quarta-feira, 22 de abril de 2009

LIÇÃO 04 - DESPENSEIROS DOS MISTÉRIOS DE DEUS Ev Henrique

LIÇÃO 04 - DESPENSEIROS DOS MISTÉRIOS DE DEUS Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 2º TRIMESTRE DE 2009 1Coríntios - Os Problemas da Igreja e Suas Soluções Comentários do Pr. Antônio Gilberto Complementos e questionários: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
TEXTO ÁUREO "Que os homens nos considerem como ministros de CRISTO e despenseiros dos mistérios de DEUS" (1 Co 4.1).
VERDADE PRÁTICA DEUS não precisa da ajuda humana, mas permite que seus ministros participem da realização de seus eternos propósitos.
LEITURAS IMPORTANTES 1 Co 3.9 Os ministros da Palavra são cooperadores de DEUS 2 Co 8.23 Os ministros da Palavra são embaixadores de DEUS Fp 3.17 Os ministros da Palavra devem ser exemplo em tudo 2 Tm 3.17 Os ministros da Palavra devem buscar a perfeição 2 Tm 2.15 Os ministros da Palavra devem ser aprovados 1 Ts 2.19,20 Os ministros da Palavra e seus frutos LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Coríntios 4.1-5, 14-16. 1 Coríntios 4.1-5 1 Que os homens nos considerem como ministros de CRISTO e despenseiros dos mistérios de DEUS. 2 Além disso, requer-se nos despenseiros que cada um se ache fiel. 3 Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós ou por algum juízo humano; nem eu tampouco a mim mesmo me julgo. 4 Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero justificado, pois quem me julga é o Senhor. 5 Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas e manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um receberá de DEUS o louvor.1 Coríntios 14-1614 Não escrevo essas coisas para vos envergonhar; mas admoesto-vos como meus filhos amados. 15 Porque, ainda que tivésseis dez mil aios em CRISTO, não teríeis, contudo, muitos pais; porque eu, pelo evangelho, vos gerei em JESUS CRISTO. 16 Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. Palavra Chave: Fidelidade - Qualidade de fiel; lealdade; constância, firmeza, perseverança. I PARTE - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA IGREJA Paulo disse: "Assim, pois, importa que os homens nos considerem como ministros de CRISTO, e despenseiros dos mistérios de DEUS" (1 Co 4.1). A palavra grega traduzida aqui como ministro é huperetes, um remador inferior, um ajudante de remador. Ao utilizar-se desse termo, Paulo está se referindo aos remadores que ficavam na parte mais inferior do navio; remadores submissos a outros remadores... Não é servo (diácono) nem escravo (doulos) mas alguém que trabalha por obrigatoriedade, uma pessoa contratada, que vive sob ordens de um superior, que espera ordens para agir, no caso de Paulo, de CRISTO. O que Paulo pretendia dizer com isso? Que as pessoas deveriam entender que o ministro não age por conta própria, que trabalha sob ordens, obedece a um líder e que tudo o que faz é apenas trabalhar e trabalhar...obedecendo! Mathew Henry diz: "Neste caso, o apóstolo requer respeito ao tipo de ofício que tem, especialmente porque muitos fracassaram na missão apostólica, ainda que outros, possivelmente, colocavam o apostolado como algo muito sublime, elevado, como se Paulo fosse o líder de um partido e, por isso, diziam serem seus discípulos. É nossa opinião de ministros, que deveríamos evitar os extremos. Os apóstolos não devem ser super valorizados, pois são ministros, não mestres; despenseiros, não senhores. Eram apenas servos de CRISTO e nada mais, ainda que servos do mais alto escalão, pessoas que cuidavam da despensa, provendo alimento e designando tarefas aos demais. Na jornada da vida ministerial, em algum lugar, perdemos o verdadeiro sentido do ministério. O verdadeiro ministério precisa urgentemente ser restabelecido no seio da igreja, e para que isso aconteça é necessário que os pastores voltem ao começo de tudo, repensem seu chamamento, reflitam sobre seus ministérios e deixem o ministério pastoral de cunho profissional para o de cunho vocacional. COMENTÁRIOS EXTRAS Em Coríntios 3.9, a Bíblia diz dos obreiros: "Nós somos cooperadores de DEUS". Em geral se pensa que o cooperador no trabalho do Senhor seja um obreiro iniciante, ou um mero auxiliar, mas aqui trata-se de um obreiro habituado na Seara do Mestre, dando o máximo de si, com todo esforço, juntamente com os demais, para levar avante o trabalho de CRISTO. No mesmo versículo, a Bíblia diz do rebanho do Senhor: "Vós sois lavoura de DEUS". Agora a cena muda: em vez do obreiro, aparece a Seara do Senhor, na qual o obreiro se ocupa. Obreiros vêm e obreiros vão, mas a Igreja do Senhor permanece, porque ela é obra de DEUS e não de homem. Dela disse JESUS: "A minha Igreja". Desta expressão do Senhor, concluí-se que há outras aglomerações que levam o nome de igreja, mas que não são a sua Igreja. I. A DIVERSIDADE DE MINISTÉRIOS (1 Co 4.1,2) Os obreiros que trabalhavam na igreja de Corinto ilustram, em parte, os vários tipos de ministério que DEUS pôs na sua Igreja, como está escrito em 1 Co 12.28,29. 1. "Ministros de CRISTO" (v.1). "Ministros", aqui, não é um termo geral para significar obreiros do Evangelho. Literalmente, o termo refere-se a um serviçal muito humilde, cujo trabalho, naqueles tempos, era muito pesado. DEUS usa esse termo para realçar: a) A humildade que deve assinalar todos os obreiros do Senhor; b) A responsabilidade confiada por DEUS ao obreiro, na execução da sua obra. A idéia aqui é o volume de trabalho. 2. "Despenseiro dos mistérios de DEUS" (1 Co 4.1,2). A idéia, aqui, é mais de qualidade no trabalho que se faz para DEUS. O termo despenseiro, neste versículo, alude a um administrador que, a serviço de seu senhor, cuida de sua casa, negócios, recursos, propriedades e pessoal. A tarefa desse despenseiro não era tanto manual (como a do caso anterior), mas principalmente mental. DEUS também capacita obreiros para tais ministérios. Ver I Co 12.28b "governos", e Rm 12.8 "o que preside". Há igrejas que possuem obreiros administradores em excesso, mas poucos pastores para cuidar das ovelhas. Embora não constituam toda a obra de DEUS. as ovelhas são a sua principal parte, porque são dotadas de almas viventes com um destino eterno. Em 1Ts 5.12, a Biblia fala de obreiros "que trabalham entre vós", e também de obreiros "que presidem sobre vós no Senhor". a) Obreiro e os mistérios de DEUS (v. I ). Conforme vemos em 1Co 2.7, "ministérios" neste contexto, são os que sabem as verdades e doutrinas bíblicas da redenção, e da Igreja do Senhor, reveladas por JESUS nos evangelhos, e pelo Espirito SANTO através das epistolas do Novo Testamento. b) Obreiro e sua fidelidade ao Senhor (v.2). O despenseiro a que se refere a texto bíblico não era dona daquilo que cuidava e administrava, assim como a obreiro não é dono da obra que dirige, pois esta pertence ao Senhor. 3. Os obreiros que trabalhavam em Corinto. Esses obreiros, bem como a seu trabalho, estão registrados na Bíblia para a nosso ensino concernente a igreja, ao seu ministério e ao seu trabalho. a) Paulo, o fundador da igreja local (1 Co 3.6a, 10). Como missionário, ele fundou a igreja em Corinto (At 18.1). Ai, permaneceu 18 meses, dedicando-se ao ensino doutrinário daquela novel igreja (At 18.11). A lição que temos aqui é a do obreiro que cuida, com absoluta prioridade, do ensino da Palavra de DEUS na igreja. Paulo tinha muito o que fazer naquele lugar, mas sabia, pelo Espirito SANTO, que o discipulado daqueles novos crentes era fundamental para a consolidação e avanço da obra de DEUS. Se as igrejas e congregações de hoje cuidassem devidamente dos novos convertidos, levando-os, inclusive, a buscar o batismo com o Espirito SANTO, teríamos uma igreja muito maior, tanto em quantidade como em qualidade. As igrejas também estariam investindo como se deve na preparação de obreiros para "fazer discípulos", conforme ordenou JESUS. Discípulos do Senhor não nascem assim; eles são feitos depois de nascidos. Do nascimento espiritual, JESUS cuida, mas a seguir, vem a missão da Igreja, que é a de "fazer discípulos". b) Apolo (I Co 3.6). Aqui está dito que Apolo "regou". Esse é um santo ministério - cuidar das plantinhas na casa do Senhor. Sem isso elas definharão. Ver mais sobre Apolo em At 18.24-28. Comparando-se 1 Co 3.6 com At 18.27b, vê­se que Apolo cuidava também do discipulado dos novos cristãos. c) Timóteo (I Co 4.17). Esse foi outro obreiro que trabalhou em Corinto. Ele aprendera com o grande mestre que foi Paulo, e relembrava os seus ensinos para aquela congregação. Reiterar, repetir e relembrar podem ser aspectos do ministério de determinado obreiro. Paulo coloca Timóteo em lugar de honra, mencionando-o nos primeiros versículos das seguintes epistolas: 2 Coríntios, Filipenses, Colossenses, 1Tessalonicenses, 2Tessalonicenses, e Filemon. Isso revela até que ponto Timóteo merecia a confiança de Paulo, o apóstolo a quem DEUS confiara tão grande obra. d) Tito (2 Co 7.14,15). Este também trabalhou em Corinto. Tinha personalidade forte, como se deduz de 2 Co 7.15 e Tt 1.5. Ele muito colaborou no levantamento de fundos para a assistência social daquela época, na igreja (2 Co 8.6). Talvez por ser um obreiro enérgico, ele foi para Dalmácia (2 Tm 4.10). Apesar de os dálmatas serem de difícil diálogo, Tito certamente soube lidar com eles. e) Silas (2 Co 1.19). Trata-se do mesmo obreiro chamado Silvano noutras referencias. (Silvano é a forma latina de Silas). Era profeta do Senhor. Esses ministérios todos são necessários na obra de DEUS. II. A OBRA DO MINISTÉRIO Nenhum obreiro é perfeito, mas também nenhuma congregação o é, e muito menos a de Corinto. Os títulos e os atos que a Bíblia registra com referencia aos obreiros das duas Epístolas aos Coríntios, nos ensinam muito sobre o ministério evangélico. 1. "Cooperadores de DEUS" (I Co 3.9). O obreiro é descrito aqui como um auxiliar de DEUS, trabalhando com Ele como bem o diz o termo original. Então, o obreiro que trabalha com DEUS deve ser um constante aprendiz dEle. 2. "Ministros de DEUS" (2 Co 6.4). Aqui, o termo original para ministro é o mesmo para diácono como em Fp 1.1. O obreiro chamado por DEUS é um assistente e servidor dEle; um diácono de DEUS. (Revista Antiga CPAD) NÓS SOMOS MORDOMOS DO EVANGELHO Na maioria das vezes, Paulo usava as palavras mordomo (oikonomos) e mordomia (oikonomia) em relação ao Evangelho. Ele escreveu, por exemplo, : "que os homens nos considerem, pois, como ministros de CRISTO, e despenseiros dos mistérios de DEUS. Ora, além disso, o que se requer nos despenseiros é que cada um seja encontrado fiel" (I Cor. 4:1, 2). Mantendo o sentido básico de mordomo como administrador e despenseiro dos bens uns dos outros, Paulo está dizendo que ele e os outros ministros são administradores e proclamadores da mensagem dos atos redentores de DEUS, que DEUS mesmo lhes havia confiado. Assim, como mordomos de DEUS, nós devemos ser administradores responsáveis, proclamadores fiéis e testemunhas conscientes da verdade que Ele a nós tem confiado. Paulo usa o termo oikonomia (mordomia) três vezes para indicar seu comissionamento como proclamador do Evangelho. Em I Cor. 9:17, referendo-se à sua responsabilidade em pregar o Evangelho, ele escreveu: "estou apenas incumbido de uma mordomia." Assim, ele foi escolhido para a tarefa que lhe foi confiada, de pregar a mensagem. Nos versículos anteriores, Paulo defende o direito dos ministros, de serem sustentados por aqueles que se beneficiaram do seu ministério. Mas, recebendo ou não o seu sustento, ele deve pregar o Evangelho como mordomo de DEUS. A responsabilidade em pregar o Evangelho é dada por DEUS e o mordomo é responsável diante de DEUS em cumpri-la. Em Efésios 3:2 e Colossenses 1:25, Paulo escreve palavras semelhantes. Fazendo o Evangelho conhecido dos gentios para que eles pudessem tornar-se "co-herdeiros e membros do mesmo corpo e coparticipantes da promessa em CRISTO" (Ef. 3:6) era a responsabilidade dada a ele como mordomo. Esta mordomia do Evangelho era, ao mesmo tempo, um dom da graça de DEUS e uma obrigação que ele não buscara, mas que lhe fora imposta. OS DESPENSEIROS DA TRINDADE DIVINA.Somos despenseiros do DEUS, a quem pertence todas as coisas (SI 24.1; Ag 2.8), mas como acreditamos em um DEUS Trino, somos então despenseiros da Trindade.a) Despenseiros de DEUS (Gn 1.28). DEUS criou todas as coisas e entregou ao homem o governo das suas obras (SI 8.3-9). O homem fora criado, “imagem e semelhança de DEUS" (Gn 1.26), com inteligência, razão e todas as condições de exercer a função de mordomo, ou seja, foi colocado como co-regente de DEUS no comando dos seus bens. Assim sendo somos, despenseiros dos mistérios de DEUS (1 Co 4.1 b).b) Despenseiros de CRISTO (Jo 15.16; 17.18). Ser despenseiro de CRISTO significa prestar serviço à sua obra. Nós recebemos diretamente dEle a grande comissão (Mc 16.15-20). Numa das parábolas que trata da mordomia cristã está claro que o "senhor" que delega as tarefas representa o Senhor JESUS CRISTO, que nos delegou tarefas a ser executadas em sua casa - a Igreja. Quando Ele voltar ajustará as contas conosco (Mt 24.45-51; 25.14-30; Mc 13.34, Lc 19.11-27). No ministério de JESUS há um exemplo literal do mau despenseiro. Judas, que era tesoureiro, cargo de confiança no delegado por JESUS. Ele era hipócrita e mesquinho, pois viu na atitude da mulher pecadora com JESUS um gesto desnecessário, ao passo que ele mesmo lançava mão dos recursos do que ali entrava (Jo 12. 1-9).c) Despenseiros do ESPÍRITO SANTO (At 13.2,4). O ESPÍRITO SANTO comissiona, orienta e capacita os despenseiros, concedendo dons para melhor desempenho de sua obra (1 Co 12.1-11). "Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constitui bispos, para apascentardes a Igreja de DEUS, que Ele resgatou com seu próprio sangue" (At 20.28). Despenseiro ou mordomo. No Antigo Testamento o mordomo era encarregado de uma casa (Gn 39.2-6; 43.19; 44.4). Já no Novo Testamento há duas palavras para definir o despenseiro: "epitropos" (Mt 20.8; Lc 8.3; Gl 4.2) isto é, alguém a cujos cuidados de guardião uma propriedade alheia foi confiada; e, que é traduzida como "administrador", "procurador" e "curador"; e “oiconomos”, que ocorre por dez vezes, e é traduzido como "administrador", "despenseiro", "mordomo", "tesoureiro" e "tutor" (Lc 16.2,3; 1 Co 4.1,2; Tt 1.7; 1a Pe 4.10). Este último vocábulo provém de “oikos” (casa) e de “nomo” (dispensar ou gerir), o que da à palavra o sentido de gerente ou superintendente. Que todos nós sejamos despenseiros fiéis dos bens de nosso Pai Celestial, para que quando Ele enviar Seu Filho para nos buscar e acertar as contas conosco, sejamos bem recompensados por Ele na Sua vinda! Organograma da Igreja Crentes Gerais Crentes nominais (Visitam a igreja) Crentes carnais (Meninos na fé, causam divisões) Crentes fiéis (Congregam, oram e cultuam) Crentes trabalhadores (Produzem sem títulos ou reconhecimento humano) Ministros: Diáconos (Trabalhadores na parte material) Dispenseiros: Presbíteros (Trabalhadores na parte de direção local e organização) Evangelistas (Trabalhadores na parte de direção,organização e divulgação do evangelho na parte externa) Pastores (Projetam o trabalho, escolhem os auxiliares, organizam o trabalho, cuidam da parte financeira e distribuem a renda) CAPACITAÇÕES PARA O MINISTÉRIO 1 Coríntios 12 (9 dons do ESPÍRITO) Efésios 4 (5 dons de CRISTO) Romanos 12 (5 dons do PAI) 1 Coríntios 12.28-30 (2 outros) Palavra da sabedoria Apóstolos Ministério Dom de socorro Palavra da ciência Profetas Exortação Ajuda Dom da Fé Evangelista Contribuição Dons de curar Pastor Administrar Operação de maravilhas Ensino Misericórdia Profecia Discernimento Variedade de línguas Interpretação O Padrão do Novo Testamento – Assim como os modelos das coisas mostraram a Moisés como estabelecer os padrões para o tabernáculo (Êxodo 25:9, 25:40, 26:30, 39:42-43, Atos 7:44 e Hebreus 8:5); assim como os modelos das coisas mostraram a Davi como estabelecer os padrões para o templo (I Crônicas 28:11, 28:13 e 28:19), da mesma forma os modelos das coisas mostradas no Novo Testamento estabeleceram os padrões para a assembléia, o templo de DEUS (I Coríntios 3:9, 3:16, 3:17, 6:19-20, Efésios 2:21-22, 4:13-16, I Timóteo 3:15, I Pedro 2:5, 2:9, Apocalipse 1:6, 3:12, 5:10, 20:6). Servos Líderes – Líderes são funcionalmente necessários para a assembléia. O Senhor JESUS levantou-os do meio dos membros do corpo e os equipou para preencher qualificações estabelecidas. Eles inevitavelmente se sobressairão do rebanho e serão notados pela assembléia e esta deve formalmente reconhecer a chamada do Senhor naqueles sobre os quais Ele colocou os dons e a qualificação para servir como guias, mestres e exemplos para o corpo todo. Esses servos são chamados anciãos, bispos, pastores ou mestres (Tito 1:5 e Efésios 4:11). Anciãos São Servos, Não Senhores – As palavras de CRISTO determinam, pelo Seu ESPÍRITO no meio ao Seu Povo, através dos corações regenerados e das mentes renovadas dos membros da assembléia, como Ele leva Seu rebanho a um acordo unânime ou consenso. Os anciãos lideram pela autoridade moral de servos que oferecem a palavra e o exemplo e merecem respeito pelo que dão, não pelo que pedem. Um ancião não age como autoridade independente. Sua tarefa é a de assessorar e supervisionar, nunca a de exercer autoridade senhorial nem a de comandar singularmente. Eles são instrumentos, através de suas lideranças, ensinamentos e exemplos, para levar a assembléia ao consenso. Porém, toda autoridade repousa somente em CRISTO. Todos os membros, incluindo os anciãos, se submetem ao Senhor e submetem-se uns aos outros no Senhor. Inclui-se, nesse caso, a submissão dos membros anciãos a todos os outros membros, incluídos os demais anciãos. Em outras palavras, não há cadeia de comando, como: DEUS, depois CRISTO, depois anciãos e depois membros. Existe apenas uma rede de submissão, na qual os anciãos carregam o maior fardo de submissão e responsabilidade, por serem servos de toda a assembléia. Apenas os que se humilham ao nível de servos diante do Senhor e de Sua assembléia serão elevados a esse nível de responsabilidade. Percebe-se então, que aqueles que exaltam a si mesmos a uma posição de autoridade sobre os outros, inevitavelmente se desqualificam para qualquer posição de serviço. Pastor – No Novo Testamento, encontramos três títulos que expressam o ministério pastoral: 1. Presbíteros – no tempo em que a Bíblia foi escrita, os presbíteros eram os anciãos, aqueles mais velhos que eram indicados para juízes ou conselheiros, pois eram respeitados pela sua experiência de vida. Este termo sugere a dignidade do ministério pastoral (At 11.30; Tg 5.14). 2. Bispo – administrador, curador. Tinha a função de supervisor, vigia. Dá o sentido que o pastor é guardião de almas (Fl 1.1; I Tm 3.1). 3. Pastor – encontrado no campo apascentando seu rebanho, mostrando o caminho certo e dando cuidados àquelas ovelhas que dele precisavam. Este é um termo carinhoso (Ef 4.11). Suas qualificações se encontram em I Tm 3.1-7. Diácono – vem do termo grego diakonein, que significa “servir”. Cabe a eles o servir a mesa do Senhor, ou seja, a ceia; tratar do sustento pastoral e cuidar dos problemas sociais dos membros da igreja (beneficência). Eles devem ser “de boa reputação, cheios do ESPÍRITO SANTO e cheios de sabedoria” (At 6.16). Suas qualificações se encontram em I Timóteo 3.8-13. II PARTE - TRIBUNAL DE CRISTO "Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de CRISTO, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal." [2 Coríntios 5:10]. DEVEMOS - QUEM? Esse versículo, ou declaração, é parte da epístola de Paulo aos crentes em Corinto, a questão se responde por si mesma! "Nós" aqui inclui Paulo também e, juntamente com o "todos", restringe a declaração aos crentes — não a toda a humanidade, como seria o caso para um julgamento geral. Então quando juntamos isso com o fato que "tribunal" é bema em grego, descobrimos uma direção inteiramente diferente para as coisas. BEMA - A Concordância Bíblica de Strong diz o seguinte:Bema, item 968, Bema, da base do grego; um passo, isto é, por implicação uma plataforma, ou seja, o assento do juiz no tribunal, colocar [o pé] em, trono. (ênfase nossa).A imagem mental que Paulo está projetando para nós diz respeito a um de seus métodos favoritos de ilustração — o esporte da época — os jogos greco-romanos. Bema era uma plataforma elevada na qual os juízes das diversas competições atléticas ficavam para premiar os vencedores. Isso se parece com o assento elevado de um juiz — alguém que detém o poder da vida e da morte em suas mãos? De forma alguma! É uma imagem de grande consolação para o cristão, pois combina o aspecto solene do julgamento com o de uma recompensa em potencial. Nosso grande, misericordioso e gracioso DEUS prometeu que o serviço fiel não ficará sem recompensa! Observe o que Paulo tem a dizer em 1 Coríntios 3:11-15: "Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é JESUS CRISTO. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo." [ênfase adicionada]. JESUS CRISTO se assentará para julgar as obras dos membros do seu corpo, a sua noiva, a igreja, provando-os pelo fogo. Observe a ordem descendente do seu valor relativo: "Ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno e palha". O ouro, a prata e as pedras preciosas resistem ao calor, mas a madeira, o feno e a palha são queimados. O Senhor determina o grau de valor e o fogo revelará o resultado. Se as obras de um cristão forem inteiramente consumidas no processo e assim se revelarem inúteis, ele sofrerá a perda de não ser o "vencedor da corrida", porém sua salvação nunca estará em questão. Esse ponto foi definitivamente estabelecido na cruz do Calvário. DEUS julgará as obras de cada crente e concederá galardões se eles forem merecidos (NO TRIBUNAL DE CRISTO), mas a vida do incrédulo será julgada e a punição aplicada de imediato (NO JUÍZO FINAL, QUE SERÁ PARA OS DESCRENTES). Em que grupo você estará? O Juízo final, no grande Trono Branco está reservado para Satanás, seus demônios, depois passou a ser também para todos seus seguidores e admiradores. Os despenseiros serão avaliando pelo Senhor, por isso, é preciso que sejam aprovados, que não tenham do que se envergonhar, que manejem bem a Palavra da verdade (II Tm. 2.15). A obra de todos os despenseiros de CRISTO será avaliada (I Co. 4.5). O trabalho feito será julgado pelo Senhor, passando pelo seu crivo. Isso acontecerá no Tribunal de CRISTO, quando virão, à luz, as intenções do trabalho feito (I Co. 3.13-15; II Co. 5.10; Rm. 14.10,12; I Jô. 3.15). Esse não será um julgamento para condenação, mas das obras (Ap. 14.13), já que nenhuma condenação há para os que estão em CRISTO (Rm. 8.1). OBJETIVOS Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a: Explicar o termo "mistério" na Bíblia. Considerar os juízos citados por Paulo. Descrever a missão dos ministros de CRISTO. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA Para que sua classe participe ativamente nas aulas, mantenha a seqüência da regra didática: explanação, demonstração e aplicação. No Manual da Escola Dominical, CPAD, em referência às leis do ensino e da aprendizagem, você verificará que o aluno normal aprende: quando motivado, quando gosta, necessita, vê fazer (pela demonstração e exemplo), e também quando tem a oportunidade de fazer. Portanto, leia o enunciado abaixo e faça com seus alunos a atividade sugerida. "A missão de Paulo para pregar o evangelho foi constituída sobre quatro elementos: serviço, mordomia, fidelidade e sensibilidade aos juízos de DEUS". Escreva esses elementos no quadro-de-giz, e depois, peça a seus alunos que estabeleçam a relação entre eles, observando o contexto geral da lição. RESUMO DA REVISTA - LIÇÃO 04 DESPENSEIROS DOS MISTÉRIOS DE DEUS 2º TRIMESTRE DE 2009 - CPAD Quem são os verdadeiros ministros de CRISTO segundo a Bíblia? I. OS VERDADEIROS MINISTROS DE CRISTO 1. São chamados pela vontade de DEUS. 2. Têm senso de responsabilidade ministerial. 3. São piedosos e íntegros. 4. São comprometidos com a Palavra de DEUS (2 Tm 2.15; 4.2). II. A MISSÃO DOS MINISTROS DE CRISTO A missão de todos os chamados por DEUS para realizar sua obra, especialmente por meio da pregação do evangelho, apóia-se em três pilares: 1. Serviço. 2. Mordomia. 3. Fidelidade. III. MINISTROS DOS MISTÉRIOS DE DEUS IV. A AVALIAÇÃO DOS MINISTROS DE CRISTO (1 Co 4. 3-5) 1. O juízo dos outros (v.3). 2. O juízo próprio. 3. O juízo de DEUS (v.5). 4. O Juízo do Tribunal de CRISTO (v.5). O que é, e como se dará esse juízo? a) "todos" b) Trata-se de julgamento e recompensa. c) O julgamento obras. d) O Tribunal de CRISTO. CONCLUSÃO Se formos submissos ao Senhor e a sua Palavra, teremos as mesmas garantias, promessas e vitórias. SINOPSE DO TÓPICO (1) - A vida do ministro de DEUS precisa ser observada, respeitada e aprovada não só pelos descrentes, mas, especialmente, pelos irmãos em CRISTO. REFLEXÃO - "O Altíssimo dá obreiros à Igreja, mas não dá Igreja aos obreiros como propriedade sua para fazer o que deseja e como quiser." SINOPSE DO TÓPICO (2) - A missão dos ministros de CRISTO consiste no serviço, na mordomia, isto é, na administração dos negócios de DEUS e, sobretudo, em sua fidelidade. SINOPSE DO TÓPICO (3) - Os "mistérios de DEUS" são as verdades e doutrinas bíblicas da redenção e do glorioso futuro da Igreja do Senhor, desconhecidas no Antigo Testamento, mas reveladas por JESUS nos Evangelhos. SINOPSE DO TÓPICO (4) - Ministros de CRISTO não podem ser avaliados pelos outros, e nem mesmo por si próprios, mas unicamente pelo Senhor, o justo juiz. AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Doutrinário "Juízo do homem, juízo próprio e juízo de DEUS (4.3-5). Paulo declarou que pouco importava que avaliação os coríntios faziam dele. Ele era sempre compassivo, atencioso e gentil. Mas o apóstolo era quase que totalmente indiferente às reações dos homens em relação a si, quando se tratava da questão de pregar o evangelho. Tais juízos não tinham qualquer influência sobre sua conduta. A razão era simples: como um despenseiro ele era diretamente responsável diante de CRISTO. Paulo também não dependia de juízo próprio. Ele não podia se lembrar de nada em sua vida cristã que o condenasse. Nem estava ciente de qualquer coisa que pudesse ter contra ele ou contra o seu ministério. No entanto, Paulo não se sentia inocentado por causa de uma consciência limpa. Ele sabia muito bem que uma consciência não acusadora não indica, necessariamente, a isenção de alguma culpa. No caso de Paulo, a sua consciência limpa e a ausência de alguma condenação em particular, vieram como testemunho do Senhor. Além disso, se JESUS CRISTO é o Juiz final, os coríntios não devem julgar nada 'antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas e manifestará os desígnios dos corações' (v.5)." (GREATHOUSE, W.M. Comentário Bíblico Beacon, VIII. Romanos a 1 e 2 Coríntios. RJ: CPAD, 2006, pp. 267-8.) BIBLIOGRAFIA SUGERIDA HORTON, STANLEY M. I e II Coríntios: os problemas da igreja e suas soluções. RJ: CPAD, 2003. HOOVER, THOMAS REGINALD. Comentário Bíblico 1e 2 Coríntios. RJ: CPAD, 1999. SAIBA MAIS na Revista Ensinador Cristão, CPAD, no 38, p. 38. APLICAÇÃO PESSOAL Sejamos, pois, fiéis no desempenho do labor que DEUS nos dispõe e no emprego daquilo que nos confia - o evangelho, os talentos, nosso tempo, as finanças, as oportunidades e qualquer coisa que tivermos a nossa disposição. Almejemos recusar fielmente qualquer tentação de cultuar a nossa própria glória. Desejemos edificar com presteza a Igreja de CRISTO para glória de DEUS, sendo dignos de exemplo para os demais. Aceitemos humildemente a exortação de Paulo em Romanos 13.12,14: "A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas e vistamo-nos das armas da luz. Andemos honestamente, como de dia, não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja. Mas revesti-vos do Senhor JESUS CRISTO e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências". Senhor, faze-nos servos fiéis! QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 04 - DESPENSEIROS DOS MISTÉRIOS DE DEUS RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD - 2º TRIMESTRE DE 2009 TEXTO ÁUREO 1- Complete: "Que os homens nos ____________________________ como _______________________ de CRISTO e despenseiros dos ______________________ de DEUS" (1 Co 4.1). VERDADE PRÁTICA 2- Complete: DEUS não precisa da _______________________ humana, mas permite que seus _________________________ participem da realização de seus ______________________ propósitos. INTRODUÇÃO 3- Paulo ao destacar o papel do obreiro cristão, emprega dois vocábulos. Quais são e qual seu significado? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) hypēretēs "ministro" - refere-se ao remador de um navio da época, que remava abaixo da linha da superfície. Seu trabalho era volumoso, pesado e sempre sob as ordens de um chefe. A lição aqui comunicada é de subordinação aos superiores, trabalho e humildade. ( ) oikonomos. "despenseiro" - diz respeito a um servo administrador de uma casa ou propriedade. É a lição da fidelidade, capacidade e responsabilidade. ( ) Diaconos. "despenseiro" - diz respeito a um servo carregador de bancos de uma igreja. É a lição da humildade, capacidade e responsabilidade. I. OS VERDADEIROS MINISTROS DE CRISTO 4- Dê 4 características dos verdadeiros ministros de CRISTO: Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) São chamados pela vontade de DEUS. ( ) Têm senso de responsabilidade ministerial. ( ) Devem ser parentes de outros ministros. ( ) São piedosos e íntegros. ( ) São comprometidos com a Palavra de DEUS. ( ) São conhecidos pela guarda do Sábado. 5- Como é a chamada dos verdadeiros ministros de CRISTO? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) São chamados de acordo com a amizade com os pastores. ( ) São chamados pela vontade de DEUS. ( ) Só os autenticamente chamados por DEUS devem, de fato, exercer o ministério evangélico (Hb 5.4). ( ) Quem exerce o santo ministério sem a direta convocação do Senhor - o dono da obra - é um intruso, e quanto mais cedo desistir, melhor, pois está profanando as coisas santas. 6- O que disse Paulo sobre sua plena convicção de que fora separado por DEUS para pregar sua Palavra? Coloque "X" para a resposta correta: ( ) "Fui chamado por DEUS para que o evangelho fosse conhecido". ( ) "Fomos aprovados de DEUS para que o evangelho nos fosse confiado". ( ) "Fomos provados por DEUS para que o evangelho nos fosse revelado". 7- Como é o senso de responsabilidade ministerial? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Um genuíno obreiro de CRISTO tem acurado discernimento espiritual. ( ) Um genuíno obreiro de CRISTO sempre age com o objetivo de obter um bom testemunho (1 Tm 3.7). ( ) A vida do ministro de DEUS precisa ser observada, respeitada e aprovada não só pelos descrentes, mas, especialmente, pelos irmãos em CRISTO (3 Jo v.12). ( ) Um genuíno obreiro de CRISTO tem apurado censo critico. 8- O que significa "ser piedosos e íntegros"? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) O verdadeiro ministro de CRISTO vive uma vida digna, não só diante de DEUS, mas também dos homens. ( ) O verdadeiro ministro de CRISTO tem amizade e comunhão com todos os seus vizinhos, mesmo com os descrentes. ( ) O verdadeiro ministro de CRISTO comporta-se de modo honroso no trabalho, na vizinhança e na família, sem escândalos. ( ) O verdadeiro ministro de CRISTO, assim como o profeta Elizeu, pode ouvir dos que o cercam: "Este que passa sempre por nós é um santo homem de DEUS". ( ) O verdadeiro ministro de CRISTO tem como santidade um imperativo em sua vida de obreiro. ( ) Um bom ministro de CRISTO não apenas ordena, mas, em tudo é o exemplo para o rebanho, no seu comportamento, nas orações, nos dízimos e ofertas etc. ( ) O verdadeiro ministro de CRISTO comporta-se de modo expansivo no trabalho, esportivo junto a sua vizinhança e sempre pronto ao laser com a família. 9- O que significa "serem comprometidos com a Palavra de DEUS" (2 Tm 2.15; 4.2)? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Quer dizer que têm sempre à mão uma bíblia. ( ) Pregam a Palavra de CRISTO e não "palavras persuasivas de sabedoria humana" (1 Co 2.4). ( ) O servo do Senhor não deve enxertar seus sermões com retórica política, comentários da mídia e psicologia popular. II. A MISSÃO DOS MINISTROS DE CRISTO 10- Em quais pilares apóia-se, a missão de todos os chamados por DEUS para realizar sua obra, especialmente por meio da pregação do evangelho? Coloque "X" para a resposta correta: ( ) Compromisso, Mordomia e Fidelidade. ( ) Serviço, Santidade e Fidelidade. ( ) Serviço, Mordomia e Fidelidade. 11- O que é serviço na realização da obra de DEUS? Complete: O termo ministro no âmbito bíblico-eclesiástico, conforme descrito no Novo Testamento, refere-se a um ______________________, serviçal, prestador de serviço, ministrador, assistente, atendente, como em 1 Co 3.5; 2 Co 6.4 (diakonos); Rm 15.16; Hb 8.2 (leitourgos); At 26.16; 1 Co 4.1 (hypēretēs). Todo servo no trabalho do Senhor é ____________________________, humilde, seja qual for a sua posição. Só o Eterno é infinitamente grande. Se alguém pensa que é grande, não é nada diante dEle! O verdadeiro servo de DEUS não tem vontade ____________________; seu prazer e realização estão em fazer a vontade do Senhor, por amor, gratidão, e privilégio. 12- O que é Mordomia na realização da obra de DEUS? Complete: O apóstolo Paulo e seus companheiros de ministério não se consideravam donos da obra de DEUS, mas mordomos do Senhor, isto é, "despenseiros dos mistérios de DEUS" (v.1), ou seja, aqueles que ______________________ os negócios de seu Senhor. O obreiro cristão, portanto, não é ____________________ da obra, serviço ou trabalho que ele faz para DEUS na Igreja. O Altíssimo dá obreiros à Igreja (Ef 4.11), mas não dá Igreja aos obreiros como propriedade sua para fazer o que deseja e como quiser. A Igreja (At 20.28), o rebanho (1 Pe 5.2) e a obra ________________________ ao Senhor (1 Co 15.58). 13- O que é Fidelidade na realização da obra de DEUS? Complete: É um _________________________ de DEUS. Ele é fiel (1 Co 1.9; 10.13; Ap 19.11). Não há dúvida de que esta é a qualidade primordial de um ministro de CRISTO: "requer-se nos despenseiros que cada um se ache fiel" (1 Co 4.2; Mt 24.45). De nada adianta o obreiro pregar o evangelho e ensinar a Palavra, se ele é _______________________, displicente, e nem sequer pratica o que prega e ensina. É necessário que o servo seja fiel ao seu Senhor e à sua obra, diariamente. A verdadeira fidelidade revela-se em nossos atos cotidianos. Devemos cumprir a nossa palavra e promessas que fazemos às pessoas (Mt 5.37; Tg 5.12). Os olhos do Senhor estão à procura dos que são ________________________ (Sl 101.6). Em Jeremias 48.10 encontramos um veemente alerta de DEUS nesse sentido. III. MINISTROS DOS MISTÉRIOS DE DEUS 14- Que mistérios sãos estes? Complete: Conforme 1 Coríntios 2.7, são as ___________________________ e ________________________ bíblicas da redenção e do glorioso ______________________ da Igreja do Senhor, desconhecidas no Antigo Testamento, mas reveladas por JESUS nos Evangelhos, e pelo ESPÍRITO SANTO através dos escritores das epístolas do Novo Testamento: "Falamos a sabedoria de DEUS, oculta em mistério, a qual DEUS ordenou antes dos séculos para nossa glória". IV. A AVALIAÇÃO DOS MINISTROS DE CRISTO (1 Co 4. 3-5) 15- Como era o juízo dos outros (v.3), para Paulo? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) A maior preocupação de Paulo era com a opinião dos coríntios a seu respeito. ( ) Paulo declarou que pouco se importava com a avaliação dos coríntios a respeito dele e do seu ministério. ( ) Paulo não permitia que tais juízos influenciassem sua fé e conduta. ( ) Os Coríntios não estavam em condições de julgar os outros. ( ) Como um despenseiro de DEUS, ele era diretamente responsável diante de CRISTO. ( ) Sempre devemos julgar os obreiros. ( ) Nenhum obreiro deve julgar temerariamente seus pares. ( ) O Senhor, na sua vinda trará à luz as ações e os desígnios secretos de cada um. Então, cada um receberá a sua recompensa (v.5). 16- Como era o juízo próprio, para Paulo? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Sua consciência o acusava sempre, mas ele não dava atenção. ( ) Paulo também não dependia de juízo próprio: "nem eu tampouco a mim mesmo me julgo" (v.3). ( ) O juízo próprio é perigoso porque a pessoa facilmente sanciona as suas próprias opiniões, aprova a sua própria conduta e acalenta seus próprios erros. 17- Como era o juízo de DEUS (v.5), para Paulo? Coloque "X" para a resposta correta: ( ) Nenhum julgamento está previsto para quem é crente. ( ) Como servos do Senhor, Paulo e seus companheiros de ministério deveriam ser avaliados e julgados pelo seu Senhor e Mestre, e não pelos coríntios (vv.3-7). ( ) Os crentes só estarão sujeitos a juízo após o milênio. 18- Complete: Não existe ________________________ perfeito, mas também não existe _________________________ perfeita, como era o caso de Corinto. Arão, o ministro, fez a congregação de Israel pecar diante do Senhor (Êx 32). Todavia, a mesma congregação também fez ____________________ pecar (Dt 1.37,38; 3.26; Sl 106.32,33). 19- Complete: "Portanto, nada ___________________________ antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à __________________________ as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um __________________________ de DEUS o louvor" (cf. 1 Co 3.13-15; 2 Co 5.10; Rm 14.10,12). 20- O que é, e como se dará o juízo do Tribunal de CRISTO (v.5)? Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda: a) A Bíblia afirma que "todos", sem exceção, seremos julgados. O cristão jamais será julgado como filho de DEUS (Jo 1.12,13; 5.24; Rm 8.1), mas o será como servo. Filho de DEUS, no sentido de salvo pelo sangue de CRISTO, só há um tipo, mas de servo, há vários. Isto será notório naquele grande dia! São altamente solenes para todos os santos as palavras de Apocalipse 14.13, vindas do ESPÍRITO SANTO: "E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o ESPÍRITO, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os sigam". b) Trata-se de julgamento e recompensa (ou perda de recompensa) das obras, trabalho, serviço, desempenho e testemunho cristão. O Senhor julgará não somente os atos, mas também os motivos e meios que levaram a eles (1 Jo 3.15). Nossas ações, mesmo boas, mas com motivações erradas, egoístas, indignas, injustas e até antibiblicas serão severamente julgadas. Sete vezes nas cartas às igrejas, no Apocalipse, JESUS declarou: "Eu sei as tuas obras". c) O julgamento não diz respeito ao destino eterno do crente, mas às suas obras. (2 Co 5.10; Rm 14.10,12). d) O Tribunal de CRISTO é o dia da pesagem das nossas obras na justa balança de DEUS (1 Sm 2.3). Este fato acontecerá nos lugares celestiais, a saber, no Tribunal de CRISTO. CONCLUSÃO 21- Complete: Nesta lição, aprendemos que a ___________________________ dos israelitas estava condicionada à obediência ao Senhor e à sua Palavra. DEUS não apenas cumpriu as promessas que lhes fez no passado, mas assegurou-lhes novas vitórias no _________________________. Se formos submissos ao Senhor e a sua Palavra, teremos as mesmas __________________________________, promessas e vitórias. Ajuda: CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal. http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm (VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE) BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD. Nosso novo endereço:http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/ Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com , http://www.ebdweb.com.br/, em http://www.idbpa.net/joomla/index.php?option=com_content&task=category&sectionid=10&id=44&Itemid=133&limit=50&limitstart=0, http://www.sovitoria.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube. http://www.ntrf.org/portuguese/lideranca.php
Vídeos da lição 04 - 5 partes de 10 minutos

Nenhum comentário: