quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

LIÇÃO 10, SOFONIAS, O JUÍZO VINDOURO



LIÇÃO 10, SOFONIAS, O JUÍZO VINDOURO

LIÇÕES BÍBLICAS - 4º Trimestre de 2012 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: Os Doze Profetas Menores - Advertências e Consolações para a Santificação da Igreja de CRISTO.
Comentários da revista da CPAD: Pr. Esequias Soares
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
QUESTIONÁRIO
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
 

TEXTO ÁUREO
"Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas e farão tão grandes sinais e prodígios, que, se possível fora, enganariam até os escolhidos" (Mt 24.24). 


VERDADE PRÁTICA 
No juízo vindouro, DEUS há de julgar todos os moradores da terra, de acordo com as obras de cada um. 


LEITURA DIÁRIA
Segunda – Jr 30.7 Um tempo de angústia para Jacó
Terça – Dn 12.1 Daniel profetizou o tempo de angústia
Quarta – Lc 21.25,26 Uma convulsão geral na sociedade
Quinta – 2 Pe 3.10 Os céus passarão com grande estrondo
Sexta – 1 Ts 5.2,3 Um tempo de destruição
Sábado – Mt 25.31,46 O juízo final

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Sofonias 1.1-10
1 Palavra do SENHOR vinda a Sofonias, filho de Cusi, filho de Gedalias, filho de Amarias, filho de Ezequias, nos dias de Josias, filho de Amom, rei de Judá. 2 Inteiramente consumirei tudo sobre a face da terra, diz o SENHOR. 3 Arrebatarei os homens e os animais, consumirei as aves do céu, e os peixes do mar, e os tropeços com os ímpios; e exterminarei os homens de cima da terra, disse o SENHOR. 4 E estenderei a minha mão contra Judá e contra todos os habitantes de Jerusalém e exterminarei deste lugar o resto de Baal e o nome dos quemarins com os sacerdotes; 5 e os que sobre os telhados se curvam ao exército do céu; e os que se inclinam jurando ao SENHOR e juram por Malcã; 6 e os que deixam de andar em seguimento do SENHOR, e os que não buscam ao SENHOR, nem perguntam por ele. 7 Cala-te diante do Senhor JEOVÁ, porque o dia do SENHOR está perto, porque o SENHOR preparou o sacrifício e santificou os seus convidados. 8 E acontecerá que, no dia do sacrifício do SENHOR, hei de castigar os príncipes, e os filhos do rei, e todos os que se vestem de vestidura estranha. 9 Castigarei também, naquele dia, todos aqueles que saltam sobre o umbral, que enchem de violência e engano a casa dos seus senhores. 10 E, naquele dia, diz o SENHOR, far-se-á ouvir uma voz de clamor desde a Porta do Peixe, e um uivo desde a segunda parte, e grande quebranto desde os outeiros.
 

COMENTÁRIOS DA BEP - CPAD
Esboço 
Introdução (1.1)
I.O Julgamento e o Dia do Senhor (1.2—3.8)
A. Julgamento sobre a Terra (1.2,3)
B. Julgamento contra o Povo de Judá (1.4-18)
1. Descrição dos Pecados de Judá (1.4-9)
2. Advertência a Jerusalém (1.10-13)
3. O Grande Dia do Senhor (1.14-18)
C. Chamada ao Arrependimento (2.1-3)
D. Julgamento das Nações (2.4-15)
1. Os Filisteus (2.4-7)
2. Os Amonitas e Moabitas (2.8-11)
3. Os Etíopes (2.12)
4. Os Assírios (2.13-15)
E. Julgamento de Jerusalém (3.1-7)
1. Pecados de Jerusalém (3.1-4)
2. A Justiça Divina contra Jerusalém (3.5-7)
3. Julgamento de Toda a Terra (3.8)
II.A Salvação e o Dia do Senhor (3.9-20)
A. O Remanescente Restaurado e Jerusalém Purificada (3.9-13)
B. O Povo Jubiloso com DEUS no Seu Meio (3.14-17)
C. Promessas Finais a Respeito da Restauração (3.18-20)

Autor: Sofonias
Tema: O Dia do Senhor
Data: Cerca de 630 a.C.

Considerações Preliminares
Sofonias, cujo nome significa “o Senhor esconde”, era um tataraneto do rei Ezequias. Ele profetizou durante o reinado de Josias (639-609 a.C.), o último governante piedoso de Judá (1.1). Sua referência a Jerusalém como “este lugar” (1.4), bem como a descrição minuciosa de sua topografia e de seus pecados, indicam que residia na cidade. Como parente do rei Josias, tinha imediato acesso ao palácio real. Conforme era de se esperar, suas profecias focalizavam a palavra do Senhor endereçada a Judá e às nações.
Os pecados dos quais Sofonias acusava Jerusalém e Judá (1.4-13; 3.1-7) indicam que ele profetizou antes do reavivamento e reformas promovidas por Josias. Período este marcado pela iniqüidade dos reis que antecederam a Josias (Manassés e Amom). Foi somente no décimo segundo ano do reinado de Josias (i.e., 627 a.C.) que o rei empreendeu a purificação do povo com o banimento da idolatria e a restauração do verdadeiro culto ao Senhor. Oito anos mais tarde, ordenaria o conserto e a purificação do templo. Nesta ocasião, foi descoberta uma cópia da Lei do Senhor (cf. 2 Rs 22.1-10). A descrição que Sofonias faz das lamentáveis condições espirituais e morais de Judá deve ter sido escrita por volta de 630 a.C. É provável que a pregação de Sofonias tenha tido influência direta sobre o rei, inspirando-o em suas reformas. O ano de 630 a.C. é também indicado devido a ausência de referências, no livro de Sofonias, à Babilônia, sendo esta uma potência reconhecida no cenário internacional. Babilônia só começou a galgar uma posição de destaque com a ascendência de Nabopolassar em 625 a.C. Mesmo assim, Sofonias profetizou a destruição da grande Assíria, evento este ocorrido em 612 a.C., com a queda de Nínive. Jeremias era um contemporâneo mais jovem de Sofonias.

 
Propósito
O objetivo de Sofonias foi advertir Judá e Jerusalém quanto ao juízo divino iminente e ameaçador. O juízo divino é aqui chamado de “o grande dia do Senhor” (1.14). A aplicação imediata da palavra profética era que a apóstata Judá receberia a justa retribuição por sua iniqüidade, o mesmo acontecendo com as nações pagãs em derredor, alistadas nominalmente pelo profeta. O alcance imediato da profecia aplica-se à igreja e ao mundo na conclusão da história. Sofonias escreveu, também, para encorajar os fiéis com a mensagem de que DEUS um dia haveria de restaurar o seu povo. Judá, então, cantaria louvores ao DEUS justo que habita no meio do seu povo.

Visão Panorâmica
Na sua maior parte, o livro é uma advertência sóbria a respeito do dia do castigo divino contra o pecado. Embora percebesse um castigo vindouro em escala mundial, (1.2; 3.8), Sofonias focalizava especialmente o julgamento que viria contra Judá (1.4-18; 3.1-7). Ele faz um apelo à nação para que se arrependa e busque o Senhor em humildade antes que o decreto entre em vigor (2.1-3). O arrependimento nacional ocorreu parcialmente durante o reavivamento de Josias (627—609 a.C.).
Sofonias também profetizou o juízo vindouro contra cinco nações estrangeiras: Filístia, Amom, Moabe, Etiópia e Assíria (2.4-15). Depois de dirigir sua atenção aos pecados de Jerusalém (3.1-7), o profeta prediz um tempo em que DEUS reuniria, redimiria e restauraria o seu povo. Os fiéis gritariam de alegria como verdadeiros adoradores do Senhor DEUS, que estaria no meio deles como um guerreiro vitorioso (3.9-20).

Características Especiais
Cinco aspectos caracterizam o livro de Sofonias.

(1) É o único profeta que apresenta uma lista considerável da sua linhagem, remontando quatro gerações até o rei Ezequias.
(2) Contém a revelação mais completa no AT a respeito do “dia do Senhor”.
(3) Demonstra que o povo de DEUS precisa ser confrontado por suas advertências, além de ser consolado com suas promessas.
(4) Contém uma doutrina bem desenvolvida a respeito do remanescente fiel, que seria restaurado no dia da visitação do Senhor (3.9-20).
(5) A revelação de Sofonias a respeito do dia vindouro da ira de DEUS, para os ímpios, e do grande dia da salvação, para seu povo, contribuiu para a revelação do NT sobre o fim dos tempos.

O Livro de Sofonias ante o NT
JESUS pode ter aludido a Sofonias duas vezes (1.2,3, cf. Mt 13.40-42; 1.15; cf. Mt 24.29). Ambas as referências acham-se associadas à sua segunda vinda. Os escritores do NT entendiam a mensagem de Sofonias a respeito do “dia do SENHOR” como uma descrição dos eventos escatológicos que terão início na grande tribulação e culminarão quando JESUS voltar para julgar os vivos e os mortos (cf. 1.14 com Ap 6.17; 3.8 com Ap 16.1). Freqüentemente, o NT refere-se à segunda vinda de CRISTO e ao dia do juízo como “o Dia” (e.g., 1 Co 3.13; cf. 2 Tm 1.12,18; 4.8).

 
1.1 SOFONIAS. Sofonias profetizou durante o reinado de Josias, rei de Judá (640-609 a.C). A nação achava-se envolvida com a violência e a idolatria. Havia indiferença e zombaria para com o Senhor DEUS. A mensagem de Sofonias foi entregue provavelmente antes do movimento da reforma promovida por Josias. Talvez haja funcionado como a força motivadora que levou o rei a conclamar o povo a renovar a obediência a DEUS e à sua Lei (ver introdução).
1.2,3 INTEIRAMENTE CONSUMIREI TUDO. Sofonias começa, anunciando o juízo divino que virá sobre o mundo todo. Pois a raça humana, de maneira genérica, recusar-se-á a buscar o Senhor. DEUS mesmo determinou um dia em que destruirá todos os ímpios, bem como o próprio mundo. Será um tempo de aflição, angústia, perturbação e ruína (v. 15)
1.4 CONTRA JUDÁ. Judá, o povo de DEUS nos dias de Sofonias, não demoraria em experimentar a ira de DEUS por haver se desviado do Senhor para adorar outros deuses, e por haver se dedicado à violência, à corrupção e à traição (vv. 4-9).
1.5 SE CURVAM AO EXÉRCITO DO CÉU. Esta forma de idolatria grassa nos dias de hoje. Muitos são os que buscam consolo e orientação por meio de sinais astrológicos e horóscopos (cf. Dt 4.19).
1.5 OS QUE... JURANDO AO SENHOR. Muitos em Judá participavam doutras formas de culto enquanto diziam adorar ao Senhor DEUS. Tal mistura é idolátrica e flagrantemente maligna. DEUS não tolerará os que, embora se identifiquem como seus seguidores, participam de atividades pagãs, pecaminosas e imorais. A condenação espreita a todos os que se recusam a se dedicarem como santos ao Senhor.
1.7 O DIA DO SENHOR. Esta profecia aplica-se, em primeiro lugar, à destruição de Judá pelos babilônios em 605 a.C. E, em segundo lugar, ao juízo divino a ser aplicado em escala mundial contra todas as nações no fim dos tempos (cf. Is 2.12; 13.6,9; Jr 46.10; Ez 13.5; 2.1; ver Jl 1.15; Am 5.18). O último dia da ira ainda está por vir (Rm 2.5), e acha-se associado à segunda vinda de CRISTO (Mt 24.29-33; ver 1 Ts 5.2).
1.12 O SENHOR NÃO FAZ BEM NEM FAZ MAL. Muitos em Judá tinham um conceito deísta de DEUS (i.e., de que DEUS não está ativamente envolvido nos assuntos cotidianos da humanidade). Acreditavam que DEUS não castigaria o pecado do povo. (1) Os que adotam tal atitude, descobrirão, com pavor, no dia do juízo, que DEUS os punirá por causa daqueles pecados que não abandonaram. (2) DEUS não está distante dos assuntos humanos, nem deixa de neles envolver-se. Ele recompensará os que o buscam, e condenará os que dEle se desviam para praticar o mal (ver Rm 2.5-11).
2.1-3 CONGREGA-TE Ó NAÇÃO. Sofonias já havia enunciado a iminência do dia da ira divina contra Judá. Dia este que não seria cancelado. A ocasião exata e a certeza do juízo já haviam sido determinadas. A nação teria de ser castigada em conseqüência de suas apostasias e pecados. Mesmo assim, DEUS oferecia esperança aos que se arrependessem antes daquele dia. Os verdadeiramente justos seriam protegidos pelo Senhor no dia de sua ira.
2.3 BUSCAI O SENHOR... BUSCAI A JUSTIÇA, BUSCAI A MANSIDÃO. O profeta oferece esperança aos que já se haviam voltado ao Senhor. Exorta-os a aprofundar sua dedicação a DEUS e aos seus caminhos. E o Senhor, quem sabe, haveria de protegê-los quando viesse castigar o povo. Os fiéis deviam buscar três coisas se quisessem experimentar o avivamento e novas bênçãos da parte do Senhor. Três coisas igualmente essenciais aos crentes de hoje.

(1) Buscar o próprio DEUS. Seus corações deviam voltar-se a Ele com profundo desejo de conhecê-lo e amá-lo como seu Senhor e protetor segundo o concerto (cf. Jr 29.13). (
2) Buscar a justiça, conforme definida na Palavra de DEUS, como sua maneira de vida (cf. Is 1.21; Am 5.24; Mt 6.33). (3) Buscar a humildade, reconhecendo a própria insuficiência e necessidade em submeter-se a DEUS (cf. Nm12.3; Sl 45.4; Pv 15.33).
2.4-15 GAZA SERÁ DESAMPARADA. Depois de advertir Judá, Sofonias profetiza o castigo divino que viria sobre as nações vizinhas, todas pecaminosas e idólatras.
2.10 ESCARNECERAM E SE ENGRANDECERAM CONTRA O POVO DO SENHOR. O mundo incrédulo ofende e zomba dos que são de DEUS, e dedicam-se aos padrões retos e santos da sua Palavra. (1) Semelhante tratamento é inevitável num mundo que está sob o controle de Satanás, é e dominado pelos que têm a mente obscurecida (cf. 2 Co 4.4; Ef 2.2,3; 4.18). O próprio JESUS sofreu zombaria e censuras enquanto se encontrava na terra (ver Mt 27.39-44; cf. Sl 69.10). (2) A perseguição aos justos não durará para sempre. DEUS determinou um dia em que vindicará os que permaneceram leais aos seus caminhos. O justo castigo ele reservou aos que zombam dos fiéis.
3.1-7 AI... DA CIDADE OPRESSORA! Depois de condenar as nações pagãs, Sofonias volta a atenção aos pecados de Jerusalém e do povo de DEUS, por haverem se oposto a DEUS e à sua Lei. A decadência moral penetrara em todos os níveis da sociedade, e o povo já não queria ouvir os profetas do Senhor.
3.3,4 SEUS PRÍNCIPES... JUÍZES... PROFETAS... SACERDOTES. Estas eram as quatro principais categorias de líderes em Judá. DEUS os condenou por não serem santos e justos.

(1) Os príncipes e juízes pervertiam a Lei, e abusavam de seus cargos para obter dinheiro e propriedades.
(2) Os profetas alteravam a mensagem divina a fim de obter popularidade e a aprovação do povo.
(3) Os sacerdotes profanavam a casa de DEUS ao violarem seus princípios e viverem vidas imorais.
(4) Devemos resistir aos líderes que toleram ou promovem o mundanismo e a imoralidade em nome de DEUS. Em lugar deles, coloquemos líderes e leigos que preservem os padrões divinos. Estes jamais podem ser rebaixados a fim de acomodar os pecados de líderes profanos.
3.5 O SENHOR É JUSTO... NÃO COMETE INIQÜIDADE. Embora os seres humanos fracassem e caiam no pecado, DEUS continuará justo. Tal verdade é inerente à sua natureza.

(1) O Senhor DEUS é veraz, reto e justo em todos os seus caminhos (cf. Dt 32.4). Mantenhamos, pois, a fé na sua justiça infalível.
(2) Embora aconteçam-nos coisas que não conseguimos entender, permaneçamos convictos de que seu amor e fidelidade jamais hão de cessar. Ele opera em nossa vida o que é certo. DEUS não pode falhar
3.9-20 PARA QUE TODOS INVOQUEM O NOME DO SENHOR. Sofonias passa, agora, a examinar o plano divino em redimir as nações depois de haverem sido estas purificadas pelo juízo. Um dia, as nações serão reconciliadas com DEUS, e hão de invocá-lo e servi-lo. Estas promessas serão cumpridas durante o Milênio, quando CRISTO estiver reinando sobre o mundo inteiro (ver Ap 20.4).
3.10 DALÉM DOS RIOS DA ETIÓPIA. A Etiópia era uma das terras mais distantes de Israel naqueles tempos. Além da Etiópia, as demais nações trarão oferendas a DEUS em Jerusalém (cf. Is 66.18,20).
3.11 NAQUELE DIA. Quando DEUS levar as nações ao verdadeiro conhecimento, Ele restaurará os infortúnios do seu próprio povo (v. 20).
3.14-17 REGOZIJA-TE E EXULTA. O povo de DEUS deve regozijar-se por causa da sua salvação. A alegria do coração não é uma reação carnal; é uma reação sobrenatural, que resulta da atividade redentora em nossa vida. O regozijo vem-nos porque:

(1) somos perdoados e não mais castigados pelos nossos pecados (v. 15);
(2) nosso inimigo já foi derrotado, i.e., fomos libertados da escravidão de Satanás e do pecado (v. 15);
(3) DEUS está conosco, e nos dá sua comunhão, graça e ajuda durante a nossa vida (vv. 15-17; cf. Hb 4.16); e
(4) somos objetos do grande amor e deleite de DEUS (v. 17). Estas condições prévias à exultação acham-se à disposição daqueles que têm pleno conhecimento do que DEUS tem feito em nosso favor mediante o seu Filho (ver Ef 1.17,18; 3.16-20). Nossa alegria chegará ao clímax no dia em que DEUS manifestar plenamente a sua glória e majestade na terra (cf. Is 35.1-10).


 
SUBSÍDIOS DO LIVRO DE SOFONIAS - O DIA DO SENHOR ESTA PERTO) - Revista BETEL - 2º Trimestre de 2008 - Profetas Menores
 
TEXTO ÁUREO
Cala-te diante do Senhor Jeová porque o Dia do Senhor está perto, porque o Senhor preparou o sacriflcio e santificou os seus convidados". (Sf 1.7) 
VERDADE APLlCADADA
O dia do Senhor virá como uma grande surpresa para os descuidados. Vigiemos, pois, servindo ao Senhor. 
OBJETIVOS DA LIÇÃO
Alertar para a necessidade de estarmos prontos para o Dia do Senhor;
Ensinar que o Dia do Senhor será um dia maravilhoso somente para aqueles que O buscam de todo coração;
Frisar que a Igreja deve trabalhar para que venha logo aquele Dia. 
LEITURAS COMPLEMENTARES
Segunda Sf 1.2 - Terça Sf 1.18 - Quarta Sf 2.3 - Quinta Sf 3, 11 - Sexta Am 5.18-20 - Sábado 2Pe 3.12,13  
TEXTOS DE REFERÊNCIA
Sf 1.14 - O Grande dia do Senhor está perto, está perto, e se apressa a voz do dia do Senhor; amargamente clamará ali o homem poderoso.
Sf 1.15 - Aquele dia é um dia de indignação, dia de angústia e de ânsia dia de alvoroço e de desolação; dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de densas trevas,
Sf 1.16 - Dia de trombeta e de alarido contra as cidades fortes e contra as torres altas.
Sf 2.3 - Buscai o Senhor, vós todos os mansos da Terra, que pondes por obra o Seu juízo; buscai a justiça, buscai a mansidão; porventura sereis escondidos no dia da ira do Senhor.
 
INTRODUÇÃO
No livro de Sofonias estudaremos a respeito do Dia do Senhor porque os demais assuntos de que trata o profeta já foram abordados nas lições anteriores.
"Dia da ira':, "dia da vingança", "dia de visitação" do Senhor e outros, são alusivos a períodos de julgamentos proferIdos pelos profetas, e comumente seguidos de "naquele (s) dia (s)", significam as conseqüênclas e a
abrangência do conjunto de ações justas e poderosas de Jeova para tornar a congregar a si todas as coisas, no Dia do Senhor.
 
1- AS INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O DIA DO SENHOR
Segundo as Escrituras, o mal será finalmente subjugado mediante ações justas e poderosas de DEUS. A raça humana será regenerada em CRISTO. Os ímpios - aqueles que voluntariamente rejeitarem a nova vida - serão aniquilados; e o maligno será aprisionado.
a) A definição - o dia do Senhor fala de um tempo que DEUS reservou para si, no qual todos os Seus desígnios que dizem respeito à criação serão plenamente realizados inclusive a solução do complexo problema do mal, que tanto afeta os humanos e diante do qual, mesmo pessoas tementes a DEUS ficam perplexas.
b) A duração - De ninguém é conhecido, a não ser do próprio DEUS o início e o encerramento do dia do Senhor. JESUS disse "daquele dia e hora ninguém sabe nem anjos dos céus, nem o Filho mas unicamente meu Pai" (Mt 24.36). A segunda vinda de JESUS será o evento que inaugurará o Dia do Senhor. O próprio JESUS indicou os sinais que a precederiam (Mt 24:3.14).
C) O propósito - O propósito do Dia do Senhor é " ... tornar a congregar em CRISTO todas as coisas na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na Terra".(Ef 1.9,10). Ao longo dos
séculos DEUS tem tomado as medidas necessárias ao cumprimento do seu propósito. Estas medidas serão mostradas nos próximos tópicos.
2- A REMOÇÃO DOS OBSTÁCULOS NO DIA DO SENHOR.
A maioria das profecias possui três sentidos, o literal, o espiritual e o figurado. Eles devem ser levados em conta quando se estuda sobre o Dia do Senhor. Todas as pessoas, sociedades e nações, anteriores e posteriores aos
profetas que foram por eles mencionadas e que receberam em si mesmas a visitação do Dia do Senhor, passaram a constituir o molde de todos os obstáculos futuros a DEUS e aos seus desígnios, que serão removidos para que venha a plenitude do grande e glorioso dia do Senhor.
a) A remoção da idolatria - As reformas religiosas sempre deixaram restos que contaminavam a nação (2Re 15.35), ou escondiam a idolatria por causa da imposição da verdadeira religião (2Cr 34.33). Também havia a religião sem temor a DEUS e amor ao próximo, com meras formalidades e práticas e ensinadas por líderes levianos, fingidos e violentos (Sf 1. 3-4). O Dia do Senhor levado a efeito em sua plenitude, desarraigará toda a idolatria, falsidade e apostasia (Sf 1.4-7; 2.11).
b) A remoção das sociedades ímpias - Serão removidos no dia do Senhor todos os que praticam a violência e o engano (Sf 1.9).
Todos os sistemas sociais organizados de costas para o Senhor, como se fossem deuses serão arrancados juntos com os seus ídolos (Sf 2.15).
C) A remoção das nações iníquas - Em sua iniqüidade, rebeldia, arrogância e altivez as nações voltaram-se contra DEUS e fortificaram-se em tudo o que acharam necessário para viverem independentes dEle (Is 14.13,14). O
dia do Senhor será para elas um beco sem saída (Am 5.19), onde nem a reunião de toda a sabedoria delas (Ob v8), nem que até os instrumentos de trabalho sejam transformados em armas (Jl3.10), nem as riquezas que acumularam (Na 2.9), nem Satanás, representado pelos ídolos e deuses que elas adoram (2.11a) poderão resistir ao fogo do zelo do Senhor.
3- A FORMAÇÃO DE NOVA AGÊNCIA DO REINO DE DEUS
DEUS não realiza a obra de remoção de Seus opositores de modo caprichoso e sem critérios, demolindo tudo e fazendo perecer o justo com o injusto. Não. Ele nunca comete injustiça nem fíca sem testemunho. DEUS julgará os
povos com eqüidade e edificará para Si uma nova agência de disseminação de Seu reino e cumprimento de Sua vontade para Seu louvor e glória através:
a) Do remanescente de Israel - Podemos considerar o remanescente de Israel em dois grupos - aquele que voltou do cativeiro babilônico, reorganizou a nação judaica e possibilitou a preservação da linhagem de Davi, da qual
nasceria o redentor (Mq 5.2), e os demais israelitas, fiéis de ambas as nações, espalhados por todo o mundo, e que foram responsáveis pela difusão da esperança messiânica em toda a terra (Mq 5.7).
b) Dos mansos de.toda a Terra - O Senhor preservou, dentre as sociedades e nações históricas exterminadas no dia da Sua ira, aqueles que viviam de acordo com o juízo de DEUS. Eles são chamados de "mansos" (Sf 2.3).
Assim vemos que os magos do Oriente temiam ao Senhor e esperavam ansiosos pela manifestação do DEUS que satisfaria o anelo das suas almas. Seus corações estavam em sintonia com DEUS, de tal forma, que pelos
seus cálculos astronômicos obtiveram dEle a informação de quando e onde nasceria o rei dos judeus (Mt 2.2). Antes do nascimento de CRISTO, havia no mundo milhares de pessoas famintas e sedentas de algum poder superior
que iluminasse suas existências escuras e resolvesse o problema do mal.
c) Do Messias - A primeira vinda de JESUS constitui o cerne dos preparativos para o Dia do Senhor. Seu nascimento, morte e ressurreição criaram uma nova época que é marcada pela edificação da Igreja, formada por pessoas de todos os povos compradas para DEUS com o sangue precioso de JESUS (Ap 7.14), que  receberam Dele nova vida (Gl 2.20), e por Ele têm acesso direto a DEUS. Por esta agência a sabedoria de DEUS torna-se conhecida dos principados e potestades nos céus (Ef 3.10), e o Evangelho do Reino é pregado a todo mundo para a salvação de todo aquele que crê (Mc 16.15,16).
4- AS MEDIDAS RESTAURADORAS NO DIA DO SENHOR
O remanescente de Israel preparou os corações dos gentios para a vinda do Messias (Rm 11.11). Este inaugurou a Igreja e deu a ela poder contra o mal. Para ela até as portas do inferno terão que se abrir de par em par (Mt 16.18). Mediante sua pregação, proferida em o Nome de JESUS, os cativos serão libertados e restaurados à dignidade de filhos de DEUS. Esta poderosa agência do reino de DEUS é o ponto de partida para o tempo da restauração que compreende:
a) A restauração do homem (Hc 3.9) - Jeremias, Ezequiel e Sofonias profetizaram que no Dia do Senhor, seria dado ao homem um novo coração, um novo espírito, lábios puros (Ez 36.26, Sf 2.9,13). Isto fala da restauração do homem ao seu estado de inocência e pureza anteriores à queda. Miquéias admirado com esta possibilidade exclama: "Quem, Ó DEUS, é semelhante a Ti ... que subjugará as nossas iniqüidades e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar ?" (Mq 7.18,19).
b) A restauração da ordem e da paz mundial - "E acontecerá nos últimos dias que ... Ele exercerá juízo sobre as nações e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças em foices; não levantará espada nação contra nação ... " (Is 2.4). Isto será possível com o aniquilamento dos espíritos malignos promotores das guerras (Ap 16.14), com o lançamento no lago de fogo da besta e do falso profeta, com a morte daqueles que não quiseram ter purificado o coração de toda a iniqüidade (Ap 19.21) e com o aprisionamento de Satanás, o enganador das nações (Ap 20.3,10).
C) A restauração de todas as coisas - o propósito do Dia do Senhor se cumprirá na sua plenitude com a restauração de toda a criação. " ...A mesma criatura será liberta da servidão da corrupção, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do corpo e quando, pelo sangue da sua cruz, CRISTO reconciliar consigo mesmo todas as coisas tanto as que estão na Terra como as que estão nos céus" (Rm 8.19-23; Cl 1.20).
CONCLUSÃO
"Portanto, amados, sábendo isso de antemão, guardai-vos de que pelo engano de homens abomináveis, sejais arrastados e descaiais da firmeza da vossa fé; tornai toda a armadura de DEUS, para que possais resistir no dia mal e, havendo feito tudo, ficar firmes; e olhai para que aquele dia não venha de improviso sobre vós. Vígiai, pois, em todo tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de estar em pé diante do Filho do Homem" (2 Pe 3.17; Ef 6.13; Lc 21.34,36).
 


INTERAÇÃO 
Se DEUS é bom, por que Ele castigará algumas pessoas eternamente? Esta é a indagação de muitos. Nas Escrituras, DEUS é descrito como o justo juiz. No Antigo Testamento Ele pronunciou juízos contra Israel e outras nações. Em o Novo Testamento o Altíssimo julgou Ananias e Safira (At 5.1-11 ). E no fim dessa era o Eterno, através de seu Filho, julgará todos os homens da terra, de acordo com as obras de cada um. Esses fatos demonstram um DEUS que ama o bem e odeia o mal. Isso mesmo! A justiça de DEUS é uma resposta retumbante contra o mal criado pelo Diabo e praticado pelos homens. O Dia do Senhor vem! 

OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Explicar a estrutura e a mensagem do livro de Sofonias. 
Compreender a linguagem predominante no livro de Sofonias.   
Saber que Juízo de DEUS é uma doutrina bíblica irrevogável. 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA 
Professor, para a aula de hoje sugerimos que você reproduza, de acordo com as suas possibilidades, o esquema abaixo. Utilize-o logo na introdução para explicar que o livro de Sofonias é predominantemente poético. Ele pode ser dividido em três partes: a primeira, o juízo contra as nações, incluindo Judá; a segunda, a descrição dos povos vítimas do juízo divino e a terceira o juízo de Jerusalém e a restauração do remanescente fiel. Explique que o tema "Dia do Senhor" é o assunto central do profeta Sofonias.

ESBOÇO DO LIVRO DE SOFONIAS
Introdução (1.1)
Silêncio! O Temível Dia do Senhor (1.2 — 2.3)
O julgamento do Senhor (1.2,3)
O julgamento contra Judá (1.4-18)
A Chamada para o Arrependimento (2.1-3)
Profecias contra as Nações (2.4-15)
Os filisteus (vv.4-7)
Os amonitas e moabitas (vv.8-11)
Os etíopes (v.12)
Os assírios (vv. 13,15)
Julgamento de Jerusalém (3.1-8)
Os pecados de Jerusalém (vv.1-4)
A justiça divina contra Jerusalém (vv. 5-7)
Julgamento de toda terra (v.8)
Salvação e o Dia do Senhor (3.9-20)
O remanescente restaurado e Jerusalém purificada (vv.9-13)
A alegria do povo com DEUS (vv.14-17)
Promessas a respeito da restauração final (vv.18-20)

RESUMO DA LIÇÃO 10, SOFONIAS, O JUÍZO VINDOURO
I. O LIVRO DE SOFONIAS 
1. Contexto histórico.
2. Genealogia.
3. Estrutura e mensagem.
II. O JUÍZO VINDOURO 
1. Toda a face da terra será consumida (v.2).
2. A linguagem de Sofonias. 
3. Descrição detalhada.  
III. OBJETIVO DO LIVRO 
1. Sincretismo dos sacerdotes.
2. Sincretismo do povo.
3. O modismo do povo e a violência dos príncipes.
IV. "O DIA DO SENHOR" 
1. Significado bíblico.
2. O sacrifício e seus convidados.

SINÓPSE DO TÓPICO (1) O livro de Sofonias apresenta juízo divino contra as nações e Judá; o julgamento global; o castigo de Jerusalém e a restauração do remanescente fiel.  
SINÓPSE DO TÓPICO (2) A proclamação do juízo vindouro é o anúncio da tragédia global descrita em Sofonias 3.6-8.
SINÓPSE DO TÓPICO (3) O objetivo do livro de Sofonias é anunciar o juízo de DEUS sobre as nações e as mazelas sociais e religiosas praticadas pela humanidade 
SINÓPSE DO TÓPICO (4) A expressão o "Dia do Senhor" indica o período para o acerto de contas entre DEUS e todos os moradores da terra. Esse período é chamado também de Grande Tribulação.  

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO 
Subsídio Teológico
"[O Juízo Final]
Não há ninguém na Escritura que possa dizer mais sobre isso do que o Senhor JESUS. Ele advertiu repetidamente a respeito do iminente julgamento dos que não se arrependem (Lc 13.3,5). Ele falou muito mais sobre o inferno do que sobre o céu, usando sempre os termos mais nítidos e perturbadores. A maior parte do que sabemos sobre o destino eterno dos pecadores veio dos lábios do Salvador. E nenhuma das descrições bíblicas do juízo é mais severa ou mais intensa do que aquelas feitas por JESUS.
No entanto, Ele sempre falou sobre essas coisas usando os tons mais ternos e compassivos. Ele sempre insiste para que os pecadores abandonem os seus pecados, reconciliem-se com DEUS, e se refugiem nEle para que não entrem em julgamento. Melhor do que qualquer outro, CRISTO conhecia o elevado preço do pecado e a severidade da cólera divina contra o pecador, pois iria suportar toda a força dessa cólera em benefício daqueles que redimiu. Portanto, ao falar sobre essas coisas, Ele sempre usou a maior empatia e a menor hostilidade" (MACARTHUR JR., John. A Segunda Vinda. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p.180).
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
Dicionário Bíblico Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009.
MACARTHUR JR., John. A Segunda Vinda. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
SOARES, Esequias. O Ministério Profético na Bíblia: A voz de DEUS na Terra. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010. 
SAIBA MAIS 
Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 52, p.41.

 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 10, SOFONIAS, O JUÍZO VINDOURO
Responda conforme a revista da CPAD do 4º Trimestre de 2012
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas verdadeiras e com "F" as falsas
 
1- Complete:
"Porque surgirão ____________________________ cristos e ___________________________ profetas e farão tão grandes sinais e prodígios, que, se possível fora, ___________________________ até os escolhidos" (Mt 24.24). 

VERDADE PRÁTICA 
2- Complete:
No _____________________________ vindouro, DEUS há de _____________________________ todos os moradores da terra, de acordo com as ______________________________ de cada um. 

COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO 
3- Em que se destaca Sofonias?
(    ) Pela sensatez do juízo babilônico contra Judá e os gentios.
(    ) Pela intrepidez do juízo divino contra Samaria e os gregos.
(    ) Pela intrepidez do juízo divino contra Judá e os gentios.

I. O LIVRO DE SOFONIAS 
4- Qual o contexto histórico de Sofonias?
(    ) Sofonias exerceu o seu ministério "nos dias de Josias, filho de Amom, rei de Judá".
(    ) Sofonias exerceu o seu ministério "nos dias de Manassés, pai de Amom, rei de Judá".
(    ) Josias reinou entre 660 e 603 a.C.
(    ) Josias reinou entre 640 e 609 a.C.
(    ) A reforma religiosa do rei de Judá aconteceu em 621 a.C., "no ano décimo oitavo" do seu reinado.
(    ) Quando ocorreu a reforma, Jeremias exercia o ofício de profeta há cinco anos.
(    ) O seu chamado deu-se "no décimo terceiro ano do [...] reinado" de Josias.
(    ) Esse período corresponde a 627 a.C.
(    ) É possível que, na reforma, o rei fora encorajado por esses profetas.
(    ) Evidências internas apontam para um tempo de pré-reforma em Judá, denunciando os desmandos dos reis Manassés e Amom.

5- Qual a genealogia de Sofonias?
(    ) É comum a menção do nome paterno nos livros dos profetas. Isaías, Jeremias, Ezequiel, Oseias, Joel e Jonas, trazem essa informação.
(    ) Sofonias, porém, descreve a sua genealogia: "Sofonias, filho de Cusi, filho de Gedalias, filho de Amarias, filho de Ezequias".
(    ) Sofonias, porém, descreve a sua genealogia: "Sofonias, filho de Cusi, filho de Gedalias, filho de Amarias, filho de Zedequias".
(    ) A citação do nome do pai estabelecia o direito tanto à herança quanto à posição social ou aquisição de poder.
(    ) A ausência de paternidade demonstra que tal profeta não adveio de família tradicional.
(    ) Sofonias era trineto de Ezequias, que também fora rei de Judá. Isso lhe garantia livre acesso no governo real, bem como noutros segmentos da sociedade.

6- Qual a estrutura e mensagem de Sofonias?
(    ) Os meios de comunicação dos oráculos divinos aos profetas eram a palavra e a visão.
(    ) Os porta-vozes do Eterno deixam isso claro no prólogo de seus livros.
(    ) O estilo poético predomina em todo o livro de Sofonias.
(    ) O oráculo está organizado em três partes principais: a primeira anuncia o juízo contra as nações da terra, incluindo Judá..
(    ) A segunda especifica os povos nesse julgamento global - Egito, Moabe, Amom, Grécia e Assíria.
(    ) A segunda especifica os povos nesse julgamento global - Filístia, Moabe, Amom, Etiópia e Assíria.
(    ) E a terceira parte trata do castigo de Jerusalém e da restauração dos remanescentes fiéis.
(    ) O tema do "Dia do Senhor" ocupa todo o oráculo divino. 

II. O JUÍZO VINDOURO 
7- O que quer dizer "Toda a face da terra será consumida" (v.2)?
(    ) Refere-se ao ataque de Nabucodonozor a Jerusalém.
(    ) Após o dilúvio, DEUS prometeu não mais destruir a terra com água.
(    ) Desde então, a palavra profética anunciou o juízo vindouro pela destruição através do fogo.
(    ) A declaração "inteiramente consumirei tudo sobre a face da terra" refere-se à tragédia global referida em 3.6-8.
(    ) Note que a expressão "face da terra" é igualmente usada no anúncio da tragédia do dilúvio.  

8- Qual a linguagem de Sofonias?
(    ) A hipérbole é uma figura de linguagem que consiste em dar ênfase ao sentido diminutivo de algo.
(    ) A hipérbole é uma figura de linguagem que consiste em dar à sua significação uma ênfase exagerada.
(    ) A hipérbole aparece na Bíblia e, por isso, alguns expositores veterotestamentários defendem o uso de uma linguagem hiperbólica para o livro de Sofonias.
(    ) Eles consideram forte demais a descrição do aniquilamento natural de aves, peixes, animais, seres humanos, nações e cidades.

9- Dê a descrição detalhada e mais provável sobre a linguagem usada por Sofonias: Complete:
É verdade que na Bíblia há o emprego de hipérbole (Mt 11.23; Jo 12.19 etc.). Mas não é o caso, aqui, em Sofonias! A descrição "os homens e os animais, _______________________________ as aves do céu, e os peixes do mar" (v.3) representa o reverso da criação registrada em Gênesis (1.20-26). Ela corresponde à ____________________________________ universal e literal da criação (Ap 16.1-21). O dilúvio, por exemplo, foi literal e global, mas a família de Noé foi salva (1 Pe 3.20), assim como os filhos de Israel foram poupados das ________________________________ do Egito (Êx 9.4; 10.23; Nm 3.13). 

III. OBJETIVO DO LIVRO 
10- Como era o sincretismo dos sacerdotes na época de Sofonias?
(    ) A origem real dos principes de judá fazia com que estivessem envolvidos no santo culto religioso do templo. 
(    ) A expressão "quemarins com os sacerdotes" (v.4) aponta para o sincretismo da religião de Israel com o paganismo.
(    ) "Quemarins" é o plural do hebraico komer usado para "sacerdote pagão" e aparece apenas três vezes no Antigo Testamento.
(    ) Apesar da origem levítica, os sacerdotes estavam envolvidos no sincretismo religioso pagão.

11- Como era o sincretismo do povo na época de Sofonias?
(    ) Sabeísmo é a prática pagã dos sabeus; o povo da rainha de Sabá.
(    ) Seu culto estimulava a prática de consulta aos mortos, adivinhação, astrologia, santificação e culto ao DEUS de Israel.
(    ) Seu culto resumia-se na prática de adivinhação e na astrologia.
(    ) Judá envolveu-se nesse tipo de paganismo.
(    ) Malcã ou Milcom (ARA e TB), ou ainda Moloque (NVI), era o deus nacional dos amonitas.
(    ) Sofonias denunciou o povo por adorar a Jeová numa cerimônia comum com essa asquerosa divindade.
(    ) Isso exemplifica a realidade do ritual sincrético no meio do povo escolhido.

12- Como era o modismo do povo e a violência dos príncipes na época de Sofonias? Complete:
Não havia nada de errado em alguém vestir a roupa do __________________________. O problema da "vestidura estranha" (v.8) era o _________________________________ religioso de tal indumentária com o paganismo (2 Rs 10.22). Os príncipes de Judá, provavelmente filhos de Manassés ou Amom (pois Josias era bem novo para ter filhos nessa idade), serão duramente __________________________ por causa da violência e do engano (v.9). O objetivo do castigo divino é exterminar o baalismo, o sincretismo, as práticas divinatórias e as ______________________________ sociais. 

IV. "O DIA DO SENHOR" 
13- Qual o significado bíblico de "Dia do Senhor" ? Complete:
O termo hebraico para "dia" é yom, que pode ser "dia" no sentido literal (Jó 3.3) ou período de tempo (Gn 2.4). Assim, "o dia do SENHOR" (v.7) ou as fraseologias similares "dia da ira do SENHOR" (2.2,3) e "naquele dia" (1.10), indicam o período reservado por DEUS para o __________________________ de contas com todos os moradores da ________________________ (Is 13.6,9; Ez 13.5; Jl 1.15; 2.1). Esse período também é chamado de ____________________ Tribulação (Ap 7.14). O julgamento de Judá e das nações vizinhas é o prenúncio do _______________________________ vindouro.

14- O que quer dizer "sacrifício e seus convidados"?
(    ) Aqui, essa sentença é chamada de "sacrifício", uma metáfora usada pelos profetas para indicar o jejum coletivo de Israel.
(    ) A profecia afirma que Jeová "preparou o sacrifício e santificou os seus convidados".
(    ) Aqui, essa sentença é chamada de "sacrifício", uma metáfora usada pelos profetas para indicar o juízo.
(    ) O verbo hebraico para "santificar" é qadash, cuja ideia básica consiste em "separar, retirar do uso comum".
(    ) Assim, os babilônios foram separados por DEUS para a execução da ira divina sobre o povo de Judá.

CONCLUSÃO 
15- Complete:
O juízo vindouro não é assunto ______________________________. Os profetas trataram dele, bem como o Senhor JESUS CRISTO e seus ___________________________. Fica aqui um alerta para os promotores da teologia da ______________________________ (Fp 3.19-21). Infelizmente, entre muitos cristãos, os assuntos escatológicos são motivos de chacotas e risos. No entanto, DEUS não se deixa escarnecer. O seu ____________________ é certo e verdadeiro e virá sobre todos os que praticam a iniquidade.
 


 
AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
SOARES, Esequias. O Ministério Profético na Bíblia: A voz de DEUS na Terra. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010.
SOARES, Esequias. Visão Panorâmica do Antigo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.
ZUCK, Roy B (Ed.). Teologia do Antigo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. 
William Macdonald - Comentário Bíblico popular (Antigo Testamento).


Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.


O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.


Comentário Bíblico NVI - EDITORA VIDA.


Revista Ensinador Cristão - nº 52 - CPAD.


Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
Revista - LIÇÃO JUVENIS CPAD 2002= ESTUDO PANORÂMICO DOS PROFETAS MENORES
GARNER, Paul. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
ELISSEN, Stanley. Conheça melhor o Antigo Testamento. VIDA.
CHAMPLIN, R.N. O Novo Testamento Interpretado versículo por Versículo. HAGNOS.
SOARES, Esequias. Visão Panorâmica do Antigo Testamento. CPAD.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD

Nenhum comentário: