sexta-feira, 12 de março de 2010

LIÇÃO 11 - CARACTERÍSTICAS DE UM AUTÊNTICO LÍDER

LIÇÃO 11 - CARACTERÍSTICAS DE UM AUTÊNTICO LÍDER Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 1º Trimestre de 2010 2 Coríntios - "Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas". Comentários da revista da CPAD: Pr. Elienai Cabral Consultores Doutrinários e Teológicos da CPAD: Pr. Antonio Gilberto e Claudionor de Andrade Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev.. Luiz Henrique de Almeida Silva Você pode ver e estudar essa lição também em vídeos em http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm TEXTO ÁUREO "Porque estou zeloso de vós com zelo de DEUS; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a CRISTO" (2 Co 11.2). VERDADE PRÁTICA Um líder cristão autêntico é aquele que tem por objetivo maior servir a DEUS e à sua Igreja. LEITURA DIÁRIA Segunda Ef 5.18 Paulo, um líder cheio do ESPÍRITO SANTO Terça 2 Co 1.1 Paulo, um líder comissionado pelo Senhor Quarta 2 Co 2.4 Paulo, um líder que amava os crentes coríntios Quinta 2 Co 4.1,16 Paulo, um líder perseverante Sexta 2 Co 6.8-10 Paulo, um líder que permaneceu fiel a DEUS sob todas as circunstâncias Sábado 1 Co 11.1 Paulo, um líder exemplar LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 2 Coríntios 10.12-16; 11.2,3,5,6 2 Coríntios 10.12-16 12 Porque não ousamos classificar-nos ou comparar-nos com alguns que se louvam a si mesmos; mas esses que se medem a si mesmos e se comparam consigo mesmos estão sem entendimento. 13 Porém não nos gloriaremos fora de medida, mas conforme a reta medida que DEUS nos deu, para chegarmos até vós; 14 porque não nos estendemos além do que convém, como se não houvéssemos de chegar até vós, pois já chegamos também até vós no evangelho de CRISTO; 15 não nos gloriando fora de medida nos trabalhos alheios; antes, tendo esperança de que, crescendo a vossa fé, seremos abundantemente engrandecidos entre vós, conforme a nossa regra, 16 para anunciar o evangelho nos lugares que estão além de vós e não em campo de outrem, para nos não gloriarmos no que estava já preparado. 10.12 SE MEDEM A SI MESMOS. Comparar-nos aos padrões contemporâneos e à vida dos crentes em nosso redor demonstra que ainda estamos sem a compreensão apropriada da vontade de DEUS. O padrão com o qual devemos nos medir é o padrão revelado em CRISTO e na doutrina dos apóstolos, no NT. 2 Coríntios 11.2,3,5,6 2 Porque estou zeloso de vós com zelo de DEUS; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a CRISTO. 3 Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em CRISTO. 4 Porque, se alguém for pregar-vos outro JESUS que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis. 5 Porque penso que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos. 6 E, se sou rude na palavra, não o sou, contudo, na ciência; mas já em tudo nos temos feito conhecer totalmente entre vós. 11.3 CORROMPIDOS OS VOSSOS SENTIDOS. Alguns em Corinto enfrentavam o grave perigo de serem enganados por falsos pregadores e de aceitarem um evangelho distorcido (v.4). Ao acolherem os ensinos desses "obreiros fraudulentos" (v.13), afastavam-se da sua devoção sincera a CRISTO. Nas igrejas dos nossos dias, também há os que se apresentam como ministros da justiça (v.15), mas cujos ensinamentos contradizem a Palavra de DEUS e levam seus seguidores ao naufrágio espiritual (Mt 23.13). Precisamos precaver-nos contra estes. 11.4 ALGUÉM PREGAR... OUTRO EVANGELHO. Os falsos mestres podem declarar que a revelação bíblica é verdadeira e, ao mesmo tempo, afirmar que possuem revelações extra-bíblicas ou conhecimentos de igual autoridade às Escrituras, e válidos para a igreja inteira. Esses falsos ensinos geralmente envolvem a fé cristã num sincretismo de outras religiões e filosofias. Resultam daí os seguintes erros: (1) A suposta nova "revelação" é colocada no mesmo nível de autoridade que a revelação bíblica apostólica original. (2) As Escrituras ocupam um lugar secundário, e CRISTO é colocado em lugar inferior em relação aos "santos", ou fundadores de um movimento ou igreja. (3) Os falsos mestres alegam ter uma compreensão mais profunda ou exclusiva das supostas "revelações ocultas" nas Escrituras. Precavenha-se para não receber doutrina falsa dos anjos. A Bíblia nos adverte contra recebermos doutrina falsa de supostos anjos: “Mas ainda que nós ou um anjo dos céus pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado!” (Gl 1.8). Paulo faz essa advertência porque sabe que há possibilidade de engano. Ele diz: “Isto não é de admirar, pois o próprio Satanás se disfarça de anjo de luz” (2Co 1 1.14). De modo semelhante,o profeta mentiroso que enganou o homem de Deus em lReis 13 disse: “Eu também sou profeta como você. E um anjo me disse por ordem do SENHOR: ‘Faça-o voltar com você para a sua casa para que coma pão e beba água”'(lRs 13.18). Todavia, o texto da Escritura imediatamente acrescenta no mesmo versículo: “Mas ele estava mentindo”. Esses são exemplos de doutrina ou orientação falsa sendo transmitida por anjos ou pessoas assegurando que anjos lhes falaram. É interessante que esses exemplos mostram a possibilidade clara de engano satânico tentando-nos a desobedecer aos ensinos claros da Escritura ou às ordens claras de Deus (cf. lRs 13.9). Essas advertências devem guardar qualquer cristão de ser enganado, por exemplo, pelos ensinos dos mórmons, que dizem que o anjo Moroni falou a Joseph Smith e lhe revelou a base da religião mórmon. Tal “revelação” é contrária aos ensinos da Escritura em muitos pontos (com respeito a doutrinas como a Trindade, a pessoa de Cristo, a justificação pela fé somente, e muitas outras), e os cristãos devem ser advertidos para não aceitar tais declarações. Satanás como cabeça dos demônios “Satanás” é o nome pessoal do cabeça dos demônios. Esse nome é mencionado em Jó 1.6, onde “os anjos vieram apresentar-se ao SENHOR, e Satanás também veio com eles” (v. tb. Jó 1.7—2.7). Aqui ele aparece como o inimigo do Senhor que traz severas provações para Jó . De modo semelhante, ao final da vida de Davi, “Satanás levantou-se contra Israel e levou Davi a fazer um recenseamento do povo” (1 Cr 21.1). Além disso, Zacarias teve uma visão do “sumo sacerdote Josué diante do anjo do SENHOR, e Satanás, à sua direita, para acusá-lo” (Zc 3.1). O nome “Satanás” é uma palavra hebraica (s ãtãn) que significa “adversário” . O NT também usa o nome “Satanás”, tomando-o simplesmente do AT. Assim, Jesus, em sua tentação no deserto, fala a Satanás diretamente, dizendo: “Retire-se, Satanás!” (Mt 4.10), ou “Eu vi Satanás caindo do céu como relâmpago” (Lc 10.18). A Bíblia usa também outros nomes para Satanás. Ele é chamado: “Diabo” (somente no NT: Mt 4.1; 13.39; 25.41; Ap 12.9; 20.2; etc.); ”serpente” (Gn 3.1,14; 2Co 11.3; Ap 12.9; 20.2); ”Belzebu” (Mt 10.25; 12.24,27; Lc 1 l.15); ”o príncipe deste mundo” (Jo 12.31; 14.30; 16.1 l), ”príncipe do poder do ar” (Ef 2.2), ou “o Maligno” (Mt 13.19; 1Jo 2.13). Quando Jesus diz a Pedro: “Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens” (Mt 16.23), ele reconhece que a tentativa de Pedro de tentar preservá-lo do sofrimento e da agonia da cruz é realmente uma tentativa de impedir Jesus de obedecer ao plano de seu Pai. Jesus percebe que a oposição, em última instância, não vinha de Pedro, mas do próprio Satanás. Aqui, em Corinto, Paulo alerta so cristãos a tomarem cuidado com os falsos apóstolos e mestres que se pareciam com anjos, ou assumiam a posição de anjos da igreja, mas na verdade eram emissários de Satanás, ensinavam heresias que os desviaria da simplicidade do evangelho da graça, levando-os para o evangelho da lei, das obras. Palavra-Chave Líder - Indivíduo que chefia, comanda e/ou orienta em qualquer ação. OS PASTORES E SEUS DEVERES At 20.28 “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de DEUS, que ele resgatou com seu próprio sangue.” Nenhuma igreja poderá funcionar sem dirigentes para dela cuidar. Logo, conforme 14.23, a congregação local, cheia do ESPÍRITO, buscando a direção de DEUS em oração e jejum, elegiam certos irmãos para o cargo de presbítero ou bispo de acordo com as qualificações espirituais estabelecidas pelo ESPÍRITO SANTO em 1Tm 3.1-7; Tt 1.5-9. Na realidade é o ESPÍRITO que constitui o dirigente de igreja. O discurso de Paulo diante dos presbíteros de Éfeso (20.17-35) é um trecho básico quanto a princípios bíblicos sobre o exercício do ministério de pastor de uma igreja local. PROPAGANDO A FÉ. (1) Um dos deveres principais do dirigente é alimentar as ovelhas mediante o ensino da Palavra de DEUS. Ele deve ter sempre em mente que o rebanho que lhe foi entregue é a congregação de DEUS, que Ele comprou para si com o sangue precioso do seu Filho amado (cf. 20.28; 1Co 6.20; 1Pe 1.18,19; Ap 5.9). (2) Em 20.19-27, Paulo descreve de que maneira serviu como pastor da igreja de Éfeso; tornou patente toda a vontade de DEUS, advertindo e ensinando fielmente os cristãos efésios (20.27). Daí, ele poder exclamar: “estou limpo do sangue de todos” (20.26). Os pastores de nossos dias também devem instruir suas igrejas em todo o desígnio de DEUS. Que “pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina” (2Tm 4.2) e nunca ministrar para agradar os ouvintes, dizendo apenas aquilo que estes desejam ouvir (2Tm 4.3). GUARDANDO A FÉ. Além de alimentar o rebanho de DEUS, o verdadeiro pastor deve diligentemente resguardá-lo de seus inimigos. Paulo sabe que no futuro Satanás levantará falsos mestres dentro da própria igreja, e, também, falsários vindos de fora, infiltrar-se-ão e atingirão o rebanho com doutrinas antibíblicas, conceitos mundanos e idéias pagãs e humanistas. Os ensinos e a influência destes dois tipos de elementos arruinarão a fé bíblica do povo de DEUS. Paulo os chama de “lobos cruéis”, indicando que são fortes, difíceis de subjugar, insaciáveis e perigosos (ver 20.29; cf. Mt 10.16). Tais indivíduos desviarão as pessoas dos ensinos de CRISTO e os atrairão a si mesmos e ao seu evangelho distorcido. O apelo veemente de Paulo (20.28-31) impõe uma solene obrigação sobre todos os obreiros da igreja, no sentido de defendê-la e opôr-se aos que distorcem a revelação original e fundamental da fé, segundo o NT. (1) A igreja verdadeira consiste somente daqueles que, pela graça de DEUS e pela comunhão do ESPÍRITO SANTO, são fiéis ao Senhor JESUS CRISTO e à Palavra de DEUS. Por isso, é de grande importância na preservação da pureza da igreja de DEUS que os seus pastores mantenham a disciplina corretiva com amor (Ef 4.15), e reprovem com firmeza (2Tm 4.1-4; Tt 1.9-11) quem na igreja fale coisas perversas contrárias à Palavra de DEUS e ao testemunho apostólico (20.30). (2) Líderes eclesiásticos, pastores de igrejas locais e dirigentes administrativos da obra devem lembrar-se de que o Senhor JESUS os têm como responsáveis pelo sangue de todos os que estão sob seus cuidados (20.26,27; cf. Ez 3.20,21). Se o dirigente deixar de ensinar e pôr em prática todo o conselho de DEUS para a igreja (20.27), principalmente quanto à vigilância sobre o rebanho (20.28), não estará “limpo do sangue de todos” (20.26; cf. Ez 34.1-10). DEUS o terá por culpado do sangue dos que se perderem, por ter ele deixado de proteger o rebanho contra os falsificadores da Palavra (ver também 2Tm 1.14; Ap 2.2). (3) É altamente importante que os responsáveis pela direção da igreja mantenham a ordem quanto a assuntos teológicos doutrinários e morais na mesma. A pureza da doutrina bíblica e de vida cristã deve ser zelosamente mantida nas faculdades evangélicas, institutos bíblicos, seminários, editoras e demais segmentos administrativos da igreja (2Tm 1.13,14). (4) A questão principal aqui é nossa atitude para com as Escrituras divinamente inspiradas, que Paulo chama a “palavra da sua graça” (20.32). Falsos mestres, pastores e líderes tentarão enfraquecer a autoridade da Bíblia através de seus ensinos corrompidos e princípios antibíblicos. Ao rejeitarem a autoridade absoluta da Palavra de DEUS, negam que a Bíblia é verdadeira e fidedigna em tudo que ela ensina (20.28-31; ver Gl 1.6; 1Tm 4.1; 2Tm 3.8). A bem da igreja de DEUS, tais pessoas devem ser excluídas da comunhão (2Jo 9-11; ver Gl 1.9). (5) A igreja que perde o zelo ardente do ESPÍRITO SANTO pela sua pureza (20.18-35), que se recusa a tomar posição firme em prol da verdade e que se omite em disciplinar os que minam a autoridade da Palavra de DEUS, logo deixará de existir como igreja neotestamentária (ver 12.5). QUALIFICAÇÕES MORAIS DO PASTOR 1Tm 3.1,2 “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar.” Se algum homem deseja ser “bispo” (gr. episkopos, i.e., aquele que tem sobre si a responsabilidade pastoral, o pastor), deseja um encargo nobre e importante (3.1). É necessário, porém, que essa aspiração seja confirmada pela Palavra de DEUS (3.1-10; 4.12) e pela igreja (3.10), porque DEUS estabeleceu para a igreja certos requisitos específicos. Quem se disser chamado por DEUS para o trabalho pastoral deve ser aprovado pela igreja segundo os padrões bíblicos de 3.1-13; 4.12; Tt 1.5-9. Isso significa que a igreja não deve aceitar pessoa alguma para a obra ministerial tendo por base apenas seu desejo, sua escolaridade, sua espiritualidade, ou porque essa pessoa acha que tem visão ou chamada. A igreja da atualidade não tem o direito de reduzir esses preceitos que DEUS estabeleceu mediante o ESPÍRITO SANTO. Eles estão plenamente em vigor e devem ser observados por amor ao nome de DEUS, ao seu reino e da honra e credibilidade da elevada posição de ministro. (1) Os padrões bíblicos do pastor, como vemos aqui, são principalmente morais e espirituais. O caráter íntegro de quem aspira ser pastor de uma igreja é mais importante do que personalidade influente, dotes de pregação, capacidade administrativa ou graus acadêmicos. O enfoque das qualificações ministerais concentra-se no comportamento daquele que persevera na sabedoria divina, nas decisões acertadas e na santidade devida. Os que aspiram ao pastorado sejam primeiro provados quanto à sua trajetória espiritual (cf. 3.10). Partindo daí, o ESPÍRITO SANTO estabelece o elevado padrão para o candidato, i.e., que ele precisa ser um crente que se tenha mantido firme e fiel a JESUS CRISTO e aos seus princípios de retidão, e que por isso pode servir como exemplo de fidelidade, veracidade, honestidade e pureza. Noutras palavras, seu caráter deve demonstrar o ensino de CRISTO em Mt 25.21 de que ser “fiel sobre o pouco” conduz à posição de governar “sobre o muito”. (2) O líder cristão deve ser, antes de mais nada, “exemplo dos fiéis” (4.12; cf. 1Pe 5.3). Isto é: sua vida cristã e sua perseverança na fé podem ser mencionadas perante a congregação como dignas de imitação. (a) Os dirigentes devem manifestar o mais digno exemplo de perseverança na piedade, fidelidade, pureza em face à tentação, lealdade e amor a CRISTO e ao evangelho (4.12,15). (b) O povo de DEUS deve aprender a ética cristã e a verdadeira piedade, não somente pela Palavra de DEUS, mas também pelo exemplo dos pastores que vivem conforme os padrões bíblicos. O pastor deve ser alguém cuja fidelidade a CRISTO pode ser tomada como padrão ou exemplo (cf. 1Co 11.1; Fp 3.17; 1Ts 1.6; 2Ts 3.7,9; 2Tm 1.13). (3) O ESPÍRITO SANTO acentua grandemente a liderança do crente no lar, no casamento e na família (3.2,4,5; Tt 1.6). Isto é: o obreiro deve ser um exemplo para a família de DEUS, especialmente na sua fidelidade à esposa e aos filhos. Se aqui ele falhar, como “terá cuidado da igreja de DEUS?” (3.5). Ele deve ser “marido de uma [só] mulher” (3.2). Esta expressão denota que o candidato ao ministério pastoral deve ser um crente que foi sempre fiel à sua esposa. A tradução literal do grego em 3.2 (mias gunaikos, um genitivo atributivo) é “homem de uma única mulher”, i.e., um marido sempre fiel à sua esposa. (4) Conseqüentemente, quem na igreja comete graves pecados morais, desqualifica-se para o exercício pastoral e para qualquer posição de liderança na igreja local (cf. 3.8-12). Tais pessoas podem ser plenamente perdoadas pela graça de DEUS, mas perderam a condição de servir como exemplo de perseverança inabalável na fé, no amor e na pureza (4.11-16; Tt 1.9). Já no AT, DEUS expressamente requereu que os dirigentes do seu povo fossem homens de elevados padrões morais e espirituais. Se falhassem, seriam substituídos (ver Gn 49.4; Lv 10.2; 21.7,17; Nm 20.12; 1Sm 2.23; Jr 23.14; 29.23). (5) A Palavra de DEUS declara a respeito do crente que venha a adulterar que “o seu opróbrio nunca se apagará” (Pv 6.32,33). Isto é, sua vergonha não desaparecerá. Isso não significa que nem DEUS nem a igreja perdoará tal pessoa. DEUS realmente perdoa qualquer pecado enumerado em 3.1-13, se houver tristeza segundo DEUS e arrependimento por parte da pessoa que cometeu tal pecado. O que o ESPÍRITO SANTO está declarando, porém, é que há certos pecados que são tão graves que a vergonha e a ignomínia (i.e., o opróbrio) daquele pecado permanecerão com o indivíduo mesmo depois do perdão (cf. 2Sm 12.9-14). (6) Mas o que dizer do rei Davi? Sua continuação como rei de Israel, a despeito do seu pecado de adultério e de homicídio (2Sm 11.1-21; 12.9-15) é vista por alguns como uma justificativa bíblica para a pessoa continuar à frente da igreja de DEUS, mesmo tendo violado os padrões já mencionados. Essa comparação, no entanto, é falha por vários motivos. (a) O cargo de rei de Israel do AT, e o cargo de ministro espiritual da igreja de JESUS CRISTO, segundo o NT, são duas coisas inteiramente diferentes. DEUS não somente permitiu a Davi, mas, também a muitos outros reis que foram extremamente ímpios e perversos, permanecerem como reis da nação de Israel. A liderança espiritual da igreja do NT, sendo esta comprada com o sangue de JESUS CRISTO, requer padrões espirituais muito mais altos. (b) Segundo a revelação divina no NT e os padrões do ministério ali exigidos, Davi não teria as qualificações para o cargo de pastor de uma igreja do NT. Ele teve diversas esposas, praticou infidelidade conjugal, falhou grandemente no governo do seu próprio lar, tornou-se homicida e derramou muito sangue (1Cr 22.8; 28.3). Observe-se também que por ter Davi, devido ao seu pecado, dado lugar a que os inimigos de DEUS blasfemassem, ele sofreu castigo divino pelo resto da sua vida (2Sm 12.9-14). (7) As igrejas atuais não devem, pois, desprezar as qualificações justas exigidas por DEUS para seus pastores e demais obreiros, conforme está escrito na revelação divina. É dever de toda igreja orar por seus pastores, assisti-los e sustentá-los na sua missão de servirem como “exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza” (4.12). INTERAÇÃO Professor, você é um líder à frente de sua classe. Por isso, esteja atento a alguns aspectos importantes da liderança de Paulo que serão apresentados nesta lição. Ele era um líder autêntico, compromissado com DEUS e com a sua Obra. Suas credenciais de ministro de DEUS são evidenciadas através do seu trabalho árduo, do sofrimento e da preocupação com as ovelhas do Senhor. Como líder ele era exemplo, e sabemos que a liderança na igreja é repleta de desafios. Não menos difícil é o seu papel amado professor, mas confie em DEUS, Ele está contigo! OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: Compreender que o líder cristão autêntico é aquele que não perde o senso de dependência de DEUS. Distinguir as características de um verdadeiro líder. Descrever os tipos de lideranças encontradas no seio da igreja. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA Professor, para a aula de hoje sugerimos que você reproduza o quadro da página ao lado no quadro-de-giz. Junto com os alunos analise cada tópico relacionado no quadro. Apresente as principais diferenças entre os falsos apóstolos e Paulo, líder autêntico. Enfatize o fato de que os falsos líderes eram arrogantes. Gabavam-se por serem eloqüentes e terem conhecimento. Sabemos que não há nada errado em ser eloqüente e ter conhecimento, porém o líder autêntico depende unicamente de DEUS. Leia todas as referências, enfatizando as principais diferenças entre os falsos apóstolos e os autênticos. RESUMO DA LIÇÃO 11 CARACTERÍSTICAS DE UM AUTÊNTICO LÍDER Seu modelo máximo é JESUS. I. OS DESAFIOS DO APOSTOLADO PAULINO (10.9-18) 1. O desafio da oposição (10.9-11). 2. O desafio do orgulho (10.12,13). 3. O desafio do respeito aos limites e da autoglorificação (10.14-18). II. AS MARCAS DE UM VERDADEIRO LÍDER (11.2-15) 1. O compromisso de Paulo diante da igreja e de DEUS (vv. 2-4). 2. Paulo se interessa, antes de tudo, pelo bem-estar espiritual da igreja (vv. 5-15). 3. Paulo colocou o ato de servir acima dos interesses pessoais (vv.16-33). III. PAULO, UM LÍDER SEGUNDO A VONTADE DE DEUS Indiscutivelmente, Paulo foi um líder que demonstrou ampla competência para o exercício do seu ministério. Paulo aprendera com JESUS: o servir é uma das características mais marcantes de um obreiro. CONCLUSÃO Só há uma alternativa para aqueles que amam a CRISTO e a sua Igreja: servir, servir e servir. SINOPSE DO TÓPICO (1) Respeitar os limites alheios é uma atitude indispensável a um líder. Todo líder deve conhecer a medida certa de suas ações. SINOPSE DO TÓPICO (2) O líder autêntico coloca o ato de servir acima dos interesses pessoais. SINOPSE DO TÓPICO (3) O padrão bíblico requer que os líderes aprendam a desenvolver atitudes de parcerias, de compartilhamento com seus liderados. AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I - Subsídio Bibliológico "O status apostólico de Paulo (11.5,6) [...] Os falsos apóstolos estavam pondo-se em evidência como 'superapóstolos' ('os mais excelentes apóstolos', 2 Co 11.5), humilhando Paulo. Mas Paulo não aceitava as afirmações que eles faziam. Pode ser que fossem oradores bem treinados, aptos a impressionar as pessoas com o vocabulário e o estilo. [...] Embora Paulo fosse treinado como rabino sob as orientações de Gamaliel (At 22.3), ele não fora treinado no estilo grego de oratória artificial e extravagante. Paulo tinha algo mais importante. Tinha ciência ou conhecimento de DEUS que eles não tinham, como bem sabiam os crentes coríntios. Paulo havia demonstrado isto em tudo', ou seja, dando-lhes ensinamentos poderosos e ungidos em linguagem clara ? não na 'lógica' enganosa e na retórica superficial dos falsos apóstolos. A verdade é mais importante que o estilo ou 'carisma' do orador. Paulo recusa aceitar pagamento (11.7-12) [...] Ele retoma novamente o fato de que pregou o Evangelho em Corinto 'de graça' (veja 1 Co 9). Naqueles dias, até nas universidades os estudantes remuneravam diretamente o professor. É provável que os oponentes de Paulo disseram que o fato de ele não receber contribuições era evidência de que o ensino era de pouco valor e que ele não era verdadeiro apóstolo" (HORTON, Stanley M. I & II Coríntios: Os Problemas da Igreja e suas Soluções. RJ: CPAD, 2003, pp.240-41) AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II - Subsídio Teológico "O Exemplo de Paulo ao Líderes [...] Como um exemplo para os outros líderes, Paulo demonstrou: o Humildade e compaixão? Apesar de ser perseguido por seus irmãos judeus, Paulo serviu 'ao Senhor com toda a humildade e com muitas alegrias' (At 20.19). Ninguém poderia questionar sua dedicação ao Senhor e ao seu povo. É impossível fazer este tipo de afirmação a menos que seja absolutamente verdadeira. - Ensinos e pregações fiéis? Paulo falou publicamente na escola de Tirano, compartilhando tudo aquilo que pudesse ajudar no crescimento e no fortalecimento da fé cristã dos efésios. No entanto, também ensinava de casa em casa, aparentemente dedicando tempo à família de cada líder (At 20.20). - Um ministério evangelístico? Paulo pregava as Boas Novas da graça de DEUS a todos aqueles que quisessem ouvir ? tanto judeus quanto gentios ? encorajando-os a abandonar o pecado e a colocar a sua fé no Senhor JESUS CRISTO (At 20.21). - Um ministério de discipulado? Paulo não somente pregou as Boas Novas da graça de DEUS, mas também, à medida que as pessoas respondiam com arrependimentos e fé, ensinava estes novos crentes a viver como verdadeiros cristãos (At 20.27). - Motivos puros ? Paulo nunca se aproveitou materialmente destes novos crentes. Neste sentido, ele era um grande exemplo para os líderes. Ele às vezes supria sozinho as suas próprias necessidades, bem como as de seus companheiros missionários (At 20.33-35). - Ter responsabilidade? Paulo advertiu sobre a necessidade de vigiarem e cuidarem de si mesmos quanto um dos outros. - Vigiar? Paulo adverte-os, dizendo: 'Olhai, pois... por todo o rebanho' ? incentivando-os a administrarem bem a igreja como um todo (At 20.28). - Pastorear? Paulo conclama os pastores a 'apascentarem a igreja de DEUS' ? a cuidarem dos fiéis e certificarem-se de que eles não estejam se deixando enganar por falsos mestres e profetas enganadores, que ele chama de 'lobos cruéis' (GETZ, Gene A. Pastores e Líderes: O Plano de DEUS Para a Liderança da Igreja. RJ: CPAD, 2004, pp.105-6). VOCABULÁRIO Aferição: Ação ou efeito de medir, avaliar. Autogloriar: Gloriar em si mesmo. Neotestamentário: Relativo ao Novo Testamento BIBLIOGRAFIA SUGERIDA GLOUD, Henry. 9 Coisas que um Líder Deve Fazer. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009. GETZ, Gene A. Pastores e Líderes: O Plano de DEUS para a Liderança da Igreja. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2004. SAIBA MAIS EM Revista Ensinador Cristão, CPAD, no 41, p. 39 QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 11 - CARACTERÍSTICAS DE UM AUTÊNTICO LÍDER RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 4º TRIMESTRE DE 2009 Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas. TEXTO ÁUREO 1- Complete: "Porque estou _______________________ de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma ______________________ pura a um _______________________, a saber, a Cristo" (2 Co 11.2). VERDADE PRÁTICA 2- Complete: Um ________________________ cristão _____________________ é aquele que tem por objetivo maior ______________________ a Deus e à sua Igreja. INTRODUÇÃO 3- Complete: Paulo ressalta não ser sua intenção exercer ________________________ sobre a ______________________ dos coríntios, pelo contrário, ele está pronto a ser ________________________ para que eles fossem exaltados (2 Co 11.7). I. OS DESAFIOS DO APOSTOLADO PAULINO (10.9-18) 4- Quais os três personagens principais que se destacam nesses quatro últimos capítulos de 2Coríntios? ( ) O apóstolo, os opositores e os judeus. ( ) O pastor, os opositores e os coríntios. ( ) O apóstolo, os opositores e os coríntios. 5- Qual era a regra básica ao escrever cartas, naquela época? ( ) Essas deviam corresponder à personalidade de quem as enviara. ( ) Essas deviam corresponder à qualidade de quem as enviara. ( ) Essas deviam corresponder à responsabilidade de quem as enviara. 6- Como Paulo havia sido severo na redação de suas cartas, de que era acusado, agora? ( ) De faltar com o devido respeito para com os mais velhos. ( ) De não ter a mesma postura enquanto estava presente entre eles. ( ) Os oponentes insinuavam que o apóstolo não tinha coragem ou era incoerente. ( ) Na realidade, eles apenas buscavam mais uma oportunidade para o acusarem. 7- Quanto ao orgulho (10.12,13), como Paulo demonstra a importância de o líder exercer a autocrítica? ( ) Ele fala da arrogância dos que se sentiam superiores a ele. ( ) Refutando tal orgulho, Paulo admite não estar disposto a classificar-se entre os que louvam a si mesmos. ( ) Paulo não se preocupava em analisar-se a si mesmo, mas aos falsos apóstolos somente. ( ) Ele considerava essa atitude uma ousadia incabível no meio da Igreja. ( ) A vaidade dos oponentes era "sem medida", e o "critério" de aferição que usavam baseava-se apenas na opinião que os tais tinham de si mesmos. ( ) O apóstolo afirma que "esses que se medem a si mesmos e se comparam consigo mesmos estão sem entendimento"; demonstram falta de lucidez e discernimento espiritual. 8- Qual o desafio do respeito aos limites e da auto-glorificação (10.14-18)? ( ) Respeitar os limites alheios é uma atitude indispensável a um líder. ( ) Paulo destaca que todo líder deve conhecer a medida certa de suas ações. ( ) Do ponto de vista pessoal, ou coletivo, o líder deve respeitar os limites de sua liderança, e não apossar-se da honra de um trabalho realizado por outros. ( ) Os coríntios deveriam louvar somente a Paulo, pois foi ele quem os ganhou para CRISTO. ( ) Gloriemo-nos apenas no Senhor. ( ) O líder realmente chamado por Deus não precisa louvar a si mesmo; o próprio Senhor o fará. II. AS MARCAS DE UM VERDADEIRO LÍDER (11.2-15) 9- Qual era o compromisso de Paulo diante da igreja e de Deus (vv. 2-4)? ( ) Paulo deixa claro que recebeu do próprio Deus sua autoridade apostólica, a fim de edificar, e não dominar, a Igreja de Cristo. ( ) Paulo se preocupava com sua própria salvação diante de tão angustiante discussão com os falsos mestres de Corinto. ( ) Os coríntios, influenciados pelos falsos apóstolos, que agiam na ausência de Paulo, demonstravam superficialidade no conhecimento das coisas espirituais. ( ) O fato decepcionou o apóstolo, pois ele tinha por objetivo prepará-los para apresentá-los "como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo". 10- Como Paulo demonstra se interessar pelo bem-estar espiritual da igreja (vv. 5-15)? Complete: A postura de Paulo de não depender _________________________ da igreja de Corinto, foi utilizada injustamente pelos falsos apóstolos para acusá-lo de não ser ele um apóstolo verdadeiro (vv.5-11). Paulo afirma que os irmãos da Macedônia (e outras igrejas) haviam-no _________________________ em suas necessidades (vv.8,9). O apóstolo dos gentios assim procedeu, a fim de não dar ainda mais ocasião para os seus ___________________________ o acusarem (v.12). Naturalmente, é responsabilidade das igrejas ________________________ seus pastores. 11- Nos versículos 13 e 15, Paulo fica tão irritado com os falsos apóstolos que, para desmascarar-lhes a dissimulação, fez o que? ( ) Utilizou a figura de Lúcifer que, conforme reafirma, disfarça-se até de anjo de luz. É o que faziam os falsos irmãos. ( ) Utilizou a figura de Satanás que, conforme reafirma, disfarça-se até de anjo de luz. É o que faziam os falsos apóstolos. ( ) Utilizou a figura de Barnabé que, conforme reafirma, combatia contra os falsos apóstolos. 12- Quais eram os seus sofrimentos físicos e emocionais expostos por Paulo por amor a Cristo? ( ) Fome, sede, nudez, açoites, prisões, naufrágios, ameaças e perigos incontáveis e até sua morte. ( ) Fome, sede, nudez, açoites, prisões, naufrágios, ameaças e perigos incontáveis e até mesmo sua disciplina por parte dos apóstolos. ( ) Fome, sede, nudez, açoites, prisões, naufrágios, ameaças e perigos incontáveis. 13- Como Paulo colocou o ato de servir acima dos interesses pessoais (vv.16-33)? ( ) Ele não somente se identificava com aqueles a quem servia, como também por estes interessava-se, a fim de que fossem beneficiados com o Evangelho. ( ) Seu amor pelas igrejas de Cristo dava-lhe forças para seguir em sua missão apostólica. ( ) Se divertia com os ataques dos falsos mestres, não lhes dando qualquer tipo de resposta. ( ) Era um homem de Deus que se identificava com o rebanho de Cristo em todas as situações. III. PAULO, UM LÍDER SEGUNDO A VONTADE DE DEUS 14- Como Paulo foi um líder que demonstrou ampla competência para o exercício do seu ministério? ( ) Cada igreja, estabelecida por ele, tinha características próprias e exigia dele habilidades específicas, a fim de lidar com situações bastante particulares. ( ) Servindo-os humildemente, como fez o Senhor Jesus durante o seu ministério terreno. ( ) Externando-lhes um amor que só o verdadeiro líder chamado por Deus possui. ( ) Paulo, agora podia descansar, pois as igrejas já sabiam se defender de heresias sozinhas. ( ) Demonstrou-lhes ser, realmente, um apóstolo chamado por Cristo Jesus, a fim de levar o Evangelho aos gentios até aos confins da terra. 15- Qual o destaque que Paulo aprendera com Jesus, na lição hoje estudada? ( ) O servir é uma das características mais marcantes de um obreiro. ( ) O servir, aliás, é o verdadeiro padrão de liderança neo-testamentária. ( ) O servir implica em ser servido. ( ) É hora de nos apresentarmos como leais servidores a serviço do Rei. ( ) Quem não está pronto a servir jamais estará apto para o Reino de Deus. CONCLUSÃO 16- Que exemplo nos deixou o apóstolo Paulo? ( ) Sua liderança não foi estabelecida por homem algum, mas por Deus. ( ) Ele sabia que no Reino de Deus só há uma alternativa para aqueles que amam a Cristo e a sua Igreja: servir, servir e servir. ( ) Ele se sentia realizado por ter vencido sua batalha contra os falsos mestres que nunca mais incomodariam a igreja de corinto. ( ) Não foi exatamente isso que fez o Senhor durante o seu ministério terreno? Por que agiríamos de forma diferente? RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm AJUDA CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal. VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD. Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/ Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube. http://www.monergismo.com/textos/comentarios/anjos_satanas_demonios_grudem.htm

Nenhum comentário: