quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Lição 13 - José, a Realidade de Um Sonho 1 parte

Lição 13 - José, a Realidade de Um Sonho 1 parte
4º trimestre de 2015 - O Começo de Todas as Coisas - Estudos Sobre O Livro de Genesis
Comentarista da CPAD: Pr. Claudionor Correa de Andrade
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
AQUI VOCÊ VÊ PONTOS DIFÍCEIS DA LIÇÃO - POLÊMICOS
Veja - Lições Jovens E Adultos 4ºTrim.2002 - Abrão - Êxitos E Fracassos Do Amigo De DEUS - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/estudos2.htm
Veja estudo importante http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/alianca.htm
 
 
TEXTO ÁUREO
"E disse Faraó a seus servos: Acharíamos um varão como este, em quem haja o ESPÍRITO de DEUS?" (Gn 41.38)
 
 
VERDADE PRÁTICA
Escravo, ou senhor, José sempre se destacou por uma vida de excelência e fidelidade a DEUS.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 37.3 - José, o filho amado e preferido do pai
Terça - Gn 37.5 - José, um jovem que ousou sonhar os sonhos de DEUS
Quarta - Gn 37.23-28 - A angústia de José diante da maldade de seus irmãos
Quinta - Gn 39.7-20 - José, um jovem que escolheu fazer o que era certo
Sexta - Gn 39.21.23 - José nos mostra que os que são de DEUS prosperam em qualquer lugar
Sábado - Gn 41.38-46 - De escravo José se torna governador do Egito
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Genesis 45.1-8
1 - Então, José não se podia conter diante de todos os que estavam com ele; e clamou: Fazei sair daqui a todo varão; e ninguém ficou com ele quando José se deu a conhecer a seus irmãos. 2 - E levantou a sua voz com choro, de maneira que os egípcios o ouviam, e a casa de Faraó o ouviu. 3 - E disse José a seus irmãos: Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não lhe puderam responder, porque estavam pasmados diante da sua face. 4 - E disse José a seus irmãos: Peço-vos, chegai-vos a mim. E chegaram-se. Então, disse ele: Eu sou José, vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. 5 - Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida, DEUS me enviou diante da vossa face. 6 - Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega. 7 - Pelo que DEUS me enviou diante da vossa face, para conservar vossa sucessão na terra e para guardar-vos em vida por um grande livramento. 8 - Assim, não fostes vós que me enviastes para cá, senão DEUS, que me tem posto por pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito.
 
OBJETIVO GERAL
Saber que os sonhos de José foram concedidos pelo Senhor
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Conhecer a história de José;
Analisar a vida de José como escravo;
Mostrar que DEUS providenciou, por intermédio de José, um lugar de refúgio para Jacó e sua família
 
INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Com a graça de DEUS chegamos ao final do estudo do livro de Genesis. Com certeza a sua fé, e a de seus alunos foram edificadas por intermédio de cada lição. Como é bom saber que o DEUS que tudo criou é o nosso Pai. Um DEUS que nos ama, cuida de nós e nos faz sonhar.
Na lição de hoje estudaremos a respeito da vida de José. Este jovem foi um sonhador. Seus sonhos o levaram até uma cova. Mas, a interpretação de alguns sonhos o levaram ao palácio e o fizeram governador do Egito. Com José aprendemos que os sonhos que DEUS estabelece em nossos corações, não podem ser frustrados, embora, isso não nos impeça de passarmos por várias situações difíceis.
 
Resumo da Lição 13 - José, a Realidade de Um Sonho
I - A HISTÓRIA DE JOSÉ
José era bisneto de Abraão, amigo de DEUS. À semelhança de seu pai, Jacó, e do avô, Isaque, era um homem de profundas experiências com o Senhor. A seu modo, era um profeta e um especialista em sonhos.
1. Filho da afeição.
2. Filho da decisão.
3. Filho dos sonhos.
II. UM ESCRAVO CHAMADO JOSÉ
Se em casa era o mais querido dos filhos, no exílio, José teria de experimentar as angústias de um escravo. O Senhor, porém, era com ele.
1. O preço de um jovem.
2. A pureza de um jovem.
3. A prisão de um jovem.
III. UM LUGAR DE REFÚGIO PARA ISRAEL
José não se limitava a sonhar; também interpretava sonhos. O seu ministério era parecido com o de Daniel.
1. O intérprete de sonhos.
2. Um economista de excelência.
3. O salvador de seu povo.
 
SÍNTESE DO TÓPICO I - A história de José nos mostra que é DEUS quem estabelece alguns sonhos no coração do homem.
SÍNTESE DO TÓPICO II - A inveja e o ciúme levaram os irmãos de José a vendê-lo como escravo
SÍNTESE DO TÓPICO III - José foi usado pelo Senhor para providenciar livramento para sua família e para o povo de DEUS.
 
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO top1
"A história de José nos revela como os descendentes de Jacó vieram a ser uma nação dentro do Egito. Esta seção de Genesis não somente nos prepara para a narrativa do êxodo do Egito, como também revela a fidelidade que José sempre teve para com DEUS, e as muitas maneiras como DEUS protegeu e dirigiu a sua vida para o bem doutras pessoas. Ressalta a verdade de que nos justos podem sofrer num mundo mau e iníquo, mas que, por fim, triunfará o propósito de DEUS reservado para eles"(Bíblia de Estudo Pentecostal. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 90).
 
CONHEÇA MAIS
José - "A história de José nos revela como os descendentes de Jacó vieram a ser uma nação dentro do Egito. A túnica ricamente ornamentada que José recebera de seu pai, contrasta fortemente com as túnicas comuns usadas por seus irmãos. Ela revela uma posição especial de favoritismo e honra diante de seu pai." Para conhecer mais leia, Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, p. 90.
 
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO top2
1."José tipo de CRISTO
Muitos tomam José como um tipo de CRISTO; uma pessoa inocente que sofreu por causa da maldade dos outros e, através do qual, o povo escolhido foi liberto da morte certa. O silêncio de José enquanto seus irmãos deliberam seu destino (Gn 37.12-35) prefigura o silêncio de CRISTO perante seus juízes (1 Pe 2.23).
2.A mulher de Potifar
O contraste entre Judá e José é forte. Ambos foram tentados sexualmente. Judá procurou o sexo ilícito, enquanto José recusou repetidos apelos da mulher de seu senhor. José lembra-nos que nunca podemos dizer que o sexo nos leva a pecar. A escolha é nossa, agir como Judá ou como José" (RICAHRDS, Lawrence. Guia do Leitor da Bíblia: Uma Análise de Genesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 45).
 
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO top3
"As Escrituras deixam claro que a separação entre José e o seu povo estava sob o controle de DEUS. O Senhor estava operando através de José e das circunstâncias deste, a fim de preservar a família de Israel e reuni-la segundo as suas promessas.
Quatro vezes no capítulo 39 está escrito que 'o Senhor estava com José' (vv. 2,3,21,23). Porque José honrava a DEUS, DEUS honrava a ele. Aqueles que temem a DEUS e o reconhecem em todos os seus caminhos têm a promessa de que DEUS dirigirá todos os seus passos (Pv 3.5,6) "(Bíblia de Estudo Pentecostal. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 39).
 
PARA REFLETIR - A respeito do livro de Genesis:
Quem foi José?
José era bisneto de Abraão, amigo de DEUS. À semelhança de seu pai, Jacó, e do avô, Isaque, era um homem de profundas experiências com o Senhor. José era filho de Raquel, a esposa amada de Jacó (Gn 29.18-20,30).
Qual o significado dos sonhos de José?
Que ele dominaria sobre seu pai e seus irmãos.
Como você descreveria o caráter de José?
Como um caráter ilibado.
Que lição traz-nos as tribulações de José?
Quem serve a DEUS prospera em qualquer circunstância (Sl 1.3). Se fizermos a vontade de DEUS, até as adversidades redundarão em bênçãos e livramentos aos que nos cercam.
O que representou a região de Gósen para Israel?
Distante da influência dos cananeus e dos egípcios, os
 
CONSULTE
Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 64, p. 42.
 
SUGESTÃO DE LEITURA
A Família no Antigo Testamento, O Plano Divino Através dos Séculos e A Origem da Bíblia
 
 
COMENTÁRIOS DE DIVERSOS AUTORES E LIVROS COM ALGUMAS MODIFICAÇÕES DO Ev. LUIZ HENRIQUE
PONTOS DIFÍCEIS E POLÊMICOS
Filho Primogênito
Na cultura judaica, o filho primogênito tinha o direito de receber uma porção dobrada da herança dos pais. Esse direito era chamado de direito de primogenitura (Dt 21.15-17).
Jacó mais abençoado que Esaú. Moisés mais abençoado que Arão. Efraim mais que Manassés e por ai vai José o penúltimo, mais que todos os outros 11.
Primogenitura - Na verdade o que vemos é que alguém deseja a bênção da primogenitura e luta por ela, assim como um dom do ESPÍRITO SANTO hoje, está disponível a todos, mas são raríssimos os que por causa desses dons ou por causa de um deles despreza as mordomias da vida e luta para agradar a DEUS e ser canal de DEUS para salvação das almas.
Foi assim com Jacó e com José
Jacó saiu e deixou tudo para Esaú, pois Isaque morreu e Jacó não estava lá para ficar com alguma coisa para ele, mas no final Jacó estava muito mais com DEUS, rico e poderoso do que seu irmão.
José foi tido como morto, nada possuía, mas foi o que se deu bem.
Quem escolhe DEUS - esse é o primogênito no final.
Todo o que aceita a JESUS como único Senhor e Salvador se torna um filho com as mesmas regalias dos filhos primogênitos. Somos co-herdeiros com CRISTO da mesma herança.
Quem preferiu DEUS se deu bem - Para ganhar tem que perder
Jacó era um sonhador que sonhava os sonhos de DEUS (sonhos que DEUS dava para ele) e não os dele ou de alguém. Quem encostava perto de José sonhava também. Isso pega. Sonhe sonhos de DEUS para sua vida.
A maioria absoluta de sonhos são nossos ou de impressões marcadas em nosso subconsciente. Sonhe os sonhos de DEUS (sonhos que DEUS dá para nós).
José foi preso e seus companheiros de cela sonharam. José foi solto por causa de um sonho de Faraó. Onde José estava havia sonhos dados por DEUS para que José estivesse acima de todos e na presença de DEUS.
De quem era o direito da primogenitura? Filho mais velho da esposa legitima
No caso de Jacó que amava Raquel e trabalhou por ela e foi enganado, o que valia para DEUS era então José o primogênito pelo direito divino.
 
Humanamente, Assim ficou o direito de primogenitura na casa de Jacó:
Rubem perdeu sua primogenitura, que na verdade não era sua, por ter se deitado com Bila, concubina de seu pai.(Genesis 49:3-4) - Rúben, tu és meu primogênito, minha força e o princípio de meu vigor, o mais excelente em alteza e o mais excelente em poder. Impetuoso como a água, não serás o mais excelente, porquanto subiste ao leito de teu pai. Então o contaminaste; subiu à minha cama.
Simeão e Levi, o segundo e terceiro filhos de Jacó, sobre os quais deveria recair o direito de primogenitura, também o perderam. Eles foram instrumentos de violência, especialmente no fato ocorrido em Siquém (Gn 34), por isso o Senhor não lhes repassou o direito de primogenitura (49:5-7).
A realeza, um dos itens da primogenitura, foi dada ao quarto filho, Judá (Gn 49:10).
 
70 ou 75 almas desceram ao Egito com Jacó?
Gn 46:27 - E os filhos de José, que lhe nasceram no Egito, eram duas almas. Todas as almas da casa de Jacó, que vieram ao Egito, foram setenta. (70)
Ex 1:5 - Todas as almas, pois, que descenderam de Jacó foram setenta almas; José, porém, estava no Egito. (70)
At 7:14 - E José mandou chamar a Jacó, seu pai, e a toda sua parentela, que era de setenta e cinco almas.. (75)
* A Septuaginta (LXX) diz 75 pessoas.
* O texto Massorético diz 70.
Gn 46:26 diz: "Todos os que foram para o Egito (Er e Onã morreram em Canaã) com Jacó, todos os seus descendentes, sem contar as mulheres de seus filhos (Diná era filha e não nora), totalizaram sessenta e seis pessoas".
+ Jacó e José
vs.27 diz: "Com mais os dois filhos que nasceram a José no Egito, os membros da família de Jacó que foram para o Egito chegaram a setenta".
Em Gn 46:27, aparece na Septuaginta que José teve nove filhos. Tirando José e Jacó então ficaram 75 almas.
 
José foi vendido e saiu de Canaã aos 17 anos, seu irmão benjamim tinha 5 anos, depois de ser escravo de Potifar, ser prisioneiro do rei, foi governador de todo o Egito aos 30 anos e só viu seu pai depois de 22 anos que estava no Egito, só ai então viu realizados seus sonhos aos 39 anos, quando agora já era governador de todo o Egito por 9 anos. José morreu com 110 anos.
Estas são as gerações de Jacó. Sendo José de dezessete anos, apascentava as ovelhas com seus irmãos; sendo ainda jovem, andava com os filhos de Bila, e com os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e José trazia más notícias deles a seu pai.Genesis 37:2
E José era da idade de trinta anos quando se apresentou a Faraó, rei do Egito. E saiu José da presença de Faraó e passou por toda a terra do Egito - Genesis 41:46
Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega Genesis 45:6
E morreu José da idade de cento e dez anos, e o embalsamaram e o puseram num caixão no Egito - Genesis 50:26
 
José levou 13 anos até ser governador + 7 de fartura + 2 anos de seca = 22 anos para ver seu pai novamente.
Isso mesmo. Que coisa hein! Só se realizou totalmente seus sonhos depois de 22 anos. Família paciente.
25 de Abraão para nascer Isaque, 20 de Isaque para nascer Jacó, 14 de Jacó para casar com Raquel e 22 de José para realizar seus sonhos.
Uma geração de paciência e perseverança. Isso é fé.
 
 
Lições Bíblicas CPAD -  1º Trimestre de 1991 - A VIDA DE ABRAÃO - Comentários: EURICO BERGSTEN
JOSÉ E O ÁRDUO CAMINHO DA VITÓRIA
TEXTO ÁUREO
"Porquanto o Senhor estava com ele, e tudo o que ele fazia o Senhor prosperava "(Gn 39.23).
VERDADE PRÁTICA
O Senhor era com José e isto foi o segredo de todo o progresso que ele experimentou.
LEITURA DIÁRIA
Segunda- SI 91.15 Estarei com ele na angustia
Terça- SI 46.1 Socorro presente na angustia
Quarta- SI 13 Tudo que fizer, prosperará
Quinta- Is 41.10 Não temas, eu te ajudo
Sexta - Jr 15.20 Sou contigo para guardar
Sábado -SI 37.5 Confia nele, ele tudo fará
TEXTO BÍBLICO BÁSICO Gn 37.2-4; 39.1-2,9; 41.25,38,40; 45.1,5,28
Gn 37.2 - Estas são as gerações de Jacó: Sendo José de dezessete anos, apascentava as ovelhas com seus irmãos, e estava este mancebo com os filhos de Bila, e com os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e José trazia uma má fama deles a seu pai. 3 - E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores. 4 - Vendo pois seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos os seus irmãos, aborreceram-no, e não podiam falar com ele pacificamente.
Gn 39.1 - E José foi levado ao Egito, e Potifar, eunuco de Faraó, capitão da guarda, varão egípcio, comprou-o da mão dos ismaelitas que o tinham levado lá. 2 - E o Senhor estava com José, e foi varão próspero; e estava na casa de seu senhor egípcio. 9 • Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como pois faria eu este tamanho mal e pecaria contra DEUS?
Gn 4125 • Então disse José a Faraó: O sonho de Faraó é um só; o que DEUS há de fazer, notificou-o a Faraó. 38 - E disse Faraó a seus servos: Acharíamos um varão como este, em quem haja o espírito de DEUS? 40 - Tu estarás sobre a minha casa, e por tua boca se governará todo o meu povo; somente no trono eu serei maior que tu.
Gn 45.1 • Então José não se podia conter diante de todos os que estavam com ele, e clamou: Fazei sair daqui a todo o varão; e ninguém ficou com ele, quando José se deu a conhecer a seus irmãos. 5 - Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida DEUS me enviou diante da vossa face.28 - E disse Israel: Basta; ainda vive meu filho José; eu irei e o verei antes que morra.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
A história de José nos mostra quanto vale ser crente desde a infância; e prova que a presença do Senhor na vida do crente é a solução para todos os problemas que surgem, sejam eles quais forem. (SCR e CB)
I. JOSE CONHECEU A DEUS NO SEU LAR
1.José, o filho predileto de Jacó. José, o décimo primeiro filho de Jacó, era o primogênito de Raquel, a esposa que Jacó amava. Raquel faleceu quando José era ainda criança, mas ele cresceu cercado de amor. Certamente teve grande repercussão sobre a vida de José o encontro que seu pai Jacó teve com DEUS no Vau de Jaboque, quando exclamou: "A minha alma foi salva". José também teve  o seu encontro com DEUS. É absolutamente necessário que os lares dos crentes sejam verdadeiros viveiros espirituais. Onde impera o verdadeiro despertamento, o coração dos pais converte-se aos filhos (Lc 1.17).
2. José, o Jovem predestinado por DEUS. José. experimentou a manifestação do ESPÍRITO SANTO em toda sua vida. Ainda muito jovem teve dois sonhos proféticos, os quais lhe deram a certeza de que DEUS tinha alguma coisa preparada para ele,(Gn 37.5-10). Já adulto, recebeu de DEUS preparo para interpretar sonhos (Gn 40.8-22). DEUS prepara o crente para a obra que tem a fazer, através da operação do ESPÍRITO SANTO.
II. JOSÉ AJUDA SEU PAI NA ADMINISTRAÇÃO DOS NEGÓCIOS
l. As excelentes qualidades de José.
Embora ainda muito novo, com apenas 17 anos, foi colocado pelo pai na administração de seus grandes rebanhos. Talvez tivesse sido mais apropriado colocar neste cargo a Rubem, o primogênito, mas este por causa de problema de ordem moral perdeu o direito à primogenitura (Gn 49.4). José, o primogênito de Raquel, assumiu esse cargo com muita eficiência. Isto explica a túnica de várias cores que Jacó deu a Jose. Era o tipo de túnica compatível com um cargo de gerência.
2. Os irmãos de José o odiavam. 0 motivo era inveja. Não suportavam a lembrança dos sonhos que José tivera. É interessante observar que o ódio que os irmãos nutriam por José, não o prejudicou em sua vida espiritual. Isto é uma evidência de que antes de este ódio se manifestar, José já vivia em íntima comunhão com DEUS. Uma experiência com DEUS em profundidade é a mais grandiosa solução para cada jovem. Vivendo perto de DEUS, o crente vence qualquer forma de ódio e de resistência.
III. JOSÉ É VENDIDO COMO ESCRAVO
1. A traição dos irmãos de José.  Um dia Jacó enviou José a ver o estado de seus rebanhos (Gn 37.12-17). Seus irmãos, vendo-o de longe, sugeriram matá-lo. Porém. Rubem conseguiu impedi-los (Gn 37.21-22). Passando por aquele local, àquela hora, uma caravana de ismaelitas a caminho do Egito, venderam José como escravo àqueles mercadores. Para ocultar o que haviam feito, tingiram a túnica de José com sangue e enviaram-na a Jacó com a mensagem: "Conhece agora se esta será ou não a túnica de teu filho'' (Gn 37.32). DEUS estava com José. DEUS conosco é garantia de que todas as coisas que possam vir a acontecer, cooperam para o bem (Rm 8.28). DEUS guardou José de um mal pior que o ódio e a perseguição; DEUS guardou José de dar lugar à raiz de amargura (Hb 12.15). A história de José mostra que ele não foi acometido por este mal. Ver Gn 42.21 -24.0 crente em comunhão com DEUS não sofre dano em consequência de males que aparecem em seu caminho (Lc 10.19).
2. José na casa de Potifar. José foi comprado por Potifar, capitão da guarda palaciana (Gn 39.1). O que Potifar não sabia era que, junto com José, a bênção do Senhor havia entrado em seu lar (Gn 39.2). Tudo prosperava nas mãos de José, e logo ele foi colocado sobre toda a casa de Potifar(Gn 39.4) Na casa de Potifar aguardavam José mais provações. A mulher de Potifar. pessoa sem moral, quis seduzir José. Mas, José, como homem de DEUS, repeliu-a dizendo: "Como pois faria eu este tamanho mal. e pecaria contra DEUS?" (Gn 39.9). Irada com a recusa, a mulher de Potifar arquitetou uma armadilha para José, e falsamente acusou-o. Potifar. crendo nas mentiras da mulher, mandou lançar José na prisão (Gn 39.10-20).
3. José na casa do cárcere. O Senhor entrou com José no cárcere (Gn 39.21). O Senhor lhe deu graça diante dos olhos do chefe do cárcere, e logo este o investiu de autoridade sobre os demais presos (Gn 39.21-23). Ali no cárcere José teve oportunidade de interpretar o sonho de dois presos. "Não são de DEUS as interpretações?" (Gn 40.8). E da forma como José interpretou, assim aconteceu. Quando o copeiro-mor saiu do cárcere. José lhe disse: "Lembra-te de mim quando te for bem...faça menção de mim a Faraó*' (Gn40.14).
IV. JOSÉ É LEVADO À PRESENÇA DE FARAÓ
Passaram-se dois anos inteiros desde que o copeiro-mor deixou o cárcere, então ele lembrou do pedido de José (Gn 41.1).
l. José interpreta o sonho de Faraó (Gn 41.25-32). Faraó teve dois sonhos. os quais perturbaram o seu espírito e ele não encontrava quem os interpretasse. Foi então que o copeiro-mor lembrou-se de José, e contou acerca dele a Faraó. Imediatamente, José foi conduzido à presença do soberano, que lhe contou os sonhos e José os interpretou. A interpretação dos dois sonhos era uma só: Sete anos de fartura seriam seguidos de sete anos de fome, e que DEUS estava dando o aviso a fim de que nos anos de fartura se ajuntassem alimentos para suprir os anos de fome (Gn 41.25-37).(SH) Faraó, impressionado com a revelação divina, disse: "Acharíamos um varão como este, em quem haja o espírito de DEUS?" (GrT41.38). E nomeou José governador de todo o Egito, com a incumbência de administrar o armazenamento e a distribuição de alimentos. José assumiu imediatamente o encargo. As abundantes colheitas foram devidamente armazenadas, a ponto de não ser possível numerar os estoques de trigo ajuntado (Gn 41.46-49).
2. José governa o Egito. A escalada de José até o palácio não foi fácil. Quando finalmente chegou à posição de governador do Egito e foi o administrador do salvamento dos egípcios e de nações vizinhas, José pôde entender a lógica das diferentes etapas de seu árduo caminho, e de fato experimentar que muitas vezes "o Senhor tem o seu caminho na tormenta" (Na 1.3). Assim dizem as Escrituras: "Todos os seus caminhos juízos são" (Dt 32.4), e. ainda: "Todas as veredas do Senhor são misericórdia e verdade" (SI 25.10). DEUS havia feito José entender a razão de seus muitos sofrimentos, por isso ele pôde dizer a seus irmãos: "Porque para conservação da vida DEUS me enviou diante da vossa face"(Gn45.7).(SD e DB)
V. JACÓ ENVIA SEUS FILHOS AO EGITO
l. O reencontro de José com seus irmãos. Tendo ouvido que Faraó estava vendendo trigo a todos os povos, Jacó mandou seus filhos ao Egito a fim de se abastecerem do cereal. Benjamim ficou com o pai. enquanto os dez se dirigiam ao Egito. Apresentarem-se a José. o qual facilmente reconheceu seus irmãos sem ser deles reconhecido. José os interrogou acerca da família deles, e eles lhe contaram acerca do irmão mais moço. Para prová-los, José reteve a Simeão como refém até que voltassem a ele trazendo a seu irmão Benjamim.
2. O estratagema de José. Os filhos de Jacó voltaram ao Egito na companhia de Benjamim e José ficou muito emocionado ao ver seu irmão, o filho mais moço de sua mãe Raquel. Quando seus irmãos se preparavam para retomar a Canaã José os submeteu a mais uma prova. Mandou esconder seu copo de prata nó saco de Benjamim. E quando eles já estavam a caminho, enviou atrás deles emissários dizendo que o copo do governador estava desaparecido, que eles eram os suspeitos, e que aquele em cuja bagagem o copo fosse encontrado, ficaria no Egito como escravo de José. O copo foi achado na bagagem de Benjamim, e todos voltaram à presença de José. Judá, então, fez a José uma emocionante súplica, oferecendo-se para ficar como escravo no Egito em lugar de Benjamim, porque: "Como subirei eu a meu pai se o moço não for comigo? Para que não veja eu o mal que sobrevirá a meu pai" (Gn44.18- 34). E fora justamente Judá aquele que havia proposto que José fosse vendido como escravo aos ismaelitas...José entendeu que a natureza de seus irmãos havia verdadeiramente mudado. E deu-se a conhecer a seus irmãos: "E levantou a sua voz com choro...Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não puderam responder porque estavam pasmados diante da sua face" (Gn45.1-3). Logo os irmãos retomaram o caminho para Canaã, não só levando consigo trigo, mas também levando consigo a incumbência de preparar a mudança de toda a família para o Egito. Ao anunciarem a Jacó que José ainda vivia e que era o governador do Egito, o seu coração desmaiou porque não os acreditava. Mas vendo os carros que José enviara para levá-lo ao Egito, reviveu o seu espírito (Gn 45.26-27). Não demorou muito até que toda a família, um grupo de 70 pessoas, estava descendo para o Egito (Gn 46. l-4). (SG, SH e SA).
VI. JOSÉ CUIDOU DE SEU PAI ATÉ QUE ESTE MORRESSE
José fez isto de forma a constituir-se em um exemplo para todos os tempos. Não somente deu a Jacó o sustento material, mas deu-lhe carinho e seu cuidado! É realmente melhor mostrar o nosso amor e o nosso cuidado aos nossos velhos pais enquanto os temos em vida, do que prestar-lhes homenagens junto à sepultura. "Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa" (Ef6.2).
Lições Bíblicas CPAD -  1º Trimestre de 1991 - A VIDA DE ABRAÃO - Comentários: EURICO BERGSTEN
 
Revista CPAD - Lições Bíblicas - 1995 - 4º Trimestre - Genesis, O Princípio de Todas as Coisas - JOSÉ, UM HOMEM DESIGNADO POR DEUS - Comentarista pastor Elienai Cabral
I. JOSÉ, AMADO E ODIADO POR SUA FAMÍLIA
1. Amado de seu pai
2. Odiado por seus irmãos
3. Maltratado e vendido como escravo
4. As conseqüências amargas da inveja e do ódio
ll. JOSÉ É HUMILHADO E EXALTADO NO EGITO
1. José é vendido na feira de escravos, no Egito
2. José prospera na casa de Potifar
3. José foi tentado pela mulher de Potifar
4. José é abençoado por DEUS, na prisão
III. JOSÉ É LEVADO À PRESENÇA DE FARAÓ
1. José é lembrado perante Faraó
2. José é conduzido a Faraó
3. José interpreta os sonhos de Faraó
4. José é nomeado governador do Egito
 
OBJETIVOS - No término desta lição, os alunos deverão ser capazes de:
. Entender que os pais jamais devem fazer distinção entre os filhos, ou seja, demonstrar que gosta mais de um do que do outro .
. Compreender que os irmãos de José não conseguiram matá-lo, pois DEUS tinha um plano especial para sua vida .
. Concordar que, se tivesse cedido à tentação na casa de Potifar, José teria perdido a bênção de ser o segundo mandatário do Egito.
. Concluir que, para recebermos uma bênção divina, somos primeiramente provados, a fim de fazermos jus à ela.
 
SUGESTÕES PRÁTICAS
1. Informe aos alunos que, quando demonstramos maior amor por um determinado filho, pelo fato de ele ser mais obediente do que os outros, causamos um problema sério ele relacionamento entre eles, pois a inveja aflora ele imediato, e leva, às vezes, a uma tragédia em família. Por isso, elevemos evitar esta demonstração.
2. Diga-lhes que DEUS estabeleceu aquela dura prova a José, pois desejava conceder-lhe a bênção que lhe mostrara, através de sonhos, em sua adolescência. Só assim, ele jamais se esqueceria cio que o Senhor lhe fez, ao escolhê-lo para ser o governador cio Egito e provedor do alimento que salvou a humanidade da fome mundial.
3. Esclareça-lhes que, mesmo injustiçado, ao ser condenado à prisão, por um crime que não cometeu, José permaneceu fiel ao DEUS de seu pai Jacó. Ainda foi esquecido pelo amigo, que conseguiu a liberdade antes dele e prometeu libertá-lo. Mas a confiança inabalável no Senhor o fez sair do cativeiro, triunfante.
 
INTRODUÇÃO
A história ele José ganha um espaço especial no livro de Genesis nos capítulos 37 a 50. O velho Jacó vivia como estrangeiro na terra de Canaã, a qual DEUS prometera como herança à descendência de Abraão. Nos planos divinos, fatos contundentes haveriam de acontecer a partir de José, tomando-se o mesmo o personagem por excelência na história do povo de Israel.
 
I. JOSÉ, AMADO E ODIADO POR SUA FAMÍLIA1. Amado de seu pai (vs.1-4).
José era um adolescente, de 17 anos de idade, e Jacó o amava muito, porque era o filho de sua velhice. Além disso, ele se destacava dentre seus irmãos, porque era temente a DEUS e não concordava com o mau procedimento deles. Jacó demonstrava sua preferência paterna por José, provocando, com esta atitude, a inveja e o ciúme de seus irmãos.
2. Odiado por seus irmãos (vs.4-11).
Havia duas razões principais para o ódio dos seus irmãos: era a denúncia que José trazia a Jacó das más ações cometidas por eles, fora das vistas do velho pai e quando, ingenuamente, contava seus sonhos a eles e os
sonhos sempre eram interpretados colocando-o como líder sobre seus irmãos e isto era suficiente para eles o odiarem e desejarem e livrar dele.
3. Maltratado e vendido como escravo (vs.12-36).
Por ser o mais novo dos filhos, José foi enviado por seu pai ao campo onde estavam seus irmãos, cuidando dos rebanhos da família, em Siquém. Quando José chegou entre eles, seus irmãos já haviam formulado uma trama para livrarem-se dele, pois o ódio era patente em seus olhos e corações. Seus irmãos queriam matá-lo,mas Rúben impediu que eles assassinassem o próprio irmão, pois isto muito entristeceria o velho pai. Resolveram então colocá-lo dentro de uma cisterna, cavada naquela região. Antes, tiraram-lhe a túnica talar, que o distinguia dos demais, e o venderam como escravo a uma caravana de ismaelitas (Gn 37.25)
4. As conseqüências amargas da inveja e do ódio.
A Bíblia diz que "os irmãos de José eram movidos de inveja" (At 7.9). A inveja surge como um sentimento negativo, de mesquinharia humana, causada pela queda ao pecado, desde nossos primeiros pais, Adão e Eva. Geralmente, a inveja surge da tentativa de compensar o fracasso em relação a outras pessoas. O invejoso não aceita o sucesso de outrem.
II. JOSÉ É HUMILHADO E EXALTADO NO EGITO1. José é vendido na feira de escravos, no Egito (Gn 39.1).
Longe da casa do pai, José amargava a separação. Não entendia porque tanto ódio da parte de seus irmãos. Passava pela feira de escravos um oficial da corte real de Faraó, por nome Potifar e, ao ver o jovem escravo, percebeu que o mesmo tinha características diferentes e superiores aos demais. Comprou-o dos ismaelitas e o levou para servir em sua casa.
2. José prospera na casa de Potifar (Gn 39.1-6). José alcançou graça diante de seu amo Potifar e foi designado para ser mordomo da sua casa. Todos os negócios foram geridos por José, e a casa de Potifar prosperou grandemente. DEUS estava com José em tudo o que fazia.
3. José foi tentado pela mulher de Potifar (Gn 39.6-12).
É difícil, às vezes, entender os desígnios de DEUS, mas a verdade deste incidente, na experiência de José, estava no fato de que ele deveria ser provado, a fim de estar apto para um propósito maior. Segundo a Bíblia, além das qualidades morais e espirituais, José "era formoso de parecer e formoso à vista" (Gn 39.6). Fisicamente, ele era bonito e desejável para os prazeres da carne. A mulher de Potifar colocou os olhos em José e tramou situações pelas quais pudesse atrair o jovem mordomo. Mas ele recusou os ímpetos insistentes daquela mulher, declarando a ela, que não poderia trair a confiança de seu senhor __ (Gn 39.8). Não podendo convencê-lo com palavras e atitudes sensuais, aquela mulher o pegou pelo vestido, com força, mas ele escapou assim mesmo, deixando suas vestes rasgadas nas mãos dela (Gn 39.12). A mulher de Potifar se fez de vítima e lançou sobre José a acusação de tentativa de sedução (Gn 39.14-18). Ouvindo Potifar a acusação mentirosa de sua mulher contra José, mandou-o para o cárcere dos presos do rei.
4. José é abençoado por DEUS dentro da prisão (Gn 39.21-23; 40.6-8).
DEUS foi benigno com José, isto é, em todo o tempo da sua humilhação, a presença benévola e complacente do Senhor esteve com ele. Esse é o modo de DEUS tratar com aqueles que sofrem e padecem aflições (Rm 2.4; Sl 36.7; 119.76). Naquela prisão, a benignidade do Senhor sustentou e guardou José (Pv 20.28). A graça divina quebrantou o coração do carcereiro-mor e o fez ver as qualidades morais e intelectuais de José. Dentro daquela prisão, José encontrou dois chefes da cozinha da casa real: o chefe dos copeiros e o dos padeiros da casa de Faraó. Ambos sonharam, e como os egípcios Naquela prisão, a benignidade do Senhor sustentou e guardou José (Pv 20.28). A graça divina quebrantou o coração do carcereiro-mor e o fez ver as qualidades morais e intelectuais de José. Dentro daquela prisão, José encontrou dois chefes da cozinha da casa real: o chefe dos copeiros e o dos padeiros da casa de Faraó. Ambos sonharam, e como os egípcios criam que os sonhos representavam presságios bons ou ruins, contaram a José os seus sonhos. José tinha a graça de DEUS, para interpretar sonhos. Isto acontecia, desde quando estava na casa de seu pai Jacó. Sem entrar nos detalhes, vemos que José revelou o stgrrtficaôos dos· sonhos aos dois, e pediu ao copeiro que se lembrasse dele perante Faraó, uma vez que ele era apenas uma vítima, e não culpado de qualquer ato indigno (Gn 40.14,15).
III. JOSÉ É LEVADO À PRESENÇA DE FARAÓ1. José é lembrado perante Faraó (Gn 41.1-8).
Faraó teve dois sonhos seguidos que o deixaram perturbado, pois não entendia o significado dos mesmos. É aqui que DEUS entra em ação, mais uma vez, para cumprir sua palavra, anteriormente, revelada a José, ainda na casa de seu pai. O tempo do cumprimento dos sonhos de José chegava no momento certo (Gn 37 .5-7). O copeiro-mor estava servindo a Faraó, cerca de dois anos depois que saíra da prisão, quando viu o rei perturbado. O Senhor o fez lembrar-se de José e ele falou a Faraó sobre o que acontecera e como se cumprira a interpretação de José. Faraó já havia convocado todos os astrólogos e adivinhos do palácio, mas nenhum pudera interpretar os seus sonhos (Gn 41.8). O rei ficou pasmado com a exatidão do cumprimento dos sonhos do copeiro e do padeiro e, por isso, ordenou que lhe trouxessem José a sua presença.
2. José é conduzido ao Faraó (Gn 41.9-15)
No tempo próprio, DEUS fez o copeiro-mor lembrar-se de José, o qual contou ao rei a experiência que tivera, quando esteve preso com o jovem hebreu. O rei ficou impressionado com a narrativa. Estava revoltado com os magos e ocultistas do palácio,.que não puderam interpretar os seus,sonhos. Na presença de Faraó, José, com humildade, declara que a interpretação dos sonhos do rei viria de DEUS, o seu Senhor (Gn 41.16). O plano divino na vida de José começava a cumprir-se, literalmente.
3. José interpreta os sonhos de Faraó (Gn 41.16-32).
O rei contou os sonhos e o ESPÍRITO de DEUS abriu o entendimento de José para dar a interpretação. José interpretou os sonhos, afirmando que os dois se resumiam num só, pois dentro de pouco tempo o Egito passaria por uma grande escassez de alimentos e, para evitar esta crise, era necessário que o rei se prouvesse de mantimentos. O rei ficou estupefato por tanta inteligência e visão administrativa do jovem hebreu. A verdade é que DEUS estava por detrás de tudo. José achou graça diante de Faraó (At 7.10). Esta graça tinha a operação de DEUS, pois é Ele quem dirige os destinos da nos é Ele quem dirige os destinos da nossa vida, quando fazemos a sua vontade. Ao ouvir a palavra de José, em encontrar um homem que tivesse o espírito de DEUS para governar toda aquela proposta, buscou entre seus espírito de DEUS para governar toda aquela proposta, buscou entre seus homens, mas a ninguém encontrou. Estava diante dele um estrangeiro recém-saído da prisão (Gn 41.12-39).
4. José é nomeado governador do Egito (Gn 41.33-57).
Indiscutivelmente o ESPÍRITO de DEUS estava com José - Ao tornar-se governador do Egito tomou-se, também, a segunda pessoa mais importante do reino de Faraó. O rei viu em José muito mais que um mero visionário. O rei viu nele alguém altamente capaz de realizar um grande trabalho em favor do Egito. Às vezes, na vida cotidiana da igreja, os que possuem algum dom espiritual de profecia ou revelação não sabem separar as coisas espirituais das racionais. Espiritualizam demasiadamente os fatos da vida eclesiástica e agem como se fossem anjos. José não perdeu os seus dons espirituais, e soube administrar a sua vida espiritual de modo a ser uma bênção nas responsabilidades materiais.
CONCLUSÃO
A história de José é longa e contêm muitas lições, mas destacaremos apenas alguns pontos, os quais se constituem ricos e preciosos ensinos para a nossa vida cotidiana; - -No primeiro tópico da lição. No primeiro tópico da lição aprendemos sobre o perigo da discriminação que alguns pais fazem com seus filhos. Isto gera ciúmes, invejas e rancores entre os demais irmãos. Por causa da discriminação, José quase foi assassinado por seus irmãos. Não aconteceu, porque DEUS tinha um plano determinado com todos eles, especialmente, José. Mesmo assim, foi vendido como escravo, mas DEUS esteve com ele o tempo todo.
O esquecimento do copeiro parece ter sido de propósito, na presciência divina, pois, no tempo certo, ele lembrou-se de José. Devemos aprender a esperar em DEUS. Ele não se atrasa, nem se adianta.
ENSINAMENTOS PRÁTICOS
1. DEUS, antecipadamente, preparou o espírito de José para a grande luta que enfrentaria, quando fosse provado, ao revelar-lhe, através de sonhos, o seu futuro. Por isso, mesmo vendido pelos irmãos e condenado à prisão por Potifar,. jamais retrocedeu. Desta forma, teve o seu nome registrado na Bíblia, e nas páginas da história humana.
2. A humildade é tudo na vida do cristão. Se permanecermos humildes e confiantes no Senhor, mesmo injustiçados, conforme aconteceu com José, no tempo certo, DEUS nos dará a vitória. Portanto, não nos desesperemos, mas esperemos com paciência o momento de sermos exaltados pelo Todo-poderoso.
3. A provação vem-nos na medida certa: nem mais nem menos. Apesar de aparentemente dura, José suportou com resignação a prova estabelecida por DEUS para sua vida, e alcançou a vitória.Em compensação, tornou-se o segundo homem do Egito e salvou a humanidade da fome que assolou o mundo em seus dias.

Revista CPAD - Lições Bíblicas - 1995 - 4º Trimestre - Genesis, O Princípio de Todas as Coisas - Comentarista pastor Elienai Cabral

Nenhum comentário: