sexta-feira, 8 de maio de 2009

ESTUDOS DA LIÇÃO 06 DEMANDAS JUDICIAIS ENTRE OS IRMÃOS

LIÇÃO 06 - DEMANDAS JUDICIAIS ENTRE OS IRMÃOS Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 2º TRIMESTRE DE 2009 1Coríntios - Os Problemas da Igreja e Suas Soluções Comentários do Pr. Antônio Gilberto Complementos e questionários: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva TEXTO ÁUREO "Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois, porventura, indignos de julgar as coisas mínimas?" (1 Co 6.2). VERDADE PRÁTICA Quando os tribunais são freqüentados pelos discípulos de CRISTO por estarem em litígio é porque renunciaram a lei do amor cristão. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Coríntios 6.1-9. 1 Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo perante os injustos e não perante os santos? 2 Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois, porventura, indignos de julgar as coisas mínimas? 3 Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida? 4 Então, se tiverdes negócios em juízo, pertencentes a esta vida, pondes na cadeira aos que são de menos estima na igreja? 5 Para vos envergonhar o digo: Não há, pois, entre vós sábios, nem mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos? 6 Mas o irmão vai a juízo com o irmão, e isso perante infiéis. 7 Na verdade, é já realmente uma falta entre vós terdes demandas uns contra os outros. Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano? 8 Mas vós mesmos fazeis a injustiça e fazeis o dano e isso aos irmãos. 9 Não sabeis que os injustos não hão de herdar o Reino de DEUS? PODERÍAMOS TRADUZIR ASSIM O TEXTO: Fiquei sabendo, também, que alguns cristãos de Corinto que, tendo queixas contra irmãos da própria comunidade, recorrem aos tribunais civis para resolver suas questões. Vejo ali uma contradição à sabedoria do Evangelho. Em primeiro lugar, a contradição está no fato de haver brigas no meio da comunidade. Em segundo lugar, a contradição está na incapacidade dos cristãos resolveram suas desavenças. Surge, naturalmente, uma pergunta: com que intenção se processa um irmão em tribunais civis? Não será com a intenção de tirar proveito próprio? Não será para “fugir” de um julgamento justo que a comunidade cristã poderia realizar? Pois seria este, é claro, o procedimento normal a ser adotado pelos cristãos.Se a comunidade cristã tornou-se incapaz de julgar um caso conflituoso é porque entre seus membros não existem mais relações de fraternidade. Sem a fraternidade, vai-se embora o espírito da sabedoria e do discernimento. Uma comunidade de fé, que vive no amor e no respeito mútuo, sem dúvida, vai saber dialogar e tomar decisões corretas, baseadas na justiça. Mesmo em casos difíceis, há pessoas esclarecidas que podem orientar com segurança a respeito da decisão a ser tomada.Quando falo que “os santos julgarão o mundo” e que “nós julgaremos os anjos”, refiro-me à grandeza da justiça que brota da fonte divina. Ela não se origina da vontade humana, não busca satisfazer interesses ou seguir tendências conforme as conveniências dos poderosos. A justiça que brota de DEUS nos educa e nos salva. Julga e orienta o mundo no caminho da total transformação. Como discípulos e missionários de JESUS, carregamos este tesouro que não pode ser violado.O apelo que faço é baseado na fé em JESUS CRISTO que veio inaugurar um novo modo de pensar e de agir. Não precisamos de outras mediações além da comunidade unida e fiel à proposta de amor humilde e serviçal. Quem entende o valor prioritário que se deve dar à comunidade, não teme em perder seus próprios privilégios em favor do bem e da justiça social. É preferível padecer uma injustiça do que cometê-la; é preferível perder bens pessoais do que defraudar ou explorar o próximo (Jornal Fonte). OBJETIVOS Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a: Compreender que as demandas prejudicam a obra de DEUS. Saber que o mundo e os anjos serão julgados pela Igreja no futuro. Buscar uma fraterna comunhão com todos os irmãos. INTERAÇÃO Os membros da igreja de Corinto estavam atravessando uma fase turbulenta, marcada por discórdias e demandas. Em vez de primeiro levarem as questões perante o Senhor da Igreja em oração, e depois aos crentes, acabavam por expor as disputas nos tribunais civis, onde juízes pagãos davam o veredicto. Essa situação afligia o apóstolo Paulo. Em Corinto não havia vencedores, todos saíam perdendo. Às vezes, os verdadeiros vencedores não são aqueles que vencem uma disputa, mas sim aqueles que sabem renunciar por amor a CRISTO e a sua obra. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA Professor, sugerimos que você inicie a aula levantando a seguinte questão: "De onde provinham as guerras e pelejas entre os irmãos de Corinto?" Explique aos alunos que os conflitos e as demandas judiciais entre esses irmãos eram advindos de vários fatores, mas o principal deles está atrelado ao desejo de vingança, nutrido pelos crentes. Fica claro que eles seguiam a chamada "lei de talião" (olho por olho, dente por dente) do Antigo Testamento (Êx 21.24). Enfatize o fato de que se vingar é descumprir a "lei áurea" de CRISTO de amar até os inimigos e fazer bem aos que nos aborrecem (Lc 6.27). Só existe um tipo de vingança que é legal e legítima, de acordo a Bíblia: a vingança de DEUS (Rm 12.19-21; 1 Pe 3.9). AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO Subsídio Bibliológico "O método cristão de resolver problemas (6.7b) [...] Paulo havia indicado o método correto de resolver disputas quando pregou aos coríntios pela primeira vez: Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano? Um cristão não precisa ser um joguete, nem deve permitir abusos contra si. Mas, no pensamento de Paulo, era melhor suportar uma injustiça ou assumir uma perda financeira do que sofrer o dano espiritual. O Senhor JESUS ensina que o cristão deve resistir ao mal (Mt 5.39). A igreja estava sofrendo uma perda de dignidade e de honra; ela estava experimentando um declínio de influência e respeito; ela estava exaurindo a sua força evangélica. O método cristão de evitar as ações judiciais deveria ser o de sofrer em vez de retaliar. Os coríntios não só haviam se recusado a sofrer injustiças e perdas; eles também estavam explorando agressivamente os seus irmãos cristãos. Paulo declara a situação desta forma: Mas vós mesmos fazeis a injustiça e fazeis o dano e isso aos irmãos. Eles não eram espirituais o bastante para suportarem a injustiça por amor ao evangelho. Mas eram carnais o bastante para infligir o dano aos outros. " (GREATHOUSE, W. M. (et al) Comentário Bíblico Becon. VIII. Romanos a 1 e 2 Coríntios. RJ: CPAD, 2006, pp. 286,287.) APLICAÇÃO PESSOAL Como a verdadeira espiritualidade pode ser expressa? Através dos dons e talentos? Certamente que não. Nossa fé deve ser demonstrada por meio de pequenos atos, ações que demonstram nosso compromisso, amor e verdadeira identificação com JESUS CRISTO. Infelizmente, não era isso que estava ocorrendo entre os coríntios. Se você fosse a uma das reuniões daquela igreja (excetuando a Ceia), com certeza gostaria do "movimento pentecostal" que lá havia. Entretanto, a espiritualidade ali retratada desfazia-se no primeiro obstáculo que o crente precisasse enfrentar. Isso é um sintoma de que não havia em Corinto uma verdadeira espiritualidade. Na atualidade, a Igreja do Senhor precisa trilhar o caminho da verdadeira espiritualidade para que a luz de CRISTO brilhe e o nome do Mestre seja exaltado. COMENTÁRIO Palavra Chave: Litígio - Questão judicial; pleito, demanda. 6.1 IR A JUÍZO PERANTE OS INJUSTOS. Quando ocorrem disputas banais (v. 2) entre os cristãos, isso deve ser julgado na igreja e não na justiça secular. A igreja deve julgar entre aquilo que é certo ou errado, dar seu veredito e disciplinar o culpado, se necessário for (ver Mt 18.15). (1) Isso não significa que o crente não possa ir à justiça, em casos graves ligados a incrédulos. O próprio apóstolo Paulo apelou ao sistema judiciário mais de uma vez (ver At 16.37-39; 25.10-12). (2) Paulo não está dizendo, tampouco, que a igreja deve permitir que seus membros abusem ou maltratem ilicitamente os inocentes, como viúvas, crianças ou os indefesos. Pelo contrário, Paulo fala de questões em que é difícil determinar quem tem razão. Casos pecaminosos ostensivos não devem ser tolerados, mas tratados de conformidade com as instruções de CRISTO em Mt 18.15-17. (3) Além disso, quando um suposto "irmão" se divorcia ou abandona sua família e se recusa a sustentar sua esposa e filhos com pensão alimentícia, uma mãe, com motivos justos e ante a necessidade dos filhos, pode apelar à justiça. Paulo não defende a idéia de deixar os violadores da lei defraudarem o próximo, nem serem uma ameaça à vida ou ao bem-estar dos outros. Sua declaração no versículo 8, indica que ele está falando das disputas mínimas, em que a injustiça sofrida pode ser suportada e tolerada. 6.9 OS INJUSTOS NÃO HÃO DE HERDAR O REINO. Alguns de Corinto enganaram-se a ponto de crer que se perdessem a comunhão com CRISTO, negassem-no e vivessem na imoralidade e na injustiça, sua salvação e sua herança no reino de DEUS continuavam seguras (PREDESTINAÇÃO ERRÔNEA E ENGANOSA). (1) Paulo, no entanto, declara que a conseqüência inevitável do pecado habitual é a morte espiritual, até mesmo para o cristão (cf. Rm 8.13). Ninguém poderá viver na imoralidade e ao mesmo tempo herdar o reino de DEUS (cf. Rm 6.16; Tg 1.15; ver 1 Jo 2.4; 3.9). O apóstolo Paulo repete muitas vezes esse ensino fundamental (e.g., Gl 5.21 e Ef 5.5,6). Note-se que os profetas do AT continuamente declaravam este princípio (ver Jr 8.7; 23.17; Ez 13.10). (2) A advertência de Paulo é para todos os cristãos. Não nos enganemos, pois "os injustos não hão de herdar o Reino de DEUS". A salvação sem a obra regeneradora e santificadora do ESPÍRITO SANTO não tem lugar na Palavra de DEUS. 6.11 JUSTIFICADOS... PELO ESPÍRITO. A justificação abrange, não somente a obra redentora do Senhor JESUS CRISTO, como também a obra do ESPÍRITO de DEUS na vida do crente JUSTIFICAÇÃO. A palavra “justificar” (gr. dikaioo) significa ser “justo (ou reto) diante de DEUS” (2.13), tornado justo (5.18,19), “estabelecer como certo” ou “endireitar”. Denota estar num relacionamento certo com DEUS, mais do que receber uma mera declaração judicial ou legal. DEUS perdoa o pecador arrependido, a quem Ele tinha declarado culpado segundo a sua lei e condenado à morte eterna, restaura-o ao favor divino e o coloca em relacionamento correto (comunhão) com Ele mesmo e com a sua vontade. Ao apóstolo Paulo foram reveladas várias verdades a respeito da justificação e como ela é efetuada: (1) A justificação diante de DEUS é uma dádiva (3.24; Ef 2.8). Ninguém pode justificar-se diante de DEUS guardando toda a lei ou fazendo boas obras (4.2-6; Ef 2.8,9), “porque todos pecaram e destituídos estão da glória de DEUS” (3.23). (2) A justificação diante de DEUS se alcança mediante a “redenção que há em CRISTO JESUS” (3.24). Ninguém é justificado sem que antes seja redimido por CRISTO, do pecado e do seu poder. (3) A justificação diante de DEUS provém da “sua graça”, sendo obtida mediante a fé em JESUS CRISTO como Senhor e Salvador (3.22,24; cf. 4.3,5). (4) A justificação diante de DEUS está relacionada ao perdão dos nossos pecados (Rm 4.7). Os pecadores são declarados culpados diante de DEUS (3.9-18,23), mas por causa da morte expiatória de CRISTO e da sua ressurreição são perdoados (ver 3.25; 4.25; 5.6-10). (5) Uma vez justificados diante de DEUS, mediante a fé em CRISTO, estamos crucificados com Ele, o qual passa a habitar em nós (Gl 2.16-21). Através dessa experiência, nos tornamos de fato justos e começamos a viver para DEUS (2.19-21). Essa obra transformadora de CRISTO em nós, mediante o ESPÍRITO (cf. 2Ts 2.13; 1Pe 1.2), não se pode separar da sua obra redentora a nosso favor. A obra de CRISTO e a do ESPÍRITO são de mútua dependência. COMO SE PROCEDIA A IGREJA PARA COM OS POBRES DURANTE OS PRIMEIROS ANOS, EM PLENO AVIVAMENTO? Atos 4.32 E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns. 33 E os apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor JESUS, e em todos eles havia abundante graça. 34 Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido e o depositavam aos pés dos apóstolos. 35 E repartia-se a cada um, segundo a necessidade que cada um tinha. Aqui se vê que não havia mais rico e nem pobre entre os primeiros cristãos, pois todos se amavam entre si e nenhum ficava necessitado a ponto de pedir emprestado e não pagar. Depois com a seca em Jerusalém todos empobreceram, mas foram todos ajudados pelos irmãos de outras localidades (Paulo arrecadava ajuda por onde passava). NÃO HAVIA POBRE E NEM RICO E ERA UM O CORAÇÃO DE TODOS. Estes crentes de Jerusalém foram justificados, estes entenderam o significado do verdadeiro amor. COMO SOFRER A INJUSTIÇA OU O DANO? Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano? Mt 5:39 Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; Face direita - O crente recebe a afronta, o prejuízo, o dano, a exploração, a perseguição, etc... oferece-lhe também a outra - Mostra o lado espiritual, o lado cristão ao ofensor que lhe mostrou seu lado carnal. É melhor perder aqui para ganhar no reino de DEUS. Mc 8:35 Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará. TIPOS DE JULGAMENTO Mt 18.15 Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão. 18.15 SE TEU IRMÃO PECAR CONTRA TI. Em 18.15-17, o Senhor JESUS CRISTO expõe o método de restauração espiritual, mediante a disciplina, de um cristão professo que venha a pecar contra outro membro da igreja. Negligenciar este ensino de CRISTO, levará os crentes à transigência com o pecado e logo mais essa igreja deixará de ser um povo santo de DEUS (cf. 1 Pe 2.9; ver Mt 5.13). (1) O propósito da disciplina eclesiástica é manter a reputação de DEUS (6.9; Rm 2.23,24), proteger a pureza moral e a integridade doutrinária da igreja (1 Co 5.6,7; 2 Jo 7-11) e procurar salvar a alma do crente desgarrado e restaurá-lo à semelhança de CRISTO (18.15; Tg 5.19, 20). (2) Primeiramente, deve-se lidar com o transgressor e repreendê-lo em particular. Se ele atender, deverá ser perdoado (v. 15). Se o transgressor recusar atender ao seu irmão na fé (vv. 15,16), e a seguir fizer o mesmo ao ser visitado por um ou dois outros membros, juntos (v. 16), e por fim recusar, também, atender à igreja local, deve ser considerado como um gentio e publicano , i.e., como alguém que está fora do reino de DEUS, separado de CRISTO e caído da graça (Gl 5.4). Não tem condições de ser membro da igreja e deve ser desligado da comunhão da mesma. (3) A conservação da pureza da igreja deve ser mantida não somente nas áreas do pecado e da imoralidade, como também em caso de heresia doutrinária e de infidelidade à fé histórica do NT (Gl 1.9; Jd 3). (4) As Escrituras ensinam que a disciplina eclesiástica deve ser exercida num espírito de humildade, de amor, de pesar e de auto-exame (ver 22.37; 2 Co 2.6,7; Gl 6.1). (5) Pecados de imoralidade sexual na igreja devem ser tratados de conformidade com 1 Co 5.1-5 e 2 Co 2.6-11. Nesses tipos de pecados graves, a igreja toda deve tratar o culpado com pesar e lamento (1 Co 5.2) disciplinando o transgressor o suficiente (2 Co 2.6) e excluindo-o da igreja (1 Co 5.2,13). Posteriormente, após um período de evidente arrependimento, o disciplinado poderá ser perdoado, receber outra vez o amor dos irmãos e ser restaurado à comunhão (2 Co 2.6-8). (6) Os pecados de um obreiro devem ser, primeiro, tratados em particular e, a seguir, comunicados à igreja, pois está escrito: repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor (1 Tm 5.19,20; Gl 2.11-18). (7) Os dirigentes de igrejas locais devem sempre lembrar-se da responsabilidade de apascentar a igreja. O Senhor requererá deles uma prestação de contas do sangue de todos (At 20.26) que se perderem, porque os ditos líderes não cuidaram de sua restauração, disciplina ou exclusão, segundo a vontade e o propósito de DEUS (cf. Ez 3.20,21; At 20.26,27; ver Ez 3.18) JULGAMENTO DA IGREJA 1 Co 5, um capítulo importante com respeito ao dever positivo de julgar. Primeiro, no vs. 3 Paulo declara, sob a inspiração do ESPÍRITO, que ele tinha julgado um membro da igreja em Corinto que estava vivendo no pecado da fornicação. Seu julgamento foi "seja entregue [tal pessoa] a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no Dia do Senhor JESUS". Este é um julgamento ousado da sua parte. Segundo, nos vv. 9-13, Paulo lembra aos santos do seu dever de julgar as pessoas que estão dentro da igreja, quanto a se eles estão obedecendo ou não a lei de DEUS. Aqueles que alegam ser cristãos e são membros da igreja, mas que são julgados como sendo impenitentemente desobedientes a qualquer mandamento da lei de DEUS (vs. 9-10), devem ser excluídos da comunhão da Igreja. Paulo, sob a inspiração do ESPÍRITO, diz para a igreja não tolerar pecadores impenitentes. Os crentes de Corinto receberam ordens para julgar imediatamente a imoralidade existente entre os seus membros (1 Co 5:1-8). Mesmo o estrangeiro de passagem não deve ser hospedado se for verificado que não se trata de uma pessoa alicerçada na verdadeira fé (2Jo 10,11). E um anátema (maldição) deve ser proferido contra aqueles que apresentarem um tipo diferente de evangelho (Gl 1:9), tais como àqueles que trazem heresias para dentro de nossas igrejas (sugiro a estes que leiam Dt 13). JULGAMENTO DAS PROFECIAS Os cristãos são solicitados a examinar tudo e reter o bem (1 Ts 5:21). Eles também são obrigados a provar se os espíritos são de DEUS: "Irmãos, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de DEUS, porque muitos falsos profetas tem saído pelo mundo afora" (1 Jo 4:1). Mesmo nas reuniões cristãs eles devem "julgar" o que ouvem: "Tratando-se de profetas, falem apenas dois ou três, e os outros julguem." (1 Co 14:29). PAULO APELOU PARA TRIBUNAIS ROMANOS Atos dos Apóstolos 16.37 Mas Paulo replicou: Açoitaram-nos publicamente, e, sem sermos condenados, sendo homens romanos, nos lançaram na prisão, e agora, encobertamente, nos lançam fora? Não será assim; mas venham eles mesmos e tirem-nos para fora.38 E os quadrilheiros foram dizer aos magistrados estas palavras; e eles temeram, ouvindo que eram romanos.39 Então, vindo, lhes dirigiram súplicas; e, tirando-os para fora, lhes pediram que saíssem da cidade. Atos dos Apóstolos 25.10 Mas Paulo disse: Estou perante o tribunal de César, onde convém que seja julgado; não fiz agravo algum aos judeus, como tu muito bem sabes.11 Se fiz algum agravo ou cometi alguma coisa digna de morte, não recuso morrer; mas, se nada há das coisas de que estes me acusam, ninguém me pode entregar a eles. Apelo para César.12 Então, Festo, tendo falado com o conselho, respondeu: Apelaste para César? Para César irás. NÃO PEQUEI... CONTRA A LEI. Paulo não tem conhecimento de nenhum delito que tivesse cometido contra os judeus ou contra a Lei. Paulo realmente guardava a lei moral do AT (cf. 21.24). Sabia que os padrões da lei são imutáveis, assim como o próprio DEUS é imutável. Para ele a Lei é santa, boa e espiritual (Rm 7.12,14), e expressa o caráter de DEUS e suas exigências para uma vida justa (cf. Mt 5.18,19). Mesmo assim, Paulo não guardava a Lei como um conjunto de códigos ou padrões mediante o qual se tornaria justo. Uma vida justa requer a obra do ESPÍRITO SANTO no coração e na alma da pessoa. Somente depois de regenerados mediante a graça de CRISTO é que podemos obedecer devidamente à lei de DEUS, como expressão do nosso desejo em agradar-lhe. Nunca estamos sem lei perante DEUS, quando vivemos segundo à lei de CRISTO (1 Co 9.21; ver Mt 5.17; Rm 3.21; 8.4). APELAR PARA CÉSAR ERA UMA PORTA DE ESCAPE DA MORTE PELOS JUDEUS E UMA OPORTUNIDADE PARA PREGAR A CÉSAR, O IMPERADOR DE ROMA. O JULGAMENTO DO CRENTE PELO SENHOR 2Co 5.10 “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de CRISTO, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal.” A Bíblia ensina que os crentes terão, um dia, de prestar contas “ante o tribunal de CRISTO”, de todos os seus atos praticados por meio do corpo, sejam bons ou maus. O JULGAMENTO DO CRENTE PELO PRÓPRIO CRENTE 1Co 11.28 Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão, e beba deste cálice. 29 Porque o que come e bebe indignamente come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Rm 2:15 os quais mostram a obra da lei escrita no seu coração, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os, JULGAMENTO DOS ÍMPIOS Jo 12:48 Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia. Ap 20:10 E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre. Ap 20:14 E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. Ap 20:15 E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo. JULGAMENTO DOS ANJOS 1Co 6:2 Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas mínimas? 1Co 6:3 Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida? Mt 19:28 E JESUS disse-lhes: Em verdade vos digo que vós, que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel. Ap 20:4 E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de JESUS, e pela palavra de DEUS, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com CRISTO durante mil anos. A IGREJA GLORIFICADA PARTICIPA DO REINADO E DO JULGAMENTO DO MUNDO (Rev. Hernandes Dias Lopes). A)Ao redor do Trono, há também, vinte e quatro tronos • Esses tronos estão ao redor e não no centro. DEUS está no alto e sublime trono. Ele reina sobre todos os outros tronos. B) Assentados neles, vinte e quatro anciãos • Assentado fala de uma posição de autoridade e poder. A igreja tem a honra não apenas de ser salva, mas também de reinar no céu e ser assistente de DEUS no seu julgamento (Mt 19:27-29; 1 Co 6:2). • Fomos constituídos reinos e sacerdotes (Ap 1:6). Os sacerdotes estavam divididos em 24 turnos (1 Cr 24:7-18). Aqui somos divididos em igrejas, denominações. Mas no céu seremos uma só igreja: os que foram lavados no sangue do Cordeiro. Ilustração: O Sonho de João Wesley. • Fomos constituídos. Nós julgaremos o mundo e os anjos (1 Co 6:2-3). • Os 24 anciãos representam o povo fiel de DEUS, a igreja do Velho e do Testamento. A igreja dos Patriarcas e Apóstolos. A totalidade da igreja de DEUS na história. Esses vinte e quatro anciãos são identificados por suas roupas (brancas), incumbência (assentam-se em tronos para reinar e julgar) e posição (coroas de vencedores). Nós que formos salvos, julgaremos os anjos que caíram (I Co 6.3). E precisamos adquirir as qualidades, as virtudes, o comportamento e a personalidade dos anjos. Precisamos nos adequar ao padrão de DEUS descrito nas bem-aventuranças através do processo de santificação. Temos que ir a cada dia crescendo espiritualmente e nos aproximando da perfeição que DEUS espera e exige de cada um de nós (Mt 5.48). OS HIPÓCRITAS NÃO DEVEM JULGAR, POIS SERÃO JULGADOS DE ACORDO COM SEU PRÓPRIO CRITÉRIO DE JULGAR. Mateus 7:1: "Não julgueis, para que não sejais julgados." Para sabermos de que tipo de Julgamento JESUS proibiu nesta passagem vamos analisar o contexto: "Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também. Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão" Mt 7:2-. Analisando o contexto podemos ver claramente que JESUS proíbe especificamente o "julgamento hipócrita". JESUS diz aos judeus no vs. 1 que eles não devem julgar. No vs.2 ele dá a razão pela qual eles não devem julgar: o padrão que eles usam para julgar os outros será o mesmo padrão que os outros usarão para julgá-los. Eles não devem ignorar seus próprios pecados, enquanto estão condenando os mesmos pecados nos outros. Fazer isto é julgar com um "padrão Duplo", ou seja, julgar hipocritamente. "Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire a pedra". (João 8:7) João 8:11 "Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire a pedra". "Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais". (COMECE HOJE UMA VIDA NOVA - JÁ CONHECE O SALVADOR) A resposta de JESUS aos fariseus expõe o julgamento hipócrita deles no assunto (o propósito primário deles, certamente, não tinha nada a ver com a mulher; era pegar JESUS em Suas próprias Palavras. Todavia, JESUS sabia que os fariseus se orgulhavam da justiça própria deles, e respondeu à luz deste fato). Os fariseus, JESUS recorda-os, também eram culpados de pecado, e especificamente de adultério, quer físico ou no coração. Porque também não eram livres de pecado, também eram dignos de morte como ela. Assim, ao desejar saber que julgamento ela deveria ter recebido, eles revelaram sua própria hipocrisia e motivação errônea. JULGAR É DEVER DE TODO CRISTÃO Portanto, é dever de todo cristão Julgar! Mas este "julgar" não significa fazer injúrias, calúnias ou fofocas sobre a pessoa que está no erro. Se vemos que alguém está se desviando do Evangelho, ou pregando e trazendo heresias para dentro de nossa igreja, o nosso objetivo principal deve ser alertar, repreender, exortar e conduzir o pecador ao arrependimento e a restauração. Caso a disciplina seja indispensável, ela deve ser feita com seriedade, amor e tristeza, sempre objetivando o arrependimento, e não a condenação eterna do pecador. E com muito temor também, afinal, não somos pessoas perfeitas e ninguém deve ser julgado ou condenado injustamente. É nosso dever também alertar ao Corpo de CRISTO sobre determinadas heresias que porventura continuam a ser pregadas e os autores das mesmas não querem dar ouvidos. (leia Gl 6.1, 2Tm 4.2-3 e 1Co 6.1-5) JULGAMENTO FEITO PELOS ÍMPIOS A grande preocupação de Paulo era com o tipo de julgamento que o cristão teria sob a jurisprudência romana e grega. Um crente poderia ser condenado a morte de cruz num julgamento romano por uma causa que na igreja seria apenas disciplinado. Um crente poderia ser estimulado ao adultério e até à prostituição num tribunal grego, contrariando os ensinos da bíblia. Várias outras situações seriam constrangedoras aos crentes num julgamento ímpio: O testemunho cristão poderia ser ridicularizado perante um tribunal mundano. A liderança da igreja poderia ser colocada como irresponsável e até omissa se casos que poderiam ser resolvidos na igreja, fossem parar em tribunais populares. Questões religiosas seriam tratadas como políticas ou sociais normais. CONCLUSÃO O JULGAMENTO EM TRIBUNAIS ROMANOS OU GREGOS DEVERIAM SER EVITADOS A TODO CUSTO (1Co 6.5 Para vos envergonhar o digo: Não há, pois, entre vós sábios, nem mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos? 6 Mas o irmão vai a juízo com o irmão, e isso perante infiéis). O crente deve evitar levar um irmão a julgamento perante os infiéis. É melhor sofrer o dano, ou prejuízo do que prejudicar seu irmão, não que ele não mereça, mas porque o julgamento feito pelos infiéis é imperfeito e não baseado na Palavra de DEUS. Assim a pena imposta ao irmão será injusta e nós que o levamos aos tribunais de descrentes seremos culpados por isso. O melhor é levar o julgamento de nossas questões aos nossos líderes. Só podemos levar as questões aos descrentes quando as questões não puderem ser resolvidas pela igreja. É UMA VERGONHA, UM ESCÂNDALO, A IGREJA TER QUE RECORRER A TRIBUNAIS MUNDANOS PARA RESOLVER QUESTÕES SIMPLES E QUOTIDIANAS ENTRE SEUS MEMBROS. RESUMO DA LIÇÃO 06 DEMANDAS JUDICIAIS ENTRE OS IRMÃOS INTRODUÇÃO: Muitos crentes moviam processos judiciais entre si na justiça secular. I. A FALTA DE COMUNHÃO FRATERNA NA IGREJA CORÍNTIA 1. As discórdias pessoais. 2. A falsa espiritualidade. 3. Imaturidade diversa (vv.1, 5,7). II. UMA IGREJA QUE DESCONHECIA A SUA IMPORTÂNCIA (vv. 2-4) Julgar o mundo - Julgar Anjos. 1. A Igreja como juiz futuramente. 2. "Não sabeis?" (v.3). III. ENSINOS FINAIS SOBRE LITÍGIOS E INIMIZADES (vv.5-8) 1. As causas das contendas. 2. O cristão e a justiça secular. CONCLUSÃO: O conhecimento sem o amor "incha" (1 Co 8.1). SINOPSE DO TÓPICO (1) Alguns crentes, por motivos pessoais e corriqueiros, costumavam levar outros aos tribunais quebrando os laços fraternos. SINOPSE DO TÓPICO (2) A Bíblia afirma que, sob CRISTO, o mundo e os anjos maus serão julgados pela Igreja no futuro REFLEXÃO "Se os santos vão julgar os anjos, é evidente que deverão ser capazes de resolver também suas pequenas demandas internas na igreja." SINOPSE DO TÓPICO (3) A "espiritualidade" dos coríntios, - se fosse realmente verdadeira - deveria levá-los a refletir o amor mútuo, e não a vingança (1 Co 6.7). REFLEXÃO "Na verdade, é já realmente uma falta entre vós terdes demandas uns contra os outros. Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano? Mas vós mesmos fazeis a injustiça e fazeis o dano e isso aos irmãos." BIBLIOGRAFIA SUGERIDA HORTON. S. M. I e II Coríntios: os problemas da igreja e suas soluções. RJ: CPAD, 2003. RICHARDS, L. O. Guia do leitor da Bíblia. RJ: CPAD, 2005. SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão, CPAD, no 38, p. 39. QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 06 - DEMANDAS JUDICIAIS ENTRE OS IRMÃOS RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2009 TEXTO ÁUREO 1- Complete: "Não sabeis vós que os ___________________ hão de julgar o _____________________? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois, porventura, ___________________ de julgar as coisas mínimas?" (1 Co 6.2). VERDADE PRÁTICA 2- Complete: Quando os _______________________ são freqüentados pelos discípulos de CRISTO por estarem em __________________ é porque renunciaram a lei do ________________ cristão. INTRODUÇÃO 3- Uma igreja onde ocorre a manifestação de dons espirituais pode abrigar crentes nitidamente carnais? Se isso acontece, a culpa é dos dons de DEUS ou de seus portadores? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Não. Porque no avivamento todos são atingidos pela santidade de DEUS. ( ) Sim, pode. A culpa é dos membros da igreja (não necessariamente entre os que portam dons, mas dos outros membros).. ( ) Os dons não asseguram um comportamento santificado do crente. ( ) Essa era a real situação da igreja de Corinto. 4- Como estava se comportando, interna e externamente, a igreja de Corinto? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Internamente ela estava perdendo a qualidade espiritual e, externamente, sua influência missionária. ( ) Essas perdas se davam em razão de muitos crentes moverem processos judiciais entre si na justiça secular. ( ) Internamente ela estava crescendo na qualidade espiritual e, externamente, em sua influência missionária. I. A FALTA DE COMUNHÃO FRATERNA NA IGREJA CORÍNTIA 5- Nas discórdias pessoais, por que alguns crentes de Corinto costumavam levar outros crentes aos tribunais, acionando juízes pagãos, como era o costume da época? Coloque "V" na resposta verdadeira: ( ) Por motivos sociais, altruístas e reais. ( ) Por motivos sensuais, terríveis problemas de posses e territoriais. ( ) Por motivos pessoais, egoístas e banais 6- Como os juízes gregos e romanos de Corinto arbitravam as demandas levantadas entre os crentes? Coloque "V" na resposta verdadeira: ( ) Arbitravam as demandas segundo as leis, idéias e costumes do povo judeu que ali morava. ( ) Arbitravam as demandas segundo as leis, idéias e costumes do paganismo reinante entre os egípcios e escravos. ( ) Arbitravam as demandas segundo as leis, idéias e costumes do paganismo reinante entre os gregos e romanos. 7- Como eram os cultos em Corinto? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) eram cultos frios, de um formalismo impressionante. ( ) Todos estavam tristes devido ao pecado de alguns. ( ) Havia bastante movimento, demonstrações "carismáticas", declarações em línguas, cânticos, profecias e exposição doutrinária. ( ) Havia muitas meninices, superficialidades e emocionalismo, que não devemos confundir com as reais "manifestações do ESPÍRITO". 8- Por que Paulo fala a respeito de "suportar" uns aos outros em amor em Ef 4.2? Coloque "V" na resposta verdadeira: ( ) porque todos são iguais e todos se comportam de uma mesma maneira. ( ) Porque se a diversidade de temperamentos, de personalidades, de formação e de mentalidade for ignorada, e se também não for controlada, pode motivar conflitos os mais diversos por toda parte. ( ) Porque se a igualdade de temperamentos, de personalidades, de formação e de mentalidade for ignorada, e se também for controlada, pode motivar conflitos os mais diversos por toda parte. II. UMA IGREJA QUE DESCONHECIA A SUA IMPORTÂNCIA (vv. 2-4) 9- Como será a Igreja como juiz futuramente? Coloque "V" na resposta verdadeira: ( ) A Bíblia afirma que, sob CRISTO, o mundo e os anjos maus serão julgados pela Igreja no futuro. ( ) A Bíblia afirma que os crentes no tribunal de CRISTO serão julgados pela Igreja no futuro. ( ) A Bíblia afirma que, sob CRISTO, o mundo e a igreja serão julgados pela Igreja no futuro. 10- Complete: "Não sabeis vós que os ___________________ hão de julgar o ____________________?" (v.2). "Não sabeis vós que havemos de julgar os ______________________?" 11- Quem na Terra são capacitados por DEUS e preparados em si mesmos, para cuidar, no âmbito interno, dos problemas dos irmãos que surgem na vida cristã e na vida em geral? Coloque "V" na resposta verdadeira: ( ) Pastores, dirigentes e mestres. ( ) Pastores, dirigentes e juízes dos tribunais das cidades em que a igreja se situar. ( ) Crentes em geral, dirigentes e mestres. 12- Dê exemplo, com referência bíblica, de dons dados por DEUS PAI para julgamento das questões entre os crentes: Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Pregadores em Mc 16.15 ( ) Governos em 1 Co 12.28 ( ) Exortação em 1 Ts 5.12. 13- Apesar de aqueles crentes de Corinto serem tão imponentes e envaidecidos de sua ciência, sabedoria, de seus dons e de sua capacidade superior; o que faltava entre eles de suma importância para o bom relacionamento entre seus membros? Coloque "V" na resposta verdadeira: ( ) De juízes que lhes julgassem as causas à maneira dos costumes do mundo. ( ) Alguém sábio, competente justo e imparcial para solucionar suas desavenças. ( ) De pessoas abastadas para convencer os contradizentes. 14- A que classe pertencem os Anjos na hierarquia dos seres criados? Coloque "V" na resposta verdadeira: ( ) Os anjos estão entre a classe mais elevada de criaturas. ( ) Os anjos estão entre a classe mais baixa de criaturas. ( ) Os anjos estão entre a classe mais pecadora de criaturas. III. ENSINOS FINAIS SOBRE LITÍGIOS E INIMIZADES (vv.5-8) 15- Quais as causas das contendas entre os Coríntios? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Algumas questões de posse de terras e de separação entre casais. ( ) Os crentes cometiam injustiças. Isto é, lesavam os outros. "Vós mesmos fazeis a injustiça e fazeis o dano" ( ) Os ofendidos e prejudicados revidavam sem considerar o ensino bíblico do amor. ( ) Apesar de todos serem convertidos e possuírem dons estavam brigando entre si. ( ) Os coríntios estavam sendo enganados. "Não erreis". Literalmente esta expressão equivale a "não vos deixeis ser enganados". ( ) Alguns não eram convertidos. 16- Como deve ser o relacionamento entre o cristão e a justiça secular? O cristão deve ou não recorrer à justiça secular? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Paulo nunca dependeu de tribunal a não ser o da igreja. ( ) Nos versículos 5 a 7, Paulo não quer dizer que o cristão não deva recorrer à autoridade civil quando necessário. ( ) O próprio apóstolo Paulo invocou seus direitos aos tribunais romanos. ( ) O crente nunca deve levar qualquer causa aos tribunais humanos. 17- Como reagirmos às injustiças causadas pelos próprios irmãos da igreja? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso: ( ) Devemos levá-los aos líderes da igreja e se não resolver, levá-los aos tribunais de justiça. ( ) A Palavra de DEUS diz que devemos sofrer o prejuízo. ( ) Nesta questão, a "espiritualidade" dos coríntios, - se fosse realmente verdadeira - deveria levá-los a refletir o amor mútuo, e não a vingança. ( ) Paulo explica que, ele mesmo, para demonstrar seu amor pelo próximo, privou-se do direito apostólico de ter apoio financeiro para pregar entre os coríntios. CONCLUSÃO 18- Complete: CRISTO nos deu o exemplo de __________________________ a fim de que possamos segui-lo (1 Pe 2.21-23). Os que verdadeiramente andam com DEUS e são conhecidos por Ele empregam sua liberdade e seu conhecimento para _________________________ os outros na fé, mesmo quando isso significa negar os próprios e legítimos direitos como fiel discípulo de CRISTO (1 Co 8.9-13). Esse é "o amor" que realmente "edifica". O conhecimento sem ele "____________________" (1 Co 8.1). RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO NOS VÍDEOS: http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm Ajuda: CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal. http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm (VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE) BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD. Nosso novo endereço:http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/ Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com , http://www.ebdweb.com.br/, em http://www.idbpa.net/joomla/index.php?option=com_content&task=category§ionid=10&id=44&Itemid=133&limit=50&limitstart=0, http://www.sovitoria.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube. http://obereano.blogspot.com/2008/02/no-devemos-julgar_29.html

Nenhum comentário: