sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Lição 2, Sinais que Antecedem a Volta de CRISTO pte1

Lição 2, Sinais que Antecedem a Volta de CRISTO
1º trimestre de 2016 - O Final de Todas as Coisas - Esperança e Glória Para os Salvos
Comentarista da CPAD: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
AQUI VOCÊ VÊ PONTOS DIFÍCEIS DA LIÇÃO - POLÊMICOS
Veja 4º Trimestre De 2004 - VEM O FIM, O FIM VEM  - - A Doutrina Das Últimas Coisas - COMENTÁRIOS Pr. Claudionor Corrêa De Andrade
https://surfandonoassude.wordpress.com/2014/03/15/contagem-regressiva-30-sinais-que-indicam-o-fim/  (INTERESSANTE ARTIGO SOBRE OS SINAIS DA VINDA DE CRISTO)
Aqui vai direto às figuras da lição 2  http://ebdnatv.blogspot.com.br/2016/01/figuras-da-licao-2-sinais-que-antecedem.html 
  
 
TEXTO ÁUREO"E, estando assentado no monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Dize-nos quando serão essas coisas [...]." (Mt 24.3)
 
 
VERDADE PRÁTICA 
Para que a Igreja não seja apanhada de surpresa, JESUS revelou alguns sinais que devem anteceder a sua vinda.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Jo 14.3 JESUS prometeu vir outra vez e nos levar para vivermos junto dEle
Terça - Mt 24.27 A segunda vinda do Senhor JESUS será rápida
Quarta -1 Tm 4.1 Nos últimos dias surgirão espíritos enganadores
Quinta - Mt 25.1-13 JESUS ensinou como devemos viver até que Ele venha
Sexta - Mt 24.9 Os crentes fiéis ao Senhor serão odiados e sofrerão perseguição
Sábado - Lc 21.11 Antes da segunda vinda de JESUS e do fim haverá catástrofes naturais
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Mateus 24.3-8, 11-14
3 - E, estando assentado no monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Dize-nos quando serão essas coisas e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?
4 - E JESUS, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane, 5 - porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o CRISTO; e enganarão a muitos. 6 - E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. 7 - Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. 8 - Mas todas essas coisas são o princípio das dores.
11 - E surgirão muitos falsos profetas e enganarão a muitos. 12 - E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará. 13 - Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo. 14 - E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim.
 
OBJETIVO GERALMostrar os sinais que antecedem a volta de JESUS.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS 
Apresentar os sinais relacionados à vida da Igreja;
Relacionar os sinais do céu da vinda de CRISTO;
Explicar que as guerras, conflitos e terremotos são sinais que acontecerão na Terra antes da vinda de CRISTO.
 
INTERAGINDO COM O PROFESSORNão sabemos a hora em que JESUS voltará para arrebatar a sua Igreja. Somente o Pai sabe quando se dará tal acontecimento. Porém, JESUS falou a respeito dos sinais que antecederiam a sua volta. Estes sinais são um alerta para nós. Precisamos estar atentos, mas para isso é necessário saber o que são realmente os sinais escatológicos. Um dos sinais é o surgimento dos falsos cristos e falsos profetas. Para não sermos enganados precisamos de discernimento e conhecimento das Escrituras Sagradas. Não descuide do estudo bíblico sistemático, pois ele poderá livrar você e seus alunos do engano. Atualmente, os falsos profetas e falsos cristos disseminam suas mentiras e tramoias através da internet e das redes sociais, alcançando um número incalculável de pessoas. Estejamos alertas, vigilantes, nos dedicando ao estudo da Palavra de DEUS para não sermos enganados.

PONTO CENTRAL
JESUS falou a respeito dos sinais que antecederiam a sua segunda vinda.

Resumo da Lição 2, Sinais que Antecedem a Volta de CRISTO

I - SINAIS NA VIDA DA IGREJA1. Os falsos cristos e falsos profetas.
2. Apostasia.
3. "Doutrinas de demônios" (1 Tm 4.1).
4. Perseguição aos crentes.
II - SINAIS NOS CÉUS DA VINDA DE CRISTO 
1. Sinais do céu.
2. JESUS fala de sinais e não de datas.
III - GUERRAS, CONFLITOS E TERREMOTOS 
1. Guerras e conflitos.
2. Terremotos.
 
SÍNTESE DO TÓPICO I - Um dos principais sinais da vinda de JESUS na vida religiosa é o surgimento de falsos cristos, falsos profetas, a apostasia e as doutrinas de demônios.
SÍNTESE DO TÓPICO II - Haverá sinais da vinda de JESUS também nos céus.
SÍNTESE DO TÓPICO III - Os sinais da vinda de JESUS na Terra são as guerras e os terremotos.
 
SUBSÍDIO DIDÁTICO top1
Professor, para introduzir o primeiro tópico da lição, faça a seguinte indagação: "Qual o mais importante discurso profético proferido por JESUS?" Ouça os alunos e explique que o discurso no Monte das Oliveiras (Mt 24-25) é o mais importante discurso profético de toda a Bíblia. Em seguida mostre o quadro abaixo fazendo um paralelismo entre o discurso de JESUS no Monte das Oliveiras e os selos de Juízo.
 
CONHEÇA MAIS top1
O sinal do Filho do Homem
"O sinal do Filho do Homem no céu (Mt 24.30). Aqui, semeion (sinal) provavelmente signifique 'bandeira' ou 'estandarte'. A volta de JESUS será visível e anunciada ao som de trombetas (cf. Is 11.12; 18.3; Jr 4.21; 51.27) com CRISTO, nos céus, envolto em um estandarte.
'Esta geração' (Mt 24.34). A geração neste caso é a que presenciar os terríveis eventos descritos em Mateus 24. Até lá, nenhum ser vivo saberá quando será a volta triunfante de JESUS. No entanto, podem saber que acontecerá entre anos que marcam a expectativa de vida de uma pessoa." Leia mais em Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p. 626.
 
SUBSÍDIO DIDÁTICO top2As Dores de Um Parto Difícil
"CRISTO começa o seu sermão com uma longa lista de calamidades que Ele compara com as dores de parto que precedem o nascimento de uma criança (Mt 24.4-8).
A palavra 'dores' no versículo 8 é do grego Ùdin, que fala do trabalho e da dor de parto. As aflições que CRISTO relaciona aqui são como as dores de parto. A princípio, são relativamente moderadas e não frequentes, porém à medida que a hora se aproxima, elas vêm em ondas implacáveis, mais rápidas e mais severas.
A ilustração de dores de parto é bastante comum na literatura apocalíptica judaica. O apóstolo Paulo usou uma figura similar para descrever o dia do Senhor (1 Ts 5.3).
O contexto indica que esses sinais se aplicam de um modo particular à era da Tribulação. No entanto, esses próprios males (guerras e rumores de guerras, falsos cristos, desastres naturais e perseguição) são aflições que têm caracterizado a totalidade da era cristã. Características similares estão presentes neste exato momento em diversos graus, e coletivamente parecem estar piorando de modo grosseiro e mais preponderante, exatamente como dores de parto.
Isso não significa que a era em que estamos vivendo seja a que CRISTO descreve. Mas realmente sublima a iminência da volta de CRISTO para a Igreja. O mundo no qual vivemos já está maduro para a Tribulação. Elementos como os sinais das dores de parto já estão sendo sentidos. As aflições atuais podem meramente ser como as contrações Braxton-Hicks - dores de parto prematuras; entretanto, significam que a hora do trabalho difícil, e então o parto em si, é inevitável e se aproxima rapidamente" (MACARTHUR, John. A Segunda Vinda.4.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 89-90).

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO top3
"Assim como a terra reagiu quando JESUS morreu (cf. Mt 27.51), também ocorrerão sinais 'em baixo na terra' (cf. At 2.19) antes da segunda vinda de JESUS.
Terremotos. Esse sinal continua a manifestar-se em várias partes do mundo. Se compararmos estatisticamente o número de terremotos ocorrido, veremos que do nascimento de JESUS até o ano de 1900, aconteceram menos terremotos do que entre 1901 e 1908. Torna-se real, em nossos dias, a profecia de Isaías 24.19.
Fome (cf. Lc 21.11; Ap 6.8). Secas, catástrofes e outras causas, têm motivado a fome em várias partes do mundo. Desde o início do século, o mundo tem presenciado períodos de fome, onde dezenas de milhares de vidas têm sido ceifadas. Carestia e escassez de víveres fazem parte da fotografia profética dos últimos tempos (cf. Ap 6.5,6).
Pestilência (cf. Lc 21.11). Os jornais mostram que doenças incuráveis têm ceifado a vida de milhões de pessoas todos os anos. O câncer até o momento não tem solução clínica. Novas bactérias letais são detectadas com uma frequência assustadora. Com relação à peste, existe uma observação interessante em Apocalipse 6.8 onde se fala das causas de mortes nos últimos tempos. Uma delas é 'com as feras da terra'. No original grego, a palavra traduzida por 'fera' é qhriwn. Essa palavra é um substantivo genitivo, neutro, plural e encontra-se no diminutivo - 'pequenas feras'. Isso certamente se refere aos ratos que são causadores da peste bubônica". (BERGSTÉN, Eurico. Introdução à Teologia Sistemática. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, p. 304).
 
PARA REFLETIR
A respeito da Escatologia Bíblica, responda:
Segundo a lição, quais sinais vão anteceder a volta de JESUS?
Falsos cristos, falsos profetas, apostasia.
O que significa apostasia?
Apostasia significa "desvio", "afastamento". Quer dizer "abandono premeditado e consciente da fé cristã".
O aumento da apostasia é um dos sinais da volta de JESUS?
Sim. O aumento da apostasia é um sinal que evidencia a segunda vinda de JESUS (2 Ts 2.3). O apóstolo Paulo alertou a Igreja quanto ao perigo da apostasia: "Mas o ESPÍRITO expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios," (1 Tm 4.1).
Os cristãos continuam sendo alvo de perseguição? Por quê?
Sim. Porque os cristãos não têm medo de declarar a sua fé
Cite alguns sinais que vão anteceder a volta de JESUS
Guerras, conflitos, terremotos.
 
CONSULTE 
Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 65, p. 37.
Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição.
 
SUGESTÃO DE LEITURA
Antes que a noite Venha, A Segunda Vinda e Israel, Gogue e o Anticristo
 
Comentários de vários autores com alguma modificações do EV. Luiz Henrique
Pontos difíceis e polêmicos
 
A PALAVRA “APOSTASIA”
Segundo a definição do site Bíblia on line, a palavra “apostasia” significa “Ato de desviar-se ou afastar-se do relacionamento com DEUS”. O dicionário Aurélio corrobora com tal definição:
Apostasia (do grego apostasia) — Substantivo feminino.
1. Separação ou deserção do corpo constituído (de uma instituição, de um partido, de uma corporação) ao qual se pertencia.
2. Abandono da fé de uma igreja, especialmente a cristã.
3. Abandono do estado religioso ou sacerdotal.
 
Quem acredita que a igreja vai passar pela metade da grande tribulação pertence ao grupo da "teologia do merecimento" ou salvação por obras, muito em voga nas igrejas históricas e principalmente na teologia  católica romana e do espiritismo, pois crêem no merecimento para serem salvos. Precisa provar que é fiel para ser salvo, passando pelo engano de Satanás, durante a grande tribulação.
 
A vinda de CRISTO não deve ser identificada com a destruição de Jerusalém, em 70 d.C., conforme a interpretação de alguns. O julgamento de DEUS contra Je- rusalém não é o acontecimento referido na maioria das passagens em que a segunda vinda de CRISTO é menciona- da. Isto. por vários motivos:
Primeiro, por ocasião da destruição de Jerusalém, aqueles que dormiam em JESUS não foram ressuscitados.
Segundo, os crentes vivos não foram arrebatados ao encontro do Senhor nos ares, nem seus corpos foram trans- formados.
Terceiro, anos depois dessa ocorrência, encontramos João ainda aguardando a vinda do Senhor.
Quarto, segundo os ensinamentos dos profetas, dos apóstolos e do próprio Senhor, um reino de justiça e paz deve seguir-se imediatamente à volta de CRISTO. Isso. todavia. não ocorreu, nem por ocasião nem depois da destruição de Jerusalém. Portanto, ela ainda está por vir!
 
Porque A Igreja Não Passará Pela Tribulação? 
Compilado Por Israel S. Reis
{* Nota de Hélio: a terminologia "os [verdadeiramente] salvos" é melhor que "as [verdadeiras] igrejas locais" que é melhor que "a Igreja"}
“Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha apostasia{*}, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição” (2Ts 2.3 - ACF){* A palavra grega "apostasia" significa PARTIDA,SEPARAÇÃO, AFASTAMENTO, SAÍDA, RETIRADA, REMOÇÃO. Portanto, pode se referir ao Arrebatamento}
HÁ POUCO ACORDO QUANDO A SE PALAVRA GREGA "APOSTASIA" SE REFERE A UM AFASTAMENTO FÍSICO (ARREBATAMENTO) OU A UM AFASTAMENTO METAFÓRICO (DESVIO DA FÉ). AS PRIMEIRAS (7) SETE TRADUÇÕES DA BÍBLIA EM INGLÊS A TRAZIAM COMO "AFASTAMENTO". NINGUÉM SABE POR QUE OS TRADUTORES DA VERSÃO AUTORIZADA (KJV) INGLESA A TRADUZIRAM COMO "AFASTAMENTO" OU "PARTIDA" E POR QUE OUTROS [POSTERIORES] A TRADUZIRAM COMO "REBELDIA". É POSSÍVEL DEFENDER QUE TODAS AS PRIMEIRAS (7) SETE VERSÕES INGLESAS ESTAVAM CERTAS AO TRADUZIR POR "PARTIDA", QUE PODERIA SIGNIFICAR UMA "PARTIDA FÍSICA" OU "ARREBATAMENTO". A VERDADE IMPORTANTE AQUI É QUE "AQUELE DIA", O GLORIOSO APARECIMENTO, NÃO SE DARÁ ATÉ QUE O "FILHO DA PERDIÇÃO" TENHA SIDO REVELADO. cf. (Ap 12; 13). (Dr. C. I.Scofield)
Por Tim LaHaye 

*O ponto de vista pré-tribulacionista é o único que resolve as dificuldades contrastantes de cf.(Ap 3.10 e Ap 7.14).
Pois se membros da igreja estarão entre os mártires de (Ap 7.14), que são mortos durante a tribulação, então o SENHOR não terá cumprido SUA PALAVRA em (Ap 3.10).
“Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10)ACF
*O pré- tribulacionismo explica por que não há instrução bíblica em preparação para a tribulação.
Tanto JESUS CRISTO quanto o apóstolo Paulo (sob a inspiração do ESPÍRITO SANTO) prometeram aos crentes
Que eles seriam salvos da “ira futura” cf. (1Ts 1.10).
.“E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, JESUS, que nos livra da ira futura” (1Ts 1.10)ACF
E guardados da“...hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra”
(Ap 3.10). Tal “tentação” ainda não aconteceu, e temos a promessa incondicional de JESUS de guardar os crentes desta tentação cf. (Ap 3.10). Paulo fez essa mesma promessa em (Rm 5.9; 1Ts1.10; 1Ts 5.9).
.“Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira” (Rm 5.9)ACF
. “E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, JESUS, que nos livra da ira futura” (1Ts 1.10)ACF
.“Porque DEUS não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor JESUS CRISTO” (1Ts 5.9) -  (Tim LaHaye)
Por Israel Reis

OS CRISTÃOS PASSARÃO PELA TRIBULAÇÃO?Conforme nos aproximamos do final da dispensação da graça, não há pergunta profética mais vigorosamente debatida do que a pergunta: “Os cristãos passarão pela Tribulação?”.

QUATRO PONTOS DE VISTA
Há quatro pontos de vista principais: a posição pós-tribulacionista afirma que a Igreja passará por toda a Tribulação. A posição Semi-tribulacionista diz que a Igreja passará pela primeira metade da Tribulação. A posição “pré-tribulacionista” afirma que a Igreja não passará por nenhum momento da Tribulação. E, finalmente, a “posição do arrebatamento parcial” crê que os santificados serão levados antes da Tribulação e que o restante da Igreja passará pelo julgamento. Analisemos, agora, a posição “pré-tribulacionista” que creio seja biblicamente correta.

COBERTOS PELO SANGUE
Primeiro de tudo, a própria natureza da Tribulação impede que a Igreja {*} passe por qualquer fase dela. A tribulação é uma época de engano, ira, julgamento, indignação, trevas, destruição e morte. Paulo escreve: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em CRISTO JESUS, que não andam segundo a carne, mas segundo o ESPÍRITO” (Rm 8.1)ACF
{* Nota de Hélio: a terminologia "os [verdadeiramente] salvos" é melhor que "as [verdadeiras] igrejas locais" que é melhor que "a Igreja"}
A Igreja foi purificada pelo “sangue de JESUS” e não necessita de outra purificação. Alguns questionam: “Os cristãos não precisam ser purificados?” A resposta é sim, mas eles são purificados através da confissão do pecado e através do “sangue de JESUS CRISTO” não através do sofrimento pessoal (sofrer para ser purificado - isso é coisa de catolicismo romano).
“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça” (1Jo 1.9)ACF

O SAL DERROTA SATANÁS
Outra razão para eu crer que a “posição pré-tribulacionista é biblicamente correta é o que ensina Paulo em (2Ts 2). Os crentes de Tessalônica estavam experimentando grande perseguição e queriam saber se a perseguição pela qual passavam era parte da Tribulação e se Paulo estava correto quando lhes disse em sua“primeira epístola” que os cristãos não passariam pela Tribulação. Paulo lhes diz: “Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de CRISTO estivesse já perto {*}”(2Ts 2.2 - ACF)
{* Nota de Hélio: este verbo está no perfeito do indicativo, e é melhor traduzido, literalmente, como "[já] tem sido colocado em [a mão]", que significa "[já] tem sido tornado presente"}
Paulo diz que não estão na Tribulação. Ele escreve: “Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição” (2Ts 2.3 - ACF)
O “homem da iniquidade” é o “Anticristo” que virá dos “Estados confederados da Europa” a forma final de poder mundial gentílico. O Anticristo não apareceu, “o mistério da iniquidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém” (v. 7 ). Quem está detendo Satanás de apresentar o Anticristo ao mundo como DEUS? “É a Igreja cheia do ESPÍRITO SANTO”, o “sal da terra” que derrota a corrupção. Quando o Senhor JESUS aparecer nas nuvens do céu para tirar a Igreja da Terra, DEUS não mais deterá Satanás e este pode, por causa disso, cumprir seu propósito de dominar o mundo. Mas não antes que a Igreja seja arrebatada da terra e o ESPÍRITO SANTO a conduza a CRISTO.
“Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado” (2Ts 2.7 - ACF) - O ESPÍRITO SANTO que está na igreja e com a igreja (O ESPÍRITO de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós. João 14:17).

A IGREJA QUE REINA
Uma outra razão pela qual creio que a “posição pré-tribulacionista é biblicamente correta é (Ap 4.4). João escreve:
“E ao redor do trono havia vinte e quatro tronos; e vi assentados sobre os tronos vinte e quatro anciãos vestidos de vestes brancas; e tinham sobre suas cabeças coroas de ouro” (Ap 4.4 - ACF)
*Note que esses anciões estão assentados, vestidos e coroados. Isso é claramente o “símbolo da Igreja”. Em (Ef 2.6) lemos que DEUS “nos fez assentar nos lugares celestiais em CRISTO JESUS”. Em (Ap 19.8) lemos: “E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos”
Lemos também em (2Tm 4.8) “Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda”
A pergunta crítica é esta: Quando a Igreja será vista no céu em sua posição glorificada? Será vista no início da Tribulação que João descreve desde Ap 4 até Ap 19. Será vista no céu, assentada, vestida e coroada. Dessa forma, o Arrebatamento precederá a Tribulação.

VINGANÇA SOBRE OS ÍMPIOS
Outra razão pela qual creio que a “posição pré-tribulacionista é verdadeira é o que Paulo escreveu em (2Ts 1.7-8) que fala em dar a “E a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor JESUS desde o céu com os anjos do seu poder, Como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a DEUS e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor JESUS CRISTO”.
A ira de DEUS durante a Tribulação será derramada sobre “aqueles que não conhecem a DEUS”não sobre a Igreja. DEUS salvou a  da destruição de Sodoma e Gomorra, porque ele era um homem justo. Sendo ele um homem justo cf. (2Pe 2.7) os anjos lhe disseram: “E aconteceu que, tirando-os fora, disse: Escapa-te por tua vida; não olhes para trás de ti, e não pares em toda esta campina; escapa lá para o monte, para que não pereças. E  disse-lhe: Ora, não, meu Senhor! Eis que agora o teu servo tem achado graça aos teus olhos, e engrandeceste a tua misericórdia que a mim me fizeste, para guardar a minha alma em vida; mas eu não posso escapar no monte, para que porventura não me apanhe este mal, e eu morra. Eis que agora aquela cidade está perto, para fugir para lá, e é pequena; ora, deixe-me escapar para lá (não é pequena?), para que minha alma viva. E disse-lhe: Eis aqui, tenho-te aceitado também neste negócio, para não destruir aquela cidade, de que falaste; Apressa-te, escapa-te para ali; porque nada poderei fazer, enquanto não tiveres ali chegado. Por isso se chamou o nome da cidade Zoar” (Gn 19.17-22 - ACF)
*A presença de um homem justo retardou a ira de DEUS. Da mesma maneira, a Igreja terá de ser removida antes que a ira de DEUS possa ser derramada sobre a Terra.
(adaptado do comentário de John Hagee{*}por Israel Reis)
{* Nota de Hélio: Hagee prega vários erros e até heresias, ver http://www.pfo.org/jonhagee.htm}

AS PRINCIPAIS RESSURREIÇÕES
Por John F. Walvoord
1°. A ressurreição de JESUS CRISTO (Mt 28.1-7; Mc 16.1-7; Lc 24.1-8; Jo 20.1-10; At 2.24; 3.15; 4.32; 10.40; 17.3; Rm 1.4; 4.25; 10.9; 1Co 15.4; Ef 1.20; 1Ts 4.14; 1Pe 3.18).
2°. A ressurreição de alguns santos na época da morte e ressurreição de CRISTO (Mt 27.50-53).
3°. A ressurreição por ocasião do Arrebatamento da Igreja{*} (1Co 15.51-58; 1Ts 4.14-17).{* Nota de Hélio: a terminologia "os [verdadeiramente] salvos" é melhor que "as [verdadeiras] igrejas locais" que é melhor que "a Igreja"}
4°. A ressurreição das duas testemunhas (Ap 11.3-13).
5°. A ressurreição dos santos do Antigo Testamento (Is 26.19-21; Ez 37.12-14; Dn 12.1-3).
6°. A ressurreição dos santos da Grande Tribulação (Ap 20.4-6).
7°. A ressurreição dos ímpios no final dos tempos (Ap 20.11-15). (John Walvoord)

“Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação; Porque DEUS não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor JESUS CRISTO” (1Ts 5.8-9 - ACF)

Fonte:
Bíblia de Estudo Profética – Tim LaHaye – Ed. Hagnos – (ACF)
Todas as Profecias da Bíblia - John Walvoord - ed. Vida
 
4º Trimestre De 2004 - VEM O FIM, O FIM VEM - A Doutrina Das Últimas Coisas - COMENTÁRIOS Pr. Claudionor Corrêa De Andrade
 
Lição 3- Vem O Fim, O Fim Vem! Os Sinais Da Volta De CRISTO (CPAD)
 
Texto Áureo: Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima. (Lc 21.28)
 
Verdade Prática: "Multiplicados os sinais estão; No Oriente se vê o alvor, Breve, os crentes subirão; Quem dera hoje ouvir" (Harpa Cristã hino 125)
 
Leitura Bíblica Em Classe: Mt 24.1-14
1 E, QUANDO JESUS ia saindo do templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo. 2 JESUS, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada. 3 E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? 4 E JESUS, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; 5 Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o CRISTO; e enganarão a muitos. 6 E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. 7 Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra  reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. 8 Mas todas estas coisas são o princípio de dores.9 Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. 10 Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. 11 E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. 12 E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. 13 Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo. 14 E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.
24.3 25.46 O SERMÃO DO MONTE DAS OLIVEIRAS. A profecia de JESUS no monte das Oliveiras foi dada em resposta a uma pergunta dos díscípulos: Que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? JESUS, a seguir, declarou esses sinais: (1) sinais gerais, do decurso da referida era até os últimos dias (vv. 4-14); (2) sinais especiais apontando para os dias finais da dita era (vv. 15-28); (3) sinais extraordinários que ocorrerão na sua vinda triunfal, com poder e grande glória (vv. 29-31); (4) admoestação aos santos, da tribulação, para que estejam alerta aos sinais que precederão a esperada vinda de CRISTO, logo após a tribulação (vv. 32-35); (5) admoestação a todos os crentes vivos, na pré-tribulação, para estarem espiritualmente prontos para o momento inesperado e desconhecido da vinda de CRISTO para os seus fiéis (vv. 36-51; 25.1-13; ver Jo 14.3 ); (6) uma descrição do julgamento das nações depois da volta de CRISTO à terra (25.31-46). Saiba-se que muitos pormenores da vinda de CRISTO não estão revelados em Mt 24. Além disso, ninguém, até hoje, conseguiu elucidar com absoluta certeza todas as profecias bíblicas a respeito dos tempos do fim
24.4-51 JESUS RESPONDENDO. As palavras de JESUS no sermão do Monte das Oliveiras foram dirigidas aos seus discípulos e a todo povo de DEUS, daqueles dias e até o fim dos tempos, quando ocorrerá a sua volta triunfante à terra, para estabelecer o seu reino milenial. (1) Quanto aos crentes vivos, antes da tribulação, CRISTO lhes diz que ninguém pode calcular, nem sequer fazer uma estimativa do dia da sua volta para buscá-los (vv. 42-44). Por isto, devem estar prontos a qualquer momento, porque Ele voltará para os levar ao céu, i.e., à casa do seu Pai (Jo 14.2,3), numa hora em que não pensam que Ele virá (ver v. 44). (2) Quanto aos que crerem em CRISTO durante a grande tribulação, poderão saber com mais certeza o momento da sua vinda. CRISTO lhes dá sinais, pelos quais saberão que a sua volta está muito próxima (vv. 15-29). Quando esses sinais acontecerem, devem reconhecer que ele está próximo, às portas (ver v. 33)
24.4 SINAIS DO FIM DOS TEMPOS. Em Mt 24.4-14, JESUS cita os sinais que caracterizarão o decurso inteiro dos últimos dias e que se intensificarão à medida que o fim se aproximar. (1) Os falsos profetas e os liberais religiosos dentro da igreja visível aumentarão e enganarão a muitos (vv. 4,5,11). (2) Muitas guerras, fome e terremotos (vv. 6,7) serão o princípio de dores (de parto) (v. 8) da nova era messiânica que se aproxima. (3) À medida que o fim se aproxima, o povo de DEUS será severamente perseguido (v. 9), e muitos abandonarão a sua lealdade a CRISTO (vv. 9,10). (4) O desrespeito pelos mandamentos de DEUS, a violência e o crime aumentarão rapidamente, e o amor natural e o afeto na família diminuirão (v. 12; cf. Mc 13.12; 2 Tm 3.3). (5) Apesar desta intensa e crescente aflição, o evangelho será pregado no mundo inteiro (v. 14). (6) Os salvos permanecerão firmes na fé através de todas as angústias dos tempos do fim (v. 13). (7) Os fiéis, à medida que virem o aumento desses sinais, saberão que o dia da volta do Senhor para buscá-los se aproxima (Hb 10.25; ver Jo 14.3).
24.5 E ENGANARÃO A MUITOS. Este primeiro grande sinal é muito importante. CRISTO declara que durante os últimos dias desta era, o engano religioso será volumoso na terra. Note-se que as primeiras palavras que CRISTO dirigiu aos discípulos a respeito do tempo do fim foram Acautelai-vos, que ninguém vos engane (v. 4). É do maior interesse de CRISTO que seus seguidores se acautelem do engano religioso que se alastrará em todo o mundo nos últimos dias. Para salientar esse perigo para os crentes dessa época, CRISTO repete a advertência duas vezes, no sermão do Monte das Oliveiras (ver v. 11; v. 24)
24.9 SEREIS ODIADOS. Tribulações virão sobre todo crente em CRISTO durante sua peregrinação na terra. Sofrer por CRISTO, por sermos leais a Ele e à sua Palavra, faz parte intrínseca da fé cristã (cf. Jo 15.20; 16.33; At 14.22; Rm 5.3; ver Mt 5.10; 2 Tm 3.12 ).
24.11 SURGIRÃO MUITOS FALSOS PROFETAS. À medida que os últimos dias se aproximarem, surgirão muitos falsos mestres e pregadores entre o povo. Grande parte do cristianismo se tornará apóstata. A lealdade total à Palavra de DEUS, bem como santidade bíblica, serão coisas raras. (1) Crentes professos aceitarão novas revelações , mesmo que elas conflitem com a Palavra revelada de DEUS. Isto motivará oposição à verdade bíblica dentro da igreja (ver 1 Tm 4.1 ; 2 Tm 3.8; 4.3).
Homens pregando um evangelho misto ocuparão posições estratégicas de liderança nas denominações e nas escolas teológicas (ver 7.22). Os tais enganarão e desviarão a muitos dentro da igreja (ver Gl 1.9; 2 Tm 4.3; 2 Pe 3.3,4). (2) Em todas as partes do mundo, milhões de pessoas praticarão ocultismo, astrologia, feitiçarias, espiritismo e satanismo. A influência dos demônios e espíritos malignos multiplicar-se-á sobremaneira (ver 1 Tm 4.1). (3) Para não ser enganado, cada crente deverá crescer em fé e amor para com CRISTO, e ter como autoridade absoluta em sua vida a Palavra (vv. 4,11,13,25), conhecendo-a bem na sua totalidade (ver 1 Tm 4.16)
24.12 POR SE MULTIPLICAR A INIQÜIDADE. Um aumento incrível de imoralidade, desrespeito e rebeldia contra DEUS e abandono dos princípios morais caracterizarão os últimos dias. A perversão sexual, a fornicação, o adultério, a pornografia, as drogas, a música ímpia e as diversões sensuais multiplicar-se-ão. Será como foi nos dias de Noé (v. 37). A imaginação através dos pensamentos do coração humano será só má continuamente (ver Gn 6.5). Será como nos dias de Ló (Lc 17.28,30), i.e., homossexualismo, lesbianismo e todos os tipos de perversão sexual saturarão a sociedade (ver Gn 19.5; 1 Tm 4.1; 2 Tm 3.1-8). JESUS acrescenta que isto fará minguar o verdadeiro amor.
24.14 O EVANGELHO DO REINO. O fim virá somente depois que o evangelho do Reino for devidamente pregado em todo o mundo. (1)O evangelho do Reino é o evangelho pregado no poder e na justiça do ESPÍRITO SANTO e acompanhado dos sinais principais do evangelho. (2) Somente DEUS saberá quando isto será realizado, segundo o seu propósito. O dever do crente é ser fiel e alcançar todo o mundo até que o Senhor volte para levar a sua igreja ao céu (ver 28.19,20; Jo 14.3; 1 Ts 4.13).
(3) Muitos intérpretes da Bíblia crêem que o fim , neste versículo, refere-se à ocasião em que os que morreram em CRISTO ressuscitarão primeiro e os fiéis da igreja de CRISTO serão arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares (1 Ts 4.16,17). Nos versículos 37-44, CRISTO apresenta mais pormenores do seu aparecimento repentino para buscar a igreja fiel.
24.14 ENTÃO VIRÁ O FIM. CRISTO fala aos discípulos como se o que Ele estava predizendo aqui fosse ocorrer naquela mesma geração. Esta, portanto, era a esperança da igreja do NT. Esta deve ser também a esperança de todos os que crêem em JESUS CRISTO, em todos os tempos. Devemos esperar que o Senhor volte em nossa geração (ver 1 Co 15.51estud). O crente deve ter em mente, em todo tempo, a iminência da vinda de CRISTO, e, ao mesmo tempo, difundir o evangelho.
 
Comentários
Introdução
“PREPARA-TE PARA TE ENCONTRARES COM O SENHOR TEU DEUS, PORQUE NÃO SABES O DIA NEM A HORA QUE HÁ DE VIR O VOSSO SENHOR”.
  
 “Os teus olhos verão o Rei na sua formosura, e verão a terra que está longe...”(Is 33.17).
 O maior acontecimento da história está preste a ocorrer – A Segunda Vinda ou a volta do Senhor JESUS a este mundo.
O próprio Senhor JESUS CRISTO falou a respeito de Sua vinda:
“Na casa de meu Pai há muitas moradas;... e, quando eu for, e vos preparar lugar; virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.(Jo 14.3) http://www.armazemnadia.com.br/henrique/noivado.htm
 “Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós” (Jo 14.18). Ele mesmo disse que viria, e não há razão para duvidarmos, Ele nunca cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano (I Pe 2.22). Ele é o próprio DEUS. “Outra vez vos verei” disse Ele “e o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará. E naquele dia (o do arrebatamento) nada me perguntareis”.(Jo 16.22,23 a). Isso Ele disse, tamanha será a alegria deste momento tão esperado e anelado por todos nós.
Que Ele vem, isto é certo, mas...COMO E QUANDO ACONTECERÁ?
O apóstolo Paulo em sua l ª Epístola aos crentes de Corinto, nos revela um grande mistério: “Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão, e nós seremos transformados”.(I Cor 15.51-54)
 
"FILHINHOS, É JÁ A ÚLTIMA HORA" 1 Jo 2:18
 
O QUE É E QUANDO SERÁ A ÚLTIMA HORA?
A ÚLTIMA HORA É A VINDA DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO PARA BUSCAR SUA IGREJA, SUA NOIVA; SANTA, PURA, SEM MÁCULA E NEM RUGA. É A HORA DO ARREBATAMENTO DA IGREJA (RAPTO). A HORA E O DIA NINGUÉM SABE, SENÃO O PAI (É TAMBÉM A HORA DA ANGÚSTIA E TORMENTO PARA OS QUE FORAM REBELDES AO SEU CHAMADO); SABEMOS OS SINAIS E A ESTAÇÃO:
Mt 24:32-36 A FIGUEIRA É ISRAEL, OS RAMOS SÃO POVOS E TRIBOS, FRUTOS SÃO OS JUDEUS ESPALHADOS PELA TERRA Ez; Is E Mq E MUITOS OUTROS PROFETIZARAM A ESSE RESPEITO (VALE DE OSSOS P/ EXEMPLO).
Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de DEUS; e os que morreram em CRISTO ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.
1Ts 4: 16-17
 
Tópico I - O que são os sinais da volta de JESUS?
Temos a bendita esperança da vinda gloriosa do nosso grande DEUS e Salvador, JESUS CRISTO (Tt 2.13), quando, então, os crentes serão arrebatados da terra, para o encontro com Ele nos ares (1Ts 4.13-18), e, quando, então, nós o veremos como Ele é e nos tornaremos semelhantes a Ele (Fp 3.20,21; 1Jo 3.2,3).
Os sinais são dados como alerta para que estejamos preparados para este tão glorioso dia.
1. Com Amor
"Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda". 2 Tm 4.8 nos chama a atenção para o amor à vinda de CRISTO, pois a grande maioria se esqueceu de esperar JESUS hoje, como faziam os apóstolos, mas estes, estão esperando JESUS como se O mesmo fosse voltar somente daqui a séculos, estão vivendo despercebidamente.
Mt 24.50 Virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe,
 
2. Com Sobriedade
1Pe 4.7 nos alerta a estarmos alertas e sóbrios, ou seja, prontos e vigiando, o que significa estar de olho nos sinais de Sua vinda. Sóbrio quer dizer não estar a deriva, sem rumo certo ou sem ter certeza; existem muito "bêbedos espirituais" que seguem qualquer novidade escatológica sobre a vinda de JESUS.
 
3. Com Paciência
"Sede pois, irmãos, pacientes até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia".Tg 5.7 Aqui nos fala sobre a importância da confiança na Palavra de DEUS e na viva esperança; Pedro nos fala que JESUS ainda não veio, pois deseja que muitos sejam salvos (2Pe 3.9 "O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se".) Muitos dizem que JESUS não virá ou que Ele demorará muito ainda a chegar, mas estão sendo usados por Satanás e não pelo ESPÍRITO SANTO, pois esta mensagem é maligna e não tem fundamento diante dos patentes sinais da volta de nosso Senhor e Salvador, JESUS CRISTO.
 
Rm 8.25 Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos.
Hb 10.37 Porque ainda um pouquinho de tempo, E o que há de vir virá, e não tardará.
 
4. Com discernimento
Discernir é enxergar o que está oculto aos olhos dos incrédulos, porém está claro aos olhos espirituais. Estejamos sempre enxergando além dos que se perdem para que aquele dia não nos pegue de surpresa. Os sinais devem ser enxergados pelos crentes fiéis, se acaso você não os está vendo, sugiro que compre colírio para seus olhos espirituais, ou seja, comece a orar e ler a bíblia, pedindo ao ESPÍRITO SANTO revelação das coisas futuras.
1 Co 2.15 Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.
 
Tópico II - Os sinais da volta de CRISTO referentes a Israel
Israel é chamado "O relógio de DEUS", pois é como uma vitrine apocalíptica sendo revelada a cada dia. Veja a construção deste enorme muro ao redor de Jerusalém, por exemplo; não seria a preparação para a volta de Jerusalém como capital de Israel? Temos inúmeros sinais que estão se cumprindo, JESUS está às portas!!!!!!!!!!!!
 
1. O renascimento de Israel como nação soberana
RETORNO:
     A criação da primeira colônia judia em 1882, nas proximidades de Jaffa, marcou o início da imigração de JUDEUS para a região.
“Então o Senhor teu DEUS te fará voltar do teu cativeiro e se apiedará de ti; e tornará a ajuntar-te dentre todas as nações entre as quais te espalhou o Senhor teu DEUS”.(Dt 30.3)
Em 1923, quase vinte séculos depois da diáspora (dispersão dos JUDEUS), milhares de famílias judaicas começam a retornar à região, que após o domínio turco, se tornara protetorado inglês, desde 1922.
“... Eis que eu tomarei os filhos de Israel de entre as nações, para onde eles foram, e os congregarei de todas as partes, e os levarei à sua terra”.(Ez 37.21)
O retorno dos JUDEUS à sua terra começou precariamente no século passado em conseqüência dos horrorosos pógrons, ou massacres, praticados livremente contra esse povo nos ghetos de centenas de cidades européias e principalmente na Rússia.
Animados pela “proclamação Balfour” que era favorável ao estabelecimento de um Lar Nacional para o povo judeu, na palestina, o movimento imigratório aumentou consideravelmente, em cumprimento à profecia bíblica: “E removerei o cativeiro do meu povo Israel, e reedificarão as cidades assoladas e nelas habitarão, e plantarão vinhas, e beberão o seu vinho e farão pomares, e lhes comerão o fruto. E os plantarei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra que lhes dei, diz o Senhor teu DEUS”.(Amós 9.14,15)
 
RESTAURAÇÃO:
     Em 14 de maio de 1948, quando os ingleses deixaram a região, os JUDEUS, apoiados pelos Estados Unidos, proclamaram oficialmente o novo Estado de Israel, em cumprimento à profecia bíblica de Isaías, que diz:
“ Poder-se-ía fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos.” (Isaías 66.8)
Fincados em sua terra, expulsaram milhares de palestinos e se viram às voltas com a primeira guerra contra os árabes; mais uma vez o pequeno “Davi” teve de defrontar-se com o gigante “Golias”.
A intenção dos árabes, muitas vezes reafirmada, é a de expulsar os JUDEUS e riscar Israel do mapa. Nesse sentido foram travadas quatro grandes guerras desde 1948 (1947/ 48, 1956, 1967 e 1973) sem que as potências mundiais pudessem fazer qualquer coisa no sentido de evitá-las.
Mas de todas as agressões sofridas, Israel tem saído vitorioso, fortalecido e mais consciente do seu desiderato histórico. Nunca cedeu a pressões de grupos terroristas como a OLP de Arafat, nem se intimidou com as inúmeras ameaças de um povo hostil que os cerca de todos os lados.
As espetaculares vitórias dos JUDEUS sobre seus inimigos têm sido um assombro para o mundo. Quando em junho de 1967, os árabes, liderados pelo ditador egípcio Gamal Abdel Nasser, planejaram e tentaram a destruição do Estado Judaico, foram seis dias de medo e apreensão em todo o mundo, de terrível surpresa e humilhação para os invasores e de grandes e inesquecíveis glórias para a jovem nação israelense. Os soldados JUDEUS enfrentaram heroicamente os inimigos , destroçaram por completo seu moderníssimo arsenal bélico e ampliaram, para quase quatro vezes mais o território de seu país.
Israel para os árabes está na proporção do Sergipe para o Brasil, como pode ainda prevalecer sobre seus inimigos? Nenhuma resposta fora da Bíblia Sagrada pode satisfazer plenamente a razão humana: “E o Senhor te porá por cabeça e não por cauda” “E os plantarei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra que lhes dei, diz o Senhor teu DEUS.” (Dt 28.13 e Amós 9.15).  Verdadeiramente DEUS interveio em defesa da minúscula nação israelense.
  
O DESERTO FLORESCE!
     Subjugada durante séculos por povos estranhos, a Terra Santa se foi tornando, pouco a pouco, um enorme deserto. Era o cumprimento da Palavra de DEUS em Levítico 26.33: “... E a vossa terra será assolada, e as vossas cidades serão desertas”. Foi exatamente nestas condições que os primeiros JUDEUS encontraram a palestina. Todavia, trabalhando diuturnamente nas condições mais desfavoráveis possíveis, os novos colonizadores plantaram milhões de mudas de árvores e drenaram extensos pântanos, através de um arrojado programa de recuperação do solo, em que parte das águas do rio Jordão foram desviadas, até que o deserto começou a florescer.
“Dias virão em que Jacó lançará raízes, e florescerá e brotará Israel, e encherá de fruto a face do mundo.” (Is 27.6) “...Então farei com que sejam habitadas as cidades e sejam edificados os lugares devastados, e a terra assolada se lavrará... e dirão: Esta terra assolada ficou como o jardim do Éden; e as cidades solitárias, e assoladas e destruídas, estão fortalecidas e habitadas.” (Ez 36.33-35)
Hoje, as flores estão realmente crescendo no Neguev, as cidades antigas foram reconstruídas e habitadas, e a triste paisagem desértica foi substituída pelo verde alegre da natureza.
 
O SINAL DA FIGUEIRA BROTANDO 
“Olhai para a figueira e para todas as árvores, quando já tem rebentado, vós sabeis por vós mesmos, vendo-as, que perto está o verão.” (Lucas 21.29,30)
A figueira, que é Israel, está agora mesmo brotando em cumprimento à Palavra de DEUS. Esta nação milenar é como o relógio de DEUS a revelar “o horário” em que nos encontramos dentro da presente dispensação da graça (Ef 3.2). Particularmente o retorno dos JUDEUS à sua pátria, depois de quase vinte séculos, constitui um extraordinário sinal de que estamos vivendo no “tempo do fim”, nos dias que antecedem a volta em glória do Senhor JESUS CRISTO, a Cabeça da Igreja e o Messias de Israel.
“Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque A VOSSA REDENÇÃO ESTÁ PRÓXIMA”.(Lucas 21.28) 
 
2. A retomada de Jerusalém como a capital de Israel
Jerusalém, o coração e a alma do povo judeu, desempenha um papel central na cultura, história e religião judaicas. Desde 1004 AEC, quando o rei David estabeleceu Jerusalém como a capital da nação judaica, a presença judaica vem continuando sendo constante e duradoura na cidade. Além do mais, liturgia, música, literatura e poesia judaicas são repletas de referências a Jerusalém, ou Sion, o nome bíblico da cidade.
Cidade sagrada às três principais religiões, Jerusalém é o domicílio de uma concentração única de lugares religiosos. Desde que a cidade foi reunificada sob a soberania israelense em 1967, o Estado de Israel conseguiu proteger os direitos de todos os grupos religiosos de gozar da liberdade de culto, e vem restaurando e reconstruindo lugares santos cristãos, muçulmanos e judeus. Realmente, em nenhuma outra época da história os fieis de todos as crenças têm gozado de um nível de liberdade religiosa, como agora.
O direito judeu a Jerusalém tem suas origens em 3 mil anos de história
Jerusalém esteve no centro da consciência judaica por mais de três mil anos, ainda antes do rei David fazê-la a capital do seu reino, em 1004 AEC. Eventos da Bíblia, como o Sacrifício de Isaac e a escada de Jacob, são tradicionalmente ligados a Jerusalém. Nenhuma outra cidade desempenhou um papel tão predominante como esta na história, cultura e religião de um povo, como Jerusalém desempenhou para o povo judeu. Jerusalém, ou Sion, é mencionada mais de 800 vezes na Bíblia judaica.
Por toda a Diáspora, Jerusalém sempre permaneceu principal nos pensamentos do povo judeu, enquanto dirigiram-se a Sion em oração, três vezes por dia. Rituais diários como a reza após as refeições, ou cerimoniais especiais como Sheva Brachot (benções do casamento), são repletos de referências à ânsia do povo judeu por sua antiga capital. Nos feriados, judeus de todo o mundo se saúdam com a saudação tradicional, "No próximo ano em Jerusalém."
A independência judaica na Terra de Israel, que terminou em 70 EC e foi retomada em 1948, representa o período mais longo de soberania sobre Jerusalém por qualquer nação. Nenhuma outra nação pode afirmar uma existência política longa como esta, na história registrada desta cidade única.
Em todas as épocas de soberania estrangeira sobre Jerusalém - romana (70 - 324 EC), bizantina (324 - 614), persa (614 - 640), árabe (640 - 1099), cruzada (1099 - 1291), mameluca (1291 - 1516) e turca otomana (1516 - 1918) - os judeus foram perseguidos, massacrados e sujeitos a exílio. Apesar disso, a presença judia em Jerusalém continuou constante e duradoura.
Judeus sempre escolheram morar em Jerusalém. Desde 1840, os judeus têm constituído o maior grupo étnico da cidade, e têm representado uma maioria ininterrupta em Jerusalém, desde a década de 1860.
O direito judeu a Jerusalém como sua capital é único
Sempre houve um consenso nacional em Israel sobre o status de Jerusalém. Desde a reunificação da cidade em 1967, todos os Governos israelenses têm declarado sua política de que Jerusalém unida, a capital eterna de Israel, é uma cidade indivisível sob soberania israelense e que o acesso livre aos lugares santos e a liberdade de culto continuarão a ser garantidos para fiéis de todas as crenças.
Apenas duas vezes Jerusalém foi capital nacional: a capital dos reinos bíblicos de Israel e Judéia, antes da destruição romana de 70 EC, e a capital do moderno Estado de Israel, desde do renascimento do Estado judeu em 1948.
Além do povo judeu, nenhuma outra nação ou Estado que ganhou soberania política sobre a área tornou, em qualquer momento, Jerusalém em cidade capital. Ambos os impérios árabe e mameluco escolheram governar de Damasco, enquanto o soberano otomano residiu em Constantinopla. Além disso, esses impérios nem mesmo concedera a Jerusalém o status de capital distrital.
Historicamente, Jerusalém é uma cidade unida
Os 19 anos de ocupação da parte oriental de Jerusalém - a única época em que a cidade ficou dividida - foi resultado de um ataque não provocado seguido por uma anexação não reconhecida:
- No dia 14 de maio de 1948, ao término do mandato britânico, Israel proclamou sua independência. Logo após a proclamação de Israel, os países árabes circundantes atacaram o Estado recém-nascido. A Legião árabe colocou um cerco sobre o quarteirão judaico da cidade velha.
- No dia 28 de maio de 1948, a Legião árabe invadiu o quarteirão judaico e a parte oriental de Jerusalém, enquanto Israel manteve os bairros ocidentais, povoados por judeus. Jerusalém ficou dividida pela primeira vez na sua história.
- em 1950, a Transjordânia anexou a Cisjordânia e Jerusalém, num ato que nem foi reconhecido pela comunidade mundial (fora de dois países), nem por outros Estados árabes.
No dia 5 de junho de 1967, um ataque árabe não provocado foi lançado sobre os bairros ocidentais de Jerusalém, povoados por judeus. Um bombardeio indiscriminado de artilheira danificou lugares religiosos, hospitais e escolas, no outro lado da linha de armistício de 1949; o quartel general da ONU ao sul de Jerusalém foi tomado, e tropas inimigas começaram a entrar nos bairros judeus.
As Forças de Defesa de Israel repeliram a invasão, e no dia 7 de junho retomaram a cidade velha, reunindo Jerusalém. O arame farpado e as barreiras de concreto, que haviam dividido Jerusalém, foram finalmente retirados, e a lei, jurisdição e administração israelense foram estendidas aos bairros orientais da cidade.
Jerusalém é, e sempre era, uma cidade não dividida, com exceção deste período de 19 anos. Não há nenhuma justificação para que este período curto seja visto como um fator determinante do futuro da cidade, e negar três mil anos de unidade.
Não há nenhuma base para um status de Corpus Separatum para Jerusalém
Não há nenhuma base na lei internacional para a posição que apoia o status de Corpus Separatum (entidade separada) para a cidade de Jerusalém. Este conceito originou-se numa proposta contida na Resolução 181 da Assembléia Geral da ONU, de novembro de 1947, que tratou da partilha do mandato britânico da Palestina. É preciso lembrar que a idéia foi uma proposta não obrigatória, que nunca se materializou, tornando-se irrelevante quando os países árabes rejeitaram a Resolução da ONU e invadiram o recém-nascido Estado de Israel.
Nunca houve nenhum acordo, tratado ou entendimento internacional, que aplicasse o conceito de Corpus Separatum a Jerusalém.
Por estas razões, Israel vê a solução do Corpus Separatum como nada mais do que uma das inadequadas tentativas históricas feitas para examinar soluções possíveis para o status da cidade.
Os árabes de Jerusalém e as negociações israelo-palestinas
Logo depois da reunificação de Jerusalém por Israel em 1967, aos moradores árabes de Jerusalém foi oferecida cidadania israelense completa, embora a maioria recusasse aceitá-la.
Todavia, aqueles que escolheram não aceitar cidadania israelense, retêm o direito, como moradores da cidade, de participar em eleições municipais e gozar dos benefícios econômicos, culturais e sociais concedidos a cidadãos israelenses, como os fundos de saúde e serviços de previdência social de Israel, tanto como ser sócio do Sindicato de Trabalhadores de Israel.
O direito civil de árabes palestinos de manter suas próprias instituições não políticas humanitárias, educacionais e sociais foi reiterado por Israel durante as negociações israelo-palestinas.
Contudo, de acordo com a Declaração de Princípios Israelo-palestina de 1993 - a base para as atuais negociações - instituições políticas da autoridade autogovernativa palestina não tem permissão para operar na cidade.
O consenso israelense sobre Jerusalém: Culturalmente diversa - politicamente unida
O status de Jerusalém como a permanente capital do Estado de Israel tem sido reiterado por todos os Governos israelenses, desde o estabelecimento do Estado, em 1948:
Em 1949, o primeiro premier David Ben-Gurion atuou para reconstituir a sede do Governo em Jerusalém, e o parlamento de Israel, o Knesset, foi reunido novamente na cidade em dezembro daquele ano.
Em seguida da reunificação de Jerusalém no decorrer da Guerra dos Seis Dias, em 1967, junto com a extensão da jurisdição e administração israelense sobre a parte oriental de Jerusalém, o Knesset aprovou a lei da Preservação dos Lugares Santos de 1967, que garante a liberdade de acesso aos lugares santos da cidade e a sua proteção.
Em 1980, o Knesset legislou a Lei Básica: Jerusalém, Capital de Israel, que declara novamente a posição de que "Jerusalém, completa e unida, é a capital de Israel" e a sede de suas principais instituições de Governo. Ela também reitera o compromisso de Israel de proteger os lugares santos e desenvolver a cidade.
No dia 28 de maio de 1995, o então primeiro-ministro Yitzhak Rabin declarou, "Em 1980, o Knesset aprovou a lei de Jerusalém. Todos os Governos de Israel, incluindo o atual Governo, estavam totalmente convictos que o que foi determinado em 1967, o que foi legislado em 1980 - a capital de Israel, o coração do povo judeu - estes são os fatos que durarão para a eternidade.
O status de Jerusalém é único. Política e espiritualmente, Jerusalém era, é e sempre será a capital do povo judeu. Porém, ao mesmo tempo, ela desempenha um papel significativo na identidade religiosa de centenas de milhões de fieis das fés monoteístas. O mundo árabe vê Jerusalém como um - embora ela não seja o mais significativo - de seus lugares santos. Além disso, enquanto quase 75% dos cidadãos de Jerusalém são judeus, muitos árabes palestinos chamam a cidade de seu lar. É por estas razões que Israel concordou em enfocar questões relacionadas a Jerusalém na etapa do status permanente das atuais negociações de paz.
Em conclusão, à luz do significado único que a cidade de Jerusalém possui para o povo judeu, o Governo de Israel tem reiterado conseqüentemente sua posição que enquanto direitos religiosos e culturais de todas as comunidades da cidade devem ser garantidos - Jerusalém é e permanecerá a capital do Estado de Israel, não dividida, sob soberania exclusiva de Israel.http://www.lindinopolis.org.br/israel.html#STATUS%20DE%20JERUSALÉM  Veja a construção recente de um muro em volta de Jerusalém como uma preparação para A retomada de Jerusalém como a capital de Israel emhttp://www2.rnw.nl/rnw/pt/atualidade/arquivo/at020618muroisrael.html
 
3. A reconstrução do santo templo
http://www.armazemnadia.com.br/henrique/TEMPLOGEOGRAFIA.JPG
SOBRE A REEDIFICAÇÃO DO TEMPLO EM JERUSALÉM
Creio que o antigo templo será literalmente e fisicamente reedificado, pelas seguintes razões:-
1) Sempre que Israel teve o domínio de Jerusalém o templo permaneceu edificado! Veja a cronologia abaixo (construção e destruição do Templo):
1004 a.C. - 965 a.C. - Reinado de Davi ( Davi conquista Jerusalém )
965 a.C. - 922 a.C. - Reinado de Salomão e construção e dedicação do 1o. Templo
587 a.C. - Nabucodonosor destrói Jerusalém e o Templo, expulsando as tribos de Judá para a Babilônia;
539 a.C. - Ciro conquista a Babilônia e permite aos judeus voltarem a Jerusalém. O Templo é reconstruído por Zorobabel.
175 a.C. - Antíoco IV é coroado. Ordena abolir o culto ao DEUS de Israel e profana o Templo, oferecendo sacrifícios impuros em seu altar.
70 d.C. - Tito reprime a revolta dos judeus e destrói, completamente, a cidade de Jerusalém (inclusive o Templo).
691 d.C. - O califa Abd-el-Malik constrói a mesquita do Domo da Rocha no local onde se erguiam o Primeiro e o Segundo Templos de Jerusalém.
2. Atualmente, desde que Israel reconquistou a parte oriental de Jerusalém na guerra dos seis dias (1967), o maior sonho do povo judeu é a reconstrução do templo. Há informações de que Israel há muito já dispõe de todo o material necessário, e que a obra será conduzida rapidamente, quando chegar a hora... O templo só não foi ainda reedificado porque na área do antigo templo está edificada a Mesquita do Domo da Rocha, dos mulçumanos! Falar em derrubar esta mesquita hoje em dia, seria o mesmo que declarar guerra aos árabes (mulçumanos)! Nos anos de 1999 e 2000, neste local, já se ouvia diretamente de guias turísticos que, em razão de escavações que estão sendo feitas por baixo da área da esplanada do templo, os judeus já começam a acreditar que a área exata do antigo templo seria um grande pátio situado ao lado da Mesquita! Em se confirmando, o templo seria reerguido ao lado da Mesquita! Interessante é que esta área fica exatamente em frente ao Portão Dourado de Jerusalém, porta pela qual JESUS entrou sendo aclamado como Rei, no Domingo de Ramos. Os judeus lacraram este portão por entenderem que, quando o Messias vier, Ele entrará por esta porta... A reconstrução do templo neste local (ao lado da Mesquita) além de não provocar maiores atritos, se mostraria justificável perante o mundo, pois, se os mulçumanos têm a sua Mesquita, é justo que os judeus também tenham o seu Templo.
3. É inconcebível, sobretudo para o povo judeu, Jerusalém sem o Templo! Choca muito também ao povo cristão ver um templo pagão (Mesquita) em lugar do Templo do Senhor! Enquanto os mulçumanos têm uma linda e suntuosa Mesquita, os judeus ortodoxos têm apenas o "Muro das Lamentações"! Certamente que isto não durará muito tempo... Sendo Jerusalém a cidade do Grande Rei (Mt 5:35), e estando esta cidade sob o domínio do povo judeu, certamente que eles reedificarão o Templo para adoração a Jeová!
4. A leitura de Daniel 8:13, 11:31, 12:11 deixa claro tratar-se do templo, fisicamente. Também o texto de II Ts 2:4 quando diz: "...o qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama DEUS, ou objeto de culto, a ponto de assentar-se no santuário de DEUS, ostentando-se como se fosse o próprio DEUS." O texto de Mt 24:15 combinado com estes outros textos aqui citados, nos conduz ao entendimento de que o "lugar santo" referido em Mt 24:15 é o altar do templo (o qual terá que ser reedificado!).
 
Tópico III - Os sinais da volta de CRISTO referentes ao mundo
Um estudo minucioso das Escrituras mostra, que na realidade, o Senhor proporcionou uma boa soma de informações a respeito da Sua volta. Sinais anunciadores nos fazem crer na proximidade de Sua Vinda e nos dão reais evidencias acerca deste assunto.
1. Proliferação de falsos profetas e doutores
APOSTASIA FINAL:
 O SURGIMENTO DE FALSOS CULTOS:
     Apostasia é o afastamento da sã doutrina, a negação da fé, e levará a união de muitos com forças espúrias, a ponto de servir de apoio ao anticristo. É o despontamento da super igreja ou grande babilônia, que unirá a todos os cristãos nominais. Os fiéis serão perseguidos como inimigos da religião e do Estado.

“ Mas o ESPÍRITO expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios; pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência.” (I Tm 4.1,2)

Nenhum comentário: