quinta-feira, 17 de março de 2011

LIÇÃO 10- O EVANGELHO PROPAGA-SE ENTRE OS GENTIOS



LIÇÃO 10- O EVANGELHO PROPAGA-SE ENTRE OS GENTIOS
Lições Bíblicas do 1º Trimestre de 2011 - CPAD - Jovens e Adultos
ATOS DOS APÓSTOLOS - Até aos confins da terra
Comentários da revista da CPAD: Pr. Claudionor de Andrade
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva






TEXTO ÁUREO

"E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os gentios" (At 10.45).

VERDADE PRÁTICA
DEUS não faz acepção de pessoas, de nações ou de raças. É da vontade do Senhor que o Evangelho de JESUS CRISTO seu Filho, seja anunciado a todos os povos.

LEITURA DIÁRIA
At 13.1-3- Saulo e Barnabé são enviados aos gentios
At 10.34,35- DEUS não faz acepção de pessoas
At 11.15 O dom do ESPÍRITO sobre os gentios
At 15- O concílio de Jerusalém e os gentios
At 15.19,20,28,29 Recomendações aos crentes gentios
Gl 2.7,8- O evangelho da incircuncisão

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE- Atos 10.44-48; 11.15-18
Atos 10.44- E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o ESPÍRITO SANTO sobre todos os que ouviam a palavra. 45 - E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os gentios. 46- Porque os ouviam falar em línguas e magnificar a DEUS. 47- Respondeu, então, Pedro: Pode alguém, porventura, recusar a água, para que não sejam batizados estes que também receberam, como nós, o ESPÍRITO SANTO? 48- E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então, rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias.
Atos 11.15- E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o ESPÍRITO SANTO, como também sobre nós ao princípio.16 - E lembrei-me do dito do Senhor, quando disse: João certamente batizou com água, mas vós sereis batizados com o ESPÍRITO SANTO. 17- Portanto, se DEUS Ihes deu o mesmo dom que a nós, quando cremos no Senhor JESUS CRISTO, quem era, então, eu, para que pudesse resistir a DEUS? 18 - E, ouvindo estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a DEUS, dizendo: Na verdade, até aos gentios deu DEUS o arrependimento para a vida.

O Evangelho em Cesaréia:
Cesaréia: sede do governo romano na Palestina; centurião era comandante de 100 soldados; corte era um regimento de 600 a 1000 soldados; (50 km de Jope, aproximadamente);
Visão do gentio: Buscar Pedro para anunciar o evangelho;
Visão de Pedro: Animais puros (patas divididas e ruminar);
Conversão: Cornélio envergonha a muitos cristãos, porque, antes de se converter era melhor do que alguns crentes; o centurião romano ajoelhou-se diante de um simples judeu;
Crise na Igreja de Jerusalém: Pedro presta conta ao colégio de apóstolos; ele não ficou surpreso nem ofendido;

Bíblia de Estudos Pentecostal - CPAD
10.4 ORAÇÕES... PARA MEMÓRIA DIANTE DE DEUS. DEUS considera nossas orações um sacrifício que sobe até Ele, lembrando-lhe da nossa perseverança, ao invocá-lo com fé e devoção (ver Sl 141.2; Hb 13.15,16).
10.9 SUBIU PEDRO AO TERRAÇO PARA ORAR. O ESPÍRITO SANTO, o autor das Escrituras, revela através delas que os cristãos do NT eram dedicados a muita oração. Estavam convictos de que o reino de DEUS não poderia manifestar-se em todo o seu poder mediante uns poucos minutos de oração por dia (1.14; 2.42; 3.1; 6.4; Ef 6.18; Cl 4.2)(1) O judeu piedoso orava duas ou três vezes por dia (cf. Sl 55.17; Dn 6.10). Era prática dos seguidores de CRISTO, especialmente dos apóstolos (6.4), orar com a mesma devoção. Pedro e João subiram ao templo para a hora da oração (3.1), e Lucas e Paulo fizeram o mesmo (16.16). Pedro orava regularmente ao meio-dia, ou seja, à hora sexta (10.9); DEUS recompensou Cornélio pela sua fidelidade na observância das suas horas de oração (10.30ss.).
(2) As Escrituras exortam os crentes a continuarem perseverantes na oração (Rm 12.12), a orarem sempre (Lc 18.1), a orarem sem cessar (1 Ts 5.17), a orarem em todos os lugares (1 Tm 2.8), a orarem em todo o tempo com toda a oração (Ef 6.18), a perseverarem na oração (Cl 4.2), e a orarem com eficácia (Tg 5.16). Estas exortações indicam que não poderá haver nenhum poder celestial em nossa batalha contra o pecado, Satanás e o mundo, nem vitória em nossa tentativa de ganhar os perdidos, sem muita oração diariamente.

(3) Não seria do agrado de DEUS, tendo em vista a exortação do Senhor, que seus discípulos vigiem e orem pelo menos uma hora (Mt 26.38-41); e à luz da urgência dos tempos do fim, nos quais vivemos, se todo crente dedicasse pelo menos uma hora por dia à oração e ao estudo da Palavra de DEUS, visando ao crescimento do seu reino na terra e tudo quanto isso significa para nós (Mt 6.10,33)?
(4) Uma hora de oração pode incluir o seguinte: (a) louvor, (b) cantar ao Senhor, (c) ações de graças, (d) esperar em DEUS, (e) ler a Palavra, (f) ficar atento ao ESPÍRITO SANTO, (g) orar com as próprias palavras das Escrituras, (h) confissão das faltas, (i) intercessão pelos outros, (j) petição pelas nossas próprias necessidades, e (l) oração em línguas.
10.19 DISSE-LHE O ESPÍRITO. O ESPÍRITO SANTO deseja a salvação de todas as pessoas (Mt 28.19; 2 Pe 3.9). Pelo fato de os apóstolos terem recebido o ESPÍRITO, eles, também, desejavam a salvação de todas as pessoas. Intelectualmente, no entanto, não compreendiam que a salvação já não se restringia a Israel, mas que agora abrangia todas as nações (vv. 34,35). Foi o ESPÍRITO SANTO que alargou a visão da igreja. Em Atos, Ele é a força da obra missionária e o que dirige a igreja para novas áreas de testemunho (8.29,39; 10.19; 11.11,12; 13.2,4; 16.6; 19.21). O derramamento do ESPÍRITO e a compulsão à missão sempre andam de mãos dadas (cf. 1.8). Mesmo hoje, muitos crentes anelam a salvação do seu povo, sem, porém, compreenderem plenamente o propósito do ESPÍRITO SANTO para as missões mundiais (ver Mt 28.19; Lc 24.47).
10.34 DEUS NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS. DEUS não tem nenhuma nação ou raça predileta, nem favorece qualquer indivíduo por causa da sua nacionalidade, linhagem ou posição na vida (cf. Tg 2.1). DEUS favorece e aceita aqueles, dentre todas as nações, que abandonam o pecado, crêem em CRISTO, temem a DEUS e vivem retamente (v. 35; cf. Rm 2.6-11). Todos aqueles que perseveram neste modo de vida, permanecerão no amor e no favor de DEUS (Jo 15.10).
10.38 CURANDO A TODOS OS OPRIMIDOS DO DIABO. PODER SOBRE SATANÁS E OS DEMÔNIOS é concedido a todos os crentes.
10.44 CAIU O ESPÍRITO SANTO SOBRE TODOS. A família gentia de Cornélio ouve e recebe a Palavra com fé salvadora (vv. 34-48; 11.14).
(1) DEUS imediatamente derrama sobre ela o ESPÍRITO SANTO (v. 44) como seu testemunho de que creram e receberam a vida regeneradora de CRISTO (cf. 11.17; 15.8,9). (2) A vinda do ESPÍRITO SANTO sobre a família de Cornélio teve o mesmo propósito que o dom do ESPÍRITO SANTO para os discípulos no dia de Pentecoste (cf. 1.8; 2.4). Esse derramamento do ESPÍRITO não é a obra de DEUS na regeneração do pecador, mas sua vinda sobre eles para revesti-los de poder. Note as palavras de Pedro posteriormente, ressaltando a semelhança entre essa experiência e a do dia de Pentecoste (11.15,17).
(3) Evidentemente, é possível uma pessoa ser batizada no ESPÍRITO imediatamente depois de receber a salvação (ver v. 46; cf. 11.17).
10.45 O DOM DO ESPÍRITO SANTO. (é para todos os crentes - 1 Co 12, aqui, dom de línguas ou simplesmente o batismo com o ESPÍRITO SANTO).
10.46 OS OUVIAM FALAR EM LÍNGUAS. Pedro e os que o acompanhavam consideravam o falar em línguas, mediante o ESPÍRITO, como o sinal convincente do batismo no ESPÍRITO SANTO. Isto é, assim como DEUS confirmou o acontecimento do dia de Pentecoste com o sinal das línguas (2.4), Ele faz os gentios no lar de Cornélio falarem em línguas como sinal convincente para Pedro e os demais crentes judeus.
11.15 CAIU SOBRE ELES O ESPÍRITO SANTO, COMO TAMBÉM SOBRE NÓS AO PRINCÍPIO.
O derramamento do ESPÍRITO SANTO no dia de Pentecoste (2.4) foi um padrão para o recebimento do ESPÍRITO, a partir de então. O batismo no ESPÍRITO seria determinado pela transformação visível ocorrida no indivíduo pela infusão da alegria por expressões vocais sobrenaturalmente inspiradas e pela ousadia no testemunho (2.4; 4.31; 8.15-19;
10.45-47; 19.6). Por isso, quando Pedro salientou diante dos apóstolos e irmãos em Jerusalém que os familiares de Cornélio tinham falado em línguas, ao ser derramado sobre eles o ESPÍRITO SANTO (cf. 10.45-46), ficaram convictos de que DEUS estava concedendo aos gentios a salvação em CRISTO (v. 18). Não se pode hoje dizer que alguém recebeu o batismo no ESPÍRITO se as manifestações físicas, tais como o falar em línguas, estão ausentes. Em nenhuma parte de Atos, o batismo no ESPÍRITO SANTO aparece como uma experiência percebida somente pela fé (ver 8.12,16).
11.17 A NÓS, QUANDO CREMOS.
Esta expressão é, no grego, um particípio aoristo, que normalmente descreve uma ação que ocorre antes daquela do verbo principal. Por isso, uma tradução mais exata seria: DEUS lhes deu o mesmo dom que a nós também, depois que cremos . Esta interpretação concorda com os fatos históricos, i.e., que os discípulos tinham crido em JESUS e tinham sido regenerados pelo ESPÍRITO, antes do dia de Pentecoste.
11.18 OUVINDO ESTAS COISAS.
O discurso de Pedro silenciou todas as objeções (vv. 4-18). DEUS tinha batizado os gentios no ESPÍRITO SANTO (10.45), e este ato foi acompanhado da evidência convincente do falar noutras línguas pelo ESPÍRITO (10.46). Era esse o único sinal necessário a ser aceito sem mais dúvidas.
PERSPECTIVA. Rm 9.6 “Não que a palavra de DEUS haja faltado, porque nem todos os que são de Israel são israelitas”.
(1) Um exame da condição de Israel não se refere à vida ou morte eterna de indivíduos após a morte. Pelo contrário, Paulo trata do modo como DEUS lida com nações e povos do ponto de vista histórico, i.e., do seu direito de usar povos e nações conforme Ele quer. Por exemplo, sua escolha de Jacó em lugar de seu irmão Esaú (9.11) teve como propósito fundar e usar as nações de Israel e de Edom, oriundas dos dois. Nada tinha que ver com seu destino eterno, i.e., quanto a sua salvação ou condenação como indivíduos. Uma coisa é certa: DEUS tem o direito de chamar as pessoas e nações que Ele quiser, e determinar-lhes responsabilidades a cumprir.
(2) Paulo expressa sua constante solicitude e intensa tristeza pela nação judaica (9.1-3). O próprio fato que Paulo ora para que seus compatriotas sejam salvos, revela que ele não admitia o ensino teológico da predestinação, afirmando que todas as pessoas já nascem predestinadas, ou para o céu, ou para o inferno. Pelo contrário, o sincero desejo e oração de Paulo reflete a vontade de DEUS para o povo judaico (cf. 10.21; ver Lc 19.41, sobre JESUS chorando por causa de Israel ter rejeitado o caminho divino da salvação). No NT não se encontra o ensino de que determinadas pessoas foram predestinadas ao inferno antes de nascer.
(3) O mais relevante neste assunto é o tema da fé. O estado espiritual de perdido, da maioria dos israelitas, não fora determinado por um decreto arbitrário de DEUS, mas, resultado da sua própria recusa de se submeterem ao plano divino da salvação mediante a fé em CRISTO (9.33; 10.3; 11.20). Inúmeros gentios, porém, aceitaram o caminho de DEUS, que é o da fé, e alcançaram a justiça mediante a fé. Obedeceram a DEUS pela fé e se tornaram “filhos do DEUS vivo” (9.25,26). Esse fato ressalta a importância da obediência mediante a fé (1.5; 16.26) no tocante à chamada e eleição da parte de DEUS.
(4) A oportunidade de salvação está perante a nação de Israel, se ela largar sua incredulidade (11.23). Semelhantemente, os crentes gentios que agora são parte da igreja de DEUS são advertidos de que também correm o mesmo risco de serem cortados da salvação (11.13-22). Eles devem sempre perseverar na fé com temor. A advertência aos crentes gentios em 11.20-23, pelo fato da falha de Israel, é tão válida hoje quanto o foi no dia em que Paulo a escreveu.
(5) As Escrituras estão repletas de promessas de uma futura restauração de Israel ao aceitarem o Messias. Tal restauração terá lugar ao findar-se a Grande Tribulação, na iminência da volta pessoal de CRISTO (ver Is 11.10-12; 24.17-23; 49.22,23; Jr 31.31-34; Ez 37.12-14; Rm 11.26; Ap 12.6).

Revista CPAD - 3º Trimestre de 1996 - Atos - O padrão para a Igreja da Última Hora - Pr. Ezequias Soares - Lição 9 - O EVANGELHO CHEGA AOS GENTIOS - CPAD

"E em seu nome, se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém" (Lc 24.47).



O assassinato de Estêvão e a intensa perseguição contra a Igreja em Jerusalém foram o tiro que saiu pela culatra, pois isso resultou em expansão do Evangelho.



ÉPOCA DO EVENTO: 34 d.C. (Filipe); 41 d.C. (Cornélio)



LOCAL: Samaria, Gaza e Cesaréia Marítima



ATOS 8.4,5,26,27; 10.1,2,44-48

Aos 8.4- Mas os que andavam dispersos iam por toda parte, anunciando a palavra. 5 - E, descendo Filipe à cidade de Samaria, lhes pregava a CRISTO.

26 - E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te e vai para a banda do Sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserto. 27 -E levantou-se e foi. E eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros, e tinha ido a Jerusalém para adoração.

Atos 10.1- E havia em Cesaréia um varão por nome Cornélio, centurião da coorte chamada italiana. 2 - Piedoso e temente a DEUS, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo e, de contínuo, orava a DEUS.

Atos 10.44 - E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o ESPÍRITO SANTO sobre todos os que ouviam a palavra. 45 - E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os gentios. 46 - Porque os ouviam falar em línguas e magnificar a DEUS. 47 - Respondeu, então, Pedro: Pode alguém, porventura, recusar a água, para que não sejam batizados estes que também receberam, como nós, o ESPÍRITO SANTO? 48 - E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então, rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias.



Conselhos didáticos:

1- Diga aos alunos que o propósito da salvação dos gentios já estava no coração de DEUS, mesmo antes da fundação do mundo. Por isso, os cristãos, que habitavam em Jerusalém, foram dispersos, por causa da perseguição, após a morte de Estêvão. Eles anunciavam o Evangelho por onde passavam e muitas pessoas aceitaram a JESUS como Salvador.

2- lnforme-lhes que o processo da salvação humana começou a partir da chamada de Abraão. Naquele momento, DEUS não pensava apenas no resgate da condenação eterna dos hebreus, descendentes do nosso pai na fé, mas em toda a humanidade. Por isso, separou o povo judeu, para, por seu intermédio, enviar o seu filho JESUS.
3- Esclareça-Ihes, então, que JESUS é o Salvador do mundo e não apenas dos judeus, como eles próprios pensavam, quando os cristãos de Jerusalém (eram todos judeus) chamaram o apóstolo Pedro, para explicar o motivo de ter entrado na casa de Cornélio, um general romano, e pregado o Evangelho, ocasião em que muitos gentios se converteram a CRISTO.

ORIENTAÇÃO AO PROFESSOR
A espiritualidade é outra necessidade premente do professor da Escola Dominical. Como ele poderá ensinar a Palavra de DEUS, se não for espiritual? Por isso, precisa freqüentar às consagrações aos domingos, para reabastecer-se do poder do alto e, cheio do ESPÍRITO SANTO, ministrar bem o ensino bíblico.

COMENTÁRIO
A pregação do Evangelho é uma necessidade imperiosa e não uma alternativa. Isso por si só, justifica a necessidade de se levar essa mensagem a todos os povos. A lição de hoje mostra como o mensagem da salvação chegou aos samaritanos, africanos e aos demais gentios, na casa de Cornélio.
I. SAMARIA
1. Origem dos samaritanos. Quando Salmaneser, imperador da Assíria, sitiou Samaria, a capital de Israel, em 722 a.C., levou cativas as dez tribos do Norte (2 Rs 17.3).
Os assírios faziam permutas, deportando seus subjugados para terras estrangeiras. Levaram as dez tribos do Norte para outras regiões e trouxeram estrangeiros para povoarem a terra de Israel. Eles adotaram essa política como estratégia para desarticular os povos vencidos e, assim, neutralizar o sentimento nacionalista e eliminar a hipótese da insurreição contra a metrópole (2 Rs 17.24-31).
Os poucos filhos de Israel que ficaram na terra se misturaram com esses estrangeiros, de modo que seus filhos se tomaram mestiços (mistura de israelita e gentio). Eram os samaritanos. Essa mistura era também religiosa, pois rejeitaram as Escrituras Sagradas, aceitando apenas o Pentateuco.

As duas tribos do Sul, que também foram levadas cativas para a Babilônia, por Nabucodonosor, ao retomarem a Judá (Ed 4.1-4), não consideraram os samaritanos como seus irmãos. Por isso, recusaram sua ajuda na reconstrução do Templo, em Jerusalém. O relacionamento deles, que já não era bom, ficou pior, e tornaram-se inimigos ferrenhos.
2. "Os judeus não se comunicam com os samaritanos" (Jo 4.9). Judeus e samaritanos sempre foram extremamente hostis, pois estes últimos tinham uma forma de culto muito diferente da dos primeiros. A Bíblia Samaritana, até hoje, consiste apenas do Pentateuco.

II. FILIPE EM SAMARIA
1. Perseguição e expansão da Igreja. Com o assassinato de Estêvão, a Igreja em Jerusalém experimentou uma perseguição nunca vista (At 8.1-3). Isso foi o ponto de partida, para que o Evangelho saísse de dentro das portas de Jerusalém e alcançasse as nações dos gentios.
2. Evangelização dos samaritanos. Filipe, como Estêvão, sobressaiu-se na pregação do Evangelho. Ele era impulsionado pelo ESPÍRITO SANTO, pois, do contrário, não ousaria enfrentar as hostilidades dos samaritanos. O texto diz que o povo prestava atenção ao que ele dizia.
Agora encontramos samaritanos e gentios no contexto da evangelização: "Samaria e até os confins da terra" (At 1.8). Filipe, em Atos 8, começa o grande projeto missionário, levando avante a ordem imperativa do Mestre (Mt 28.19,20, Mc 16.16,17). Começou com os samaritanos, povo mestiço (mistura de israelita e gentio), e depois foi enviado pelo ESPÍRITO SANTO para o região de Gaza, pois o eunuco, ministro da rainha Candace, estava sedento da Palavra de DEUS.
3. Pedro e João. A chegada de Filipe a Samaria mostra que na Igreja de JESUS não há preconceito. É verdade que Filipe, pelo que se infere do nome, era judeu helenista, e como tal não era tão extremista como os da Palestina, chamados hebreus.
Isso somente não justifica a sua ida a Samaria, pois Pedro e João eram hebreus, nascidos na Palestina.
No entanto, foram até lá, para apoiarem o trabalho de Filipe. A chegada desses apóstolos àquela localidade fortaleceu o trabalho evangelístico e também os samaritanos foram batizados no ESPÍRITO SANTO (8.1417).
III- FILIPE E O EUNUCO
O encontro de Filipe com o eunuco da rainha Candace, da Etiópia, era também o prenúncio da evangelização mundial. .
1. Eunuco na Bíblia. Os eunucos eram homens de confiança, nas cortes orientais, como Potifar, no Egito (Gn 39.1); Daniel e seus companheiros, na Babilônia (Dn 1.3,4); Neemias, na Pérsia (Ne 1.11).
O vocábulo "eunuco" teve sua origem na Assíria e significa primariamente "oficial da corte", mas no hebraico apresenta um sentido secundário de "castrado" (Is 56.3), o qual estava excluído da assembléia do Senhor (Dt 23.1). . .
2. Lendo o profeta Isaías. O verbo ler, em hebraico, qará, é o mesmo para "clamar, gritar".
Os antigos tinham e hábito de ler em voz alta. Isso significa que o eunuco assim procedia e, de longe, Filipe podia ouvir a sua leitura. Ele lia o texto de Isaías 53.7,8, mas não sabia que o texto referia-se ao Messias.
À pergunta do evangelista se ele entendia o que lia, o eunuco foi sincero, respondendo que não. Mas estava interessado em saber, e pediu-lhe explicação. Filipe falou-lhe de JESUS. Ele se converteu, foi batizado nas águas, e agora levaria a mensagem do Evangelho para a sua terra.
3. A rainha da Etiópia. O eunuco era um oficial da corte, na Etiópia (At 8.27), ministro das finanças da rainha "Candace", que não era o nome dela, mas um título, como "Faraó", no Egito; "César", em Roma, etc.
4. Etiópia. Etiópia é um país africano, localizado entre Assuam, no sul do Egito, até as proximidades de Cartum, capital do Sudão. Até hoje, a igreja naquela nação acredita que esse encontro de Filipe com o eunuco foi o cumprimento do Salmo 68.31.
IV. PEDRO NA CASA DE CORNÉLIO
1. Gentios. Os gentios, goiym, em hebraico, são todos os povos, exceto os judeus.
Até a vinda de JESUS, a humanidade estava dividida em gentios: egípcios, assírios, caldeus, gregos, romanos e bárbaros; e judeus: os descendentes de Israel. JESUS derrubou esta parede de separação (Ef 2.13-18), formando um novo povo, a Igreja.
Hoje, a humanidade está dividida em três grupos: judeu, gentio e Igreja (I Co 10.32).
A salvação dos gentios estava no plano estabelecido por DEUS. Portanto, não foi uma improvisação de última hora feita por JESUS e seus apóstolos. A mensagem de Gênesis 12.3: "Em ti serão benditas todas as famílias da terra" era a promessa de DEUS para salvar os povos (Gl 3.8). Isso está ainda mais claro no livro de Isaías: "As ilhas aguardarão a sua doutrina" (42.4). Ou: "E, no seu nome, os gentios esperarão", conforme a Septuaginta, citada em Mateus 12.21. Isso também é visto em Oséias 1.10; 2.23, citado por Paulo em Romanos 9.25,26.
2. Simão, o curtidor. Lucas mostra que Pedro ficou hospedado muitos dias na casa de seu xará "Simão, o curtidor" (At 9.43). Esta profissão era considerada impura pelos judeus, e até dava a permissão à mulher de pedir o divórcio ao marido, uma vez que ela não tinha esse direito na legislação judaica, exceto em casos extremos como esse. Isso mostra que Pedro já tinha uma visão muito além sobre essa questão.
3. A purificação. DEUS se revelou a Cornélio, mandando-o que chamasse a Pedro. Apesar dessa visão preliminar, este apóstolo ainda precisava ouvir mais do Senhor, pois a barreira transcultural era muito forte, para ser quebrada momentaneamente.
Por isso, a visão do lençol com toda a sorte de animais mostrava a Pedro que a mensagem do Evangelho devia ser levada aos gentios. Os judeus são escrupulosos ao extremo no kashrut (leis dietéticas judaicas observadas até hoje com relação aos alimentos considerados puros e impuros).
4. Pedro na casa de Cornélio. Pedro partiu com eles para Cesaréia, pois Cornélio já estava com seus familiares e amigos à sua espera, ávido pela Palavra de DEUS. O apóstolo anunciou a JESUS e todos os presentes receberam o batismo no ESPÍRITO SANTO, enquanto a mensagem era pregada. O mesmo que aconteceu no dia de Pentecoste e em Samaria, agora estava se sucedendo na casa de um gentio, confirmando, dessa forma, a manifestação divina, bem como a sua aprovação da visita do ex-pescador a casa do centurião.
Esta passagem mostra como DEUS trata o ser humano, independemente de sua raça, posição social e nacionalidade. O Senhor busca os fiéis. O objetivo desse relato é mostrar que sempre esteve no plano divino salvar todos os homens (I Tm 2.4).
5. O batismo no ESPÍRITO SANTO. Se não fosse a descida do ESPÍRITO SANTO, na casa de Cornélio, certamente Pedro estaria em dificuldades, para se justificar diante de seus companheiros, os demais apóstolos, sua visita a um gentio, sendo seu hóspede e sentando à mesa com ele, o que não era permitido aos judeus.
Pedro contou toda a história de como o Senhor conduziu todo esse trabalho, mas parece que os apóstolos não estavam convencidos. Quando ele falou que todos os presentes na casa de Cornélio receberam o ESPÍRITO SANTO, como eles no dia de Pentecoste, não tiveram mais dúvidas de que o Evangelho era também para os gentios (At 11.15-18).
CONCLUSÃO
JESUS disse que "o campo é o mundo" (Mt 13.38); "Ninguém vem ao Pai senão por mim" (Jo 14.6). O apóstolo Paulo declara que a raça humana está condenada (Rm 3.23). Diante disso, concluímos que a evangelização não é urna alternativa, mas urna questão de vida ou morte.
O campo não é a minha cidade e nem a sua, nem o meu Estado e muito menos o seu, e nem o nosso Brasil, mas o mundo!.

ENSINAMENTOS PRÁTICOS
1. DEUS não faz acepção de pessoas. Por isso, ama todo o ser humano, sem se importar com a sua procedência racial: amarela, branca ou escura. O importante é que cada um reconheça a sua condição de pecador, aceite a JESUS como Salvador. e reserve, por este intermédio, a sua salvação eterna.
2. Cornélio foi o primeiro gentio a se converter a CRISTO. Enquanto Pedro, que visitou a casa deste general, por ordem divina, pregava-lhe o Evangelho, o ESPÍRITO SANTO foi derramado profusamente sobre todos os que se encontravam naquela residência. Então o apóstolo entendeu que a salvação era para todos e não só para os judeus
3. Desde aquele momento em que Cornélio, seus familiares, criados e amigos se converteram a CRISTO, o Evangelho é pregado maciçamente a todos os povos. E o resultado está patente aos nossos olhos. Milhões de gentios têm aceitado a JESUS como Salvador de suas almas, como prova de que a salvação era para eles também.

Atos - Introdução e Comentário - I. Howard Marshall - Série Cultura Bíblica - edições 1985,1988, 1991, 1999 e 2001 - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova - SP
Atos 10.44. A referência de Pedro , no v. 43. a todo quanto nEle crê não precisa referir-se a mais do que "Todo quanto em Israel nEle crê", mas, tendo em vista os vv. 34-35, o significado deve provavelmente ser mais lato. De qualquer forma, antes de ele ter oportunidade para dizer qualquer coisa a mais, o ESPÍRITO SANTO sobreveio àqueles que ouviram a mensagem. Visto que, noutros trechos, o dom do ESPÍRITO veio a pessoas que se arrependem e crêem (cf. 11 :17-18), a implicação é dupla: em primeiro lugar, que os gentios presentes corresponderam à mensagem mediante a fé; e, em segundo lugar, que DEUS os aceitou e selou a sua fé com o dom do ESPÍRITO. Uma vez que os gentios receberam uma oportunidade para ouvir a mensagem, corresponderam, e DEUS os recebeu. Este versículo marca o fim do particularismo religioso.

4546a. Agora, os companheiros de Pedro desempenham seu papel na história. Não se sabe se Pedro ficou surpreso com aquilo que aconteceu, mas certamente os companheiros ficaram. Uma coisa foi pregar aos gentios; outra bem diferente foi ver o sermão interrompido por sinais claros da sua conversão e do seu recebimento do dom de DEUS. Não poderia haver erro a respeito daquilo que acontecera. Assim como os primeiros crentes judeus receberam o ESPÍRITO e louvaram a DEUS em outras línguas no dia do Pentecoste, assim também agora estes gentios receberam dádiva idêntica da parte de DEUS. Não se pode dizer com certeza se o dom de línguas era o acompanhamento inevitável da vinda do ESPÍRITO; o fato de que se menciona tão infreqüente mente e de que Paulo pensa nele como dom especial não outorgado a todos os membros da igreja indicam que não era um sinal invariável da conversão. O recebimento da dádiva nesta ocasião ressaltava a conversão dos gentios de modo contrário a qualquer dúvida. (É verdade que há a possibilidade de simular o dom de línguas; mas não é tão fácil falsificar o genuíno louvor a DEUS. O contexto inteiro contraria qualquer possibilidade de engano). Os gentios, libertados da sua inferioridade religiosa, não sentiriam um calor estranho no seu coração, a ponto de expressarem as suas emoções de modo fora do comum?
46b48. Se DEUS já dera as boas-vindas aos gentios, só faltava a igreja fazer o mesmo. O batismo viera a ser o sinal externo de recebimento entre o povo de DEUS. Era o sinal da purificação do pecado, e, assim, do perdão (2:38), mas, ao mesmo tempo, era visto como acompanhamento externo e sinal de ser interiormente batizado no ESPÍRITO SANTO; este último não substituía o batismo na água. Visto que os gentios já tinham sido batizados no ESPÍRITO SANTO, seguia-se que eram elegíveis para serem batizados na água. Assim, Pedro postulou sua pergunta aos cristãos judeus que o acompanharam, como representantes da igreja. É possível que o emprego do verbo recusar (também empregado em 8:36 com referência ao eunuco etíope) reflita uma frase estereotipada empregada no batismo. Não se levantou objeção alguma, e, assim, Pedro mandou que os convertidos fossem batizados. Embora Bruce (Atos, pág. 228) pense que há referência a uma ordem aos convertidos ("Sejais batizados"'; cf. 2:38; 22:16), é talvez mais provável que a ordem fosse dirigi da aos demais cristãos presentes no sentido de realizarem o rito. Podemos comparar como Paulo, também, usualmente não realizava batismos pessoalmente, embora fosse o fundador-evangelista da igreja em Corinto (I Co I :14-17); não era necessário que o batismo fosse levado a efeito por um apóstolo. Além disto, pode-se notar que a narrativa não dá a entender que Cornélio ou seus amigos fossem circuncidados; na realidade, positivamente exclui tal coisa (cf. 11 :3). Finalmente, a nova comunhão na igreja entre os judeus e os gentios foi firmada através da permanência de Pedro com Cornélio durante alguns dias. Ao mesmo tempo, esse intervalo permitiu que notícias do ocorrido chegassem a Jerusalém antes de o próprio Pedro voltar para lá.
11 :1. A história da conversão de Cornélio seria incompleta do ponto de vista de Lucas sem o acréscimo da quarta cena, na qual se descrevem os efeitos do incidente sobre a igreja. Lucas se ocupa com os apóstolos como líderes da igreja, e com os irmãos como seus membros comuns (1:15), e fala da" igreja na Judéia (8:1; 9:31), que consistia do grupo em Jerusalém juntamente com os cristãos espalhados nas circunvizinhanças. A reação destes cristãos judaicos à resposta que os gentios deram ao evangelho seria da máxima importância para o futuro.
2-3. Foi, portanto, o "partido da circuncisão" que questionou Pedro acerca daquilo que acontecera, tão logo voltou a Jerusalém. Literalmente, a frase grega é os que eram da circuncisão, Lê, "os judeus de nascença" (NEB). Não há sugestão de que havia um "partido" distinto na igreja nesta etapa, especialmente antes de a questão da circuncisão ter surgido ao ponto de levar as pessoas a tomar partido quanto a ela. Mesmo assim, séculos de praxe judaica os levaram a criticar aquilo que, segundo os relatos, Pedro fizera, especialmente no tocante ao seu comer junto com os gentios. Embora os gentios houvessem sido convertidos, ainda existia o problema. Se os cristãos judaicos se sentiam obrigados pelas leis judaicas acerca do alimento, não poderia haver contato com cristãos gentios (nem contato com gentios não-cristãos) a não ser que os gentios fossem circuncidados e passassem eles mesmos a observar as leis judaicas acerca dos alimentos. Que este problema não era fruto da imaginação de Lucas vê-se pelo modo de o problema ainda estar vivo na ocasião do incidente relatado em Gálatas 2:11-14 (quando até mesmo Pedro voltou-se contra a sua praxe anterior). Por detrás do forte sentimento dos cristãos judaicos talvez tenha havido o medo de que, se cessassem de seguir a praxe do judaísmo, seriam atacados pelos seus compatriotas judeus, assim como aconteceu com Estêvão e seus companheiros. A situação, portanto, é perfeitamente plausível, e não há razão para compartilhar do ceticismo de Dibelius (págs. 109-121) que contesta que o problema de comer juntamente com os gentios desempenhasse qualquer papel na história original.
4-17. A reação de Pedro diante da pergunta foi contar a história inteira por ordem (para esta frase final, cf. Lc 1 :3), crendo que, depois de ela ser devidamente ouvida (ao invés dos relatórios fragmentários e possivelmente confusos que já haviam sido recebidos) forçosamente os interlocutores perceberiam que DEUS levara Pedro a esta ação. Assim, a narrativa é repetida, com poucas diferenças significantes da narrativa anterior, a não ser que é abreviada, e contada na primeira pessoa do ponto de vista de Pedro.

O relato naturalmente começa com a experiência do próprio Pedro, mais do que com aquela de Cornélio, e descreve como entrou em êxtase enquanto orava, e viu a visão do lençol que foi sendo baixado do céu, cheio de vários seres viventes (o relato aqui inclui "feras", Lê, animais selvagens, juntamente com os demais mencionados anteriormente). A narrativa da conversação entre a voz celestial e Pedro é repetida sem variação significante. Imediatamente após o sonho, três homens chegaram para convidar Pedro a ir para Cesaréia, e Pedro ouviu uma mensagem do ESPÍRITO que o mandou acompanhá-Ios sem hesitar, ou "sem fazer distinção (ver 10:17-20), i.é, sem tratá-Ios diferentemente dos judeus. Juntamente com seus seis amigos,. portanto, foi para a casa daquele homem; o homem, naturalmente, é Cornélio, e seu nome não é mencionado, pois tanto os ouvintes de Pedro (que já sabiam algo acerca da história) quanto os leitores de Lucas saberiam a quem se referia. Devemos, portanto, discordar da declaração de Hilenchen (pág. 355) de que a narrativa não faria sentido aos ouvintes de Pedro. Da mesma forma, não há motivos para ver quaisquer "auto-contradições de vulto" entre os dois relatos. Haenchen vê semelhante contradição no fato de que, no v. 11, os seis cristãos judaicos de Jope já estão na casa de Simão, o curtidor na chegada dos mensageiros de Cornélio; o detalhe é, de qualquer forma, absurdamente trivial, mas nada no capítulo 10 comprova que os homens não estavam na casa naquela ocasião. No v. 13 Cornélio relata brevemente como vira o anjo, modo de narração que, mais uma vez, visa os leitores de Lucas, e não precisa significar que Pedro falou de modo ininteligível aos seus ouvintes. É somente aqui, porém, que ficamos sabendo que a mensagem angelical prometeu a Cornélio que ouviria uma mensagem que explica como ele poderia ser salvo, juntamente com os da sua casa (v. 1;4). Este pormenor explica as declarações de Cornélio em 10:22, 33. O anjo emprega a linguagem dos pregadores cristãos primitivos quando fala em ser salvo, mas esta fraseologia já era conhecida no Antigo Testamento, e não causaria dificuldade alguma a judeus ou prosélitos. Outra dificuldade tem sido vista na declaração de Pedro de que o ESPÍRITO SANTO caiu sobre os ouvintes quando comecei a falar, ao passo que no capítulo 10 já tinha pregado por algum tempo antes de qualquer coisa acontecer. Esta dificuldade, também, é só na aparência. A razão de ser da declaração de Pedro é que não tinha terminado o que queria dizer, e a força do verbo "começar" não pode ser levada muito longe no grego hebraizado.
O comentário de Pedro ressalta que a experiência dos convertidos gentios fora a mesma que a daqueles que receberam originalmente o ESPÍRITO no principio, i.é, no dia de Pentecoste. É significativo que ele compara a experiência dos gentios com aquela do grupo no cenáculo, e não com aquela dos primeiros convertidos do judaísmo: nada há que possa sugerir uma posição de "cidadão de segunda classe" para os gentios. Além disto, Pedro vê na experiência dos gentios um cumprimento do dito de JESUS em 1:5, quando relembrou Seus discípulos de que, embora João batizara com água, eles seriam batizados com o ESPÍRITO SANTO. Duas coisas se deduziram desta lembrança. A primeira foi que quando os gentios receberam o ESPÍRITO, foram batizados no ESPÍRITO (quanto ao significado deste termo, ver 1 :5), sendo que a experiência é idêntica àquela do Pentecoste, que foi o primeiro cumprimento da profecia de JESUS. Em segundo lugar, se os gentios já foram batiza dos no ESPÍRITO, então, muito mais, eram elegíveis para serem batiza dos com água. Esta dedução talvez não pareça imediatamente óbvia, sendo que a declaração no v. 16 (cf. 1 :5) parece fazer um contraste entre o batismo com água e o batismo no ESPÍRITO; mas é provável que a expressão queira dizer: "João batizava (meramente) com água, mas vós sereis batizados (não somente com água mas também) com o ESPÍRITO SANTO".122 A igreja, que batizava com água, era, portanto, compelida a batizar os gentios que creram; doutra forma, serviria como empecilho para a vontade de DEUS ser cumprida. Emerge, incidentalmente, desta declaração que Pedro toma por certo que o ESPÍRITO é dado aqueles que crêem no Senhor JESUS CRISTO; o batismo com água é dado como resposta à confissão da fé e, embora o derramamento do ESPÍRITO fosse a evidência de que estava presente a fé, é provável que o batismo dos gentios incluísse a sua confissão de fé.
18. O argumento de Pedro comprovou-se convincente. Não somente foi silenciada a crítica que se iniciara, como também os ouvintes expressavam louvor a DEUS por que concedera aos gentios, e não somente aos judeus, a oportunidade de se arrependerem dos seus pecados e, assim, de obterem a vida eterna (5 :20; 13:46, 48). Esta oportunidade foi forneci da na pregação do evangelho.
O argumento de Pedro implicitamente asseverava que os gentios eram membros de pleno direito da igreja e, portanto, que a circuncisão e a guarda da lei eram desnecessárias para a salvação. Incluía, outrossim, a implicação mais lata de que a distinção judaica entre comidas e pessoas puras e impuras era obsoleta. Esta idéia, porém, seria como um abalo do mundo para os judeus, e não seria aceita sem muita perscrutação do coração e controvérsia. Lucas não aborda imediatamente este tema, e não sabemos até que ponto foram imediatamente percebidas as plenas implicações da ação de Pedro. Conforme demonstrará a seção seguinte de Atos, a iniciativa na missão aos gentios passou para a Antioquia, e não fica claro até que ponto a igreja em Jerusalém estava disposta a seguir nos passos de Pedro. Não devemos entender v. 18 no sentido de subentender que a igreja em Jerusalém imediatamente entrou zelosamente numa missão aos gentios; na realidade, parece nunca ter feito assim e, como resultado, perdeu sua importância no decorrer do tempo.

Espada Cortante 2 - Orlando S. Boyer - CPAD - Rio de Janeiro - RJ
O ESPÍRITO SANTO na conversão - a casa de Cornélio
O apóstolo Pedro, ao pregar o Evangelho à casa de Cornélio, fez um grande e revolucionário passo na obra de DEUS. Havia gentios na Igreja antes disso, mas entraram pela porta do judaísmo. Isso é, eram gentios convertidos ao judaísmo antes de aceitarem a CRISTO. DEUS, para conservar Seu povo santo, mandou que Seus filhos se guardassem separados das nações. Mas nunca desejava que Israel se mostrasse orgulhoso, odiando os povos de outras nações. Quando o Senhor chamou a Abraão, o primeiro hebreu, chamou-o para que fosse uma bênção a todas as nações, Gn 12.1-3. Isso se vê claramente, tanto na história de Rute, como na de Jonas. E CRISTO ordenara que Seus discípulos pregassem o Evangelho a "todas as nações" (Mt 28.19), "a toda a criatura" (Mc 16.15), "até aos confins da terra" (Atos 1.8). Mas foi um profundo "mistério", uma grande surpresa, mesmo aos próprios apóstolos, "que os gentios são co-herdeiros, e do mesmo corpo, e participantes da promessa em CRISTO pelo Evangelho", Ef 3.3,6.

Cesaréia (v.l): Era a capital romana da Palestina, onde residia o governador com o grosso das tropas italianas.
Centurião (v. 1 ): Comandante de cem homens, na milícia romana. Cornélio em caráter, era muito parecido a um outro centurião, mencionado em Lc 7.4,5. Observem-se as cinco virtudes gloriosas da vida de Cornélio:
1) Piedoso (v.2): "Cheio de religião" (Versão Figueiredo), porém somente um prosélito do judaísmo, no qual não achou o que sua alma anelava. Ou, é provável, que Cornélio estava a ponto de se submeter às formalidades necessárias para ser aceito como prosélito ao judaísmo. Assim procurava de DEUS direção e sabedoria para alcançar verdadeira certeza e paz na alma.
2) Temente a DEUS com toda a sua casa (v.2): Cornélio tinha a coragem de servir a DEUS em um ambiente muito difícil. Era sincero e fervoroso até o ponto de todos os membros de sua família, e mesmo seus servos e amigos, seguiram no mesmo caminho. (Vede vv.7 e 24).
3) Fazia muitas esmolas (v.2): Não era tão religioso que se esquecia do próximo, nem como muitos que se enganam, confiando em boas obras para salvar-se. Não fazia esmolas movido por uma superstição de que assim seria feliz, mas porque temia a DEUS.
4) De contínuo orava a DEUS (v.2): O que pedia em oração? (Vede Atos 11.14).
Deve ser que desejava a certeza de salvação. Queria o que a sinagoga não podia dar.
Há grande número de exemplos nas Escrituras dos três juntos: (a) grande peso ou anelo de espírito, (b) oração e (c) visão.(Vede um exemplo desses três juntos em Dn 9.1-22).
5) Tem bom testemunho de toda a nação dos judeus (v.22): Apesar da inimizade entre os judeus e os romanos, estes dominando e oprimindo aquele, Cornélio tinha o favor dos judeus. Ele não era apenas um grande homem, era também, um bom homem. Os dois característicos raramente vão juntos. Mas os dois juntos aumentam mutuamente a glória um do outro; a bondade dá uma glória à grandeza, a grandezas aumenta a esfera do serviço da bondade.
É surpreendente notar o caráter do eunuco, de Saulo de Tarso e de Cornélio. Apesar de serem piedosos e fervorosos na sua religião, careciam da salvação que se encontra somente em CRISTO. A igreja nunca deve aceitar, como membros, os que não renasceram, apesar de viverem irrepreensivelmente, "Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de DEUS",João 3.3. (Compare Atos 11.14 e 10.36-43) .
Viu claramente em visão (v.3): A visão de Cornélio não era um sonho (compare 1 Reis 3.5-15), nem um êxtase (v.10), mas o que viu com os próprios olhos, quando bem acordado. Reconheceu pelo aspecto do visitante que não era um ser humano, mas um mensageiro enviado do céu.
DEUS revela as coisas mais gloriosas aos que perseveram em oração. Aos humildes que buscam o Senhor de coração, Ele abre os tesouros da Sua graça.
As tuas orações e as tuas esmolas... (v.4): Os que oram sinceramente, dão esmolas. "Dai antes esmolas do que tiverdes e eis que tudo vos será limpo", Lc 11.41. (Vede 1s 58.6,7).
Têm subido para memória, diante de DEUS (v.4): Cornélio orava e dava esmolas, não como os fariseus, para ser visto dos homens, e o anjo lhe informou que essas orações e esmolas tinham subido para memória, diante de DEUS. (Compare Ap 5.8; 8.3,4).
Manda chamar a Simão... Pedro (v.5): O anjo diante de Cornélio não lhe informou o que devia fazer. Foi necessário mandar chamar um homem, pois a obra de anunciar o Evangelho foi dada, não aos anjos, mas aos redimidos.
Havia outros pregadores perto (cap. 8.40), mas Cornélio devia mandar buscar a Pedro porque foi a esse que DEUS entregara as chaves e designara que fosse ele que abrisse a porta aos gentios, como o fizera aos judeus no Pentecostes. (Compare Mt 16.19 e Atos 2.14).

CORNÉLIO MANDA CHAMAR PEDRO, 10.7,8.
10.7 "E, retirando-se o anjo que lhe falava, chamou dois dos seus criados e a um piedoso soldado dos que estavam ao seu serviço.
8 "E, havendo-lhes contado tudo, os enviou a Jope.
Grande foi a prova; este centurião devia mandar chamar um judeu desconhecido, talvez sem instrução, mas por certo um homem sem distinção nem recursos, porque se achava hospedado em casa de um curtidor! Cornélio, porém, não vacilou; apesar de já ir muito tarde o dia (v.3), enviou imediatamente os três mensageiros, sem fazer questão. É imprescindível agir sem vacilar em tudo que pertença a nossa alma.
Subiu Pedro (l() terraço para orar (v.9): Pedro não apenas proclamava a Palavra, instando, houvesse ou deixasse de haver oportunidade, esforçava-se, também, em oração. Subiu ao eirado, onde, talvez, escondido atrás do parapeito da casa, podia orar a sós. Foi "enquanto lhe preparavam" algo para comer, v.10. Os que conhecem a delícia de ficar na presença de DEUS em oração, nunca se sentem aborrecidos por falta de um passatempo terrestre. Pedro orava "à hora sexta" (v.9), isto é, ao meio dia, indicando que seguia o exemplo de Davi, que clamava a DEUS "de tarde, e de manhã e ao meio dia", SI 55.17. Se é demais passar o tempo sem comer ao meio dia, quanto mais sem renovar a nossa alma ao meio dia. Enquanto se preparava o almoço, Pedro orava. Queria saber, talvez, onde devia ir anunciar CRISTO.
Cornélio e Pedro estavam separados um do outro em posição social, ofício, em nacionalidade e por distância. Ambos, porém, oravam e o resultado das suas orações foi um avivamento espiritual que demoliu todas as barreiras entre os judeus e os gentios. Por meio de orações penitentes e sinceras desaparecem as divisões que perturbam a humanidade. Quanto mais perto de DEUS, tanto mais perto chegamos uns dos outros.
Sobreveio-lhe um arrebatamento de sentidos (v. 10) : Compare o êxtase de Pedro, nesta ocasião, ao arrebatamento de Paulo (2 Co 12.2,3), ao profundo sono, no horror de grandes trevas, que caiu sobre Abraão (Gn 15.12), ao êxtase de Paulo quando orava no templo (Atos 22.17), e à experiência de João quando se achava no ESPÍRITO, Ap 4.2.
Um vaso, como se fosse um grande lençol (v. 11 ): Era símbolo do mundo.
De quatro pontas (v. lI): DEUS quer ajuntar o Seu povo dos quatro cantos da terra. Todos animais (v.12): Todos os povos do mundo, os cultos e os incultos, os bons e os maus...
Não faças tu comum ao que DEUS purificou (v.15): Aquele que fez a lei podia anulá-Ia, quando e como quisesse. O que Pedro aprendeu da visão: 1) Que chegara a época para os gentios entrarem na Igreja, vv.17-20. 2) Que começara uma nova dispensação na qual DEUS não reconhece diferença entre os judeus e gentios, v.28. 3) Que era o vontade de DEUS que os crentes judaicos entrassem nas casas dos gentios para ter comunhão com eles e comer, v.27; capo 11.2,3,4. Que a lei do Velho Testamento, acerca dos alimentos, foi abolida, mesmo como todas as outras leis que levantassem barreira entre os judeus e gentios. Ef 2.13-16; Atos 15.1,10,11,20,28,29.
Quando deixamos de julgar qualquer homem impuro ou imundo (v.28), então reconhecemos que CRISTO morreu por todos os homens, e assim fica completamente transformada a nossa concepção dos povos mais desprezados (por exemplo, os selvagens) e a nossa relação para com eles.
Por três vezes (v.16): Como o sonho de Faraó foi duplicado, assim a visão do grande lençol cheio de toda espécie de animais foi triplicada a Pedro, "porque esta coisa é determinada de DEUS", Gn 41.32.
PEDRO RECEBE OS MENSAGEIROS DE CORNÉLIO, 10.17-22.
Pensando Pedro naquela visão (v.18): Os que anelam saber a vontade de DEUS têm de meditar no que Ele diz. Se quisermos compreender as Escrituras, devemos meditar nelas de dia e de noite.
Levanta-te... (v.20): Os que anelam saber a vontade de DEUS não devem continuar para sempre com os olhos fitos nas Escrituras, nem para sempre orando. DEUS nos diz, como disse à beira do mar Vermelho: "Por que clamas a mim? dize aos filhos de Israel que marchem", Êx 14.15.
Foram com ele alguns irmãos de Jope (v.23): O grupo que viajou de Jope à casa de Cornélio, em Cesaréia, consistia de dez homens: os três enviados de Jope (v.7), os seis que Pedro levou consigo (cap. 11.12), e o próprio apóstolo Pedro. Vê-se nisso o cuidado, a admiração e a perplexidade de Pedro no maravilhoso passo de levar a Mensagem aos gentios.
Tendo já convidado os seus parentes (v.24): Convém-nos seguir o exemplo de Cornélio. Pedro ao chegar a Cesaréia, encontrou um bom auditório de almas sedentas e famintas para ouvirem a Mensagem de Salvação pela primeira vez.
Não é lícito a um varão judeu a juntar-se ou chegar-se a um estrangeiro (v.28): Lembremo-nos sempre de que isso não foi a lei de DEUS mas o decreto dos que dominavam o povo de DEUS. Estes não proibiam que conversassem com os gentios, nem de negociar com eles nas praças, mas somente que não comessem com eles, nem entrassem nas casas deles.
Este vibrante sermão é resumido para nós em pouco mais de duzentas palavras. O tema, como no primeiro discurso de Pedro (cap. 2.14-41) é a salvação pe. O sermão inclui o batismo de João, a obra de JESUS de Nazaré, libertando os oprimidos do diabo, a Sua morte na cruz, Sua ressurreição com incontestáveis provas, Sua vinda novamente como juiz dos vivos e dos mortos, Sua oferta de salvação a todos os que crêem. Ao discurso não falta coisa alguma; tudo está completo e ardendo com o amor de CRISTO.
DEUS ungiu a JESUS de Nazaré com o ESPÍRITO SANTO (v.38): Compare Mt 3.16. 1) Ungiu refere-se ao costume divino, do Velho Testamento, de ungir líderes chamados por DEUS, com óleo, como símbolo de autoridade necessária para o seu ministério. O óleo é símbolo de fertilidade, utilidade, vida perenal e de formosura. Igualmente o crente ungido com o ESPÍRITO tem tudo isso. 2) DEUS ungiu a JESUS... com virtude (v.38): Não somente falava do poder, também o manifestava. De vez em quando um pregador dá lugar para o ESPÍRITO SANTO fazer o que os outros só falam de deixá-Lo fazer, e há logo um verdadeiro avivamento. 3) Foi ungido para servir: Andou fazendo bem (v.38): Era o servo de Jeová, Is 42.1; 52.13; 53.11; compare Lc 22.27. Quando pediram ao general Booth, do Exército da Salvação, uma saudação para o mundo inteiro, respondeu com uma só palavra: "Outros", isto é, o próximo. 4) Foi ungido para destruir as obras de Satanás: Curando a todos... (v.38): Nota-se o
contraste entre CRISTO e Satanás: O diabo anda em redor... como leão rugindo, buscando a quem possa devorar, 1 Pe 5.8. JESUS durante os três anos e meio do Seu ministério andou por toda a parte desfazendo as obras de Satanás, Lc 13.16; Hb 2.14,15; l João 3.8; Lc 4.18.
Dizendo Pedro ainda estas palavras (v.44): O ESPÍRITO SANTO desceu sobre todos antes de o pregador conseguir fazer o apelo. Todo o que nEle crê, recebe remissão de pecados; os ouvintes sentiam grande fome e creram com todo o coração, alma e força, Rm 10.17. O resultado foi que o coração foi purificado pela fé (Atos 15.8,9) e foram batizados no ESPÍRITO SANTO.
Porque os ouviam.falar línguas, e magnificar a DEUS (v.46): A lei exigia só "duas ou três testemunhas" (2 Co 13.1), mas Pedro, para entrar em casa de gentio para pregar, levou consigo seis! (Vede capo 11.12). Note-se bem o que foi que tirou toda a dúvida destes judeus endurecidos: "Porque ouviam falar outras línguas e magnificar a DEUS." A palavra "porque" nesta passagem mostra que na Igreja Primitiva, o falar em línguas era prova do batismo no ESPÍRITO.
Pode alguém porventura recusar.. (v.48): Vê-se nisto a importância do batismo nas águas. Até pessoas já batizadas no ESPÍRITO SANTO deviam obedecer à ordenança do batismo nas águas.

INTERAÇÃO
DEUS seja louvado pela sua iniciativa em prover, quer da perspectiva passada, presente ou futura, graciosamente a salvação. DEUS tem de ser louvado, porque nEle surge uma nova comunidade que essencialmente derruba a antiga barreira racial existente entre judeus e gentios. Esse acontecimento ocorre no contexto cuja vontade soberana de DEUS é exercida. Busquemos em DEUS, no exemplo de seu Filho JESUS CRISTO e na força do ESPÍRITO SANTO, uma vida autenticamente cristã onde não haja barreira para os relacionamentos com os irmãos em CRISTO, que são "a Igreja de DEUS". Uma excelente e abençoada aula!

OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conhecer a origem dos gentios no Antigo Testamento.
Aplicar a missão e a salvação entre os gentios nos Evangelhos e nos Atos dos apóstolos.
Conscientizar-se que judeus e gentios formam a Igreja mediante a cruz..

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, sugerimos que você utilize o quadro abaixo ao introduzir o terceiro tópico. Procure abordar a divisão da humanidade entre judeus e gentios antes do evento vicário de JESUS. Destaque que após o acontecimento do sacrifício de CRISTO JESUS, a barreira entre judeus e gentios, foi demolida. Conclua explicando que a constituição natural da Igreja prevê a reunião de judeus e gentios. Boa aula!

OS JUDEUS E OS GENTIOS ANTES E DEPOIS DA CRUZ DE CRISTO
ANTES DEPOIS
A Humanidade, para os judeus, dividia-se em duas raças: os judeus, e todo o resto da humanidade, os gentios;
Os gentios estavam separados de todos os privilégios concedidos aos judeus por DEUS (Ef. 2.11-13);
A antiga religião judaica representava uma grande barreira aos gentios. A Humanidade passa ser dividida em três povos: Judeus, Gentios e Igreja (Judeus e Gentios - 1 Co 10.32);
Em CRISTO,judeus e gentios estão "perto", não há parede;
A antiga religião judaica não representa mais barreira aos gentios.

RESUMO DA LIÇÃO 10- O EVANGELHO PROPAGA-SE ENTRE OS GENTIOS
INTRODUÇÃO
DEUS não faz acepção de pessoas (At 10.34).
I. OS GENTIOS NO ANTIGO TESTAMENTO
A DEUS não restou outra alternativa senão destruir a primeira civilização através de um dilúvio universal (Gn 6 - 9).
1. Um novo começo com Noé.
2. A exclusividade dos descendentes de Abraão (Gn 15.5.6).
II. OS GENTIOS EM O NOVO TESTAMENTO
1. Nos Evangelhos.
2. Nos Atos dos Apóstolos.
3. Missão e Salvação entre os Gentios.
III- JUDEUS E GENTIOS UNIDOS POR DEUS MEDIANTE A CRUZ
1. A Igreja de DEUS.
2. Expansão da igreja entre os gentios.
CONCLUSÃO
A evangelização dos povos é o maior desafio da igreja moderna. A responsabilidade é nossa.

SINOPSE DO TÓPICO (1) A partir da eleição de Abraão, e sua descendência, as demais nações passaram a chamar-se gôyim-gentios.
SINOPSE DO TÓPICO (2) O Novo Testamento, através dos Evangelhos e dos Atos dos Apostellos, realça o amor de DEUS, não somente por Israel, mas por todos os povos
SINOPSE DO TÓPICO (3) Mediante a cruz, judeus e gentios foram feitos um, dando assim origem à Igreja.

VOCABULÁRIO
Cataclismo: Grande Inundação; dilúvio.

SAIBA MAIS
Revista Ensinador Cristão CPAD, no 45, p. 41.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I
Subsídio Bibliográfico "Israel e a Igreja
Nos capítulos iniciais de Atos dos Apóstolos, a recepção judaica à mensagem do evangelho foi poderosa e inquietou os líderes judaicos. Mas, depois, iniciou-se a reação e a perseguição judaicas para que a Igreja se dispersasse. Em alguns locais, a mensagem foi tirada da sinagoga e oferecida diretamente aos gentios que responderam de forma favorável (At 13.46; 18.6; 28.28). Esse padrão híbrido de recepção judaica, perseguição e busca dos gentios foi comum, em especial, no ministério de Paulo. Os após tolos iniciaram na sinagoga, pois criam que a mensagem de CRISTO era também para os de Israel. As igrejas locais desenvolveram-se por necessidade de sobreviver em face da rejeição. Essas realidades fizeram com que Lucas, em Atos dos Apóstolos, falasse de forma reiterada sobre os mensageiros da Igreja 'se voltarem para os gentios' e 'advertirem Israel'. Esses temas, com freqüência, aparecem lado a lado e dominam o último terço do livro de Atos dos Apóstolos. Eles mostram que a Igreja não era Israel e que essa distinção tornou-se uma realidade do ponto de vista histórico" (ZUCK, Roy B. et aI. Teologia do Novo Testamento. l.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008, pp.160-61).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II
"A inclusão dos Gentios na Única e Nova Humanidade em CRISTO (Ef 2.13-18)
Paulo continua a descrever como a obra da redenção torna as pessoas um só povo em CRISTO. O verso 1 3 começa com duas frases importantes: r 'Mas, agora' que aparece em contraste com 'antes' (v. I I) e 'naquele tempo' (v.12); e 'em CRISTO JESUS', que aparece em contraste com 'sem CRISTO' (v. 1 2). Essas duas expressões enfatizam como a situação dos gentios seria drasticamente modificada, de estarem 'Ionge para chegarem 'perto'. Essa nova aproximação de DEUS é tanto 'em CRISTO JESUS' como 'pelo sangue de CRISTO'. Essa última se refere ao evento histórico da morte de JESUS na cruz; e a primeira está relacionada à conversão dos Infiéis e sua presente união com CRISTO. Os cinco versos seguintes explicam o que foi alcançado pela morte redentora de CRISTO na cruz.
Os versos 14-18 revelam o âmago da mensagem de reconciliação de Paulo, e como DEUS deu início ao seu eterno plano de reconciliação cósmica (embora não universal) (1.1 O). A palavra principal nessa passagem é paz, e ela aparece quatro vezes (w.14, 15, e duas vezes no verso 17).
O verso 14 começa com uma declaração enfática: 'Porque ele [CRISTO] é a nossa paz'. CRISTO, e somente CRISTO, nos deu a solução para esse problema que infesta a raça humana, isto é, a separação de DEUS e de outras pessoas. Ele é a Reconciliação do povo com DEUS e a Reconciliação das pessoas, umas com as outras. Assim, o evangelho torna.se uma mensagem de reconciliação (2 Co 5.17-21). Por causa de seu sangue redentor (2.14), nesse ponto de Efésios Paulo anuncia, em dois sentidos, o próprio CRISTO JESUS como sendo a 'nossa paz':
1) Como pecadores, Ele nos reconcilia com DEUS pela cruz (v. 16) e
2) Reconcilia grupos mutuamente hostis entre si (tais como judeus e gentios) e de ambos os povos faz um' (v. 14b; também w.15, 16, 17 e 18).
A reconciliação é o tema central desta passagem. Nada, a não ser o evangelho, poderá nos oferecer, genuinamente, a paz com DEUS (Rm 5.1), 'e nada, a não ser o evangelho, poderá remover as barreiras que dividem a humanidade em grupos hostis em sua própria época' (Bruce, 1961, 54). A paz entre judeus e gentios exigia a destruição da 'parede de separação que estava no meio' (v. 14c). Nenhuma distinção por cor, conflito étnico, separação por classes ou divisão política era mais absoluta que a barreira entre judeus e gentios no primeiro século d.C. Bruce acrescenta: 'O maior triunfo do evangelho na era apostólica foi que ele venceu essa antiga e longa desavença e permitiu que judeus e gentios se tornassem verdadeiramente um único povo em CRISTO'" (Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, pp.1219-20).

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 10- O EVANGELHO PROPAGA-SE ENTRE OS GENTIOS
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 1º TRIMESTRE DE 2011
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"E os fiéis que eram da _______________________, todos quantos tinham vindo com ______________________, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os __________________________" (At 10.45).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
DEUS não faz ________________________ de pessoas, de nações ou de raças. É da vontade do Senhor que o _______________________ de JESUS CRISTO seu Filho, seja ______________________________ a todos os povos.

INTRODUÇÃO
3- Qual a mensagem proclamada pelos apóstolos de Nosso Senhor aos gentios?
( ) Ele ama a todos indistintamente e deseja a salvação de toda a humanidade, através de JESUS CRISTO.
( ) Criador de tudo quanto existe, a todos preserva pela sua bondade e justiça.
( ) DEUS não faz acepção de pessoas.
( ) A principal mensagem pregada pelos apóstolos, aos gentios, era a guarda da lei e dos dias santos.
( ) No Filho, todos somos amados pelo Pai, sem quaisquer distinções.

I. OS GENTIOS NO ANTIGO TESTAMENTO
4- Por que DEUS destruiu a primeira civilização através de um dilúvio universal (Gn 6 - 9)?
( ) Toda a humanidade descende de um único casal a quem DEUS formara segundo a sua imagem e semelhança.
( ) Embora criado santo, justo e bom para a glória do Senhor, o homem desobedeceu-lhe as ordens e veio a conhecer experimentalmente o pecado.
( ) DEUS queria perdoar todos os homens, então salvou-os pelas águas do dilúvio.
( ) Com a sua apostasia, fez com que a maldade tomasse conta do mundo.

5- Através de quem vieram a formarem-se as nações com as suas respectivas geografias (Gn 10 - 11)?
( ) Apenas Noé e a sua família salvaram-se daquele cataclismo.
( ) Por intermédio dos filhos do piedoso e santo patriarca: Jafé, Crow e Sem.
( ) Por intermédio dos filhos do piedoso e santo patriarca: Jafé, Cam e Sem.

6- Infelizmente, a humanidade porfiou em desobedecer a DEUS (Gn 11 .1-9). Qual a providência de DEUS para essa nova situação?
( ) Em meio a essa desolação espiritual e moral, DEUS santifica um descendente de Sem, Abraão, para que dele uma nova nação fosse formada.
( ) Em Abraão, fomos todos abençoados.
( ) DEUS chama também os descendentes de Jafé para com eles estabelecer uma aliança perpétua de salvação.

7- Qual a exclusividade dos descendentes de Abraão (Gn 15.5.6)?
( ) Ao chamar Abraão, o Senhor dá início à história de Israel.
( ) A aliança é somente deles e para eles, portanto eles são detentores de todas as melhores promessas.
( ) Seu propósito à nação judaica era torná-la uma propriedade peculiar, um reino sacerdotal e um povo santo.
( ) Ele constituiu nação judaica para que esta lhe fosse uma possessão distinta e particular, a fim de que, por seu intermédio, alcançasse os gentios.
( ) A partir de então, todas as demais etnias passaram a ser conhecidas como gõyim-gentios.

II. OS GENTIOS EM O NOVO TESTAMENTO
8- O Novo Testamento faz questão de realçar o amor de DEUS não somente por Israel, mas por todos os povos. Qual o texto mais famoso e decorado por todos, que comprova isso? Qual deveria ser a responsabilidade de Israel na salvação dos demais povos?
( ) 1 Tm 2.5 deixa isso bem claro.
( ) João 3.16 deixa isso bem claro.
( ) Não resta dúvida: a salvação vem dos judeus, mas não se restringe aos judeus, mas através dos judeus deve alcançar a todos os não-judeus.

9- Nos evangelhos há várias referências aos gentios (Mt 6.7,32; Mc 10.33; Lc 12.30; 18.32). Como são essas referências? Complete:
Descritos às vezes com certa reserva (Mt 20.19; Mc 10.33), são eles vistos como a grande ___________________ a ser alcançada pelos apóstolos que, no cumprimento da Grande Comissão, deixariam Jerusalém e a Judéia para evangelizar e ensinar todas as ____________________ (Mt 28.18-20). Aliás, Isaías já destacava a missão do CRISTO entre os gentios (Is 42.1-4). Durante o seu ministério terreno, o Senhor JESUS ______________________ alguns destes como a mulher ________________________ (Mt 15.21-28) e o __________________________ (Lc 7.1-10).

10- Onde é relatada a salvação dos gentios, nos Atos dos Apóstolos? Complete:
Embora Atos 1.8 estabeleça a obrigatoriedade da missão entre os gentios, somente no capítulo 9, e versículo 15, após a conversão de ________________________, é que se declara aberta e enfaticamente a evangelização das nações (ver At 13.44-47). A resistência inicial dos apóstolos em discipulá-Ios (At 10.9-16) é vencida quando ________________________, sua família e demais assistentes, recebem o batismo com o ESPÍRITO SANTO (At 1 0.44-48). O fato trouxe perplexidade no colégio _______________________ (At 11.1-3,18), mas após a apologia de _________________________ (At 11.4-1 7 ver 15.7-11), a Igreja glorificou a DEUS pelo fato de os gentios serem também objeto do amor de DEUS (At 10.45).

11- A Missão e Salvação entre os Gentios foi iniciada por quem e por quem foi continuada? Complete:
Se ___________________________, com o evangelho da circuncisão, é proeminente nos capítulos de 1 a 12 de Atos, nos capítulos de 13 a 28, destaca-se ________________________ com o evangelho da incircuncisão (GI 1.7). O primeiro diz respeito aos judeus, o segundo,gentios (At 13.44-47). Trata-se, porém, de um só evangelho - o evangelho de Nosso Senhor JESUS CRISTO. ________________________ estava consciente de que fora chamado por DEUS para anunciar o evangelho aos gentios (At 9.15), sem os entraves da lei (At 15.19,28,29; Rm 4.9-16). Em suas viagens missionárias, não foram poucos os gentios que se converteram ao Senhor (At 11 .1 ,1 8) e de bom grado ouviram a exposição da graça divina (At 13.42).

III- JUDEUS E GENTIOS UNIDOS POR DEUS MEDIANTE A CRUZ
12- Ao defender a difusão do Evangelho entre as nações, afirmou Pedro: "[...] DEUS visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome" (At 15.14). Quem é esse povo?
( ) Esse povo é formado por judeus convertidos ao judaísmo e ao cristianismo posteriormente.
( ) Esse povo é a Igreja formada por judeus e gentios em CRISTO.
( ) De ambos, fez Ele um só povo, derribando a parede de separação que estava no meio, e, pela cruz, reconciliou ambos com DEUS em um corpo.
( ) Dessa maneira, o ESPÍRITO SANTO revela a Paulo que os gentios não são mais estrangeiros (gôyim) e nem forasteiros, mas concidadãos dos Santos, da família de DEUS, co-herdeiros e participantes da promessa em CRISTO pelo evangelho.

13- Como foi a expansão da igreja entre os gentios?
Através de suas _______________________ missionárias, ___________________________ propagou o evangelho entre os povos e culturas conhecidos naqueles dias (Rm 15.19,20). Em várias regiões, estabeleceu ele _______________________ constituídas notadamente por _________________________ (Rm 16.4).

CONCLUSÃO
14- Complete:
A evangelização dos povos é o maior desafio da __________________________ moderna. A responsabilidade é nossa. O Senhor confiou-nos a Grande __________________________ para que, sem remissões, alcancemos os confins da terra. Ele deseja que todos os ___________________________ sejam salvos.

15- Você sabia que muitos povos ainda não ouviram falar de JESUS? Como responderá você a esse grande desafio? Se o Senhor o chama à Obra Missionária, como você deve responder prontamente?
( ) Estou contribuindo financeiramente.
( ) Estou orando pelos missionários.
( ) "Eis-me aqui, Senhor. Envia-me a mim".

RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.
veja também - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao10-ldc-osdonsespirituais.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/atos.htm
Atos - Introdução e Comentário - I. Howard Marshall - Série Cultura Bíblica - edições 1985,1988, 1991, 1999 e 2001 - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova - SP
Espada Cortante 2 - Orlando S. Boyer - CPAD - Rio de Janeiro - RJ
Revista CPAD - 3º Trimestre de 1996 - Atos - O padrão para a Igreja da Última Hora - Pr. Ezequias Soares - Lição 9 - O EVANGELHO CHEGA AOS GENTIOS - CPAD
http://www.ebdonline.com.br/cursos/atos4.htm

Nenhum comentário: