sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Lição 3, E DEUS os Criou Homem e Mulher, 2 parte

Lição 3, E DEUS os Criou Homem e Mulher, 2 parte


 
BEP - CPAD - 1.26 FAÇAMOS O HOMEM. Nos versículos 26-28 lemos a respeito da criação dos seres humanos; 2.4-25 supre pormenores mais específicos a respeito da sua criação e do seu meio-ambiente. Esses dois relatos se completam e ensinam várias coisas.
(1) Tanto o homem quanto a mulher foi uma criação especial de DEUS, não um produto da evolução (v. 27; Mt 19.4; Mc 10.6).
(2) O homem e a mulher, igualmente, foram criados à imagem e semelhança de DEUS. À base dessa imagem, podiam comunicar-se com DEUS, ter comunhão com Ele e expressar de modo incomparável o seu amor, glória e santidade. Eles fariam isso conhecendo a DEUS e obedecendo-o (2.15-17).
(a) Eles tinham semelhança moral com DEUS, pois não tinham pecado, eram santos, tinham sabedoria, um coração amoroso e o poder de decisão para fazer o que era certo (Ef 4.24). Viviam em comunhão pessoal com DEUS, que abrangia obediência moral (2.16,17) e plena comunhão. Quando Adão e Eva pecaram, sua semelhança moral com DEUS foi desvirtuada (6.5). Na redenção, os crentes devem ser renovados segundo a semelhança moral original (Ef 4.22-24; Cl 3.10).
(b) Adão e Eva possuíam semelhança natural com DEUS. Foram criados como seres pessoais tendo espírito, mente, emoções, autoconsciência e livre arbítrio (2.19,20; 3.6,7; 9.6).
(c) Em certo sentido, a constituição física do homem e da mulher retrata a imagem de DEUS, o que não ocorre no reino animal. DEUS pôs nos seres humanos a imagem pela qual Ele apareceria visivelmente a eles (18.1,2,22) e a forma que seu Filho um dia viria a ter (Lc 1.35; Fp 2.7; Hb 10.5).
(3) O fato de seres humanos terem sido feitos à imagem de DEUS não significa que são divinos. Foram criados segundo uma ordem inferior e dependentes de DEUS (Sl 8.5).
(4) Toda a vida humana provém inicialmente de Adão e Eva (Gn 3.20; At 17.26; Rm 5.12.
 
2.18 UMA ADJUTORA QUE ESTEJA COMO DIANTE DELE. A mulher foi criada para ser a amável companheira do homem e sua ajudadora. Daí, ela ser partícipe da responsabilidade de Adão e com ele cooperar no plano de DEUS para a vida dele e da família (ver Ef 5.22; Sl 33.20; 70.5; 115.9, onde o termo auxílio , referente a DEUS, tem o mesmo sentido que ajudadora, em 2.18).
 
Monogamia - grego μονογαμία - Casamento com uma só parceira(o). mono - 1
Bigamia - grego διγαμία - Casamento com duas parceiras(os). Bi - 2
Poligamia - grego πολυγαμία - Casamento com mais de duas parceiras(os). poli - mais de 2.
Casamento - grego γάμος - União conjugal entre um homem e uma mulher.
"Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula(Hb 13.4-a).
União monogâmica (mono = um) + (gamós = casamento)
Heterossexual (Heteros = diferente) + (sexual = sexo)
O Senhor deixa claro que odeia o divórcio (Ml 2.16)
CRISTO e Sua noiva, a Igreja – Ef 5.31-32.
1 Coríntios 6.10 - Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de DEUS.
A Natureza do Casamento
1. O casamento faz parte da própria ordem da criação.
DEUS revelou ao homem que ele precisava de uma esposa (Gn 2.18) e que a esposa precisava de um marido (Gn. 3.16). Desde o começo, Ele criou a mulher para o homem (Gn 1.26,27). Desde o início o homem entendeu que era vontade de DEUS que ele tivesse uma esposa. "Osso dos meus ossos e carne da minha carne" (Gn 2.23) e que deveria amá-la e cuidar dela como de si próprio. Paulo escreveu: “Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja" (Ef 5.28,29).
2. O casamento é um sacramento de sociedade.
No casamento, assim como na união sexual em particular, o homem e a mulher sentem prazer e fazem dele a demonstração exterior daquilo que é uma graça interior.
Sacramentado por DEUS, (cf. 1 Tm 4,.3) ele representa a mais elevada expressão de afeto mútuo e a mais profunda comunhão humana, e por isso o próprio DEUS usou o casamento para expressar a incalculável profundidade de seu amor por nós.
3. O casamento é um pacto solene celebrado entre um homem e uma mulher dentro de uma perfeita liberdade, e através do qual prometem entre si o amor e a fidelidade, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na prosperidade e na adversidade enquanto viverem. De acordo com a visão de DEUS, ele somente termina com a morte (Mt 5.32; 19.9; Rm 7.2,3; 1 Co 7.15). Esse pacto deve ser celebrado apenas entre duas pessoas que compartilhem o mesmo espírito e fé, pois "que parte tem o fiel com o infiel?" (2 Co 6.14.15).
4. O casamento é uma vocação, um convite de DEUS para a demonstração a todo o mundo, da mais elevada forma de amor mútuo (Gn 2.23,24; Ef 5.21ss.). Também é a maneira correta de se gerar filhos (Gn 33.5; 48.4; Dt 28.4; Js 24.3,4; Sl 127.3), alimentá-los física e espiritualmente, e o ambiente mais propício para lhes ensinar a Palavra de DEUS (Dt 6.7-20; 11.18-21; Pv 22.6) e treiná-los para serem bons cidadãos (Pv 13.24; 19.18; 22.15; 28.13; 29.15,17).

Os Propósitos do Casamento
1. A propagação da raça humana.
É a forma Divina de desenvolver a espécie chamada humanidade. No caso dos seres angelicais, DEUS criou todos de uma só vez, mas no caso da humanidade, criou cada um deles individualmente. Ele criou um homem e uma mulher e toda a raça humana descendeu desse primeiro casal. DEUS pôde redimir a raça humana de Adão com uma única morte de CRISTO, pois Ele estaria representando a raça como um todo. É à luz desse fato que entendemos o significado de 1Coríntios 15.22: "Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em CRISTO".
DEUS preferiu gerar filhos espirituais que irão amá-lo por causa de sua soberana graça salvadora e trazer-lhes a vida através do relacionamento do casamento. Os aspectos sacramentais e da propagação da espécie do casamento ficam dessa forma reunidos e a geração dos filhos se torna um ato de santidade para a verdadeira glória de DEUS.
2. É a maneira de DEUS criar os filhos.
Filhos precisam de um lar, e de pais dentro deste lar. No lar eles recebem abrigo e alimento. Através da vida de seus pais eles aprendem o que significa o verdadeiro amor porque são o objeto do amor dos pais e porque veem o amor recíproco que existe entre eles. Somente através dos pais eles podem entender plenamente o profundo e duradouro amor conjugal e, dessa forma, ficam preparados para esperar e procurar um amor igual para si mesmos. É nesse ponto que a discórdia conjugal e os lares desfeitos exercem o efeito mais devastador sobre os filhos. O filho que nunca observou a demonstração de um verdadeiro amor em seu lar não está pronto para enfrentar sozinho a vida. DEUS também teve a intenção de que a demonstração de um verdadeiro amor entre país e filhos fosse a base para o entendimento do amor que Ele mesmo sentiu ao enviar o seu Filho para morrer pelos nossos pecados (cf.Ef 5.25-32).             
3. O casamento é a maneira de DEUS incutir nos filhos os princípios da justiça e da autoridade responsável:
Os pais devem tratar os filhos com paciência e justiça. (Ef 6.4; Cl 3.21) e lhes ensinar o que é justo e direito. Devem dar exemplo de responsabilidade e autoridade na divinamente ordenada economia do lar (cf. 1 Tm 3.4,5,12; Tt 1.6). O pai, como o cabeça da esposa e do lar, embora consultando plenamente sua esposa de uma forma realmente democrática, é o responsável por todas as decisões. Isso ensina a submissão à autoridade e um verdadeiro senso de responsabilidade (Ef 5.21-24).
4. O casamento é o meio pedagógico de DEUS ensinar aos filhos sobre Si mesmo.
DEUS se intitula nosso Pai e demonstra que o seu amor é tão maravilhoso como o amor de um bom pai (Sl 103.13; Jo 3.16), tão terno como o amor de uma boa mãe (Is 49.15; 66.13; Mt 23.37), tão íntimo como aquele que existe entre o marido e a esposa (Ef 5.25ss.). Desse modo, todo o relacionamento dentro do Casamento e da família transparece na demonstração e nos ensinos daquilo que DEUS é, da natureza do seu amor.
 
O lugar do Sexo
Embora o sexo tenha como objetivo estabelecido por DEUS gerar filhos para povoar a terra e assim indiretamente encher o céu com filhos renascidos em DEUS, ele também preenche importantes necessidades pessoais e familiares. O esposo necessita da esposa e a esposa necessita do marido, porque o homem é feito de tal maneira que as tensões da vida são aliviadas através do amor conjugal (1 Co 7.1-5). Ao mesmo tempo, nesse íntimo ato de amor são liberadas energias criativas tanto na vida do marido como da esposa.
Podemos observar melhor que DEUS fez o homem e a mulher para o verdadeiro prazer e um mútuo companheirismo em Cantares de Salomão, onde as intimidades do amor conjugal e do prazer estão descritas de uma forma maravilhosa e pura. No relacionamento sexual todo o amor é expresso através de atos e palavras e é consumado em comunhão e união. É uma expressão de amor que pode ser exercitada com apenas uma pessoa por causa de sua natureza santa. Cada um mantém a experiência de um profundo amor pelo outro e somente por essa pessoa. Nesse sentido, ele é o exemplo típico de um relacionamento exclusivo que deve existir individualmente entre cada cristão e seu Senhor, e no qual nenhuma outra pessoa ou deus pode ter a permissão de participar (Ex 20.3; cf. Ef 5.25ss.).
Um casamento baseado em uma vida sexual plena e estável é feliz e equilibrado, desde que esse aspecto da vida seja a expressão do mais profundo amor e não a mera satisfação de desejos carnais. Ele é de grande importância para os filhos (assim como para o marido e a esposa), porque vêem não só um casamento estável, como também seu encanto, pureza, beleza, e profunda satisfação. Os filhos, por sua vez, podem aprender que o sexo é uma dádiva divina e pode ser verdadeiramente belo e maravilhoso quando vivido de acordo com as intenções de DEUS. Os cuidados que DEUS coloca no ato sexual permitem aos filhos aprender com pureza e se conservarem puros, mais tarde vivendo o sexo de acordo com os propósitos Divinos, vendo que a plena liberdade e alegria no casamento realmente veem quando se vive dentro do âmbito do sétimo mandamento (1 Ts 4.3-8; Hb 13.4).

Como DEUS Fala sobre o Casamento
Em primeiro lugar, DEUS usa o casamento como uma metáfora para expressar o relacionamento de CRISTO com a igreja, comparando CRISTO com o noivo e a igreja com a noiva (Ei 5.24-32; Ap 19.7-9). Tanto o crente individualmente como a igreja em geral, sempre são considerados no sentido de ser a noiva em relação a CRISTO (2 Co 11.2).
No Salmo 45, CRISTO é visto em toda a sua majestade e beleza juntamente com a sua Noiva Real, a igreja, para representar a pureza que DEUS deseja de seus filhos. A Noiva é grandemente desejada por causa de sua beleza (v. 11) tanto exterior como interior. Seus trajes são delicados e belos até o mais ínfimo detalhe.       .

Monogamia
Embora a poligamia fosse praticada durante algum tempo no AT, ela só poderia ser aceita pelos ímpios. Ela negava o principio do marido e a esposa serem uma única carne (Gn 2.24; Mt 19.5), e levou a muitos problemas conjugais. Tanto Abraão como Jacó sofreram muitas tristezas por causa disso (Gn 21.9ss.; 30.1-24), e Davi e Salomão se desviaram por causa de suas esposas pagãs (2 Sm 5.13; 1 Rs 11.1-3). Somente através da monogamia é possível evitar o ciúme dentro da família e ilustrar corretamente o relacionamento de CRISTO com o crente (Ef 5.23ss.).

Casamento e Divórcio
O divórcio sempre representou um grave problema. O ensino de CRISTO é encontrado em Mateus 5.31,32; 19.3-9; Marcos 10.2-12; Lucas 16.18. Ele revelou que era somente por causa da dureza do coração dos homens que Moisés permitiu (n"ao mandou) uma lei de divórcio e que isso poderia verdadeiramente levar ao adultério (Mt 19.8,9). O casamento só deve ser anulado por motivo de fornicação (Mt 5.31,32; 19.9). Isso significa que um divórcio somente deveria ser permitido quando houvesse uma relação sexual com outra pessoa que não fosse o cônjuge, antes do casamento (se fosse adultério seria depois do casamento, mas como é antes do casamento é prostituição ou fornicação - porneia).  Oséias perdoou e recebeu de volta a sua esposa adúltera porque a amava, assim corno DEUS está disposto a perdoar e receber de volta a sua adúltera nação de Israel (Os 2.1,2; 3.1ss.; 14.1-8).R.A.K
 
 
Gênesis - Comentário Adam Clarke
Gênesis 1.26 - Em nossa imagem, conforme a nossa semelhança que está dito acima se refere apenas ao corpo do homem, o que é dito aqui se refere a sua alma. Isto foi feito na imagem semelhança de DEUS. Agora, como o Ser Divino é infinito, ele não é limitado por partes, nem definível por paixões, por isso ele não pode ter imagem corporal depois que ele fez o corpo do homem. A imagem e semelhança se refere necessariamente ao ser intelectual, sua mente, sua alma que deve ter sido formado de acordo com a natureza e perfeições de DEUS. A mente humana é ainda dotada de capacidades extraordinárias, muito mais quando em comunhão com seu criador. DEUS agora produz um espírito, um espírito, também, formado com as perfeições da sua própria natureza. DEUS é a fonte donde esse espírito é emitido, portanto, o fluxo deve se parecer com a mola que o produziu.
DEUS é santo, justo, sábio, bom e perfeito, por isso deve ser o espírito e alma parecidos com ELE: não deveria haver na alma nada impuro, injusto, ignorante, mal, baixo, ou vil. Ele foi criado à imagem de DEUS, e essa imagem, nos diz o apóstolo Paulo, consistiu na justiça, a verdadeira santidade, e conhecimento, Efésios 4:24; Colossenses 3:10. Daí o homem deve ser sábio em sua mente, santo em seu coração, e justo em suas ações.
O texto nos diz que foi um trabalho de ELOHIM, a pluralidade divina, marcado aqui mais claramente pelo plural pronomes EUA e NOSSO, e para mostrar que ele era a obra-prima da criação de DEUS, todas as pessoas na Divindade são representadas como unidos em conselho e esforço para produzir essa criatura incrível.
Gregory Nyssen tem muito corretamente observou que a superioridade do homem sobre todas as outras partes da criação é vista no fato de que todas as outras criaturas são representadas como efeito da palavra de DEUS, mas o homem é representado como o trabalho de DEUS, de acordo com o plano e consideração. Veja suas Obras, vol. i, p. 52, c. 3.
 
Versículo 7. DEUS formou o homem do pó.
DEUS nos mostra que o homem é composto de três partes, tem um corpo e alma distintamente, e criadas separadamente, o corpo do pó da terra, a alma e o espírito vieram da respiração do próprio DEUS. Isso não quer dizer que a alma e o corpo são a mesma coisa? Não. O corpo tem sua origem a partir da terra, ou como aphar implica, da poeira, daí porque sendo terreno é decomponível e perecível.
Da alma é dito que DEUS soprou em suas narinas o fôlego da vida nishmath chaiyim, o sopro da vida. Isso implica em que o homem é animal e intelectual.
Quando este sopro de DEUS expandiu os pulmões do homem e os colocou em atividade, sua inspiração deu ao espírito a compreensão e revelação de DEUS.
 
Versículo 18. Não é bom que o homem esteja só...
lebaddo. Vou fazer-lhe uma ajudadora para o completarezer kenegdo, uma ajuda, uma parte de si mesmo, formada a partir dele mesmo, uma semelhança perfeita de sua pessoa. Se a palavra for lida literalmente, significa umcomo, ou como ele mesmo, de pé em frente a, ou dele. E isso implica que a mulher era para ser uma perfeita semelhança do homem, nem inferior e nem superior.
O homem foi feito uma criatura social, não seria bom que ele estivesse só, era preciso uma companheira matrimonial. Daí descobrimos que o celibato, em geral, não é uma coisa boa, pois DEUS deseja que o homem esteja ao lado de uma mulher. Os homens podem, em oposição à declaração de DEUS, chamar o celibato de um estado de excelência ou um estado de perfeição, mas devemos nos lembrar de que a palavra de DEUS diz o inverso.
 
Versículo 19. Havendo, pois, o Senhor DEUS formado da terra todo animal do campo e toda ave dos céus...
Apesar de haverem microscópicos seres, cada ser é perfeito em sua criação, equipados com todo o aparato de ossos, músculos, nervos, coração, artérias, veias, pulmões, vísceras, etc...
E Adão deu nome a todos os animais
1- DEUS parece ter tido em vista que o homem conhecesse detalhadamente cada animal e lhe desse nome para que soubesse depois os que poderia servirem de alimento para ele.
2- Para mostrar a ele que nenhuma criatura daquelas poderia servir para ser sua companheira.
Este duplo objetivo foi respondida logo veremos, pois,entendido por Adão:
1. Adão deu nomes, mas como? A partir de um profundo conhecimento da natureza e as propriedades de cada criatura. Aqui vemos a perfeição de seu conhecimento, pois é bem sabido que os nomes afixados os diferentes animais nas Escrituras sempre expressam alguma característica proeminente e característica essencial das criaturas em que são aplicados. Se ele não tivesse possuído um conhecimento intuitivo das propriedades e distinções desses animais, ele nunca poderia ter dado esses nomes. Esta circunstância é uma forte prova da perfeição original e excelência do homem, enquanto em um estado de inocência. Adão fez o trabalho de um Ser infinitamente sábio e perfeito, e o efeito deve se parecer com a causa que a produziu.
2. Adão estava convencido de que nenhuma dessas criaturas poderia vir a ser uma companheira adequada para ele, e que, portanto, ele deveria continuar no estado de viver só, o que não era bom, mas esperando a generosidade de seu Criador, pois entre todos os animais que ele tinha nomeado não havia encontrado uma ajudadora ou complementadora para ele.
 
Versículo 21. O Senhor DEUS fez cair pesado sono sobre o homem,
Este não era nem desmaio nem êxtase, mas o que a nossa tradução diz muito bem: um sono profundo (uma anestesia geral?).
 
E tomou uma das suas costelas
É irrelevante se tsela era uma costela, ou uma parte de seu lado, que significauma parte do homem era para ser usada na ocasião, se osso sou carne , não importa; embora seja provável, a partir do versículo 2:23 de Gênesis, que uma parte de Adão foi levada para ele saber como a mulher foi formada, pois ele disse, “esta é carne da minha carne osso dos meus ossos”. DEUS poderia ter formado a mulher do pó da terra, como ele tinha formado o homem, mas se ele tivesse feito isso, ela apareceria aos seus olhos como um ser distinto, com quem ele não tinha nenhuma relação natural. Mas, como DEUS formou-a de uma parte do próprio homem, ele viu que ela era da mesma natureza, mesma carne, idêntica a ele e tendo sangue como ele, e da mesma constituição em todos os aspectos e, consequentemente, teria poderes iguais, faculdades e direitos iguais. Isso asseguraria a sua afeição, e animaria a sua estima por ela.
 
Versículo 23. “disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos”...
Há um significado muito delicado e expressivo no original, que não aparece em nossa versão. Quando os diferentes gêneros de criaturas foram trazidos para Adão, que ele pode atribuir-lhes os seus nomes próprios, é provável que eles passassem em pares perante ele, e quando passaram receberam seus nomes.
Agora a frase é Zoth happaam, devemos prestar mais atenção a esta criatura que agora passa ou aparece diante de mim, é carne da minha carne, as criaturas que tinham passado antes dela não eram adequadas a ele e, portanto, foi dito, para o homem que não era uma ajudadora, uma companheira, uma esposa, Gênesis 2:20, mas quando a mulher passa, ela é formada a partir dele mesmo, ele sentiu toda a atração que consanguineamente poderia produzir essa visão, e ao mesmo tempo via que ela estava em sua pessoa e em sua mente, ela possuía todos os sentidos adequados para ser sua companheira, ajudadora, esposa. Veja Parkhurst.
 
Ela será chamada mulher
Uma versão literal do hebraico parece estranha, mas é uma versão literal e é a única correta: A palavra é ish e significa homem, e a palavra usada para expressar o que chamamos de mulher é a mesma com uma terminação feminina, ishshah, e significa, literalmente, ela formada a partir do homem. A maioria das versões antigas sentiu a força do termo, e têm-se esforçado para expressá-la da forma mais literal possível. O leitor inteligente não vai se arrepender de ver alguns deles aqui. A Vulgata Latina torna o hebraico virago, que é uma forma feminina de vir, de um homem. Símaco usa ανδπιρ, andris, uma forma feminina de ανηπ aner, um homem. Nosso próprio termo é igualmente adequado quando entendido. A verdade é que a tradução adequada e literal do original é, e podemos agradecer ao discernimento dos nossos ancestrais anglo-saxões para dar-lhe, de que mulher é uma contração que veio do homem, significa que a mulher foi gerada do homem, como se fosse de seu útero (se o tivesse), uma versão muito apropriada do hebraico ishshah. Daí, vemos a perspectiva de observação de Adão: Esta criatura é carne da minha carne e osso dos meus ossos, por isso deve ela ser chamada VENTRE-homem, ou homem versão feminina, porque foi tirada do varão. Veja Verstegan . Outros usam esposa do homem ou feminino do homem.
 
O versículo 24. Portanto o homem deixará seu pai e sua mãe.
Não haverá, por ordem de DEUS, uma ligação mais íntima formada entre o homem e a mulher, nem mesmo entre pais e filhos.
 
E eles serão uma só carne.
Estas palavras podem ser entendidas em um sentido duplo.
1. Estes dois serão uma só carne, deve ser considerado como um corpo, não tendo direitos separados ou privilégios, ou cuidados, ou preocupações, independentes. Esse é o casamento.
2. Estes dois serão para a produção de uma carne, de sua união uma posteridade brotará.
Nosso Senhor cita estas palavras, Mateus 19:5 , com alguma variação deste texto: Eles serão uma só carne . Em Marcos 10:8 . Paulo, da mesma forma em 1 Coríntios 6:16 , e em Efésios 5:31 . A Vulgata Latina, a Septuaginta, o siríaco, o árabe, e o samaritano, todos lemos a palavra DOIS porque esta é a leitura genuína sem dúvida. A palavra sheneyhem, eles dois ou ambos, foi, suponho, omitida na primeira versão do texto hebraico, por engano, porque ocorre três palavras depois no verso seguinte, ou, mais provavelmente, o que ocorreu originalmente em Gênesis 2:24, 25. Um copista após ter constatado que ele havia escrito duas vezes, na correção de sua cópia, retirou a palavra em Gênesis 2:24 , em vez de; 2:25 . Mas, qual a conseqüência é? Na controvérsia sobre a poligamia, houve uma conseqüência muito grande. Sem a palavra, alguns defenderam erradamente que um homem pode ter muitas esposas.
Um homem pode ter em união legal apenas uma esposa.
Temos aqui a primeira instituição do casamento, e vemos nele vários elementos dignos de nosso respeito e admiração.
1. DEUS pronuncia o estado do celibato como sendo um mau estado e o Senhor DEUS disse: “Não é bom que o homem esteja só”. Este é o julgamento de DEUS. Conselhos de pais, médicos, e sínodos, que tenham dado uma opinião diferente sobre tal assunto não são dignos de atenção. A palavra de DEUS permanece para sempre.
 
2. DEUS fez uma mulher para um homem, e, assim, ele nos mostrou que todo filho de Adão deve ser unido a uma filha de Eva até o fim do mundo. Veja Clarke em I Coríntios 7:3.
DEUS fez a mulher saindo de um homem, a insinuar que deve haver íntima união e apego carinhoso subsistindo na ligação matrimonial, de modo que o homem deve sempre considerar e tratar a mulher como uma parte de si mesmo, e como ninguém jamais odiou a sua própria carne, mas nutre e a sustenta, por isso deve sustentar e amar sua mulher como a si mesmo, e por outro lado, a mulher deve considerar que o homem não foi feito para ela, mas que ela foi feita para o homem, em submissão a DEUS, ela também deve estar para com ele nessa submissão, por isso a mulher deve reverenciar seu marido, Efésios 5:33 .
Gênesis 2:23,24 contém as próprias palavras da cerimônia de casamento: Esta é carne da minha carne, e osso de meu osso, por isso o homem deixará seu pai e sua mãe, e se unirá à sua mulher, e serão os dois uma só carne.
Quão feliz deve tal estado ser quando a instituição de DEUS é devidamente considerada, em ambas as partes que são casadas, como o apóstolo Paulo o expressa, no Senhor, onde cada um, pelos atos de terna bondade, vive apenas para satisfazer os desejos um do outro e contribuir de todas as maneiras possíveis para o conforto e a felicidade do outro! O casamento ainda pode ser o que era em sua instituição de origem, puro e adequado, e em seu primeiro exercício, carinhoso e feliz.
A realidade que vemos hoje nos casamentos é paixão, turbulência e irregularidades, e falta de religião. Perspectivas mundanas, originando e terminando no egoísmo e afetos terrenos, e não em fins espirituais, são as causas principais de quebra de alianças matrimoniais nos dias atuais. Como podem tais fontes de águas turvas e amargas produzirem águas puras e doces?
Gênesis - Comentário Adam Clarke
 
Gênesis a Deuteronômio - Comentário Bíblico Beacon - CPAD - O Livro de Gênesis - George Herbert Livingston, B.D., Ph.D.
7. O Dia dos Animais e do Homem (1.24-31)
Dando mais uma ordem: Produza a terra alma vivente (24), DEUS encheu a terra de criaturas: as bestas-feras da terra (os animais selvagens, 25), gado e... todo réptil que se move sobre a terra (26).
Mas este dia teria a coroação do ato criativo. A deidade, em deliberação, disse: Façamos o homem (26). Esta criatura tinha de ser diferente. DEUS disse que o homem tinha de ser feito à nossa imagem, tendo certa semelhança com a realidade, mas carecendo de plenitude. O homem devia ser conforme a nossa semelhança, tendo similitude geral com DEUS, mas não sendo uma duplicata exata. Não era para ele ser um pequeno DEUS, mas definitivamente tinha de estar relacionado com DEUS e ser o portador das características distintivas espirituais que o marcam exclusivamente como ser superior aos animais.
Em 1.26-30, encontramos “O Homem Feito à Imagem de DEUS”.
1) Um ser espiritual apto para a imortalidade, 26ab; 2) Um ser moral que tem a semelhança de DEUS, 27; 3). Um ser intelectual com a capacidade da razão e de governo, 26c,28-30 (G. B. Williamson).
Uma das marcas da imagem de DEUS foi Ele ter dado ao homem o status e o poder de governante. O direito de o homem dominar (28) ressalta o fato de que DEUS o equipou para agir como governante. A aptidão para governar implica em capacidade intelectual adequada para argumentar, organizar, planejar e avaliar. A aptidão para governar implica em capacidade emocional adequada para desejar o mais alto bem-estar dos súditos, apreciar e honrar o que é bom, verdadeiro e bonito, repugnar e repudiar o que é cruel, falso e feio, ter profunda preocupação pelo bem-estar de toda a natureza e amar a DEUS que o criou. A aptidão para governar implica em capacidade volitiva adequada para escolher fazer a toda hora o que é certo, obedecer ao mandamento de DEUS indiscutivelmente e sem demora, entregar alegremente todos os poderes a DEUS em adoração jovial e participar em uma comunhão saudável com a natureza e DEUS.
DEUS criou o homem para ser uma pessoa que tivesse autoconsciência, autodeterminação e santidade interior (Ec 7.29; Ef 4.24; Cl 3.10). A imagem foi distribuída sem distinção de macho e fêmea, tornando-os iguais diante de DEUS.
Como DEUS abençoou (22) o que previamente havia criado (21), assim DEUS outra vez abençoou (28) esta fase da sua obra. Incumbiu o homem com a responsabilidade de reproduzir-se e sujeitar à sua superintendência a terra e tudo que nela havia.
O ato de abençoar o gênero humano é de significado mais amplo que o de abençoar os animais (22). O homem é capaz de ter consciência dessa bênção e pode responder a ela. “Abençoar” em relação a um ser racional é ato de transmitir um senso da vontade de DEUS para o abençoado. Isto é especialmente significativo para o homem, pois a ordem de procriar coloca a aprovação de DEUS no ato de reprodução. Essencialmente, a relação homem-mulher na procriação é boa, está dentro da vontade de DEUS e é básica para o bem-estar deles.
No Antigo Testamento, há dois aspectos para o ato de conceder bênçãos. Da parte de DEUS, há o ato de um Ser superior concedendo favor a quem é dependente dele. Da parte do homem, há o retorno da gratidão ao Doador de dons (Gn 24.48; Dt 8.10).
Aspecto importante da bênção de DEUS era a concessão de poder e habilidade para sujeitar e dominar (28) os outros seres criados que habitam a terra. Mas era uma autoridade delegada, um governo subordinado, pelo qual o homem prestava contas a DEUS.
Presumimos que a responsabilidade de controlar a vida animal não acarreta o direito de abusar dela, caso contrário não teria sido bom.
DEUS concedeu ao homem o direito de usar os frutos da vida vegetal para comida (29). Isto não lhe deu o privilégio de explorar a natureza, deixando para trás estrago e desolação. O cuidado apropriado dos frutos da vida vegetal tem necessariamente de acarretar o cultivo (2.15) e a conservação dos recursos naturais.
O fato de os animais, sujeitos ao controle do homem, também se alimentarem de plantas, toda a erva verde (30), destaca ainda mais a responsabilidade que pesa sobre o homem. Ele é responsável por controlar a natureza de modo que a natureza supra as necessidades de todas as criaturas vivas e não só as necessidades do homem (ver 9.3 sobre a permissão de comer carne).
A morte de animais não é mencionada, embora não haja razão para presumir a ausência de morte animal antes da queda. O foco está na vida, na harmonia, na ordem e na aptidão de forma e função para o domicílio terrestre do homem.
Em 1.1-5, 26-31, vemos a “Criação pela Vontade Onipotente”, com a idéia central no versículo 1.1) Causa adequada, 1,2; 2) Desígnio evidente, 2-5; 3) Homem semelhante a DEUS, 26-30; 4) Concepção onisciente, 31 (G. B. Williamson).
Não há indicação clara de que a história no capítulo 2 tenha alguma parte na seqüência de tempo do aparecimento de plantas e animais. Pelo contrário, a atenção é focada no fato de que sem chuva e o cuidado vigilante do homem a terra era originariamente estéril. Por conseguinte, DEUS forneceu umidade e formou o homem para que as plantas que precisam de cultivo frutificassem.
Mais detalhes sobre a criação do homem são dados aqui que em 1.27. Em 2.7, o homem é apresentado como criatura da terra. Ele é formado do pó. Com profundo interesse, DEUS inalou vida no homem, ato que realça o fato de que a vitalidade do homem e a dinâmica interna vêm diretamente de DEUS. Qualquer outro objeto do afeto e esperança do homem é ilusão. Ele é feito para dois mundos; portanto, ser separado de DEUS é murchar como o fruto de uma videira cortada.
As duas expressões: o fôlego da vida (7, nishmat chayyim) e a alma vivente {nefesh chayyah) têm muito em comum. Ambas podem ser usadas para referir-se tanto a animais como ao homem. Fôlego (nishmat) está mais associado com o homem, mas é designado a animais em 7.22. Alma vivente se aplica a todos os tipos de animais em 1.20,21,24,30; 2.19; 9.12,15,16.
O termo hebraico nefesh tem conotação mais ampla que o termo nishmat. Ambos podem significar “respiração, fôlego, hálito”, mas nefesh também inclui estes significados: ser vivo, alma, vida, ego, pessoa, desejo, apetite, emoção e paixão. O homem é único. Ele é o que é, porque DEUS... soprou em seus narizes o fôlego da vida. DEUS nunca fez isso com um animal.
 
A Mulher que DEUS Formou (2.18-25)
Havia um aspecto da criação de DEUS que não estava totalmente satisfatório. O fato de o homem ainda estar só (18) não era bom. O isolamento é prejudicial. Por dedução, a relação social, ou seja, o companheirismo, é bom. Por conseguinte, DEUS determinou fornecer ao homem uma adjutora que esteja como diante dele, literalmente, uma ajudante que lhe correspondesse, alguém que fosse igual e adequada para ele. “Uma ajudante certa que o complete” (VBB). A Bíblia Confraternidade traduz: “Uma ajudante como ele mesmo”.
Considerando que não há formas de tempos verbais em hebraico, não se conclui necessariamente que DEUS formou os animais depois de ter formado o homem. Pode igualmente significar que depois que o homem foi colocado no jardim, os animais que DEUS previamente formara foram trazidos a Adão (19). A seqüência de tempo não é o item importante aqui.
Um aspecto da imagem de DEUS foi demonstrado pelo poder de Adão discernir a natureza de cada animal e dar um nome certo, pois em hebraico, nome e caráter coincidiam.
Quando Adão pôs os nomes (20), ele mesmo foi capaz de discernir que nenhum dos animais era uma adjutora que estivesse como diante dele. Ele, como também DEUS, tinha de saber disso para apreciar o que DEUS estava a ponto de fazer.
O sono pesado (21) é o tipo no qual os sentimentos ou capacidade emotiva deixam de funcionar normalmente. Ver Gênesis 15.12; Jó 4.13; 33.15, onde a frase está ligada com visões; e 1 Samuel 26.12 e Jonas 1.5, onde o termo não está relacionado com visões.
Ver também Isaías 29.10, onde a expressão sugere falta de sensibilidade espiritual. A costela (22) pode significar o osso e a carne que a envolve. E a parte do corpo mais próxima do coração, que para os hebreus era o lugar dos afetos. A mulher não foi feita de substância inferior.
Para acentuar a singularidade deste ato, é usado um verbo hebraico diferente (yiben), que significa “construir”, detalhe completamente perdido na palavra traduzida por formou.
DEUS trouxe-a a Adão para sua aprovação e avaliação. Assim, parte da história segue a seqüência dos dias criativos no capítulo 1, isto é, a decisão (18-20), o ato criativo (21,22) e a aprovação (23).
De imediato, Adão (23) viu a conveniência desta ajudante. Ela era parte íntima dele, osso dos meus ossos e carne da minha carne e, desta forma, adequada para ele. Mas ele também demonstrou sua posição de autoridade ao lhe dar um nome.
Com efeito, esta foi a instituição da relação matrimonial. Desde o princípio, DEUS quis que o casamento fosse exclusivo e íntimo. Não era simplesmente para a mulher agarrar-se ao homem como um apêndice. Para deixar clara a responsabilidade do homem, DEUS ordenou que o homem se apegasse à sua mulher (24) no compromisso mútuo da verdadeira união. O casamento tem de permanecer irrompível ao longo da vida, pois foi dito: E serão ambos uma carne, ou seja, uma identificação completa entre si. E nisto eles não se envergonhavam (25).
Gênesis a Deuteronômio - Comentário Bíblico Beacon - CPAD - O Livro de Gênesis - George Herbert Livingston, B.D., Ph.D.
 
 
Referências Bibliográficas (outras estão acima)
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.
Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
www.ebdweb.com.br - www.escoladominical.net - www.gospelbook.net - www.portalebd.org.br/
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/alianca.htm
GÊNESIS - Introdução e Comentário - REV. DEREK KIDNER, M. A. - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova ,Caixa Postal 21486, São Paulo - SP, 04602-970
Gênesis a Deuteronômio - Comentário Bíblico Beacon - CPAD - O Livro de Gênesis - George Herbert Livingston, B.D., Ph.D.
Revista CPAD - Lições Bíblicas - 1995 - 4º Trimestre - Gênesis, O Princípio de Todas as Coisas - Comentarista pastor Elienai Cabral
Gênesis - Comentário Adam Clarke
Revista CPAD - Lições Bíblicas - 1995 - 4º Trimestre - Gênesis, O Princípio de Todas as Coisas - Comentarista pastor Elienai Cabral
Revista CPAD - Lições Bíblicas 1942 - 1º trimestre de 1942 - A Mensagem do Livro de Gênesis - LIÇÃO 2 - 11/01/1942 – A CRIAÇÃO DO HOMEM - Adalberto Arraes 

 

Nenhum comentário: