tinham recursos suficientes para promover a evangelização no interior.
Após a evangelização em Bragança, tornou-se também o pioneiro na evangelização na Ilha de Marajó, onde peregrinou por muitos anos, a bordo de pequenas e grandes canoas. Berg ia de ilha em ilha, levando a mensagem bíblica aos pequenos grupos evangélicos que ia se formando por onde passava. Daniel Berg sempre foi muito humilde e simples. Em suas pregações e diálogos, sempre demonstrou essas virtudes. Ninguém o via irritado ou desanimado" (ARAUJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. 1 .ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 123).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
VINGREN, Ivar. O Diário do Pioneiro. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010.
ARAUJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. t .ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II - Subsídio Biográfico "Escolhido por DEUS
Nasci em Ostra Husby, Õstergõtland, Suécia, em 8 de agosto de 1879. Meu pai era jardineiro. Por serem crentes, meus país procuraram desde a minha infância ensinar-me os caminhos e preceitos do Senhor. Quando eu ainda era bem pequeno, ia à Escola Dominical, da qual, meu pai era dirigente. Aos 11 anos de idade concluí o curso primário e comecei a ajudar meu pai no ofício de jardineiro. Continuei nessa atividade até os 19 anos.
Eu era um menino de apenas 9 anos de idade quando senti a chamada de DEUS na minha vida. Senti-me atraído por DEUS de uma forma especial, e costumava orar muito. Às vezes reunia outras crianças comigo e orava com elas. Porém, com 12 anos dc idade desviei-me do Senhor e tornei-me um filho pródigo. Caí profundamente no pecado até os 17 anos, quando o Senhor outra vez me chamou. Isso aconteceu em 1896. Eu resolvera ir ao culto de vigília de ano-novo e entregar-me outra vez ao Senhor. Fui com meu pai para esse culto, e fiz o que havia resolvido. Aleluia!
Aos 18 anos fui batizado nas águas. Isto aconteceu numa igreja Batista em Wraka, Smaland, Suécia, no mês de março ou abril de 1897. Neste mesmo ano tornei-me sucessor de meu pai no trabalho da Escola Dominical. Isto aumentou muito a minha necessidade de DEUS e de sua graça. Ainda neste ano, em 14 de julho, li numa revista um artigo sobre as grandes necessidades e sofrimentos de tribos nativas no exterior, o que me fez derramar muitas lágrimas. Subi para o meu quarto e ali prometi a DEUS pertence-lhe e pôr-me à sua disposição para honra e glória do seu nome. Orei também insistentemente para que Ele me ajudasse a cumprir essa promessa.
No mês de outubro realizamos uma festa para levantar dinheiro a fim de ajudar um irmão que ia sair para o campo missionário como evangelista. Tudo o que eu tinha nessa oportunidade eram 6 coroas, e eu as entreguei como oferta. Quando voltei para casa depois da festa, senti uma alegria imensa, e ouvi uma voz que me dizia: 'Tu também irás ao campo de evangelização da mesma forma que Emílio!'
Fiquei um ano mais no meu trabalho, mas sempre participando dos cultos, testificando e tratando de ganhar almas para JESUS. Continuei à frente da Escola Dominical até o fim de outubro de 1898. Depois de muitas orações dos irmãos, fui para uma escola bíblica em Gõtabro, Nárke. Os dirigentes daquela escola eram os pastores Emílio Custavsson e CJ.A. Kihlstedt" (VINGREN, Ivar. O Diário do Pioneiro. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, pp. 19, 20).


RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.
www.portalebd.org.br (Pr. Caramurú)
BANCROFT, E. H. Teologia Elementar. São Paulo, IBR, 1975.
SILVA, S. P. da. Quem É DEUS. Rio de Janeiro, CPAD, 1991.
CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1977.
RIGGS, R. M. O ESPÍRITO SANTO. São Paulo, Vida. 1981.
DUEWELL, W. L. Deixe DEUS Guiá-lo Diariamente. São Paulo, Candeia, 1993.
GEE, D. A Respeito do Dons Espirituais. São Paulo, Vida, 1977.
BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Edição contemporânea. São Paulo, Vida, 1994.
SILVA, S. P. da. Apocalipse Versículo por Versículo. Rio de Janeiro, CPAD, 1995.
McNAIR, S. E. A Bíblia Explicada. Rio de Janeiro, CPAD, 1994.
CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento Interpretado. Milenium, 1982.
SILVA, S. P. da. A Existência e a Pessoa do ESPÍRITO SANTO. Rio de Janeiro, CPAD
Assembléia de DEUS - Origem, implantação e militância (1911-1946), do sociólogo cristão Gedeon Alencar, publicado pela editora Arte editorial.
Movimento Pentecostal - As Doutrinas da Nossa Fé - CPAD - Autor: Elienai Cabral
Dicionário do Movimento Pentecostal - CPAD - Autor: Isael Araujo
100 Mulheres que Fizeram a História das Assembleias de DEUS no Brasil - Autor: Isael Araujo
Diário de um Pioneiro: 288 páginas - CPAD - Gunnar Vingren
Memórias de Daniel Berg: 240 páginas - CPAD - Daniel Berg
História das Assembléias de DEUS no Brasil: 360 páginas - CPAD - Emílio Conde

Nenhum comentário: