quinta-feira, 30 de julho de 2015

Lição 5 - Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério 1 parte

Lição 5 - Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério 1 parte
3º trimestre de 2015 - A Igreja E O Seu Testemunho - As Ordenanças De CRISTO Nas Cartas Pastorais
Comentarista da CPAD: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
#Questionário
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
Veja http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao4-ldc-despenseirosdosmisteriosdedeus.htm
 
 
TEXTO ÁUREO"Mas o ESPÍRITO expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios." (1 Tm 4.1)
 

VERDADE PRÁTICAA apostasia e a infidelidade a DEUS são características marcantes dos tempos do fim.
 

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Mt 7.15 - O cuidado com os ensinos dos falsos profetas
Terça - Hb 3.12 - Que não haja em nós um coração infiel
Quarta - 1 Pe 2.2 - Desejando o "leite racional, não falsificado"
Quinta - 1 Pe 1.15 - Santos em toda a nossa maneira de viver
Sexta - Jr 48.10 - A maldição de se fazer a obra do Senhor relaxadamente
Sábado - Hb 12.14 - O cultivo da santificação na nossa vida diária
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Timóteo 4.1,2, 5-8; 12, 16.1 - Mas o ESPÍRITO expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios, 2 - pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência,
5 - porque, pela palavra de DEUS e pela oração, é santificada. 6 - Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de JESUS CRISTO, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido. 7 - Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas e exercita-te a ti mesmo em piedade. 8 - Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir.
12 - Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. 16 - Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.
 
OBJETIVO GERALMostrar que a apostasia e a infidelidade a DEUS são características do tempo do fim.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico.
Tratar a respeito da apostasia dos homens.
Compreender que o bom ministro deve ser fiel ao Senhor.
Refletir a respeito da diligência no ministério.
 
INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Na lição de hoje estudaremos a respeito da apostasia, fidelidade e diligência no ministério cristão. O termo apostasia vem do grego apostásis e significa o abandono premeditado e consciente da fé cristã. O pastor, não pode se calar diante da apostasia do nosso tempo. É preciso confrontar as pessoas mediante o ensino das Escrituras Sagradas. Paulo foi incisivo ao orientar Timóteo para que ele doutrinasse a igreja a fim de que os membros não fossem seduzidos pelos falsos ensinos, apostando da fé. Atualmente, por falta de ensino, muitos estão abandonando a fé genuína em JESUS CRISTO, caindo nas garras do Inimigo. Para combater a apostasia, a liderança precisa investir no ensino bíblico. JESUS certa vez, declarou: "Errais não conhecendo as Escrituras" (Mt 22.29).
 
PONTO CENTRAL
Na atualidade, muitos estão apostatando da fé genuína em JESUS CRISTO por falta de ensino das Sagradas Escrituras.
 
Resumo da Lição 5 - Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério
I - A APOSTASIA DOS HOMENS
1. A apostasia. 
.
2. Doutrinas de demônios (v.1).
3. Espíritos enganadores.
II - A FIDELIDADE DOS MINISTROS
1. O bom ministro (v. 6).
2. Rejeitando as fábulas profanas.
3. O exercício físico e a piedade (v. 8).
III - A DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO
1. O ensino prescritivo.
2. O exemplo dos fiéis (v. 12).
3. O cuidado que o ministro deve ter com o aprendizado.
 
SÍNTESE DO TÓPICO I - Paulo advertiu a Timóteo para que ele combatesse os falsos mestres e seus ensinos que levavam as ovelhas à apostasia.
SÍNTESE DO TÓPICO II - A fidelidade do ministro no ensino da Palavra de DEUS e no combate as heresias.
SÍNTESE DO TÓPICO III - O ministro de DEUS deve ser diligente quanto ao aprendizado da Palavra de DEUS.
(O líder da seita Crescendo em Graça, José Luís de Jesús Miranda, autointitulado “JESUS CRISTO Homem”, faleceu na terça-feira, 13 de agosto de 2015, de acordo com informações do site Secretos de Impacto- adotava 666
como número perfeito - morreu após se declarar imortal).
 
CONHEÇA MAIS
*Consciência cauterizada” (1 Tm 4.2)
“A consciência é o sentimento moral do ser humano. Ela nos condena quando optamos em fazer o que sabemos ser errado. Sobre isso, Paulo sugere que o tecido de uma cicatriz se formará sobre a consciência quando esta for violada de maneira persistente. Nesse caso, a pessoa pode não mais se sentir culpada, mas, sem dúvida, o será”. Leia mais em Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p. 836.
 
PARA REFLETIR - A respeito das Cartas Pastorais:Como DEUS vê a apostasia?
Como um adultério espiritual.
Segundo a lição, qual doutrina maligna que vem se tornando comum nos dias atuais?
A desvalorização do casamento hetero.
Quem é o bom ministro?
O bom ministro é aquele que serve a igreja, exortando, ensinando e discipulando suas ovelhas.
De acordo com a lição, o que o bom ministro precisa fazer constantemente?
Ele precisa estudar a Palavra de DEUS, ler bons livros e estar sempre aprendendo.
Qual o sentido da palavra "ensinar" no versículo 13?
O vocábulo ensinar tem o sentido de instruir doutrinariamente na verdade.
 
CONSULTE Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 63, p. 39. . Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição. São artigos que buscam expandir certos assuntos.
 
SUGESTÃO DE LEITURA
Reflexões para um Ministério Eficaz, Como Tornar-se uma Pessoa de Influência e A Excelência do Ministério
 
Comentários de vários autores com algumas modificações do Ev. Luiz Henrique
 A seita sincrética do século 2° (ver pp. 30-31), na qual a profecia se cumpriu em parte, era o gnosticismo, o qual elevava a gnosis, ou seja, o conhecimento, a uma posição de proeminência acima da pistis, ou seja, a fé.
Isso acontece em nossos dias. O intelectual sendo colocado acima do espiritual. A sabedoria humana colocada em posição de superioridade à sabedoria divina.
Um braço do gnosticismo era combatido por Paulo - o de ensinar que o corpo era totalmente mal e deveria ser escravizado e colocado em prisão (embora mais para frente Paulo combata os dois tipos).
Outro braço do gnosticismo era combatido por João, Pedro e Judas - o de ensinar que não importava para a salvação o comportamento do corpo que deveria ser destruído com a total liberação do mesmo a toda sorte de carnalidade.
Isso acontece hoje em igrejas que não ensinam a doutrina da santificação no corpo, na alma e no espírito. Crentes que se vestem como o mundo, se alimentam como o mundo e se divertem como o mundo, nada fazendo com respeito à santificação do corpo.
Justamente como um jovem se desvencilha de todo e qualquer obstáculo ou peso para exercitar-se mais livremente, assim também você deve desvencilhar-se de tudo quanto prejudique seu progresso espiritual. O exercício espiritual deve ser visto como algo que agrada a DEUS e que nos concede coisas superiores às terrenas e humanas.
Oração é um exercício espiritual. Estudo da bíblia é um exercício espiritual. Evangelizar, ganhar almas, lutar contra satanás e seus demônios, são excelentes exercícios espirituais.
O jejum por motivo estético ou por motivo de merecer alguma coisa de DEUS é condenado por DEUS. Não passa de desejo carnal no primeiro caso e de uma obra morta no segundo caso. O jejum deve ser praticado pelo crente como "domador" do corpo e como esvaziamento dos desejos carnais para enchimento do Espírito. Para ser cheio o vaso precisa estar vazio (Lc 5.37,38; Ef 5.18).
 
Homem natural, ou espiritual ou carnal. Carnal é o que já foi natural, passou a ser espiritual e agora é carnal. É uma escolha. Apostatou da fé que o tornara espiritual. Os gálatas fizeram isso. Eram naturais, passaram a ser espirituais quando se converteram e agora eram judaizantes, passaram a guardar a lei. Apostataram da legitima fé.
Hebreus: 6. 4. Porque é impossível que os que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, 5. e provaram a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouro, 6. e depois caíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; visto que, quanto a eles, estão crucificando de novo o Filho de Deus, e o expondo ao vitupério. 7. Pois a terra que embebe a chuva, que cai muitas vezes sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção da parte de Deus; 8. mas se produz espinhos e abrolhos, é rejeitada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada.
Justificação pela lei, merecimento da salvação por causa de jejum e vida separada da sociedade, destruição do corpo ou libertinagem para destruição do corpo como instrumento do mal. Tudo isso é doutrina de demônios.
Vida cristã sem mudança de vida, descrédito e irreverência para com as coisas espirituais, também são doutrinas se demônios. Feminismo, pedofilismo, homossexualismo, lesbianismo. Também são doutrinas se demônios.
EXEMPLO PARA OS FIÉIS - BOAS OBRAS são resultado de uma vida consagrada a DEUS - Atos dos Apóstolos: 20.35. Em tudo vos dei o exemplo de que assim trabalhando, é necessário socorrer os enfermos, recordando as palavras do Senhor Jesus, porquanto ele mesmo disse: Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber.
Tito: 2. 7. Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra integridade, sobriedade, 8. linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se confunda, não tendo nenhum mal que dizer de nós. 9. Exorta os servos a que sejam submissos a seus senhores em tudo, sendo-lhes agradáveis, não os contradizendo 10. nem defraudando, antes mostrando perfeita lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus nosso Salvador.
1 Timóteo: 4. 12. Ninguém despreze a tua mocidade, mas sê um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza. 13. até que eu vá, aplica-te à leitura, à exortação, e ao ensino. 14. Não negligencies o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbítero. 15. Ocupa-te destas coisas, dedica-te inteiramente a elas, para que o teu progresso seja manifesto a todos. 16. Tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.
Tiago: 5. 10. Irmãos, tomai como exemplo de sofrimento e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor.
SEJA EXEMPLO NA FÉ, NA COMUNHÃO COM DEUS, NO SOFRIMENTO PELO EVANGELHO, NAS BOAS OBRAS.
 
Timóteo foi incumbido de ler e ensinara a Palavra de DEUS. Essa é nossa tarefa, ler e ensinar de modo que as pessoas compreendam com facilidade. Para isso necessitamos da unção do ESPÍRITO SANTO.
 
UMA ADVERTÊNCIA CONTRA O FALSO ASCETISMO. 4:1-5. - A PRIMEIRA EPÍSTOLA A TIMÓTEO - J. N. D. Kelly - Novo Testamento - Vida Nova - Série Cultura Cristã.
Depois da sua breve digressão, louvando o mistério cristão, Paulo dirige sua atenção mais uma vez aos mestres do erro, sendo que quase nem sequer tocou no caso deles desde o cap.1. Que um ataque haveria de ser lançado foi sugerido indiretamente em 3:15, com sua menção do comportamento correto na congregação cristã. Desta vez, fixa sua atenção nos conselhos práticos dos heréticos, com sua tendência a favor de um asceticismo basicamente não cristão, e contrasta com ele o tipo autenticamente cristão da autodisciplina.
1. Tais falsos ensinos poderiam ser um problema para a Igreja, se não fosse o caso de ter sido advertida de antemão: Ora, o ESPÍRITO afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé.
É, naturalmente, impossível identificar a profecia. Os críticos que negam a autoria paulina às vezes alegam que o escritor está pensando na predição de advertência feita pelo próprio Paulo diante dos presbíteros de Éfeso (At 20:29-30), mas mesmo conforme as pressuposições deles, tal coisa é desnecessária. A crença de que o falso ensino, que teria como resultado a apostasia, teria sido levada em conta no período em que a Parousia estava profundamente embutida no pensamento cristão primitivo. Temos exemplos no dito do Senhor registrado em Mc 13:22 e em 2 Ts 2:3, 11-12; cf. também 2 Tm 3:1 ss. A seita de Cunrã, segundo parece, participava do ponto de vista de que “no fim dos dias” surgiriam blasfemadores (ver Comentário sobre Habacuque 2:5-6). Passagens tais como Atos 11:27-28; 13:1-2; 1 Co 14 dão ilustrações da maneira segundo a qual o ESPÍRITO transmitia Suas advertências à comunidade. Para a fé no sentido objetivo, ver 3:9. O desvio, ou a apostasia, foi profetizado para os últimos tempos. A expressão é equivalente de “nos últimos (Gr. eschatais: aqui husterois) dias” em 2 Tm 3:1. O fato de que esta época crítica é considerada igual ao tempo presente indica que a esperança da Parousia iminente ainda está viva. A falha dos apóstatas, Paulo explica, é devida a obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios; noutras palavras, detecta nela os estratagemas maléficos de Satanás e seus aliados, assim como discernira sua influência operante na oposição em Corinto (2 Co 2:11) e, de modo mais geral, na resistência que os homens opõem à verdade (2 Co 4:4; Ef 2:2). Estes demônios, no entanto, empregam agentes humanos; logo, a apostasia é realizada pela hipocrisia dos que falam mentiras, e que têm cauterizada a própria consciência. Estes são, naturalmente, os próprios falsos mestres, que, portanto, são descritos como os que falam mentiras. Ao acusá-los à hipocrisia Paulo está insinuando que seu ar de devoção e de rigor ético é apenas uma máscara ilusória. Além disto, são pessoas que estão a serviço de Satanás, e, como conseqüência, têm sua consciência ferreteada com a marca que indica que ele é dono deles. O verbo empregado (Gr. kaustêriazein: em nenhuma outra parte da Bíblia) significa “ferretear com um ferro quente.” Uma interpretação alternativa possível é que sua consciência foi cauterizada, i.é, tomada insensível à distinção entre o certo e o errado. Isto concordaria com a descrição de Paulo (Ef 4:19) dos pagãos que não têm conhecimento de CRISTO “mortos a todo o sentimento” (“insensíveis,” ARA). É difícil ter certeza qual é certo, mas as marcas do ferrete que indicavam o direito do dono eram ferreteadas na testa dos escravos, e esta ideia talvez harmonize melhor com a sugestão de que os mestres do erro são os instrumentos dos poderes demoníacos.
3. Paulo agora passa a definir um aspecto específico da doutrina deles: os mestres do erro proíbem o casamento, exigem abstinência de alimentos. . . (não há exigem no original: o infinitivo “abster” é ligado a proíbem por zeugma). No que diz respeito ao primeiro aspecto, a proibição do casamento, bem como do sexo de modo geral, era um traço nitidamente gnóstico, e passou para o primeiro plano nos grandes sistemas gnósticos do século II. Era baseado no dualismo que fazia parte integrante do gnosticismo, sendo que o princípio era que a matéria, inclusive o corpo humano e suas funções, era má, e que o homem religioso devia fazer o máximo que podia para viver emancipado dela. Tais idéias eram estranhas ao judaísmo de modo geral, embora Josefo relate {Bell. Iud. ii.8.2) que os essênios faziam pouco caso do casamento. Este fato tem tentado muitos a identificarem os hereges como gnósticos propriamente ditos, mas fazer assim é olvidar o fundo histórico judaico do seu ensino, e o fato de que todos os aspectos principais do gnosticismo desenvolvido estão ausentes dele (ver a Introdução, págs. 18—20). Há evidência de uma atitude negativa para com o sexo, não talvez tão radical como esta, na igreja de Corinto (1 Co 7:lss.;esp. 36ss.), e Paulo já tratara disto conforme seu modo sensato. O que temos aqui não é tanto um gnosticismo total quanto uma tendência incipiente naquela direção, manifestada por judeus convertidos num ambiente sincretista. Pode ser notado que Paulo, embora implicitamente a condene, não a refuta por argumento. A explicação provavelmente é que já deixara abundantemente claros seus conceitos da naturalidade e da propriedade do casamento no seu tratamento das qualidades requeridas nos detentores de cargos. Produz um argumento arrazoado, no entanto, contra os regulamentos hereges. A natureza exata da abstinência exigida não fica clara, embora talvez possamos deduzir de 5:23 que envolvia a abstinência do álcool, ao passo que Tt 1:10 ss. sugere que tivesse alguma conexão com as proibições alimentárias rituais judaicas. O vegetarianismo rigoroso discutido em Rm 14:1 ss. fornece um paralelo instruidor. Como naquela passagem, provavelmente estejamos justificados aqui em inferir uma fusão de elementos gnósticos e judaicos, embora pareça que Paulo está subentendendo que as proibições em Éfeso fossem baseadas num dualismo mais explícito que estigmatizava a matéria como sendo maligna. Talvez seja esta a razão da veemência do seu ataque aqui, em contraste, por exemplo, com sua relativa brandura em Rm 14:1 ss. Reconhece que o ascetismo que tira sua força motriz do dualismo pressupõe a salvação mediante os esforços do próprio homem, além de violar a doutrina da criação exposta em Gn 1 (“E viu DEUS que isso era bom”) e retomada em Eclo. 39:16, 25-27). À luz disto, argumenta que DEUS criou estes alimentos que eles proíbem, com o objetivo específico de serem recebidos, com ações de graça, pelos fiéis e por quantos conhecem plenamente a verdade. A insistência nas ações de graça ecoa o ensino de Paulo em Rm 14:6; 1 Co 10:30; Fp 4:6; ver abaixo sobre o versículo seguinte. As palavras são enfáticas e devem ser ligadas estreitamente com aquilo que se segue: o cristão que crê e que entrou na plenitude da revelação de DEUS (para a verdade como equivalente, nas Pastorais, ao evangelho cristão integral, ver sobre 2:4) tem uma razão especial para reconhecer com gratidão que todas as coisas materiais vêm da parte dEle.
4. O grande princípio que abole todas as leis alimentícias e os tabus sobre dieta passa agora a ser exposto: Pois tudo que DEUS criou é bom. Já tinha sido enunciado, no contexto de uma discussão de regulamentos rituais judaicos, pelo próprio CRISTO (Mc 7:19). Seu corolário inescapável é que nada é recusável, sendo que a única condição prévia é que seja recebido com ações de graça. Paulo está se referindo, não à gratidão em geral, mas, sim, à gratidão expressada nas ações de graças às refeições: cf. e.g., 1 Co 10:30. No judaísmo, fazer as orações às refeições não era considerado mera formalidade, e os evangelhos relatam como JESUS sempre bendizia a DEUS antes de uma refeição, e proferia ações de graças depois dela (e.g. Mc 6:41; 8:6; 14:22-23; Lc 24:30). As passagens alistadas no parágrafo anterior ilustram a importância, aos olhos de Paulo, de render ações de graças.
5. As palavras seguintes, porque pela palavra de DEUS, e pela oração, é santificado, visam contrabalançar os escrúpulos de quem talvez esteja em dúvida. Por mais comum ou impura que uma certa forma de comida possa ser convencionalmente considerada, o fato de que bendissemos a DEUS por ela, do fundo do nosso coração, reconhecendo, assim, que é Seu dom para nós, deve fazer com que seja certo aos olhos até mesmo dos mais escrupulosos. A frase não alega que uma santificação adicional, além e por cima da sua bondade intrínseca como criatura de DEUS, é transmitida ao alimento ao proferir ações de graças. O que declara é que a oração de gratidão coloca o alimento na sua perspectiva verdadeira, e, dessa maneira, capacita-nos a considerá-lo sagrado. Não devemos entender com pela palavra de DEUS, conforme alguns propõem, a palavra criadora de DEUS, como se a santificação tivesse uma fonte dupla: a palavra divina mediante a qual o alimento veio a existir, é a oração humana. A frase inteira, conforme indica porque, visa explicar recebido com ações de graça. Corretamente interpretadas, portanto, a palavra de DEUS e oração devem ser lidas em estreita conexão, como expressão de uma única ideia; a última é a oração de bênção e ações de graças propriamente dita, e a primeira diz respeito aos trechos da Escritura que, segundo o costume judaico, formavam seu conteúdo.
 
A ATITUDE POSITIVA ESPERADA DE TIMÓTEO. 4:6-16.
Paulo agora se dirige a Timóteo pessoalmente, e explica como deve cumprir as tarefas esboçadas e, em especial, como lidar com o falso ensino. O conselho é quase totalmente construtivo. Nenhuma tentativa é feita de denunciar ou refutar; toda a ênfase é colocada no dever de Timóteo de fazer-se um modelo para seu rebanho. Ao colocar diante deles um exemplo da fé, devoção e conduta cristãs, desviará a atenção deles da heresia, e, ao mesmo tempo, poderá dar vazão plena e frutífera ao dotamento espiritual que possui em virtude da sua ordenação.
6. Timóteo deve expor estas coisas aos irmãos. O verbo usado (Gr. hupotithesthai) não contém nenhuma nota de autoridade ou mandamento peremptório. Conforme observa João Crisóstomo:
“Não escreveu ‘ordenando,’ não escreveu ‘instruindo,’ mas, sim, ‘sugerindo,’ ou seja: como se desse conselho,” As “sugestões” (estas coisas) são os princípios resumidos em 1-5 e reafirmados em termos mais gerais em 7-10 abaixo. Os membros da igreja de Éfeso são chamados irmãos, palavra esta em que o sentimento de pertencer a uma família ainda fica vivo (cf. 5:1; 6:2; 2 Tm 4:21). Ao agir assim, Timóteo se comprovará bom ministro de CRISTO JESUS. O Grego para ministro (diakonos) é o mesmo de “diácono;” embora a palavra estivesse passando pelo processo de tomar-se especializada (ver 3:8), ainda retinha seu significado mais geral (e.g. 1 Co 3:5; 2 Co 11:23), e pode ser aplicada a qualquer apóstolo ou homem apostólico realizando a obra de CRISTO. A realização eficaz deste ministério, no entanto, pressupõe que ele está alimentado com as palavras da fé e da boa doutrina que tem seguido, i.é, estudado com diligência e praticado com perseverança. O particípio está no tempo presente (lit. “nutrindo-te com”), e sugere que alimentar-se com as verdades do evangelho deve ser a tarefa diária de Timóteo. Para a metáfora da comida ou da bebida aplicada ao ensino cristão, cf. 1 Co 3:2. Mais uma vez (ver 3:9) a fé representa a fé cristã objetivamente considerada; doutrina (Gr. didaskalia), também como em 1:10; 6:1, 3; possivelmente 2 Tm 3:10; 4:3; Tt 1:9; 2:1, 10, tem o sentido de o corpo objetivo do ensino cristão. Os críticos que consideram as cartas pseudonímicas interpretam a passagem no sentido de aconselhar a leal aderência à tradição paulina, agora canonizada e considerada como a versão autêntica do evangelho. Não há dificuldade, no entanto, em entender a palavra no seu sentido natural como um indício de que a melhor refutação do erro acha-se numa apresentação positiva da fé cristã.
7. Em antítese direta às palavras da fé, etc., há aquelas fábulas profanas e de velhinhas caducas que os hereges mascateiam para apoiar seu ascetismo mal-orientado bem como seus demais erros.
Para fábulas ver 1:4. Timóteo “nada deve ter a ver” com estas. São profanas (Gr. bebêlos), palavra esta que conota aquilo que é radicalmente separado daquilo que é santo, e oposto a ele; Paulo a usa nas Pastorais (cf. 1:9; 6:20; 2 Tm 2:16) para sugerir que o ensino dos hereges não tem base ou conteúdo religioso real. A realidade, só servem para velhas supersticiosas (Gr. graõdeis: um epíteto sarcástico que era frequente na polêmica filosófica e que transmite a ideia de credulidade ilimitada). Ao invés de atentar a tais estultícias, Timóteo deve Exercitar- se pessoalmente na piedade (Gr. eusebeia: ver 2:2), de maneira que possa crescer no cristianismo verdadeiro. A comparação entre a vida cristã e o exercido atlético ou o esporte é, naturalmente, uma das favoritas de Paulo: cf. esp. 1 Co 9:24-27. Sua escolha dela é induzida pelo pensamento de que, assim como os sectários se sujeitavam a formas mal pensadas de autodisciplina física, assim também há uma autodisciplina genuinamente cristã que Timóteo deve praticar. Consiste, porém, não em formas desnaturadas de abstinência, mas, sim, podemos supor, no controle-próprio geral, na devoção contínua à tradição do evangelho, e talvez mais do que tudo (conforme sugere 4:10), na aceitação com bom grado da cruz de sofrimento que todos os cristãos devem esperar.
8. O objetivo de Timóteo, conforme Paulo acaba de defini-lo, deve ser, não a subjugação meramente negativa da sua natureza física, mas, sim, o progresso na “religião sadia” (piedade). Apoiando esta ideia, dita o que parece, pela sua harmonia, ser um refrão proverbial: “Pois o exercido físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa.” Conforme era originalmente formulado, este apotegma deve ter sido dirigido contra o treinamento excessivo de atletas, que, segundo sabemos, era assunto de fortes críticas nos círculos estoicos e cínicos. Na presente passagem, naturalmente, o treinamento atlético como tal não está sendo discutido, e uma referência a ele é rigorosamente irrelevante. Paulo introduz a citação (a) por causa da justaposição de Exercitar (uma metáfora do atletismo) e piedade na frase anterior, que a sugerem; (b) porque a alusão à piedade com que a citação termina, comprova admiravelmente o valor do conselho que acaba de dar a Timóteo; e (c) porque a frase exercício físico, com sua falta completa de implicações, impressiona-o como uma caricatura apropriada para descrever a autodisciplina exclusivamente física praticada pelos sectários.
De modo geral, esta parece ser a maneira mais satisfatória de entender esta passagem difícil. Alguns propuseram que tanto "exercita-te" (Gr. gumnaze) no v. 7 e exercício físico (Gr. sõmatikè gumnasia) no presente versículo devam ser entendidos metaforicamente como referência à auto-mortificação ascética. Segundo esta interpretação, os dois versículos poderiam ser parafraseados: “Ocupa-te, sem dúvida, na mortificação do corpo, mas ao assim fazer seja seu alvo o progresso na religião verdadeira, e não meramente a subjugação dos seus impulsos naturais. Semelhante ascetismo exclusivamente físico tem seu lugar limitado na vida cristã, mas só a religião sadia em si mesma leva para a salvação.” Esta interpretação tem a vantagem de deixar de lado a alusão desajeitada e, à primeira vista, sem razão de ser, ao atletismo. Além disto, obtém apoio doutras passagens no N.T. onde a abnegação e o ascetismo por finalidades rigorosamente cristãs são encorajados (Mc 9:29; 1 Co 7:5; 8:13; 9:27). É duvidoso, no entanto, se as palavras gregas gumnaze e gumnasia possam, sem qualificação, suportar o significado requerido; e, além disto, parece incrível que, depois de denunciar o ascetismo dos sectários como sendo diabólico, Paulo acabasse reconhecendo que a mortificação física tem um valor limitado. As palavras finais, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser, definem as bênçãos que o homem que se dedica à piedade pode esperar. Parecem ecoar as palavras de nosso Senhor registrada na tradição dos Evangelhos que oferecem exatamente esta recompensa àqueles que renunciam a tudo por amor a Ele (Mt 19:29; Mc 10:30; Lc 18:30). Para a mesma promessa, cf. Tt 1:2. Podemos resumir a lição de Paulo ao dizer que a piedade (i.é, eusebeia) cristã verdadeira não envolve o ascetismo físico como um elemento necessário; onde é praticado, deve haver um propósito mais alto em mira, como nas passagens alistadas no parágrafo anterior. O cristianismo verdadeiro consiste, pelo contrário, em submissão sempre renovada ao controle do ESPÍRITO, com a aceitação bem disposta da labuta e do sofrimento (ver v. 10 abaixo) e a prática daquelas virtudes que são o fruto do ESPÍRITO. A vida eterna, tanto neste mundo quanto no mundo vindouro, é a coroa que pode ser esperada por aqueles que entram em semelhante caminho.
9. Se a primeira metade da frase é, conforme é proposto supra, um refrão corrente que critica o atletismo excessivo, que Paulo adotou para os propósitos dele, estas palavras finais acerca da promessa da vida não podem, naturalmente, ter formado parte dele. Devem ter sido acrescentadas de passagem pelo próprio Apóstolo, ou talvez tenham estado presentes na adaptação cristã do apotegma que ele cita. Elas, também, têm uma qualidade proverbial e, conforme vimos, cristalizam idéias acerca do galardão eterno do cristão fiel, idéias estas que derivam do ensino do nosso Senhor em pessoa. Paulo está quase certamente fazendo referência a elas quando interpõe: Fiel é a palavra e digna de inteira aceitação. Para a fórmula, ver 1:15. A segunda metade do v. 8 tem a qualidade epigramática bem como o peso da relevância cristã que procuramos numa das “palavras fiéis ” é fácil entender como a menção da promessa da vida induziu Paulo a fazer este comentário.
10. Depois da sua breve exclamação, resume o fio da meada, e as palavras seguintes: Ora, é para esse fim, relembram a promessa da vida eterna mencionada de leve no v. 8. É com o objetivo de obter aquela vida bendita, declara o Apóstolo, que labutamos e nos esforçamos sobremodo (cf. Cl 1:29: “para isso é que eu também me afadigo, esforçando- me o mais possível”). Certo número de MSS substituem “sofremos opróbrio” (Gr. oneidizometha) onde se lê: nos esforçamos sobremodo, e este muito bem pode ser o texto correto, tendo sido substituído por nos esforçamos sobremodo sob a influência de Cl 1:29; mas o texto tradicional tem o apoio mais maciço e se encaixa melhor no contexto. Paulo está continuando sua metáfora atlética (cf. esp. 1 Co 9:25, onde fala de correr para alcançar uma coroa que não murchará), mas seu interesse transferiu-se da luta espiritual de Timóteo para alcançar a piedade, para a labuta e esbofeteamento que ele e seus associados têm de aguentar (e aguentar com bom ânimo) nos seus esforços para propagar ó evangelho.
Se puderem suportar tudo isto com confiança e sem esmorecer, é porque temos posto a nossa esperança no DEUS vivo. Paulo a escolhe aqui porque DEUS, sendo Ele mesmo vivo e a fonte da vida, pode conferir a vida aos outros e, portanto, pode-se confiar nEle para cumprir a promessa do v. 8.
O perfeito do verbo temos posto a nossa esperança (cf. 1 Co 15:19; e 2 Co 1:10) deve ser notado; subentende um estado contínuo de esperança, não apenas um ato único. E outra base da nossa confiança é o conhecimento de que DEUS é Salvador de todos os homens, especialmente dos fiéis (ou: “dos que têm fé”).
A declaração, que significa muito mais do que DEUS é Preservador (D. Guthrie), repete o pensamento de 2:4, onde é afirmado que a vontade de DEUS é a salvação de todos os homens.  Ao acrescentar: especialmente dos fiéis, Paulo sem dúvida está dando expressão à sua convicção de que a certeza da salvação pertence em grau especial àqueles que aceitaram a CRISTO: cf. Rm 8:29, onde declara que é para os que amam a DEUS e que são chamados conforme Seu propósito que todas as coisas cooperam para o bem. Mesmo assim, conforme nos relembra o advérbio especialmente, não está negando que outros possam obter a salvação. Seu objetivo principal nesta passagem, no entanto, não é discutir as questões profundas da predestinação e da graça, mas, sim, meramente tornar claro além de toda a dúvida que os que fazem um esforço genuíno para praticar a eusebeia (piedade) e viver uma vida plenamente cristã, colocando sua esperança no DEUS vivo, não ficarão decepcionados.
11,12. O conselho de Paulo, começando com as palavras peremptórias Ordena e ensina estas coisas, agora assume um tom extremamente pessoal enquanto encoraja seu representante a asseverar-se com vigor. O verbo Ordena é enfático, com implicações militares, e dá a entender que Timóteo deve falar de modo autorativo: ver sobre 1:3. Devemos inferir que o Apóstolo estava preocupado com a timidez de Timóteo, e que este último não se sentia muito seguro em ter que firmar-se sobre seus próprios pés. Como tal, a passagem é extremamente vívida, e confirma a impressão deixada por 1 Co 16:10-11 de que era uma pessoa temerosa de quem os outros tendiam a tirar vantagem. Aqueles que consideram a carta pseudonímica devem pressupor que o autor deliberadamente acrescentou estes toques pessoais para criar um ar de verossimilhança. Segundo o ponto de vista deles, suas instruções, embora fossem aparentemente dirigidas a Timóteo, realmente visam todos os jovens que talvez sejam chamados a cargos de semelhante responsabilidade na igreja. Esta explicação ilustra uma das dificuldades da teoria da pseudonimidade. Não é fácil perceber por que um escritor posterior tivesse escolhido os jovens para conselhos deste tipo, e muito menos por que imaginaria que jovens teriam a probabilidade de ocupar posições de responsabilidade tão incomum na congregação local. Do outro lado, a ênfase dada à juventude e timidez do endereçado é inteiramente natural se supusermos que é Paulo quem está escrevendo para Timóteo. Com estas coisas Paulo não tem em vista instruções específicas; está pensando em todos os conselhos dados na carta até aquela altura. Sua observação seguinte: “Que ninguém te menospreze porque és jovem” (lit. Ninguém despreze a tua mocidade), embora, naturalmente, visasse ser um encorajamento ao próprio Timóteo, também visava produzir um efeito salutar na congregação de Éfeso em geral. A data em que a carta a Timóteo foi escrita, este, que não teria nascido antes do ano 30 d.C., provavelmente não passara dos 35 anos. Segundo o uso antigo, a descrição “jovem” (Gr. neos, etc.) podia ser aplicada a um adulto de idade militar. Políbio (xviii.12.5) fala de Flamínio como sendo “jovem” porque tinha apenas trinta anos, e Irineu (Haer. ii. 22.5) explicitamente declara que alguém pode corretamente ser chamado de “jovem” até quarenta anos de idade. Relembramos que Lucas designa Paulo como jovem na ocasião da morte de Estêvão, quando deve ter tido cerca de trinta anos (At. 7:58). Como homem muito mais velho, provavelmente acima de sessenta anos, Paulo, portanto, tinha toda razão em dirigir-se a Timóteo desta maneira. Além disso, se a situação é histórica, um bom número dos membros da comunidade de Éfeso, inclusive, sem dúvida, alguns dos presbíteros, devem ter tido bastante mais idade do que Timóteo, e é muito provável se irritassem em receber preleções de um oficial tão relativamente jovem, e em ter sua conduta pautada por ele, quanto mais se ele não tinha uma personalidade forte e de auto-asseveração. Para contrabalançar a desvantagem da mocidade, Timóteo é convidado a tomar-se padrão dos fiéis. Este é um toque verdadeiramente paulino; o Apóstolo esperava que o líder cristão fosse um modelo aos outros (Fp 3:17; 2 Ts 3:9). São mencionadas cinco esferas em que é importante que ele assim fizesse. Primeiramente, na palavra se refere à sua conversa de todos os dias (sua pregação será mencionada mais tarde), e no procedimento diz respeito à conduta geral na sua vida; ambos devem, segundo se supõe, ser marcados por grande decoro e graça cristã. Os outros três termos denotam qualidades interiores que, mesmo assim, afetam o comportamento externo do homem — o amor, i.é, a caridade fraterna no pleno sentido cristão; a fé, que provavelmente significa a “fidelidade” (cf. Rm 3:3; G1 5:22); e a pureza (Gr. hagneia: também 5:2), que abrange não somente a castidade em questões de sexo, como também a inocência e integridade de coração que são denotadas pelo substantivo correlato hagnotés em 2 Co 6:6.
13. Já ficamos sabendo de 3:14 que Paulo está planejando uma visita a Éfeso; no ínterim, Até a minha chegada, Timóteo é conclamado a aplicar-se com energia às suas funções ministeriais públicas. A lista é interessante e importante, e sua brevidade possivelmente indica sua data muito antiga. Se tivesse sido compilada no século II como espelho para os líderes da igreja, quase certamente teria sido mais plena e mais precisa, e uma referência aos sacramentos teria sido natural. No Grego, as palavras traduzidas leitura, exortação, e ensino estão precedidas, cada uma, pelo artigo definido (como na ARA); demonstrasse assim que são itens reconhecidos na reunião congregacional para a adoração. A leitura (da Escritura) denota, primariamente a leitura pública do A.T., que neste tempo era a Bíblia da igreja. Este era um aspecto do culto na sinagoga (Lc 4:16; At 15:21; 2 Co 3:14), e foi imediatamente adotado pelas congregações cristãs. Esta é, na realidade, a referência mais antiga ao uso da Escritura na liturgia da Igreja. Documentos especificamente cristãos, no entanto, tais quais as cartas de Paulo e doutros líderes, ou as revelações dos profetas, também eram lidos em público (Cl 4:16; 1 Ts 5:27; Ap 1:3), e esta prática provavelmente também esteja em mira aqui. A leitura em público no mundo antigo exigia certa realização técnica, pois as palavras no códice não eram divididas. Desde os meados do século II, de qualquer maneira, a função era delegada a um oficial chamado lector ou anagnòstês (e.g. Hipólito, Trad. ap. xii; Tertuliano, De praescr. xli). A exortação significa a exposição e a aplicação da Escritura que seguia sua leitura pública, noutras palavras, o sermão. Assim lemos em At 13:15: “Depois da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: ‘Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a.’ ” Do outro lado, o ensino significa a instrução catequética na doutrina cristã; esta, também, tinha seu lugar em reuniões para a adoração desde os tempos mais antigos, e fica evidente que grande quantidade de matéria catequética está incorporada nos escritos do N.T., inclusive as cartas paulinas. Paulo menciona estas duas funções juntas em Rm 12:7, e dá a entender que seu exercício exigia um charisma, ou revestimento do ESPÍRITO, especial.
14. A pergunta com que Timóteo é confrontado, por ser tímido e inseguro quanto a si mesmo, deve ser se tem o conhecimento, a capacidade, e o são juízo necessários para realizar estas tarefas com sucesso. O Apóstolo responde às suas dúvidas não faladas com uma resposta franca e encorajadora: ele tem um dom especial, e na condição de não se fazer negligente para com ele, deve estar amplamente equipado para enfrentar quaisquer exigências. A referência, é claro, é à graça do ESPÍRITO SANTO que Timóteo recebera na ocasião da sua ordenação ou consagração ao seu cargo, e que ficará sem fruto se for negligenciada: cf, 2 Tm 1:6. Nas cartas de Paulo (e.g. Rm 12:6ss.; 1 Co 12:4ss.) charisma, ou “dom”, significa uma dotação especial do ESPÍRITO que capacita quem a receber a realizar alguma função na comunidade. Quando escreveu 1 Coríntios, seus correspondentes estavam inclinados a atribuir uma importância exagerada às dotações mais especificamente “pneumáticas,” tais como línguas, profecia (ou outro dom do ESPÍRITO SANTO - Obs. Ev. Henrique_. O restante do versículo é de grande importância para nossa compreensão tanto da carta como da emergência das instituições cristãs, e sua exegese levanta certos problemas. Não há dificuldade quanto à frase mediante profecia. Forma um paralelo com “as profecias de que antecipadamente foste objeto” em 1:18. Paulo está lembrando a confirmação da escolha de Timóteo pelos pronunciamentos, inspirados pelo ESPÍRITO, de homens proféticos (cf. At 13:1-3). Não há, tampouco, qualquer dificuldade com a imposição das mãos. A ordenação, ou a nomeação para um cargo na igreja apostólica estava modelada de conformidade com o rito judaico contemporâneo para a ordenação de rabinos. Este, por sua vez, achou sua inspiração na ordenação de Josué conforme é descrita em Nm 27:18-23 e Dt 34:9, em que Moisés “impôs suas mão” (“encostou” ou “pressionou” seria uma versão mais exata) sobre seu sucessor em perspectiva. Supunha-se que, como resultado da ação, a unção do Espírito SANTO sobre Moisés tinha sido transmitida a Josué e assim tornou-o seu substituto eficaz. Destarte, achamos os apóstolos, ou mais provavelmente o povo, impondo ou pressionando suas mãos sobre os Sete na sua nomeação (At 6:6), e os profetas e mestres impondo ou pressionando suas mãos em Barnabé e Saulo para consagrá-los como missionários (At 13:3). Esta ação de impor, ou melhor, de pressionar, as mãos sobre alguém (o verbo hebraico é samakh), deve ser notado, é inteiramente diferente do “colocar” (verbo hebraico sim ou shith) as mãos empregado para bênçãos e curas, embora os dois sejam comumente confundidos e estejam traduzidos pelo mesmo verbo grego tanto na LXX como no N.T. É acerca da interpretação da frase inteira, traduzida ‘juntamente com a imposição das mãos para a ordenação como um presbítero” que surge nosso problema. Literalmente traduzido, o Grego diz: com a imposição das mãos do presbitério, e esta é a versão que tem sido quase universalmente adotada. O quadro que propõe é que o grupo inteiro dos presbíteros em Éfeso, sem dúvida com Paulo como seu líder ou presidente, participou na consagração solene de Timóteo, e participou em pressionar suas mãos sobre sua cabeça.
15. A admoestação "Medita estas coisas, e nelas sê diligente", ajunta os vários aspectos abrangidos pelos três versículos anteriores. O primeiro verbo (Gr. meletán) pode significar “meditar sobre,” mas sua nota predominante é “levar adiante diligentemente” ou “praticar”, assim como um atleta treina; destarte, a metáfora esportiva de 7-10 é ecoada. O motivo continua sendo estabelecer a autoridade de Timóteo. Se prestar atenção a estas diretrizes, fará progresso, e este a todos será manifesto. A congregação tomará nota dele, e deixará de considerá-lo um jovem inexperiente cuja autoridade pode ser menosprezada. A palavra traduzida progresso (Gr. prokopê) era usada pelos estoicos para denotar os avanços feitos por um noviço na filosofia ou na ética; foi usada por Paulo em Fp 1:12 acerca do progresso feito em divulgar o evangelho, e em Fp 1:25 do desenvolvimento espiritual dos seus correspondentes.
16. Termina com uma admoestação dupla: Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Há um indício claro que a concentração exclusiva num ou noutra será perigoso. A cláusula seguinte é difícil; uma tradução literal seria: “Apega-te a eles (Gr. autois)." É intolerável entender o pronome “eles” como sendo uma referência a ti mesmo e da doutrina, e somos obrigados, portanto, a entender que se refere a estas coisas em 15. Assim obtemos o que é com efeito uma paráfrase um pouco frouxa: “Apega-te às direções dadas.”

A PRIMEIRA EPÍSTOLA A TIMÓTEO - J. N. D. Kelly - Novo Testamento - Vida Nova - Série Cultura Cristã

Nenhum comentário: